ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE

PROJETOS DE PESQUISA

NA UNEMAT

MATO GROSSO - BRASIL 2004

2

REITOR Prof. Ms. Taisir Mahmudo Karim

VICE-REITOR Prof. Ms. Almir Arantes

PRÓ-REITOR DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Prof. Ms. Marcos Francisco Borges

PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Prof. Wilbum de Andrade Cardoso

PRÓ-REITORA DE ENSINO E GRADUAÇÃO Prof. Ms. Neodir Paulo Travessini

PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO E CULTURA Profª. Ms. Solange Kimie Ikeda Castrillon

PRÓ-RETOR DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Prof. Ms. Laudemir Luiz Zart

3

EQUIPE DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

- Prof. Ms. Laudemir Luiz Zart - Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação - PRPPG. Fone: 221-0017 e-mail: prppg@unemat.br

- Prof. Ms. Benedito de Oliveira - Assessor da PRPPG. Fone: 221-0017

- Mariana Campos Mensch - Assessora da PRPPG. Fone: 221-0017

- Silvan Ferreira da Silva - Apoio Administrativo junto à PRPPG. Fone: 221-0017

- Prof. Ms. Alceu Zoia - Coordenador de Pós-Graduação Stricto Sensu Fone: 221-0007 e-mail: prppgstrictosensu@unemat.br

- Edvânia C. Guia Leite - Assistente Administrativo junto a Coordenadoria de PósGraduação Stricto Sensu. Fone: 221 - 0007

- Prof. Antonio Carlos Jorge - Coordenador de Pós-Graduação Lato Sensu Fone: 221-0015 e-mail: prppglatosensu@unemat.br

- Edvânia C. Guia Leite - Assistente Administrativo junto a Coordenadoria de PósGraduação Lato Sensu. Fone: 221-0015

4

- Prof. Ms. Paulo Alberto dos Santos Vieira - Coordenador de Pesquisa. Fone: 223-1958/221-0089 e-mail: prppg-coordpesquisa@unemat.br

- Prof. Dr. Marvin Gerardo Olivas Bonilla - Coordenador de Acompanhamento e Avaliação de Programas e Projeto de Pesquisa - CAAP. Fone: 223-1958 / 221-0089 e-mail: prppgcaap@unemat.br

- Prof. Ms. Antônio Rosestolato Filho - Coordenador de Acompanhamento e Avaliação de Programas e Projeto de Pesquisa - CAAP. Fone: 223-1958 / 221-0089 e-mail: prppgcaap@unemat.br

- Yone Aparecida Martins Castilho Pereira - Assistente Administrativo junto a CAAP.

- Profª. Belia Fantini Bonini Pinto de Arruda - Coordenadora do Programa de Bolsas de Iniciação Científica - PROBIC. Fone: 221-0086

- Anely Paesano Ortiz Faquini - Assistente Administrativo junto ao PROBIC. Fone: 221-0086

5

SUMÁRIO

PRÓLOGO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. OBSERVAÇÕES RELEVANTES 2. DA CONCEPÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 3. DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 4. RECOMENDAÇÕES GERAIS 5. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

06 07 10 11 14 17 30 33 34

da participação. Para tanto.. Estes devem representar e carregar um sentido profundo para guiar as concepções e as práticas da produção. que implica a transformação do pensamento. não construí-los. como o da democracia. Prof.. Ms.6 PRÓLOGO Abrimos caminho para a construção da política e dos processos da pesquisa na UNEMAT. Enquanto postura ideopolítica e epistemológica. Laudemir Luiz Zart Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Universidade do Estado de Mato Grosso . a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação tem a obrigação de abrir caminhos. mas simplesmente possibilitar a construção. Almejamos que o coletivo da UNEMAT possa refletir de forma sistematizada sobre a pesquisa. sejam pura e simplesmente repetições. associados a outros e a eles complementares. Não queremos que os princípios da sustenstabilidade e da solidariedade. da planetariedade. avaliamos que as ciências não são neutras. O nosso reconhecimento se centra no saber que o caminho a ser feito é longo e que somente com a dedicação intensa dos/as pesquisadores/as: professores/as. acadêmicos/as e funcionários/as é que conseguiremos consolidar a práxis investigativa na UNEMAT. por isso dos nossos compromissos com o desenvolvimento sustentável e solidário da sociedade mato-grossense e brasileira. da socialização e da avaliação do conhecimento. Neste sentido. colocamo-nos numa perspectiva paradigmática.

bem como para o desenvolvimento e consolidação da Universidade do Estado de Mato Grosso em suas ações no Estado e no País. deliberativas e os/as pesquisadores/as. material e logístico da UNEMAT. pesquisa e extensão. projeta a UNEMAT como uma Instituição Pública de Ensino Superior. além da habilitação ao apoio financeiro. de forma a promover a elevação sócio-cultural e a . procedimentos) que promovem a comunicação objetiva e fluida entre as instâncias administrativas. atendendo ao propósito e a história da universidade. nos termos requeridos pelo Edital de Chamada de Projetos de Pesquisa. que tem como objetivo fornecer orientações e procedimentos que deverão ser seguidos para a formalização do projeto de pesquisa na UNEMAT. técnicas. preservação e transmissão do saber. métodos. a Universidade tem como objetivo a produção. apresentamos este Roteiro. permitindo a transparência e a publicidade dos atos que orientam as políticas da pesquisa. Em conformidade com as bases legais e políticas da instituição. desenvolvimento e avaliação da pesquisa. Constitui-se ainda a forma fundamental para explicitar os materiais e os métodos a serem empregados durante o processo de investigação e os resultados a serem alcançados no final de um período de trabalho. para a proposição. Para a promoção de maior clareza quanto ao processo de elaboração e a aprovação dos projetos de pesquisa. Constitui-se numa metodologia que se embasa no diálogo da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação com os/as pesquisadores/as.7 APRESENTAÇÃO O projeto de pesquisa é o meio básico para a elaboração teórica. Com a realização das atividades de ensino. Vale ressaltar que os "vinte e cinco anos de experiências didático-científico-pedagógicas e administrativas. indispensável ao desenvolvimento do Estado de Mato Grosso. os projetos podem ser apresentados por pesquisadores/as individuais ou por grupos de pesquisa e que representem contribuição significativa à sociedade em geral. metodológica. Representa ainda a geração e o desenvolvimento de linguagens (conceitos. instrumental e da proposição de agentes humanos para o desenvolvimento e avaliação da pesquisa.

