Você está na página 1de 40

io

TEP
TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PEDIATRIA

ín
r oc
Pa
t
QUESTÕES
COMENTADAS
2005

NOTA IMPORTANTE
AS GESTANTES E NUTRIZES PRECISAM SER INFORMADAS QUE O LEITE MATERNO É O IDEAL PARA O BEBÊ, CONSTITUINDO-SE A MELHOR
NUTRIÇÃO E PROTEÇÃO PARA O LACTENTE. A MÃE DEVE SER ORIENTADA QUANTO À IMPORTÂNCIA DE UMA DIETA EQUILIBRADA NESTE
PERÍODO E QUANTO À MANEIRA DE SE PREPARAR PARA O ALEITAMENTO AO SEIO ATÉ OS DOIS ANOS DE IDADE DA CRIANÇA OU MAIS. O USO
DE MAMADEIRAS, BICOS E CHUPETAS DEVE SER DESENCORAJADO POIS PODE TRAZER EFEITOS NEGATIVOS SOBRE O ALEITAMENTO NATU-
RAL. A MÃE DEVE SER PREVENIDA QUANTO À DIFICULDADE DE VOLTAR A AMAMENTAR SEU FILHO UMA VEZ ABANDONADO O ALEITAMENTO
AO SEIO. ANTES DE SER RECOMENDADO O USO DE UM SUBSTITUTO DO LEITE MATERNO, DEVEM SER CONSIDERADAS AS CIRCUNSTÂNCIAS
cí nio
tr o
FAMILIARES E O CUSTO ENVOLVIDO. A MÃE DEVE ESTAR CIENTE DAS IMPLICAÇÕES ECONÔMICAS E SOCIAIS DO NÃO ALEITAMENTO AO SEIO
- PARA UM RECÉM-NASCIDO ALIMENTADO EXCLUSIVAMENTE COM MAMADEIRA SERÁ NECESSÁRIA MAIS DE UMA LATA POR SEMANA. DEVE-SE
LEMBRAR À MÃE QUE O LEITE MATERNO NÃO É SOMENTE O MELHOR, MAS TAMBÉM O MAIS ECONÔMICO ALIMENTO PARA O BEBÊ. CASO VENHA
A SER TOMADA A DECISÃO DE INTRODUZIR A ALIMENTAÇÃO POR MAMADEIRA É IMPORTANTE QUE SEJAM FORNECIDAS INSTRUÇÕES SOBRE Pa
OS MÉTODOS CORRETOS DE PREPARO COM HIGIENE, RESSALTANDO-SE QUE O USO DE MAMADEIRA E ÁGUA NÃO FERVIDAS E DILUIÇÃO
INCORRETA PODEM CAUSAR DOENÇAS. OMS - CÓDIGO INTERNACIONAL DE COMERCIALIZAÇÃO DE SUBSTITUTOS DO LEITE MATERNO. WHA
34:22, MAIO DE 1981. PORTARIA NO 2051 - MS DE 08 DE NOVEMBRO DE 2001 E RESOLUÇÃO NO 222 - ANVISA - MS DE 5 DE AGOSTO DE 2002.

Publicação destinada exclusivamente ao profissional de saúde. EO.OE/ON


Impresso no Brasil 100390697
Acesse as Provas Anteriores do TEP Não fique só. Fique sócio.
no Site de Nestlé Nutrição Infantil Vamos crescer juntos.
Venha para a Sociedade Brasileira de Pediatria.
www.nestle.com.br/nutricaoinfantil

Rua Santa Clara, 292


Copacabana - Rio de Janeiro - RJ
CEP 22041-010
Tel.: (21) 2548-1999
Seja bem-vindo Fax.: (21) 2547-3567
O site da Nestlé Nutrição Infantil foi desenvolvido especialmente E-mail: sbp@sbp.com.br
para atender o Pediatra e o Nutricionista.
Portanto, trata-se de um site de acesso restrito e exclusivo do
Profissional de Saúde mediante utilização de senha personalizada. www.sbp.com.br
TEP
TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PEDIATRIA

QUESTÕES
COMENTADAS
2005

cí nio
tr o
Pa
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

2 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Prezados Colegas,
ste volume é a versão 2005 das Questões Comentadas do

E TEP, isto é, Título de Especialista em Pediatria, título este que


passou a ser conferido pela Sociedade Brasileira de Pediatra
em 1966, cujo Presidente era o Dr. Athayde Fonseca.
Faz, pois 40 anos que o TEP tornou-se uma conquista nacional.
O primeiro concurso ocorreu em 1967 e desde então vem se
consolidando seu prestígio, com interesse sempre crescente.
O fato de ter alcançado elevado nível de organização o permite
ser realizado simultaneamente em todo o território nacional
a cada ano, sempre com temas diversos e atuais e respeitando
as características regionais da Federação. Os pediatras brasileiros
se orgulham de obtê-lo. Sua elaboração obedece a um longo
período de preparação pela Comissão Executiva do TEP,
denominada CEXTEP, que praticamente não para de trabalhar
durante os meses que antecedem o concurso.
Valle(1) destaca que só a partir da década de 1940 a Pediatria
começou a se firmar no Brasil. Sem dúvida, o TEP é uma instituição
destinada a consolidar o exercício da Medicina da criança.
Hoje, quando a recertificação médica é uma realidade por força
de lei, compreende-se a preocupação dos pioneiros deste concurso
na formação profissional do médico que cuida da nossa Infância.
Nestas questões comentadas do TEP 2005 vocês reconhecerão o
esforço que vem sendo feito há quase quatro décadas na
qualificação e aperfeiçoamento profissional do pediatra.

Clemax Couto Sant’Anna


Coordenador da CEXTEP
Comissão Executiva do Título de Especialista em Pediatria
(1)
Valle JR. Título de Especialista em Pediatria. IN: Aguiar A, Martins RM. História da Pediatria Brasileira.
Rio de Janeiro, Sociedade Brasileira de Pediatria. Nestlé, 1996. p: 391-406

TEP - Comentado 3
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA


FILIADA À ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA
COMISSÃO EXECUTIVA DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PEDIATRIA
(responsável pela elaboração da prova de 2005)

Coordenação: Clemax Couto Sant’Anna

Comissão Executiva: Maria de Fátima Pombo March


Marilene Augusta Rocha Santos
Luciano Abreu de Miranda Pinto
Mário José Ventura Marques
Ricardo do Rêgo Barros
Sidnei Ferreira

DIRETORIA EXECUTIVA ATUAL

Presidente: Dioclécio Campos Júnior

1º Vice-Presidente: Nelson Augusto Rosário Filho

2º Vice-Presidente: Fábio Ancona Lopez

Secretário Geral: Eduardo da Silva Vaz

Diretoria de Qualificação
José Hugo Lins Pessoa
e Certificação Profissional:

AGRADECIMENTOS

A CEXTEP agradece a colaboração dos representantes dos


28 Departamentos Científicos da Sociedade Brasileira de Pediatria,
bem como a Universidade do Estado do Rio de Janeiro através do CEPUERJ,
na pessoa de Márcia Caoduro (Coordenadora de Processos Seletivos).

4 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Pré-escolar de quatro anos, sexo (A) queda

1 feminino, apresenta há seis sema-


nas dor nos membros inferiores e
dificuldade de deambular. O qua-
(B)
(C)
(D)
intoxicação
afogamento
queimadura
dro vem evoluindo com febre baixa in- (E) automobilístico
termitente, dor articular, palidez e epi-
sódios de epistaxe. Exame físico:
hipocorada; equimoses difusas em Lactente de cinco meses, sexo mas-
membros; linfadenomegalia cervical e
inguinal; hepatoesplenomegalia. O exa-
me complementar indicado inicialmen-
4 culino, é levado inconsciente ao
serviço de emergência após episó-
dio de crise convulsiva. A mãe re-
te para a investigação diagnóstica é: lata que o quadro ocorreu em virtude
(A) hemograma de a irmã de dois anos ter arremessado
(B) coagulograma uma boneca contra a cabeça do lactente.
(C) cintigrafia óssea Fundoscopia: hemorragia retiniana bila-
(D) dosagem de ácido ascórbico teral. A principal hipótese diagnóstica é:
(E) pesquisa de anticorpo antinuclear (A) intoxicação exógena
(B) coagulopatia adquirida
(C) deficiência de piridoxina
Pré-escolar de dois anos é levado (D) síndrome do bebê sacudido

2 ao pronto-socorro, 30 minutos
após a ingestão de 20 comprimi-
dos de 325mg de sulfato ferroso.
(E) ruptura de aneurisma cerebral

A criança apresentou um episódio de Escolar de dez anos é levado a con-


vômito após a ingestão. Neste caso,
deve-se indicar a seguinte conduta:
(A) lavagem gástrica com solução salina
5 sulta médica devido a quadro de
dor em membros inferiores, clau-
dicação, febrícula diária, astenia,
(B) alcalinização gástrica com bicarbo- anorexia e perda de peso (7kg) nos últi-
nato mos seis meses. Exame físico: hipo-
(C) retirada endoscópica dos comprimidos corado; emagrecido; dor e limitação da
(D) administração de carvão ativado por movimentação do quadril direito;
enema hiperlordose lombar. Exames comple-
(E) administração de deferroxamina por mentares: VHS: 90mm na primeira hora;
via oral Hb: 9,6g/dl; HLA B27: negativo; ASO:
400U; sangue oculto nas fezes: positivo;
radiografia de coluna: normal; PPD: não
O acidente responsável pelo maior reator; enzimas musculares: normais.

3 número de atendimentos a crian-


ças menores de cinco anos em ser-
viços de emergência é:
Para esclarecimento do diagnóstico, é
indicada a realização do seguinte exame
complementar:

TEP - Comentado 5
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

(A) biópsia intestinal (E) indicar a vacina conjugada anti-H.


