Você está na página 1de 9

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

ENSINO SECUNDÁRIO
PROVA ESCRITA ANO LETIVO: 2017/2018

ARTES VISUAIS – 11.º ANO


DURAÇÃO PROVA – 90 MINUTOS dezembro /2017
HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével azul ou preta.


Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca,
aquilo que pretende que não seja classificado.
Escreva de forma legível a numeração dos grupos e/ou dos itens, bem como as respectivas
respostas.
Para cada item, apresente apenas uma resposta. Se escrever mais do que uma resposta a
um mesmo item, apenas é classificada a resposta apresentada em primeiro lugar.
Antes de responder, analise todos os documentos apresentados.
Para responder aos itens de escolha múltipla, escreva, na folha de respostas:
• o número do item;
• a letra identificativa da alternativa correcta.
Para responder aos itens de associação, escreva, na folha de respostas:
• o número do item;
• o número identificativo de cada elemento da coluna A e a letra identificativa do único
elemento da coluna B que lhe corresponde.

Página 1 de 9
Grupo I

1. Associe cada personalidade referida na coluna A à obra de sua autoria referida na coluna
B.
Escreva, na folha de respostas, as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra
e cada número apenas uma vez.

COLUNA A COLUNA B

(1) O Espírito das Leis


(a) René Descartes (2) Discurso do Método
(b) Jean-Jacques Rousseau (3) A Origem das Espécies
(c) Montesquieu (4) Novum Organum
(5) O Contrato Social

2. Selecione a opção que indica o nome do país europeu em que ocorreu a Revolução Liberal
de 1789.
(A) Portugal
(B) Inglaterra
(C) França
(D) Alemanha

3. Leia o Texto A.

TEXTO A
A Assembleia Nacional [Francesa] reconhece e declara, na presença e sob os
auspícios do Ser supremo, os seguintes direitos do Homem e do Cidadão:
Art. 1.º. Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos. As
distinções sociais só podem fundamentar-se na utilidade comum.
Art. 2.º. A finalidade de toda a associação política é a conservação dos direitos
naturais e imprescritíveis do Homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a
segurança e a resistência à opressão.
Art. 3.º. O princípio de toda a Soberania reside, essencialmente, na Nação.
Nenhuma corporação, nenhum indivíduo pode exercer autoridade que dela não emane
expressamente.

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, 1789, in www.conseil-constitutionnel.fr (traduzido e adaptado)


(consultado em novembro de 2017)
3.1. Explicite três inovações da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão,
evidenciadas no Texto A.

Página 2 de 9
Grupo II
1. O Texto B e a Figura 1 remetem para a estética Rococó.

Figura 1- Nicolas Pineau, Salão do Hotel de Varengeville, Paris, 1726-1750,


in www.studyblue.com/notes/note/n/rococo/deck/5916083
(consultado em novembro de 2017)

TEXTO B
Na origem, a estética Rococó reflete um distanciamento do homem setecentista
em relação aos valores que haviam norteado a sociedade do século anterior, preparando,
assim, a dissolução do Antigo Regime que a Revolução Francesa precipitará.
Imbuído do espírito de fraternidade universal e do ceticismo que caracteriza o
Século das Luzes, o Rococó define-se pela irreverência, pelo gosto da intimidade e pelo
repúdio da teatralidade que havia dominado a cultura do Barroco. Nesse sentido, talvez o
seu traço mais peculiar seja uma irreprimível alegria que irá despoletar uma criatividade
intensa em todos os domínios da arte que contribuem para o bem-estar, entre os quais se
incluem, ocupando o primeiro plano, as chamadas artes decorativas.
António Pimentel et al., «O Rococó», in História da Arte, Coimbra,
Edições MinervaCoimbra, 2010, p.175 (adaptado)

1.1. Explique oito dos aspetos da estética do período Rococó, recorrendo à leitura do
Texto B e à observação da Figura 1.
Oriente a sua resposta pelos tópicos seguintes:
• a cultura do salão aristocrático;
• a decoração do interior dos salões.

Página 3 de 9
2. Leia o Texto C e observe a Figura 2.

TEXTO C
Os pintores do Rococó não tardaram a ser criticados pelos seus contemporâneos
iluministas devido à frivolidade das suas obras e ao seu conteúdo, que supostamente
glorificava a prodigalidade da nobreza. No entanto, obras como O Baloiço de Fragonard
ou os nus sensuais de Boucher representam simultaneamente um provocante ato de
revolta contra a moral da Igreja, servindo‑se nesse sentido de ideias iluministas, como as
que eram propagandeadas pelos filósofos da época, como, por exemplo, Rousseau e
Voltaire. Estes exigiam do homem – em conformidade com o pensador alemão Kant – que
«tivesse a coragem de se servir da sua própria razão». Os homens não deveriam continuar
a confiar em formas de reflexão e doutrinas obsoletas, ditadas pela Igreja e pela nobreza,
mas sim servir-se das suas próprias faculdades naturais, do seu pensamento, do seu
intelecto. «Retour à la nature – Retorno à natureza» exige Rousseau, não se referindo de
forma alguma a um rude retorno ao estado pré-civilizado, mas sim, a um distanciamento
do viver somente para as aparências, como acontecia na corte […].
Anna-Carola Krausse, História da Pintura. Do Renascimento aos Nossos Dias,
Colónia, Könemann, 1995, pp. 48-49 (adaptado)

Figura 2 – Jean-Honoré Fragonard, O Baloiço, 1767,


in www.wga.hu (consultado em novembro de 2017)

2.1. Descreva quatro características da pintura do período Rococó, recorrendo à


observação da Figura 2 e à leitura do Texto C.

