Você está na página 1de 552

Copy right © 2016 — Ro dri go Rah ma ti

Gra fia atu a li za da se gun do

o Acor do Or to grá fi co da Lín gua Por tu gue

sa de 1990, que en trou

em vi gor no Bra sil em 2009.

Re vi são, di a gra

ma ção

e capa: Ro dri go Rah ma ti

Edi ção di gi tal: Lu cas Fer raz

Este li vro é uma obra de fic ção. To dos os lo cais,

em pre sas e pes so as,

vi vas ou mor tas, são

pro du

tos da ima gi na ção do es cri tor. Qual quer se me lhan ça

com esta re a li da de deve ser mera

co in ci

dên cia.

En con tre o Ro dri go Rah ma ti em:

fa ce bo ok.com/ro dri go.rah ma ti

twit ter.com/ro drah ma ti

ins ta gram.com/ro dri go rah ma ti

www.rah ma ti.com.br

De di ca do a quem me deu as ba ses

e aque la for ça, no co me ço…

Te re si nha Ma cha do,

Te re zi nha Fer rei ra,

 

Dr.ª Elza,

An dré

Re

sen

de,

e Val ter Ma cha do;

…e a quem me deu su por te e feed back, no fi nal:

 

Lu cas Fer raz,

De ni se Ci am pi,

Mar ce lo F Za ni

o lo,

 

An dré

Wal

la

ce,

Ra fa

el Fran ças,

Lu ci en o Bi bli o te

rio,

Me

la

nie

Young,

Da ni

el Mar ques,

 

Luís H Be ber,

C G Sam paio,

Ma theus Sal fir,

e a mi nha Lu ci a ne

Rah ma ti.

Essa obra não se ria me ta de do que foi sem vo cês.

Obri ga do.

Apre​sen​ta​ção

An tes mes mo da pri mei ra gi na, a apre sen ta ção des te li vro par te da

sub je

ti vi da de do au tor e de seu apre ço pela li te ra tu ra.

Ro dri go Rah ma ti é lei tor. Por isso,

não

só es cre

ve, mas

lê (mui to),

apren de,

pen sa, ana li sa e in ter

pre ta. É crí ti co. En ten de o pa pel e a im por tân -

cia de cada pa la vra na cons tru

ção de uma fra se. Da pon tu a ção ao rit mo.

Das fun ções

do tex to; das in ten

ções do au tor.

En tão, a re pu ta ção e a qua li da de da obra que você se gu ra em mãos é an -

te ri or às suas pri mei ras li nhas. Co me ça no amor do au tor pela es cri ta; ca mi -

nha em seus con tos.

Tran si ta no trei no e pela prá ti ca que so men

te o tem po

con fe re. Por fim, en ve re da–se no pla ne ja men to que cul mi nou em um dos

mais ori gi nais e cri a ti vos en re dos da fan ta sia bra si lei ra: O ar qui

vo dos so nhos

per di

dos.

An si

o so

para co me çar a ler?

Pois de ve ria.

O que você vai en con trar

a se guir não está na his tó

ria. Não na nos sa,

ao

me nos. Não na que nos é con ta da pe los li vros e es tu dos pu bli ca dos até en tão.

Acre di te: sua li nha tem po ral está pres tes a dar um nó.

E dos gran des.

Di

fe

ren tes

e ana crô ni

cos per so na gens irão se reu nir e con du

zir um mo -

sai co de cul tu ras, even tos e in fluên cias, para, as sim, cons truir uma re a li da de

al ter na ti va que você não con se gui rá pa rar de ler.

Pre pa re–se. O mun do não é o mes mo. Nem pes so

as, nem con ti nen tes,

nem len das. Cel tas, meio–cel tas, ma o ris, acá dios — e a pró pria Au ro

ra Ne gra

— não es tão para brin ca

dei

ras.

Nem o au tor.