de estratégias e de ações para o desenvolvimento da pesquisa e da necessária competência institucional de dialogar com os movimentos sociais/populares. elucidamos que não temos respostas acabadas. científico. evidenciamos que o objetivo que nos conduz é: "desenvolver políticas de pesquisa e pós-graduação para gestar as estruturas. étnico-culturais. Para explicitar de forma mais consistente o contexto da orientação política da PróReitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. contribuindo estrategicamente para a inclusão social e o crescimento sustentado da economia matogrossense. princípio deliberado e expresso pelo primeiro congresso da UNEMAT. caminhos prontos. o princípio da solidariedade. com os setores produtivos.8 melhoria técnico-profissional da população por ela atendida. Acrescentamos ao propósito da sustentabilidade. com as organizações representativas de classe. mas acima de tudo desafios que nos desenham horizontes que requerem . Serão resultantes de políticas e de ações que o coletivo da Universidade deve empreender. realizando ao mesmo tempo a crítica dos legados históricos e culturais. filosófico. com os órgãos estatais. Podemos considerar que muitas adversidades terão que ser superadas." as ações nos princípios da As perspectivas manifestadas no propósito da UNEMAT. são concepções significantes e referentes que conduzem o planejamento. com justiça social e preservação ambiental". Quando nos referimos às estruturas. associado ao objetivo da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. quanto promovendo o pensar e o agir prospectivo. Defendemos desta forma uma Universidade aberta que tenha a capacidade de absorver as problemáticas dos contextos nos quais está inserida. fundamentando as concepções e as práticas em percepções da complexidade. ecológicos. Estas não ocorrerão no entanto de forma mágica ou espontânea. cultural e tecnológico da UNEMAT. de gênero. as relações e as organizações dos ambientes acadêmico. desenvolvendo conhecimentos que respondam às premências das realidades múltiplas e multidimensionais. alicerçando sustentabilidade e da solidariedade. tendo como perspectiva a apreensão das interdependências dos diversos contextos da Sociedade e do Estado de Mato Grosso. como idéia-força para a definição de políticas. às relações e às organizações. as ações e as avaliações cotidianas da equipe de trabalho que forma a PRPPG na Gestão Unemat de Todos.

CAAP. a Pró-Reitoria de Pesquisa e PósGraduação .9 de nós empenhos e ousadias. indicamos o endereço e telefones. Postal 242.200-000 Cáceres . 1095 .PRPPG/UNEMAT. que nos aproximam do ideal de uma universidade pública e autônoma.MT. Telefones: (065) 221-0089/223-1958 E-mail: prppgcaap@unemat. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO .Cavalhada III. problematizações e decisões. Tancredo Neves. COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE PESQUISA . Dr. Marvin Gerardo Olivas Bonilla Prof. Para contatos. Prof. Diante do exposto e em caso de dúvidas. Cx. 78. Ms. Antônio Rosestolato Filho Av.br .PRPPG fornecerá as informações necessárias aos professores que desejam elaborar seus projetos de pesquisa.

. Para a definição final da formatização dos projetos. Temos desta forma a perspectiva de construção de um modelo que seja prático e eficaz na condução da pesquisa na Universidade do Estado de Mato Grosso. o/a pesquisador/a deverá sempre estar atento/a para os procedimentos e as normas que são expressas e publicadas através do edital de pesquisa. é necessário o/a pesquisador/a buscar e adequar as especificidades do edital de pesquisa do órgão ou entidade financiadora.10 INTRODUÇÃO O roteiro que ora divulgamos contém informações para a apresentação de projetos de pesquisa na UNEMAT. este roteiro poderá substanciar a construção de projetos para órgãos de fomento e financiamento externos à UNEMAT. além da estrutura para a formatização do projeto e do conteúdo apresentado. quanto ao salário do/a pesquisador/a. análise e avaliação dos projetos de pesquisa. as orientações do roteiro vão além do que exigirá o edital de pesquisa. os recursos materiais e a logística institucional. Consideramos ainda importante a explicitação coerente dos recursos financeiros e materiais investidos na pesquisa pela UNEMAT. Neste caso. o presente documento. para os trâmites necessários para o encaminhamento do projeto de pesquisa. Esta conduta possibilitará uma maior clareza das instâncias administrativas e deliberativas quanto as ações institucionais. Neste sentido. Assim. Faz-se mister que tenhamos um processo formal que facilite a apresentação. Seguem assim orientações que conduzem para observações que são relevantes ao/a pesquisador/a antes e durante a construção do projeto de pesquisa. às bolsas de iniciação científica. Seguem ainda discussões sobre as características fundamentais do projeto de pesquisa. Chama a atenção.

Como forma de orientação dos/as pesquisadores/as da UNEMAT. Serão desconsiderados projetos que não sejam claramente caracterizados como pesquisa (Método Científico). que seja professor efetivo ou visitante.Os projetos a serem submetidos à UNEMAT devem ser elaborados de acordo com o Edital de Chamada de Projetos de Pesquisa que lhe der causa e que define os temas. . recomendamos para os/as pesquisadores/as: .Reflita se o problema a ser investigado e as atividades a serem desenvolvidas caracterizam-se como de contribuição significativa para o desenvolvimento do conhecimento e consolidação da UNEMAT e da sociedade mato-grossense. Neste sentido. . que tenha disponibilidade para assumir a coordenação do projeto em jornada de trabalho em Regime de Dedicação Exclusiva (D. Atitudes Importantes do/a Pesquisador/a Antes e Durante a Elaboração do Projeto de Pesquisa. OBSERVAÇÕES RELEVANTES 1.E. . para a apresentação dos projetos de pesquisa.Verifique se o problema focalizado se enquadra nas linhas temáticas do edital. metodológica e teórica do projeto de pesquisa.11 1. . também que os componentes da equipe tenham disponibilidade temporal para assumir as atividades previstas no projeto. É necessário. indicamos pontos de referência que são importantes para a configuração estrutural.Estude se o projeto de pesquisa apresentado está contido em alguma linha de pesquisa aprovada no departamento ao qual se vincula o projeto. que tenha conhecimento e competência comprovada na área proposta.).É requisito que o coordenador do projeto tenha no mínimo o título de mestre.1. . termos e proposições a que devem responder os/as pesquisadores/as interessados/as e as instruções constantes do presente Roteiro.

se os valores solicitados e os valores de contrapartida estão dentro dos limites estabelecidos pelo Edital. a fim de que no projeto proposto estejam contemplados todos os itens de mérito técnico-científico para uma melhor pontuação.Verifique se o orçamento está compatível.Verifique no Edital. A exeqüibilidade do 1. projeto de pesquisa é de responsabilidade do/a pesquisador/a. Estas orientações se aplicam.2. Observa-se ainda que o número de bolsistas está relacionado com a titulação do proponente. verifique se o currículo dos componentes está devidamente incluído e atualizado no Sistema de Currículo Lattes. Ressaltamos que a não previsão de bolsistas no projeto de pesquisa. seguindo os critérios apresentados no Edital de Chamada de Projetos de Pesquisa.PROBIC. . . o projeto de pesquisa deverá indicar o número de bolsistas para efeito de orçamento. também aos projetos com financiamento externo. impede que o PROBIC tome os procedimentos para o processo de seleção dos mesmos.Observe se constam todos os membros da equipe técnica de execução e suas respectivas identificações. ao encaminhar o projeto para institucionalização na UNEMAT..As questões relacionadas à bolsistas de Iniciação Científica é de competência da Coordenadoria do Programa de Bolsas de Iniciação Científica . . sendo até 3 (três) quando doutor e até 2 (dois) quando mestre.12 .Faça uma pré-análise técnica do projeto. Porém. Nesse sentido. . Depois de Elaborado o Projeto e Antes de Encaminhálo para os Trâmites Necessários. o proponente deverá. prever os bolsistas necessários à sua execução. os critérios para análise e julgamento do projeto. . .Na análise de enquadramento.. .Reveja se todos os itens do Roteiro estão devidamente contemplados e na ordem correta.

