Você está na página 1de 68

Redes de Computadores

Prof. Macêdo Firmino

Camada de Redes

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68


Pilha TCP/IP

A B
M1 Aplicação Aplicação M1

Cab M1 Transporte Transporte Cab M1


T T

Cab Cab M1 Rede Rede Cab Cab M1


R T R T

Enlace Enlace
Cab Cab Cab M1 CDE de dados
Cab Cab Cab M1 CDE
E R T de dados E R T

Física Física
1011001010001011 1011001010001011
Meio Físico

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 2 / 68


Camada de Rede

Funções:
Endereçamento lógico: adiciona ao pacote o endereço lógico do
dispositivo que envia e do dispositivo que recebe.
Roteamento: determinar a maneira como os pacotes são roteados da
origem até o destino (entrega dos pacotes);
Qualidade do serviço fornecido (retardo, tempo de trânsito,
instabilidade etc.).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 3 / 68


Camada de Rede

Os principais protocolos que fornecem serviços da camada de rede são:


IP (Internet Protocol ): fornece os serviços de endereçamento,
fragmentação e remontagem;
ICMP (Internet Control Messaging Protocol ): utilizado para informar
ou diagnosticas problemas na transmissão;
ARP (Address Resolution Protocol ): utilizado para converter
endereço MAC em endereço IP, e endereço IP em endereço MAC;

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 4 / 68


Protocolo IP

O protocolo IP (Internet Protocol ) é um protocolo da camada de


rede que controla a entrega dos pacotes (não confiável e sem
conexão) fim-a-fim na Internet;
O IP é utilizado em rede de comutação de pacotes que utilizam a
abordagem de datagrama. Isto significa que cada datagrama é
controlado independentemente, ou seja, pode seguir por uma rotas
diferentes até o destino e chegar fora de ordem;
O protocolo IP faz o melhor esforço para garantir a entrega, ou seja,
não provê controle de erro e nem fluxo. Utiliza somente mecanismos
de detecção de erros e descarte de pacotes.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 5 / 68


Protocolo IP

Para rotear os pacotes se faz necessário a atribuição de endereços


únicos aos dispositivos (endereçamento lógico);
Atualmente, existem duas versões para o endereçamento IP: IPv4 e
IPv6.

A C F

B LAN G
LAN

WAN

LAN
LAN

D E H I

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 6 / 68


Endereçamento IPv4

Um endereço IPv4 contém 32 bits de comprimento;


O espaço de endereçamento é o número total de endereço disponı́veis
pelo protocolo. O espaço de endereçamento do IPv4 é igual a
232 = 4.294.967.296;
Estes endereços são:
Exclusivos: jamais dois dispositivos na Internet podem ter o mesmo
endereço ao mesmo tempo;
Universais: é aceito por qualquer host que queira se conectar na
Internet.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 7 / 68


Endereçamento IPv4

Existem duas notações predominantes para indicar um endereço IPv4:

Notação binária: o endereço é exibido com 32 bits, geralmente


agrupamos os 32 bits em 4 bytes. Por exemplo: 01110101 10010101
00011101 00000010.
Notação decimal pontuada: os endereços são mostrados na forma
decimal pontuada separando os bytes. Por exemplo: 117.149.29.2.
Existem dois modos de endereçamento para o IPv4:
Endereçamento com classe;
Endereçamento sem classe.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 8 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Endereçamento com Classe


O endereçamento IPv4 incialmente utilizava o conceito de classes. O
espaço de endereçamento é dividido em cinco classes: A, B, C, D e E.
Podemos encontrar a classe de um endereço quando for dado o endereço,
na notação binária ou na notação decimal pontuada, de acordo com a
tabela.
Primeiro Segundo Terceiro Quarto Primeiro Segundo Terceiro Quarto
Byte Byte Byte Byte Byte Byte Byte Byte
Classe A 0 Classe A 0-127