(B) aspirado de medula influenza b 15 dias após a alta para
(C) anticorpo antinuclear aproveitar o estímulo inicial produ-
(D) radiografia de quadril zido pelo contato com a bactéria,
(E) ressonância magnética da coluna durante a infecção

Lactente de 11 meses apresenta his-

6 tória de febre e irritabilidade há seis


dias. Exame físico: exantema poli-
morfo; lábios vermelhos e fissura- 8
Escolar de sete anos apresenta boa
evolução clínica durante tratamen-
to hospitalar de pneumonia comu-
dos; língua em framboesa; hiperemia nitária com penicilina cristalina.
conjuntival; edema das mãos e dos pés. No quarto dia de tratamento, o antibio-
A alteração laboratorial mais provável grama revela cepa resistente de pneumo-
neste momento é a presença de: coco, pelo disco de oxacilina. Neste caso,
(A) leucopenia deve-se
(B) trombocitose (A) associar meropenen
(C) ASO elevada (B) associar vancomicina
(D) VHS aumentada (C) associar cefalosporina
(E) cultura de orofaringe positiva para (D) manter o tratamento com penici-
estreptococo lina
(E) trocar por antibiótico estável a beta-
lactamase
Lactente de oito meses, sem imuni-

7 zação prévia, é admitido para tra-


tamento hospitalar de septicemia e Lactente de nove meses está in-
artrite piogênica, causadas por
Haemophylus influenza tipo b. No momen-
to da alta, a orientação adequada é:
9 ternado com meningite bacteria-
na. Exame do líquor na admissão:
celularidade: 1329 células/mm3
(A) indicar a vacina conjugada anti-H. (40% polimorfonucleares e 60% mono-
influenza b, pois a doença não con- nucleares); glicose: 11mg/dl; proteí-
fere imunidade permanente nas: 189mg/dl; teste de aglutinação em
(B) aguardar até a idade de dois anos látex e cultura: N. meningitidis B. Ini-
para indicar a vacina tetravalente de- ciou-se penicilina cristalina, com de-
vido ao efeito indutor das células T saparecimento da febre em 12 horas.
(C) indicar a vacina polissacarídica pura Evolução clínica sem intercorrências
anti-H. influenza b por ser melhor indu- até reinício de febre no quinto dia de
tora de imunidade neste grupo etário tratamento (entre 38,2ºC e 39,1ºC),
(D) não indicar imunização com qualquer em quatro picos diários, sem outras
vacina contra o H. influenza b, pois a manifestações clínicas. Neste momen-
doença confere imunidade permanente to, foram realizados: tomografia: nor-

6 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

mal; exame do líquor: 4 células/mm3; (E) administrar imunoglobulina hiperi-


glicose: 60mg/dl; proteínas: 30mg/dl; mune antivaricela-zoster para evitar
látex e cultura: negativos. A conduta a recorrência do quadro
adequada é:
(A) substituir o antimicrobiano por O tratamento inicial de um pré-
ceftriaxona
(B) prolongar o antimicrobiano por
mais 10 dias
(C) substituir o antimicrobiano pela
11 escolar com crise aguda de
asma, no serviço de emergên-
cia, de acordo com o III Con-
senso Brasileiro no Manejo de Asma, é
vancomicina prescrever:
(D) associar cloranfenicol ao antimi- (A) aminofilina via intravenosa
crobiano em uso (B) corticosteróide via inalatória
(E) considerar o paciente curado da (C) antileucotrieno cisteínico via oral
meningite meningocócica (D) cromoglicato dissódico via inalatória
(E) β2 agonista de curta duração via
inalatória
Lactente de 10 meses é atendi-

10 do com lesões cutâneas sugesti-


vas de herpes zoster na região Lactante tratada recentemen-
torácica. Tem antecedente de
varicela aos dois meses de idade com
evolução clínica favorável. Foi também
12 te de mastite, com antibióti-
cos (oral e tópico), apresenta
mamilos vermelhos, irritados,
exposto ao HIV e o acompanhamento e prurido, além de dores ocasionais em
ambulatorial mostrou duas cargas virais pontada em toda a mama. O quadro
negativas, realizadas no sexto e oitavo clínico atual sugere:
meses de vida, o que motivou a suspen- (A) eczema atópico
são da profilaxia para pneumocistose. A (B) infecção fúngica
conduta adequada é: (C) reação à má pega
(A) administrar aciclovir por 10 dias, (D) reação tardia da mastite
pois se trata de um lactente imuno- (E) infecção bacteriana anaeróbica
deprimido
(B) observar a evolução clínica, pois a
varicela em lactente jovem favorece Pré-escolar de quatro anos, sexo
a latência viral
(C) recomeçar a antibioticoterapia
profilática, pois a carga viral pode
ser negativa até um ano
1313 masculino, é levado por sua mãe
ao pediatra, que relata períodos
prolongados de “falta de ape-
tite” e irritabilidade. O recordatório ali-
(D) solicitar hemograma e dosagem de mentar dos últimos seis meses revela
CD4 para verificação do grau de dieta adequada para a idade. A mãe
imunidade do paciente também informa que passou a utilizar

TEP - Comentado 7
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

polivitamínicos em doses elevadas e Glasgow: 15; pupilas isocóricas; reflexo


orexígenos há quatro meses, visando me- fotomotor preservado bilateralmente;
lhorar o apetite do filho. Exame físico: motricidade ocular preservada; ausên-
ausência de ganho ponderal em relação cia de déficits motores ou sensoriais e
à última consulta; hipoatividade; de sinais de irritação meníngea. A con-
alopécia e lesões cutâneas seborréicas. duta indicada é:
A hipótese diagnóstica mais provável é (A) prescrever drogas antieméticas e
hipervitaminose crônica por excesso de manter em observação na unidade
vitamina: por 24 horas
(A) E (B) solicitar radiografia de crânio e
(B) D manter em observação na unidade
(C) B6 por 24 horas
(D) B2 (C) prescrever analgésicos e manter em
(E) A observação na unidade por 24 horas
(D) prescrever drogas antieméticas e li-
berar com orientação
Adolescente de 14 anos, sexo (E) prescrever analgésicos e liberar com

1414 masculino, é trazido por sua


mãe à consulta devido a cansa-
ço e mau desempenho escolar
há dois meses. Exame físico: mucosas
orientação

Lactente de oito meses tem le-


hipocoradas ++/4+; RCR 2T; BNF; FC:
106 bpm; SS+/ 6+. Considerando a hi-
pótese diagnóstica, a alteração mais
provável no hemograma é a presença de:
(A) microcitose com anisocitose
1616 sões de pele recorrentes desde
os quatro meses. Apresenta le-
sões escamosas e crostosas de
distribuição periférica na face e nas re-
giões antecubitais e poplíteas. A mãe
(B) microcitose sem anisocitose nega casos semelhantes na família e
(C) macrocitose com anisocitose refere ter asma. A melhor conduta tera-
(D) normocitose com anisocitose pêutica é prescrever:
(E) macrocitose sem anisocitose (A) anti-histamínico VO, corticosteróide
VO e banhos com loção capilar
antifúngica
Pré-escolar de cinco anos so- (B) anti-histamínico VO, corticosteróide

1515 freu TCE devido a queda da


altura de um metro, há duas
horas. Não perdeu a consciên-
cia, mas apresentou dois episódios de
VO e antibiótico
(C) antibiótico VO e banhos com loção
capilar antifúngica
(D) anti-histamínico VO e corticos-
vômito. Refere dor na região frontal di- teróide tópico
reita, onde se observam edema e esco- (E) ivermectina VO e corticosteróide
riação. Exame neurológico: consciente; tópico

8 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Escolar de oito anos apresenta (D) mononucleose infecciosa

1717
(A)
alopécia tonsurante com desca-
mação e prurido. O tratamento
adequado é administrar:
coaltar tópico
(E) eritema multiforme menor

Pré-escolar de três anos, sexo mas-


(B)
(C)
(D)
griseofulvina VO
corticosteróide VO
cetoconazol tópico
20 culino, chega à emergência, em
parada cardiorrespiratória, após
afogamento em piscina, ocorrido
(E) corticosteróide tópico há alguns minutos. O pediatra de plantão
inicia manobras de reanimação, mas, após
30 minutos, é constatado o óbito. De acor-
Recém-nascido de 21 dias apre- do com o Código de Ética Médica, o ates-

18
18 senta suspeita de displasia do
desenvolvimento do quadril. O
exame complementar do qua-
dril mais adequado para a confirmação
tado de óbito deverá ser preenchido:
(A) pelo pediatra que atendeu o paciente
(B) pelo chefe da equipe de plantão
(C) por qualquer médico da equipe
do diagnóstico, é: (D) pelo diretor do hospital
(A) ultra-sonografia (E) pelo médico legista
(B) cintigrafia óssea
(C) radiografia simples
(D) ressonância magnética Adolescente de 15 anos, sexo
(E) tomografia computadorizada
21 feminino, comparece à consul-
ta com queixa de vômitos e dor
abdominal. A paciente refere
Pré-escolar de cinco anos, sexo menarca há um ano, ciclo menstrual ir-

1919 masculino, é levado ao pedia-


tra por apresentar “vermelhi-
dão na pele”, que surgiu no
terceiro dia após início de tratamento
regular, amenorréia há dois meses e re-
lações sexuais sem proteção. Exame físi-
co: sem alterações. O resultado do
βHCG solicitado durante a consulta é
com amoxicilina para amigdalite agu- positivo. A conduta adequada, neste
da. Exame físico: afebril; bom estado caso, é comunicar a gravidez:
geral; pequenas máculas e pápulas com (A) somente à adolescente
bordas eritematosas nas extremidades (B) ao responsável e, logo após, à ado-
superiores; algumas com vesícula cen- lescente
tral; duas erosões na mucosa oral. Este (C) à adolescente e, logo após, ao res-
quadro sugere a seguinte hipótese ponsável
diagnóstica: (D) à adolescente e, logo após, ao Con-
(A) vasculite alérgica selho Tutelar
(B) urticária multiforme (E) ao responsável e, logo após, ao
(C) eritema morbiliforme Conselho Tutelar

TEP - Comentado 9
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

A conduta indicada para re- (C) radiografia lateral de pescoço

22 cém-nascido, logo após o nasci-


mento, filho de mãe com tuber-
culose pulmonar abacilífera, em
(D) permeabilização de vias aéreas
(E) nebulização com adrenalina racêmica

tratamento há 30 dias, com esquema


tríplice, de acordo com as Normas Na- Lactente de seis semanas é enca-
cionais de Controle da Tuberculose, é:
(A) iniciar isoniazida e vacinar com BCG
após seis meses
25 minhado ao ambulatório por
apresentar estridor persistente
desde o nascimento, com piora há
(B) iniciar isoniazida e realizar PPD após três dias, por quadro respiratório viral. O
três meses estridor desaparece eventualmente quan-
(C) vacinar com BCG e suspender alei- do a criança está dormindo. O exame com-
tamento plementar que deve ser solicitado é:
(D) fazer PPD e iniciar isoniazida se (A) seriografia
positivo (B) teste do suor
(E) vacinar com BCG e manter aleita- (C) laringoscopia direta
mento (D) radiografia de seios da face
(E) radiografia lateral de pescoço