Mar ce

lo Za ni o lo,

au tor

do ro man ce O Tem plo dos Ven tos

Pró​lo​go – In​tro​du​cing the end

O quão lon ge

se é pos sí vel ir em bus ca de um ob je

ti vo? Ou o que se é

per mi ti do fa zer, eti ca men te,

para atin gi–lo? Quan tas pes so as se pode ma go ar,

quan tas pes so

as se pode ma tar para che gar ao fim de se ja do?

E ao fim ne ces

sá rio? Isso muda as coi sas? Um fim ne ces sá rio? Mas um

fim ne ces sá rio para quem? Para quan tas pes so as? A mai o ria? Isso faz di fe -

ren ça? O cli chê é vá li do — os fins jus ti fi cam os mei os? De pen de do fim…

ou de pen de dos mei os?

Peço per dão se não apre sen to aos lei to res do Vox Bra si lia uma nar ra ti va

no for ma to jor na lís ti co como o ha bi tu al, mas se ria, para no mí ni mo di zer, in -

jus to com aque les que vi ve ram essa his tó ria fazê–lo com o dis tan ci a men to

ne ces sá rio à pro fis são…

ou com o dis tan ci a men to de quem não vi veu o que

será re la ta do. Ser–me–ia mes mo im pos sí vel man ter qual quer dose de neu tra -

li da de em re la ção a tudo isso.

E é por esse mo ti vo que essa qua se in crí vel nar ra ti va vem no for ma to de

ro man

ce, e não em fas cí

cu los

como aque les com os quais o Vox por ve zes

agra cia seus fi éis se gui do res. A crí ti ca es pe ci a li za da ca te go ri zou o que se se -

gue como “ri di cu la men te in ve ros sí mil”, e se ria re al men te ne ces sá ria uma

dose ex tra

de lou cu ra para não o fa zer, mas tudo o que pos so ga ran tir é que

nada do que aqui é re la ta do foi in ven ta

do ou au men

ta do, de qual quer for ma.

Es sas pá gi nas tra tam não mais do que da re a li da de, e so men te es pe ro que, ao

fi nal de las, vo cês te nham se en vol vi do tan to quan to quem as vi veu.

* * *

— Você acha que a vida é como você a per​ce​be, não é? — per​gun​tou

cer​ta vez um deus a um mor​tal.

— Não en​ten​do — dis​se esse mor​tal. Cada vez mais con​fu​so, sua ca​-

be​ça ro​da​va.

— Que​ro di​zer, mais uma vez, que tudo o que vo​cês co​nhe​cem foi

mu​da​do. Você viu o cor​po? Foi ao en​ter​ro? En​tão.

O mor​tal res​pi​rou pe​sa​da​men​te, sol​tan​do a frus​tra​ção jun​to ao gás

car​bô​ni​co da ex​pi​ra​ção.

— Vo​cês per​de​ram tudo. Vo​cês per​de​ram suas his​tó​rias. Vo​cês per​-

de​ram suas vi​das. Fo​ram in​com​pe​ten​tes e pa​ga​ram por isso.

“Vou ser bem sin​ce​ro. Da mes​ma for​ma que de​pen​dem de nós, de​-

pen​de​mos de vo​cês. A de​di​ca​ção de vo​cês nos man​tém, mas nós os con​-

du​zi​mos na jor​na​da. Ou vo​cês acham que sa​bem tudo o que se há para

sa​ber? Sa​bem al​gu​ma coi​sa so​bre a di​men​são em que es​ta​mos? Sa​bem

al​gu​ma coi​sa so​bre a ma​té​ria ou a ener​gia que seus olhos e ou​vi​dos e sen​-

ti​dos não po​dem cap​tar? Po​dem achar que sa​bem, mas são como cri​an​-

ças. São cri​an​ças.