Classe B 10 Classe B 128-191

Classe C 110 Classe C 192-223

Classe D 1110 Classe D 224-239

Classe E 1111 Classe E 240-255

Notação Binária Notação Decimal Pontuada

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 9 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Na notação binária podemos utilizar o seguinte procedimento para


determinarmos a classe do endereço.
Ínicio

1 1 1 1

1ºbit
bit 2º
2ºbit
bit 3º
3ºbit
bit 4º
4ºbit
bit

0 0 0 0
Classe A Classe B Classe C Classe D Classe E

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 10 / 68


Exercı́cio

A qual classe pertence os seguintes endereços IPs:


a) 18.32.78.125
b) 240.47.81.13
c) 203.31.21.4
d) 150.1.6.14

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 11 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Na Internet, cada equipamento tem um endereço IP que representa o


seu endereço de rede e o endereço do equipamento. Sendo que dois
equipamentos em uma mesma rede (por exemplo, a Internet) não
poderão ter nunca o mesmo endereço IP;
No caso da Internet, os endereços são mundialmente administrados
pelo ARIN (American Registry for Internet Number ).
Os endereços das classes A, B e C são destinados à comunicação
unicast (comunicação entre uma origem e um destino);
Os endereços na classe D foram reservados para endereços multicast
(comunicação entre uma origem e um grupo de destino);
Os endereços da Classe E foram reservados para uso futuro.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 12 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Os endereços das Classes A, B e C são divididos em duas partes: rede


(netid ) e host (hostid ).

Primeiro Segundo Terceiro Quarto Número Número de


Byte Byte Byte Byte de Redes Host/Rede
Classe A Netid Hostid Hostid Hostid 128 16777216
Classe B Netid Netid Hostid Hostid 16384 65536
Classe C Netid Netid Netid Hostid 2097152 256

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 13 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Endereços Especiais:
O endereço 0.0.0.0 é usado pelos hosts quando eles estão sendo
inicializados;
Os endereços IP que têm 0 como netid se refere a sua rede. Por
exemplo 200.126.31.0;
O endereço que consiste apenas em dı́gitos 1 (255.255.255.255)
permite a difusão na rede local (mesagens de broadcast);
Os endereços IP que têm como netid uma rede especı́fica e hostid
formado por 1s permite que a máquina enviem pacotes de difusão
para LANs distantes, em qualquer parte da Internet. Por exemplo,
200.126.31.255;

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 14 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Endereços Especiais
Todos os endereços com o formato 127.x.y.z são reservados para
testes de loopback. Os pacotes destinados para estes endereços não
são enviados, eles são processados localmente e tratados como
pacotes de entrada.
Para permitir que uma determinada empresa faço uso de
endereçamento IP em redes locais, mas que não possuem conexão
direta com a Internet, reservaram-se três blocos de endereçamento
para redes locais:
Da classe A: 10.0.0.0 a 10.255.255.255;
Da classe B: 172.16.0.0 a 172.31.255.255;
Da classe C: 192.168.0.0 a 192.168.255.255.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 15 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Podemos usar o conceito de máscaras para identificar o netid de um


endereço IP no endereçamento com classes. Por exemplo, a máscara
da classe A tem oito números 1, que significa que os 8 primeiros bits
de qualquer endereço da classe A definem o netid e os 24 bits
seguintes o hostid.

Máscara Binária Máscara Decimal


Classe A 11111111 00000000 00000000 00000000 255.0.0.0

Classe B 11111111 11111111 00000000 00000000 255.255.0.0

Classe C 11111111 11111111 11111111 00000000 255.255.255.0

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 16 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

É usado a máscara para determinar qual parte do endereço é a parte


da rede e qual é o endereço do host. Para conseguir essa separação é
realizada uma operação AND do endereço IP com a máscara.
Por exemplo:

200.137.2.120 (IP)
11001000 10001001 00000010 01111000 (IP)
and 11111111 11111111 11111111 00000000 (máscara)
11001000 10001001 00000010 00000000 (End. Rede)
200.137.2.0 (End. Rede)

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 17 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Exercı́cio: Determine se os equipamentos com os respectivos endereços


172.16.1.5/255.255.0.0 e 172.16.59.239/255.255.0.0 pertencem a mesma
rede.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 18 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Frequentemente um administrador da rede de uma empresa precisa


juntar os hosts dentro de um grupo;
A solução para esses problemas é permitir que, ao invés de se
restringir apenas aos endereços de rede e de equipamento (proposto
pelas classes de endereço), o endereço do equipamento fosse dividido
diversas partes para uso interno (sub-redes);
Cada sub-rede fica apenas com uma faixa de números IP de toda a
faixa original.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 19 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Por exemplo,
A rede Classe C 200.100.100.0/255.255.255.0 (netid = 200.100.100)
tem 256 endereço disponı́veis: de 200.100.100.0 a 200.100.100.255.
Na verdade são 254 números que podem ser utilizados em hosts,
descontando o primeiro que é o número da própria rede e o último
que o endereço de broadcast).

