Você está na página 1de 18

Estudo combinado gráfico e

algébrico de polinómios de grau 3


e superior

J. Carvalho e Silva
Joaquim Pinto
Vladimiro Machado
(Projecto Aleph)
Matemática A
Na resolução de problemas deve ser dada
ênfase especial à Modelação Matemática (por
exemplo, usando dados concretos recolhidos
por calculadoras gráficas ou computadores
acoplados a sensores adequados). Deve ser
dada ênfase especial à resolução de pro-
blemas usando métodos numéricos e gráficos,
nomeadamente quando forem usadas ine-
quações. A resolução numérica ou gráfica
deve ser sempre confrontada com
conhecimentos teóricos.
Matemática A

  Deve ser usada a resolução analítica


sempre que a natureza do problema o
aconselhar, por exemplo quando for
conveniente decompor um polinómio em
factores. O estudo analítico dos polinómios
deve ser suscitado pela resolução de
problemas e aí integrado. A resolução
analítica de problemas deve ser sempre
acompa-nhada da verificação numérica ou
gráfica.
Problema de modelação
O crescimento do carvalho vermelho é apro-
ximado pela função
C(t)=−0.003t^3 +0.137t^2 +0.458t−0.839
onde C é a altura da árvore (em pés) e t é a sua
idade em anos (2≤t≤34). Use uma apli-cação
gráfica para traçar o gráfico da função e
estimar a idade da árvore quando está a
crescer mais rapidamente. Este ponto é o
chamado ponto de diminuição dos retornos
porque o aumento do crescimento será menor
em cada ano que se segue.
adequado?
adequado?
O crescimento do carvalho vermelho é
aproximado pela função
C(t)=−0.003t^3 +0.137t^2 +0.458t−0.839
onde C é a altura da árvore (em pés) e t é a
sua idade em anos (2≤t≤34).

  Domínio: intervalo [2,34]


  Eixo dos yy: usando tabela
de valores
Escolha da janela
  [2,34]x[-1,30] serve neste caso
  Note-se que [-1,30] nem é contradomínio
nem conjunto de chegada
  A janela tem de ser escolhida caso a caso
ponto de diminuição dos retornos
Generalização
  Qual será o comportamento da função
C(t)=−0.003t^3 +0.137t^2 +0.458t−0.839
em toda a recta real e não apenas no
intervalo [2,34]?
  Como proceder?
Sobre polinómios
  Corolário do Teorema Fundamental da
Álgebra: O número máximo de zeros reais de
uma função polinomial de grau n é
exactamente igual a n .
  Teorema de Cauchy: todas as raízes reais de
um polinómio mónico (em que o coeficiente
do termo de grau mais elevado é igual a 1)
estão contidas no intervalo [−M −1, M +1]
onde M é o maior dos valores absolutos dos
coeficientes do polinómio.
Caso geral
  Transformar num polinómio mónico

  Zeros estão todos no intervalo


[-280,280]
Primeiro gráfico

  Basta a janela [-100,100]x[-100,100]


Segundo gráfico

  Encontramos três zeros


O caso das raízes inteiras
Critério de divisibilidade: Se um polinómio tem
coeficientes inteiros, para que seja divisível
por x − a é necessário que o termo
independente seja um múltiplo de a
Exemplo
  Estudar zeros de
f (x)=10x^3 −15x^2 −16x+12
  zeros inteiros:
1, 2, 3, 4, 6, 12, -1, -2, -3, -4, -6, -12
  Experimentar para todos f(1)=0?, f(2)=0?

  Uma alternativa: traçar o gráfico num
intervalo contendo [-12,12]
Exemplo

  Possíveis zeros: apenas -1, 1 e 2


Exemplo
  f(2)=0
  f(x)=(x−2)(10x^2 + 5x − 6)
Conclusão
  Deve haver uma maior integração entre o
estudo algébrico e o estudo gráfico (tal
como determina o programa oficial.
  Teoremas como o de Cauchy de
localização das raízes de um polinómio e o
da obtenção de todas as raízes inteiras de
polinómios de coeficientes inteiros são
indispensáveis num estudo elementar mas
minimamente eficaz.