Você está na página 1de 47

TRANSFORMADORES

PROF. José Batista


Regulação de Tensão
 A maioria das cargas ligadas ao secundário de um transformador é
projetada para operar com tensão essencialmente constante. No entanto, à
medida que elas crescem, a tensão nos terminais do transformador varia
devido à queda de tensão na sua impedância interna. Considere a figura 1,
onde o transformador é representado por uma impedância série Zt (o
ramo de excitação foi desprezado) e pode ser ligado a uma carga através
de uma chave S.

E 2  V2  Z 2 I2
V2
E 2  V2  R2  X 2 I2
Regulação de Tensão
 Para se quantificar este efeito de variação da tensão terminal com a carga,
define-se a “Regulação de Tensão” do transformador como a variação da
magnitude da tensão secundária quando a carga varia da condição a vazio
“(NL)“ para uma dada condição de carga, expressa por
Regulação de Tensão
Regulação de Tensão
Regulação de Tensão
A forca eletromotriz induzida no enrolamento secundário de certo
transformador sob carga nominal é 250V. Considerando que a sua regulação
de tensão e 4%, calcule a tensão em situação a vazio:
Regulação de Tensão
Um transformador de 15 kVA e 2300/230 V deve ser testado para determinar
os componentes do ramo de excitação, as impedâncias em série e a sua
regulação de tensão. Os seguintes dados foram obtidos durante os ensaios
com o transformador:

Calcule a regulação de tensão e realize o gráfico a plena carga para o fator de


potência de 0,8 atrasado, o fator de potência 1,0 e o fator de potência 0,8
adiantado.
Perdas ensaio a vazio

Baixa tensão
Perdas em ensaio de curto-circuito

Alta tensão
Rendimento do Transformador
 É a eficiência da transformação entre a potência de entrada (Pe) e a potência
de saída do transformador (Os).

𝑃𝑠 𝑃𝑠
𝑛% = =
𝑃𝑒 𝑃𝑠𝑎𝑖𝑑𝑎 + 𝑃𝑐𝑢 + 𝑃𝑛 + 𝑃𝑠
 Perdas no cobre (Pcu) — São perdas variáveis no transformador provocadas
pela passagem da corrente elétrica nos enrolamentos primário e secundário,
enrolamentos estes de determinada resistência
 Perdas no núcleo (Pn) — As perdas no núcleo ou no ferro estão relacionadas a
passagem do fluxo magnético no núcleo de um transformador. Elas podem
ser divididas em dois tipos: perdas por correntes parasitas e perdas por
histerese.
 Perdas Suplementares(Ps) — As perdas suplementares são compostas
essencialmente pelas perdas dielétricas no isolamento das bobinas de alta e
baixa tensão e pelas perdas por histerese e correntes parasitas na estrutura
metálica de suporte das chapas do núcleo do transformador. As perdas
suplementares são perdas difíceis de serem calculadas, estima-se que elas
correspondem de 15 a 20% das perdas no núcleo.
Rendimento do Transformador
 Definição:

 É a eficiência da transformação entre a potência de entrada e a potência


de saída do transformador.

𝑃𝑠 𝑃𝑠
𝑛% = =
𝑃𝑒 𝑃𝑠 + 𝑃𝑐𝑢 + 𝑃𝑛 + 𝑃𝑠

𝑃𝑠 = 0,2. Pn
Rendimento máximo do Transformador
 O rendimento em plena carga de um transformador
com um fator de carga unitário é aproximadamente 98
por cento. Por outras palavras, as perdas em plena
carga são aproximadamente 2% da potência nominal.
Além disso, o transformador é projetado para o
rendimento máximo, isto é, as condições de corrente e
tensão nominais ( potência nominal ), as perdas no
cobre em plena carga serão aproximadas igual perdas
no núcleo.

𝑃𝑐𝑢 = 𝑃𝑛
Rendimento do Transformador
Rendimento do Transformador
Rendimento do Transformador
Rendimento do Transformador
Rendimento do Transformador
Rendimento máximo do Transformador
 Um transformador elétrico monofásico de 750 VA,
220/48V, 60 Hz, tem uma tensão de curto-circuito
nominal de 8%. As perdas de Joule nominais (Pcc)
deste transformador valem 25W. Ensaiado em vazio
pelo lado AT, com tensão e frequência nominais, o
transformador absorveu 300mA, com um fator de
potência 0,25. Determine: 0 rendimento máximo que
o transformador pode atingir.
Polaridade do Transformador
 Objetivos:

• Indicar quais são os terminais positivos e negativos em


um dado instante;
• Verificar o ângulo de defasamento entre tensões
primárias e secundárias.

