Você está na página 1de 21
A Ética e o Processo de Avaliação Psicológica Otília Loth Daniela Campos PUC-GO
A Ética e o Processo de Avaliação Psicológica Otília Loth Daniela Campos PUC-GO
A Ética e o Processo de Avaliação Psicológica Otília Loth Daniela Campos PUC-GO
A Ética e o Processo de Avaliação Psicológica Otília Loth Daniela Campos PUC-GO

A Ética e o Processo

de Avaliação

Psicológica

Otília Loth Daniela Campos

PUC-GO

A Ética e o Processo de Avaliação Psicológica Otília Loth Daniela Campos PUC-GO

O que é Avaliação Psicológica?

De forma geral, a avaliação psicológica pode ser entendida como um processo técnico e

científico de coleta de dados, estudo e

interpretação das informações a respeito dos

fenômenos psicológicos, que são resultantes da

relação do indivíduo com a sociedade, utilizando-se, para tanto, de estratégias psicológicas métodos, técnicas e instrumentos.

com a sociedade, utilizando-se, para tanto, de estratégias psicológicas − métodos, técnicas e instrumentos.
com a sociedade, utilizando-se, para tanto, de estratégias psicológicas − métodos, técnicas e instrumentos.

Avaliação Psicológica

O uso de testes é muito comum na prática da avaliação psicológica. Embora os testes sejam

os instrumentos mais científicos, testes e

avaliações não são sinônimos. Os testes são

uma das ferramentas mais usadas no processo

de avaliação. Mas, avaliar é muito mais do que

aplicar testes.

são uma das ferramentas mais usadas no processo de avaliação. Mas, avaliar é muito mais do
são uma das ferramentas mais usadas no processo de avaliação. Mas, avaliar é muito mais do

O que é Avaliação Psicológica?

Avaliação Psicológica é Avaliação Psicológica não é um processo dinâmico; um trabalho mecânico; um processo
Avaliação Psicológica é
Avaliação Psicológica não é
um processo dinâmico;
um trabalho mecânico;
um processo de
conhecimento do outro;
somente avaliar determinadas
características;
um processo científico;
sinônimo de aplicação de
testes;
um trabalho especializado;
um processo simples, rápido e
fácil;
a obtenção de amostras do
um conhecimento definitivo
comportamento.
sobre o comportamento
observado.
e fácil; a obtenção de amostras do um conhecimento definitivo comportamento. sobre o comportamento observado.
e fácil; a obtenção de amostras do um conhecimento definitivo comportamento. sobre o comportamento observado.

Princípios fundamentais

I – “O Psicólogo deve basear seu trabalho no respeito à promoção à liberdade, à dignidade, á

igualdade, à integridade ao ser humano apoiado

nos valores que embasam a Declaração dos Direitos Humanos.

A avaliação deve trazer mais benefícios

que prejuízos,

informado sobre os procedimentos aos

quais

instrumentos

apropriados.

o

sujeito

deve

ser

ele

será

submetido

e

os

utilizados

devem

ser

instrumentos apropriados. o sujeito deve ser ele será submetido e os utilizados devem ser
instrumentos apropriados. o sujeito deve ser ele será submetido e os utilizados devem ser

Princípios fundamentais

II - “Os Psicólogos trabalharão visando à promoção da saúde e a qualidade de vida das

pessoas e das coletividades e contribuirá para

eliminação de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência e crueldade,

bem como opressão”.

Por meio de avaliações adequadas, indivíduos sejam encaminhados a tratamentos condizentes com seus quadros e contextos

Por meio de avaliações adequadas, indivíduos sejam encaminhados a tratamentos condizentes com seus quadros e contextos
Por meio de avaliações adequadas, indivíduos sejam encaminhados a tratamentos condizentes com seus quadros e contextos

Princípios fundamentais

III- “psicólogo deverá atuar com responsabilidade social, analisando de forma crítica e histórica a

realidade política e econômica, social e cultural

A Avaliação Psicológica dá-se a partir de um tripé, que contempla possibilidades

de observações e dinâmicas, entrevistas,

e testes diversos(projetivos, gráficos e

psicométricos), e que necessariamente

considera a questão do contexto no qual

o sujeito está inserido.

e psicométricos), e que necessariamente considera a questão do contexto no qual o sujeito está inserido.
e psicométricos), e que necessariamente considera a questão do contexto no qual o sujeito está inserido.