“Acham que vi​ven​do suas vi​di​nhas, “se​guin​do o flu​xo”, po​dem che​-

gar a um re​sul​ta​do sa​tis​fa​tó​rio, mas não po​dem. Acham que já fi​ze​ram

de​mais para o pla​ne​ta ou para seus se​me​lhan​tes, mas, in​fe​liz​men​te, nes​se

mun​do nun​ca é o bas​tan​te. De​ve​ri​am se per​gun​tar uma úni​ca coi​sa, an​-

tes de olhar para esse novo mun​do em que vo​cês cai​rão a cada rai​ar do

sol: suas ine​xis​tên​cias mu​da​ri​am al​gu​ma coi​sa ao seu re​dor?

“O mí​ni​mo que vo​cês de​vem fa​zer é ten​tar mu​dar isso. Para o bem

de to​dos — o nos​so, in​clu​si​ve —, fa​çam o seu me​lhor. Vão ago​ra, e fa​çam

o que eu dis​se. En​con​trem–se o mais rá​pi​do pos​sí​vel, en​con​trem os mei​os

ne​ces​sá​rios para re​a​li​zar o que de​vem re​a​li​zar e con​ser​tem o que fi​ze​ram

de er​ra​do. Sem​pre há tem​po.

Parte I – Seguindo o Fluxo

Capítulo I – Wasted years

— Isso aqui já tá pa re cen do São Pau lo — dis se um fei ran te gor do e ca re -

ca, cor tan do

pei xe, ao ver um jo vem la drão dis pa

rar com uma bol sa na mão,

dei xan do para trás uma ve lhi nha que gri ta va e cho ra va; ape nas mais um as -

pec to do caos da que les dias. E, na que les dias, as ma nhãs de Ri bei rão Pre to

eram mo vi men ta das de mais, es pe

ci al men te no cen tro da ci da de e mes mo com

aque le de sa ni ma dor ca lor do meio do Ve rão.

A pon ta ile gal da fei ra aca ba ra de in va dir mais uma rua na que le dia, o

ca re ca ou vi ra fa lar, e ago ra pa re cia cer to que o re gen te já não po de

ria fa zer

mais nada mes mo.

Era tan ta gen te, tan ta bar ra ca que ele ti nha cer te za que não

ha ve ria for ça po li ci al no mun do todo que fos se

su

fi

ci

en te

para ti rar to dos

aque les ca me lôs dali.

Já lon ge, mais para cum prir a ro ti na, dois po li ci ais per se gui am o la drão -

zi nho. A iden ti fi ca ção dele es ta va im pre ci sa, mas era fá cil no tar que não per -

ten cia a ne nhu ma fac ção. Ape nas al gu mas ma no bras mais ou me nos ou sa das

na moto rou ba da fo ram ne ces sá rias para des pis tar os as tu tos man te ne do res da

lei, que fi ca ram pela pon te do ri a cho que dava nome à ci da de (ain da que hou -

ves se quem achas se mais ade qua do o nome de Ri bei rão Po dre).

O jo vem

í

la drão se li vrou do ve cu lo

ra pi da men te, em bo ra es ti ves se cer to

de que os guar das não re gis tra

ri am o rou bo pelo me nos até a hora do al mo ço;

jul gou, en tão,

es tar se gu ro no pré dio aban do na

do onde se es con

de ra. Con tu -

do, as sim que abriu a bol sa, sen tiu me tal, agres si vo e ge la do, to can do seu

pes co ço.

— Pri mei ra men te — dis se uma voz me lo di o sa per to de seu ou vi do —,

não ima gi ne que eu seja des pro vi do de in te li gên cia como nos sos ami gos

guar das. — O bra ço que ele po dia ver so bre seu om bro era mo re no, e a mão

que se gu ra va a faca ti nha um gros so anel pre to. — Em bo ra eu não te nha mui -

ta re la ção com essa bu ro cra

re–se pre so.

cia toda da lei — acres cen

tou a voz —, con si de -

 

O jo vem

de ci diu que não se in ti mi da ria por al guém que o ame a ça va com

uma faca. Va len do–se da agi li da de da qual mui to se or gu lha va, li vrou–se do

do mí

nio do ou tro.