Pré-escolar de três anos é atendi- Recém-nascido de parto operató-

23 do com tosse produtiva, princi-


palmente noturna, e obstrução
nasal há 15 dias. A mãe refere
26 rio a termo apresenta, nas primei-
ras horas de vida, três episódios de
vômitos com conteúdo sanguino-
infecção de vias aéreas superiores no iní- lento. Exames complementares: hematócri-
cio do quadro. O diagnóstico provável é: to: 52%; tempo de protrombina: 18s; Teste
(A) asma de Apt: positivo. Este quadro apresenta
(B) sinusite como hipótese diagnóstica mais provável:
(C) laringite (A) úlcera péptica
(D) traqueíte (B) gastrite erosiva
(E) epiglotite (C) sangue deglutido
(D) doença hemorrágica
(E) enterocolite necrosante
Pré-escolar de três anos é aten-

24 dido com história de febre alta


há 36 horas, toxemia, sialorréia, Escolar de oito anos, diabético
estridor e dispnéia progressiva.
Além da internação hospitalar, está
indicada realização imediata de:
27 do tipo I, é levado ao ambula-
tório devido à dificuldade do
controle glicêmico pela manhã.
(A) drenagem torácica A mãe relata que a criança vem acor-
(B) radiografia de tórax dando no início da madrugada com

10 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

cefaléia e suor frio. Pela manhã, a glicemia distensão abdominal. No gráfico de cres-
capilar encontra-se sempre elevada e a cimento, observa-se desaceleração do
glicosúria é positiva. A criança está em ganho ponderal. A parasitose intestinal
uso de 3U/kg/dia de insulina (solução que usualmente se associa a esse qua-
com insulina de ação intermediária/rápi- dro clínico é:
da), em esquema de duas doses diárias. (A) teníase
A causa mais provável para a instabilida- (B) giardíase
de apresentada por este paciente é: (C) amebíase
(A) infecção intercorrente (D) ascaridíase
(B) dose baixa de insulina (E) necatoríase
(C) fenômeno de Somogyi
(D) período de “lua de mel”
(E) hipersensibilidade à insulina Escolar de oito anos apresen-

Adolescente de 15 anos apresen-


30 tou diarréia aguda sanguino-
lenta, seguida de insuficiência
renal aguda, com congestão

28 ta quadro de febre não aferida,


intensa dor de garganta e dificul-
dade de deglutir até mesmo líqui-
circulatória. Exames complementa-
res: potássio: 6,5 mEq/l; plaquetas:
60.000/mm3; hematócrito: 17%. Após
dos há três dias. Não é possível visualizar a instalação do tratamento dialítico, a
a orofaringe devido à presença de trismo. conduta mais adequada é a adminis-
Considerando a hipótese diagnóstica mais tração de:
provável, a conduta, neste caso, deverá in- (A) corticoterapia
cluir, além da internação hospitalar: (B) plasmaférese
(A) drenagem e prescrição de penicilina (C) anticoagulante
cristalina (D) concentrado de hemácias
(B) punção lombar e aplicação de soro (E) concentrado de plaquetas
anti-rábico
(C) dosagem sérica e reposição intrave-
nosa de cálcio Escolar de sete anos, com qua-
(D) análise toxicológica e prescrição de
clorpromazina
(E) prescrição de soro antitetânico e
penicilina cristalina
31 dro sugestivo de GNDA pós-
estreptocócica, na quarta sema-
na de doença, mantém hiper-
tensão arterial e hematúria macroscó-
pica. Exames complementares: proteína
urinária: 70mg/kg/dia; uréia: 90mg/dl;
Escolar de cinco anos tem his- creatinina: 3,7mg/dl; ultra-sonografia re-

29 tória de episódios recorrentes de


diarréia aquosa, de odor fétido,
acompanhada de flatulência e
nal: rins aumentados de volume, sem
perda da relação córtico-medular. Nes-
te caso indica-se:

TEP - Comentado 11
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

(A) corticosteróide e ciclofosfamida por esqueléticas, como ausência dos pole-


via oral gares. Hemograma: pancitopenia. O di-
(B) restrição hídrica rigorosa e dieta agnóstico provável é:
hipoprotéica (A) talassemia maior
(C) plasmaférese e pulsoterapia com (B) neurofibromatose
ciclofosfamida (C) anemia de Fanconi
(D) biópsia renal e pulsoterapia com (D) síndrome de Marfan
metilprednisolona (E) disceratose congênita
(E) diuréticos de alça e inibidores da
enzima conversora
Lactente de seis meses é levado

Lactente de cinco meses iniciou 34 ao ambulatório logo após o


término da quimioprofilaxia

32 quadro de cianose de mucosas


labial, bucal, e de leitos
ungueais de mãos e pés, que se
primária antituberculose. Está
assintomático e no percentil 25 de peso
para a idade nos últimos quatro meses.
exacerba com o choro e, às vezes, com Neste caso, deve-se adotar o seguinte
a mamada. Exame físico: eutrófica; procedimento:
eupnéica; precórdio calmo; sopro rude (A) solicitar radiografia de tórax
em borda esternal esquerda. Radiogra- (B) solicitar teste tuberculínico
fia de tórax: ausência de infiltrado pul- (C) manter quimioprofilaxia
monar; hipofluxo pulmonar; área cardí- (D) indicar vacina BCG
aca de tamanho normal; arco médio es- (E) encerrar o caso
cavado. A hipótese diagnóstica mais
provável é.
(A) atresia tricúspide Para evitar a síndrome da mor-
(B) tetralogia de Fallot
(C) comunicação interatrial
(D) transposição dos grandes vasos da
35 te súbita, o pediatra deve ori-
entar as mães, durante o pré-
natal e após o nascimento
base da criança, a adotar os seguintes cui-
(E) atresia da pulmonar com defeito dados:
septal ventricular (A) posição prona durante o sono, di-
minuir o intervalo entre as gesta-
ções, usar colchão muito macio
Lactente de dois meses, residen- (B) posição prona durante o sono, au-

33 te no interior, é levado à unida-


de de saúde da capital por apre-
sentar atraso do crescimento li-
mentar o intervalo entre as gesta-
ções, evitar colchão muito macio
(C) posição supina durante o sono,
near, manchas café-com-leite, hiper- aumentar o intervalo entre as gesta-
pigmentação cutânea e malformações ções, evitar colchão muito macio

12 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

(D) posição supina durante o sono, di- 108 bpm; sem tiragem; roncos esparsos;
minuir o intervalo entre as gesta- hiperemia de orofaringe; otoscopia com
ções, usar colchão muito macio membrana timpânica hiperemiada,
(E) posição prona ou supina durante translúcida e com movimentos. A con-
o sono, aumentar o intervalo entre duta indicada é:
as gestações, evitar colchão muito (A) amoxicilina
macio (B) miringotomia
(C) soro fisiológico nasal
(D) descongestionante tópico
Pré-escolar de três anos, com (E) descongestionante sistêmico

36 diagnóstico de asma grave e


pneumonia de repetição, é en-
caminhado ao Centro de Refe- Pré-escolar de dois anos e cin-
rência para Imunobiológicos Especiais,
para vacinação complementar. Seu es-
quema de imunização básica está com-
38 co meses é levado a atendimen-
to médico por apresentar au-
mento unilateral de volume da
pleto. As vacinas que deverão ser bolsa escrotal. Não há relato de dor nem
indicadas, de acordo com as normas do trauma recente. Exame físico: presença
Ministério da Saúde, são: de líquido na bolsa escrotal, que se re-
(A) anti-hemófilos B e antiinfluenza duz à palpação. Não há lesões cutâneas
(B) antiinfluenza e antipneumocócica associadas. A conduta adequada é:
conjugada (A) indicar tratamento cirúrgico imedia-
(C) anti-hemófilos B e antipneumocó- to, por tratar-se de torção testicular
cica conjugada (B) tranqüilizar os pais, por tratar-se de
(D) antiinfluenza e antipneumocócica condição com regressão espontânea
polissacarídica (C) indicar tratamento cirúrgico eletivo,
(E) anti-hemófilos B e antipneumocó- por tratar-se de hidrocele comu-
cica polissacarídica nicante
(D) internar para observação por 24
horas, pela suspeita de torção de
Lactente de 18 meses é aten- hidátide de Morgani

37 dido com quadro de infecção


respiratória aguda. Segundo
relato da mãe, o quadro teve
início há dois dias, com tosse, coriza e
(E) solicitar ultra-sonografia de bolsa
escrotal, para afastar possibilidade
de massa testicular

febre baixa. Evoluiu com recusa parcial


dos alimentos e irritabilidade, manten- Pré-escolar de três anos e sete
do tosse produtiva, febre e coriza
hialina. Exame físico: bom estado ge-
ral; ativo; hidratado; FR: 36 irpm; FC:
39 meses é levado à consulta por-
que seus pais estão preocupa-
dos com o fato de a criança

TEP - Comentado 13
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

apresentar quedas freqüentes e “ter as Escolar de oito anos, sexo mas-


pernas tortas”. Exame físico: geno valgo.
Considerando a evolução mais provável
nesta condição, a conduta adequada é:
42 culino, dá entrada na emergên-
cia com quadro de início há
quatro dias de edema e eritema
(A) tranqüilizar os pais palpebral, dor à movimentação ocular e
(B) encaminhar ao ortopedista hiperemia conjuntival. A conduta inicial
(C) indicar o uso de botas corretoras deve ser:
(D) indicar a prática de exercícios físicos (A) prescrição de antibioticoterapia VO
(E) solicitar radiografia de membros (B) internação hospitalar para antibio-
inferiores ticoterapia IV
(C) prescrição de antiinflamatório não
esteróide VO
Escolar de oito anos é levado (D) prescrição de anti-histamínico

40 ao ambulatório porque sua mãe


percebeu a presença de um “tu-
mor” na região posterior da per-
VO e lavagem ocular com solução
salina
(E) prescrição de colírio de anti-
na, na altura do joelho. Exame físico: histamínico e lavagem ocular com
massa de consistência cística em fossa solução salina
poplítea. Não há qualquer outra queixa
clínica. Neste caso, deve-se:
(A) indicar excisão cirúrgica Adolescente de 16 anos, sexo
(B) prescrever anti-inflamatórios
(C) solicitar radiografia de joelho
(D) solicitar ultra-sonografia da massa
43 feminino, procura ambulatório
com história de ter sido vítima
de abuso sexual, perpetrado
(E) indicar imobilização com tala por desconhecido há 48 horas. Houve
gessada intercurso anal e vaginal, sem utilização
de preservativo pelo agressor. Não sabe
informar sobre vacinação no passado e
Lactente de quatro meses, sexo refere não ter caderneta de vacinação.