Princípios fundamentais

IV- psicólogo atuará com responsabilidade, por meio do contínuo aprimoramento profissional, contribuindo para o desenvolvimento da Psicologia como um campo científico de conhecimento e de prática

V.

universalização

informações, ao conhecimento da ciência psicológica, aos serviços e aos padrões éticos da profissão.

VI. O psicólogo zelará para que o exercício profissional seja efetuado com dignidade, rejeitando situações em

O

psicólogo

contribuirá

para

promover

a

acesso

da

população

às

do

que a Psicologia esteja sendo aviltada.

para promover a acesso da população às do que a Psicologia esteja sendo aviltada.
para promover a acesso da população às do que a Psicologia esteja sendo aviltada.

Princípios fundamentais

É importante que o ensino da Avaliação Psicológica seja de qualidade para evitar

condutas inadequadas por parte dos

profissionais. Na graduação é importante que o estudante vivencie a prática da avaliação psicológica, considerando as consequências sociais provenientes da avaliação.

vivencie a prática da avaliação psicológica, considerando as consequências sociais provenientes da avaliação.
vivencie a prática da avaliação psicológica, considerando as consequências sociais provenientes da avaliação.

A Ética e a Avaliação Psicológica

A fim de garantir a qualidade e a ética no uso de testes, o Comitê Internacional de Testes (ITC,

2001) publicou as diretrizes gerais para o uso e

para a revisão dos testes. O CFP traduz e adapta essas normas para o nosso país.

A

testes, de

instituições como o IBAP, ANPEPP, ASBRO

e

criação

de

laboratórios

de

contribuem

para

o

desenvolvimento

fortalecimento da área.

ASBRO e criação de laboratórios de contribuem para o desenvolvimento fortalecimento da área.
ASBRO e criação de laboratórios de contribuem para o desenvolvimento fortalecimento da área.

O Processo de Avaliação Psicológica

O Processo de Avaliação Psicológica Solicitação da Avaliação/Objetivos e Demanda Seleção das técnicas e

Solicitação da Avaliação/Objetivos e Demanda

Seleção das técnicas e instrumentos mais adequados para a avaliação

Coleta de informações pelos dos meios

escolhidos/Administração de testes

pelos dos meios escolhidos/Administração de testes Correção e interpretação dos testes/ Integração dos

Correção e interpretação dos testes/ Integração dos dados

de testes Correção e interpretação dos testes/ Integração dos dados Devolutiva oral e/ou escrita

Devolutiva oral e/ou escrita

de testes Correção e interpretação dos testes/ Integração dos dados Devolutiva oral e/ou escrita
de testes Correção e interpretação dos testes/ Integração dos dados Devolutiva oral e/ou escrita
A Ética no Processo de Avaliação Psicológica 2 Seleção dos testes 1 - Selecionar os

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

2
2

Seleção dos testes

1 - Selecionar os melhores instrumentos disponíveis, de acordo com os objetivos da avaliação;

- Avaliar as características psicométricas dos testes:

- Avaliar as características psicométricas dos testes: - Fidedignidade (o teste é estável no tempo ou

- Fidedignidade (o teste é estável no tempo ou se todos os itens

de fato avaliam a mesma coisa?);

- Validade (o teste mede o que se propõe a medir?);

- Validade (o teste mede o que se propõe a medir?); - Padronização (Há uniformidade dos

- Padronização (Há uniformidade dos procedimentos tanto de aplicação quanto de pontuação do teste?);