 Aplicações:

• Ligações paralela de transformadores;


• Ligações nos transformadores de potencial (TP) e de
corrente (TC) nos circuitos de proteção e medição.
Polaridade do Transformador
Polaridade do Transformador
Polaridade do Transformador
Polaridade do Transformador
Aditiva

Subtrativa
Polaridade do Transformador
Polaridade do Transformador
Segundo a ABNT, os métodos usados para a determinação da polaridade
de transformadores monofásicos são:
a) Golpe indutivo.
b) Corrente alternada.
c) Transformador padrão.

Mas atualmente temos aparelhos como o TTR (relação de transformação)


Transformação trifásica
 Os sistemas elétricos que envolvem potencias altas são
normalmente trifásicos. As alterações de níveis de tensão
em sistemas trifásicos podem ser feitas mediante três
transformadores monofásicos ou com um transformador
trifásico, que e o caso mais comum.
Sistemas trifásicos
TRANSFORMADOR
Sistemas trifásicos
TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS ZIG
ZAG
Ligações das bobinas
TRANSFORMADOR
Corrente em transformadores Trifásicos

𝑆
𝑖=
3. 𝑉𝑓𝑓
Ligações em um transformador trifásico
 Um transformador trifásico consiste em três
transformadores, separados ou combinados em um
núcleo. Os primários e os secundários de qualquer
transformador trifásico podem ser ligados
independentemente nas chamadas configurações estrela
(Y) ou triângulo ()*. Isso significa que um banco de
transformadores trifásicos pode ser montado conforme
um total de quatro configurações possíveis de ligação:
TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS ZIG
ZAG
O AUTOTRANSFORMADOR
 Uma das consequências da coincidência parcial entre os
enrolamentos do primário e do secundário é a perda de
isolamento galvânico entre as bobinas. No entanto, o
auto-transformador apresenta um vasto conjunto de
vantagens face aos transformadores comuns,
designadamente no que respeita ao seu custo (um único
enrolamento e, em certos casos, com condutores de
menor secção), ao volume, à queda de tensão e ao
rendimento (menores perdas nos enrolamentos.
 Os auto-transformadores são vulgarmente utilizados na
elevação e na redução da tensão em redes de distribuição
de energia elétrica
O AUTOTRANSFORMADOR
 Definição: Transformador que só tem um enrolamento
 Não há isolação entre o primário e secundário
 Maior rendimento
 Maior capacidade em KVA
O AUTOTRANSFORMADOR
 Definição: Transformador que só tem um enrolamento
 – Não há isolação entre o primário e secundário
 – Maior rendimento
 – Maior capacidade em KVA
O AUTOTRANSFORMADOR CIRCUITO
O AUTOTRANSFORMADOR ELEVADOR
O AUTOTRANSFORMADOR ABAIXADOR
O AUTOTRANSFORMADOR

VA NSE + NC VA NSE
= =∝trafo =
VB NC VB NC

VA
=∝trafo +1
VB
O AUTOTRANSFORMADOR
O AUTOTRANSFORMADOR
 Portanto, a razão entre a potência aparente no primário e
secundário do autotransformador e a potência aparente
que realmente passa através de seus enrolamentos é:

𝑁𝑆𝐸
𝑆𝐸𝑛𝑟 =( )𝑆𝑆𝐸
𝑁𝑆𝐸 + 𝑁𝐶
O AUTOTRANSFORMADOR
A potência aparente nos enrolamentos do transformador
O AUTOTRANSFORMADOR
 Por exemplo, um autotransformador de 5000 kVA que
ligasse um sistema de 110 kV a um sistema de 138 kV
teria um relação de espiras NC/NSE de 110:28. Na
realidade, tal transformador teria uma especificação
nominal nos enrolamentos de como se fosse um
monofásico:
𝑁𝑆𝐸
𝑆𝐸𝑛𝑟 = 𝑆𝑆𝐸 ( )
𝑁𝑆𝐸 + 𝑁𝐶
O AUTOTRANSFORMADOR
 Um transformador de 100VA e 120/12 V deve ser conectado de
forma que opere como hum autotransformador elevador Uma
tensão primaria de 120 V é aplicada ao transformador.
 Qual é a tensão secundaria do transformador?
 Qual é a máxima especificação nominal de volts-amperes nesse
modo de operação?
 Calcule qual é a vantagem de potencia aparente nominal dessa
conexão como autotransformador sobre a potencia aparente
nominal do transformador quando esta operando de forma
convencional de 120/12 V.