Você está na página 1de 5

Detalhamento do processo produtivo

Piotto (2003)

Impactos ambientais provocados pelo setor


Segundo Christofoletti (1994), é por meio da ocupação e da implantação das
atividades que o homem se insere no ambiente como agente modificador, das
particularidades visuais, dos fluxos de matéria e energia modificando assim o equilíbrio
natural dos sistemas ambientais.

Os desequilíbrios dos sistemas naturais são decorrentes dos impactos gerado por
um determinado serviço, atividade ou produto. A Associação Brasileira de Normas
Técnicas ABNT (1996), define impacto ambiental como qualquer modificação do meio
ambiente, adversa ou benéfica, que resulte, no todo ou em parte, das atividades, produtos
ou serviços de uma organização.
Os impactos adversos ou benéficos podem ser classificados em categorias, que
podem ser modificadas de acordo com o tipo de atividade que está sendo estudado.

Categorias de impacto:

Conforme PIOTTO, (2003) a European Environmental Agency (EEA) relaciona


as seguintes categorias de impacto (tabela 1):

Tipo de Impacto Característica


Materiais ou recursos que são retirados
Impacto correspondente ao uso de da natureza, par utilização de matéria
produtos abióticos prima em um determinado processo
industrial
Matérias que são extraído da natureza e
Impacto correspondente ao uso de
que apresentem ciclo de vida e material
produtos bióticos
reprodutivo da espécie (Fauna e Flora)
Utilização da área para o
empreendimento em estudo para o
Impacto mediante a utilização do solo desenvolvimento de suas atividades
(áreas produtivas, parque industrial,
disposição de resíduos).
Lançamento de efluentes gasosos que
Impacto na qualidade do Ar podem alterar a qualidade CO2; CH4, CO,
NOx e CFCs
Relacionados aos efeitos químicos e
Impactos ecotoxicológicos e biológicos de determinadas substâncias
toxicológicos nos ecossistemas e na qualidade de vida
dos seres humanos.
Refere-se à formação de ozônio,
decorrente de reações fotoquímicas dos
compostos nitrogenados com os
compostos orgânicos voláteis, tendo
Impactos devido aos oxidantes
como consequência danos à vegetação
fotoquímicos
(afeta a fotossíntese, superfície das
folhas) e aos seres humanos (irritações
nos olhos, problemas respiratórios
agudos e crônicos, entre outros).
A deposição ácida em solos e águas, que
ocorre devido à conversão das emissões
Acidificação de óxidos de enxofre e de nitrogênio na
atmosfera a ácidos sulfúrico e nítrico,
respectivamente.
Lançamento de nutrientes nos corpos de
água, causando crescimento excessivo da
biomassa de algas e por consequência,
Eutrofização
provocando impactos aos ecossistemas
como alteração da biodiversidade e danos
à saúde humana
Fonte: Adaptado de PIOTTO, (2003)

Os resíduos são subprodutos de qualquer atividade produtora de material


beneficiado (processo produtivo) ou de um serviço, considerados pelos geradores como
inúteis, indesejáveis ou descartáveis, podendo-se apresentar no estado sólido, líquido e
gasoso.

Resíduos sólidos

Resíduos sólidos são materiais heterogêneos, (inertes, minerais e orgânicos)


resultantes das atividades humanas e da natureza, que podem ser parcialmente utilizados,
gerando, entre outros aspectos, proteção à saúde pública e economia de recursos naturais.
Os resíduos sólidos constituem problemas sanitário, ambiental, econômico e estético.

Os resíduos sólidos gerados na indústria de papel e celulose são considerados pela


legislação brasileira como não-perigosos (classe III). No entanto, é considerável a
quantidade e variedade, desses resíduos. A grade maioria das indústrias de produção de
papel e celulose, apresentam hoje aterros controlados para a o acondicionamento dos
resíduos, para que assim possa ser segregado os tipos de materiais, no qual é possível ou
não o tratamento e posterior reciclagem e/ou reutilização (CELPA, 2004).

Nos processos industriais de beneficiamento da madeira, são gerados resíduos


com alta percentagem de matéria orgânica são aproximadamente 48 t de resíduos para
cada 100 t de celulose produzida. (BELLOTE et al., 2003).

Resíduos gasosos

Os resíduos gasosos são gerados pela reação de fermentação aeróbica, que ocorre
na superfície do líquido, e anaeróbica, nas camadas mais profundas do liquido. Outra
parte no processo produtivo que gera resíduos gasosos é na fermentação anaeróbica de
produto orgânico, gerando CO2 e a CH4.

Dadas as emissões gasosas que são mais significativas, e que podem sofrer um
determinado controle na produção de papel na indústria de celulose, e na etapa do
processo produtivo que são gerados no processo Kraft. Na etapa de Kraft, são liberados
material particulados compostos de enxofre reduzido total (TRS), óxidos de nitrogênio e
de enxofre, compostos orgânicos voláteis, cloro e dióxido de cloro, quando usados no
branqueamento (MIELI, 2007).
Resíduos líquidos.

Os resíduos líquidos, ou também conhecidos lixiviados, podem variar de acordo


com o local, pois apresentam alta concentração de matéria orgânica, óxido de azoto e de
materiais tóxicos, materiais esse que são altamente poluentes, com isso, o produto deve
ser tratado e acondicionado de maneira a impedir o seu vazamento para o meio ambiente
e posterior infiltração no solo.

No processo Kraft, da fábrica de papel e celulose, e identificado a geração de


grande quantidade de efluente liquido devido a grande utilização de água no processo. O
efluente gerado apresenta, sólidos suspensos, cor, matéria orgnica dissolvida e 11 tipos
de organoclorados (cloro e seus derivados) (MIELI, 2007).
Referencias bibliográficas

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de


gestão ambiental - Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio.
NBR ISO 14.001. Rio de Janeiro: ABNT, 1996. 32 p.

CHRISTFOLETTI, A. Impactos no meio ambiente ocasionado pela urbanização


no mundo tropical. In: Natureza e sociedade de hoje: uma leitura geográfica. 2. ed. São
Paulo: Hucitec-Anpur, 1994

PIOTTO, C. Eco-eficiência na Indústria de Celulose e Papel - Estudo de Caso


28 2003 Disponível em:
http://www.teclim.ufba.br/site/material_online/teses/tese_zeila_c piotto.pdf Ascesso em:
13 junho.2016

MIELI, J. C. A. Sistema de avaliação ambiental na industria de celulose e


papel.2007. Disponível em ftp://ftp.bbt.ufv.br/teses/ciencia%20florestal/
2007/204946f.pdf. Acesso em: 13 junho.2016

CELPA - Associação da Indústria Papeleira. Boletim estatístico 2004. Disponível


em http://www.celpa.pt/images/pdf/boletim2004.pdf Acesso em: 13 junho.2016.