Você está na página 1de 18

www.pwc.com.

br

O novo “ecossistema”
tributário global e
os seus desafios para
a Função Fiscal:
Tax Morality e BEPS
Apresentação

A economia globalizada requer das As empresas multinacionais, na No contexto desse movimento, surgiu
empresas multinacionais modelos natural busca pela maximização o projeto BEPS (Base Erosion and Profit
operacionais também globais, do retorno de seus investimentos, Shifting), de iniciativa dos países do
visando à máxima racionalização procuram gerir, de forma eficiente, bloco G20 e materializado nos 15
de custos e retorno sobre o custo tributário de suas operações planos de ação divulgados em 2015
investimentos, em que cadeias e, na consecução deste objetivo, pela OCDE, os quais visam combater
de suprimento são cada vez mais exploram as peculiaridades a erosão fiscal e a transferência
integradas entre diversos países, legais de cada jurisdição, artificial de lucros.
mas com a centralização de várias estruturando-se societária e
funções estratégicas e de gestão operacionalmente de acordo com Os estudos para o constante
das grandes organizações em o marco legal das jurisdições em aperfeiçoamento do BEPS continuam
apenas uma jurisdição. que atuam, considerando tratados na agenda do G20, por meio do
internacionais e outros dispositivos seu grupo científico e intelectual
Inúmeros modelos empresariais legais para obterem a redução lícita do denominado The Think20 (T20).
globais centralizam e protegem encargo tributário de suas operações, Criado para propor recomendações
o conhecimento intelectual ou a ao que a nossa doutrina classifica e políticas em várias áreas, inclusive
propriedade intelectual que viabiliza como “elisão tributária”. a tributária, o T20, em sua última
o empreendimento como um todo reunião havida em maio/2017, em
em apenas uma jurisdição, pelas Mais recentemente, contudo, Berlim, discutiu, no âmbito de um
mais variadas razões, sejam elas o mundo vem vivenciando de seus braços de pesquisa (Task
por questões estruturais (ambiente um fenômeno social que se Forces), com apoio técnico da PwC,
tecnológico desenvolvido), sejam expressa pelo questionamento da a cooperação global em matéria
elas por conveniências comerciais, compatibilidade entre a grandeza tributária (International Cooperation
ou ainda para fins de gestão do da contribuição tributária gerada in Tax Matters), como mecanismo de
custo fiscal. pelas organizações e a riqueza fortalecimento das ações do BEPS.
por elas produzidas nas diversas
Todas essas gestões também jurisdições em que operam (fair Nesta Publicação propomos uma
afetam o local em que as funções share of tax), desencorajando-se, reflexão sobre os impactos dos novos
empresariais e, consequentemente, por meio de um ciclo de pressões conceitos de “Tax Morality” e “Tax
os riscos de um empreendimento sociais, o uso de estruturas que Fairness” sobre a Função Fiscal do seu
estão efetivamente situados, causem o desbalanceamento negócio e quais cuidados devem ser
ensejando, igualmente, o no binômio: “riqueza versus tomados e cursos de ação podem ser
deslocamento do local de arrecadação”, ainda que empreendidos, além de como a PwC
reconhecimento da maior parcela legalmente adequadas. pode ajudá-los no enfrentamento
do lucro da operação, que não do que nos permitimos definir como
necessariamente passa a corresponder “novo ecossistema tributário global”.
ao local em que se dá o consumo de
um bem, produto ou serviço, enfim,
a geração de riqueza.

Fernando Alves Durval Portela


Sócio-presidente Sócio e líder de Consultoria
PwC Brasil Tributária e Societária
PwC Brasil
2 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS2

Tax Morality

O denominado “planejamento Muitas vezes, elas têm sido


tributário”, mesmo pautado acusadas de desenhar complexas
irrestritamente nos limites estruturas societárias e
da lei, não vem escapando de operacionais apenas com o
questionamentos que encampam objetivo de pagar menos tributos,
o viés ideológico de que tais o que retiraria dos cofres públicos
práticas, a despeito de serem recursos que poderiam ser
legais, não se enquadram nos direcionados para a abertura de
princípios morais que a sociedade escolas, hospitais, moradia, obras
moderna proclama. Em certos de infraestrutura, etc.
países, como Inglaterra e Estados
Unidos, empresas multinacionais Essa discussão tem se espalhado
têm sido questionadas pelas pelo mundo todo. As empresas
organizações civis, em relação têm sido instadas a ser mais
ao volume de pagamento de transparentes sobre suas
impostos que promovem, práticas tributárias e a
vis-à-vis a riqueza auferida pela demonstrar a substância de
exploração de seus negócios suas operações, prestando
localmente. contas sobre quanto de impostos
proporcionam para a sociedade,
em contrapartida à exploração de
um negócio e à geração de lucros
para seus acionistas.

