Você está na página 1de 11

Guia – Instalação do Arch Linux 2016

Leonardo

Amigos leitores, hoje resolvi trazer um artigo sobre o Arch Linux. Muitos não conseguem instalá-lo
em sua máquina pois o processo de instalação é considerado difícil, muito provavelmente por que
não existe um instalador ou “setup” e a “live” que é gerada pela imagem ISO sequer possui uma
interface gráfica (traduzindo, a temida por uns e amada por outros, “tela preta” – o
console/terminal), logo tudo tem que ser feito “na mão”.

Arch Linux Anywhere


Bem, antes de falar sobre o nosso guia, tenho que citar que existe um projeto totalmente open
source e livre que quer produzir um instalador automatizado para o Arch, assim como o do Ubuntu
ou do Debian.
Esse projeto é interessante, principalmente para os novatos no Linux, mas eu não usaria por um
único motivo, eu escolhi instalar o Arch em meu notebook antigo para ver se conseguia aumentar a
velocidade dele, logo, busquei exatamente a otimização. Aparentemente o projeto ali vai contra isso
e faz uma instalação automática padrão (com o usuário decidindo somente as questões principais,
ficando o “ajuste fino” de fora), então seria interessante fazer sua própria instalação personalizada.
O site oficial do projeto encontra-se aqui: http://arch-anywhere.org/

Antes de continuar
Não é recomendado o uso do Arch Linux por novatos no Linux, pois ele necessita de alguns
conhecimentos anteriores e talvez alguma experiência, então se você é novo nesse mundo e está
vindo do Windows ou Mac, tente começar com distribuições como o Ubuntu ou o Debian, por
exemplo.
Uma dica legal é que antes de tentar instalar o Arh em definitivo em sua máquina, você faça uma
instalação usando uma máquina virtual para que possa treinar.
Outra dica é que depois de instalar, você mesmo possa fazer seu “tutorial” personalizado com as
anotações sobre como resolver os problemas do seu Arch na sua máquina, pois as soluções podem
variar de acordo com a máquina, gerenciador de janelas, ambiente gráfico, etc.
Lembre-se de fazer um backup do seu HD ou então tentar numa máquina virtual antes de fazer em
seu computador.

Guia para instalação completa


Já digo que irei tentar detalhar alguns passos (para você poder fazer da maneira mais fácil para
você), que esse artigo é somente para referência, não é uma verdade universal e que a instalação
pretende ser a mais limpa possível, então, pode ser que para sua máquina funcionar com tudo
perfeitamente (principalmente no caso da presença de GPU’s ou outras placas “off board”) possam
ser necessários “passos extras”.
Outra coisa a se registrar é que tentarei usar o nano como editor para os documentos durante a
instalação e configuração, pois esse parece ser o mais fácil de aprender a usar (para os que nunca
usaram um editor sem ambiente gráfico ou não sabem usar o vim).
Vale ressaltar também que apesar de ser simples usar uma rede wireless para a instalação, pode não
ser tão simples configurá-la no seu novo Linux, então, não entrarei em detalhes nessa parte,
somente “darei um norte” para não deixá-lo no escuro, então, recomendo o uso de uma conexão
cabeada durante a instalação e configuração inicial.

1. Download da ISO
Esse é um passo muito simples e importante. Caso você já tenha baixado a ISO pode pular para a
parte 2.
Vá até o site da distro e escolha o melhor método para o download. É possível usar torrent
(recomendo) ou download direto (http).
Página de downloads do Arch: Clique aqui

2. Gravando a ISO numa mídia


Existem muitos jeitos de fazer isso, mas tentarei passar os dois que considero mais fáceis. Caso já
tenha feito isso, pule para o passo 3.

2.1. No Linux
Usando um console e o dd, fazemos:
sudo dd if=/caminho/da/iso/aqui of=/caminho/da/midia bs=4M
Exemplo, para uma ISO no desktop do usuário joao e no pendrive sdb
sudo dd if=/home/joao/Desktop/arch-linux-20160601.iso of=/dev/sdb bs=4M

Quando terminar de copiar (pode demorar um pouco dependendo do hardware), digite:


sync

Para que a ISO seja “finalizada” no pen drive.