— En fia sua lei no rabo — dis se ele. Seu es pan to (e des cui do) foi ver

que quem o pren de ra es ta va se mi nu e acom pa nha do de uma moça nos mes -

mos pou cos tra jes. En quan to au to

ma ti ca men te ra ci o ci na va ser esse o mo ti vo

de eles es ta

rem na que le pré dio em ru nas, foi ata ca do e der ru ba do.

í

— Como eu dis se, não é mi nha lei. E não ten te ne nhu ma gra ci nha

dis

se

o mo re no, sa can do

ago ra um sa bre que es ta va ocul to no in te

ri or de seu

so bre tu do, a úni ca peça de rou pa que usa va. — Será mais in te res san te para

você e para o seu pró prio rabo — acres cen tou, fu ran do de leve o pei to do jo -

vem la drão com a pon ta da lâ mi na cur va.

— Es pe

ra… Jess La gu na — dis se o la drão, ao ver a iden ti fi ca ção do ra -

paz. — Fica… fica com o di nhei ro, mas dei xa eu ir.

Jess olhou para a car tei ra que ele se gu ra va e afrou xou um pou co a pres -

são do sa bre. Como a iden ti fi ca ção do jo vem es ta va ile gí vel, usou o pro gra -

ma de fil tro que ti nha con se

gui do da po lí cia.

— Len te Door — co man

dou; era um pro gra

ma vo cal.

Ins

tan

ta

ne

a men te,

o nome e o nú me

ro de iden ti fi ca ção do la drão se tor na ram cla ros so bre sua

ca be ça. A en crip ta

ção não era nada de mui to avan ça do, cla ro. — Quan to tem

aí?

— Três mil… e pou co. Foi o que me dis se

ram — apres sou–se

a res pon -

der o jo vem. Ago ra que o tal Jess sa bia sua iden ti fi ca ção, não ha via mui to

mais a se fa zer. — Você tem o pro gra ma mas não é da po lí cia. Não tem arma.

Pega o di nhei ro e dei xa eu ir, por fa vor.

Ape sar de não gos tar (mui to) da qui lo, Jess acei tou a pro pos ta e dei xou o

jo vem

sair cor ren do.

— Quer al mo çar num lu gar

le gal hoje? — per gun tou en tão à moça, mas

ela ain da

es ta va com ou tras idei as na ca be ça.

*

— Mas como vai fi car a ci da de, eu lhe per gun to?

— per gun tou

o re gen te

To más Ba es so, sen ta

do atrás de sua mag ní

fi ca mesa, no mag ní fi co es cri

rio

de sua mag ní

fi ca man são, ro de a do por sua mag ni fi ca men te ilí ci ta ri que za, co -

me çan do a ver mais pro ble mas em seu ho ri zon te já mag ni fi ca men te pro ble -

má ti co. — Como eu vou fi car?

— Sin to mui to, Vos sa Ex ce

lên cia. É a vida — dis se Jess. — Pa gue–me,

e eu saio de fé rias.

— Não pago — re tru cou

o re gen te,

car

ran

cu

do. — Você se lem bra o que

acon te ceu da úl ti ma vez que saiu de fé rias, eu lhe per gun to? Lem bra–se do

cai na mé? Sim, exa ta men te, da que le, que con se guiu en trar aqui, na mi nha

sala, pas san do por to dos os se gu ran ças e qua se me ma tou? Lem bra? — O re -

gen te re vi rou os olhos, como sem pre ao re cor dar aque le bi cho mal di to.

— Tudo bem — dis se Jess, dan do

de om bros. — Não me pa gue. Mas eu

não tra ba lho. E a sua Po de ro sa Guar da da Ci da de con ti nu a rá sua efi ci en te ta -

re fa de pro te gê–lo dos ban di dos.

