Você está na página 1de 24

Universidade Metodista de Angola

Faculdade de Engenharia
Curso de Engenharia Civil

Saneamento

Professor: Deodato Mariata

Luanda, Agosto de 2017


Aula 1
1.1 Objectivo e programa da disciplina.
1.2 Metodologia de avaliação. Planeamento das aulas.
1.3. Ambito e Objectivos do saneamento ambiental:
Conceitos fundamentais.
1.4 Constituição dos sistemas.

01
1.1 – Objectivo da disciplina

Competência de conceber e dimensionar


infra-estrutura de abastecimento de água e de
drenagem de águas residuais, em zonas
urbanas, nomeadamente:

• Sistema adução (operação que consiste em


derivar e conduzir a água no sistema de
distribuição), e reserva de abastecimento
da água;

• Sistema de distribuição da água;

• Redes de drenagem de águas residuais.

02
Competência no domínio dos conceitos:

• de drenagem pluvial em meio urbano.

• de esquemas de tratamento (água para


abastecimento e águas residuais);

• de parámetros básicos de caracterização da


qualidade da água.

• de gestão e tratamento de residuaos sólidos


urbanos.

03
1.1 – Programa da disciplina

1 - Ambito e Objectivos do saneamento ambiental: Conceitos fundamentais.


2 - Os Sistemas urbanos de àgua. Tipos de sistemas componentes e funcionamento.
3 - Sistemas de abastecimento de água: componentes (obras de captação, adutora,
instalações elevatórias, reservatórios e redes de distribuição de água);
3.1 - Concepção e dimensionamento - Elementos de base do projecto de um
sistema de abastecimento de água;
3.2 - Concepção e dimensionamento da conduta adutora;
3.2 - Concepção e dimensionamento do reservatório
3.3 - Concepção e dimensionamento da rede de distribuição
4 - Sistemas de drenagem de águas residuais e pluviais: Natureza das águas residuais e
pluviais urbanas
4.1 - Sistemas unitários e separativos;
4.2 - Concepção e dimensionamento de redes de drenagem de águas residuais;
4.3 - órgãos das redes de drenagem de águas residuais
5 - Conceitos básicos de qualidade da água, de tratamento da água para abastecimento
públlico e de tratamento de águas residuais.
6 - Introdução aos sistemas de residuos sólidos urbanos (recolha, transporte,
tratamento e destino final).
04
1.2 – Metodologia de avaliação

 1ª Frequência, 2ª Frequência, Exame e


Recurso.

05
1.2 – Planeamento das aulas.

 14 semanas de aulas;
- 5 aulas teóricas / semana de 1h00m;

06
1.3 - Ambito e Objectivos do saneamento ambiental:
Conceitos fundamentais.
Histórico

A importância do saneamento e sua


associação à saúde humana remonta às mais
antigas culturais. O saneamento
desenvolveu-se de acordo com a evolução
das diversas civilizações, ora retrocedendo
com a queda das mesmas, ora renascendo
com o aparecimento de outras.
Os poucos meios de comunicação do
passado podem ser responsabilizados, em
grande parte, pela descontinuidade da
evolução dos processos de saneamento e
retrocessos havidos.
07
Conquistas alcançadas em épocas remotas
ficaram esquecidas durante séculos porque
não chegaram a fazer parte do saber do povo
em geral, uma vez que seu conhecimento era
privilégio de poucos homens de maior
cultura.
Por exemplo, foram encontradas ruínas de
uma civilização na Ìndia que se desenvolveu
a cerca de 4.000 anos, onde foram
encontrados banheiros, esgotos na
construção e drenagem nas ruas.

08
Entretanto, a falta de difusão dos
conhecimentos de saneamento levou os
povos a um retrocesso, originando o pouco
uso da água durante a Idade Média, quando
o per capita de certas cidades européias
chegou a um litro por habitante/dia. Nessa
época, houve uma queda nas conquistas
sanitárias e conseqüentemente sucessivas
epidemias.

09
Ainda nos dias de hoje, mesmo com os
diversos meios de comunicação
existentes, verifica-se a falta de
divulgação desses conhecimentos. Em
áreas rurais a população consome
recursos para construir suas casas sem
incluir as facilidades sanitárias
indispensáveis, como poço protegido,
fossa séptica, etc.