As empresas têm sido instadas


a ser mais transparentes sobre
suas práticas tributárias e
a demonstrar a substância
de suas operações
PwC 3

É o que se convencionou denominar de Tax Morality, cuja representação pode ser traduzida em um
fenômeno que emerge pela medição de forças entre os seguintes agentes socioeconômicos:

Tax Morality
Empresas Governos Sociedade
Exposição à carga tributária. Necessidade de alcance do Fiscalização da destinação dos
Procura por caminhos lícitos equilíbrio fiscal para cumprir recursos ao cumprimento das
para mitigação desses efeitos suas finalidades sociais, finalidades sociais do Estado,
(tax plannings) e geração de resultando em pressão por bem como do comportamento
valor ao negócio. aumento da arrecadação. e da ética dos grandes
contribuintes em relação à
sua responsabilidade social,
principalmente por meio
de ONGs. Exemplo: Tax
Justice Network.

O tema Tax Morality é limites estes determinados por Uma das definições de “moral”
extremamente desafiador, conceitos de moral e ética que, é a de ser “o conjunto de
principalmente por existir obviamente, não estão regrados regras e princípios de decência
exclusivamente no campo e, portanto, são intangíveis para que orientam a conduta dos
das ideias, ou seja, no plano serem objetivamente enfrentados indivíduos de um grupo social
subjetivo do comportamento pelas organizações, em sua ou sociedade”. Aqueles conjuntos
humano, mas que, concreta legítima busca pela redução são forjados a partir da influência
e pragmaticamente, propõe de custos em geral, inclusive o direta exercida por diferentes
novos limites à Função Fiscal tributário, bem como por uma culturas que constroem o
das organizações empresariais, atuação em conformidade com os códex daquela sociedade.
distintos ordenamentos jurídicos.
Com efeito, o tema desafia-nos
com algumas questões.
4 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS4

...de resultado concreto, tivemos um


contribuinte que, apesar de convicto de
que não deveria tributo algum com base no
marco legal da jurisdição em que operava,
ainda assim resolveu recolher tributo para a
referida jurisdição, motivado exclusivamente
pelo referido movimento que se
convencionou denominar de Tax Morality...

A sociedade, no ambiente físico caso concreto das repercussões tivemos um contribuinte que,
em que se insere e de acordo com envolvendo, por exemplo, uma apesar de convicto de que não
o repertório cultural previamente das empresas com atuação deveria tributo algum com base
adquirido, captura e codifica os na Inglaterra, esta resolveu, no marco legal da jurisdição
valores que lhes são mais caros espontaneamente, recolher o em que operava, ainda assim
e que permitem a convivência que passou a entender ser o resolveu recolher tributo para
coletiva. Valores inspiram seu fair share of tax aos cofres a referida jurisdição, motivado
normas dos mais variados do Fisco daquele país. É bem exclusivamente pelo referido
tipos e estas, por sua vez, são verdade que provavelmente movimento que se convencionou
introduzidas no ordenamento tal comportamento também denominar de Tax Morality...
jurídico de cada país, de tenha sido influenciado pela
acordo com procedimentos pressão feita pela sociedade por Estamos aqui, portanto, diante de
formais preconcebidos. meio das mídias sociais, que um fenômeno moral e ético que,
conclamaram toda a população embora não positivado em
Diante de tudo isso, a indagação a boicotar o consumo dos normas, foi capaz de trazer
que surge é no sentido de se as produtos da empresa. Nada consequências práticas de natureza
normas tributárias, em especial, obstante, de resultado concreto, econômica, mais especificamente
uma vez positivadas, podem ficar no campo tributário.
à disposição de conceitos morais
valorativos, exclusivamente
subjetivos, portanto não
positivados, ou a serem
positivados. Pode um conjunto de
percepções, a posteriori, ser capaz
de influenciar o comportamento
do contribuinte sob operações
que entendeu e pretendeu
realizar nos estritos termos da lei
existente à época?

