Você está na página 1de 9

Cópia não autorizada

Copia impressa pelo Sistema CENWIN

CHAPAS GROSSAS DE AGO-CARBON0 PARA VASO 01.015


DE PRESSAO DESTINADO A TRABALHOS A
TEMPERATURAS MODERADA E BAIXA NBR 5001

Especificqb OUT/1981

SUMAR IO
1 Objetivo
2 Normas e documentos complementarer
3 Defini@ies
4 Condick gerais
5 Condick especlficas
6 InspeCgo
7 Aceitqb e rejei&
ANEXO - Tabalas

1 OBJETIVO

Esta Norma fixa as condlgGes exlgfvels para encomenda, fabrlcagzo e fornecimento


de chapas grossas corn espessura lgual ou inferior a 15O,OOmm, nso em boblnas, de
ago-carbono, para uso em vasos de pressio soldados, corn caracterfstlcas melhora
das da reslst&cla ao lmpacto.

2 NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na aplicagao desta Norma i necessgrlo consultar:

NBR 5903 - Produtos pianos lamlnados de a$o - fermlnologla


NBR 6000 - Mitodo pare determlnaC:o do tamanho de grzo dos materials met;1 1

co5 - Hitodo de ensalo


NBR 6153 - Determina$o da capacldade ao dobramento de produtos metillcos- MG
todo de ensalo
NBR 6157 - Determlnagso da reslstincla ao Impact0 de materials metdllcos em
corpos de prova entalhados slmplesmente apolados - Mgtodo de en-
saio

NBR 6215 - Produtos siderGrglcos - Termlnologla


NBR 6364 - Defei tos de superf Tel e, forma e dlmensGes em produtos I am1nados

planos de aso nio revestidos - Termlnologla


NBR 6664 - Requisitos gerals para chapas grossas de aGo-carbon0 e de aqo de
baixa liga e alta resls&cla - Padronlraggo

Origem: ABNT EB-280/80


CB.1 - ComitG Brasileiro de Minera@ e Metalurgia
CE-1:2.12 - Comissa’o de Estudo de Chapas e Bobinas de &o
Substitui a NBR 5001/80

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO
DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL
@

ace -carbono. caldeira. chapa grossa.


Palavras-chave: vaso de pressiio. NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA
I

CDIJ: 669.14-413:621.772.4:669-974 Todos OS direitos resarvador 9 PBginas


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 6673 - Determinaczo das propri edades meckicas i trasao de produtos P’B
nos de aco - &todo de ensa 1o

3 DEFlNlC6ES
OS termos tknicos utilizados nesta Norma estao definidos nas NBR 5903, NBR 6215
e NBR 6364.

4 CONDI@ES GERAIS

4.1 Requisitos gemis


OS requisi tos gerais para encornenda, fabricaczo, fornecimento e as tolerkcias a
que devem obedecer as chapas grossas estso definidos na NBR 6664.

4.2 CZassifica@o
AS chapas grossas produzidas Segundo esta Norma podem ser fornecidas nos segui n
tes graus: BT-21, BT-23, BT-25 e BT-27.

4.3 Condi@es de superfi’cie

4.3.1 As chapas grossas nso devem apresentar imperfefcGes de superficie que fm


pecam sua aplica$o no us0 previsto. Quando isso ocorrer as imperfeicoes devem
ser el iminadas por esmeri Ihamento, desde que o afastamento inferior estabelecido
para a espessura nominal nao seja ultrapassado.

4.3.2 Por acordo privio entre produtor e comprador as chapas grossas podem ser
esrneri lhadas para el iminac;jo de defei tos, sofrendo diminul czo da espessura aba i
xo do m!‘nimo permitido, corn posterior preenchimento a solda.

4.4 Cortdig~es da8 bordas

4.4, 1 As chapas grossas corn bordas aparadas ou cortadas corn macarico que apre

sentarem, nas bordas, descontinuidades do tipo lamelar corn comprirrtento maior qua
25mm e corn profundidade maior que 2mm devem sofrer esmerilhamento para eltmina
~$0 do defei to, Ap& a eliminaG:o do defeito a cavidade resultante nso pode ter
profundidade maior que 3mtn.

4.4.2 Por acordo p&io entre produtor e comprador as cavidades resultantes do


esmerilhamento para elimina& de descontlnuidade, que tenham profundidade maior
que 3mm, podem ser preenchidas corn solda.

4.4.3 Duas descontinuidades devem ser consideradas coma uma s6 se a di s tkci a

entre elas for inferior ou igual a 5% da espessura da chapa grossa e suas extre

mi dades sejam separadas por uma distincia menor que o comprimento da descontjnul

dade mais curta.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 5001/1981 3

4.4.4 As chapas grossas corn bordas aparadas ou bordss cortadas corn masarlco que
apresentarem, ap& sua uti I ita+o, descontinuidades nas bordas corn profundidade
maior que 3mm e corn comprimento maior qua 2517~1 podem ser rejeitadas, a cri tirio
do comprador. Estas descontinuidades podem ser removidas corn posterior preenchi
mento a solda.

4.5 Marcapiio

4.5.1 As chapas grossas produridas Segundo esta Norma devem set marcadas indivl
dualmente.

4.5.2 A marcasZo deve ser efetuada a urns distdncia no mrnimo, de 300mm da boL
da e da extremidade da chapa grossa.

4.5.3 As chapas grossas corn espessura superior a 6,fOmm devem ser mdrcadas por
puncionamento corn o nu’mero de identificasso do produtor que individualize o late
e permita o levantamento do processamento do material durante a produ&.

5 CONDlCdES ES’ECI-FICA8

5.1 PY’OCe880 de fCZbPh2&iO & WO

0 aso deve ser processado de modo a ser obtida granulaqio fina, devendo ter o tfi
manho de grso austenrtico, cementado, 5 ou mais fino.

5.2 Tratamento t&dco

5.2.1 0 produtor, a seu critdrio, pode efetuar urn dos seguintes tratamentos tir
micas para atender aos requisi tos desta Norma:
a) normal i zasZ0;
b) alrvio de tens6es;
c) normal i za$o e al rvio de tens6es.

5.2.2 As chapas grossas corn espessura inferior ou igual a 37,5Om sgo geralmei
te fornecidas sem tratamento tgrmico, podendo, por acordo privio entre o prod:
tor e comprador, sofrer urn dos seguintes tratamentos t&micos:
a) normaliza+o;
b) airvio de tens6es;
c) normal ira$o e alfvio de ten&es.

5.2.3 As chapas grossas corn espessura superior a 37,50mm devem softer tratamen
to tgrmico de normaliza$o.

5.2.4 Quando houver exiggncia de requisitos de resistkcia ao impact0 as chapas


grossas devem sofrer tratamento tirmico de normaliraC:o.
Cópia não autorizada
4 C6pia impressa pelo Sistema CENWlN NBR 5001/1Q81

5.2.5 0 tratameqto tdrmico, conforme estabelecido em 5.2.2, 5.2.3 c 5.2.4, pode


ser efetuado nas depend&cias do produtor- ou ser providenciado pelo comprador,
Quando o comprador se dispuser a providenciar o tratamento tdrmico das chapas
grossas deve fazar esta indicasso no pedido.

5.2.5.1 Quando o tratamento tgrmico for cfetuado nas dependdncias do comprador,


pode ser acompanhado de aquecimento uniforme para conformaqSo a quente. A tempe
ratura das chapas grossas aquecidas para conforma$o a quente nio deve excede r
substancialmente a temperatura do tratamento t<rmico.

5.2.5.2 Quando o tratamento t;rmico nso for efetuado nas depend;ncias do prodk.
tor o comprador pode estipular o tratamento tgrmico desde que nzo haJa conflito
corn OS demais requisitos desta Norma.

