Você está na página 1de 2

Ministério da Educação

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ


Campus Curitiba

PLANO DE ENSINO

CURSO Engenharia Industrial Elétrica – Ênfase Eletrotécnica MATRIZ 617

Resolução 03/06 - COENS e Resolução 96/06-COEPP


FUNDAMENTAÇÃO LEGAL
Resolução 69/06-COEPP

DISCIPLINA/UNIDADE CURRICULAR CÓDIGO CARGA HORÁRIA (horas)


MODELAGEM E CONTROLE DE CONVERSORES Teórica Prática Total
ET6BJ
ESTÁTICOS (30) (30) (60)
PRÉ-REQUISITO ET66B (Eletrônica de Potência) ET66E ( Sistemas de Controle) ou estar
matriculado a partir do 7º período do curso.
EQUIVALÊNCIA

OBJETIVO
A disciplina tem como objetivo a utilização de diferentes métodos de modelagem de conversores
estáticos e a aplicação da teoria de controle contínuo no controle de conversores estáticos de
potência.
EMENTA
Obtenção de modelos dinâmicos de conversores estáticos; Modelagem por valores médios;
Análise de pequenos sinais; O modelo do interruptor PWM; Modelos canônicos de circuitos;
Modelagem no espaço de estados; Sistemas de controle: abordagem clássica; Estabilidade;
Realimentação de estados; Sistemas de controle não lineares.
ITEM EMENTA CONTEÚDO
Obtenção de modelos dinâmicos de Análise de conversores CC-CC, CA-CC e CC-CA do
1
conversores estáticos ponto de vista da modelagem dinâmica.
Aplicação da técnica de modelagem por valores
2 Modelagem por valores médios médios em diferentes topologias de conversores
estáticos
Aplicação da análise de pequenos sinais em
3 Análise de pequenos sinais
diferentes topologias de conversores estáticos
Aplicação da técnica de modelagem utilizando o
4 O modelo do interruptor PWM modelo do interruptor PWM em diferentes topologias
de conversores estáticos
5 Modelos canônicos de circuitos Desenvolvimento de modelos canônicos de circuitos
Abordagem da modelagem de conversores estáticos
6 Modelagem no espaço de estados
por espaço de estados.
Sistemas de controle: abordagem
Aplicação da teoria de controle no desenvolvimento
clássica; Estabilidade; Realimentação
7 de sistemas de controle analógico para conversores
de estados; Sistemas de controle não
estáticos.
lineares

REFERÊNCIAS

Revisado por: Instrucao Data: XXX/2009


Aprovado por: Coordenacao de Curso Vigora a partir de: Semestre ou ano
FORMULÁRIO UNIFICADO / GERÊNCIA DE ENSINO
Referências Básicas:
1. NISE, Normam S., Engenharia de sistemas de controle, Rio de Janeiro: LTC, 2002.
2. Robert W. Erickson, Dragan Maksimovic, Fundamentals of power electronics, New York :
Kluwer Academic, c2001.
3. Ned Mohan, Tore M. Undeland, William P. Robbins Power electronics: converters,
applications, and design, New York : John Wiley, c1995.
Referências Complementares:
1. Ivo Barbi, Eletrônica de potência: projetos de fontes chaveadas, Florianópolis Ed. do Autor,
2001.
2. Ivo Barbi, Denizar Cruz Martins, Eletrônica de potência: conversores CC-CC básicos não
isolados, Florianópolis Ed. do Autor, 2000.
3. OGATA, Katsuhiko, Engenharia de controle moderno. Rio de Janeiro, Pearson Prentice Hall,
2003.
4. Richard C. Dorf , Robert H Bishop, Sistemas de controle modernos, Rio de Janeiro : LTC,
2001.
5. Benjamin C KUO, Sistemas de Controle Automático, Rio de Janeiro, Prentice-Hall, 1985.
Sistema de Avaliação:
A aprovação nas disciplinas dar-se-á por média ou com exame final.
§ 1º – Considera-se, para todos os efeitos, Média Parcial (MP) como a média aritmética de duas ou quatro notas
parciais, dependendo do regime letivo ser semestral ou anual respectivamente, e cada Nota Parcial (NP) como
sendo resultante de pelo menos uma avaliação prevista no plano de ensino de cada disciplina.
§ 2º – Considerar-se-á aprovado por média, o aluno que tiver freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco
por cento) e média parcial igual ou superior a 7,0 (sete), consideradas toda as avaliações previstas no plano de
ensino da disciplina, calculada pela seguinte expressão:

MP = Σ NP ≥ 7,0
n
Onde:
MP = média parcial
NP = nota parcial
n = nº de notas parciais
§ 3º – A Média Final do aluno aprovado por média será igual à sua Média Parcial.
§ 4º – O aluno com Média Parcial inferior a 4,0 (quatro) e/ou com freqüência inferior a 75% (setenta e cinco por
cento), será considerado reprovado na disciplina.
§ 5º – O aluno com Média Parcial igual ou superior a 4,0 (quatro), com freqüência igual ou superior a 75%
(setenta e cinco por cento) e que não tenha sido aprovado por média terá direito a prestar exame final.
§ 6º – No caso do parágrafo anterior, considerar-se-á aprovado com exame final, o aluno que tiver freqüência
igual ou superior a 75% e obtiver Média Final (MF) igual ou superior a 5,0 (cinco), calculada pela seguinte
expressão:

MF = MP + EF >= 5,0
2
Onde:
MF = média final
MP = média parcial
EF = exame final

Revisado por: Instrucao Data: XXX/2009


Aprovado por: Coordenacao de Curso Vigora a partir de: Semestre ou ano
FORMULÁRIO UNIFICADO / GERÊNCIA DE ENSINO