Não vamos aqui enfrentar essa


indagação no plano científico do
Direito, mas, segundo o escopo
deste texto, apenas no plano
pragmático, para afirmar que, no
PwC 5

State Aid

Concomitantemente às pressões tivessem que devolver aos cofres patologias comprovadas no


sociais globais em relação ao Tax públicos o valor dos tributos processo (simulação, fraude à
Morality, cabe destacar as recentes que deixou de ser recolhido nos lei, abuso de forma ou abuso de
reações da Comunidade Europeia últimos dez anos, em função direito – caso seja admitida esta
à caracterização da prática de da aplicação do entendimento última figura jurídica).
State Aid por alguns de seus anteriormente assegurado em
estados membro, em desacordo referidos rulings e APAs. Adicionalmente, como um
com os princípios e regras da Tais eventos, naturalmente, relevante agente no entorno
Constituição da União Europeia, vêm trazendo algum grau econômico global, o Brasil não
a qual coíbe práticas que de insegurança em relação a apenas vem aderindo como
prejudiquem a livre concorrência estruturas já implementadas por também patrocinando iniciativas
entre seus integrantes. organizações para operações no globais para atribuição de maior
continente europeu. transparência às operações dos
Literalmente traduzidas contribuintes (Tax Transparency),
como Auxílio Estatal, essas No Brasil, essa realidade não está bem como o movimento da
práticas definem a concessão tão distinta. Se, por um lado, não Organização para Cooperação
de vantagens, sob quaisquer há uma pressão mais organizada e Desenvolvimento Econômico
formas, conferidas de maneira por parte de organismos sociais, (OCDE) de combate ao que se
seletiva às empresas pelas a exemplo de ONGs devotadas convencionou denominar de
autoridades públicas nacionais. a fiscalizar o comportamento Base Erosion and Profit Shifting
Em comparação muito abreviada, de contribuintes, nota-se, mais (BEPS), conforme trataremos
seria o equivalente à nossa recentemente, uma tendência de mais adiante.
guerra fiscal. alguns segmentos da mídia de
divulgar, incorretamente, como
Mais recentemente, alguns rulings “sonegação fiscal”, estruturas
e Advanced Price Agreements societárias e operações de
(APA) concedidos por autoridades contribuintes cujos efeitos fiscais
fiscais dos estados membros são anulados após decisão dos
foram caracterizados como State nossos tribunais administrativos,
Aid, ensejando a obrigatoriedade ainda que tais estruturas e
de que empresas por estes operações tenham sido adotadas
supostamente beneficiadas pelos contribuintes por meio
de outro entendimento da
lei tributária, sem quaisquer
6 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS6

A iniciativa BEPS

Nesse contexto tributário societárias e empresariais em Os planos citados, divulgados


global, fortemente influenciado operações transnacionais que em 2015, partem de três
pelo Tax Morality debate, a objetivem a referida erosão da direcionadores fundamentais:
Organização para a Cooperação base tributária e a transferência
e Desenvolvimento Econômico de lucros entre jurisdições.
(OCDE), com participação dos
países do G20, vem trabalhando,
desde 2013, em um plano de
ação para evitar, de forma
global e coordenada, estruturas 1
societárias e empresariais que Substância
resultem no que se convencionou
denominar de Base Erosion e
Profit Shifting (BEPS).

A definição extraída da OCDE


refere-se a estratégias de Plano
planejamento tributário que 2
exploram lacunas e assimetrias de Ação
Coerência
nas regras fiscais para transferir,
do sistema 3
de forma artificial, lucros para
jurisdições de baixa ou nenhuma tributário Transparência
tributação, com pouca ou sem internacional
qualquer atividade econômica,
resultando na redução do encargo
global de imposto sobre a renda.
1 2 3
A OCDE formulou e publicou 15
Planos de Ação com o objetivo Substância Coerência do Transparência
de orientar e auxiliar os Estados sistema tributário
Nacionais na inserção e na internacional
adoção, nas respectivas legislações
A tributação deve recair Objetiva a eliminação Ampla prestação
domésticas, de mecanismos
sobre a atividade da dos chamados loop de informações às
voltados a impedir ou a dificultar autoridades fiscais,
jurisdição em que se holes, lacunas ou
a implementação de estruturas assimetrias entre as leis tendo por objetivo a
localizar a atividade
efetivamente geradora internas dos países, divulgação e a troca de
de valor ao negócio. que permitem as informações relevantes
práticas indesejadas. entre países sobre
operações realizadas
em seus respectivos
territórios.
PwC 7