Jess se vi rou; sa bia que o re gen te sa bia que suas pa la vras eram ver da dei -

ras. Sen tia–se pres si

o na

do, e não gos ta va dis so. Além do mais, os ban di dos a

que Jess se re fe ria eram aque les que ele di zia se rem os ban di dos, e não os que

a po lí cia po dia pren der.

— Tudo bem — bu fou —; eu lhe pago. E lhe dou fé rias. Mas como a ci -

da de fica, eu lhe per gun to? — acres cen tou, le van tan do–se, mas ain da com as

mãos gor das cra va das nos im po nen tes bra ços da (mag ní fi ca) ca dei ra.

— Vos sa Re ve rên cia tem a Guar da da Ci da de de Ri bei rão Pre to! — dis -

se Jess, e o re gen te

olhou–o com aque la sua ex pres

são en gra

ça da. — Re al -

men te, Vos sa Ex ce len tís si ma, a ci da de so fre ria mui to sem um re gen te tão…

en fim. Cha me al guns mer ce ná rios.

— Es pe

ro não ter mes mo que pre ci sar de les. Ande, quan to lhe devo? —

Ba es so sa bia que, ape sar do que Jess pa re ces se, nun ca mais de ve ria cha mar a

ele de mer ce ná rio.

— Vos sa Ma jes ta de sabe. Dois mil cel tics. — Jess er gueu o quei xo,

cons

tru

in do

o fu tu ro

no pen sa men to. — Fi nal men te

vou co nhe cer o mar.

— Es ta

va jun tan

do di nhei ro? — Se es ti ves se,

não era do seu sa lá rio.

— Há qua se um ano. — Não era do seu sa lá rio.

— Para onde você vai?

— Nor des te.

O re gen te

sen tou–se no va

men te,

co

çan do

a ca be ça.

— Quan do você vol ta?

— No Ou to no.

To más Ba es so pe gou o car tão de Jess e cre di tou–lhe o pa ga men to.

— Es pe

ro que não pre ci se mos de você nes se tem po.

— Eu do mes mo modo, Sua San ti da de. Sin ce ra men te. — E era ver da de.

Jess mal se lem bra va da vida que ti nha an tes da que la em que ele per se guia

todo mun do que o re gen te man da va. E da ou tra que ti ve ra an tes des sa… Des -

sa úl ti ma, na ver da de, ele que ria mal se lem brar.

— En tão é isso — gru nhiu o re gen te, en fi an do pa péis em sua mag ní

fi

ca

ga ve ta. — Es ta mos con ver sa dos; as sim… — Ba es so foi in ter rom pi do ao ver

os pa péis es cor re ga rem de sua mão e, es cor ren do por cima da mesa, ca rem

í

aos pés de Jess, que de pron to se pôs a re co lhê–los. Não, não pre ci sa, eu

mes mo re co lho…

Na tu ral men te, Jess es tra

nhou essa so li ci tu de e pas sou

os olhos pe los pa -

péis. Al guns me mo ran

dos, al guns bi lhe tes es cri tos à mão e…

“Pron

to”,

pen sou To más Ba es so.

“A mer da está fei ta.”

*

Jess su biu pu lan

do os de graus do ho tel de três em três. O ele va dor se ria

de ma si a do len to, ele de ci diu, mes mo que fos se novo ou mes mo es ti ves se

con ser

ta do. Po dia per der os ca be los, as mãos ou até os den tes, mas não po dia

per der tem po. As sim que a por ta de seu quar to se abriu, se jo gou con tra o ar -

má rio e pe gou tudo o que con se

guiu en fi

ar den tro da mo chi la. Dis se a se nha e

o co fre se abriu — e mes mo essa pe que na per da de tem po o ir ri tou. De se jou

