Você está na página 1de 7

Ficha de Avaliação Ano letivo 2016 - 2017

Biologia e Geologia – 10.º ano


______________________________________________________________________________

Grupo I

Os golfinhos da costa portuguesa

Investigadores da Universidade de Aveiro levaram a cabo um estudo sobre a concentração de


mercúrio no organismo dos golfinhos da nossa costa. As análises ao mercúrio, um metal pesado
altamente tóxico, centraram-se nos organismos de duas das espécies de golfinhos mais comuns
das águas nacionais: a roaz e o boto. No caso do roaz (Tursiops truncatus) verificaram-se dos
níveis mais elevados de mercúrio em águas costeiras europeias, com valores só excedidos por
animais analisados em águas do Mediterrâneo e do Adriático. Resultados similares, embora
relativamente menores, foram encontrados para o boto (Phocoena phocoena). Os investigadores
salientaram que a principal via de entrada do mercúrio e de outros poluentes químicos nos
golfinhos ocorre por ingestão e que algumas das presas principais destes golfinhos são espécies
comerciais importantes, pelo que representam alimento frequentemente ingerido pelos humanos.
O aumento da concentração de mercúrio nos ecossistemas marinhos poderá estar relacionado
com fenómenos naturais ligados a processos oceanográficos ou geotérmicos e com a ação do ser
humano, nomeadamente através da agricultura, da indústria, do tráfego marítimo ou da
exploração mineira.

Adaptado de https://uaonline.ua.pt/pub/detail.asp?c=47676&lg=pt [consultado em 3-10-2016]

1. Utilizando a chave seguinte, indique as interações implícitas em cada um dos fenómenos que
seguidamente se descrevem.

Chave
I. biosfera/geosfera III. biosfera/atmosfera V. geosfera/atmosfera
II. biosfera/hidrosfera IV. geosfera/hidrosfera VI. hidrosfera/atmosfera

A – Libertação de mercúrio em fonte hidrotermal localizada no fundo oceânico.


B – Excreção de urina por parte dos roazes.
C – Absorção de poluentes dissolvidos na água por parte das algas.
D – Aumento da humidade atmosférica nas zonas costeiras.
E – Dissolução do dióxido de carbono atmosférico.
F – Hematose pulmonar dos botos.
G – Transporte sedimentar para o estuário do rio Sado, onde pode ser encontrada uma
importante população de roazes corvineiros.

2. Da leitura do texto pode entender-se que os botos da costa portuguesa apresentam valores de
mercúrio mais
(A) baixos que os animais da mesma espécie encontrados em águas costeiras europeias.
(B) baixos que os roazes encontrados na costa portuguesa, mas superiores aos dos botos
encontrados em águas costeiras europeias.
(C) baixos que os dos outros golfinhos encontrados em águas costeiras europeias.
(D) altos que os dos roazes encontrados em águas costeiras europeias.

Página 1 de 7
3. Os diferentes elementos referidos no texto são dependentes uns dos outros, o que permite
afirmar que os diferentes subsistemas que integram são
(A) dinâmicos e abertos.
(B) imutáveis e fechados.
(C) dinâmicos e fechados.
(D) imutáveis e abertos.

4. O mercúrio é extraído do cinábrio, um mineral do grupo dos sulfuretos que pode ser
considerado um recurso
(A) renovável, tal como o petróleo e o carvão.
(B) renovável, tal como a água e o vento.
(C) não renovável, tal como a água e o vento.
(D) não renovável, tal como o petróleo e o carvão.

5. A água oceânica integra_____ a hidrosfera, da qual também fazem parte____.


(A) minoritariamente (…) os glaciares encontrados em zonas continentais.
(B) maioritariamente (…) as massas de ar húmido que se deslocam para as áreas continentais.
(C) minoritariamente (…) as massas de ar húmido que se deslocam para as áreas continentais.
(D) maioritariamente (…) os glaciares encontrados em zonas continentais.

6. A atmosfera, que se estende até cerca de 500 km de altitude, apresenta, no sentido ascendente
dessa extensão vertical,
(A) a mesma composição química.
(B) uma progressiva diminuição do valor da pressão.
(C) um progressivo aumento do valor da densidade.
(D) um aumento progressivo do valor da temperatura.

7. Tendo em conta a informação do texto, refira por que razão se pode considerar haver risco de
contaminação da população humana com mercúrio.

Página 2 de 7
Grupo II

O Inselberg de Monsanto

Um inselberg, também designado de “monte-ilha”, é um relevo residual que se destaca numa


superfície aplanada. O inselberg granítico de Monsanto (Idanha-a-Nova) eleva-se a mais de 300
metros de altitude e é litologicamente distinto da superfície de aplanação que o envolve. Nesta
superfície é possível encontrar xistos e grauvaques (rocha com origem sedimentar levemente
metamorfizada).
A instalação deste granito ocorreu durante a formação da cadeia montanhosa Varisca, há cerca
de 310 milhões de anos (era Paleozoica), aquando do arrefecimento de um magma rico em sílica.
Mais tarde, e como resultado da exposição a um clima tropical durante a era Mesozoica, terá
ocorrido uma alteração do granito em profundidade. Esta alteração será a consequência da
circulação de fluídos provenientes das águas das chuvas pelas fraturas existentes nas rochas.
Posteriormente, já na era Cenozoica, no período árido do Paleogénico e início do Neogénico, os
xistos e os grauvaques que envolviam o granito alteraram-se ainda mais rapidamente, o que levou
à remoção do manto de alteração e à exposição do relevo granítico. A partir dessa fase, os
granitos sofreram uma alteração química e física que conduziu à formação, ao longo dos tempos,
de blocos de tamanhos e configuração variados, caoticamente amontoados.

Adaptado de “Granitos de Monsanto – história da sua vida”, Naturtejo – Geo.Park e Carvalho, C. (2004). “O Parque
Geomorfológico de Monsanto através do seu percurso pedestre. As pedras para além do sagrado”. Geonovas.

A B

Figura 1. (A) Formação de um inselberg de Monsanto; (B) Esquema de evolução de superfícies de


aplanamento. Adaptado de Clamote, V. (2011). “O desnivelamento entre a superfície da Meseta e as superfícies
abatidas da Beira Baixa. Compreensão geomorfológica da sua evolução”. – Tese de Mestrado, FLUC.

1. Há cerca de 310 milhões de anos, o granito de Monsanto


(A) estaria sujeito à alteração pelos fluídos superficiais.
(B) ter-se-á formado próximo da superfície terrestre.
(C) aflorou à superfície terrestre.
(D) ter-se-á formado em profundidade.

Página 3 de 7
2. O granito de Monsanto constitui uma litologia _____, inserida num contexto geológico de
natureza _____.
(A) magmática (…) metamórfica
(B) metamórfica (…) magmática
(C) Intrusiva (…) extrusiva
(D) magmática (…) sedimentar

3. A semivida do urânio-235 em chumbo-207 é de, aproximadamente, 710 milhões de anos.


Cristais de zircão recolhidos no granito de Monsanto demonstram que a percentagem de
(A) urânio-235 é inferior à de chumbo-207.
(B) urânio-235 é semelhante à de chumbo-207.
(C) urânio-235 é superior à de chumbo-207.
(D) urânio-235, relativamente ao chumbo-207, é residual.

4. Relativamente ao granito de Monsanto, a disposição dos xistos e grauvaques _____ o


princípio da sobreposição, pois são litologias mais _____ que esta rocha.
(A) contraria (…) recentes
(B) contraria (…) antigas
(C) não contraria (…) recentes
(D) não contraria (…) antigas

5. No segundo parágrafo do texto, as expressões “os xistos e grauvaques que envolviam o


granito alteraram-se ainda mais rapidamente” e “ levou à remoção do manto de alteração”
referem-se, respetivamente, a
(A) meteorização e erosão.
(B) erosão e meteorização.
(C) meteorização e transporte.
(D) erosão e transporte.