As medidas propostas no Projeto BEPS vêm sendo substanciais na atual macroestrutura tributária
avaliadas por muitos países e já estão sendo internacional e no próprio comportamento das
implementadas por alguns deles. Essas ações autoridades tributárias internacionais perante
refletem um movimento aparentemente irreversível, os agentes econômicos, além de seguir a trilogia
que resultará em novos paradigmas e em mudanças coerência, substância e transparência:

Coerência Substância Transparência

• Ação 2: Entidades e • Ação 6: Abuso no uso • Ação 11: Análise do BEPS.


instrumentos híbridos. de tratados. • Ação 12: Divulgação de
• Ação 3: Regras de CFC. • Ação 7: Estabelecimento planejamento tributário
• Ação 4: Juros e outras permanente. agressivo.
deduções financeiras. • Ações 8, 9 e 10: Resultados de • Ação 13: Documentação de TP
• Ação 5: Práticas preços de transferência. e relatórios CbCR.
tributárias prejudiciais. • Ação 14: Mecanismos de
resolução de conflitos.

Ação 1: Negócios digitais.

Ação 2: Instrumento multilateral

O Brasil participa do quadro inclusivo e, embora não Para participar do quadro inclusivo, é necessário que
seja país membro da OCDE, tem assento nos fóruns o país adote uma estrutura de standards mínimos,
de discussão quando o tema é BEPS, e algumas que são os Planos de Ação 5, 6, 13 e 14. Adiante,
iniciativas normativas já foram implementadas nos resumiremos individualmente as ações que, neste
anos de 2015 e 2016, inspiradas nos planos de ação. momento, foram abraçadas pelo Governo brasileiro,
com o objetivo de internalizar o BEPS.
8 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS8

Plano de Ação 5 - Práticas Tributárias Danosas

Essa ação tem por objetivo, Sustentada na definição de


principalmente, evitar a adoção, “transparência”, foi publicada a
de modo mais eficiente, de Instrução Normativa RFB
práticas tributárias danosas, no 1.634/16, determinando que
considerando aspectos o CNPJ contenha as informações
relacionados à “transparência” e à cadastrais relativas às entidades
“substância”. Prevê o intercâmbio empresariais e às entidades
de informações sobre tais práticas domiciliadas no exterior e
e a inserção de regras definidoras abranja as pessoas autorizadas
de substância na legislação a representá-las, bem como a
interna de cada país. cadeia de participação
societária deve alcançar
No Brasil, recentemente, o inclusive as pessoas naturais que
Decreto Federal no 8.842/16 possam ser classificadas como
promulgou o texto da Convenção beneficiárias finais.
sobre Assistência Mútua
Administrativa em Matéria Ainda no contexto brasileiro,
Tributária, abrangendo a troca de a Instrução Normativa RFB no
informações sobre fiscalizações 1.658/16, entre outras alterações,
tributárias simultâneas e a introduziu o conceito de
participação em fiscalizações atividade econômica substantiva,
tributárias levadas a efeito no aplicado para holdings localizadas
exterior, bem como a cobrança de na Holanda e na Dinamarca.
créditos tributários, incluindo as
medidas cautelares. Finalmente, foi divulgada pela
Receita Federal do Brasil (RFB)
a Consulta Pública n° 12/2016, a
qual propõe alterações na IN RFB
Essas ações refletem um n° 1.396/2013, para explicitar
as categorias de soluções
movimento aparentemente de consulta para as quais o
contribuinte deverá fornecer
irreversível, que resultará informações adicionais, nos
termos do modelo de troca de
em novos paradigmas e em informações do Projeto BEPS.

mudanças substanciais na
atual macroestrutura tributária
internacional e no próprio
comportamento das autoridades
tributárias internacionais...
PwC 9

Plano de Ação 12 - Declaração de Planejamento Tributário

O primeiro grande reflexo da Esse tema voltará para a pauta


iniciativa foi a tentativa, ainda em de interesse da RFB a partir
2015, de instituir a Declaração de 2017. Espera-se, contudo,
de Planejamento Tributário, transparência por parte das
por meio da publicação da autoridades governamentais, com
Medida Provisória no 685. Essa ampla discussão pela sociedade
nova declaração deveria ser, e por seus representantes no
obrigatoriamente, apresentada Congresso Nacional, ao contrário
pelo contribuinte que porventura do ocorrido na oportunidade.
implementasse operações das
quais resultassem a supressão,
a redução ou o diferimento de
tributos: (i) decorrentes de atos
ou negócios jurídicos praticados
sem razões extratributárias
relevantes; (ii) não usuais; ou (iii)
listadas pela RFB.

