Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO TOCANTINS/CAMETÁ


FACULDADE DE EDUCAÇÃO
DISCIPLINA: CONCEPÇÕES FILOSÓFICAS DA EDUCAÇÃO

CONCEPÇÃO DA PEDAGOGIA LIBERTÁRIA

CAMETÁ-2018
CONCEPÇÃO DA PEDAGOGIA LIBERTÁRIA

1-CONTEXTO

A questão educativa sempre foi central nos projetos sociais e políticos anarquistas,
em que pese sua enorme diversidade de perspectivas. Como teoria social comprometida
não apenas com a crítica ao sistema vigente, mas com sua transformação, os anarquistas
viam nos processos educativos uma das estratégias para um processo mais amplo de
transformação social.

O anarquismo é considerado uma doutrina sócio-política que surgiu entre os séculos


XVII e XVIII na Europa, tendo chegado ao Brasil em 1850 através dos imigrantes
europeus. O anarquismo defende que a sociedade não teve ter nenhuma autoridade e
considera que o Estado é uma força coercitiva.

2-REPRESENTANTES

Dentre os representantes do anarquismos e pensadores da educação libertária,


destacaremos Proudhon, Bakunin e Ferrer.

Proudhon defende uma educação que congregue a formação intelectual e a


formação profissional, pois os trabalhadores precisam de ambas, tendo em vista que a
integralidade dessas duas modalidades de ensino promove a emancipação social do
indivíduo e garante sua realização pessoal. Por consequência, a instrução precisa envolver
aprendizagem literária, científica e industrial (manual), por meio de um ensino que vai
tirar o indivíduo da condição servil que faz dele um escravo.

Coube a Bakunin dar continuidade às discussões iniciadas antes da morte de


Proudhon, no tocante às questões envolvendo a classe operária e o movimento anarquista,
inclusive sobre as demandas de educação. Ao adotar a ideia de instrução integral de
Proudhon, Bakunin converte-a em um acontecimento da vida social que implica na leitura
e reflexão crítica da realidade, representando o total abandono da educação abstrata e
sistemática baseada na educação religiosa e Estatal de sua época. Além disso, entende a
educação integral como meio de libertação do homem, porque a liberdade é o motor da
vida humana.
O ensino racionalista constituiu o ponto central do currículo e do método na Escola
Moderna de Ferrer, uma vez que se pretendia ensinar a ciência por meio de
experimentação. Também a liberdade é fator primordial, na medida em que cabe à própria
criança realizar suas descobertas e elaborar por si mesma as ideias sobre o conhecimento.
Daí decorre, portanto, a ênfase no trabalho científico.

Na Escola Moderna, o ensino se desenvolvia em diversas atividades que


possibilitassem a experimentação da criança para que pudesse vivenciar as experiências,
tais como: visitas às fábricas e a museus; e debates entre professores e alunos. Para Ferrer,
a educação racionalista deveria abandonar todas as formas opressivas que representavam
as escolas de tradição religiosa ou de ensino oficial, tais como: os exames, os concursos
e as classificações. Essas medidas serviam apenas para provocar rivalidades e
desigualdades entre os alunos.

2.1- MULHERES ANARQUISTAS:HISTÓRIAS POUCO CONTADAS

As libertárias fizeram sua história dentro da história do movimento anarquista por


todas as partes do mundo. Em um exemplo de prática anárquica, a Colônia Cecília
comunidade libertária que foi fundada no Paraná no ano de 1891 pelo anarquista e
engenheiro agrônomo Giovanni Rossi – a participação das mulheres foi intensa, seja
organizando as reuniões ou cuidando das plantações e jardins da comunidade.

Na Comuna de Paris, movimento que eclodiu em 1871, as mulheres estavam à


frente da defesa e organização da Comuna, realizando barricadas e levantes contra os
Versalheses que queriam destruir a experiência libertária comunal.

Vê-se nesse sentido, a importância de falar dessas mulheres que deixaram seus
nomes marcados, mas que, no entanto, pouco são lembradas e estudadas.

3-CONCEITOS
O anarquismo é contra qualquer tipo de autoridade e hierarquia, contra o Estado e
o capitalismo. Foram influenciados e tendo como base esse pensamento anarquista que a
pedagogia libertária foi sendo construída.
Os conceitos norteadores da pedagogia libertária são:
 Autonomia do indivíduo;
 Auto-gestão
 Internacionalidade
 Ação direta

4-APROXIMAÇÕES AO CAMPO EDICACIONAL/CONTEXTO BRASILEIRO

As primeiras escolas baseadas na pedagogia racional libertária surgiram no


contexto educacional brasileiro, no início do século XX, quando se acentuou o debate
sobre o papel social e político da escola. Além disso, nas primeiras décadas do século
XX, houve um intenso fluxo migratório no Brasil, os imigrantes italianos e espanhóis
trouxeram para o movimento sindical o ideário anarquista, para os anarco-sindicalistas a
formação educacional via escola e imprensa era fundamental, porque precisavam instalar
novos valores que possibilitassem enfrentar o processo de dominação das consciências,
ou seja, a subordinação intelectual.
As escolas que defendiam o ideal racional libertário, apesar das dificuldades,
sobreviveram durante anos sem o auxílio do Estado. Acreditavam que a dependência do
Estado era maléfica para a educação, pois este defendia os interesses burgueses e
controlava a educação, por meio da nomeação dos professores, do controle sobre os
conteúdos programáticos e da legislação educacional, assim o Estado criava a ambiência
para a burguesia dominar, por meio da instrução, as massas populares. Para os
anarquistas, a liberdade é um princípio fundamental para a educação. No Brasil, os
anarquistas consideraram importante a abertura das Escolas Modernas, que seguiam os
princípios libertários da pedagogia de Francisco Ferrer y Guardia e essas escolas não
estavam sob a tutela do Estado burguês.