Dado o caráter seletivo do processo.13 .Faça uma revisão ortográfica e gramatical criteriosa do texto. . . .Não se esqueça de conferir se a documentação requerida está completa. . a não observação dos itens do Edital de Chamada de Projetos de Pesquisa poderá prejudicar a habilitação e aprovação do projeto. bem como os Currículum Lattes dos proponentes. .A aprovação do projeto de pesquisa é condicionada à prévia análise e julgamento. de acordo com os critérios previamente definidos e divulgados.Não se esqueça de encaminhar 2 (duas) vias do projeto (impresso) e uma em disquete.Lembre-se de que todos os projetos devem ser encaminhados através de expediente seguindo todos os trâmites legais da UNEMAT. dentro do período estabelecido para o encaminhamento.

tanto sobre o tema escolhido quanto sobre o estágio atual dos estudos referentes a ele. no Projeto de Pesquisa devem aparecer três pólos intrínsecos do processo de construção do conhecimento: o epistemológico. Da Elaboração do Projeto de Pesquisa A elaboração do Projeto de Pesquisa é um passo importante na vida do/a pesquisador/a. Por isso é necessário ter uma previsão de como será realizada a pesquisa. ao contrário. O trabalho científico exige tanto uma concepção de mundo e de ciência como um recorte da realidade concreta e particular. bem como o estágio atual das pesquisas. Se o/a pesquisador/a não definir claramente onde pretende chegar. no projeto de pesquisa e nos resultados alcançados estes pólos se encontram. O epistemológico se caracteriza pela atitude problematizadora. o que faz com que o conhecimento seja produzido e avance cada vez mais. Elaborar o projeto de pesquisa é planejar as idéias a serem desenvolvidas. as formas de execução e os custos materiais. prevendo as etapas do trabalho. o teórico e o metodológico. a sua relevância. A construção do Projeto de Pesquisa exige conhecimentos. porque a produção acadêmica é algo que exige tempo. 2. pois se esforça por eleger um problema da realidade para estudá-lo. indicando o que pesquisar. financeiros e as exigências temporais. curiosidade epistemológica. Este momento é desafiante. não conseguirá ter precisão de como chegar. organização pessoal e método. Por isso. ou seja. DA CONCEPÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA.14 2. . Cabe ressaltar que estes pólos estão imbricados.1. realiza a crítica e discute o caminho percorrido pela ciência no que tange aquilo que o/a pesquisador/a deseja aprofundar em termos de conhecimentos e que fundamenta a pesquisa para que possa avançar na explicitação do objeto de estudo e da relação deste com os sujeitos de investigação. O teórico se refere aos estudos já desenvolvidos por diferentes autores sobre aquele tema. O metodológico se refere aos caminhos e às técnicas que o/a pesquisador/a deve percorrer para realizar sua pesquisa. não se pode separá-los. ou seja.

Características Fundamentais do Projeto de Pesquisa. . . dentre as quais podemos citar: a) delimitação de uma área de estudo. epistemológica e tecnológica do projeto e a necessidade do apoio solicitado (se for o caso).apresentar elementos para justificar a relevância científica. d) descrição e análise preliminar da bibliografia relacionada ao assunto que se pretende pesquisar. devem eliminar-se todas aquelas explicações ou afirmações que não sejam conseqüências de uma argumentação objetiva e clara. onde o projeto quer chegar. pois envolve diversas atividades. .oferecer argumentos sólidos.ter coerência lógica interna.15 Este processo não é feito às pressas. considerando o estado de arte em que se encontram as pesquisas e as críticas e avaliações existentes sobre o tema proposto. . . h) apresentação e discussão dos resultados.demonstrar com clareza os objetivos a serem alcançados. neste sentido. Para Atender a essas Características. . g) definição da forma de apresentação e análise dos resultados. .2. ainda que informais. com base em revisão bibliográfica.apresentar um referencial teórico adequado e atualizado. j) indicação de cronograma e orçamento. i) indicação de referências bibliográficas. isto é. b) explicitação da problemática passível de ser pesquisada. 2. livres de viéses.2. articulando a fundamentação teórica com a pesquisa empírica. . contextualizando o problema a ser investigado.apresentar um tema bem delimitado e claramente definido.determinar com precisão o que será estudado. ou seja. f) descrição detalhada do método e da metodologia a ser empregada.delimitar o campo de observação.1. c) levantamento de hipóteses. 2. ao se definir um Projeto de Pesquisa é necessário: . e) elaboração da justificativa que caracterize a relevância do trabalho. delimitar e configurar o problema de estudo. social.

eliminar critérios arbitrários ou viesados.explicitar as atividades a serem desenvolvidas pelos/as pesquisadores/as.realizar uma profunda revisão bibliográfica e selecionar o material que se utilizará como referência.converter os problemas em operações práticas.16 . associando-as a um cronograma de execução. . para possibilitar uma análise consistente. apresentando os argumentos com grande lucidez. . . . bem como facilitar a verificação das hipóteses e/ou da problemática investigada.

17 3. ou seja.Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão. O projeto de pesquisa deve obedecer aos trâmites internos de encaminhamento para projetos na UNEMAT.2. Da Identificação do Projeto de Pesquisa Título do projeto: Coordenador: Equipe: Telefone/fax: E-mail: Endereço profissional completo: Área/Linha de Pesquisa: Grupo de pesquisa: . que deverá ser comunicada com a devida antecedência. DA APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 3. Departamento (Colegiado de Curso). OBS. 3. no máximo 25 (vinte e cinco) páginas. Da Formatação do Projeto de Pesquisa O projeto deve ser elaborado em. tamanho da fonte 14.3. Dos Trâmites do Projeto de Pesquisa.5 entre linhas. Instituto ou Faculdade (com parecer) e PRPPG/Coordenadoria de Acompanhamento e Avaliação de Programas e Projetos de Pesquisa (CAAP). As páginas devem ser numeradas seqüencialmente e o conjunto deve ser grampeado. para aprovação definitiva no CONEPE .1.: Qualquer alteração no projeto de pesquisa será objeto de entendimento com a Coordenadoria de Acompanhamento e Avaliação de Programas e Projetos de Pesquisa (CAAP/PRPPG). Campus Universitário (Colegiado Superior). fonte Times New Roman (no Word) ou Times (no Linux). espaço 1. 3.

Da Estrutura e Conteúdo do Projeto de Pesquisa Segue uma apresentação dos principais tópicos que. Contudo. no máximo 5) Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos Hipóteses ou Questões Problemas Materiais e Métodos Referencial Teórico Resultados Esperados Cronograma de Atividades Orçamento Referências Bibliográficas Anexos . das práticas específicas de cada área de conhecimento. são solicitados para a apresentação de um projeto de pesquisa. Estrutura do projeto de Pesquisa: Título Resumo Palavras chave s(no mínimo 3.18 Departamento: Campus Universitário: Faculdade/Instituto: Período de Execução: 3. usualmente. é imprescindível contemplar os elementos essenciais de um projeto e manter a consistência lógica entre eles. independentemente da forma de agregação indicada.4. Essa estrutura pode variar dependendo das normas da instituição financiadora à qual se está apresentando o projeto. uma observação fundamental é que. para as quais o/a pesquisador/a deve estar sempre atento.

