Prefácio

Este

método

pretende

mostrar

caminhos

para

ajudar

no

desenvolvimento da percepção musical do aluno iniciante de piano. Para isso, serão aplicados diversos exercícios, com diferentes ritmos, intervalos e harmonias, que deverão ser trabalhados através da indicação do professor, de acordo com as necessidades de cada aluno, complementando a sua formação. Qualquer método ou pequena peça pode ser utilizado também como auxiliar no desenvolvimento da percepção dos alunos, se

aplicados com esse intuito, aqui temos apenas uma pequena amostra e sugestões do que pode ser feito. Portanto, sugerimos que outros métodos sejam aplicados em conjunto a este, que também desenvolvam a técnica e o repertório do estudante de piano.

3

CAPÍTULO 1

Ritmo
De acordo com o Dicionário Grove de música, o ritmo é um dos três elementos básicos da música (ao lado de harmonia e melodia) e um de seus elementos fundamentais pois a música é algo que só pode existir no tempo. O ritmo afeta a melodia e a harmonia, além de desempenhar papéis em questões como textura, timbre e ornamentação.

Neste quadro, aparecem as figuras rítmicas mais comuns e seus respectivos valores : a semibreve, a mínima, a semínima, a colcheia, a semicolcheia e suas respectivas pausas, sendo a semibreve a mais longa e a semicolcheia a mais curta.
4

Cada figura vale a metade do valor de tempo da figura anterior, e, consequentemente, o dobro do valor de tempo da figura posterior. Portanto, podemos definir a proporção entre as figuras: em qualquer fórmula de compasso, a semibreve é a figura mais longa, como a mínima vale a metade do valor da semibreve, são necessárias duas mínimas para ocupar o mesmo espaço de tempo de uma semibreve; o mesmo espaço de tempo pode ser ocupado por quatro semínimas, ou p or oito colcheias, ou por dezesseis semicolcheias, o que pode ser melhor visualizado no próximo quadro.

5

EXERCÍCIOS

Observações:

1 ± Contar a unidade de compasso em voz alta pode ser uma boa alternativa para manter a pulsação. 2 ± Bater o pé também é um bom apoio, mas que deve ser retirado o quanto antes. 3 ± O uso do metrônomo deve ser evitado ao máximo nesta primeira etapa, pois o seu uso exagerado pode trazer dificuldades posteriores na formação da pulsação interna do aluno.

Exercícios com Semibreve

6

Exercícios com mínimas

7

Exercícios semínimas

8

Exercícios com semibreves, mínimas e semínimas

9

A nota pontuada

Um ponto colocado à direita das notas ou das pausas aumenta metade do seu valor. Por exemplo: Uma mínima com ponto de aumento passa a valer 3 tempos. O ponto de aumento pode ser usado nas pausas com o mesmo efeito.

Exercícios com notas pontuadas

10

11

Exercícios com colcheias

12

13

Síncope

A síncope ocorre quando uma nota de um compasso anterior é prolongada até o tempo forte do próximo compasso.

Exercícios com síncope

14

Quiálteras A mais comum das quiálteras é a tercina, quando três notas são executadas no tempo de duas.

Exercícios com tercinas

15

Polirritmia É a superposição de diferentes ritmos ou métricas.

16

CAPÍTULO II

Melodia
³Uma série de notas musicais dispostas em sucessão, num determinado padrão rítmico, para formar uma unidade identificável´. A melodia estará sempre ligada a um ritmo, sendo a parte da música mais associada às emoções. Uma melodia é constituída por diversos intervalos, sendo que um intervalo é a distância entre duas alturas, descendentes ou ascendentes.

17

EXERCÍCIOS

1 - Explorar o teclado do piano, conhecer seu timbre, os sons mais graves e agudos, diferentes intensidades de toque. Depois que o aluno já conheceu por si o instrumento, u ma sugestão é tocar diferentes notas para que ele identifique as mais graves e agudas, primeiro com grandes distâncias, depois distâncias menores, o que é mais difícil.

2 ± Ao tocar escalas, pensar nelas como se fossem pequenas melodias, em seus intervalos e, de preferência, solfejar suas notas, primeiro com o apoio do instrumento durante toda a escala e depois sem o instrumento. O mesmo procedimento pode ser feito com a melodia de todos os exercícios já propostos nas atividades de ritmo e demais peças do estudante.

3 ± Tentar ³tirar´ pequenas melodias ³de ouvido´. Primeiro com o auxílio do instrumento, ir ³procurando´ as notas no teclado.

4

±

Transpor

essas

melodias

para

outras

tonalidades,

também

³procurando´ o som.

5 ± Procurar os intervalos em outras peças estudadas.

18

Sugestões de melodias para ditado melódico e transposição

19

20

21

22

23

24

25

26

INTERVALOS HARMÔNICOS

É aquele no qual as notas são tocadas simultaneamente, formando uma harmonia. A classificação dos intervalos harmônicos é a mesma dos intervalos melódicos , porém sua identificação um pouco mais difícil.

EXERCÍCIOS

Identifique os intervalos harmônicos e suas classificações nas seguintes melodias:

27

28

29

30

31

Lista de exercícios

Aqui você encontra de que método foi tirado cada exercício e em que página se encontra neste método.

Capítulo 1

Beethoven y Trecho da Sonata Op 2 N 1 (p. 16)

Leila Fletcher Adult ± Vol I (Leila Fletcher) y y y y Old Round (p.8) Softly Now the Light of Day (p. 9) Scarborough Fair (p. 11) Galop (p. 12)

Método Infantil para Piano ± Francisco Russo y y y y Exercício n 2 (p. 7) Exercício n 3 (p. 6) Exercício n 14 (p. 13) Exercício n 29 (p. 13)

Mikrokosmos ± Vol I (Béla Bartók) y Exercício n 1 (p. 7)
32

y y y

Exercício n 2 (p. 8) Exercício n 9 (p.14) Exercício n 28 (p. 10)

Pequenas Peças ± Burgmüller y Trecho inicial de Limpido Ruscello (p. 15)

Capítulo 2

As sugestões de melodia relacionadas a cada intervalo foram todas retiradas do livro Canto, uma consciência melódica ± os intervalos através dos vocalizes, de Tutti Baê.

Intervalos Harmônicos Leila Fletcher Adult - Vol. I e II (Leila Fletcher) y y y y Study in Double Notes (p. 28) Gypsy Dance (p. 28) Aura Lee (p. 29) Carry me back to old virginy (p. 30)

Método Infantil para piano (Francisco Russo) y Exercício 5 (p. 28)

Mikrokosmos ± Vol I (Béla Bartók) y Exercício 20 (p. 27)

33

Referências bibliográficas

COPLAND, Aaron. Como ouvir e entender música. Rio de Janeiro: Artenova, 1974. GRATIA, L. E. Répertoire pratique du pianiste. Paris: Librairie Delagrave, 1931. HINDEMITH, Paul. Treinamento elementar para músicos. São Paulo: Ricordi, 2004. IVANCKO, Lucy. Nova iniciação pianístico-musical. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 1956. MED, Bohumil. Ritmo. Brasília: Musimed, 1986. POZZOLI. Guia teórico-prático. São Paulo: Ricordi, 1983. SADIE, Stanley (org.).Dicionário Grove de Música. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

34

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful