Você está na página 1de 4

Sociologia – Profª Ms.

Cecilia Gregorutti
Aula 10
MUDANÇA SOCIAL
Durante a maior parte da história da humanidade, as mudanças ocorreram muito lentamente. Nossos
ancestrais permaneceram como caçadores e coletores por cerca de 30.000 anos. Com o desenvolvimento da
agricultura – que deve ter ocorrido uns 10.000 anos atrás -, as mudanças foram se tornando mais comuns,
mesmo assim muito lentas. Com, a eclosão da Revolução Industrial, no século XVIII, as mudanças tornaram-
se mais constantes. Hoje, graças à Revolução da Informação, as mudanças vêm se tornando cada vez mais
dinâmicas. De fato, essa revolução vem alterando significativamente nossa vida e provavelmente alterará
mais ainda a das gerações futuras. A mudança é, pois, característica das mais importantes da sociedade em
que vivemos.
O que é mudança social?
Pode-se definir mudança social como alteração significativa dos padrões de comportamento e da cultura
ao logo do tempo. “Falamos em mudança social quando um padrão social (estrutura, cultura, instituições) é
significativamente diferente do que foi no passado” (Charon 1999, p. 198). De fato, é mais fácil entender a
mudança social quando se concentra nos padrões sociais. Como eles são tão importantes para a existência
das organizações, também facilitam a compreensão da mudança social.
Mudança social é qualquer alteração nas formas de vida de uma sociedade. O ritmo da mudança social
varia de sociedade para sociedade: é lento nas sociedades mais simples e acelerado nas sociedades
complexas. O ritmo de mudança depende do maior ou menor número de contatos sociais com outros povos,
do desenvolvimento dos meios de comunicação e também de certas atitudes individuais e sociais, que
aceleram ou dificultam a mudança.
Mudança social: – transformações na composição etária de uma sociedade, nas relações de classe, no estilo
predominante de vida, na proporção de habitantes do campo em relação aos da cidade, etc.
Mudança cultural – transformações no domínio das crenças, dos valores, das atitudes, dos costumes. Toda
mudança social acarreta necessariamente transformações no acervo cultural de um povo, o inverso também
acontece.
Causas da mudança social
Fatores Geográficos - Condições climáticas, cataclismas, ex.: petróleo, a seca no nordeste brasileiro gerando
desarticulação familiar. Exploração de ouro, café, cacau, borracha. Inundações, erupções vulcânicas,
terremotos, secas, ciclones e outros. No Brasil a seca no Nordeste provocou muitas mudanças sociais que se
refletiram em todo o país.
Fatores Socioeconômicos- São as mudanças que envolvem processos sociais e econômicos que afetam a
organização social, modificando-a. As modificações no ambiente físico provocadas pelos homens (construção
de barragem, desvio de um rio) podem provocar mudanças significativas nos agrupamentos humanos.
Muitas populações têm de ser removidas.
As motivações sociais importantes que provocam a mudança social: as guerras, as revoluções, as conquistas.
A concentração de indústrias em determinadas regiões ou cidades provoca mudanças sociais que afetam a
própria cidade onde está o parque industrial e aquelas que se encontram mais ou menos próximas.
Fatores Culturais e Mudança- a primeira influência importante sobre a mudança social consiste de fatores
culturais, que compreendem os efeitos da religião, sistemas de comunicação e liderança. A religião pode ser
uma força conservadora ou inovadora na vida social. Algumas formas de crenças e práticas religiosas agem
como um impedimento à mudança, enfatizando, acima de tudo, a necessidade de aderir a valores e rituais
tradicionais. Para Max Weber, as convicções religiosas frequentemente desempenham o papel de mobilizar
pressões por mudança social. Uma influência cultural particularmente importante que afeta o caráter e o
ritmo da mudança é a natureza dos sistemas de comunicação. Por exemplo, a escrita permitiu ao homem
manter registros, possibilitando um maior controle dos recursos materiais e o desenvolvimento de
organizações de grande escala. Ela alterou a percepção das pessoas sobre a relação entre o passado, o
presente e o futura. Transformações nas ideias e valores, ao desenvolvimento da filosofia e à difusão de