na qual podem incluir-se antecedentes que ajudem a compreender a magnitude do problema. com frases claras e concatenadas. de uma forma concisa.agris) mantido pela FAO.. . 3. Título do Projeto.org.. ou seja. Evite generalidades e O título poderá ser apresentado também em inglês.19 3. assim como a importância dos impactos destes. para fins de cadastramento no Sistema Internacional de Informação e Pesquisa. palavraschave. O Resumo é a primeira e.. avaliação de. que é a solução buscada para o problema.2. O título é o menor resumo e deve sintetizar o seu aspecto essencial.". Introdução A introdução é uma breve apresentação do conteúdo do projeto. da forma mais breve e direta possível do problema principal que o projeto abordará. Não deve ser confundido ou reduzido a uma atividade-meio (levantamento de. Ele deve atrair atenção sobre os objetivos e limites do projeto.4.. como por exemplo. a última oportunidade para captar a atenção do especialista que examinará o projeto.cnptia.) ou meta (obtenção de clones de. obrigatoriamente. abstrações como "uma proposta de estudo. que é o sistema brasileiro de informação sobre pesquisa agrícola (www.br). Deve ser seguido de palavras representativas do conteúdo do projeto...4.. e no segmento Brasil. resistentes a. mas expressar o propósito maior ou mais relevante do projeto.embrapa. o CARIS (Center of Information Management for International Agricultural Research) (www.3.. BRACARIS.4. de seus objetivos e resultados esperados.1. 3. Redigido em parágrafo único....). Se estiver bem feito. num máximo de 300 palavras.. O resumo é uma forma autocontida que sintetiza os pontos mais importantes do projeto e os apresenta. Resumo. despertará a atenção e induzirá à leitura do mesmo.. Deve dar uma idéia clara.fao. às vezes.

realizar um amplo estudo sobre. Não devem ser utilizadas expressões amplas que não são possíveis serem operacionalizadas. Objetivos Os objetivos devem ser expressos de forma clara e realista.4. a relação entre o que se pretende alcançar e o caminho a ser percorrido deve ser preciso. Um erro freqüentemente encontrado é a redação de objetivos específicos como atividades ou como resultados esperados. Portanto. Os objetivos específicos respondem à pergunta "O que?". um objetivo que expresse "desenvolver um espírito de colaboração entre os parceiros. Relacionam-se aos impactos possíveis. Nesse sentido. Os objetivos devem ser indicados com precisão.5.4. como "Incrementar substancialmente. Os objetivos gerais e específicos devem ser expressos sucintamente e não em forma de relato. a partir da utilização dos resultados do projeto." exigirá definir o que se entende no projeto. Justificativa . Por isso. cada objetivo específico deve ter uma clara correspondência com os resultados esperados.". Os objetivos específicos são alvos concretos que se buscam alcançar no âmbito do projeto.. Cada objetivo específico deve ser claro. Respondem à pergunta "Para que?".4. As proposições devem ser inovadoras.. É preciso deixar claro quem serão os beneficiários diretos dos resultados esperados.20 3. Por exemplo. em termos de respostas às questões relevantes do problema focalizado. por "espírito de colaboração"? Como se alcança? Quais são os parâmetros que serão considerados como aceitáveis para o cumprimento deste objetivo? 3. ao apontar com lucidez o que se pretende atingir para esclarecer a(s) problemática (as) levantadas (as). ao escrevê-los.. viáveis e capazes de superar as limitações atuais e atender às expectativas de quem é afetado pelo problema. deve-se considerar o(s) indicador (es) (quantitativo ou qualitativo) possível (is) de avaliar seu cumprimento.. Os objetivos gerais são os alvos de maior abrangência aos quais o projeto trata de fazer uma contribuição.

No caso de projetos que atendem a editais ou normas de agências financiadoras. 3. tecnológica e social.4. a importância e atualidade do problema a resolver (por exemplo. materiais e humanos a serem investidos para alcançar os objetivos propostos. .21 A justificativa deve responder aos critérios básicos pelos quais o projeto é avaliado. o proponente deve oferecer argumentos que demonstrem aos especialistas que examinarão o projeto. é essencial revisar os respectivos documentos. em que fique evidenciada a importância da pesquisa para o conhecimento científico e para a sociedade em geral. se este está inserido em uma estratégia nacional ou regional). Hipóteses ou Questões Problemas. e à instituição financiadora. A problematização (questões problemas) é o momento de construção racional das questões para interrogar o objeto investigado. É preciso ter cuidado. Na Justificativa. c) ser constáveis pela experiência. pois justificativas longas e prolixas não garantem que a importância do projeto seja bem compreendida. seja a partir dos problemas críticos da realidade. passíveis de verificação por dados empíricos. ou seja. A hipótese é uma tentativa de explicação mediante uma suposição possível. justificando a importância do projeto mediante os critérios de enquadramento e adequar ao Edital/instituição. a pertinência dos objetivos e os possíveis impactos dos resultados esperados. Tudo isto deve ser mostrado com clareza e síntese. As hipóteses devem: a) ter consistência lógica. destinada a ser comprovada pela pesquisa empírica. Neste momento.6. Portanto. orientando-o na busca de soluções. deve justificar o tema. b) corresponder ao conjunto de conhecimentos existentes. seja a partir dos problemas teóricos. o contraditório e desconhecido na realidade social. bem como a adequação ao tempo e aos recursos financeiros. apontar sua relevância científica. o pesquisador quer conhecer o obscuro.

4. o marco teórico-conceitual deve basear-se em uma revisão bibliográfica pertinente ao problema a ser estudado. o método de análise estrutural. sempre que pertinentes. 3.. bem como os critérios de seleção das mesmas.. assim. É fundamental que o proponente deixe bem explícito a forma como se pretende obter os dados e. critérios indispensáveis na avaliação de projetos. é necessário oferecer uma explicação breve do mesmo.". as análises estatísticas e econômicas. É necessário deixar bem claro o método e as técnicas a serem utilizadas. Nela se deve definir exatamente como se executará o projeto (método) e com quais instrumentos(materiais). Materiais e Métodos (Metodologia) Nesta seção encontram-se os elementos fundamentais que permitirão demonstrar a qualidade científica. por exemplo. os testes de medição e de verificação de hipóteses e.. A metodologia a ser seguida deve manter rigorosa coerência e consistência com a solução buscada para o problema focalizado. como se coletarão os dados. o caminho estará aberto para a realização da pesquisa.".. as vias científico-técnicas pelas quais os objetivos serão alcançados.7. Por outra parte.22 3. Descrever os materiais que serão empregados.8.". em casos de métodos muito específicos de uma disciplina como.4. ou "metodologia próprias de tal disciplina.. as ações de validação de tecnologia e de situação dos resultados. ou seja. ou seja. as variáveis de estudo. à definição de conceitos e hipóteses. tais como "se utilizarão técnicas qualitativas e quantitativas. ou "a metodologia consistirá na observação participativa. É absolutamente necessário evitar enunciados vazios de conteúdo. .. às teorias básicas e metodologias relacionadas ao tema e seus antecedentes. ou seja. Referencial Teórico Existe uma relação direta entre o que se considera marco teórico-conceitual e a revisão bibliográfica.