DICA: Caso for gravar num CD/DVD use o programa K3B (ou um parecido) no lugar do dd

2.2. No Windows
Baixe (clicando aqui) e instale o Unetbootin no windows, depois, execute como administrador
(botão direito > Executar como administrador).
Quando o programa abrir, selecione a ISO do Arch clicando no botão de reticências no canto direito
inferior. Depois selecione a mídia no menu flutuante e então clique em “OK”.
Assim que ele terminar será exibida uma mensagem informando.

2.3. Virtual
Caso você esteja instalando numa máquina virtual, insira a ISO na mesma.

2.3.1. No virtualbox
Clique em “Configurações” (na tela inicial, com a futura máquina virtual do Arch selecionada) e
verifique se o boot está sendo feito primeiro no CD e depois no HD. Depois, ao iniciar a máquina,
no canto inferior direito procure pelo “CD” e clique no mesmo, depois no menu suspenso escolha
“Outras imagens…” e então na janela que abrir, indique o local da ISO, depois reinicie a VM.

3. Boot na ISO
DICA: Lembre-se de configurar a BIOS de sua máquina para buscar mídias USB/CD/DVD antes
do HD.
Ao entrar na ISO, escolha a primeira opção:
Boot Arch Linux (x86_64)

ATENÇÃO: Se seu processador não for compatível com sistemas 64 bits escolha a segunda opção
(i686).
DICA: Geralmente os processadores feitos depois de 2005 já suportam os sistemas de 64 bits.
Após o carregamento da ISO (e aquelas milhões de instruções que aparecem na tela), aparecerá um
console:
root@archiso~#

3.1. Conexão com a internet


Será necessária para baixar os pacotes da sua nova instalação.
3.1.1. Cabeada
Somente conecte o cabo que a conexão é feita (em background) automaticamente. Caso isso não
ocorra, digite:
systemctl start dhcpcd

E a conexão deve ser estabelecida automaticamente (pode demorar um minuto, dependendo do


roteador/modem/hub/switch ao qual se está conectado).

3.1.2. Wireless/WIFI
Digite:
wifi-menu

Na tela azul, escolha a segunda opção: “Activate a connection”.


Uma lista com as redes será exibida, selecione a sua com as setas direcionais p/ cima p/baixo e
depois com a seta p/ direita selecione: “Activate” e então dê ENTER. Aceite a criação de um perfil
de rede e na tela seguinte, entre com a senha da sua rede wifi. Se a conexão for bem sucedida sua
rede ficará com um asterisco (*) no nome (SSID), caso haja erro, ele será exibido na tela e
provavelmente será preciso repetir o processo desde o início do passo 3.1.2.
ATENÇÃO: Dê preferência à conexão cabeada pois nem todas as placas de rede funcionam com
ele (a minha da Atheros funcionou sem problemas, mesmo assim usei um cabo).

3.1.3. Verificando a conexão


Simplesmente “pingaremos” no google para verificar se tudo está ok:
ping -c 3 google.com

ATENÇÃO: Caso retorne “unknow host” a configuração falhou, retorne ao passo 3.1.1 ou 3.1.2.

4. Instalação inicial
Finalmente a instalação propriamente dita.

4.1. Particionando o HD
ATENÇÃO: É recomendado ter um backup do HD, pois no caso de erro ou falha os dados podem
ser recuperados.
DICA: Existem três particionadores incluídos na ISO, porém usarei somente o cfdisk.
ATENÇÃO: Recomendo utilizar todas as partições como primárias.
Digite:
cfdisk

Uma janela se abrirá, exibindo as partições existentes (ou o espaço livre) no HD.
ATENÇÃO: O cfdisk supõe que a instalação será feita no /dev/sda, caso o seu disco tenha outro
nome use: cfdisk /caminho/disco
DICA: Não é preciso se preocupar com o formato da partição agora pois no passo seguinte iremos
formatá-las (e isso acertará os tipos).
OBS: Nossa instalação será feita da seguinte forma: sda1 > swap – sda2 > / – sda3 > arquivos
diversos (não confunda com a home)
Use as setas p/ cima baixo para selecionar as partições, as setas p/ esquerda direita para selecionar
as opções no menu inferior e ENTER para selecionar a opção do menu inferior.
ATENÇÃO: Caso o HD esteja novo ou sem partições será necessário escolher uma tabela de
partição (será perguntado no início), escolha “dos” (segunda opção).
Quando terminar, selecione o “Write” no menu inferior e digite “yes” (sem aspas) para confirmar a
escrita no disco. Então selecione o “Quit” e dê ENTER, o programa retornará ao console anterior.
DICA: Caso queira conferir se as modificações foram gravadas, digite “fdisk -l” (sem aspas) no
console e leia a saída.