1
Sociologia – Profª Ms. Cecilia Gregorutti
Aula 10
religiões e de ideologias. As mudanças nos padrões culturais decorrem de dois processos: inovação e de
difusão. Inovação é o processo de introdução de uma nova ideia ou objeto numa cultura. Existem duas
formas de inovação: descoberta e invenção. Invenção é o processo de criação de novos elementos culturais.
As invenções e a difusão cultural são processos que ocasionam mudanças sociais, pois suscitam modificações
nos costumes, nas relações sociais e nas instituições. Essas alterações podem ser de pequeno porte, passando
até despercebidas, ou podem alterar quase todos os setores da vida social. A invenção de uma nova tinta
pode causar alterações somente no campo artístico, mas a invenção da televisão influenciou o lazer, a
política, a educação, os hábitos familiares, a propaganda, a religião, a economia, etc..
Objetos como o telefone, o automóvel, a televisão e o computador são invenções. Mas ideias, como a
democracia, o protestantismo e o capitalismo, também são invenções, que, assim como os objetos citados,
também produziram grande impacto na vida em sociedade.
Diferentemente da invenção, que implica a criação de novos elementos, a descoberta trata do
reconhecimento ou do melhor conhecimento de alguma coisa existente, como a identificação de uma nova
estrela, o contato com a culinária de outra cultura ou a descoberta da estrutura do DNA. Embora a descoberta
corresponda a algo já existente, só se torna um fator de mudança social quando é colocada em uso.
As descobertas científicas alteram a mentalidade, abrem novas perspectivas, modificam atitudes básicas e
transformam a sociedade pela aplicação dos conhecimentos científicos a todos os campos da vida social.
Muitos sociólogos consideram que as mudanças tecnológicas são fatores básicos da mudança social, mas nem
todas as mudanças sociais se originam de transformações tecnológicas. Por exemplo: o telefone, o rádio, a
televisão e a internet vieram a facilitar as comunicações entre os homens dos mais distantes lugares. Com
essa “revolução na comunicação”, a humanidade tende a conhecer melhor a si própria. O mundo vai se
tornando cada vez menor com as facilidades dessas invenções que provocam grandes e contínuas mudanças
nas relações entre os homens.
Na maioria dos casos, descobertas e invenções não são feitas por acaso, elas surgem como respostas a
problemas e necessidades e quando existem condições socioculturais para o seu surgimento.
Descoberta é todo e qualquer conhecimento acrescentado ao acervo de informações explicações existente
numa sociedade. Invenção é toda aplicação original do conhecimento disponível. As descobertas só se
tornam causa de mudança social quando são efetivamente aplicadas, ou seja, transformadas em invenções.
Outra causa de mudança nos padrões culturais é a difusão, ou expansão de traços culturais de uma sociedade
para outra.
Difusão - pode ocorrer em virtude de uma ampla variedade de fatores, tais como colonização, conquistas
militares, trabalho missionário, turismo, influência dos meios de comunicação de massa e Internet. No
mundo contemporâneo, caracterizado pela ampla utilização dos meios de comunicação, verifica-se a difusão
de elementos culturais de uma sociedade para outra. O processo de globalização efetivou-se em boa parte
como decorrência da difusão cultural
O maior fator de mudança cultural é o contato entre as sociedades, pois é através dele que as descobertas e
invenções são difundidas e incorporadas em muitas sociedades. As cidades são grandes focos de mudança.
O contato entre sociedades tende provocar a difusão das descobertas, dos valores, das crenças, normas,
atitudes e aspirações. A crescente evolução dos meios de comunicação intensificou os contatos entre as mais
diferentes sociedades.
Fatores Tecnológicos
Invenções e inovações tecnológicas podem produzir amplas mudanças na sociedade. Toda sociedade
humana deteve algum tipo de tecnologia que contribui para sua manutenção. Pode ter sido um pedaço de
osso utilizado como instrumento cortante; um pedaço de pedra de determinado tipo que ajudou a produzir
o fogo; uma vara utilizada para abrir buracos no chão para o plantio, etc.
Defasagem Cultural - é a diferença no ritmo da mudança entre diferentes setores institucionais da
sociedade. Ocorre pelo fato do ritmo da mudança cultural não ser homogêneo. As instituições econômicas

