Você está na página 1de 9

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – NOVA

Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais


Metodologias da Investigação

Imaginário social e Relações Internacionais: Uma análise dos filmes de


super-heróis e a elaboração da imagem dos EUA como potência no
pós-11/09 (Administrações Bush e Obama).

Artur de Almeida Malheiro


(50931)

Trabalho para a obtenção do grau parcial de mestre.


Habilitação: Relações Internacionais

09 de Janeiro de 2017
1

1 IDENTIFICAÇÃO DO TEMA
Imaginário social e Relações Internacionais: Uma análise dos filmes de super-heróis e
a elaboração da imagem dos EUA como potência no pós-11/09 (Administrações Bush e
Obama).

Este projeto privilegiará a análise do imaginário social como gerador da relação entre
o aumento da produção de filmes de super-heróis1 e a perda de poder dos Estados Unidos, dada
a lacuna existente em trabalhos anteriores sobre o tema. Espera-se, assim, lançar um olhar mais
aprofundado na relação existente entre a cultura popular e o poder estadunidense.

2 SUMÁRIO

Este trabalho parte da observação do aumento do aumento na produção de filmes de


super-heróis após o atentado terrorista de 11 de setembro de 2001 e a crescente ideia de que os
Estados Unidos estariam perdendo parte de sua proeminência mundial. Assim, a pergunta de
partida que se faz é: existe relação entre o aumento dos filmes de super-heróis e a possível perda
de poder dos Estados Unidos após o 11/09?

A pesquisa se desenvolverá a partir de uma perspectiva teórica construtivista, pois


considera-se a produção cinematográfica como uma representação do imaginário social,
constituindo um reflexo entre sociedade e Relações Internacionais. Além disso, serão
trabalhados os conceitos de imaginário social e o de representação. O modelo de análise será,
de uma forma geral, compreensivo. E a abordagem, psicossocial.

3 ESTADO DA ARTE

Desde a década de 1990, a cultura pop é utilizada como objeto de estudo das Relações
Internacionais. Apesar de não ser recente, esta relação ainda não é valorizada nas Ciências
Sociais2. Entretanto, nos últimos dez anos, houve um aumento na utilização de filmes como

1 Dos 114 filmes sobre essa temática produzidos entre 1978 até 2016, 71 estrearam entre os anos 2003 até 2016.
Considerando o mesmo período de tempo anterior ao 11/09, de 1987 até 2002, estrearam 35 filmes. (Os dados
sobre o quantitativo de filmes lançados, valores de produção e de bilhetes vendidos podem ser verificados
em: BOX OFFICE MOJO. Superhero 1978-Present.).
2
CASO, Federica; HAMILTON; Caitlin. Introduction. In: CASO, Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular
Culture and World Politics: Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-International Relations Publishing, 2015.
WELDES, Jutta; ROWLEY, Christina. So, How does popular culture relate to world politics?. In: CASO,
Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics: Theories, Methods, Pedagogies.
Bristol: E-International Relations Publishing, 2015.
2

fontes de estudos nas Relações Internacionais, principalmente após os ataques de 11 de


setembro3. Neste trabalho, a pop culture servirá como um mecanismo de análise para entender
de que forma ela atua na criação de uma imagem dos EUA como potência mundial, tendo em
conta as teses que consideram a perda ou não de poder do país4, após o 11/09 e a crise
econômica de 2008.

Alguns autores têm contribuído para que a cultura pop tenha um papel de relevância
no campo político5. Em um dos primeiros artigos sobre o assunto, Weldes defende a idea de
que a cultura popular ajuda na construção da política internacional, “produzindo consentimento
para a política externa e ação do Estado”6 (Tradução nossa). Buzan afirma que “[…] a cultura
popular expressa as angústias e perspectivas da sociedade que a produz”7 (Tradução nossa).
Weldes e Rowley explicam que, para a maioria das pessoas, os fluxos de homogeneização,
imperialismo cultural e globalização são experimentados por meio da onipresença da televisão8.
Caso e Hamilton lembram que até mesmo um jogo eletrônico pode reunir fatores como
Geopolítica, identidades, questões de segurança e comunidades imaginadas. E acrescentam que
“a união entre cultura popular e política mundial reanima os debates em RI e cria novos espaços
para reflexão crítica.”9 (Tradução nossa).