sua prioridade e que segmentos da sociedade estão interessados na sua solução. Uma revisão incompleta ou uma abordagem inconsistente do problema podem desqualificar o projeto. da UNEMAT e do Estado de Mato Grosso. Ao construir este marco. o problema focalizado. Na caracterização do problema.23 É importante restringir o marco teórico ao que se deseja pesquisar. Deve ficar claro que o conhecimento acumulado ou as ações até então desenvolvidas não foram suficientes para o equacionamento do problema. . II. qual a sua relação com as prioridades da sociedade em geral. qual a sua abrangência e importância geopolítica e socioeconômica. A literatura consultada deve ser atual e consistente em relação ao problema. com o apoio de literatura. como o produto/serviço. sociais e ambientais por ele determinados e quais as projeções e reflexos de sua permanência. mas de abordar só os aspectos que estão relacionados com o problema da pesquisa e em correspondência com as questões presentes e os objetivos propostos. quais são as perdas e prejuízos econômicos. descrever objetivamente. III. resultando em desperdício de tempo e de recursos. o recurso ou beneficiários são e/ou poderão ser por ele afetados. procurando responder às seguintes questões: I. Uma boa revisão ajuda a estabelecer a credibilidade do projeto. Na revisão bibliográfica deve-se condensar o mais importante e relevante para o projeto. não se trata de oferecer uma dissertação sobre uma teoria. O referencial teórico requer a análise dos conhecimentos existentes (estado atual) sobre o problema e destacar o(s) elemento(s) inovador(es) do projeto. sua importância e relevância no contexto da área inserida. IV.

incluindo sua forma de expressão.4. técnico-científicos e ambientais dos resultados esperados na solução do problema focalizado como: diminuição dos prejuízos econômicos. demonstrar essa correspondência é usar tempos verbais diferenciados para apresentação dos objetivos (Desenvolver um equipamento "x". Tendo em vista as expectativas de sucesso na implementação do projeto. bem como a compreensão dos fenômenos ideopolíticos.). redução de desequilíbrios sociais e regionais. culturais.. Portanto. estruturantes das complexas redes societais e epistemológicas. com a revisão bibliográfica correspondendo a uma apresentação mais exaustiva em que fique evidenciado o "estado da arte" do tema enfocado. dos produtos e/ou processos gerados com a sua execução. educacionais.24 Em projetos que devem ser apresentados de forma sucinta. pode-se optar por uma subdivisão. deve existir uma correspondência muito estreita entre os mesmos. psicossociais.. o marco teórico e a revisão bibliográfica podem ser condensados em um só item. Nesse caso. é preciso avaliar a situação anterior e posterior ao emprego.. ao mesmo tempo. aumento de produtividade e de produção e/ou maior oferta de alimentos. socioeconômicos. redução de perdas. Resultados Esperados. sociais e/ou ambientais. pelo sistema produtivo. ) e dos resultados esperados (Equipamento "x" desenvolvido . apresentando a revisão essencial para a demonstração e justificativa da abordagem conceitual escolhida. redução de custos de produção. 3. Os resultados esperados são a forma concreta em que se espera alcançar os objetivos específicos. Uma sugestão para diferenciá-los e. . deve-se ter muita objetividade.. produto e espaço físico-geográfico. Em casos de projetos mais extensos. usando metodologia de análise benefício/custo. geração potencial de empregos. aumento de renda dos beneficiários diretos.. Considerar possíveis efeitos multiplicadores e as alterações nos níveis de setor. redução de riscos. Descrever os resultados esperados. culturais. Estimar a repercussão e/ou impactos educacionais.9.

Orçamento. permite identificar e justificar.10. coleta e processamento de dados. coordenação com outros centros de pesquisa ou usuários potenciais. Correspondente aos objetivos. ajuda a organizar a execução do projeto. 3. etc.4. viagens. bem como sobre alternativas de solução para eventuais impactos negativos. de acordo com a natureza do projeto. estratégias de difusão. a identificação de necessidades de recursos humanos e materiais. etc. demonstra às instituições e ao especialista/avaliador que se tem idéias claras sobre o que é preciso realizar. permitindo uma visão do ordenamento das atividades.4. O cronograma resulta da organização das atividades com relação ao tempo.25 Comentar sobre possíveis impactos ambientais decorrentes da adoção generalizada dos resultados a serem obtidos. não se deve usar apenas expressões extremamente gerais como "1a etapa".11. cursos e treinamentos. Comentar sobre a forma de garantir a continuidade do projeto e/ou seus desdobramentos depois de encerrado o financiamento da UNEMAT. 3. em segundo. Os projetos terão prazo de vigência de. e em terceiro. . a distribuição de responsabilidades. É conveniente apresentar com detalhes as atividades por três motivos fundamentais: em primeiro lugar. Cronograma de Atividades. As atividades devem refletir cada um dos passos que serão seguidos no processo do projeto: desenho da pesquisa. até 02 (dois) anos. o cronograma e os gastos apresentados no orçamento. Nesse sentido. Projetos cujos resultados finais exigirem mais tempo de execução deverão conter as ações subseqüentes que serão desenvolvidas para obter os resultados esperados. Registrar o período (mês e ano) de início e término de execução do projeto. com maior clareza. "2a etapa". o projeto deve indicar as atividades necessárias à consecução dos resultados esperados. Deve ser apresentado de forma clara.

naturalmente. que se constitui na identificação de cada tipo de despesa. pesquisadores/as e bolsistas.11. insumos técnicos e materiais de consumo. b) Despesas de capital: são aquelas destinadas à aquisição de bens patrimoniais (equipamentos importados. O orçamento deve ser. mobiliário. 3. Esse deve ser calculado com todo rigor. d) Pessoal: tempo empregado por pessoal efetivamente engajado no projeto. Nesse sentido. São admitidos os seguintes itens de despesa: a) Despesas de custeio: são aquelas relativas a serviços prestados por pessoa física ou jurídica e a aquisição de materiais diversos de consumo.1. Elementos de Despesas Para a elaboração criteriosa do orçamento. conduzem ao orçamento necessário. mostrando com clareza as bases de cálculo ou as estimativas e custos. equipamentos. treinamentos de curta duração. c) Infra-estrutura: instalações a serem usadas na execução do projeto.Salários e Encargos . material bibliográfico. quando ainda não se tem informação precisa sobre determinados preços.26 Se todas as seções anteriores forem feitas em uma seqüência lógica e explícita: dos objetivos resultam claros os métodos e materiais a utilizar.4. equipamentos nacionais e outros materiais permanentes). explicitamos a seguir os elementos de despesa. e) Outros custeio: passagens e diárias de viagem. compatível com as ações programadas. consultoria especializada. sendo a sua finalidade básica propiciar o controle final dos gastos. Os elementos de despesas são: A . os resultados esperados e as atividades a realizar em forma detalhada.

fluviais e marítimas). entendido como sede o Município onde a repartição estiver instalada e onde o servidor tiver exercício em caráter permanente.27 Despesas com: vencimentos. Despesas com álcool automotivo. combustível e lubrificantes de aviação. taxas de embarque. segurança. tecidos e aviamento. farmacológico e laboratorial. socorro e sobrevivência. vestuários. corte ou abate.Passagens (despesas com locomoção). aquisição de disquete. diesel automotivo. pousada e locomoção urbana. suprimento de aviação. material de expediente.Diárias. material gráfico e de processamento de dados. copa e cozinha. outros combustíveis e lubrificantes. sementes e mudas de plantas. Despesas com aquisição de passagens (aéreas. material biológico. material para fotografia e filmagem. lubrificantes automotivos. material para acondicionamento e embalagens. com o servidor público estatutário ou celetista que se deslocar de sua sede em objeto de serviço. 13º Salário. Adicional de Férias (1/3). Salário (pessoal permanente). fretamento. locação ou uso de veículos para transporte de pessoas e suas respectivas bagagens e mudanças em objetos de serviço. gás engarrafado. material de manobra e patrulhamento. gasolina automotiva. gêneros de alimentação. material de construção. material de cama e mesa. C . para reparos em imóveis. material de proteção. material químico. alimentos para animais. material odontológicos. D . hospitalar e ambulatorial. e produtos de higienização. Cobertura de despesas de alimentação. seguros. em caráter eventual ou transitório. terrestres. sobressalentes de máquinas e motores de navios e . material para instalação elétrica e eletrônica. fardamentos. suprimento de proteção de vôo. reposição e aplicação. material para telecomunicação. material para manutenção. animais para estudo. B . material de coudelaria ou o uso zootécnico.Material de Consumo.

