Você está na página 1de 49

Sistema Auditivo

Sistema auditivo

• Funcionamento:
– As vibrações da membrana timpânica
provocam o movimento dos ossículos, que
transmitem as ondas sonoras através da
cavidade timpânica até à janela vestibular;
– A vibração da janela vestibular desloca um
liquido localizado no ouvido interno que
estimula receptores da audição;
Ouvido interno
• Consiste numa série de
ossos com cavidades (ossos
labirínticos) e canais e
sacos membranosos nas
cavidades ósseas
• Todas estas estruturas
estão na parte petrosa do
osso temporal entre o
ouvido médio lateralmente
e o meato acústico interno
medialmente
Ouvido interno
• Os ossos labirínticos
consistem no vestibulo,
em três canais
circulares e na cóclea
• Estas cavidades ósseas
estão ligadas por
periósteo e preenchidas
por um fluído claro a
perilinfa.
Ouvido interno
• A membrana labiríntica
está suspensa com a
perilinfa mas não ocupa
todos os espaços do
osso labiríntico
• Consiste nos canais
semicirculares, nos
canais cocleares e em
dois sacos, o sáculo e o
utrículo.
• Estes espaços
membranosos estão
preenchidos com
endolinfa
Constituição do ouvido interno
• Constituído pelo
labirinto ósseo e o
labirinto membranoso;
• A perilinfa e a endolinfa
fornecem um ambiente
líquido para a condução
das vibrações
envolvidas na audição e
na manutenção do
equilíbrio;
Labirinto ósseo
• Vestibulo (equilíbrio)
• Canais semicirculares
(equilíbrio)
• Cóclea (audição)
Labirinto membranoso

• É formado por uma série de


sacos e ductos comunicantes
que estão suspensos no
labiríntico ósseo.
• Contém endolinfa um líquido
aquoso cuja composição é
semelhante ao líquido
intracelular, enquanto que a
perilinfa é semelhante ao
líquido extracelular que
ocupa o restante labiríntico
ósseo
Labirinto
membranoso

• É formado por duas


divisões:
- Aparelho vestibular:
utrículo e sáculo e os três
ductos semicirculares
- Ductos cocleares no
sistema da audição
Vestibulo
• Porção central do labirinto ósseo;
• Contém a janela vestibular e a janela da
cóclea;
• No vestibulo, o labirinto membranoso é
constituído por duas porções: Utriculo e o
sáculo
Canais semicirculares
• Posteriormente ao vestibulo há
3 canais ósseos semicirculares;
• O labirinto membranoso
correspondente é constituído
por canais semicirculares e
cada canal possui uma ampola
membranosa na extremidade;
• Os receptores no interior dos
canais são sensíveis à
aceleração e desaceleração
angular da cabeça e a
movimentos rotacionais;
Cóclea