Esse dispositivo foi amplamente


discutido no Congresso Nacional,
tendo sido, por fim, rejeitado.
A rejeição deu-se em função de
que o contribuinte era compelido
a um autoenquadramento,
declarando suas operações
como abusivas. Certamente, ao
ocorrer esse autoenquadramento
declarado de moto próprio, as
autoridades fiscais não teriam
poder para desenquadrá-lo, mas
simplesmente acatar a denúncia e
aplicar as sanções.
10 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS10 PwC 10

Planos de Ação 8 a 10 e 13 - Preços de Transferência e sua


documentação e Country by Country Report (CbCR)

Os Planos de Ação 8 a 10 e 13, Um deles foi denominado de


em conjunto, são importantes Country by Country Report
recomendações do Projeto BEPS. (CbCR) e trará informações locais
sobre receitas, lucros, tributos,
Têm por objetivo medir a ativos, empregados por país,
aderência da “substância” das entre outros dados (Plano de
operações (isto é, a efetiva Ação 13).
agregação de valor de cada
elo da cadeia de negócio) em Dentro do contexto brasileiro,
relação ao mercado local em a Receita Federal do Brasil, por
que são gerados os lucros, medir meio da Instituição Normativa
o resultado financeiro alocado RFB nº1681/2016, instituiu
a cada entidade dentro de um a nova obrigação acessória
grupo multinacional, bem como o denominada “Declaração
controle dos riscos assumidos, dos País-a-País”. Trata-se de um
ativos empregados e das funções relatório anual por meio
na gestão de intangíveis. do qual grupos econômicos
internacionais deverão fornecer,
Informações e dados necessários à administração tributária da
para a avaliação dos parâmetros jurisdição da residência de
das operações praticadas seu controlador final, diversas
intragrupo serão obtidos informações e indicadores
por meio da instituição de relacionados, entre outros, à
relatórios padronizados, a serem localização de suas atividades,
preenchidos pelos contribuintes e à alocação global de renda, aos
enviados às autoridades fiscais de impostos pagos e devidos e às
seus respectivos países. atividades econômicas
que desempenham.

A nova versão da Escrituração


Contábil Fiscal (ECF l 2017)
contém um bloco específico
relativo à nova declaração
(Bloco W).
PwC 11

Plano de Ação 14 – Solução de Litígios

Esse plano de ação visa a III. Plano de Ação 4 -


estabelecer o compromisso dos Dedutibilidade de Juros:
países em relação à adoção de o objetivo desta ação é
padrões mínimos que permitam estabelecer uma conexão
aos contribuintes ter acesso entre a dedutibilidade
a mecanismos de solução de das despesas de juros e
conflitos tributários decorrentes sua respectiva atividade
da aplicação de tratados e econômica tributável.
convenções internacionais para
evitar a dupla tributação. IV. Plano de Ação 7 -
Estabelecimento Permanente
No Brasil, a RFB editou a Instrução (“PE”): alterar a definição
Normativa no 1.669/2016, a qual de PE para evitar a evasão
tem por objetivo dispor sobre o artificial da condição de PE
procedimento amigável no âmbito tributável pela respectiva
das convenções e dos acordos jurisdição em que a operação
internacionais destinados a evitar estiver localizada.
a dupla tributação, de que o país
seja signatário. Por fim, uma grande questão
que nos permitimos colocar em
As autoridades fiscais relação ao efetivo êxito do BEPS
sinalizaram ainda manter, diz respeito à sua prevalência
atualmente, grupos de estudo em relação aos interesses dos
com o objetivo de editar ou Estados Nacionais quanto à
sugerir normas sobre: ainda necessária atração de
investimentos – o Brasil em crise é
I. Plano de Ação 1 - Economia o retrato dessa necessidade –,
Digital: procura identificar pois as demandas futuras dos
os principais obstáculos à países por capitais poderão
aplicação das regras atuais conduzi-los a novas rodadas
de tributação internacional, de concessão de vantagens
impostos pela economia tributárias que resultariam
digital e desenvolver soluções em novas assimetrias entre
específicas para abordar as jurisdições, aspecto que,
essas dificuldades. cabe enfatizar, do ponto de
vista do Estado que requer
II. Plano de Ação 2 - Entidades
desenvolvimento, não é uma
e Instrumentos Híbridos:
conduta imoral.
objetiva neutralizar os
tratamentos tributários
assimétricos provocados
por estruturas envolvendo
entidades e instrumentos
híbridos na tributação
internacional.
12 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS12