Primeiro Segundo Terceiro Quarto


Byte Byte Byte Byte

Classe C Netid Netid Netid Hostid

Netid Netid Netid Hostid


Sub-rede

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 20 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Para dividirmos está rede em 8 sub-redes, utilizamos 3 bits do campo


hostid para representar o endereço da sub-rede, onde cada sub-rede
fica com 5 bits (32 endereços - 2 = 30 endereços) para endereçar os
hosts.

Primeiro Segundo Terceiro Quarto


Byte Byte Byte Byte

Classe C Netid Netid Netid Hostid

Netid Netid Netid Hostid


Sub-rede

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 21 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento com Classe

Exercı́cio: Dado o endereço de rede 128.10.0.0, determine qual a classe


que ele pertence, divida esta rede em 4 sub-redes mostrando quais seriam
os espaços de endereçamento de cada sub-rede.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 22 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento sem Classe

Em 1996, para suplantar o esgotamento de endereços e oferecer


acesso à Internet a um número maior de organizações, o
endereçamento sem classe foi desenvolvido e implementado;
Neste método não existe classes, mas os endereços ainda são
concedidos em blocos;
No endereçamento sem classe, quando uma entidade precisa ser
conectada a Internet, lhe é concedido um bloco (intervalo) de
endereços;
O tamanho do bloco varia tomando como base a necessidade da
entidade.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 23 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento sem Classe

Para simplificar a manipulação de endereço é colocada duas restrições:


Os endereços em um bloco devem ser contı́guos, um após o outro (por
exemplo, 200.10.93.12, 200.10.93.13, 200.10.93.14, 200.10.93.15, ...);
O número de endereços em um bloco deve ser potência de 2 (por
exemplo, 1, 2, 4, 8,...).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 24 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento sem Classe

Quando uma empresa solicita um bloco de endereços IP, ela recebe o


primeiro endereço e a máscara. Estas duas partes da informação
define toda a faixa de IPs disponı́vel para ela.
A máscara pode ser fornecida em notação decimal com pontos ou na
notação de barra (barra seguida da quantidade de 1s da máscara).
Por exemplo: 255.255.0.0 = /16.
O endereçamento sem classe permite também o uso de sub-redes. O
administrador da rede pode calcular a máscara de sub-rede da mesma
maneira que no endereçamento com classe. A quantidade de 1s
aumenta para definir a mascara da sub-rede.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 25 / 68


Endereçamento IPv4 - Endereçamento sem Classe

Exercı́cio: uma empresa adquiriu a seguinte faixa de endereços IPs:


193.16.32.0/30, determine todos os endereços adquiridos e quantos
poderão ser utilizados para endereçar computadores.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 26 / 68


Endereçamento IPv4 - NAT
O NAT (Network Address Translation) permite ao usuário utilizar
internamente um grande conjunto de endereços, a partir de um ou de
um conjunto de endereços externos;
Os endereços internos são conhecidos apenas localmente, podendo ser
utilizado os endereços especiais para rede privada (10.0.0.0/8,
172.16.0.0/12 e 192.168.0.0/16);
Para implementar este recurso, esta rede deve possuir uma conexão
com a Internet através de um roteador com suporte a NAT.
Todos os pacotes direcionados para fora da rede têm o endereço de
origem do pacote substituı́do pelo endereço externo no roteador;
Todos os pacotes destinados para dentro da rede têm o campo
endereço de destino do pacote substituı́do pelo endereço privado
apropriado.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 27 / 68


Endereçamento IPv4 - NAT

172.18.3.1 172.18.3.2

Origem: 172.18.3.3 Origem: 200.32.45.2

Internet
Destino: 172.18.3.3 Destino: 200.32.45.2

172.18.3.3

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 28 / 68


NAT

Como o roteador sabe qual o endereço de destino que deverá atribuir


a um pacote?
A tabela de tradução serve para os roteadores realizarem a tradução
dos endereços IPs.