41 masculino, apresenta quadro pa-


roxístico e intermitente de cólicas
e choro intenso, de poucas horas
de duração, acompanhado de vômitos e
Exames complementares: anti-HAV IgG:
reagente; anti-HAV IgM: não reagente;
HBsAg: não reagente; anti-HBs: reagente
em títulos baixos. A conduta adequada
irritabilidade. Toque retal: presença de muco quanto à profilaxia anti-retroviral e con-
sanguinolento. Neste caso deve-se indicar: tra hepatites é:
(A) enema baritado (A) não indicar qualquer tipo de medi-
(B) laparotomia exploradora da profilática
(C) antiemético e observação (B) indicar profilaxia anti-retroviral e
(D) antiespasmódico e observação imunoglobulina hiperimune contra
(E) hidratação venosa e observação hepatite B

14 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

(C) indicar profilaxia anti-retroviral e (D) iniciar profilaxia com zidovudina,


uma dose de reforço de vacina con- preferencialmente dentro das pri-
tra hepatite B meiras oito horas após o nascimen-
(D) indicar uma dose de reforço de va- to, mantendo durante quatro se-
cina contra hepatite B e vacina con- manas, apenas se sorologia positi-
tra hepatite A va ou de carga viral detectável no
(E) indicar profilaxia anti-retroviral e recém-nascido
imunoglobulina hiperimune contra (E) iniciar profilaxia com zidovudina,
hepatites A e B preferencialmente dentro das pri-
meiras oito horas após o nascimen-
to, durante quatro semanas, inde-
Recém-nascido de parturiente pendentemente de resultados de

44 que não fez acompanhamento


pré-natal, admitida na mater-
nidade em período expulsivo,
apresentou teste rápido para detecção
exames de sorologia ou de carga
viral no recém-nascido

de anticorpos anti-HIV reagente. Não Lactente de três meses é leva-


houve tempo para iniciar protocolo de
profilaxia de transmissão vertical
periparto antes do nascimento. Além da
suspensão do aleitamento materno, as
45 do a atendimento médico
devido a história de distensão
abdominal e constipação.
A mãe informa que a criança passa
medidas indicadas neste caso são: vários dias sem evacuar e que a eli-
(A) iniciar profilaxia com zidovudina minação fecal é difícil, por vezes
até uma semana após o nascimen- sendo necessária a utilização de es-
to, mantendo por seis semanas, tímulo retal com supositório de
apenas se sorologia positiva ou de glicerina. O lactente foi desmamado
carga viral de tétano no recém-nas- com 12 dias de vida e, no momento,
cido faz uso de “leite de vaca engrossado”.
(B) não indicar profilaxia, já que no Exame físico: abdome distendido e do-
trabalho de parto não foi iniciado loroso à palpação; toque retal: ampo-
zidovudina, independentemente de la retal vazia. Após o toque, houve
resultados de exames de sorolo- eliminação explosiva de fezes em gran-
gia ou de carga viral no recém-nas- de quantidade. A hipótese diag-
cido nóstica que justifica todos os acha-
(C) iniciar profilaxia com zidovudina dos é:
até 48 horas após o nascimento, (A) erro alimentar
mantendo por seis semanas, inde- (B) constipação funcional
pendentemente de resultados de (C) megacólon agangliônico
exames de sorologia ou de carga (D) alergia a proteína heteróloga
viral no recém-nascido (E) padrão normal de evacuações

TEP - Comentado 15
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Adolescente de 16 anos, sexo A mãe de um adolescente de

46 masculino, foi levado à emer-


gência há dois meses, por ton-
teiras, fraqueza e dor abdomi-
nal durante a aula de educação física,
48
48 17 anos, cliente do mesmo mé-
dico desde os três anos, pede
que este faça um atestado com
data do dia anterior, dispensando o ado-
realizada no último horário escolar ma- lescente das atividades físicas daquele
tutino e sob uma temperatura de 380C. dia, por motivo de doença, para ser apre-
O adolescente referia ter feito um sentado no colégio, pois faltara às
lanche às 9h. Exame físico: corado; atividades escolares para estudar. O últi-
lúcido; RCR 2T. Permaneceu na emer- mo atendimento no consultório havia sido
gência em observação por 12 horas, há uma semana. A conduta indicada, de
sem manifestar mais os sintomas, sen- acordo com o Código de Ética Médica, é:
do liberado sem medicação. Há sete (A) fornecer o atestado, baseado na
dias, foi levado a atendimento am- recíproca confiança
bulatorial, devido a palpitações, mal- (B) não fornecer o atestado, pois não
estar, “sensação de coração na boca”, realizou a consulta na véspera
após atividade física de rotina. Exame (C) fornecer o atestado, observando no
físico: corado; desorientado, mas coo- mesmo que a consulta foi feita pelo
perativo; RCR 2T; BNF; SS+/6+; telefone
185bpm; PA=135x75mmHg. O diagnós- (D) fornecer o atestado, já que não se
tico provável é: completaram quinze dias desde a úl-
(A) intermação tima consulta
(B) hipoglicemia (E) não fornecer o atestado, pois o ECA
(C) hipertensão arterial permite que o adolescente adminis-
(D) síncope vasogênica tre sua freqüência escolar
(E) taquicardia supraventricular

O único pediatra plantonista

47
Lactente apresenta quadro re-
petido de tosse, sibilância e
desconforto respiratório. Den-
49
49 de um pronto socorro recebe,
às 7h30 minutos um telefone-
ma do colega que o renderá às
8h, comunicando que se atrasará em
tre os seguintes achados clíni- torno de meia hora, pois houve um de-
cos abaixo, aquele que é sugestivo de sastre na estrada e o trânsito está en-
asma é: garrafado. Às 8h15 minutos, retira-se do
(A) dermatite atópica plantão, comunicando ao chefe de equi-
(B) cianose periférica pe, que o repreende. Às 8h30 minutos,
(C) estridor respiratório chega ao pronto-socorro um recém-nas-
(D) baqueteamento dos dedos cido prematuro, em insuficiência respi-
(E) perda de peso progressiva ratória, que vai a óbito após duas ho-

16 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

ras, apesar da assistência do clínico e controle do peso com tratamento da


do chefe de equipe. Cerca de 10 minu- obesidade, a conduta adequada para o
tos após o óbito, chega o plantonista caso é:
da pediatria. De acordo com o Código (A) monitorar PA; se persistir elevada,
de Ética Médica, pode-se afirmar que: iniciar tratamento para hipertensão
(A) não houve infração ao CEM arterial
(B) os dois pediatras infringiram o CEM (B) considerar que a pressão é limítrofe
(C) somente o pediatra que se atrasou normal para idade e manter rotina
infringiu o CEM pediátrica
(D) somente o pediatra que se ausen- (C) realizar avaliação diagnóstica e tra-
tou infringiu o CEM tamento não farmacológico para hi-
(E) os dois pediatras e o chefe da equi- pertensão arterial
pe infringiram o CEM (D) realizar avaliação diagnóstica e ini-
ciar tratamento farmacológico para
hipertensão arterial
Escolar de nove anos, do sexo (E) monitorar PA; se persistir elevada,

50 feminino, obesa, tem a pressão


arterial aferida no percentil
95%. Após duas repetições da
realizar avaliação diagnóstica e con-
siderar tratamento para hipertensão
arterial
medida, em consultas sucessivas, a PA
mantém-se no percentil 95%. Além do

TEP - Comentado 17
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

ITEM A) Cite cinco medidas essenci-


Questão11
Questão
ais para a condução adequada desta
Recém-nascido de cinco dias de vida é situação.
levado ao ambulatório para consulta de _________________________________________
revisão. A mãe informa que está ofere- _________________________________________
cendo apenas leite materno e que seu Com 50 dias de vida, a criança começa
filho suga bem o seio, mas está “muito a apresentar choro intenso e freqüente,
amarelo”. Exame físico: ativo; reativo; após as mamadas, o que faz com que
corado; ictérico +++/4 até terço inferior sua mãe procure o posto de saúde, fora
do abdome. Restante do exame sem al- do agendamento habitual, por estar
terações. muito aflita com essa situação. O exa-
Considerando o caso descrito, respon- me físico da criança é normal.
da às seguintes questões: ITEM B) Cite três medidas essenciais para
a condução adequada desta situação.
ITEM A) Cite três hipóteses diagnós-
_________________________________________
ticas compatíveis com o caso.
_________________________________________
_________________________________________
Aos três meses de vida da criança, sua
_________________________________________
mãe volta à consulta, preocupada com
ITEM B) Cite os exames complementa- o seu retorno ao trabalho, que ocorrerá
res indispensáveis para a investigação. dentro de 20 dias.
_________________________________________ ITEM C) Cite cinco medidas essenci-
_________________________________________ ais para a condução adequada desta
ITEM C) Descreva o mecanismo fisiopa- situação.
tológico responsável pelos achados clí- _________________________________________
nicos. _________________________________________
_________________________________________
_________________________________________

Questão3
Questão 3

Questão2
Questão 2 Lactente de 15 meses, do sexo masculi-
no, é atendido no ambulatório para
Uma mãe e seu recém-nascido recebem consulta e vacinas. O cartão da criança
alta da maternidade após parto normal mostra marcações de peso/idade entre
e internação por 24 horas, sem os percentis 3 e 10 aos seis meses, nove
intercorrências. No quinto dia de vida meses e 12 meses, com inclinação des-
da criança, a mãe procura o posto de cendente da curva ponderal. Ao pesar a
saúde, ansiosa porque seu leite está “fra- criança, durante a consulta, o pediatra
co” e sua mama direita está “rachada” observa que a posição do peso man-
e com “vermelhidão na parte lateral”, tém-se entre p3 e p10 e que a inclinação
além de ter tido febre. da curva é horizontal.