• Estrutura em forma de caracol, que contorna 2


voltas e meia em torno de um núcleo ósseo
central;
Cóclea
• É constituída por 3 compartimentos:
- Rampa vestibular:;
- Rampa timpânica:
- Canal coclear
Cóclea
• Rampa vestibular:
– inicia-se na janela
vestibular e
estende-se até ao
ápice da cóclea;
Cóclea
• Rampa timpânica:
inicia-se ao nível do
ápice da cóclea e
termina na janela
coclear;
Cóclea
• Canal cóclear: localizado entre as
duas rampas;
– O tecto é a membrana
vestibular e o pavimento é a
membrana basilar;
– É preenchido por endolinfa e
termina no helicotrema;
Cóclea
• Canal cóclear: localizado entre as
duas rampas;
– Contem uma estrutura
especializada: o órgão
espiralado/ órgão de Corti
(Esta estrutura contem
receptores sonoros que
transformam as vibrações
mecânicas em impulsos
nervosos e comtém células
epiteliais de suporte e células
pilosas; (as pontas dos pêlos
estão embebidas numa
estrutura gelatinosa –
membrana tectória)
Passos envolvidos na audição:
1. As ondas sonoras são
captadas pelo pavilhão
auricular e conduzidas
pelo canal auditivo
externo à membrana do
timpano, fazendo-a
vibrar;
2. O timpano transmite a
vibração aos ossículos do
ouvido médio;
3. A vibração do estribo faz
vibrar a perilinfa na
rampa vestibular.
4. A vibração da perilinfa
produz a vibração
simultânea da
membrana vestibular e
da endolinfa no canal
coclear;
5. A vibração da endolinfa
faz vibrar a membrana
basilar;
6. Quando a membrana
basilar vibra, as células
pilosas ligadas à
membrana movem-se
relativamente à
membrana tectória,
que permanece imóvel;
7. As microvilosidades
das células pilosas,
implantadas na
membrana tectória,
permanecem
inclinadas;
8. A inclinação das
microvilosidades leva
à despolarização das
células pilosas;
9. As células pilosas
induzem potenciais
de ação nos
neurónios cocleares;
10. Os potenciais de ação
gerados nos neurónios
cocleares são
conduzidos ao SNC;
11. Os potenciais de ação
são transferidos para o
córtex cerebral e
percebidos como som;
O ouvido interno
• A parte posterior assume a forma de três canais e ductos
semicirculares;
• A ampola de cada um dos ductos contém uma crista ampular
sensível ao movimento da cabeça;
• O vestibulo ósseo central contém um utriculo e um sáculo
membranáceos, e cada um possui uma mácula para
monitorizar a posição da cabeça em relação à linha de tracção
gravitacional;
• As cristas neuroepiteliais e a mácula são inervadas pela parte
vestibular do VIII par craniano.
Ouvido interno
• Estas estruturas no ouvido interno
fornecem informação ao cérebro
acerca do equilíbrio e da audição;
• Os canais cocleares são o órgão da
audição;
• Os canais semicirculares, utrículo e o
sáculo são os órgãos do equilíbrio;
• O nervo responsável é o nervo
vestibulococlear (VIII), que se divide
em parte vestibular e parte coclear
após a sua entrada no meato
acústico interno.
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Vestibulo do labirinto
ósseo, que contém a janela
oval na sua parede lateral, é
a parte central do osso
labiríntico;
• Comunica anteriormente
com a cóclea e postero-
superior aos canais
semicirculares;
• O aqueduto vestibular deixa
o vestibulo e passa através
do osso temporal para se
abrir na superkcie posterior
da porção petrosa do osso
temporal
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Vestibulo do labirinto
osseo:
• É uma pequena câmara oval
de 5 mm de comprimento
• Contém o utriculo e o
saculo e partes do aparelho
vestibular
• O vestibulo possui a janela
do vestibulo na sua parede
lateral
• É continuo com a coclea
óssea anteriormente, os
canais semicirculares
posteriormente.
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Canais semicirculares
projectam-se na direcção
posterosuperior desde o
vestibulo
• Em numero de três
• São os canais semi-
circulares anterior,
posterior e lateral,
• Cada um deles forma 2/3
de um círculo
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Canais semicirculares:
• Ligam-se no seu estremo
novamente ao vestibulo por
uma região dilatada chamada
de ampola
• Comunicam-se com o vestibulo
do labiríntico ósseo
• Colocados em ângulo recto
entre si
• Tem cerca de 1,5 mm de
diâmetro
• Alojados nos seus canais estão
os ductos semicirculares
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Cóclea
• Projecta-se na direcção
anterior;
• É uma estrutura óssea que
começa no vestibulo e se
enrola sobre si, duas vezes e
meia em torno de uma
coluna central, designado
modíolo;
• A posição da base do modíolo
está perto do meato acústico
interno onde interage com os
ramos da parte coclear do
nervo vestibulococlear.
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Cóclea:
• Em forma de concha, está contida
na cápsula ótica da parte petrosa
do osso temporal, a porção óssea
mais densa.
• É um espaço preenchido com
líquido e circundado pela cápsula
ótica;
• Contém o ducto coclear;
• Junto da janela redonda está um