Assim sendo o processo saúde versus


doença não deve ser entendido como
uma questão puramente individual e sim
como um problema coletivo.

10
O conceito de Promoção de Saúde proposto
pela Organização Mundial de Saúde (OMS),
desde a Conferência de Ottawa, em 1986, é
visto como o princípio orientador das ações
de saúde em todo o mundo. Assim sendo,
parte-se do pressuposto de que um dos mais
importantes fatores determinantes da saúde
são as condições ambientais.

11
O conceito de saúde entendido como um
estado de completo bem-estar físico, mental e
social, não restringe o problema sanitário ao
âmbito das doenças. Hoje, além das ações de
prevenção e assistência, considera-se cada
vez mais importante atuar sobre os fatores
determinantes da saúde. É este o propósito da
promoção da saúde, que constitui o elemento
principal da propostas da Organização
Mundial de Saúde e da Organização Pan-
Americana de Saúde (Opas).

12
A utilização do saneamento como instrumento
de promoção da saúde pressupõe a superação
dos entraves tecnológicos políticos e
gerenciais que têm dificultado a extensão dos
benefícios aos residentes em áreas rurais,
municípios e localidades de pequeno porte.

A maioria dos problemas sanitários que


afetam a população mundial estão
intrinsecamente relacionados com o meio
ambiente. Um exemplo disso é a diarréia que
com mais de quatro bilhões de casos por ano,
é a doença que aflige a humanidade. Entre as
causas dessa doença destacam-se as
condições inadequadas de saneamento.
13
Mais de um bilhão dos habitantes da Terra
não têm acesso a habitação segura e a
serviços básicos, embora todo ser humano
tenha direito a uma vida saudável e produtiva,
em harmonia com a natureza.

Em Angola, as doenças resultantes da falta ou


inadequação de saneamento, especialmente
em áreas pobres, têm agravado o quadro
epidemiológico. Males como cólera, dengue e
malária são exemplos disso.

14
Investir em saneamento é a única forma de se
reverter o quadro existente. Dados divulgados
pelo Ministério da Saúde Brasileira afirmam
que para cada R$1,00 (um real) investido no
sector de saneamento, economiza-se R$ 4,00
(quatro reais) na área de medicina curativa.

Entretanto, é preciso que se veja o outro lado


da moeda pois o homem não pode ver a
natureza como uma fonte inesgotável de
recursos, que pode ser predada em ritmo
ascendente para bancar necessidades de
consumo que poderiam ser atendidas de
maneira racional, evitando a devastação da
fauna, da flora, da água e de fontes preciosas
de matérias-primas.
15
Pode-se construir um mundo em que o
homem aprenda a conviver com seu hábitat
numa relação harmônica e equilibrada, que
permita garantir alimentos a todos sem
transformar as áreas agricultáveis em futuros
desertos.

Para isso é necessário que se construa um


novo modelo de desenvolvimento em que se
harmonizem a melhoria da qualidade de vida
das suas populações, a preservação do meio
ambiente e a busca de soluções criativas para
atender aos anseios de seus cidadãos de ter
acesso a certos confortos da sociedade
moderna.
16
Conceitos

Saneamento ambiental

É o conjunto de ações socioeconômicas que


têm por objetivo alcançar Salubridade
Ambiental, por meio de abastecimento de
água potável, coleta e disposição sanitária de
resíduos sólidos, líquidos e gasosos,
promoção da disciplina sanitária de uso do
solo, drenagem urbana, controle de doenças
transmissíveis e demais serviços e obras
especializadas, com a finalidade de proteger e
melhorar as condições de vida urbana e rural.

17
Meio ambiente
Meio ambiente é o conjunto de condições,
leis, influências e interações de ordem física,
química e biológica, que permite, abriga e
rege a vida em todas as suas formas.

Salubridade ambiental
É o estado de higidez em que vive a opulação
urbana e rural, tanto no que se refere a sua
capacidade de inibir, prevenir ou impedir a
ocorrência de endemias ou epidemias
veiculadas pelo meio ambiente, como no
tocante ao seu potencial de promover o
aperfeiçoamento de condições mesológicas
favoráveis ao pleno gozo de saúde e bem-
estar.
18
Os Sistemas urbanos de àgua. Tipos de sistemas componentes e
funcionamento.

19
20
21
22
Obrigado.