6. Quando comparado com um basalto da ilha de Porto Santo, o granito de Monsanto apresenta
minerais de _____ tamanho, devido a um arrefecimento mais _____ do magma.
(A) menor (…) lento
(B) maior (…) rápido
(C) maior (…) lento
(D) menor (…) rápido

7. O último período do texto refere processos que podem ser associados à


(A) deposição.
(B) diagénese.
(C) consolidação.
(D) sedimentogénese.

8. As rochas metamórficas têm a sua génese frequentemente associada a agentes de


geodinâmica
(A) interna atuando a temperaturas inferiores às do ponto de fusão das rochas.
(B) interna atuando a temperaturas superiores às do ponto de fusão das rochas.
(C) externa atuando a temperaturas inferiores às do ponto de fusão das rochas.
(D) externa atuando a temperaturas superiores às do ponto de fusão das rochas.

Página 4 de 7
9. O clima tropical existente na zona onde atualmente se localiza o inselberg de Monsanto
sugere que, durante o Mesozoico e o Cenozoico terá ocorrido uma
(A) aproximação dessa zona ao continente sul-americano.
(B) aproximação dessa zona ao continente norte-americano.
(C) migração dessa zona para regiões mais afastadas do equador.
(D) migração dessa zona para regiões mais próximas do equador.

10. Numa perspetiva_____, o desmantelamento _____ da cadeia montanhosa Varisca, durante a


era Mesozoica, ocorreu após a instalação do plutonito granítico de Monsanto.
(A) catastrofista (…) lento e gradual
(B) catastrofista (…) repentino
(C) uniformitarista (…) lento e gradual
(D) uniformitarista (…) repentino

11. Faça corresponder cada um dos processos de formação de rochas sedimentares, expressos
na coluna A, à respetiva designação, que consta da coluna B.

Coluna A Coluna B
a. Fenómeno que ocorre quando a ação dos agentes de erosão
1. Transporte
e de transporte se anula ou é muito fraca.
2. Diagénese
b. Transformação dos sedimentos móveis em rochas
3. Erosão
sedimentares consolidadas, por via física e/ou química.
4. Meteorização
c. Movimentação dos materiais erodidos por ação da água e do
5. Sedimentação
vento.

12. Utilizando os termos da coluna B da pergunta anterior, descreva uma sequência cronológica
de acontecimentos relacionados com os processos de formação das rochas sedimentares
detríticas.

13. Explique em que medida o encaixe fluvial da figura 1A terá contribuído para a uma exposição
subaérea mais rápida do plutonito granítico.

Página 5 de 7
Grupo III

Os dinossáurios da serra de Aire

No extremo oriental da serra de Aire, na povoação de Bairro, em pleno Parque Natural das Serras
de Aire e Candeeiros, existe um importante registo fóssil do período Jurássico (era Mesozoica).
Pegadas de dinossáurios saurópodes encontram-se expostas numa laje calcária, conservadas ao
longo dos últimos 175 milhões de anos.
No período Jurássico, durante a separação da grande massa continental – Pangeia –, o clima da
Terra era mais quente. Existiam extensos mares pouco profundos e a vida era abundante. No
espaço atualmente ocupado por Portugal, existiam regiões típicas de climas tropicais (quentes e
húmidos) com densas e luxuriantes florestas.
Esta vegetação permitiu a proliferação de dinossáurios herbívoros, como os saurópodes. Os
saurópodes eram animais possantes, quadrúpedes, de cabeça pequena, cauda e pescoço
compridos. A cauda favoreceria, possivelmente, na defesa contra os predadores; o pescoço, tal
como a cauda, ajudaria ainda estes animais a manterem o equilíbrio, permitindo-lhes chegar à
vegetação mais alta e torná-los mais competitivos em relação a animais de menor porte. Ao
deslocarem-se, estes animais terão deixado as suas pegadas em camadas finas de lama calcária
existente nas lagunas marinhas de baixa profundidade, que, após secar, foram soterradas por
sedimentos calcários, acabando por originar rochas coesas.
Passados cerca de 175 milhões de anos, os trabalhos de exploração numa pedreira permitiram
colocar a descoberto os vários trilhos de saurópodes visíveis atualmente na laje calcária.