Novos desafios para a Função Fiscal


Diante desse cenário, propomos uma ampla reflexão sobre o que pode ser definido como o novo
“ecossistema” tributário global, abaixo caricaturado, e seus desafios:

Número recorde de
Troca de informações
procedimentos de auditoria Incremento da troca de informações
Aumento dramático em auditorias fiscais entre governos nacionais
Divisão “justa”
Eliminação
da chamada Competição por receitas
erosão da base Governos tentando atrair
tributária - BEPS investimentos por meio de regimes
tributários diferenciados

Risco reputacional
Ambiente Global
Danos reputacionais e às marcas,
por associação a “más práticas”
pela mídia - tax morality debate

Transparência
Maiores exigências de abertura de
informações/disclosure (e.g., FIN 48, Sistemas tributários emergentes
FATCA, country-by-contry reporting) Mudanças no balanço de poder e demandas
econômicas entre países desenvolvidos e
países emergentes, determinando mudanças
nos sistemas tributários

No plano mais pragmático dos desafios da Função de um de seus braços de pesquisa (Task Forces), com
Fiscal, todos os contribuintes serão afetados, de apoio técnico da PwC, a cooperação global em matéria
alguma forma, por esse novo contexto tributário tributária (International Cooperation in Tax Matters),
global, com prováveis repercussões locais, como mecanismo de fortalecimento das ações do BEPS.
certamente ou principalmente no âmbito dos países
que compõem o G20, a exemplo do Brasil, que As competências requeridas de profissionais da
acaba de pleitear sua inserção na OCDE. Os estudos Função Fiscal têm se ampliado à medida em que
para o constante aperfeiçoamento do BEPS continuam se expande a comunidade de partes interessadas
na agenda do G20, por meio do seu grupo científico e (“stakeholders”) por temas tributários das
intelectual denominado The Think20 (T20). Criado organizações e, por consequência, pela adoção de
para propor recomendações e políticas em várias áreas, princípios e práticas de Governança Corporativa
inclusive a tributária, o T20, em sua última reunião sobre processos e matérias envolvendo tributos. O
havida em maio/2017, em Berlim, discutiu, no âmbito gráfico a seguir estabelece essa correlação entre as
competências e as forças citadas:
PwC 13

Competências requeridas na Função Fiscal

Interesse
Técnica Process Management Comunicação Governança
em assuntos eficaz
tributários Responsabilidade corporativa

Stakeholders Transparência
externos

s
Stakeholders ore
internos
Accountability
Val
a /
ic
Ét
Profissionais
da Função Qualidade
Fiscal/Fisco
Evolução