segurança. correios. aparelhos e utensílios de escritórios. aparelhos e equipamentos gráficos e equipamentos diversos.). instrumentos musicais e artísticos. software. despesas miúdas de pronto pagamento. gás e esgoto. rodoviários e de movimentação de carga. embarcações. máquinas. impressão. odontológicos. máquina. obras de arte e peças para museu. pedágio. equipamentos e utensílios médico. vale-refeição. aparelhos e equipamentos para esporte e diversões. aparelhos. explosivos e munições e outros materiais e outros materiais de uso não duradouro. conservação e adaptação de bens imóveis. serviços de asseio e higiene. simpósios. conferências ou exposições. tratores e equipamentos agrícolas. Referências Bibliográficas . Despesas com aquisição de aparelhos de medições. equipamentos de proteção. locação de equipamentos e materiais permanentes. maquinas. Despesas com prestação de serviços por pessoas jurídicas para órgãos públicos. fretes. e emolduramento. outras materiais permanentes. seguros em geral (exceto os decorrentes de obrigação patronal). coleções e materiais bibliográficos. equipamentos de manobra e patrulhamento. despesas com congressos. fax. locação de imóveis (inclusive de despesas de condomínio e tributos à conta do locatário). serviços de divulgação. auxilio-creche (exclusive a indenização a servidor). tarifas de energia elétrica. serviços de comunicação (telefone. armamentos. E . aparelhos e equipamentos de comunicação. e outros congêneres. ferramentas e utensílios de oficina.Outros Serviços de Terceiros . aparelhos e equipamentos de uso industrial. maquinas. etc. encadernação. semoventes. tais como: assinaturas de jornais e periódicos. vale-transporte.Material Permanente. 12.28 esquadra. flâmulas e insígnias. socorro e sobrevivência. máquinas. bandeiras. E . veículos diversos. veículos rodoviários. habilitação de telefonia fixa e móvel celular. laboratorial e hospitalar. aparelhos e utensílios domésticos. mobiliário em geral. veículos ferroviários.Pessoa Jurídica.

. de acordo com as normas da ABNT.29 Relacionar as obras citadas.

. tais como as equipes das agências financiadoras ou organismos de política de pesquisa possam compreender os argumentos apresentados.O Projeto de pesquisa deve ser escrito de forma tal que pessoas não especialistas no tema. em geral. Se a redação é longa.Análises conceituais prolixas e de difícil compreensão. tomar em consideração que o especialista a quem será encaminhado o projeto. estes devem ser definidos. cuja elaboração e execução positiva permita elaborar futuros projetos com maiores probabilidades de sucesso. As probabilidades do projeto ser aprovado aumentarão muito. desordenada.Nesse mesmo sentido.Uma redação sintética. deve ler muitos outros projetos. globais ou amplos demais. bem feita. pouco clara. dirigidas. RECOMENDAÇÕES GERAIS . . é um caminho muito arriscado e não necessariamente mais curto. são sinais de falta de maturidade. . É preferível abordar a solução do problema em etapas sucessivas mediante projetos mais enxutos. . pedante e com erros ortográficos ou gramaticais. Se for necessário utilizar termos muito especializados.Não abordar temas "panorâmicos". complexa. Um projeto excessivamente abrangente.30 4. pouca solidez do pensamento e insuficiente reflexão sobre o tema. o especialista poderá até abandonar a leitura. é preciso seguir as orientações do respectivo Edital e/ou normas da instituição financiadora à qual serão solicitados financiamentos. nem a base material e informativa requerida. Evitar uma linguagem pesada que dificulte a compreensão das idéias desenvolvidas pelo proponente. sobretudo se estes propósitos não correspondem à preparação dos pesquisadores.Ao se preparar um projeto de pesquisa. . é sinal de que o autor tem idéias bem claras e precisas do que pretende fazer. mas a demonstrar vastos conhecimentos do autor. . não a fundamentar o projeto.

não linear. é conveniente que palavras pouco comuns. nem todos aqueles que deverão analisar o projeto são especialistas disciplinares. Daí à inovação. quantificar a magnitude do problema a resolver e justificá-lo bem. seria muito conveniente. à produção e comercialização de produtos ou processos desenvolvidos. explorar a demanda. a existência de um parceiro produtor potencial interessado. desde o princípio. Mesmo que. demonstrando a possibilidade de uma competente execução do projeto. experiência e tempo disponível dos pesquisadores no tipo de pesquisa proposta. dando. . Por outra parte. falta um longo e complexo caminho. pesquisa. marketing. produção. em uma pesquisa de tipo exploratório o primeiro passo seja a etapa de laboratório. isto é.Não se trata de exibir uma grande cultura mediante a utilização de uma linguagem excessivamente cientificista. Uma linguagem rebuscada dá ao leitor uma sensação de insegurança. A inovação é um processo. fornecedores. Atualmente não faz sentido desenvolver uma tecnologia só em escala de laboratório.Deve-se evitar repetições desnecessárias nas diferentes seções do projeto. é indispensável obter os dados sobre essas importações nos . engenharia. Por isso. entre as diferentes etapas e atores que nele participam: campo cultural/educacional. as possibilidades de escala e de engenharia. altamente interativo.31 . . muitas vezes compreensível só para o próprio autor. . . é necessário.No projeto deve ficar bem clara a qualificação.Examinemos o caso de projetos dirigidos à obtenção de uma nova tecnologia. maior credibilidade para o processo de avaliação e seleção. Cada disciplina tem sua linguagem específica. entre objetivos específicos e resultados). etc. Isto favoreceria grandemente a viabilidade presente e futura do projeto. ao mesmo tempo. financiadores. desenvolvimento tecnológico. Por exemplo. mas não se deve abusar desta questão.Em determinados projetos. desde seu início. salvo quando essenciais para mostrar a correspondência entre as partes de projeto (por exemplo. próprias de uma disciplina sejam definidas no texto do projeto para facilitar a compreensão. se há objetivo de desenvolver uma tecnologia para substituir importações.

Esses instrumentos são importantes para checar a coerência interna do projeto. engenheiros.32 últimos anos e seu valor econômico. Se for um projeto que visa contribuir para a redução do desemprego. Igualmente. . preparar diagramas e planilhas lógicas. os projetos de tipo aplicado requerem da participação de especialistas de variadas disciplinas: economistas. serão muito úteis como referência para o acompanhamento e avaliação do projeto. biólogos. Esta interdisciplinaridade deve ser considerada na montagem da equipe e nas formas de integração dos recursos humanos ao projeto. deve-se demonstrar quantitativamente este fenômeno e expressar a expectativa e impacto do projeto. é de grande importância que se tenha medidas previstas para contornar ou superar essas dificuldades.Riscos e dificuldades . . . e verificar a necessidade de ações relacionadas aos pressupostos e riscos. Além disso. educadores.Cada vez mais. na fase de elaboração do projeto. etc. revisar se todos os elementos essenciais estão considerados. .Uma boa prática é.é importante que no projeto seja identificado possíveis dificuldades e riscos potenciais que poderão interferir na execução das ações propostas e comprometer o alcance das metas e dos objetivos preconizados.