Adaptado de “Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios da Serra de Aire”,


http://www.pegadasdedinossaurios.org [consultado em setembro de 2016].

1. Denomine as camadas rochosas formadas a partir da alternância de sedimentos de diferentes


naturezas.

2. A laje calcária com pegadas de saurópodes é exemplo de uma


(A) rocha magmática vulcânica.
(B) rocha sedimentar.
(C) rocha magmática plutónica.
(D) rocha metamórfica.

3. As pegadas de saurópodes em afloramento


(A) correspondem a vestígios de seres vivos com representação atual.
(B) permitem determinar a idade absoluta de rochas suprajacentes a estes fósseis.
(C) são posteriores à formação das rochas em que surgem.
(D) permitem deduzir a idade relativa de rochas subjacentes a estes fósseis.

4. Na caracterização dos icnofósseis, como as pegadas de saurópodes, assumem particular


importância a forma e as dimensões da marca, bem como o grau de profundidade que
atingem. Estes aspetos permitem inferir, respetivamente o
(A) seu grau de desenvolvimento, o seu sexo e o seu peso.
(B) seu grau de desenvolvimento, o seu peso e o grupo a que pertence o animal.
(C) grupo a que pertence o animal, o seu grau de desenvolvimento e o seu peso.
(D) grupo a que pertence o animal, a sua alimentação e o seu sexo.

Página 6 de 7
5. A preservação das pegadas de dinossáurios é imprescindível, dado que os agentes da
geodinâmica externa
(A) atuam rápida e impercetivelmente sobre as rochas calcárias.
(B) são normalmente catastróficos sobre rochas calcárias.
(C) atuam lenta e gradualmente sobre as rochas calcárias.
(D) podem desencadear fenómenos diagenéticos intensos no local.

6. Estudos efetuados em rochas do período Jurássico demonstram que as regiões atualmente


ocupadas por Portugal se situavam em latitudes _____ do equador, factos que _____
pressupostos de cariz mobilista.
(A) mais distantes (…) apoiam
(B) mais próximas (…) apoiam
(C) mais distantes (…) não apoiam
(D) mais próximas (…) não apoiam

7. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica de alguns


acontecimentos prováveis que levaram à formação e descoberta do registo fóssil existente no
extremo oriental da serra de Aire.

A – Manadas de saurópodes deslocam-se pelas lagunas marinhas de baixa profundidade.


B – Formação de calcários.
C – Início da exploração da pedreira.
D – Descoberta dos fósseis por remoção de uma laje calcária.
E – Precipitação do carbonato de cálcio com formação de lama calcária.

8. Faça corresponder cada uma das frases expressas na coluna A à respetiva designação, que
consta da coluna B.

Coluna A Coluna B
a. Situam-se em locais onde é gerada nova crosta oceânica.
1. Placa litosférica
b. Estrutura que se desenvolve perpendicularmente às dorsais
2. Impacto meteorítico
oceânicas e ao longo da qual ocorrem movimentos de
3. Limite convergente
deslizamento lateral.
4. Falha transformante
c. Situam-se em regiões em que ocorre a subducção de uma
5. Limite divergente
placa oceânica sob uma placa continental.

9. No final da era Mesozoica ocorreu uma extinção em massa que culminou com o
desaparecimento de muitas espécies, nas quais se incluem os dinossáurios.
Aponte dois contributos da geocronologia na definição deste importante momento na História
da Terra, tendo como base o estudo de rochas magmáticas e rochas sedimentares
fossilíferas.

FIM

Página 7 de 7