ter com pra do o co fre neu ro

né ti co quan do teve di nhei ro, mas de ci diu que até

pen sar

nis so era con tra pro du ti vo. Pe gou tudo o que ti nha den tro dele e jo gou

den tro

da mo chi la tam bém. Na car tei ra, dei xou so men te

o es sen ci al. Quan do

re pas sou de novo o que de ve ria fa zer em se gui da, des con tro

lou–se e so cou a

por ta do ar má rio. Teve que se gu rar al gu ma coi sa que lhe saía pela gar gan ta,

fos

se

cho ro ou vô mi to. Como os deu ses per mi ti am que sua vida sem pre pi o -

ras se, a des pei to do quão ruim já es ti ves se? Ele sem pre se sen ti ra se guin do o

flu xo de um rio — ou sen do le va do por ele —, mas ago ra pa re cia que a úni ca

coi sa que ti nha à fren te era uma ca cho ei ra. Se cai ria num lago ou num mon te

de pe dras, ele não sa bia, mas já não po dia lu tar con tra as cor re dei ras. Ti rou a

rou pa suja de san gue, jo gou–a no chão e pôs uma lim pa. Ter mi nou de ar ru -

mar suas coi sas e sor riu um sor ri so irô ni co quan do

per ce beu que a úni ca coi -

sa de que sen ti ria fal ta era do seu tra ves sei ro.

Des

cen

do de ele va dor, Jess pen sou se de ve ria sair de fi ni nho ou de uma

for ma na tu ral. De ci diu pela se gun da al ter na ti va quan do viu que o re cep ci o -

nis

ta

da vez era o ve lho Je re mia, co le

ga as sí

duo da be be dei ra de sex ta à noi te.

Cum pri men tou–o e tor ceu para que o ve lho não pu xas se con ver sa.

— Jess, vem cá um mo men to — dis se o ve lho, meio tos sin do.

— Ago ra não dá, seu Je re mia. Es tou com pres sa.

— É que tem um pa co te para você, foi uma moça que…

— Leva para o meu quar to, seu Je re mia. Obri ga do. Tchau.

— Mas… — Jess ain da ou viu o ve lho di zer an tes de fe char a suja por ta

de vi dro atrás de si, ra ci o ci

nan do

que não sa be ria di zer, se lhe per gun tas sem,

qual se ria a pró xi ma por ta que abri ria em sua vida.

Ou me lhor — a por ta de pois da pró xi ma, por que a pró xi ma era uma que

ele nun ca

ima gi na ra abrir an tes.

*

Ape sar do ner vo sis

mo, Jess es ta

ci o nou sua Alesyus 250 na vaga, des ceu

e co lo cou

o ca pa ce te no en cai

xe. Seu co ra ção es ta va ace le ra do, e dis pa rou

ain da

mais quan do viu o pon to.

Aque le lu gar

pro va vel men te era o pior que

ele ha via en tra

do na vida — e ele já ti nha ido a ba res de bei ra de es tra da do

tipo que dão uma in to xi ca ção ape nas por pas sar per to.

Jess cri ou co ra gem, ten tan

do pas sar

na

tu

ra

li da de, e a por ta se abriu para

ele com um ran gi do pa vo ro so. Mui to o es pan

tou ela ain da fun ci o nar au to

ma

-

ti ca men te… ou aque le lu gar ain da es tar de pé, ago ra que ele o via por den tro.

Foi até a aten den

te; Ma de lei ne Sil va era sua iden ti fi ca ção. Por al gum mo ti vo

idi o ta, Jess ima gi na va que a iden ti fi ca ção dela es ta ria bor ra da, mas é cla ro

que não es ta

va. Pe diu um café com açú car e ado çan

te, como de ve ria ser fei to,

e se sen tou em uma mesa afas ta da do bal cão. Ten tou não fi car ima gi nan do o

que se ria aque la su jei ra pas to

sa no ban co ao lado.

Den tro de meio mi nu to a aten den te veio até ele e per gun tou se de se ja va

algo mais. Se pre ci sas se

aten der bem para so bre

vi ver, já se ria pó de es que

le

to

a esta al tu ra, ta ma nha sua de sen vol tu ra, e Jess per ce beu que ela só de ve ria es -

tar ali pe los mes mos mo ti vos que ele.