4.2. Formatando as partições e ligando a swap


Para formatar a raiz e a partição de dados vamos usar (uma linha por vez):
mkfs.ext4 /dev/sda2
mkfs.ext4 /dev/sda3

LEMBRE-SE: Nesse guia a raiz está em sda2 e os dados (e não a home) em sda3.
DICA: Se essas partições forem antigas (re aproveitadas), será necessário confirmar a formatação
(quando perguntado, digite “y” (sem aspas) e depois ENTER.
ATENÇÃO: Esse processo pode demorar dependendo do tamanho da partição criada.
Agora, para ajeitar a swap faremos:
mkswap /dev/sda1

E então montaremos a swap:


swapon /dev/sda1

Por fim, montamos a raiz para poder escrever nela:


mount /dev/sda2 /mnt

4.3. Instalando a base do sistema


Digite:
pacstrap /mnt base base-devel

Então será pedida a confirmação, confirme com um “y” (sem aspas) seguido de ENTER.
OBS: O processo pode demorar, dependendo do hardware e da velocidade da conexão.
4.4. Gerando o arquivo de configuração do controlador do HD
Digite:
genfstab /mnt >> /mnt/etc/fstab

Caso queira conferir se tudo saiu como esperado, digite:


cat /mnt/etc/fstab

5. Configuração básica do sistema


Vamos mexer na instalação agora, para isso digite:
arch-chroot /mnt /bin/bash

5.1. Configurando o idioma do sistema


Digite:
nano /etc/locale.gen

Na tela que abrir, procure por:


#pt_BR.UTF-8 UTF-8

E então descomente a linha, ficando assim:


pt_BR.UTF-8 UTF-8

Para salvar, pressione Ctrl+X depois Y e ENTER. Então digite:


locale-gen

Então agora vamos configurar o locale.conf:


nano /etc/locale.conf

No documento (possivelmente vazio) digite:


LANG=pt_BR.UTF-8

E então, novamente, Ctrl+X, Y, ENTER.

5.2. Fuso horário


Agora, vamos acertar o fuso horário:
ln -s /usr/share/zoneinfo/America/Sao_Paulo /etc/localtime

E depois sincronizar o relógio:


hwclock --systohc --utc

5.3. Colocando uma senha na conta de root


Digite:
passwd

Digite a senha e depois de novo. Pronto.

5.4. Configurando a rede


Para acertar o nome do computador na rede, digite:
nano /etc/hostname

No arquivo vazio, entre o nome que desejar e salve (Ctrl+X, Y, ENTER).


Para iniciar a rede assim que o computador ligar, digite:
systemctl enable dhcpcd

5.5. Instalando o grub


DICA: Existem outros gerenciadores, mas usarei o grub pela facilidade de instalação e
configuração.
Digite:
pacman -S grub os-prober

Depois:
grub-install /dev/sda

E então, gere o arquivo de configuração novo:


grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

Pronto. A partir daqui faremos tudo pela instalação.

5.6. Finalizando a instalação


Digite:
exit

De volta ao console, digite:


umount /mnt

E então:
reboot

A partir daqui, remova a mídia usada na instalação.

6. Configuração inicial
Depois de iniciar o sistema e fazer login (ainda como root), digite:
pacman -Syu
Isso atualizará o sistema (caso necessário).

6.1. Pacman
Digite:
nano /etc/pacman.conf

Navegue até:
#[multilib]
#Include = /etc/pacman.d/mirrorlist

E descomente essas linhas. Salve e saia.

6.1.1. Mirror list


Digite:
nano /etc/pacman.d/mirrorlist

Na lista que abrir, procure pelo espelho que melhor lhe servir. Eu recomendo esse:
http://archlinux.c3sl.ufpr.br/$repo/os/$arch

Para usá-lo, cole seu link no espaço vazio antes da lista:


##
## Arch Linux repository mirrorlist
## Sorted by mirror score from mirror status page
## Generated on 2016-06-01
##

## Score: 0.3, France


Server = http://archlinux.polymorf.fr/$repo/os/$arch[...]