18 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Considerando as normas do Ministé- A mudança da inclinação da curva cons-


rio da Saúde para o crescimento in- tatada nessa consulta muda a classifi-
fantil, responda às seguintes ques- cação? Justifique.
tões: _________________________________________
ITEM A) Cite a condição e a classifi- _________________________________________
cação do crescimento desta criança ITEM B) Descreva a conduta adequada
nesse momento. para a situação.
_________________________________________ _________________________________________
_________________________________________ _________________________________________

SIGLAS E ABREVIAÇÕES
ASO Antiestreptolisina O
Anti-HAV Anticorpo contra vírus A da hepatite
BCG Bacilo de Calmette-Guerin
β-HCG Hormônio gonadotrófico coriônico humano beta
BNF Bulhas normofonéticas
CEM Código de Ética Médica
ECA Estatuto da Criança e do Adolescente
FC Freqüência cardíaca
FR Freqüência respiratória
GNDA Glomerulonefrite difusa aguda
HbS Antígeno de superfície do vírus B da hepatite
Hb Hemoglobina
PPD Derivado protéico purificado
PA Pressão arterial
RCR Ritmo cardíaco regular
SS Sopro sistólico
TCE Traumatismo cranioencefálico
VO Via oral

TEP - Comentado 19
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Respostas das
Respostas Comentários: Trata-se de um pré-
Questões 11 a 50
Questões 50 escolar que ingeriu uma quantidade ex-
tremamente elevada de ferro, 1.300mg
de ferro elementar, o que equivale a
1. Resposta correta A cerca de 100mg/kg, considerando-se o
A = 82,74% peso médio das crianças de dois anos
B = 5,51% de idade. É muito mais elevado que os
C = 0,49% 60mg/kg, considerados como a dose
D = 2,22% tóxica de ferro. Considerando-se os
E = 9,04% riscos tanto locais, em relação ao apa-
relho digestivo, quanto os gerais, em
Comentários: O quadro clínico des- relação à intoxicação sistêmica, justifi-
crito sugere o diagnóstico de leucemia. ca-se a tentativa de tratamento. Este se
Em 75% dos casos desse grupo de doen- baseia em medidas que têm como ob-
ças trata-se de leucemia linfoblástica jetivo retirar o material ingerido do
aguda (LLA). O pico de incidência está interior do tubo digestivo ou reduzir
em torno de quatro anos de idade. Os a sua absorção. De todas as alterna-
primeiros sintomas são inespecíficos, com tivas, a retirada endoscópica é a opção
manifestações tais como: palidez, febre, correta.
dor óssea ou articular, linfoadenomegalia
e hepatoesplenomegalia. O hemograma 3. Resposta correta A
é o exame complementar a ser solicitado
A = 55,55%
inicialmente e a maioria dos pacientes
B = 26,05%
apresenta anemia. Em cerca de 50% dos
C = 2,14%
casos a contagem leucocitária é inferior
D = 6,08%
a 10.000/mm3, mas em aproximada-
E = 10,02%
mente 20% dos pacientes é superior a
50.000/mm3. O diagnóstico de leucemia Comentários: Os acidentes são atual-
é sugerido pela presença de células mente uma das mais importantes cau-
blásticas no sangue periférico, posterior- sas de morbidade e mortalidade na
mente confirmada pela punção de me- infância. Todos os acidentes descritos
dula óssea. na questão contribuem para este qua-
dro, dentre eles, os acidentes automo-
2. Resposta correta C bilísticos são a principal causa de
A = 53,33% óbitos por acidentes em todas as fai-
B = 8,96% xas etárias. Por outro lado, as moda-
C = 3,62% lidades de acidentes mais prevalentes
D = 7,40% abaixo dos cinco anos de idade são as
E = 26,62% quedas.

20 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

4. Resposta correta D D = 31,72%


A = 0,25% E = 18,82%
B = 1,07% Comentários: O quadro clínico des-
C = 0,33% crito sugere Doença de Kawasaki. Não
D = 94,99% existe nenhum teste diagnóstico específi-
E = 3,20% co para essa doença. No entanto, os mar-
Comentários: A hemorragia retiniana cadores inflamatórios da fase aguda,
bilateral resulta de provável trauma de incluindo a velocidade de hemossedimen-
grande intensidade em segmento tação (VHS), costumam estar alterados
cefálico, cuja magnitude é incompatível desde o início das manifestações, poden-
com o fato relatado pela mãe, como do assim permanecer até quatro a seis
causador do quadro e perpetrado pela semanas de evolução.
irmã, uma criança de dois anos. Esta
situação deve, portanto, levantar a sus- 7. Resposta correta A
peita de maus-tratos. A = 78,06%
B = 1,07%
5. Resposta correta A C = 5,92%
A = 17,17% D = 8,13%
B = 31,31% E = 6,82%
C = 26,05%
Comentários: Há vários fatores de
D = 21,12%
risco de doença invasiva pelo H.
E = 4,11%
influenzae tipo B. A hospitalização pré-
Comentários: O quadro descrito su- via por doença invasiva pelo H. influenzae
gere doença inflamatória do intestino, tipo B está associada a risco elevado
com manifestações sistêmicas, como ar- de doença invasiva. Outros fatores de
trite, anemia, emagrecimento, etc e do risco são: a idade do paciente, o des-
trato intestinal (sangue oculto nas fezes) mame precoce, tabagismo intradomici-
características. O diagnóstico de colage- liar, irmãos em idade escolar ou meno-
nose foi descartado pelos exames com- res e a freqüência a creche. Por isso a
plementares e a hipótese mais provável, vacina está indicada.
doença intestinal inflamatória, deve ser
comprovada pela biópsia intestinal. 8. Resposta correta D
A = 0,16%
6. Resposta correta D B = 2,55%
A = 11,42% C = 0,74%
B = 28,76% D = 93,34%
C = 9,29% E = 3,20%

TEP - Comentado 21
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Comentários: O acompanhamento cargas virais negativas, ambas realizadas


do tratamento da pneumonia comuni- depois dos quatro meses de idade, o que
tária deve se basear na evolução clínica classifica a criança como provavelmente
e radiológica, independente da sensibi- não infectada pelo HIV. Neste caso não
lidade in vitro do agente etiológico, no há necessidade de qualquer tipo de abor-
caso, o pneumococo. dagem especial para o lactente, além do
isolamento devido à possibilidade de
9. Resposta correta E transmissão do vírus, presente nas
A = 12,57% vesículas cutâneas. Como descrito na
B = 35,66% assertiva correta, pacientes que tiveram
C = 1,07% catapora (varicela) na fase de lactente
D = 8,63% jovem têm maior probabilidade de apre-
E = 41,99% sentar reativação do vírus latente nas cé-
lulas dos gânglios sensitivos (herpes
Comentários: A questão diz respeito a zoster) ainda durante a infância.
um quadro de meningite meningocó-
cica tratado de forma adequada, com boa 11. Resposta correta E
evolução clínica e cura liquórica, que pode A = 0,16%
ser demonstrada pelo desaparecimento da B = 0,66%
pleocitose e normalização da glicorraquia. C = 0,08%
Neste caso a febre apresentada pelo paci- D = 0,33%
ente não pode ser atribuída a qualquer E = 98,69%
complicação relacionada ao sistema ner-
voso central. Outras possibilidades Comentários: De acordo com o III
diagnósticas como flebite, febre por anti- Consenso Brasileiro no Manejo da
biótico etc, devem ser consideradas. É Asma, a crise aguda de asma deve ser
importante lembrar que bastam cinco a inicialmente tratada com broncodila-
sete dias de antibioticoterapia para o tra- tador, β-2 adrenérgico, por via inalató-
tamento da meningite meningocócica. ria. Os casos que não apresentem me-
lhora após duas ou três inalações de-
10. Resposta correta B vem ser tratados com corticosteróides
por via oral, IM ou IV.
A = 22,43%
B = 34,10% 12. Resposta correta B
C = 9,53%
A = 17,34%
D = 25,21%
B = 40,10%
E = 8,55%
C = 27,44%
Comentários: A questão descreve um D = 13,06%
lactente exposto ao HIV, mas com duas E = 1,97%

22 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Comentários: A higiene dos seios da lise qualitativa e quantitativa dos glóbulos


lactante ajuda a prevenir a irritação e vermelhos, sendo que a microcitose, ava-
maceração dos mamilos, que devem ser liada pelo volume corpuscular médio-
mantidos secos, no sentido de evitar a VCM, a hipocromia, avaliada pela
umidade, fonte das infecções fúngicas. A hemoglobina corpuscular média - HCM e
higiene adequada resume-se em lavagem a anisocitose, avaliada pelo RDW, são in-
com sabonete neutro em água corrente. dicadores da anemia ferropriva.
Devem ser evitados produtos oleosos e
cremosos, ou qualquer outro produto que 15. Resposta correta E
possa originar umidificação dos mami- A = 0,90%
los, ou causar hipersensibilidade. B = 34,92%
C = 18,90%
13. Resposta correta E D = 1,31%
E = 43,96%
A = 18,82%
B = 5,34% Comentários: Trata-se de um pré-esco-
C = 16,68% lar de cinco anos com história de queda e
D = 4,35% lesão contusa na região frontal direita. Não
E = 54,48% houve perda da consciência após o trauma,
seu estado de consciência no momento da
Comentários: A hipervitaminose A avaliação é normal e não há nenhuma
crônica resulta da ingestão prolongada, anormalidade no exame neurológico. Neste
por semanas ou meses, de doses exces- caso, a criança pode ser seguramente libe-
sivas de medicamentos polivitaminicos rada para sua residência com a prescrição
que incluem a vitamina A. Caracteriza- de analgésico para reduzir a dor decorrente
se por falta de ganho ponderal, anorexia, da contusão. A solicitação de radiografia
alopecia e lesões seborréicas. não tem justificativa clínica, sendo perfei-
tamente dispensável. A solicitação deste
14. Resposta correta A exame com o objetivo de evitar problemas
A = 65,90% médico-legais é uma prática no mínimo
B = 26,54% questionável, que leva à exposição do pa-
C = 3,04% ciente à radiação ionizante sem qualquer
D = 3,94% benefício comprovado.
E = 0,49%
16. Resposta correta D
Comentários: A anemia ferropriva é a A = 3,20%
principal carência nutricional no Brasil. B = 2,05%
Caracteriza-se por hemoglobina baixa, C = 2,22%
VCM baixo, ferritina baixa e RDW (red-cell D = 90,63%
distribution width) alto. É importante a aná- E = 1,89%