5.2.5.3 Quando o tratamento t;rmico ngo for efetuado nas dependikcias do produ
tor, o comprador dove ser informado do procedimento seguido no tratamento tirmi
co das dmostras pera OS ensaios de liberasio.

5.2.5.4 Por scordo prkio entre produtor e comprador as chapas grossas podem so
fret- tratamento tGrmico corn resfriamento mais rgpido do que aquele obtido PO r
resf;-ismento ao ar, desde que as chapas grossas seJam, em seguida, revenidas na
falxn de tcmperatura de (590 a 7OO)‘C.

5.3 Requisites de composi&io q&ha


OS requIsitos de composi$Zo qufmica, para ana’lise de panela e anilise confirmat;
ria, sso dados na Tabeia 1 (do Anexo).

5.4 Requisitos de propriedades mec&icas

5.4.1 OS requisitos de propriedades meckicas S~O dados na Tabela 2 (do Anexo).

5.4.2 Por acordo prkio entre produtor e comprador pode set efetuado ensalo de
dobramento a 180’. Neste case OS valores dos calgos de dobramento s:o dados na
Tabel a 3 (do Anexo) . 0 corpo de prova nio deve apresentar trincas na face exter
na. Quando realizado, este ensaio deve ser feito de acordo corn a NBR 6153.

5.4.3 Por acordo p&to entre produtor e comprador podem ser estabelecidos t-e-

quisitos de resistkcia ao impacto. Neste case as chapas grossas devem sof rer

tratamento tGrmlco de normallza$so. Quando reallrado, este ensaio deve ser feito

de acordo corn a NBR 6157.

5.5 SoZdabiZidade
As chapas grossas produridas Segundo esta Norma prestam-se para soldagem desde
Cópia não autorizada
Copia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 5001/1981 5

que sejam utilixados dtodos adequados.

6 INSPE~AO

6.1 OS requisitos gerais para inspegso, amostragem e ensaios das chapas grossas
estso definidos na NBR 6664.

6.2 Oeve ser retirada uma amostra para ensaio de tra$o pot placa. A amostra de
ve ser retirada de urn dos cantos da chapa grossa. No case de ser efetuado ensafo
de dobramento deve ser utilizada a mesma amostra retirada para o ensaio de tra
@o. 0 ensaio de tracao deve ser realizado de acordo corn a NBR 6673.

6.2.1 OS eixos longitudinais dos corpos de prova para OS ensaios devem ser pel
pendiculares 5 dire$o final de lamfnagso da chapa grossa.

6.2.2 No case da chapa grossa sofrer tratamento tgrmico nas dependklas do prg
dutor , a amostra para OS ensaios deve receber o tratamento t<rmlco simuitaneamen
te corn a chapa representada.

6.2.3 No case da chapa grossa nzo sofrer tratamento tirmico nas dapendkcias do
produtor, a chapa grossa deve ser aceita corn base nos ensaios efetuados em car
pas de prova retirados de amostras tratadas termicamente.

6.3 Deve ser ret i rada uma amostra por corri da para determi nagso do tamanho de
grso.

6.4 A determinaczo do tamanho de grso deve ser realizada Segundo a NBR 6000. A
determina$zo do tamanho de grzo deve ser efetuada apijs cementagso do corpo de
prova a 925OC durante 8 horas.

6.5 Nos cases em que se efetuar anLlise confirmatGria o corpo de prova deve co2
sistir de cavacos retlrados atrav;s de toda a espessura da chapa grossa, em urn
local pr;xlmo ao local de retirada da amostra para o ensaio de trasso.