Normalmente, tais autores consideram a cultura pop como uma metáfora da sociedade
ou como uma representação da política estatal adotada. Essa visão carece de um entendimento
mais aprofundado no sentindo de compreender a interligação deste processo e, também,

3 DODDS, Klaus. “Have you seen any good films lately?” Geopolitics, International Relations and Film. In:
Geography Compass, Vol 2, Issue 2 (2008), p. 478.
4
Sobre este tema, ver: KUPCHAN, A. Charles. The end of the American era. New York: Vintage Books, 2003.
ZAKARIA, Fareed. O mundo pós-americano. Lisboa. Gradiva, 2008. IKENBERRY, G. John. Liberal order
and imperial ambition: Essays on American power and international order. Polity, 2006. KAGAN, Robert.
Of paradise and power: America and Europe in the New World Order. New York: Alfred A. Knopf, 2003.
5 Ver: BUZAN, Barry. America in Space: The international Relations of Star Trek and Battlestar Galactica. In:

Millennium – Journal of International Studies. August 2010, p. 1-6. DITTMER, Jason. Captain America and the
nationalist superhero: metaphors, narratives, and geopolitics. Philadelphia: Temple University Press, 2013.
DITTMER, Jason. On Captain America and “doing” popular culture in Social Sciences. In: CASO, Federica;
HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics: Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-
International Relations Publishing, 2015, p. 45-50. GRAYSON, K; DAVIES, M.; PHILPOTT, S. Pop Goes IR?
Researching the Popular Culture—World Politics Continuum. In: Politics. October 2009, Vol 29 (3), p. 155-163.
WELDES, Jutta; ROWLEY, Christina. So, How does popular culture relate to world politics? In: CASO, Federica;
HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics: Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-
International Relations Publishing, 2015, p. 11-34.
6 WELDES, Jutta. Going cultural: Star Trek, State Action, and Popular Culture. In: Millennium - Journal of

International Studies. March 1999, vol. 28, no. 1, p. 119.


7 BUZAN, Barry. America in Space: The international Relations of Star Trek and Battlestar Galactica. In:

Millennium – Journal of International Studies. August 2010, p. 1.


8 WELDES, Jutta; ROWLEY, Christina. So, How does popular culture relate to world politics?. In: CASO,

Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics: Theories, Methods, Pedagogies.
Bristol: E-International Relations Publishing, 2015.
9
CASO; HAMILTON, Op. Cit., p. 2.
3

observando a cultura pop não como uma “coisa”, mas, principalmente, como um “fazer
coletivo”10. Para isso, será utilizado o conceito de imaginário social, de Baczko. Os imaginários
servem para que a sociedade responda aos seus conflitos por meio de uma representação de si.
O autor argumenta que é nos momentos de crise, nos quais a coletividade se sente ameaçada,
que ela “põe em marcha, como meio de autodefesa, todo o seu dispositivo imaginário, a fim de
mobilizar as energias de seus membros, unindo e guiando as suas acções”11.

Se a pop culture, apresentada nesta pesquisa pelo cinema, é uma representação do


imaginário social – “aquilo que os mass media fabricam e emitem, para além das informações
centradas na actualidade, são os imaginários sociais: as representações globais da vida social,
dos seus agentes, instâncias e autoridades”12 –, será necessário haver uma conjugação com o
conceito de representação, de Chartier, o qual articula três modalidades de relação com o mundo
social: o trabalho de classificação, ou seja, a instância que produz as divisões e múltiplas
configurações intelectuais, o que permite a configuração social em diversos grupos diferentes;
as práticas, representando a forma como uma determinada sociedade se apresenta ao mundo, o
seu significado simbólico, a sua identidade; e as formas institucionalizadas e objetivadas,
significando a existência do grupo por meio de uma representatividade.13

4 OBJETIVOS

OBJETIVO GERAL
- Verificar se o aumento na produção de filmes de super-heróis, após o 11/09, relaciona-se com
a elaboração e divulgação de uma imagem dos EUA como potência.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Analisar se o aumento na produção dos filmes de super-heróis produzidos após o 11/09 podem
ser entendidos como uma resposta do imaginário norte-americano à perda de poder dos EUA.
- Entender de que forma a cultura pop e o imaginário social podem se articular como
componentes das Relações Internacionais.

10 DITTMER, Op. Cit, p. 47, 2015.


11 BACZKO, Bronislaw. A imaginação social. In: LEACH, Edmund et Alii. Anthropos-Homem. Lisboa,
Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985, p. 309.
12
BACZKO, p. 314.
13
CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. 2. Ed.Lisboa: Difel, 2002, p. 23.
4

5 DESCRIÇÃO DETALHADA
A pesquisa a que esse projeto se destina pretende analisar se o aumento na produção
de filmes de super-heróis está relacionado a um possível declínio do poder norte-americano
percebido após os ataques terroristas de 11 de setembro, em 2001, e, mais especificamente,
após a crise econômica de 2008, abrangendo, então, as administrações de George W. Bush e
Barack Obama. A investigação parte, a princípio, da observação do aumento do número de
filmes de super-heróis em conjunto com estudos de alguns autores que defendem a tese da perda
de poder dos Estados Unidos14 e também daqueles que a negam15.