33 5. 4. Estrutura e metodologia . A pontuação levará em conta a titulação da equipe. Adequação com as linhas de pesquisa dos departamentos/Institutos e/ou Faculdades. Qualificação da equipe . 9. Peso 3 5 5 4 5 2 2 3 2 6 RESULTADO FINAL: ( ) Recomendado ( ) Não recomendado . Adequação do cronograma . 3. Adequação da equipe ao projeto . Resultados esperados e benefícios para a UNEMAT e sociedade mato-grossense. 7. 10. Mérito da proposta .o orçamento deve ser aquele necessário e suficiente para executar a pesquisa dentro do cronograma proposto.1.atualidade e coerência.o prazo previsto para a conclusão da pesquisa deverá permitir a obtenção dos resultados esperados.originalidade. Critérios de Avaliação de Projeto de Pesquisa pelo Consultor ad hoc Critérios para análise e julgamento de Mérito 1. 8. Efeito multiplicativo dos resultados esperados. 2. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS Com o propósito de contribuir para a melhoria da qualidade dos projetos submetidos ao apoio da UNEMAT. Grau de interdisciplinaridade e/ou multidisciplinaridade em face do objeto proposto. 5. na seleção para contratação e no julgamento final dos projetos. 5. relevância. metas e objetivos. 6. transcrevem-se a seguir os critérios que são usados na análise do mérito técnico-científico.experiência no tema (s) proposto (s) e tempo de dedicação ao projeto. Adequação ao orçamento .o coordenador e a equipe deverão apresentar formação apropriada para executar a pesquisa com a metodologia proposta.

Rio de Janeiro: 2001.. 2000. CIMADON. João Álvaro. 1993. Marília. BARRETO. . HONORATO. Roteiro sucinto para elaboração de um projeto de pesquisa. Baruffi. SANTOS. (s.ed. São Paulo: Pioneira. Rio de Janeiro: Vozes. Silvio Luiz de.. Luiz A. 3ª. Cezar Teixeira. 1999.ed. Urbano. NUNES. R. 1997.. Cáceres: PRPPG/Unemat. ------. Fazer Universidade: Uma Proposta Metodológica. (digitado). OLIVEIRA. São Paulo: Cortez. Sáenz. Módulo 1.34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT . Sérgio. Cleverson. PINO. SÁNCHEZ. Manual de Sobrevivência na Selva Acadêmica. FUNDEPE.ed. BECKER. Cipriano et al. Rio de Janeiro: Objeto direto. Tirso W. ARRUDA.ed. Monografia: orientações para sua elaboração. Metodologia Científica.trabalhos acadêmicos . BARUFFI. Maria Carlota de Souza.d). PAULA. FARINA.. OLIVEIRA. Aristides. KELLER. Apresentação de trabalhos escolares. Benedito de. Ivany Rodrigues. LUCKESI.ed. Roteiro para Elaboração de projetos e subprojetos. 2. Fernando. Alcyrus Pinto. Antonio Raimundo dos Santos. Rio de Janeiro: DP&A editora. 2000. Cáceres: 2002. (digitado). 9. 1997. (digitado). ------.ed. BASTOS. 1993.. Manual da Monografia Jurídica. São Paulo: Saraiva. 1999. SP: 1997. São Paulo: Atlas. Acompanhamento e Avaliação de Projetos em Ciências e Tecnologia. 2002. 1997. RUIZ. Vicente. Curso de Capacitação Científica. NBR 14724: Informações e documentação . Metodologia Científica: a construção do conhecimento. Maricilia Cardoso de. 3. 13. 2001. SCHEID. Helder. Tratado de Metodologia Científica. A Metodologia Científica e a Ciência do Direito. UnB: Brasília.ed. Aprendendo a aprender: Introdução à metodologia científica. 13.apresentação. Porto Alegre: multilivro. Dourados: H. 3ª.Associação Brasileira de Normas Técnicas.Como preparar um projeto de pesquisa: alguns conceitos básicos e sugestões. 1997.

Biblioteca Setorial. V. In: Cadernos de Sociologia. 1991. p. 2000.35 SANTOS.. A construção da viagem inversa: ensaio sobre investigação nas ciências sociais. 3.edª. Antonio Joaquim. n. Jan/Jul. 3. SEVERINO. José Vicente Tavares dos. Orientações para elaboração de dissertações e teses. Faculdade de Educação.. São Paulo: Cortez. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. 21. 55-88. Metodologia do Trabalho Científico. Porto Alegre: 2001. .

36 ANEXOS ESTRUTURA DO PROJETO DE PESQUISA Identificação Área/Linha de Pesquisa: Grupo de Pesquisa: Departamento: Campus Universitário: Faculdade/Instituto: Período de Execução: Titulo: Resumo (no máximo 300 palavras): Palavras chave (no mínimo 3. no máximo 5): Introdução: .

37 Objetivos Gerais: Objetivos Específicos: Justificativa: Hipóteses ou Questões Problemas: Materiais e Métodos: Referencial Teórico: .

Orçamento (conforme a planilha de ORÇAMENTO DETALHADO POR PESQUISA.38 Resultados Esperados: Cronograma de Atividades: Cronograma de Atividades: Atividades 1 1º semestre 2 3 4 5 6 7 2º semestre 8 9 10 11 12 Observações.xls): Referências Bibliográficas (conforme a ABNT): .

39 DESPESAS DE PESSOAL PROFESSOR/PESQUISADOR FONTE DE FINANCIAMENTO Titulação Nome E/I/V* Regime de Trabalho Subsídio Bruto Dedicação ao Projeto Valor da hora (R$) Valor total /mês (R$) UNEMAT (A) (B) SUB-TOTAL/MÊS SUB-TOTAL/ANO(I) Apoio Administrativo Nível Nome E/I/V* - SUB-TOTAL/MÊS SUB-TOTAL/ANO(II) BOLSISTAS Nome Valor de Bolsa Bruto (R$) Valor Total Mês (R$) - .

. I: Interino. clique e/ou selecione o(s) numero(s) de linha(s) na esquerda da planilha.40 SUB-TOTAL/MÊS SUB-TOTAL/ANO(III) - - TOTAL (I+II+III) - * E: Efetivo. V: Visitante ** Quando inserir as linhas. copiar e "inserir células copiadas".

41 DESLOCAMENTO Valor (R$) Passagens Quantidade Ida e Volta SUB-TOTAL(A) Meio de locomoção Unitário Total FONTE DE FINANCIAMENTO UNEMAT (A) (B) Ida Volta .

42 Valor (R$) Diárias Quantidade Tipo Unitário Total FONTE DE FINANCIAMENTO UNEMAT (A) (B) Titulação Nome do Professor SUB-TOTAL(b1) - Nível Nome do Funcionário SUB-TOTAL(b2) SUB-TOTAL(B=b1+b2) - .

A(Aéreo) e O(Outro) **Tipo de viagem: FE (Fora do Estado). DE(Dentro do Estado) e I(Internacional) "R$ 1.00= USD 2.43 TOTAL (A+B) *Meio de locomoção: T(Terrestre).90 .

