Você está na página 1de 5

dispersão de Rayleigh

Da Wikipédia, a enciclopédia livre


Este artigo trata sobre o fenômeno óptico. Para o fenômeno magnético, veja a lei de
Rayleigh . Para a distribuição estocástica, veja a distribuição de Rayleigh . Para o modelo
de propagação multipath sem fio, veja o desaparecimento de Rayleigh .

A dispersão de Rayleigh causa a tonalidade azul do céu do dia e o vermelhidão do sol ao pôr do sol.

A dispersão de Rayleigh (pronunciada / r eɪ l i / RAY -lee ), com o nome do físico


britânico Lord Rayleigh (John William Strutt) [1] é a dispersão (dominante) elástica de luz ou
outra radiação eletromagnética por partículas muito menores que
o comprimento de onda da radiação. A dispersão de Rayleigh não altera o estado do
material e é, portanto, um processo paramétrico .As partículas podem ser átomos ou
moléculas individuais. Pode ocorrer quando a luz viaja através de sólidos transparentes e
líquidos, mas é mais proeminente nos gases . A dispersão de Rayleigh resulta
na polarização elétrica das partículas. O campo elétrico oscilante de uma onda de luz atua
sobre as cargas dentro de uma partícula, fazendo com que elas se movam na mesma
freqüência. A partícula, portanto, torna-se um pequeno dipolo radiante cuja radiação
vemos como luz dispersa.
Rayleigh espalhar a luz solar na atmosfera provoca radiação do céu difusa , que é a razão
da cor azul do céu e do tom amarelo do próprio sol.
A quantidade de dispersão é inversamente proporcional à quarta potência do comprimento
de onda.
A dispersão de Rayleigh de nitrogênio molecular e oxigênio na atmosfera inclui a dispersão
elástica, bem como a contribuição inelástica da dispersão rotacional de Raman no ar, uma
vez que as mudanças no número de ondas do fotão disperso são geralmente menores que
50 cm -1 . [2] Isso pode levar a mudanças no estado de rotação das moléculas. Além disso,
a contribuição inelástica tem a mesma dependência de comprimentos de onda que a parte
elástica.
A dispersão por partículas semelhantes ou maiores que o comprimento de onda da luz é
tipicamente tratada pela teoria de Mie , a aproximação do dipolo discreto e outras técnicas
computacionais. A dispersão de Rayleigh aplica-se a partículas que são pequenas em
relação aos comprimentos de onda da luz e que são opticamente "macias" (isto é, com um
índice de refração próximo a 1). Por outro lado, a teoria da difração anômala aplica-se a
partículas opticamente macias, mas maiores.

Conteúdo

 1Aproximação de parâmetro de tamanho pequeno


 2De moléculas
 3Causa da cor azul do céu
 4Em fibras ópticas
 5Em materiais porosos
 6Veja também
 7Referências
 8Leitura adicional
 9Ligações externas

Aproximação de parâmetro de tamanho pequeno [ editar ]


O tamanho de uma partícula de dispersão é muitas vezes parametrizado pela proporção

2
x

onde r é o seu comprimento característico (raio) e λ é o comprimento de onda da
luz. A amplitude da luz dispersa a partir de qualquer dielétrico transparente é proporcional
ao quadrado inverso do seu comprimento de onda e ao volume de material, isto é, ao cubo
do seu comprimento característico. A dependência do comprimento de onda é
característica da dispersão do dipolo [3] e a dependência do volume se aplicará a qualquer
mecanismo de dispersão. Objetos com x »1 atuam como formas geométricas, espalhando
luz de acordo com a área projetada. No intermediário x ≃ 1 da dispersão de Mie, os efeitos
de interferência se desenvolvem através de variações de fase sobre a superfície do
objeto. A dispersão de Rayleigh aplica-se ao caso quando a partícula de dispersão é muito
pequena (x «1, com um tamanho de partícula <1/10 de comprimento de onda [4] ) e toda a
superfície re-irradia com a mesma fase. Como as partículas são posicionadas
aleatoriamente, a luz dispersa chega a um ponto particular com uma coleção aleatória de
fases; é incoerente e a intensidade resultante é apenas a soma dos quadrados das
amplitudes de cada partícula e, portanto, proporcional ao quarto poder inverso do
comprimento de onda e a sexta potência de seu tamanho. [3] [5] Em detalhe, a
intensidade I de luz espalhada por qualquer uma das pequenas esferas de
diâmetro d e índice de refração n de um feixe de luz não polarizada de comprimento de
onda λ e intensidade I 0 é dada por:

2
1  cos2   2   n 2  1   d 
4 6

I  I0      
2R2     n2  2   2 

onde R é a distância da partícula e θ é o ângulo de dispersão. Avaliar isso em todos os


ângulos dá a seção transversal espalhandoRayleigh [7]

2
2 5 d 6  n 2  1 
s   
3  4  n2  2 
A fração de luz dispersa por um grupo de partículas de dispersão é o número de partículas
por unidade de volume N vezes a seção transversal. Por exemplo, o principal constituinte
da atmosfera, o nitrogênio, tem uma seção transversal de Rayleigh de 5,1 × 10 -31 m 2a um
comprimento de onda de 532 nm (luz verde). [9] Isso significa que, à pressão atmosférica,
onde há cerca de 2 × 10 25 moléculas por metro cúbico, cerca de uma fração de 10 -5 da luz
será espalhada por cada metro de viagem.
A forte dependência do comprimento de onda da dispersão (~ λ -4 ) significa que os
comprimentos de onda mais curtos ( azul ) são espalhados mais fortemente do que os
comprimentos de onda mais longos ( vermelhos ).