Com efeito em um passado Com o tempo, a Função Fiscal passou dos conhecimentos de Governança
não muito distante o trabalho a receber cobranças mais intensas, Corporativa para o âmbito do
desempenhado pelos no tocante à eficiência financeira accountability (ou prestação de
profissionais da Função Fiscal era e operacional, requerendo, contas) e da transparência.
substancialmente orientado para o dos respectivos profissionais,
adequado entendimento de normas Como vimos, mais recentemente,
conhecimentos de tributação no
tributárias e o cumprimento de a Função Fiscal vem vivenciando
âmbito da cadeia de suprimentos da
obrigações fiscais (tax compliance), um ciclo de pressões por níveis
organização (inclusive quanto aos
considerando ainda os respectivos arrecadatórios compatíveis
respectivos impactos em fluxo de
reflexos nos planos do reporte com a riqueza produzida pelas
caixa e “pricing”) e a capacidade de
financeiro e de atendimento organizações nas diversas
identificar riscos em processos de
à fiscalização. Os resultados jurisdições em que operam (fair
negócios, estabelecer e administrar
produzidos eram essencialmente share of tax), sendo desencorajado
controles (“SOx”1) e conduzir
consumidos no âmbito interno da o uso de estruturas que causem
gestão com base em indicadores
organização – particularmente pelas o desbalanceamento no binômio
de desempenho (“KPIs”2). Os
áreas Tributária e de Contabilidade “riqueza versus arrecadação”, ainda
resultados produzidos passaram
–, sendo de interesse de uma que sustentáveis do ponto de vista
a alcançar uma quantidade mais
quantidade limitada de stakeholders legal (Tax Morality).
abrangente de stakeholders internos
internos e externos; a rigor, apenas e externos, com destaque para: Posto esse cenário, os resultados
acionistas e Fisco. Nesse cenário, clientes, fornecedores, reguladores, produzidos pela Função Fiscal
não se demandava do profissional operadores de outras áreas de passam a atingir stakeholders
da Função Fiscal um alto nível de negócios da organização etc. Nesse distantes do núcleo operacional da
compreensão de conceitos e práticas contexto, o profissional da Função organização, de perfil bem mais
de Governança Corporativa, Fiscal passou a ser demandado não complexo e volátil, como: governos
sendo suficiente a apresentação apenas pelos seus skills técnicos, locais e internacionais, organismos
de elevado domínio de qualidades mas também por suas competências supranacionais (exemplo: OCDE),
(“skills”) técnicas. em gerir riscos e processos de forma vastos grupos sociais, ONGs,
abrangente, requerendo a ampliação comunidade de peers, etc.

1
Sigla que se convencionou usar para designar a Lei Sarbannes Oxley, que impôs uma série de parâmetros para se aferir a existência
dos controles e processos internos das empresas.
2
Sigla que se convencionou usar para designar Key Performance Indicators – KPI, como parâmetros genéricos para a medição
de performance de uma dada operação.
14 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS14

Possíveis conclusões

No plano mais subjetivo do Estas, seguramente, já são as


movimento de Tax Morality para mais afetadas, com a necessidade
os negócios, é certo que este é de revisão de suas estruturas
um conceito não consolidado internacionais para se antecipar
juridicamente. Não foi positivado e prevenir prováveis impactos
na legislação brasileira, causados pela iminência
tampouco na da maioria dos de tais mudanças, muitas
países. Não é tangível o suficiente delas já implementadas por
para que se possa desenhar um diversos países.
curso de ação objetivo a partir
deste. Por isso, ao que nos parece, Adicionalmente, serão
o principal desafio imposto pelo necessários investimentos
subjetivismo do Tax Morality é o em novas estruturas de
de se requerer das empresas um tax compliance, bem como
novo parâmetro de Governança na extração de dados e na
Corporativa para a sua Função parametrização de sistemas de
Fiscal, considerando-se não informação, em decorrência das
apenas a conformidade com a exigências de mais transparência
legislação tributária e o retorno e documentação mais abrangente
ao acionista como vetores da (exemplo: documentação
gestão do encargo tributário, mas para fins de transfer pricing e
também a sociedade em geral e o relatórios por país – CbCR).
aspecto risco reputacional como
No contexto brasileiro,
novos elementos da comunidade
naturalmente, não será possível
de partes interessadas
pretender a internalização
(“stakeholders”) desse processo.
das iniciativas BEPS,
No plano objetivo, o pacote desconsiderando-se nossos
de medidas do BEPS tende a limites constitucionais. Além
alterar a arquitetura tributária disso, esperamos, como
internacional de forma medida de acerto, que as
significativa, bem como o perfil autoridades fiscais discutam,
de atuação das autoridades prévia e abertamente com a
fiscais em dimensões globais, sociedade, todas as medidas
que provavelmente passarão a que pretendem implementar:
adotar um monitoramento aquelas demandantes de
muito mais incisivo sobre nova legislação ordinária, ou
empresas multinacionais. mesmo complementar - por
meio dos seus representantes
constitucionais –, por normativos
(sempre que possível), mas que
também afetam substancialmente
o dia a dia dos contribuintes.
PwC
PwC 15
15