TEP - Comentado 23
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Comentários: O quadro clínico des- 19. Resposta correta E


crito associado à história materna de A = 8,13%
asma sugere o diagnóstico de dermatite B = 10,52%
atópica. O tratamento dessa doença C = 19,88%
baseia-se em aplicações tópicas de me- D = 42,07%
dicamentos. Recomenda-se o uso de E = 19,39%
corticosteróides nas lesões. No entan-
to, anti-histamínicos sistêmicos estão Comentários: A presença do rash
indicados para alívio do prurido. composto de pápulas eritematosas que
desenvolvem uma vesícula central asso-
ciado a lesões orais erosivas sugere
17. Resposta correta B eritema multiforme.
A = 0,99%
B = 79,05% 20. Resposta correta E
C = 0,66% A = 17,50%
D = 17,09% B = 0,16%
E = 2,14% C = 1,56%
Comentários: A administração oral D = 0,16%
de griseofulvina (15mg/kg/24h) é reco- E = 80,53%
mendada para o tratamento de todas Comentários: Nos casos de morte vio-
as formas de tinea capitis. lenta, isto é, resultante de uma ação
exógena e lesiva, a competência do ates-
18. Resposta correta A tado de óbito é dos Institutos Médico
Legais. Qualquer óbito ocorrido a me-
A = 37,47%
nos de 48 horas é suspeito de morte vio-
B = 7,81%
lenta. A suposta causa de morte-asfixia
C = 42,40%
por afogamento – foi determinada por
D = 8,05%
causa externa e lesiva à criança. O
E = 4,27%
art.115 do Código de Ética Médica diz:
Comentários: A estabilidade do qua- É vedado ao médico deixar de atestar óbito de
dril e o desenvolvimento do acetábulo paciente ao qual vinha prestando assistência,
no período neonatal, são melhor exceto quando houver indícios de mor-
visualizados pela ultra-sonografia dinâ- te violenta.
mica. Já em lactentes e crianças maio-
res, pode-se solicitar a radiografia da 21. Resposta correta C
pelve em incidência anteroposterior e A = 38,78%
lateral, denominada posição de “sapo” B = 3,86%
ou de Lauenstein. C = 51,19%

24 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

D = 4,03% Comentários: O quadro de tosse crô-


E = 2,05% nica produtiva com mais de 10 dias de
Comentários: Em situações conside- evolução e rinite com obstrução nasal
radas de risco como gravidez, torna-se sugere sinusite. O pneumococo é o prin-
necessário a participação e consenti- cipal agente etiológico, seguido pelo
mento dos pais ou responsáveis e per- Haemophylus influenzae. A amoxicilina é
mitem a quebra do sigilo médico, não tratamento de escolha por aproximada-
infringindo o Código de Ética Médica mente 14 dias. Provavelmente o resfria-
(CEM). O art.103 CEM do veda ao do comum foi o fator desencadeante da
médico: “revelar segredo profissional refe- sinusite.
rente a paciente menor de idade, inclusive a
seus pais, desde que o menor tenha capacida- 24. Resposta correta D
de de avaliar seu problema e de conduzir-se A = 0,00%
por seus próprios meios para solucioná- B = 2,47%
lo,salvo quando a não revelação possa C = 5,67%
acarretar danos ao paciente. D = 63,19%
E = 28,68%
22. Resposta correta E
Comentários: O quadro clínico e a
A = 5,42%
história sugerem epiglotite aguda, infec-
B = 28,35%
ção grave da epiglote causada pelo
C = 1,89%
Haemophylus influenza do tipo B. A
D = 2,30%
permeabilização das vias aéreas é o pro-
E = 61,96%
cedimento mandatório na maioria dos
Comentários: De acordo com as casos, pelo risco eminente de obstrução
Normas Nacionais, não há risco de in- respiratória aguda. O paciente deve ser
fecção tuberculosa para o RN em con- medicado com antibiótico em ambiente
tato com a mãe abacilífera e em trata- hospitalar.
mento há mais de 15 dias. Portanto a
conduta é semelhante à orientada em 25. Resposta correta C
relação a um RN cuja mãe não esteja
A = 7,15%
com tuberculose pulmonar.
B = 2,79%
23. Resposta correta B C = 70,67%
D = 0,82%
A = 3,20%
E = 18,57%
B = 93,51%
C = 1,07% Comentários: O estridor em lactente
D = 2,05% desde o nascimento sugere doença con-
E = 0,08% gênita obstrutiva de vias aéreas superio-

TEP - Comentado 25
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

res, como a laringomalácia, cuja condu- 28. Resposta correta A


ta é expectante. A laringoscopia direta A = 66,56%
deve ser realizada para afastar outras B = 1,81%
mal formações como hemangioma ou C = 2,47%
nódulo de laringe, por exemplo. D = 5,92%
E = 23,09%
26. Resposta correta C
Comentários: O paciente descrito na
A = 0,16% questão apresenta um quadro típico de
B = 0,33% abscesso periamigdaliano. Sugerem for-
C = 77,49% temente o diagnóstico: a idade, uma vez
D = 18,98% que o abscesso é mais comum em pré-
E = 2,96% adolescentes e adolescentes, a intensa
Comentários: O teste de Apt positivo dor de garganta acompanhada de
demonstra a presença de hemoglobina disfagia tão pronunciada que impede a
materna no material examinado, sendo ingestão de líquidos e o trismo devido
compatível com síndrome do sangue de- ao espasmo do músculo pterigóideo. O
glutido. Este teste colorimétrico baseia-se tratamento nestes casos consiste de
na resistência da hemoglobina fetal à des- drenagem e prescrição de penicilina cris-
naturação se exposta a hidróxido de sódio. talina uma vez que os agentes causais
Afasta, pois, outras possibilidades de mais comuns são o estreptococo do
sangramento digestivo do recém-nascido, grupo A e os anaeróbios da cavidade
nas quais a presença de hemoglobina fetal bucal.
ocasionaria um teste de Apt negativo.
29. Resposta correta B
27. Resposta correta C A = 1,73%
A = 2,47% B = 70,50%
B = 14,95% C = 21,04%
C = 71,16% D = 4,03%
D = 8,38% E = 2,71%
E = 2,96%
Comentários: A giardíase sintomáti-
Comentários: Trata-se do fenômeno ca caracteriza-se por episódios intermi-
de Somogyi. Este quadro caracteriza-se tentes de diarréia aquosa, flatulência,
por hipoglicemia durante a madrugada, distensão abdominal e comprometimen-
seguida de hiperglicemia com glicosúria to do ganho ponderal. A mal-absorção
pela manhã, geralmente relacionado ao de açúcares, gorduras e vitaminas
uso de insulina em doses superiores a lipossolúveis podem ser responsáveis por
2U/Kg/dia. algumas dessas manifestações.

26 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

30. Resposta correta D D = 7,40%


A = 16,68% E = 37,30%
B = 15,45% Comentários: A Tetralogia de Fallot
C = 2,30% é uma cardiopatia cianótica que se
D = 59,49% manifesta no decorrer do primeiro ano
E = 6,08% de vida. A cianose é central e periférica
Comentários: Trata-se de um caso de e o sopro cardíaco pode ser caracteris-
Síndrome hemolítico-urêmica. A institui- ticamente auscultado ao longo do bor-
ção precoce de diálise além do controle do esternal esquerdo. Os achados
da hipertensão, dos fluidos, dos eletró- radiográficos do tórax justificam-se pelo
litos e da nutrição, diminui a mortalida- baixo fluxo sangüíneo pulmonar e pelo
de em mais de 80% dos casos. A anemia pequeno tamanho das artérias pulmo-
é uma das complicações esperadas e nares. A visualização de um arco médio
deverá ser tratada adequadamente. escavado com área cardíaca normal,
também é compatível com esse diag-
31. Resposta correta D nóstico.
A = 6,16%
B = 10,19% 33. Resposta correta C
C = 2,14% A = 2,22%
D = 64,09% B = 49,63%
E = 17,42% C = 27,77%
D = 12,08%
Comentários: A persistência de níveis E = 8,22%
tensionais elevados, de hematúria
macroscópica, de proteinúria em níveis Comentários: A Pancitopenia de
altos (acima de 50mg/kg/dia) e reten- Fanconi é a pancitopenia constitucional
ção de escórias nitrogenadas nesse mais comum e conhecida. Caracteriza-se
momento de evolução da doença são por manchas café com leite, hiperpigmen-
indicações de realização de biópsia re- tação, anormalidades esqueléticas, como
nal visando identificar outras causas ausência ou hipoplasia dos polegares, e
para a não resolução da doença, espe- dificuldade do crescimento linear.
cialmente a glomerulonefrite membrano
proliferativa. 34. Resposta correta E
A = 4,11%
32. Resposta correta B B = 40,18%
A = 10,76% C = 0,33%
B = 33,85% D = 40,59%
C = 10,68% E = 14,54%

TEP - Comentado 27
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Comentários: A questão descreve um mir em superfície muito macia, múlti-


lactente de seis meses no momento do plos partos, tabagismo materno e retar-
término da quimioprofilaxia primária do do crescimento intra-útero.
anti tuberculose com isoniazida. Consi-
derando que esta modalidade de 36. Resposta correta D
quimioprofilaxia é iniciada ao nascimen- A = 0,74%
to, conclui-se que a criança foi subme- B = 50,37%
tida a seis meses de profilaxia. Esta C = 7,64%
conduta pressupõe que o teste D = 38,46%
tuberculínico com PPD foi realizado aos E = 2,63%
três meses de profilaxia e fora reator,
indicando infecção do lactente e justifi- Comentários: A questão diz respeito
cando a quimioprofilaxia por mais três às normas nacionais do Ministério da
meses para evitar o adoecimento. As- Saúde para a aplicação de imunobio-
sim, aos seis meses, não se justificam lógicos especiais. De acordo com tais
nem a vacinação com BCG, pois a cri- normas, os pacientes com asma grave
ança já foi infectada pelo bacilo da tu- devem receber além da vacina contra o
berculose, nem a solicitação de novo vírus influenza, a vacina polissacarídica
PPD ou radiografia de tórax. Cabe en- contra o pneumococo, uma vez que a
cerrar o caso. criança tem mais de dois anos.