pequeno canal que passa através
do osso temporal e que promove a
ligação entre a perilinfa contida na
coclea e o espaço subaracnóideu
Labirinto ósseo
Série de cavidades:
• Cóclea:
• Circunda o modíolo e
sustentando-se á
posição central e
ligando-se à lâmina do
modíolo está o ducto
coclear que é um
componente do
labirinto membranoso.
Vias da audição no SNC
Vias da audição no SNC
• Os axónios aferentes do gânglio
coclear terminam no núcleo coclear no
tronco cerebral;
• Os axónios dos neurónios no núcleo
coclear projetam-se para o núcleo
olivar superior ou para o tubérculo
quadrigémio inferior;
Vias da audição no SNC
• Os neurónios do núcleo olivar superior
enviam axónios para o tubérculo
quadrigémio inferior, de volta ao ouvido
interno, ou para os núcleos motores no
tronco cerebral, que enviam fibras
eferentes para os músculos do ouvido
médio;
• os axónios do tubérculo quadrigémio
inferior projetam-se para o núcleo
geniculado interno no tálamo, e os
neurónios talâmicos projetam-se para o
córtex auditivo;
Equilíbrio
• A manutenções do equilíbrio depende:
-Órgão vestibular
- Foto-receptores dos olhos;
- Receptores tácteis da pele;
-Proprioceptores dos tendões, músculos e
articulações;
Órgão vestibular:
• Labirinto estático: Sáculo + Utrículo
-Sensíveis à força da gravidade e à aceleração
e desaceleração linear da cabeça;
• Labirinto cinético: Canais Semicirculares
-Avaliam os movimentos rotacionais da
cabeça;
Sáculo e Utrículo
• Contêm uma mancha de epitélio especializado
designado por mácula
• A mácula contém células pilosas, que se
projetam numa massa gelatinosa chamada
membrana otolítica, que sustenta cristais de
carbonato de cálcio, os otolítos;
Canais Semicirculares
• Contêm receptores no interior da ampola na
base de cada canal semicircular;
• A crista ampular contem células pilosa e
células de sustentação;
• As células pilosas projectam-se numa massa
gelatinosa designada por cúpula;
O ouvido interno
• A parte anterior do ouvido interno contém um ducto
coclear membranáceo suspenso entre os dois pilares
da via continua para as ondas sonares conduzidas
pela perilinfa;
• O ducto e os canais perilinfáticos espiralam-se
através das 2,5 voltas da coclea óssea.
• A deformação do órgão espiral no ducto coclear
pelas ondas sonares estimula impulsos conduzidos
pela parte coclear do VIII par craniano para o sentido
da audição.
Órgão do equilíbrio
• Cinco de seis componentes do labirinto membranoso
estão relacionados com o equilíbrio;
• São os dois sacos, os três ductos semicirculares
• O utriculo é o maior dos sacos, oval, alongado de
forma irregular;
• Os canais semicirculares ligam-se ao utriculo e são
similares na forma incluindo a porção dilatada que
forma a ampola na complementaridade com os
ossos dos canais semicirculares, se bem muito
menores.
Órgão do equilíbrio
• O ducto utriculosacular estabelece a continuidade entre
todos os componentes do labirinto membranoso e conecta o
utriculo e o saculo;
• Um ramo deste é o ducto endolinfático que entra no
aqueduto vestibular e emerge na fossa cranial posterior;
• Os receptores sensoriais estão organizados em estruturas
únicas em cada um dos aparelhos vestibulares;
• No utriculo e no saculo é a mácula do utriculo e a mácula do
saculo, e na ampola é a crista;
• O utriculo responde á aceleração centrifuga e vertical;
• O saculo responde á aceleração linear;
• Os ductos semicirculares ao movimento em qualquer
direcção.
Vias do equilíbrio no SNC
Vias do equilíbrio no SNC
• Os axónios aferentes do gânglio vestibular
passam através do nervo vestibular para o
núcleo vestibular;
• Os neurónios vestibulares enviam projecções
para o cerebelo e para os núcleo motores que
controlam os músculos extrínsecos do olho;
• Os neurónios vestibulares também se projectam
para o núcleo ventral posterior do tálamo e daí
para a área vestibular do córtex;
Ouvido interno
Os núcleos vestibulares
• Complexo nuclear vestibular:
- Núcleo Vestibular Medial
- Núcleo vestibular inferior
- Núcleo vestibular lateral
- Núcleo vestibular superior
Os núcleos vestibulares
• Os núcleos vestibulares situados na
protuberância e no bolbo, o medial e
inferior situam-se próximos do núcleo
a
do trato solitário na substância cinzent
central inferior ao pavimento do 4º
ventrículo;
o
• O medial está situado lateral ao núcle
do abducente e em intima relação com o
pedúnculo cerebelar inferior;
Os núcleos vestibulares
• Recebem fibras aferentes
do ouvido interno e do
cerebelo;
• As fibras eferentes do
núcleo vestibular lateral
formam o trato
vestibuloespinhal, este
trato desce sem decussar
pela coluna branca
anterior;
Os núcleos vestibulares
• As suas fibras terminam por
sinapses sobre os neurónios
internunciais na coluna
cinzenta anterior da espinal
medula;
• Este trato facilita a atividade
dos músculos extensores,
inibindo a atividades dos
flexores em associação com a
manutenção do equilíbrio.