2
Sociologia – Profª Ms. Cecilia Gregorutti
Aula 10
podem mudar com muita rapidez, enquanto os padrões de organização da família se transformam
lentamente. As áreas institucionais às quais pertencem os valores básicos e as normas sagradas – os mores1
– da sociedade são precisamente as de maior resistência à mudança. A família e religião são as áreas de
atividade nas quais as pessoas apresentam uma tendência mais acentuada à resistência à mudança social. As
mudanças no plano dos valores ético-religiosos tendem a afetar a organização da sociedade com um todo.
1. MORES. Padrões obrigatórios de comportamento social exterior que constituem os modos coletivos
de conduta, tidos como desejáveis pelo grupo, apesar de restringirem e limitarem o comportamento.
São moralmente impostos e considerados essenciais ao bem-estar do grupo. Quando se infringe
um more, há desaprovação moral e até sanção vigorosa.
As mudanças na tecnologia e na economia também afetam a família e a religião. Elas tendem acarretar
transformação no estilo de vida, na visão do mundo, de modo a mudar, igualmente, as atitudes das pessoas
em relação à religião.
Desenvolvimento Social - Consiste na evolução dos componentes da sociedade (capital humano) e na
maneira como estes se relacionam (capital social). O desenvolvimento social só ocorre quando se estabelece
políticas que aperfeiçoem a forma como os componentes de um conjunto interagem entre si e com o meio
externo. Entende-se como conjunto uma pequena comunidade rural, um centro urbano ou, inclusive, uma
nação inteira.
A educação escolar é igualmente apontada como condição necessária ao desenvolvimento. A educação tanto
pode ser instrumento de conservação quanto de mudança social. A educação é fator de desenvolvimento à
medida que estiver voltada para as necessidades reais de mão-de-obra especializada para a economia de
uma sociedade
Conflito e mudança
A tensão e o conflito na sociedade também produz mudança. A desigualdade na distribuição de riqueza,
saúde, prestígio, poder e outros recursos gera tensão entre aqueles que têm e aqueles que querem ter esses
recursos. Por essa razão é que, para Marx, o conflito entre as classes sociais é o motor da história.
A tensão nem sempre surge num contexto de conflito acentuado, mas cria pressões em favor da mudança. Os
que têm recursos esforçam-se par mantê-los, consolidando seu poder e recorrendo à coerção, geralmente de
forma explicita. Já aqueles que não têm pouco mais podem fazer do que reclamar e, eventualmente, realizar
algum tipo de manifestação. Mas quando as privações aumentam, os despossuídos começam a se organizar
e a médio ou longo prazo mudanças podem ocorrer.
Ideias e mudança
O papel das ideias na mudança social não e considerado relevante nem por Marx nem por Durkheim. Marx
enfatiza os fatores materiais de produção e Durkheim, os fatores sociais externos aos indivíduos. Max Weber
identifica as ideias como raízes de muitas mudanças sociais. Pessoas dotadas de liderança carismática, no
seu entender poder formular ideias como grande potencial de mudança. É o caso de personagens como
Moisés, Jesus Cristo, Maomé, Napoleão, Lenin e Martin Luther King, que foram capazes de atrair seguidores
em virtude de serem considerados possuidores de qualidades excepcionais.
População e mudança
Os movimentos populacionais também exercem fortes pressões para a mudança. Quando a população de
uma região se amplia, novas formas de produção são requeridas para alimentar, abrigar e vestir essa maior
quantidade de pessoas. Novas escolas e novos padrões de educação tornam-se necessários para garantir a
profissionalização do contingente de jovens que ingressam no mercado de trabalho. Muitas vezes, a criação
de novas leis e o desenvolvimento de novos padrões de organização política tornam-se necessários para
regulamentar e controlar a ação das massas que se tornam mais numerosas e também mais inquietais. Assim,
o crescimento populacional pode ser considerado um poderoso dínamo numa sociedade, que passa a exigir
respostas institucionais e mudanças.

3
Sociologia – Profª Ms. Cecilia Gregorutti
Aula 10
Não é apenas o crescimento ou o declínio da população que produzem mudanças sociais. Os movimentos
migratórios para dentro e para fora de uma sociedade ou para áreas de maior desenvolvimento também
produzem importantes efeitos na organização e na estrutura social.
A estrutura etária de uma população também cria pressões para a mudança. Nos países com população cuja
proporção de idosos em relação aos jovens esta em ascensão como é o caso do Brasil e da maioria dos países
da Europa, prevê-se a ocorrência de sérios problemas relativos à obtenção de receitas de jovens que
trabalham para manter os idosos que não trabalham.
São as variações históricas nas sociedades humanas, envolve estudos das tendências demográficas, das
alterações na estrutura familiar, na estrutura da estratificação social, entre outras.
O que caracteriza a humanidade é sua capacidade de mudar constantemente e seu poder adaptativo.
Características essenciais da mudança
 A alteração da estrutura, isto é, provocam alterações em componentes da organização social.
 Identificação no tempo: pode-se localizar no tempo o ponto que provocou a mudança.
 Permanência: o que é superficial e passageiro não pode ser considerado uma verdadeira mudança
social, ela tem que ter um caráter de certa permanência.
 Interferência no curso da história de uma sociedade, decorrente de características anteriores.
 Ação histórica: os homens são sujeitos da historia e não meros objetos, eles provocam as
modificações, dentre outras características.
Mudança, Integração Social e Personalidade - Existe uma evidente correlação entre ritmo de mudança e
integração social. As sociedades tradicionais por se transformarem em ritmo mais lento tendem a ser mais
integradas que as sociedades urbano-industriais. Nas sociedades tradicionais, os valores e crenças
fundamentais permanecem inalterados através de muitas gerações. Nas sociedades urbano-industriais, o
contato intenso com outras culturas faz com que valores e crenças sejam reinterpretados e mesmo
substituídos com grande rapidez, de modo que, durante o período básico de socialização, os indivíduos se
veem na contingência de alterar a base subjetiva necessária para sua vida em sociedade. Se por um lado o
amadurecimento psíquico tende a se concretizar mais cedo e a personalidade tende a ser mais integrada
para os membros das sociedades tradicionais, nas sociedades urbano-industriais acontece de modo inverso.
A personalidade se desenvolve através da socialização e reproduz de algum modo, os estados e movimentos
do ambiente social no qual está inserida.

Referência
• VILA NOVA, Sebastião. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas – 2009. Capitulo 10
• GIL, Antônio Carlos. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 2011. Capítulo 21.
• GIDDENS, Anthony. Sociologia. 6ª. Edição. Porto Alegre Penso, 2012.