Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA


FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE PEDAGOGIA

Anderleia Regina Violato Angelini, Maria Imaculada Goncalves de Abreu, Tahisa


Fernandes Dos Santos, Taináh da Silva Moraes, Thais Oliveira de Souza, Vania
Aparecida de Castro

A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE


DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

RESUMO

Admitir a importância da literatura infantil no processo de desenvolvimento da criança


ganha maior importância ainda, quando parte-se da certeza de que é nessa fase da
vida que a maioria dos hábitos do indivíduo se formam. A partir do hábito da leitura,
do contato recorrente com a literatura infantil a criança se tornará criativa e
desenvolverá capacidades como: imaginação, além de manifestar novas emoções e
sentimentos e começará a aprender a lidar com todos esses fatores tão novos para ela.
Desde cedo á criança deverá se habituar a leitura como uma prática prazerosa e não
uma chatice ou obrigação. É importante ainda que os professores expliquem aos pais a
importância da leitura para o desenvolvimento cognitivo e saudável da criança, para
que este se torne um trabalho conjunto e a criança carregue consigo o hábito da leitura
por toda a vida.

PALAVRAS-CHAVE: literatura infantil. Desenvolvimento. Criança.


Linguagem.
2

1 INTRODUÇÃO

Este artigo tem como tema a Literatura infantil no processo de


desenvolvimento da criança.
Sabe-se que a leitura seja ela de diversas formas é um grande atrativo
às crianças e tem conquistado grande espaço nas escolas brasileiras,
despertando a curiosidade dos alunos de diferentes faixas etárias.
A partir de um trabalho efetivo por parte do professor, a criança começa
um processo gradual de curiosidade em explorar e dar novos significados as
histórias apresentadas.
Dessa maneira, esta pesquisa se justifica, já que infelizmente algumas
escolas ainda não possuem o hábito colocarem a leitura como ferramenta que
propicie o processo ensino aprendizagem do educando e é por isso que a
literatura infantil vem para contribuir inicialmente para a mudança da prática
pedagógica e por conseguinte e para a formação no desenvolvimento da
criança.
A questão que move esta pesquisa é investigar as contribuições que a
literatura infantil pode trazer para o processo ensino aprendizagem, bem como
as questões que devem ser levadas em consideração para que esta ferramenta
seja utilizada de forma significativa em sala de aula.
A metodologia a ser utilizada é a pesquisa bibliográfica em textos
consagrados da literatura da área pesquisada.
Serão utilizados autores como Machado (2002), Paiva e Oliveira (2010),
Pahl (2008) e Simões (2000) com o propósito de analisar a importância da
literatura infantil e as influencias no processo de desenvolvimento do aluno.
3
2 DESENVOLVIMENTO

Ler é bom prazeroso e viver um pouco de sonhos, viajar através da


leitura tem um ponto significativo, e que existe sim um bom livro para todos os
gostos e idade basta acreditar e procurar a literatura infantil tem métodos que
pais em geral e professores, tenham um contato harmonioso com leitura e que
cresçam com dignidade e instruídos para um futuro melhor na vida social dos
indivíduos.
Durante muito tempo a literatura infantil, principalmente através dos
contos de fadas tinham objetivos principalmente moralizantes, onde boas
maneiras eram ensinadas através de histórias de fadas, príncipes, princesas e
animais, que se fugissem à algumas regras eram punidos.
Essas histórias apresentavam aos alunos padrões de
comportamento esperados por determinadas sociedades, garantindo assim
uma padronização de pensamentos, hábitos e valores do educando.
Porém, sabe-se que a literatura infantil vai além desta visão e é
ferramenta de grande importância no processo de desenvolvimento do aluno.
A literatura infantil principalmente através das histórias provoca o
entusiasmo das crianças, todos gostam de histórias, não há um aluno que não
resista a uma história bem contada com riquezas de detalhes.
Através da literatura infantil, a criança é levada a desenvolver a sua
imaginação, suas emoções e sentimentos através de uma atividade prazerosa,
tornando sua capacidade de imaginar tão intensa.

Os contos infantis possibilitam o despertar de diferentes


emoções e a ampliação de visões de mundo do leitor infantil. E
nesse encontro com a fantasia, a criança entra em contato com
seu mundo interior, dialoga com seus sentimentos mais
secretos, confronta seus medos e desejos escondidos, supera
seus conflitos e alcança equilíbrio necessário para seu
crescimento. “O espírito da criança precisa do drama, da
movimentação das personagens, da soma das experiências
populares e tudo isso dito por meio das mais elevadas formas
de expressão e com inegável elevação de pensamento”. SOSA
(1978, p. 19 apud PAIVA E OLIVEIRA, 2010, p. 22-36)

Desde antes de se aprender a ler e escrever a criança já é capaz de


imaginar, criar e formular hipóteses sobre as histórias que estão sendo
contadas, por isso torna-se necessária a introdução da literatura infantil na vida
da criança desde bebê através da voz que acalenta inicialmente dos pais a
4
futuramente dos professores, das canções de ninar, cantigas de roda até se
chegar as narrativas obedecendo à faixa etária do aluno.