— Sim — res pon deu Jess.

A aten den

te gru nhiu algo que po de ria ser qual quer coi sa e se foi por uma

por ta atrás do bal cão.

“Ain da bem que é só isso”, pen sou ele. “Não sa be ria como pe dir a ela

para vê–lo.”

En quan to es pe

ra va, Jess aces sou a rede usan do a an ti ga tela re trá til da

mesa. Es ta va ama re la da como o res to, mas, pelo me nos, não es ta va que bra da.

Viu no site do Vox Bra si

lia al gu ma coi sa so bre al guém re la ci o na

do ao mons -

tro de Frankens tein, mas não con se

guiu ab sor ver bem o que era. O GEM es -

ta va en vol vi do, e um ou tro gru po

qual quer, mas Jess mal con se

guia ler a fra -

se com ple ta. Per ce beu que tre mia quan do

foi be ber o café, e so men

te se lem -

brou do que es ta

va be ben do quan do

sen tiu o me la ço na boca. Quis cus pir

aqui lo em al gum lu gar, mas a aten den te já ti nha vol ta do, en tão teve que en go -

lir o café doce de mais e, além de tudo, frio. Pelo me nos o café po dia não ser

de fa cha da. Viu de re lan ce mais al gu ma coi sa so bre a re pór ter do jor nal que

es ta va de sa pa re ci da há al gum tem po, mas fe chou o site por que a tal Ma de lei -

ne vi nha até ele.

— Vem co mi go — dis se

a aten den te,

sem qual quer emo ção na voz.

Jess se le van tou

e se guiu–a pela mes ma

por ta (no jen ta) atrás do bal cão

í

pela qual ela sa ra da ou tra vez. Pas sa

ram por uma co zi

nha que fez Jess pen -

sar em fri go rí fi cos e ma ta dou ros me di e vais, e logo pa ra ram de fron te a uma

pa re de. A moça — que era loi ra fal sa, so men te ago ra Jess re pa ra ra, por cau sa

de um ca cho que saía por de bai xo da tou ca en car di da que ela usa va — co lo -

cou sua mão es pal

ma da por so bre um azu le jo que pa re cia per fei ta men te idên -

ti co aos ou tros. Em seu tet tun — o ró tu lo de iden ti fi ca ção so bre sua ca be ça

— apa re ceu o íco ne de in ter

co ne xão, e Jess per ce beu que ela es ta

va co nec

ta

-

da a um sis te ma.

“Por isso ela ain da está aqui”, pen sou. “Deve ser a ou uma das úni cas

pes so as per mi ti das a en trar aí. Acho que de ou tra for ma al guém já te ria dado

um tiro nela. Eu te ria dado um tiro nela de bom gra do.”

As sim que a aten den te sol tou a pa re de, afas tou–se um pas so e es pe rou.

Nada acon te ceu.

— Mer da — dis se ela, e deu um chu te na pa re de, acom pa nha do de um

ge mi do.

— Quer aju da? — per gun tou Jess. A aten den

te ape nas olhou para ele

com cara de mer da. — Ok, des cul pe.

A moça deu um novo chu te e a pa re de ran geu. Des lo cou–se numa mol -

du ra, mo veu–se al guns cen tí me tros para trás ran gen do ain da mais e cor reu

sob a pa re de, re ve lan do uma es ca

da para o sub ter râ neo. Jess es pe rou que a

moça o gui as se, mas ela não saiu do lu gar.

— É a úl ti ma por ta — dis se. — Não abra ne nhu ma das ou tras. É sé rio.

— Tudo bem — dis se Jess, e des ceu.

*

A es ca da le va va sem pre à fren te e abai xo, mas de tem pos em tem pos

apa re cia um pa ta mar com uma por ta. Quan do

es ta va, se gun do

seus cál cu los,

no ter cei ro an dar

sub ter râ neo, ou viu

gri tos e pan ca

das por trás de uma por ta.

Seu co ra ção ace le rou, e ele che gou a to car na ma ça ne ta, mas o que ha via no

olhar da tal Ma de lei ne quan do ela lhe dis se “é sé rio” o fez re te sar o bra ço.

Ago ra

uma mu lher so lu

ça va do ou tro lado, e um ho mem gri ta va com ela, mas

Jess não con se

guia en ten

der o que acon te

cia. Con ti nuou a des cer, e no úl ti mo

an dar, o quar to, en con

trou a por ta que pre ci sa va cru zar. Essa sim era a úl ti ma

pre vi sí vel de sua vida, e ele ba teu duas ve zes con tra a ma dei ra sur preen den te -

men te re for ça da. Ime di a ta men te ela foi aber ta, e um ma o ri de qua se dois me -

tros e meio de al tu ra — e gor do como um boi — es ta va atrás dela com um fu -

zil na mão. Sin ce ra men te, Jess teve mais medo do ma o ri de olhos ver me lhos

do que da arma.

— En tre — ros nou

o le o ni

no, e abriu es pa

ço para Jess pas sar.

Aque le lu gar pa re cia a nave Na bu co do

no sor

de Ma trix, só que com chei -

ro de jau la.

qui nas, fios, ca bos e pra te lei ras chei as de tran quei

ras tec no ló -

gi cas por to dos

os la dos, ex ce

to numa tri lha que le va va até quem Jess pro cu -

ra va… ou não exa ta men te.

— Don? — per gun tou, quan do viu a fi gu ra sen ta da atrás de uma mesa.

Era ma gro como um rato, e an tes fos se um. Em vez de ser um maia,

como to dos di zi am que era, era um gua ír, a raça que Jess mais de tes ta va no

mun do. Usa va uma ca mi sa ama re la da (ou en car

di da) de sa bo to a da até o pei to

e seu tet tun es ta va bor ra do.

— Vejo que mi nha pro pa gan da ain da fun ci o na — riu ele, um sor ri so

vin do de um fo ci

nho de lobo sem al guns den tes. — Em que pos so ser útil?

Jess não res pon deu.

— Em ape nas uma coi sa, não é? Você se acos tu ma, com al gum tem po.

He, he. Es pe

ro que não te nha sido você quem fez aqui lo lá na… Bem, cer tas

coi sas não de vem ser di tas em voz alta.

— Nem pen se em usar ne nhum pro gra

ma de len te — tro ve jou o ma o ri

atrás de Jess. — Está com o di nhei ro?

— Não se as sus te

com meu ami go… ele é meio afo ba

do. É novo no ser -

vi ço; mas você deve sa ber dis so, já que aju dou a bo tar o an te

ri or atrás das

gra des, não é, se nhor La gu na?

— Já faz al guns anos — dis se Jess.

— É que meu ami go de mo ra a pe gar no tran co — dis se Don, e riu.

Jess não con se guiu rir com ele, en tão so men te en tre

gou–lhe o car tão.

— Não vai ser ras tre

a do? — per gun tou, para dis far çar. Era o car tão rou -

ba do.

— O que você acha? — dis se Don. Pe gou o car tão de Jess, de bi tou dois

mil e qui nhen tos cel tics e o de vol veu. — Te nha cer te za de que se for pego

mor re an tes de con se

guir di zer qual quer coi sa.

— E aque la va dia tam bém — dis se

o ma o ri.

— Nes tor é lou co

para ma tar Ma de lei ne.

Jess achou–o um pou co mais sim pá ti co por isso.

— Tome, é só be ber isso, ras ta — dis se

o gua ír, dan do um copo com

água para Jess.

“São só dre ad locks”, pen sou,

mas quan do foi pe gar o copo, Don se gu rou

sua mão. Jo gou