Tratando-se de uma pesquisa na qual as fontes são audiovisuais, o que pede a devida
interpretação das mesmas, ela enquadra-se no tipo de pesquisa interpretativa, qualitativa e de
observação indireta, tratando a informação a partir da análise crítica do conteúdo. O método de
pesquisa apoia-se na análise documental com o suporte da pesquisa bibliográfica, tanto na
interpretação dos filmes quanto no entendimento do período estudado.

A partir dessas primeiras informações, algumas perguntas foram formuladas e


pretende-se respondê-las ao longo da pesquisa. A principal é: existe relação entre a possível
perda de poder dos EUA e o aumento dos filmes de super-heróis, dentro do período que será
investigado? Aqui deverão ser analisadas duas variáveis: “filmes” e “poder”. A abordagem será
compreensiva.

No caso dos filmes, os descritores a serem considerados são a tipologia dos super-
heróis; a tipologia dos inimigos; e o roteiro. Os indicadores observados serão a quantidade de
filmes; a quantidade de super-heróis; e o tipo de inimigo e a sua localização geográfica. Dessa
forma, serão analisados os filmes de super-heróis clássicos, lançados dentro do período de
recorte temporal da pesquisa, apresentados na tabela abaixo:

ANO FILME

2004 Spider-Man 2

2005 Batman Begins

2006 Superman Returns

2007 Spider-Man 3

2008 The Dark Knight

14 Ver: KUPCHAN, Op. Cit, 2003; ZAKARIA, Op. Cit., 2008; IKENBERRY, Op. Cit., 2006.
15 KAGAN, Op. Cit., 2003.
5

2008 Iron Man

2010 Iron Man 2

2011 Captain America: The First Avenger

2012 Marvel's The Avengers

2012 The Dark Knight Rises

2012 The Amazing Spider-Man

2013 Iron Man 3

2013 Man of Steel

2014 Captain America: The Winter Soldier

2014 The Amazing Spider-Man 2

2015 Avenger's: Age of Ultron

2016 Captain America: Civil War

2016 Batman v Superman: Dawn of Justice

Fonte: Box Office Mojo

A análise dos filmes será feita por meio dos estudos culturais, a partir de uma leitura
política da cultura da mídia, considerando, conforme Kellner16, uma ampliação do conceito de
ideologia (normalmente entendida por um viés economicista), a qual deve ser entendida
também como uma forma de legitimar interesses de uma classe dominante no que tange a ideias
de gênero e raça, por exemplo. Assim, esta pesquisa procurará interpretar os filmes de forma
crítica em cruzamento com a metodologia de Marc Ferro17 ao propor uma contra-análise do
filme, ou seja, a percepção daquilo que “escapou” aos olhos do diretor, o que seria a evidência
do que estaria implícito na obra cinematográfica e, assim, desvendar os filtros ideológicos.

Em relação à variável “poder”, deverá ser considerado como indicador o número de


missões dos Estados Unidos no exterior e as suas localizações geográficas. Como descritores,
serão considerados o ambiente social norte-americano; a orientação da política externa; os
discursos dos presidentes George W. Bush e Barack Obama.

A variação de poder será auferida por meio da metodologia conhecida como “controle
sobre os recursos”. A partir desta perspectiva metodológica, consideram-se os recursos que um

16
KELLNER, Douglas. Cultural studies, identity and politics between the modern and the postmodern.
London: Routledge, 1995.
17
FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
6

determinado Estado possui18. Neste trabalho, será feito um levantamento dos custos militares e
do produto interno bruto, de forma a obter um perfil histórico do período anterior ao ataque de
11 de setembro e outro posterior (ao longo das duas administrações que serão estudadas)
objetivando a análise da consistência de poder estadunidense e suas possíveis variações.

Em seguida, o imaginário social norte-americano será estudado, entendendo a pop


culture como uma representação do mesmo. Então, a pergunta que precisa ser respondida é: a
produção cinematográfica que será analisada é uma representação do imaginário da sociedade
estadunidense em relação às crises sofridas? Considera-se, neste caso, o imaginário social como
uma variável importante para esta pesquisa. Os filmes serão os descritores que, por meio da
interpretação anteriormente mencionada tentar-se-á acessar e compreender esse imaginário. Os
indicadores serão as ações de política externa. Dessa forma, far-se-á uma abordagem
compreensiva na medida em que o cruzamento entre descritores e indicadores permitirá
compreender se o aumento da produção dos filmes de super-heróis pode ser visto como uma
representação do imaginário norte-americano dentro do período estudado.

A terceira e última questão que deverá ser respondida é: de que forma a cultura pop e
o imaginário podem se articular como componentes das Relações Internacionais? Como
variáveis, serão estudadas a cultura pop e as Relações Internacionais. No primeiro caso, tem-
se, como descritor, os diversos tipos de produção cultural, como cinema, história em
quadrinhos, séries, etc. Como indicadores, deve-se verificar quais as temáticas mais frequentes
da pop culture; e se existe relação entre os temas e o contexto da política externa em uma
perspectiva histórica.