7 ACEITACAO E REJEICAO

7.1 OS requisistos gerals para aceita@o e rejeisio das chapas grossas estio dE
finidos na NBR 6664.

7.2 Se o resultado do ensaio de tra$o e/au de dobramento (quando este ensaio

for prescr i to) de uma chapa grossa tratada termicamente ngo satisfizer aos rE
quisitos especificados pode ser efetuado outro tratamento tirmico. Neste case a
chapa grossa deve ser reamostrada para novo ensaio e sua superfrcie deve ser nz
vamente inspecionada.

IANEXO
Cópia não
C6pia autorizada pelo Sistema
impressa CENWIN
6 NBR 6001/1961
Cópia não autorizada

l e!JpuIJ !)uo3 351 lfue eled oauenb

e 1aued ap as!!eue eJed oauea as-tuea!!de e!aqel op saJo!err s!eump so ‘0 13~ I! s op e s~ue6uetu op ~5emca UKQ :vgol

l e!+aeuu!Juo3 as! !_eue eJed &(Og’l e LL’O) ap a *e!aued ap as!!$ue eJed %(Oz’l e 58’0)
=P s?ue6uetu op ex!eJ e epeD!!de was apod ~UIIO~~Z~ e !en6! no JO!JCQU! eJnssadsa um ‘<I - 18 neJ6 0 eJed (v)

lC’0 oo’osl>‘ = >00’001


ff’O/fl‘O of’o/sl‘o 90’0 Sfo’o of’ 1/6L‘ 0 OZ’ l/9?’ 0 of’0 00’001>’ a >OO’OS LZ - 1s
82'0 00’0s >‘ a >OS’Zl
Lz’ 0 OS’Z:l 3 a
61'0 oo'osl>' a >OO'OOL
of’o/sr ‘0 90’0 Sfo’o 0<'1/6L'o OZ'L/S8'0 8Z'O OO'OOL>'= >OO'OS sz - 18
9z'o 00’0s 3 = >os'zt
9z'o OSZL >‘ a
fz'o oo'oSt>' a >00'001
0f’0/S1’0 tro’ 0 Sfo’o of‘ 1/6L’ o 01' 1/S8’ 0 Sz'o 00'00~~ = ~00' 0s fz - 19
fz'o 00'05 3 a >oSzi
v) 86’O/SS’ 0 1,)06'0/09‘0 LZ’O OS’Zl 3 =
tlz’o 00’051>’ a ~00’001
ff’O/fL’O of’o/sl‘o go’0 Sfo’ 0 of‘ l/SS’O 01‘ t/09’ 0 zz’o 00’001>’ a >OO’OS LZ - 18
01’ 0 00’0s >‘ = ~05’11
06'0/09'0 81'0 OS'ZL >‘ a
-e!-‘?aewJ !J e 1 aued -e!+aew !J e! aued
lJo3 3S!lpJV 3P as! 1y (%) (%I uo3 3S!(yj =P =s!!yv (%I (9 neJ t)
‘XWI ‘X-W .XWlJ PI 1eu !urou
aJ,Gxu] OJOJ S?j ouo;l-re3 eJnssads3
(8 O!‘! 1 !S (%) ssue6uew
Cópia não autorizada

(w) (a) leu!wou eanssads]

llJw ooz - 01 l’F.ll 0s %.a 01 ne13


I lJzQS!S liau2c

(%I
WJ ! UjW CWJUl~6llO~\l
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN NBR 6001/1981

TABELA 3 - Caicos pan ensaio de dobmmento

Calso do dobramento a 180° em fun$o da espesrura nominal (e)


Grau hd (A)

1 e c25,OO 125,00< e ~50,00 1 50,00< a 6100,OO 1.100,00< e 6150,OO

BT - 21 1 0,s E ( 1,0 E 1,s E 2.0 E

BT - 23 1 l,‘-‘E 1 1.5 E 2.0 E 2.5 E

BT - 25 1 1,5E 1 2.0 E 2.0 E 2,s E


BT - 27 1 2,OE 1 2,0 E 2.5 E 3,0 E

(A) E - espeosura do corpo de prove.