Todo esse fenômeno impõe aos Nesse contexto, referidos econômica e o propósito negocial
profissionais da Função Fiscal organismos passaram a ser são elementos subjetivos, portanto
a obtenção de capacitações desafiados em relação a questões passíveis de prova, de que o
avançadas na compreensão como: a gestão do risco tributário intérprete, sem dúvida, deve se
de condições econômicas da entidade está cobrindo valer, em conjunto com outros
globais, aspectos geopolíticos todas as dimensões, além da princípios e preceitos normativos,
e percepção de “justiça fiscal” patrimonial? Por exemplo, seu para a correta aplicação do nosso
difusa entre jurisdições, além impacto social? Nossas práticas direito tributário.
de uma exímia capacidade tributárias geram preocupações
de comunicação. No plano da mais amplas do ponto de A presente publicação,
Governança Corporativa, são vista de imagem reputacional portanto, em nada contraria
requeridas habilidades ainda da empresa? Estamos este entendimento acima, bem
mais avançadas em termos de preparados para lidar com estas como o de que é absolutamente
transparência e pleno domínio preocupações - sejam ou não lícito e recomendável que
do alcance do princípio da legítimas? É preciso definir os contribuintes em geral se
responsabilidade corporativa. uma Política Geral de atuação organizem legalmente para gerir
da Função Fiscal alinhada à adequadamente o ônus tributário
Os organismos de Governança Visão, Propósito e Valores da de seus respectivos negócios.
Corporativa das entidades organização? Contudo, é certo que hoje há um
(Conselhos de Administração, recrudescimento no escrutínio da
Comitês de Auditoria, etc.), Finalmente, cabe ressaltar coerência entre a carga tributária
por sua vez, também passaram aqui o nosso entendimento da empresa com o racional do
a ser desafiados por esse novo no sentido de que o sistema seu negócio, também aferível
“ecossistema” tributário, na tributário brasileiro, tal como pelos referidos parâmetros
medida em que a matéria presente em nossa Constituição subjetivos de propósito negocial e
tributária passa a pôr em e Legislação Complementar fundamentação econômica.
risco a sustentabilidade do (Código Tributário Nacional
empreendimento não apenas (CTN)) determina a coerência Gerir o ambiente tributário
na dimensão patrimonial, entre “causa” e respectivo contemporâneo passou a ser
mas também na dimensão “negócio jurídico” perpetrado um desafio muito maior do que
institucional, de valores e pelo contribuinte. Ou seja, a gestão tradicional da carga
imagem social. inexistindo simulação ou fraude tributária do empreendimento,
à lei, as estruturas societárias e os requerendo da Função Fiscal
negócios jurídicos efetivamente competências multidisciplinares
contratados e implementados e uma atuação holística, que
pelos contribuintes devem ter considere governo, sociedade
as repercussões tributárias e outros stakeholders neste
que lhes são próprias na forma relevante desafio.
prevista na respectiva legislação
ordinária de regência do tributo.
Ainda segundo esse raciocínio,
os conceitos de fundamentação
16 O novo “ecossistema” tributário global e os seus desafios para a Função Fiscal: Tax Morality e BEPS16

Fale conosco
Para entender melhor como essas questões podem afetar seus negócios, fale com o
seu contato habitual na PwC. Caso ainda não tenha um contato na PwC ou prefira
conversar com um dos nossos especialistas, contate um dos profissionais
a seguir.

International Tax Services e Transfer Pricing Groups

Fernando Giacobbo Alvaro Pereira


+55 11 3674 2582 +55 11 3674 2276
fernando.giacobbo@pwc.com alvaro.pereira@pwc.com

Michela Chin Bruno Porto


+55 11 3674 3747 +55 11 3674 2582
michela.chin@pwc.com bruno.porto@pwc.com

Priscila Vergueiro Graziela Batista


+55 11 3674 3747 +55 11 3674 3249
priscila.vergueiro@pwc.com graziela.batista@pwc.com
PwC Brasil @PwCBrasil @PwCBrasil PwC Brasil PwC Brasil PwC Brasil

© 2017 PricewaterhouseCoopers Contadores Públicos Ltda. Todos os direitos reservados. Neste documento, “PwC” refere-se à PricewaterhouseCoopers Contadores
Públicos Ltda., firma membro do network da PricewaterhouseCoopers, ou conforme o contexto sugerir, ao próprio network.Cada firma membro da rede PwC constitui
uma pessoa jurídica separada e independente. Para mais detalhes acerca do network PwC, acesse: www.pwc.com/structure

(DC0) Informação pública

Versão: Junho de 2017 | [F222]