Endereço Porta Endereço Porta Protocolo


de origem de origem de destino de destino de transporte
172.18.3.1 22 25.0.2.54 22 TCP
172.18.3.13 80 200.135.23.5 1568 UDP
172.18.3.47 21 217.26.10.1 21 UDP

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 29 / 68


Roteamento

Roteamento corresponde a um conjunto de regras que definem como


dados originado em uma determinada rede devem alcançar o seu
destino em uma outra rede.
Para que ocorra o roteamento se faz necessários que os computadores
e roteadores tenham uma tabela de roteamento. Esta tabela deverá
ter uma entrada para cada destino, ou uma combinação de destinos,
a fim direcionar pacotes IP;
Quando um host tem um pacote a ser enviado, ou quando um
roteador recebe um pacote, o mesmo irá procurar na sua tabela de
roteamento a rota para o destino final.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 30 / 68


Roteamento

A tabela de roteamento contém informações sobre o endereço das


redes de destino, o endereço de máscara da rede de destino, o
endereço do próximo roteador ao qual deve ser encaminhado o pacote
e o custo associado;
Uma técnica que simplifica o roteamento é a rota padrão (0.0.0.0).
Mesmo que a origem não tenha informações sobre a rede de destino,
ele tentará alcançá-la enviando os dados ao seu default gateway.

Destino Próximo Roteador Máscara Interface


192.168.0.0 * 255.255.255.0 wlan0
14.0.0.0 118.45.23.8 255.255.255.0 eth0
193.14.5.0 84.78.4.12 255.255.255.0 eth0
0.0.0.0 192.168.0.1 0.0.0.0 wlan0

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 31 / 68


Roteamento

Destino: estabele o endereço de rede para o qual o pacote será


entregue;
Próximo roteador: define o endereço do roteador do próximo nó ao
qual o pacote será entregue;
Máscara: define a máscara aplicada para a entrada;
Interface: mostra a interface ao qual sairá o pacote.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 32 / 68


Roteamento

A tabela de roteamento pode ser:


Estática: contém informações introduzidas manualmente. O
administrador introduz a rota para cada destino em uma tabela.
Quando existir uma mudança na rede se faz necessário a alteração da
tabela manualmente pelo administrador;
Dinâmica: é atualizada periodicamente usando-se um dos protocolos
de roteamento dinâmico como o RIP, OSPF ou BGP. Toda vez que
houver uma mudança na rede (por exemplo, desligamento de um
roteador e quebra de um enlace) os protocolos de roteamento
atualizam automaticamente todas as tabelas.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 33 / 68


Roteamento

Rede 01: Rede 03:


10.10.10.0/24 10.10.30.0/24
10.10.10.1 10.10.5.1 10.10.5.2 10.10.30.1

10.10.5.3
10.10.5.4
10.10.10.25 10.10.30.144
Rede 02:
10.10.20.0/24
10.10.20.1

10.10.20.45

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 34 / 68


Roteamento

Destino Prox. Roteador Mascara Interface


10.10.10.0 * 255.255.255.0 eth0
0.0.0.0 10.10.10.1 0.0.0.0 eth0

Rede 01: Rede 03:


10.10.10.0/24 10.10.30.0/24
10.10.10.1 10.10.5.1 10.10.5.2 10.10.30.1

10.10.5.3
10.10.5.4
10.10.10.25 10.10.30.144
Rede 02:
10.10.30.144 ? 10.10.20.0/24
10.10.20.1

10.10.20.45

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 35 / 68


Roteamento

Por exemplo, considere que o computador 10.10.10.25 da Rede 01,


precisa acessar um arquivo que está em uma pasta compartilhada do
computador 10.10.30.144 da Rede 03.
A primeira ação do computador 10.10.10.25 é fazer os cálculos para
verificar se os dois computadores estão na mesma rede.
Se o computador 10.10.30.144 estiver na mesma rede a entrega é
feita diretamente da origem para o destino;
Como os computadores pertencem a redes diferentes, os dados devem
ser enviados para o Roteador 10.10.10.1.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 36 / 68


Roteamento

Destino Prox. Roteador Mascara Interface


10.10.10.0 * 255.255.255.0 eth0
10.10.20.0 10.10.5.4 255.255.255.0 eth1
10.10.30.0 10.10.5.2 255.255.255.0 eth2

Rede 01: Rede 03:


10.10.10.0/24 10.10.30.0/24
10.10.10.1 10.10.5.1 10.10.5.2 10.10.30.1

10.10.5.3
10.10.5.4

10.10.10.25 10.10.30.144
Rede 02:
10.10.20.0/24
10.10.20.1

10.10.20.45

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 37 / 68


Roteamento

Quando um pacote chega ao roteador, ele aplica a máscara ao


endereço de destino para determinar o endereço correspondente do
destino na sua tabela de roteamento, ou seja, se ele sabe para quem
enviar um pacote de informações, destinado a rede 10.10.30.0;
O Roteador 01 tem, em sua tabela de roteamento, a informação de
que pacotes para a rede 10.10.30.0 devem ser encaminhados pela
interface de eth2 para o roteador 10.10.5.2.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 38 / 68


Roteamento

Destino Prox. Roteador Mascara Interface


10.10.10.0 10.10.5.1 255.255.255.0 eth0
10.10.20.0 10.10.5.1 255.255.255.0 eth0
10.10.30.0 * 255.255.255.0 eth1

Rede 01: Rede 03:


10.10.10.0/24 10.10.30.0/24
10.10.10.1 10.10.5.1 10.10.5.2 10.10.30.1

10.10.5.3
10.10.5.4

10.10.10.25 10.10.30.144
Rede 02:
10.10.20.0/24
10.10.20.1

10.10.20.45

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 39 / 68


Roteamento

Quando o pacote chega ao roteador, o mesmo precisa consultar a sua


tabela de roteamento e verificar se ele conhece um caminho para a
rede 10.10.30.0, ou seja, se ele sabe para quem enviar o pacote de
informações, destinado a rede 10.10.30.0;
O Roteador 03 tem, em sua tabela de roteamento, a informação de
que pacotes para a rede 10.10.30.0 devem ser encaminhados pela
interface eth1, que é a interface que conecta o Roteador 03 à rede
local 10.10.30.0;
O pacote é enviado, através da interface 10.10.30.1, para a rede local.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 40 / 68


Roteamento
Com a rota padrão, todo o endereço não especificado na tabela de
roteamento será encaminhado à interface que transporta o pacote
para o roteador padrão (default);
A rota padrão se faz necessário, por exemplo, quando desejamos
conectar um computador na Internet.

14.0.0.0

Destino: 172.30.9.15
192.16.7.0

m1
m2
m0
Internet

Destino Prox. Roteador Mascara Interface


14.0.0.0 118.45.23.8 255.0.0.0 m1
192.16.7.0 118.45.23.8 255.255.255.0 m1
0.0.0.0 145.11.10.6 0.0.0.0 m2

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 41 / 68


Datagrama IP

Cabeçalho Dados

0 Versão HLEN DS Tamanho total


4 Identificação Flags Deslocamento
8 TTL Protocolo Checksum do cabeçalho
12 Endereço IP de origem
16 Endereço IP de destino
20 Opções
Bytes
01234567890123456789012345678901

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 42 / 68


Datagrama IP

Cabeçalho:
Versão: define a versão do protocolo IP utilizado (neste caso a versão
é 4);
HLEN: corresponde ao tamanho do cabeçalho em palavras de 4-bytes,
ou seja, o valor deste campo deverá ser multiplicado por 4 para se
obter o valor real em bytes;
DS: define a classe do datagarama para os propósitos da qualidade de
serviço;
Tamanho total: define o tamanho total do datragrama IP (cabeçalho
+ dados). Como é utilizado neste campo 16 bits, teremos uma
datagrama IP com tamanho máximo de 65.536 Bytes.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 43 / 68


Datagrama IP

O datagrama IP pode viajar através de muitas redes distintas. Desta


forma, o tamanho e o formato do quadro da camada de enlace pode
variar, resultando numa variação do tamanho do datagrama IP. Essa
variação resulta na fragmentação do datagrama. Os campos envolvidos na
fragmentação são: Identificação, Flag e Deslocamento.
Identificação: identifica o datagarama original. Quando um
datagrama é fragmentado, este valor é copiado em todos os
fragmetos. Sendo assim, todos os fragmentos carregam o mesmo
número de identificação. Este campo auxilia o host de destino no
processo de reagrupamento.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 44 / 68


Datagrama IP

Flag : é um campo de 3-bits.