No caso das Relações Internacionais como uma das variáveis, tem-se como descritores
as orientações da política externa norte-americana e os discursos dos presidentes, conforme já
mencionado na primeira pergunta norteadora. Como indicadores, a análise recairá sobre as
teorias das Relações Internacionais. Neste ponto, a abordagem será explicativa. Com uma visão
mais geral e de forma mais teórica, pretende-se, aqui, entender como acontece a relação entre
as Relações Internacionais e a cultura popular.

É importante salientar que toda a investigação também estará calcada em uma ampla
pesquisa bibliográfica.

18 HART, Jeffrey. Three approaches to the measurement of power in international relations. In: International

Organization, 1976, 30.02.


7

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Vol.1. Memória e
História. Lisboa: Imprensa Nacional e Casa da Moeda, 1984, pp.296-331.
BOX OFFICE MOJO. Superhero 1978-Present. Disponível em:
http://www.boxofficemojo.com/genres/chart/?id=superhero.htm. Acesso em: 01/12/2016.
BUZAN, Barry. America in Space: The international Relations of Star Trek and Battlestar
Galactica. In: Millennium – Journal of International Studies. August 2010, p. 1 – 6. Disponível
em: http://mil.sagepub.com/content/39/1/175.full.pdf+html. Acesso em: 23/10/2016.
CASO, Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics:
Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-International Relations Publishing, 2015.
Disponível em: http://www.e-ir.info/2015/04/22/edited-collection-popular-culture-and-world-
politics/. Acesso em: 30/10/2016.
CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. 2. Ed.Lisboa: Difel,
2002.
DITTMER, Jason. Captain America and the nationalist superhero: metaphors, narratives,
and geopolitics. Philadelphia: Temple University Press, 2013.
DITTMER, Jason. On Captain America and “doing” popular culture in Social Sciences. In:
CASO, Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics:
Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-International Relations Publishing, 2015, p. 45-50.
Disponível em: http://www.e-ir.info/2015/04/22/edited-collection-popular-culture-and-world-
politics/. Acesso em: 30/10/2016.
DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo, Cultrix, 1988.
DODDS, Klaus. “Have you seen any good films lately?” Geopolitics, International Relations
and Film. In: Geography Compass, Vol 2, Issue 2 (2008), p. 476–494. Disponível em:
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1749-8198.2008.00092.x/full. Acesso em:
02/11/2016.
ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1976.
FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
GRAYSON, K; DAVIES, M.; PHILPOTT, S. Pop Goes IR? Researching the Popular Culture—
World Politics Continuum. In: Politics. October 2009, Vol 29 (3), p. 155 – 163. Disponível em:
http://pol.sagepub.com/content/29/3/155.full.pdf+html. Acesso em: 23/10/2016.
HART, Jeffrey. Three approaches to the measurement of power in international relations.
In: International Organization, 1976, 30.02: pp. 289-305. Disponível em:
http://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/5998045/approaches.pdf?AWSAccessKey
Id=AKIAJ56TQJRTWSMTNPEA&Expires=1483964295&Signature=SNZlOyGIMRcEWmj
kpwn0kgoxXk8%3D&response-content-
disposition=inline%3B%20filename%3DThree_approaches_to_the_measurement_of_p.pdf.
Acesso em: 12/12/2016.
8

IKENBERRY, G. John. Liberal order and imperial ambition: Essays on American power
and international order. Polity, 2006.
KAGAN, Robert. Of paradise and power: America and Europe in the New World Order. New
York: Alfred A. Knopf, 2003
KELLNER, Douglas. Cultural studies, identity and politics between the modern and the
postmodern. London: Routledge, 1995.
KUPCHAN, A. Charles. The end of the American era. New York: Vintage Books, 2003.
WELDES, Jutta. Going cultural: Star Trek, State Action, and Popular Culture. In: Millennium
- Journal of International Studies. March 1999, vol. 28, no. 1, p. 117-134. Disponível em:
http://mil.sagepub.com/content/28/1/117.full.pdf+html. Acesso em: 02/11/2016.
WELDES, Jutta; ROWLEY, Christina. So, How does popular culture relate to world politics?
In: CASO, Federica; HAMILTON; Caitlin (Orgs). Popular Culture and World Politics:
Theories, Methods, Pedagogies. Bristol: E-International Relations Publishing, 2015, p. 11-34.
Disponível em: http://www.e-ir.info/2015/04/22/edited-collection-popular-culture-and-world-
politics/. Acesso em: 30/10/2016.
ZAKARIA, Fareed. O mundo pós-americano. Lisboa. Gradiva, 2008.