A questão a ser tratada diz respeito à atividades de leitura em sala de


aula e por toda escola, as crianças tem curiosidade por leitura ainda na faixa
etária de 2 anos em diante pede para repetir a história para os pais ou
professores quando aguçam a sua curiosidade é por isso que devemos
incorporar está rotina na escola em sala de aula, há também, aquelas
literaturas que são contadas a través de gestos e assim a criança aprende a ler
os livros pelas figuras e desenhos aplicados nele e nisso saber o significado de
cada história contada em várias formas, a criança nessa fase ela nunca
esquece o tal do porquê.

Quando maiores, de acordo com a interação com outras pessoas e


com contato com a linguagem escrita, as histórias começam a apresentar um
caráter mais significativo para o aluno, já que o mesmo será capaz de codificar
e decodificar os elementos que estão sendo apresentados naquela narrativa.

Embora se saiba que a introdução da literatura infantil exerça um


papel fundamental no processo de desenvolvimento do aluno há de se levar
em consideração algumas questões para que essa ferramenta possa
proporcionar uma aprendizagem significativa.
Inicialmente é necessário se analisar as características da faixa
etária com a qual o professor está trabalhando neste momento, observando
suas necessidades, interesses, potencial crítico, poder de pensar, de criar e de
questionar.
Ao conhecer seu aluno, o professor poderá passar para uma
próxima etapa que é a escolha das histórias a serem trabalhadas que vão
atender as necessidades e interesses de seus alunos.
É importante nesta etapa valorizar não só a linguagem escrita mas
também as imagens e outras ferramentas que a história carrega consigo, já
que uma vez que o aluno manuseie um livro rico nessas características com
certeza vai ter a sua curiosidade aguçada e seu interesse vai ser muito maior
em desvendar a mensagem que a história pretende transmitir.
A criança é criativa e precisa de matéria-prima sadia e com
beleza, para organizar se “mundo mágico”, seu universo
possível, onde ela é dona absoluta: constrói e destrói. Constrói
e cria, realizando tudo o que ela deseja. A imaginação bem
motivada é uma fonte de libertação, com riqueza. É uma forma
5
de conquista de liberdade, que produzirá bons frutos, coo a
terra agreste, que se aduba e enriquece, produz frutos
sazonados. CARVALHO (1989, p.21 apud PAIVA E OLIVEIRA,
2010, p. 22-36).

Um ambiente propício deve ser preparado pelo professor para a


conotação de histórias para que o aluno se sinta aconchegado, por isso sentar
em círculo, em tapetes ou almofadas podem auxiliar bastante neste processo.
Canções sobre o assunto a ser apresentado na história podem ser
usadas como forma não só de introdução, como de interação, desenvolvimento
da oralidade, entre outros.
Sabe-se também que a forma de contar essas histórias faz toda a
diferença no processo de conotação de histórias e o professor deve demonstrar
uma postura que incentive no aluno o gosto em ouvir aquela história trazendo
alegria e satisfação.
Segundo Simões (2014):
Apesar de ser importante que as histórias sejam vivenciadas
pelas crianças, especialmente as mais novas, de diversas
maneiras (contar histórias sem ler, representá-las em
dramatizações, assisti-las em filmes e projeções, etc.), nos
momentos de leitura, o educador deve sempre procurar ser
literal e dar certo caráter interpretativo a sua leitura, usando
variações de entonação (inclusive para caracterizar a
prosódia), de forma clara e agradável. Reduzir ou modificar o
texto escrito, transformando-o em linguagem coloquial, priva a
criança de experimentar e perceber auditivamente as
características que a linguagem escrita carrega (que diferem da
linguagem oral).

Há necessidade de mudanças no sentido de literatura em sala de aula é


muito bom, antigamente em sala de aula existia literatura que crianças a partir
da 3ª série do ensino fundamental já tinham que ler livros tipo serie-vagalume
entre outros e responder o cartão resposta e porque não adotarmos de novo
sem sacrifício esses livros para nossas crianças/alunos e contribuindo para o
desenvolvimento educacional e auxiliar na aprendizagem e no processo
educacional e social. Não se deve usar só a literatura como aprendizado é uma
melhoria, mas há outros métodos de aprendizado mais significativo,
no processo ensino aprendizagem, mas é uma ponte que auxilia na melhoria
de resultados por parte dos educadores interessados em promover mudanças.
Sabemos que a necessidade de transmitir ideias e conhecimentos é através de
culturas herdadas ao longo dos anos de seus ancestrais, então a literatura tem
que instruir, educar, tornar prazeroso ato de ler a criança vive de sonhos e
6
magias pra trazer para futuro bons frutos e um mundo mágico de sonhos na
realidade em que vivem.
A Educação brasileira ainda vem caminhando de forma precária em
relação a outros países, por isso há muito que ser feito e existe muita
necessidade de se mudar a prática pedagógica; e nisso a literatura vem para
contribuir em formação no desenvolvimento da criança. , na Educação Infantil e
na educação familiar e comunidade para que futuramente o Brasil esteja mais
avançado e competitivo com outros países, mas não basta ensinar nossa
sociedade ter gosto pela literatura é apenas uma melhoria de um aprendizado
pelos nossos educadores e modificar os interesses pela literatura. A questão
que move esta pesquisa é investigar como interagir a criança na literatura em
sala de aula.