Reservado;
Não fragmentar: se este campo for 1, os hosts e roteadores não
poderão fragmentar o datagrama;
Mais fragmentos: se o valor deste bit for 1, significa que este
datagrama não é o último fragmento.
Deslocamento: mostra a posição relativa deste fragmento com
relação ao datagrama como um todo. Ele representa o deslocamento
dos dados em unidades de 8-bytes.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 45 / 68


Datagrama IP
20 1.400 (Bytes)
Cabeçalho Dados

4 5 0 1.420
14.567 0|0|1 0
64 6 Y
192.168.0.123
201.35.78.1

20 4.000 (Bytes) 20 1.400 (Bytes)


Cabeçalho Dados Cabeçalho Dados

4 5 0 4.020 4 5 0 1.420
14.567 0|0|0 0 14.567 0|0|1 1400/8 = 175
64 6 X 64 6 Z
192.168.0.123 192.168.0.123
201.35.78.1 201.35.78.1

20 1.200 (Bytes)
Cabeçalho Dados

4 5 0 1.220
14.567 0|0|0 2800/8 = 350
64 6 W
192.168.0.123
201.35.78.1

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 46 / 68


Datagrama IP

TTL: (Time To Live): usado para controlar o número máximo de


saltos visitados pelo datagrama. Quando o host de origem envia um
datagrama um número é armazenado neste campo. Cada roteador
que processa o datagrama decrementa este número em 1 unidade. Se
este valor chegar a 0, o roteador que estiver o processando deverá
descarta-lo;
Protocolo: define o protocolo da camada superior encapsulado no
datagrama IP. Por exemplo: 1 = ICMP, 2 = IGMP, 6 = TCP, 17 =
UDP;
Checksum: detecta erros nos dados do cabeçalho.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 47 / 68


Datagrama IP

Endereço de Origem: define o endereço IP do host de origem;


Endereço de Destino: define o endereço IP do host de destino;
Opções: é um campo não obrigatório utilizado para testes e
depurações da rede. Este campo é variável e pode ter no máximo 40
Bytes Por exemplo, é usada para registrar os roteadores que
manipularam o datagrama (Record Router ), é usada pela origem para
predeterminar uma rota para o datagrama (Strict Source Route) e
permite o registro do tempo de processamento do datagrama pelo
roteador (Timestamp).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 48 / 68


Protocolo ARP

Os datagrama IP, devem ser encapsulados em quadros (frames), que


requerem endereços fı́sicos;
Um pacote partindo de um host de origem pode passar por várias
redes fı́sicas diferentes antes de finalmente atingir o host de destino.
Isso significa que a entrega de um pacote a um host ou roteador
requer dois nı́veis de endereçamento: lógico (IP) e fı́sico (MAC);
ARP (Address Resolution Protocol ) é um protocolo que mapeia
endereço IP no seu respectivo endereço MAC;

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 49 / 68


Protocolo ARP - Caso 1

O host de origem deseja transmitir um pacote para outro host na


mesma rede;

IP: 10.10.10.25 IP: 10.10.30.144


MAC: 00:A3:21:08:FF:AC MAC: 00:00:14:85:C2:01

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 50 / 68


Protocolo ARP - Caso 2

O host de origem deseja transmitir um pacote para outro host


localizado noutra rede;

IP: 10.10.30.1
MAC: 12:08:10:AA:B5:0F

IP: 10.10.10.25 IP: 10.10.10.1 IP: 10.10.30.144


MAC: 00:A3:21:08:FF:AC MAC: 19:05:15:DE:18:23 MAC: 00:00:14:85:C2:01

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 51 / 68


Protocolo ARP - Caso 3

O host de origem é um roteador que recebeu um datagrama


destinado a um host localizado noutra rede;

IP: 10.10.20.1
MAC: 72:18:95:CA:BC:FF

IP: 10.10.5.3 IP: 10.10.5.4 IP: 10.10.20.45


MAC: 01:23:D4:47:F0:19 MAC: 00:05:10:A4:0F:23 MAC: 0B:A0:12:94:D1:11

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 52 / 68


Protocolo ARP - Caso 4

O host de origem é um roteador que recebeu um datagrama


destinado a um host sob a jurisdição dele.