De moléculas [ editar ]
Figura que mostra a maior proporção de luz azul espalhada pela atmosfera em relação à luz
vermelha.

A expressão acima também pode ser escrita em termos de moléculas individuais,


expressando a dependência do índice de refração em termos de polarização molecular α ,
proporcional ao momento dipolar induzido pelo campo elétrico da luz. Neste caso, a
intensidade de dispersão de Rayleigh para uma única partícula é dada em unidades CGS
por [10]

8 4 2
I  I 0 4 2 (1  cos2  ).
 R

Causa da cor azul do céu [ editar ]


Artigo principal: difundir a radiação do céu

A luz azul dispersa está polarizada .A imagem à direita é disparada através de um filtro polarizador :
o polarizadortransmite luz polarizada linearmenteem uma direção específica.

A forte dependência do comprimento de onda da dispersão (~ λ -4 ) significa que os


comprimentos de onda mais curtos ( azul ) são espalhados mais fortemente do que os
comprimentos de onda mais longos ( vermelhos ). Isso resulta na luz azul indireta
proveniente de todas as regiões do céu. A dispersão de Rayleigh é uma boa aproximação
da maneira pela qual a dispersão de luz ocorre em vários meios para os quais as
partículas de dispersão têm um tamanho pequeno ( parâmetro ).
Uma porção do feixe de luz que vem do sol dispersa moléculas de gás e outras partículas
pequenas na atmosfera. Aqui, a dispersão de Rayleigh ocorre principalmente através da
interação da luz solar com moléculas de ar localizadas aleatoriamente. É essa luz dispersa
que dá ao céu circundante seu brilho e sua cor. Como afirmado anteriormente, a dispersão
de Rayleigh é inversamente proporcional à quarta potência do comprimento de onda, de
modo que a luz violeta e a luz azul de menor comprimento espalharão mais do que os
comprimentos de onda mais longos (luz amarela e especialmente vermelha). No entanto, o
Sol, como qualquer estrela, tem seu próprio espectro e, portanto , na fórmula de dispersão
acima não é constante, mas cai no violeta. Além disso, o oxigênio na atmosfera da Terra
absorve comprimentos de onda na borda da região ultravioleta do espectro. A cor
resultante, que aparece como um azul pálido, na verdade é uma mistura de todas as cores
dispersas, principalmente azul e verde. Por outro lado, olhando para o sol, as cores que
não foram dispersas - os comprimentos de onda mais longos, como a luz vermelha e
amarela - são diretamente visíveis, dando ao próprio sol um tom ligeiramente
amarelado. Visto do espaço, no entanto, o céu é preto e o sol é branco.
O vermelhidão do sol se intensifica quando está perto do horizonte porque a luz que
recebe diretamente dela deve passar por mais atmosfera. O efeito é aumentado ainda
mais porque a luz solar deve passar por uma maior proporção da atmosfera mais próxima
da superfície da Terra, onde é mais densa. Isso remove uma proporção significativa da luz
de comprimento de onda (azul) e de onda média (verde) menor do caminho direto para o
observador. A luz não dispersa restante é, portanto, principalmente de longos
comprimentos de onda e aparece mais vermelha.
Parte da dispersão também pode ser de partículas de sulfato. Durante anos após
grandes erupções de Plinian , o elenco azul do céu é notadamente iluminado pela carga
persistente de sulfato dos gases estratosféricos . Algumas obras do artista JMW
Turner podem devolver suas cores vermelhas vívidas à erupção de Monte Tambora em
sua vida. [11]
Em locais com pouca poluição luminosa , o céu nocturno iluminado pela lua também é
azul, porque a luz do luar reflete a luz solar, com uma temperatura de cor ligeiramente
menor devido à cor acastanhada da lua. O céu iluminado pela lua não é percebido como
azul, no entanto, porque em baixos níveis de luz, a visão humana vem principalmente
de células de haste que não produzem percepção de cor ( efeito Purkinje ). [ citação necessária ]

Em fibras ópticas [ editar ]


A dispersão de Rayleigh é um componente importante da dispersão de
sinais ópticos em fibras ópticas . As fibras de sílica são óculos, materiais desordenados
com variações microscópicas de densidade e índice de refração. Estes dão origem a
perdas de energia devido à luz dispersa, com o seguinte coeficiente: [12]

8 3 8 2
scat  n p kTf 
3 4
onde n é o índice de refração, p é o coeficiente fotoelástico do vidro, k é a constante de
Boltzmann e β é a compressibilidade isotérmica.T f é uma temperatura fictícia ,
representando a temperatura à qual as flutuações de densidade estão "congeladas" no
material.

Em materiais porosos [ editar ]

Rayleigh espalhando-se em vidro opalescente : parece azul do lado, mas a luz laranja brilha. [13]

λ -4 A dispersão do tipo Rayleigh também pode ser exibida por materiais porosos. Um
exemplo é a forte dispersão óptica por materiais nanoporosos. [14] O forte contraste no
índice de refração entre os poros e as partes sólidas de alumina sinterizada resulta em
uma dispersão muito forte, com a mudança da luz mudando completamente cada 5
micrómetros em média. A dispersão de tipo λ -4 é causada pela estrutura nanoporosa (uma
distribuição de tamanho de poro estreita em torno de ~ 70 nm) obtida pela sinterização de
pó de alumina monodispersiva.