Deve ficar assim:


##
## Arch Linux repository mirrorlist
## Sorted by mirror score from mirror status page
## Generated on 2016-06-01
##
Server = http://archlinux.c3sl.ufpr.br/$repo/os/$arch
## Score: 0.3, France
Server = http://archlinux.polymorf.fr/$repo/os/$arch[...]

Salve e saia.

6.1.2. Resincronizando os repositórios


Digite:
pacman -Syy

Pronto.
7. Criando um usuário comum
Para usarmos o sistema no dia a dia, criaremos uma conta de usuário comum. Então, para começar,
digite:
useradd -m -g users -G wheel,storage,power -s /bin/bash brutal

Substitua “brutal” pelo nome do novo usuário. Colocando uma senha na nova conta:
passwd brutal

Agora vamos instalar o sudo para essa conta executar comandos como root:
pacman -S sudo

Configurando as permissões:
EDITOR=nano visudo

Na janela que abrir, procure por:


# %wheel ALL=(ALL) ALL

Descomente a linha, salve e saia.


Pronto, seu sistema está pronto.
Porém uma interface gráfica pode fazer falta, então vou ensinar como instalar o ambiente MATE
nos próximos passos.

8. Instalando um ambiente gráfico


ATENÇÃO: Existem diversos ambientes suportados, porém, por facilidade na configuração escolhi
o MATE para o guia.
DICA: Caso queira instalar outro, pesquise a wiki do Arch ou então algum outro tutorial.
Primeiro, instalaremos o Xorg.
ATENÇÃO: Existem outros servidores de imagem, usarei o Xorg por facilidade de configuração.
DICA: Recomendo usar a conta de root para os procedimentos dessa parte.
Digite:
pacman -S xorg xorg-server xorg-xinit

Caso seja necessária alguma confirmação, pressione ENTER.


DICA: Durante a instalação podem ser configuradas diversas coisas, porém o padrão já é o
suficiente (para um computador sem GPU).

8.1. MATE
pacman -S mate mate-extra
8.2. XFCE
pacman -S xfce4 xfce4-goodies

8.3. KDE Plasma


pacman -S plasma

9. Instalando o gerenciador gráfico


Podem ser usados, vários mas mostrarei como usar o lxdm e o lightdm.
OBS: O lightdm somente testei com o MATE, já o lxdm testei nos três ambientes.

9.1. LXDM
Digite:
pacman -S lxdm

9.2. LightDM
Digite:
pacman -S lightdm

9.3. Iniciando o gerenciador de janelas


9.3.1. LXDM
systemctl start lxdm.service

9.3.2. LightDM
systemctl start lightdm.service

ATENÇÃO: Caso ocorram erros na exibição, pode ser necessário configurar o xinitrc da sua home.
DICA: Para iniciar diretamente na interface gráfica, digite:
systemctl enable gerenciador-aqui.service

10. Escolhendo os programas necessários


Para não estender muito mais esse artigo, vou deixar o link da wiki do Arch Linux para que você
decida qual(is) o(s) melhor(es) programa(s) para você. Lembre-se de que se instalou um ambiente
gráfico, é provável que o mesmo já traga alguns softwares consigo.
Link da wiki: Clique aqui (em inglês)
Conclusão
O Arch Linux é um sistema Linux totalmente diferente dos outros que se encontram no mercado. A
grande vantagem é a extrema personalização, que para alguns pode ser um problema pois algumas
coisas podem ser do tipo DIY (Do It Yourself), mas o aspecto KISS (Keep It Simple Stupid) facilita
muitas coisas.
A comparação completa entre o Arch e outras distros está aqui (em inglês).
DICA: A WIKI e o catálogo de pacotes são grandes aliados na solução de problemas (apesar deles
não terem tutoriais do tipo “how to”).

Referências
– OSTechNix
– ArchLinux Wiki – Bennigers Guide
Dúvidas e sugestões, traga para nosso grupo no Facebook.
Não deixe de visitar nossos guias, lá tem uma seção sobre o Arch Linux.
Até a próxima!