É um espaço que a criança tem entre o consciente e o inconsciente, e


que a criança tem muitos movimentos e que garante o equilíbrio. Na sua
atividade diária, a criança tem contato com o real e o imaginário e com outras
fantasias na leitura, ao mesmo tempo, sua imaginação se desenvolve, pois ela
toma consciência de seus limites, vive conflitos, experimenta emoções
contraditórias e tem muitas dúvidas que não consegue esclarecer. Para tentar
resolvê-las e dominar suas angústias, impulsionada por sua curiosidade, ela
procura sonhar, imaginar a criança deve conseguir alimentar seu imaginário e
saber expressar desenvolver a função simbólica por meio de textos, imagens e
sons é uma forma de sustentá-lo na sua imaginação criada pela criança.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
7
A criança precisa desenvolver inúmeras habilidades, que se completam e se tornarão
base para uma vida de aprendizados. A literatura infantil carrega consigo inúmeras
possibilidades de enriquecimento cultural e proporciona desenvolvimento único na vida
de uma criança. É extremamente necessário que seja oferecido às crianças já desde
muito cedo, contato com o livro de literatura infantil, leia-se a citação a seguir.

Segundo Coelho, Betty (1991), a criança com 3 a 6 anos encontra-se na fase mágica,
fase marcada pelo interesse, pelo faz-de-conta e expectativas de que tudo se resolve a
partir de toques mágicos. Este é um período em que a criança solicita o “conte outra
vez”, o tempo das repetições e interesse por histórias de fadas, pelo elemento
maravilhoso que possui.
Através da leitura a criança desenvolverá sua capacidade de atenção e a percepção e
criatividade serão fortemente trabalhadas, além da habilidade para resolução de
problemas começa a ser desenvolvida. Todos esses são elementos fundamentais na
formação pessoal e social da criança. Além é claro da possibilidade de contato com uma
realidade totalmente diferente da sua.

A literatura infantil, jamais poderá ser entendida e acreditada como dispensável, pois
toda a fantasia que é peculiar nesse tipo de literatura é essencial ao desenvolvimento da
criança. Assim a literatura infantil apresenta uma função social, no crescimento e
enriquecimento da vida da criança. A literatura infantil está diretamente ligada a contar
de histórias. Processo que completa a leitura realizada pela criança e que deve ser feita
para a criança, mesmo que ela ainda não saiba ler.

A partir de todas as informações explicitadas no presente trabalho, considera-se que é


imprescindível suscitar já desde muito cedo nas crianças e hábito e o interesse pela
leitura, sendo assim um processo constante ao longo de toda a vida do indivíduo.

A atmosfera literária, o ambiente de leitura e a vivência nesse ambiente, influenciam o


interesse pela leitura e assim este se solidifica. Sendo assim a criança que houve
histórias e vivencia a leitura desde muito cedo, tem contato com livros e tem essa
vivência estimulada constantemente, terá desenvolvimento mais fácil; a máxima se
afirma ao analisar por exemplo o vocabulário de uma criança com hábito de leitura e
uma sem a mesma prática.

Deve ser um trabalho em conjunto, assim o professor deverá informar aos pais a
necessidade desse ambiente literário para o desenvolvimento da criança. O livro trará
prazer e inúmeros conhecimentos à criança; assim ao decorrer do tempo, a própria
8
criança demonstrará interesse em buscar a leitura, pois isso lhe fará bem e o
aprendizado constante lhe fará crescer cada vez mais.
9
REFERÊNCIAS

MACHADO, Sonia Porto. Sobre Fantasia e os Contos de Fadas. Novo


Hamburgo, RS: Revista Liberato, vol.3, nº3, 2002. Disponível em:
< http://www.liberato.com.br/upload/arquivos/0131010716060516.pdf> Acesso
em: 04 fev. 2014.

PAIVA, Silvia C. F. & OLIVEIRA, Ana A. A Literatura Infantil no processo de


formação do leitor. Cadernos da Pedagogia. São Carlos, Ano 4 v. 4 n. 7, p.
22-36, jan -jun. 2010 .ISSN: 1982-4440 Disponível em:
<http://www.cadernosdapedagogia.ufscar.br/index.php/cp/article/viewFile/175/1
01> Acesso em: 04 fev. 2014.

PAHL, Tatiana G. A importância da literatura infantil para o


desenvolvimento da criança. Itajaí, SC, 2008. Disponível
em: <http://www4.ifes.com.br/biblioteca/repbib/000000/000000E0.pdf> Acesso
em: 04 fev. 2014.

SIMÕES, Vera Lucia Blanc. Histórias infantis e aquisição de escrita. São


Paulo Perspec. vol.14 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2000. Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
88392000000100004&lng=en&nrm=iso> Acesso em: 15 jul. 2014.