35. Resposta correta C 37. Resposta correta C


A = 0,41% A = 11,42%
B = 32,29% B = 1,40%
C = 61,13% C = 83,65%
D = 0,33% D = 0,49%
E = 5,83% E = 2,88%

Comentários: Nos Estados Unidos Comentários: O quadro clínico apre-


trabalhos da década de 1990 mostra- sentado é compatível com infecção de
ram que os decúbitos lateral e ventral vias aéreas superiores, na maioria das
eram fatores de risco para a síndrome vezes de etiologia viral. O lactente está
da morte súbita do lactente (SMSL). A em bom estado geral, sem sinais de
recomendação atual é que se adote o perigo ou de infecção do parênquima
decúbito dorsal para o sono dos pulmonar, mantendo FR normal, sem
lactentes, exceção feita a situações como tiragem. A presença de hiperemia timpâ-
micrognatia ou apnéia obstrutiva do nica pode ser provocada pelo choro
sono. Outros fatores que estão também durante o exame ou mesmo pela infec-
associados ao risco da SMSL são: dor- ção viral, já que a membrana permane-

28 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

ce translúcida. Seria sugestiva de infec- D = 7,48%


ção bacteriana a opacidade timpânica, E = 4,44%
imotilidade, abaulamento ou perfuração
Comentários: O genu valgo é uma con-
da membrana com presença de secre-
dição que ocorre a partir da correção
ção purulenta. Descongestionantes tó-
exagerada do genu varo presente nos pri-
pico ou sistêmico não devem ser pres-
meiros meses de vida. Esta correção é
critos nesses casos. Sendo assim, a con-
freqüentemente observada entre os três e
duta indicada é soro fisiológico nasal
cinco anos, constituindo-se de uma defor-
para lavagem e desobstrução das nari-
midade angular real, que se resolve es-
nas, dando alívio dos sintomas de obs-
pontaneamente, sendo o alinhamento dos
trução nasal.
joelhos obtido entre os três e oito anos.
38. Resposta correta C
A = 0,16% 40. Resposta correta D
B = 27,28% A = 19,06%
C = 64,83% B = 4,52%
D = 0,82% C = 12,33%
E = 6,90% D = 62,70%
E = 1,40%
Comentários: O aumento de volume
da bolsa escrotal em crianças sugere Comentários: O cisto poplíteo, ou
várias possibilidades diagnósticas, den- Cisto de Baker é observado na infância
tre elas a hérnia inguinal e a torção tes- tardia e se caracteriza pela presença de
ticular. O quadro relatado é pouco su- massa de consistência cística palpável
gestivo de torção testicular, pois não há na fossa poplítea, geralmente sem sin-
dor nem trauma. O aumento de volume tomas e sem aumento progressivo de
relatado no caso corresponde à presen- volume. Habitualmente tem resolução
ça de líquido na bolsa escrotal e o fato espontânea e não é necessária a excisão
de ser redutível à palpação sugere tra- cirúrgica. A ultra-sonografia deve ser
tar-se de hidrocele comunicante. Esta indicada para confirmação e para afas-
condição requer tratamento cirúrgico tar outras possibilidades diagnósticas,
eletivo, por predispor à ocorrência futu- como abscesso e hematoma.
ra de hérnia inguinal devida à patência
do canal inguinal. 41. Resposta correta A
A = 69,68%
39. Resposta correta A B = 20,87%
A = 48,32% C = 0,66%
B = 37,63% D = 1,56%
C = 2,05% E = 7,15%

TEP - Comentado 29
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

Comentários: O quadro de instala- principais agentes etiológicos são o H.


ção súbita de choro intermitente e cóli- influenza tipo B e o S. aureus. Esta con-
cas, acompanhado de vômitos e dição envolve o risco de complicações
irritabilidade em lactente jovem, especi- graves, como trombose de seio caver-
almente depois dos três meses de vida - noso, meningite, abscesso cerebral e le-
quando as cólicas do lactente já desa- são do nervo óptico. Pela gravidade,
pareceram - deve levantar a hipótese de está indicada internação hospitalar para
intussuscepção / invaginação intestinal. antibioticoterapia venosa de amplo es-
Os paroxismos de dor e choro forte estão pectro.
presentes na fase inicial do quadro. O
sangramento digestivo baixo pode acon- 43. Resposta correta C
tecer nas primeiras 12 horas, após um a A = 7,56%
dois dias de evolução, e mesmo, não B = 44,54%
acontecer. Muitas crianças (60% dos ca- C = 39,69%
sos) eliminam sangue e muco mistura- D = 1,89%
dos pelo reto, com o aspecto caracterís- E = 6,24%
tico de geléia de framboesa. A ausência de
fezes e a presença de muco e sangue ao Comentários: A violência sexual sem-
toque retal reforçam o diagnóstico. Por pre indica a profilaxia anti-retroviral com
tratar-se de uma emergência pediátrica três drogas. Os marcadores virais de
seu diagnóstico deve ser o mais precoce hepatite B indicam proteção inadequa-
possível. O enema baritado, é método da contra o vírus. A aplicação de dose
diagnóstico da obstrução, é também, de reforço de vacina produz rápida e
método terapêutico, promovendo a re- eficaz proteção, não sendo indicada a
dução da alça invaginada em 40 a 80% utilização de imunoglobulina, que é fei-
dos casos. Porém, está formalmente ta em casos de susceptibilidade à infec-
contra-indicado em crianças com sinais ção (anti-HBs não reagente). Os
de choque e de peritonite. marcadores de hepatite A indicam imu-
nidade à infecção.
42. Resposta correta B
A = 3,78% 44. Resposta correta C
B = 50,86% A = 0,25%
C = 1,56% B = 0,08%
D = 27,20% C = 43,39%
E = 16,52% D = 2,14%
E = 54,07%
Comentários: O quadro descrito é
de celulite peri-orbitária, geralmente Comentários: A quimioprofilaxia da
complicação de sinusite bacteriana. Os transmissão materno-fetal do HIV

30 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

com zidovudina deve ser iniciada aumentado do esfíncter anal e ampola


em qualquer momento da gestação, retal vazia, e é caracteristicamente se-
parto ou pós-parto, preferencialmente guido de eliminação explosiva de fezes
dentro das primeiras oito horas de vida. e gases.
Também é indicada até 48 horas
do pós-parto, não sendo comprovada 46. Resposta correta E
sua eficácia após este período. A indi- A = 3,29%
cação fora deste período fica a critério B = 7,56%
médico. A profilaxia no recém-nascido C = 2,38%
deve ser mantida até a sexta semana D = 18,41%
de vida. Os exames sorológicos ou E = 68,36%
de quantificação de carga viral neste
período não podem excluir ou confir- Comentários: A taquicardia supra-
mar a infecção pelo HIV no recém-nas- ventricular é caracterizada por início e
cido. término abruptos, podendo durar se-
gundos ou horas, com FC superior a
45. Resposta correta C 180 bpm. Em alguns casos, a única
A = 48,89% queixa é de sensação de coração batendo
B = 4,77% rápido. É relativamente bem tolerada
C = 41,99% pelas crianças. Em adolescentes, a ta-
D = 4,03% quicardia supraventricular mais comum
E = 0,25% é a síndrome de Wolff-Parkinson-White,
que apresenta risco pequeno de morte
Comentários: O megacólon agan- súbita, caso não seja diagnosticada cor-
gliônico congênito – ou Doença de retamente. O paciente deve realizar
Hisrchsprung – é causado pela monitoração ambulatorial com Holter
inervação anormal do trato intestinal de 24 horas.
baixo, que se estende acima do esfíncter
anal a extensões variáveis do intestino 47. Resposta correta A
grosso. O sexo masculino é mais afeta- A = 88,33%
do na relação de 4:1. Manifesta-se logo B = 2,14%
ao nascimento pela demora da elimi- C = 4,52%
nação de mecônio nas primeiras 48 D = 2,47%
horas de vida. Deve ser logo suspeita- E = 2,30%
do, especialmente em recém-nascidos
a termo, pois é incomum em recém- Comentários: A detecção de derma-
nascidos pré-termo. Quando não diag- tite atópica em lactentes com quadro
nosticado, a criança terá constipação de sibilância é altamente sugestiva de
crônica. O toque retal demonstra tônus asma brônquica. O baqueteamento di-

TEP - Comentado 31
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

gital, por exemplo, além de ser um acha- poderia ter-se ausentado do plantão,
do raríssimo na asma, requer longo pe- já que se tratava de um plantão em
ríodo de evolução para o seu desenvol- emergência e seu colega ainda não havia
vimento e é virtualmente inexistente no chegado. Infringiu, pois, o Código de
período de lactente. Do mesmo modo, Ética Médica (CEM) quanto a Respon-
cianose e perda de peso progressiva, sabilidade Profissional, cujo Artigo 36
são sinais de doenças crônicas, como reza: é vedado ao médico afastar-se de suas
cardiopatias e fibrose cística. Estridor atividades profissionais, mesmo temporaria-
não é característico de asma e sim, de mente, sem deixar outro médico encarregado
laringite. do atendimento de seus pacientes em estado
grave. O artigo 37 do CEM diz: é vedado
48. Resposta correta B ao médico deixar de comparecer a plantão
A = 1,97% em horário pré-estabelecido ou abandoná-lo
B = 78,06% sem a presença de substituto, salvo por mo-
C = 0,33% tivo de força maior.
D = 1,64%
E = 18,00% 50. Resposta correta E
A = 2,38%
Comentários: Neste caso o médico B = 12,65%
não praticou a consulta que gerou o C = 38,13%
atestado médico. Se fornecesse o ates- D = 8,05%
tado estaria infringindo o capítulo X do E = 38,70%
CEM, que trata de Atestado e Boletim
médico e diz em seu Artigo 110: é vedado Comentários: A hipertensão arterial
ao médico fornecer atestado sem ter praticado é def inida como pressão arterial
o ato profissional que o justifique, ou que não sistólica igual ou acima do percentil 95
corresponda à verdade. no gráfico, de acordo com a idade e o
sexo, aferidas, no mínimo, em três oca-
49. Resposta correta D siões separadas. As modificações do
estilo de vida dos obesos, entre eles a
A = 3,12%
perda ponderal, através da ingestão de
B = 11,91%
alimentos balanceados e hipocalóricos,
C = 0,41%
associado a atividades físicas, predo-
D = 77,57%
minantemente aeróbicas, produzem
E = 6,90%
efeitos imediatos no controle da pres-
Comentários: Um desastre impediu são arterial primária e diminui a inci-
o plantonista que assumiria o plantão dência de outros fatores de risco
de chegar na hora pré-determinada, cardiovasculares, como dislipidemias e
mas o médico plantonista pediatra não resistência à insulina.

32 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

gem de um índice hematimétrico do


recém nascido (hematócrito ou hemo-
globina) e, se possível, dosagem de
reticulócitos e hematoscopia.