- Normatização (O teste corresponde à realidade em que é utilizado?);

3

- Considerar as características específicas do sujeito

4 - Verificar se os manuais possuem todas as informações;

5 -Solicitar ajuda de outro psicólogo, caso necessário.

o ambiente
o
ambiente

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

o ambiente A Ética no Processo de Avaliação Psicológica Administração dos testes 1 - Esclarecer ao

Administração dos testes

1 - Esclarecer ao examinando os objetivos da avaliação;

2 Termo de consentimento do examinando ou responsáveis;

condições
condições

3

necessárias;

Verificar

se

físico

possui

as

4- Preparar o material com antecedência;

5 - Desenvolver um relacionamento de confiança

examinando;

com o

6 Atentar-se ao comportamento do examinando durante a avaliação, não se ausentar e nem desviar a atenção;

7 - Seguir rigorosamente as orientações do manual;

8 Responsabilizar-se pela aplicação correta dos testes.

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

É vetado ao Psicólogo:

- Xerocar ou reproduzir material

- Avaliar

a

distância

(exceto

pesquisas)

para

- Gravar

sessões

sem

o

prévio do examinando

consentimento

material

informatizado - Utilizar testes sem parecer favorável do SATEPSI

- Substituir

psicólogo

o

por

material informatizado - Utilizar testes sem parecer favorável do SATEPSI - Substituir psicólogo o por
material informatizado - Utilizar testes sem parecer favorável do SATEPSI - Substituir psicólogo o por
A Ética no Processo de Avaliação Psicológica Correção e interpretação dos resultados dos testes 1
A Ética no Processo de
Avaliação Psicológica
Correção e interpretação dos resultados dos testes
1 - Seguir os critérios e as tabelas apropriadas para cada
finalidade;
2 – Avaliar quantitativamente e qualitativamente,
considerando as observações feitas durante o processo de
avaliação;
3- Considerar os resultados de forma dinâmica,
considerando o ambiente do sujeito;
4
– Verificar dados da normatização do testes;
5
– Não substituir o psicólogo pelo computador;
6 – Arquivar o material de forma confidencial por, no
mínimo, cinco anos.
Devolutiva
Devolutiva

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

2
2

1

- Evitar ser influenciado por valores pessoais;

- Elaborar o relatório de maneira clara, abrangendo o indivíduo em todos os seus aspectos, enfatizando a natureza dinâmica e

todos os seus aspectos, enfatizando a natureza dinâmica e circunstancial dos dados apresentados; 3 sempre incluir

circunstancial dos dados apresentados;

3

sempre incluir recomendações específicas para os solicitantes;

- Utilizar-se de linguagem adequada aos destinatários, devendo

4- Evitar fornecer resultados em forma de respostas certas e esperadas aos instrumentos psicológicos utilizados;

Respeitar o direito de cada indivíduo conhecer os resultados da avaliação psicológica;

5

6 Guardar sigilo das informações obtidas e das conclusões elaboradas, disponibilizando-as apenas a quem é de direito e

preservar a identidade do examinando;

7 Sempre fazer relatório para arquivar junto ao material.

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

A Avaliação Psicológica é, em sua complexidade, algo que exige a especialização

do psicólogo. Não basta somente a formação

acadêmica, mas sim a constante procura por

estudos relacionados e que possam contribuir

positivamente para o processo, é necessário a

constante atualização sobre os avanços na

área.

É também importante conhecer a amplitude do processo de Avaliação, sem reduzi-lo apenas a

aplicação de testes.

É também importante conhecer a amplitude do processo de Avaliação, sem reduzi-lo apenas a aplicação de
É também importante conhecer a amplitude do processo de Avaliação, sem reduzi-lo apenas a aplicação de

A Ética no Processo de Avaliação Psicológica

A Avaliação Psicológica está em constante crescimento, estimulada pela necessidade do

mercado. Dessa forma, produzir trabalhos nessa

área e devolver o conhecimento à classe é de

grande importância para o desenvolvimento

constante da avaliação.