IP: 10.10.20.1 IP: 10.10.20.45


MAC: 72:18:95:CA:BC:FF MAC: 0B:A0:12:94:D1:11

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 53 / 68


Protocolo ARP

Etapas envolvidas no processo de mapeamento ARP:


O host de origem, que precisa determinar o endereço MAC de outro
host da rede, envia um pacote ARP de consulta (query );
Este pacote inclui o endereço MAC e IP da origem e o endereço IP do
destino;
O pacote de solicitação é enviado em broadcast através da rede;
Todos os dispositivos da rede recebem este pacote. Porém, só o
dispositivo que possuir o endereço IP consultado irá responder a
solicitação. A resposta, em modo unicast, enviando seu endereço MAC
a origem;
O host de origem recebe a resposta ARP e armazena este endereço em
uma tabela (chamada de tabela ARP).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 54 / 68


Protocolo ARP

IP: 141.23.56.23
MAC: 00:A3:64:21:9C:00

IP: 141.23.56.1 IP: 141.23.56.2 IP: 141.23.56.3


MAC: 01:56:60:BB:1A:F0 MAC: FF:B4:14:20:CC:90 MAC: 90:A5:6B:26:DC:F0

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 55 / 68


Protocolo ICMP

Algumas situações que ocorrem erros:


Quando um roteador tiver que descartar um datagrama pelo fato de
ele não conseguir encontrar um caminho até o destino final, ou pelo
fato do campo TTL ter expirado;
Quando o host de destino final tiver que descartar todos os
fragmentos de um datagrama por não ter recebido esses fragmentos
dentro de um prazo predeterminado.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 56 / 68


Protocolo ICMP

Como o protocolo IP não possui controle de erro foi desenvolvido um


protocolo auxiliar chamado ICMP (Internet Control Message
Protocol );
As mensagens ICMP são encapsuladas no datagrama IP;
As mensagens ICMP dividem-se em duas categorias:
Mensagens de notificação: informa problemas que um roteador ou host
podem vim a encontrar ao processar um datagrama IP. O ICMP
sempre envia mensagens de erro para o originador da mensagem;
Mensagens de consulta: ajudam aos administradores de rede a obterem
informações sobre um roteador ou host.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 57 / 68


Mensagens ICMP

Principais mensagens ICMP:


Notificação de erros:
Destino inalcançavél (Destination unreachable);
Contenção da fonte (Source quench);
Tempo esgotado (Time-exceeded);
Problemas de parâmetros (Parameter problems);
Redirecionamento (Redirection).
Consulta:
Solicitação e resposta de eco (Eco-Request e Eco-Replay );
Solicitação e resposta de timestamp (Timestamp Request e Reply ).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 58 / 68


Protocolo IPv6

Apesar de todas as soluções a curto prazo (como divisão em


sub-redes, endereçamento sem classe e NAT) o esgotamento de
endereços é um problema a longo prazo;
Além disso, a Internet deve acomodar transmissão de vı́deo e áudio
em tempo real. Esses tipos de dados requer recursos não previstas no
IPv4;
E por último, a Internet deve permitir criptografia e autenticação de
dados para algumas aplicações. Não são oferecidos recursos de
criptografia e autenticação no IPv4.
Para superar essas e outras deficiências foi proposto o IPv6.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 59 / 68


Protocolo IPv6

Vantagens do IPv6:
Maior espaço de endereçamento;
Formato mais adequado do cabeçalho;
Novas opções;
Espaço para expansão: permite a extensão do protocolo, caso seja
preciso suportar novas tecnologias ou aplicações;
Suporte para alocação de recursos: um mecanismo (denominado flow
label ) foi adicionado para permitir que a origem solicite tratamento
especial de um pacote;
Melhor suporte à segurança da informação.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 60 / 68


Endereçamento IPv6

Esta nova versão do protocolo (IPv6) possui endereços de 128 bits;


O espaço de endereçamento do IPv6 = 2128 ≈ 3,4 * 1018 endereços;
Há espaço de endereçamento para permitir mais de 1.500 endereços
IP para cada metro quadrado de área da superfı́cie da Terra;
O projeto IPv6 também suporta o uso de máscara de sub-redes,
multicast e notação de barra (CIDR).

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 61 / 68


Endereçamento IPv6 - Notação

Para tornar os endereços IPv6 mais legı́veis é utilizado a notação


hexadecimal com dois-pontos.
Nesta notação, os 128 bits são divididos em 8 seções, cada uma com
2 bytes de comprimento.

Por exemplo: fe80:0000:0000:0000:0224:d6ff:fe1f:7ca2

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 62 / 68


Endereçamento IPv6 - Notação

Geralmente muito dos dı́gitos do endereço IPv6 são zeros. Nesse


caso, podemos abreviar o endereço, da seguinte forma:
Os zeros não significativos de uma seção podem ser omitidos;
Podemos eliminar todos os zeros (de seções consecutivas de zeros) e
substituı́-los por um dois-pontos duplo. Porém este tipo de abreviação
é permitido apenas uma vez por endereço.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 63 / 68


Endereçamento IPv6 - Notação

Exemplos:

Endereço Abreviação
0000:0000:0000:FFFF:0172:0017:0010:0040 ::FFFF:172.17.10.40
2001:0C00:0000:0000:5400:0000:0000:0009 2001:C00::5400:0:0:9
ou 2001:C00:0:0:5400::9
2001:0000:0004:CFE0:0000:0000:0000:0000 2001:0:4:CFE0::

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 64 / 68


IPv6 - Formato do Datagrama

Um datagrama IPv6 é composto por um cabeçalho-base obrigatório


seguido por cabeçalhos de extensão opcionais e os dados da camada
superior.
40 bytes variável [Opcional] até 65.535 bytes
Cabeçalho-Base Dados

Versão PRI Flow label


Comprimento do Payload Próx cabeçalho TTL
Endereço IP de origem
Endereço IP de destino

.
.
.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 65 / 68


IPv6 - Formato do Pacote

Os campos são:
Versão: define a versão do protocolo. Para o IPv6 o valor é 6. Este
campo contém 4 bits;
Prioridade: define a prioridade do datagrama. Por exemplo, se um
dos dois datagramas consecutivos tiver de ser descartado em virtude
do congestionamento, aquele datagrama assinalado com prioridade
menor será eliminado;
Flow label : permite definir controles especiais a fluxos de informação,
ou seja, ele pode ser usado para acelerar o processamento de um
pacote por um roteador.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 66 / 68


IPv6 - Formato do Pacote

Comprimento do Payload : define o comprimento do datagrama IP


excluindo o cabeçalho-base;
Próximo cabeçalho: aponta para o próximo cabeçalho após o
cabeçalho-base. O próximo cabeçalho pode ser um cabeçalho de
extensão ou o cabeçalho de um pacote encapsulado na área de dados;
TTL (limite de saltos): é o mesmo campo do IPv4;
Endereço de Origem: identifica a fonte de origem do datagrama;
Endereço de Destino: identifica o endereço de destino do datagrama.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 67 / 68


IPv6 - Cabeçalhos de Extensão

Para dar maior funcionalidade ao datagrama IP, o cabeçalho-base


pode ser seguido por até seis cabeçalhos de extensão.
São Exemplos de funções dos cabeçalhos de extensão:
Hop-by-hop: informações diversas para os roteadores;
Roteamento pela origem: lista parcial dos roteadores a serem visitados
pelo datagrama;
Fragmentação: realiza o gerenciamento da fragmentação do
datagrama;
Autenticação: usado para verificar a identidade do transmissor;
ESP (Encrypted Security Payload): informações sobre o conteúdo
criptografado;
Opções de destino: informações adicionais para o destino.

Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 68 / 68