Questão11
Questão ITEM C)
A fisiopatologia da icterícia neonatal,
ITEM A) nas três hipóteses descritas, inclui um
Trata-se de um recém nascido de cinco dos seguintes mecanismos básicos: au-
dias de vida que apresenta quadro de mento da produção de bilirrubina, défi-
icterícia na primeira semana após o cit de captação ou conjugação hepática
nascimento, bastante evidente no mo- e aumento da circulação entero-hepáti-
mento da consulta e atingindo zona III ca da bilirrubina.
de Kramer, o que sugere um valor de
bilirrubina acima de 12-15mg/dl.
Há várias hipóteses diagnósticas a consi-
derar neste caso. As principais são: icte-
Questão2
Questão 2
rícia fisiológica, apesar do valor aparen- ITEM A)
temente elevado de bilirrubina; icterícia São importantes as orientações quanto a:
relacionada à doença hemolítica seja por – técnica da amamentação, a avaliação
anemia isoimune, defeitos de membrana da “pega” do mamilo pela criança e
ou defeito enzimático do eritrócito, ape- troca de posições de mamada
sar do paciente parecer corado ao exa- – esvaziamento das mamas antes de se-
me; e, por último, icterícia relacionada rem oferecidas, para evitar o agrava-
ao aleitamento materno que se deve ao mento das fissuras
aumento da circulação entero-hepática – reforço ao aleitamento materno exclu-
da bilirrubina. É importante não confun- sivo como alimento mais adequado ao
dir esta forma de icterícia com a icterícia recém-nascido
do leite materno, mais tardia e relaciona- – necessidade de exposição dos seios ao
da à presença de uma substância ainda sol para facilitar a cicatrização das
desconhecida no leite materno que alte- fissuras
ra o metabolismo da bilirrubina. – não uso de cremes ou pomadas e a
não necessidade de limpeza dos seios
ITEM B) antes de cada mamada
Os exames indispensáveis para a elucida- – indicação de analgésicos
ção diagnóstica são: dosagem de – encaminhamento a bancos de leite hu-
bilirrubina e frações, tipagem sangüínea mano, clínicas de lactação ou profis-
da mãe e do recém nascido, teste de sionais treinados no aconselhamento
Coombs direto do recém nascido, dosa- específico

TEP - Comentado 33
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

– não utilização de bombas manuais ou – a avaliação quanto à possibilidade da


protetores dos mamilos mãe amamentar a criança nos interva-
– aplicação do próprio leite materno nos los da jornada de trabalho, quando
mamilos após as mamadas houver
– irritação do contato dos mamilos fe- – avaliação da possibilidade de coloca-
ridos com sutiã de nylon ou lycra ção da criança na creche do local de
– desaconselhamento do uso de produ- trabalho, quando houver, e a amamen-
tos caseiros e frutas (casca de bana- tação da criança nos intervalos da jor-
na, polpa de mamão, etc) que têm nada de trabalho
efeitos controvertidos e, em alguns – orientação quanto à legislação trabalhis-
casos, nocivos ta que garante a extensão da licença-
O quadro descrito requer ainda a avali- maternidade e o direito da lactante de
ação de se tratar de mastite, que além chegar uma hora mais tarde ou sair uma
das recomendações acima, vai requerer hora mais cedo do seu local de trabalho
o uso adequado de antibióticos. – a introdução de sucos e papas de fru-
tas em algumas refeições
ITEM B) – a possibilidade de retirada / ordenha
É importante a identificação de que os do leite materno e seu acondiciona-
sintomas da criança são compatíveis mento adequado, para oferta do leite
com cólicas, comuns nesta fase da vida. à criança no período em que a mãe
Como o exame físico da criança é nor- estará trabalhando
mal e o ganho ponderal adequado, afas- – orientação quanto à oferta de líqui-
ta-se a possibilidade de outras causas dos com colher ou copo, evitando-se
de choro. São importantes as orienta- o uso de bicos de mamadeira
ções de reforço ao aleitamento materno – orientação adequada de uso de substi-
exclusivo e para o alívio das cólicas, tais tutos do leite materno caso, após de-
como: vidamente orientada, a mãe demonstre
– manobras para o aumento da elimi- o desejo de interromper o aleitamento.
nação de gases (possível causa da có-
lica), além da recomendação para o
não uso de anti-espasmódicos. Questão3
Questão 3
ITEM C) ITEM A)
São medidas importantes: Segundo o Ministério da Saúde nos Ca-
– orientação quanto à não necessidade dernos de Atenção Básica, Acompanha-
de interrupção do aleitamento mento do Crescimento e Desenvolvimen-
– a avaliação do horário de trabalho to Infantil, a condição de crescimento
materno e o ajuste aos horários de ali- dessa criança é insatisfatória, sendo clas-
mentação da criança sificada como risco nutricional.

34 TEP - Comentado
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

ITEM B) – Investigar possíveis causas como o


O fato de se constatar mudança da incli- desmame, dentição, intercorrências in-
nação da curva nesta consulta de des- fecciosas, problemas no cuidado com
cendente para horizontal não muda a a criança, como o afeto e a higiene.
classificação, já que permanece com cres- Informar e orientar à mãe.
cimento insatisfatório e em risco nutricio- – Tratar intercorrências clínicas, regis-
nal. Mudaria se a inclinação fosse de des- trando-as no Cartão.
cendente ou horizontal para ascendente – Orientar a mãe sobre alimentação es-
pecial visando ao ganho de peso.
ITEM C) – Encaminhar para o Serviço Social, se
A conduta para este caso, segundo as disponível.
normas do Ministério da Saúde para o Realizar nova consulta em intervalo
crescimento infantil é: mínimo de 15 dias

BIBLIOGRAFIA
– Berhman, Kliegman, Jenson. Nelson - Tratado de Pediatria, 17ª ed., Rio de Janeiro,
Guanabara, 2004.
– Brasil. Ministério da Saúde. Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil.
Série Cadernos de Atenção Básica nº 11. Normas e manuais técnicos no. 173, Brasília,
DF. 2002.
– Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Normas de Vacinação – Brasília, DF, 2001;
– Brasil. Ministério da Saúde. Manual do Centro de Referência de Imunobiológicos Espe-
ciais, Brasília, DF. 2001.
– Brasil. Ministério da Saúde. Tuberculose: guia de vigilância epidemiológica. Brasília, DF.
2002
– Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Tratamento Clínico da Infecção pelo HIV em Crian-
ças. Série Manuais Nº 18. Brasília, DF. 2004
– Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Assistência e Controle das Infecções Respiratórias
Agudas. Brasília, DF. 1994
– Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Assistência e Controle de Doenças Diarréicas,
Brasília, DF. 1993
– Brasil. Ministério da Saúde. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do
HIV e Terapia retroviral em gestantes. Série Manuais No. 46. Brasília, DF. 2004.
– Cloeherty JP. Manual of neonatal care. 5ª. ed. Lippincott Williams & Wilkins 2003.
– III Consenso Brasileiro de Manejo da Asma. J. Pneumol 28, Supl 1, 2002.
– Código de Ética Médica - Resolução CFM nº. 1.246/88. disponível em http://www.unicef.org/
brazil/eca01.htm

TEP - Comentado 35
Nestlé Nutrition Sociedade Brasileira de Pediatria

36 TEP - Comentado
Acesse as Provas Anteriores do TEP Não fique só. Fique sócio.
no Site de Nestlé Nutrição Infantil Vamos crescer juntos.
Venha para a Sociedade Brasileira de Pediatria.
www.nestle.com.br/nutricaoinfantil

Rua Santa Clara, 292


Copacabana - Rio de Janeiro - RJ
CEP 22041-010
Tel.: (21) 2548-1999
Seja bem-vindo Fax.: (21) 2547-3567
O site da Nestlé Nutrição Infantil foi desenvolvido especialmente E-mail: sbp@sbp.com.br
para atender o Pediatra e o Nutricionista.
Portanto, trata-se de um site de acesso restrito e exclusivo do
Profissional de Saúde mediante utilização de senha personalizada. www.sbp.com.br
io
TEP
TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PEDIATRIA

ín
r oc
Pa
t
QUESTÕES
COMENTADAS
2005

NOTA IMPORTANTE
AS GESTANTES E NUTRIZES PRECISAM SER INFORMADAS QUE O LEITE MATERNO É O IDEAL PARA O BEBÊ, CONSTITUINDO-SE A MELHOR
NUTRIÇÃO E PROTEÇÃO PARA O LACTENTE. A MÃE DEVE SER ORIENTADA QUANTO À IMPORTÂNCIA DE UMA DIETA EQUILIBRADA NESTE
PERÍODO E QUANTO À MANEIRA DE SE PREPARAR PARA O ALEITAMENTO AO SEIO ATÉ OS DOIS ANOS DE IDADE DA CRIANÇA OU MAIS. O USO
DE MAMADEIRAS, BICOS E CHUPETAS DEVE SER DESENCORAJADO POIS PODE TRAZER EFEITOS NEGATIVOS SOBRE O ALEITAMENTO NATU-
RAL. A MÃE DEVE SER PREVENIDA QUANTO À DIFICULDADE DE VOLTAR A AMAMENTAR SEU FILHO UMA VEZ ABANDONADO O ALEITAMENTO
AO SEIO. ANTES DE SER RECOMENDADO O USO DE UM SUBSTITUTO DO LEITE MATERNO, DEVEM SER CONSIDERADAS AS CIRCUNSTÂNCIAS
cí nio
tr o
FAMILIARES E O CUSTO ENVOLVIDO. A MÃE DEVE ESTAR CIENTE DAS IMPLICAÇÕES ECONÔMICAS E SOCIAIS DO NÃO ALEITAMENTO AO SEIO
- PARA UM RECÉM-NASCIDO ALIMENTADO EXCLUSIVAMENTE COM MAMADEIRA SERÁ NECESSÁRIA MAIS DE UMA LATA POR SEMANA. DEVE-SE
LEMBRAR À MÃE QUE O LEITE MATERNO NÃO É SOMENTE O MELHOR, MAS TAMBÉM O MAIS ECONÔMICO ALIMENTO PARA O BEBÊ. CASO VENHA
A SER TOMADA A DECISÃO DE INTRODUZIR A ALIMENTAÇÃO POR MAMADEIRA É IMPORTANTE QUE SEJAM FORNECIDAS INSTRUÇÕES SOBRE Pa
OS MÉTODOS CORRETOS DE PREPARO COM HIGIENE, RESSALTANDO-SE QUE O USO DE MAMADEIRA E ÁGUA NÃO FERVIDAS E DILUIÇÃO
INCORRETA PODEM CAUSAR DOENÇAS. OMS - CÓDIGO INTERNACIONAL DE COMERCIALIZAÇÃO DE SUBSTITUTOS DO LEITE MATERNO. WHA
34:22, MAIO DE 1981. PORTARIA NO 2051 - MS DE 08 DE NOVEMBRO DE 2001 E RESOLUÇÃO NO 222 - ANVISA - MS DE 5 DE AGOSTO DE 2002.

Publicação destinada exclusivamente ao profissional de saúde. EO.OE/ON


Impresso no Brasil 100390697