área e devolver o conhecimento à classe é de grande importância para o desenvolvimento constante da
área e devolver o conhecimento à classe é de grande importância para o desenvolvimento constante da
A ética no uso de testes Os 12 pecados mortais no uso de testes psicológicos

A ética no uso de testes

Os 12 pecados mortais no uso de testes psicológicos

1.

Utilizar testes não aprovados pelo CFP.

2. Usar cópias de testes.

3.

4.

5.

tempos,instrumentos, não observando a padronização.

6.

7.

8.

9.

usuário do serviço.

Não encarar a Avaliação Psicológica como um processo.

Dispensar a entrevista.

Adaptar os testes de acordo com a sua vontade: alterar

Não pedir ao candidato para assinar o teste.

Não registrar todas as informações pertinentes ao caso.

Aceitar remuneração incompatível com a sua prática.

Não esclarecer a respeito da Avaliação Psicológica ao cliente e ao

10. Não fazer entrevistas de devolução.

11. Não se aperfeiçoar em reciclagens, cursos, supervisões e

congressos.

12. Não guardar os materiais por cinco anos.

Não se aperfeiçoar em reciclagens, cursos, supervisões e congressos. 12. Não guardar os materiais por cinco
Não se aperfeiçoar em reciclagens, cursos, supervisões e congressos. 12. Não guardar os materiais por cinco

“Pelos atos que praticamos em

nossas relações com os

homens nos tornamos justos ou injustos.

Aristóteles

“Pelos atos que praticamos em nossas relações com os homens nos tornamos justos ou injustos. ”
“Pelos atos que praticamos em nossas relações com os homens nos tornamos justos ou injustos. ”

Referências

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2003, 14 de junho). Resolução nº 007/2003. Brasília: CFP

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2003, 24 de março). Resolução nº 002/2003. Brasília: CFP

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2011) Ano da Avaliação Psicológica Textos geradores. Brasília: CFP

Joly, M. C. R. A.; Berberian, A. A.; Andrade, R. G.; Teixeira, T. C. (2010). Análise de Teses e Dissertações em Avaliação Psicológica Disponíveis na BVS-PSI Brasil. Psicologia Ciência E Profissão, 30

(1), 174-187.

Noronha, A. P. P. (2002)a Análise de Testes de Personalidade: Qualidade do Material, das Instruções, da Documentação e dos Itens Qualidade de Testes de Personalidade. Rev. Estudos de Psicologia, PUC-Campinas, v. 19, n. 3, p. 55-65.

Noronha, A. P. P. (2002)b Os Problemas mais Graves e mais Frequentes no Uso dos Testes

Psicológicos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), 135-142.

Noronha, A. P. P.; Primi, R.; Alchieri, J. C. (2004) Parâmetros Psicométricos: uma Análise de Testes Psicológicos Comercializados no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 24, (4), 88-99.

Pasquali, L. (1999). Testes referentes a construto: teoria e modelo de construção. In L. Pasquali (Ed.), Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração (pp. 37-71). Brasília, DF: Laboratório de Pes-quisa em Avaliação e Medida (LabPAM).

Souza Filho, M. L., Belo, R., & Gouveia, V. V. (2006). Testes psicológicos: análise da produção

científica brasileira no período 2000-2004. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(3), 478-489.

Urbina, S. (2007). Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artmed.

Weiner, I.B., & Greene, R.L.(2008). Handbook of personality assessment. New York: Wiley.

Wechsler, S. M. (2001). Princípios éticos e deontológicos na avaliação psico-lógica. In L. Pasquali (Org.). Técnicas de Exame Psicológico TEP (Vol. 1: Fundamentos das técnicas psicológicas, pp. 171-193). São Paulo: Casa do Psicólogo, Conselho Federal de Psicologia.

     
psicológicas, pp. 171-193). São Paulo: Casa do Psicólogo, Conselho Federal de Psicologia.    