Página 4 de 9
Grupo III
1. Leia o texto D e observe o quadro cronológico.
TEXTO D

«O Neoclassicismo […] é uma reação contra a frivolidade da arte e dos costumes da


primeira metade do século XVIII e contra as complicações do estilo rocaille ou “rococó”,
condenado por razões morais e estéticas. Os filósofos das “Luzes”, os autores da
Enciclopédia, esforçam-se por transformar a sociedade, quer pelo progresso científico e
técnico […], quer por um regresso à simplicidade e à pureza “primitivas”: sonha-se com
um mundo melhor, com uma espécie de “idade do ouro” governada pela razão natural e
pela justiça. […]

Propõem-se à gente nova exemplos de virtude cívica, de dedicação ao bem


público, [...] que na arte se traduzem pela força plástica, pela simplicidade da composição,
do desenho e da cor, e pelo empobrecimento voluntário da técnica. O regresso ao antigo
não passa de um meio de alcançar este ideal: pedem-se assuntos morais à história da
Grécia e da República Romana e uma linguagem formal à arte greco-romana.

Albert Châtelet e Bernard Philippe Groslier, História da Arte Larousse.


Barcelos: Civilização, 1985.

1. Observe o seguinte quadro cronológico do período 1713-1789.


1713 Assinatura do Tratado de Utrecht
1720 Fundação da Real Academia de História
1746 Publicação da obra Verdadeiro Método de Estudar
1755 Início da construção da Igreja de Santa Genoveva, em Paris, futuro
Panteão
Terramoto de Lisboa
1755
Guerra dos Sete Anos
1756-63
Publicação da obra pedagógica Émile
1762
Invenção da primeira máquina a vapor
1769
Pintura neoclássica O Juramento dos Horácios
1784
Estreia da ópera As Bodas de Fígaro
1786
Escultura neoclássica Cupido e Psique
1787-93
Proclamação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
1789

1.1. Indique o acontecimento que afirmou os princípios do liberalismo na Europa do


século XVIII.
Página 5 de 9
1.2. Identifique o autor da ópera estreada em 1786.

1.3. Refira o movimento artístico que, traduzindo os novos valores da sociedade,


sucedeu ao Barroco e ao Rococó.

1.4. Selecione a opção que indique três valores do iluminismo que se encontravam em
conformidade com as caraterísticas da arte clássica.
(A) Racionalismo, excentricidade e exuberância.
(B) Clareza, dinamismo e excentricidade.
(C) Pragmatismo, excentricidade e clareza.
(D) Racionalismo, pragmatismo e clareza.

2. Observe a figura 3.

Figura 3 - Lincoln Memorial,


in,https://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_do_neoclassicismo#/med
ia/File:LincolnMemorial_WashingtonDC.jpg
(consultado em novembro de 2017)

2.1. Estabeleça a relação entre o Iluminismo e a arquitetura neoclássica da segunda


metade do século XVIII.
Na sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes tópicos:
• Influências clássicas presentes na estrutura arquitetónica neoclássica;
• A arte neoclássica como expressão da estética do Iluminismo e dos novos
regimes políticos.

Página 6 de 9
3. Observe a figura 4.

Figura 4- Paolina Borghese, Antonio Canova, 1805-1808. In http://princessofnowhere.com/the-book/venus-victrix/


(consultado em novembro de 2017)

3.1. Selecione a opção que carateriza a escultura neoclássica.


(A) Os escultores clássicos não seguiam os cânones clássicos.
(B) O recurso à tradição clássica resultou da falta de inspiração dos escultores para
criarem uma escultura original.
(C) Os escultores do neoclassicismo tinham como objetivo principal atingir o ideal
clássico de beleza.
(D) A escultura neoclássica limitou-se a imitar os modelos clássicos originais.
(E) No concernente à produção escultórica, o Neoclassicismo criou uma escultura
inovadora sem referências na Antiguidade Clássica.

Página 7 de 9
4. Observe o conjunto documental seguinte.

a) André Soares, Igreja de Santa Maria b) Leon Alberti, fachada da Igreja de Santo
Madalena da Falperra, Braga, 1753- André de Mântua, 1470.
1755.

c) Guarino Guarini, fachada do Palácio d) Pierre-Alexandre Vignon, fachada do


Carignano, Turim, 1679. Templo da Glória. atual Igreja de La
Madeleine, Paris, 1806-1842.

4.1. Associe cada obra referida na coluna A a um dos estilos ou períodos


arquitetónicos referidos na coluna B, atendendo às imagens do conjunto
documental.
Escreva, na folha de respostas, as letras e os números correspondentes.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

COLUNA A COLUNA B
a) Igreja de Santa Maria Madalena da (1) Neoclassicismo

Falperra (2) Rococó


(3) Barroco
b) Igreja de Santo André de Mântua
(4) Maneirismo
c) c) Palácio Carignano (5) Renascimento
d) (d) Igreja de La Madeleine (6) Romantismo
(7) Gótico

Página 8 de 9
COTAÇÕES

Grupo Item
Cotação (em pontos)
I 1.1. 1.2. 2.1.
5 5 20 30
II 1.1. 2.1.
60 20 80
III 1.1. 1.2. 1.3 1.4. 2.1. 3.1. 4.1.
5 5 5 5 60 5 5 90
Total 200

Bom trabalho!
As professoras: Carla Sanfins
Juliana Freitas
Paula Ferreira

Página 9 de 9