44 MATERIAL DE CONSUMO Valor (R$) Descrição Quantidade Unitário Total TOTAL UNEMAT FONTE DE FINANCIAMENTO (A) (B) .

45 CONSULTORIA(PRÓ-LABORE) E DESPESA COM TERCEIROS(PESSOA FÍSICA) Valor (R$) Nome da Pessoa Física Orgão a que pertence Tipo de Trabalho Quantidade Unitário Total FONTE DE FINANCIAMENTO UNEMAT (A) (B) Titulação Nome - TOTAL - .

46 DESPESAS COM TERCEIROS(PESSOA JURÍDICA) Valor (R$) Descrição Quantidade Unitário Total TOTAL UNEMAT FONTE DE FINANCIAMENTO (A) (B) .

47 OBRAS E INSTALAÇÕES Valor (R$) Descrição Quantidade Unitário Total TOTAL UNEMAT FONTE DE FINANCIAMENTO (A) (B) .

48 MATERIAL PERMANENTE Valor (R$) Descrição Quantidade Unitário Total TOTAL UNEMAT FONTE DE FINANCIAMENTO (A) (B) .

Serviços de Terceiros e Pessoa Jurídica Sub-total (II) III. Material Permanente Sub-total (III) TOTAL PERCIAL (II+III) Total FONTE DE FINANCIAMENTO UNEMAT (A) (B) TOTAL GERAL (I+II+III) - . Despesas de Custeio (b) 2.Despesas de Pessoal Sub-total (I) II.49 DESPESAS TOTAL Valor (R$) Descrição I. Material de Consumo 4. Passagens e Diárias 3. Despesas de Custeio (a) 1. Pessoa Física 5. Despesas de Capital 6. Obras e Instalações 7.

DA IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: PERÍODO DE EXECUÇÃO DO PROJETO: INÍCIO: TÉRMINO: PERÍODO ABRANGIDO PELO RELATÓRIO INÍCIO: TÉRMINO: O PROJETO JA FOI PRORROGADO? SIM: NÃO: SE FOI PRORROGADO QUANTAS VEZES: SITUAÇÃO DO PROJETO: EM ANDAMENTO: PARALISADO: NOME DO GRUPO DE PESQUISA CADASTRADO NO DIRETÓRIO DO CNPq: LINHAS DE PESQUISA CONTEMPLADAS: (HOMOLOGADAS NO CONEPE): COORDENADOR (A): NOME: TITULAÇÃO: SITUAÇÃO FUNCIONAL: HORAS NO PROJETO: DEPARTAMENTO: CAMPUS: PROFESSORES ENVOLVIDOS: NOME: TITULAÇÃO: SITUAÇÃO FUNCIONAL: HORAS NO PROJETO: DEPARTAMENTO: CAMPUS: ASSESSORIA (SE HOUVER): NOME: TITULAÇÃO: INSTITUIÇÃO: *É obrigatória a apresentação do Relatório Semestral à CAAP. que aprova os critérios para avaliação das atividades e dos resultados das pesquisas realizadas pelos/as professores/as da Universidade do Estado de Mato Grosso -UNEMAT. conforme dispõe a Resolução 137/2003CONEPE.COODENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E PROJETOS DE PESQUISA * I . .50 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA REGISTRADOS NA CAAP .

1. quais os sujeitos envolvidos. -CASO AS ATIVIDADES NÃO TENHAM SIDO CONCLUIDAS. de espaço físico. INFORMAÇÃO .condições limites que foram vivenciadas (teóricos.3 .2. 2. financeiros. Neste momento o/a pesquisador/a explicita de forma sucinta aqueles fenômenos que têm relevância para a compreensão do processo e dos resultados da pesquisa. ATIVIDADES PROPOSTAS PARA O SEMESTRE: PERÍODO RELATADO: INÍCIO: ESPECIFICAR AS ATIVIDADES 1. quais parcerias foram efetivadas. ESPAÇO FÍSICO/EQUIPAMENTOS: c. quais os avanços conquistador (situações e condições limites superados). quais situações . OBSERVAÇÕES (SE NECESSÁRIAS): TÉRMINO: 2.51 HORAS DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO BOLSISTA (S): NOME: PROGRAMA: ORIENTADOR: II . 2. 3. É um colocar-se. MATERIAIS/FINANCEIROS: b. materiais. administrativos. 4. APONTE OS MOTIVOS: 2. explicitando o que foi realizado (objetivos específicos) e a forma (método) empregado. metodológicos. comunicacionais (informações).DIFICULDADES ENCONTRADAS E AVANÇOS CONQUISTADOS a.DO RELATO DA PESQUISA O Relato da Pesquisa é a descrição dos fatos que ocorreram no transcorrer da investigação do objeto.COMUNICAÇÃO: .

Evidencia e debate os objetivos.52 d. O Relatório de Pesquisa é o processo interpretativo da pesquisa. ADMINISTRATIVOS: e. os métodos. . DO RELATÓRIO DE PESQUISA.OUTRAS PUBLICAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS: 3.TIPO DE PUBLICAÇÃO: ARTIGO COMPLETO PUBLICADO EM PERÍODICO: TRABALHO COMPLETO PUBLICADO EM ANAIS DE EVENTO: TRABALHO RESUMIDO PUBLICADO EM EVENTO: 2. assim avançar na elaboração do conhecimento. os resultados e.6. HUMANOS: f.MEIO DE DIVULGAÇÃO: IMPRESSO: ORAL: MAGNÉTICO: PAINÉL: Onde Publicou: Quando Publicou: 2. . TÍTULO: AUTOR(ES): EVENTO: DATA: LOCAL: 2. os instrumentos de pesquisa. Esclarece e discute a metodologia de pesquisa empregada. Localiza o leitor de tal forma que este deverá ser capaz de compreender os caminhos percorridos no processo da pesquisa.8.7. TEÓRICO-METODOLÓGICO: 2. SUGESTÕES: 2. desenvolve e discute os conceitos.4. . as hipóteses ou os problemas da pesquisa.PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS/DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DA PEQUISA.5. . . É neste momento que o/a pesquisador/a faz a leitura criteriosa e crítica dos dados empíricos.

... A escrita ocorrerá no próprio processo da investigação.................OBSERVAÇÕES: PODERÁ SER ACRESCENTADO MATERIAL QUE A COORDENAÇÃO E EQUIPE ACHAR CONVENIENTE E NECESSÁRIO.................. LOCAL E DATA.................... os resultados e.. RELATÓRIO DE PESQUISA: 4 . O Relatório de Pesquisa torna-se um instrumento de avaliação da pesquisa que oferece informações e discussões teóricas (com referenciais substanciados) que deve estar pronto para a publicação....... assim avançar na elaboração do conhecimento.... qualificamos o fazimento da pesquisa. podemos orientar que ao terminar a pesquisa o/a pesquisador/a não irá se preocupar em escrever um artigo. Neste sentido..53 o leitor de tal forma que este deverá ser capaz de compreender os caminhos percorridos no processo da pesquisa...1.... mas de forma processual................. Os resultados preliminares são importantes e estes devem ser discutidos e apresentados para a comunidade acadêmica...... Desta forma 3.. ________________________________________ COORDENAÇÃO DO PROJETO ____________________________________________ CHEFE DE DEPARTAMENTO _____________________________________________ DIREÇÃO DO INSTITUTO/FACULDADE ______________________________________ PARECER DA CAAP/PRPPG .. não de forma conclusiva.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful