Você está na página 1de 195

Daftar Isi

Halaman sampul ......................................................................................................... i

Kata pengantar ............................................................................................................ ii

Daftar isi...................................................................................................................... iii

Capitulo I trigonométria............................................................................................. 1

1.1.Razões Trigonométria No Triângulo Retãngulo....................................... 1

1.2.Seno De Um Ângulo Agudo ...................................................................... 2

1.3. Cosseno De Um Ângulo Agudo ............................................................... 3

1.4.Tangente De Um Ângulo Agudo ............................................................... 4

1.5. Ângulos Especiais..................................................................................... 8

1.6. Ângulos Notáveis....................................................................................... 11

1.7.Unidadades De Medida De Ângulos: Grau E Radiano ........................... 12

1.8. As Formulas Comparativos Trigonométrico Dos Ângulos Relativos .... 13

1.9. Periodica Das Funções Trigonométrica ................................................... 18

1.10. Primeira Relação Fundamental……………………………………....19

1.11. Seno Dos Dois Ângulos Iquais ............................................................... 29

1.12. Coseno Dos Dois Ângulos Iguais ........................................................... 29

1.13. Tangente Dos Dois Ângulos Iguais ....................................................... 31

1.14. Senos E Cossenos De Alguns Ângulos Notáveis ................................. 32

i
1.15. Segundo Relação Fundamental............................................................... 33

1.16. Adição e a diferença do seno e cosseno ................................................. 34

1.17. Produto do seno e cosseno ...................................................................... 34

1.18. Lei Do Seno E Cosseno.......................................................................... 36

Capitulo II Noções Básicas da Estatística ................................................................ 47


2.1. População ou universo estatístico ........................................................... 47
2.2. Freqüência absoluta e Freqüência relativa ............................................ 48
2.3. Amplitude total de uma amostra (At) .................................................. 49
2.4. Classe (i).................................................................................................. 49
Capitulo III Representações Gráficas ........................................................................ 53
3.1. Gráfico De Setores (Pizza) ....................................................................... 53
3.2. Gráfico De Segmentos ..................................................................................... 58
3.3. Gráfico De Barras ...................................................................................... 59
3.4. O Histograma ............................................................................................. 60
3.5. Polígono Do Histograma........................................................................... 61

Capitulo IV Medidas de Tendência Central ............................................................. 63


4.1. Média Aritmética .............................................................................................. 63
4.2. Moda (Mo) ................................................................................................. 64
4.3. Mediana(Me)............................................................................................. 64
4.4. Média Geométrica (G)............................................................................... 66
4.5. Média Harmonica (H) ............................................................................... 67
4.6. Medidas Dispersão ................................................................................... 69
Capitulo V Introdução à Análise Combinatorial ....................................................... 73

5.1. Permutação Simples E Factorial De Um Número ................................... 73


5.2. Arranjo Simples ......................................................................................... 73
5.3. Combinações Simples ............................................................................... 75

ii
5.4. Permutação Com Repetição ...................................................................... 76
5.5. Permutação Circular .................................................................................. 77
5.6. Número Binomiais ..................................................................................... 78
5.7. Números Binomiais Complementares ..................................................... 80
5.8. Binômio de Newton .................................................................................. 80
5.9. Somatório .................................................................................................. 82

Capitulo VI Probabilidade ..................................................................................................... 84

6.1. Experimentos Aleatorios .................................................................................... 84


6.2. Espaço Amostral .................................................................................................. 85
6.3. Evento ................................................................................................................... 86
6.4. Combinações de Eventos ..................................................................................... 87
6.5. Frequencia Relativa ............................................................................................. 89
6.6. Defenição de Probabilidade................................................................................. 90
6.7. Probabilidade de Condisional.............................................................................. 93
6.8. Indepedência de Dois Eventos ........................................................................... 97

Capitulo VII Funções no Plano Carteciano........................................................................... 99

7.1. Função Afin .......................................................................................................... 99


7.2. Função Linear ........................................................................................................ 99
7.3. Função Identidade ................................................................................................. 99
7.4. Função Constanta.................................................................................................. 99
7.5. Função quadratic ................................................................................................... 100
7.6. Função Cúbica ...................................................................................................... 100
7.7. Função Injetora ...................................................................................................... 100
7.8. Função Sobrejetora ............................................................................................... 100
7.9. Função Bijetora ...................................................................................................... 101
7.10. Função Par............................................................................................................. 101
7.11. Função Impar ........................................................................................................ 101
7.12. Função Cresente.................................................................................................... 101

iii
7.13. Função Decresente ................................................................................................ 102
7.14. Função polynomial .............................................................................................. `102
7.15. Função Composta ................................................................................................. 102
7.16. Função Inversa ...................................................................................................... 106
7.17. Processo Para Determinar A Função Inversa De Uma Função
Bijectiva Dada............................................................................................. 108

7.18 . Operação Com Funções....................................................................................... 109

Capitulo VIII Os Limites ........................................................................................................ 110

8.1. Limites Laterais ........................................................................................ 111


8.2. Propriedades dos Limites ......................................................................... 113
8.3. Indetermminação de Matemática............................................................ 117
8.4. Limites dos Infinitives ............................................................................... 119
8.5. O Número de Euler (e) .............................................................................. 128
8.6. Dois Limites Importantes ......................................................................... 129
Capitulo IX Derivadas das Funções .......................................................................... 131
f ( x + h) f ( x )
9.1. Entendendo A Derivada f , ( x) E O Limite lim ........
h®0 h 131

9.2 . Propriedade Das Derivadas De Funções .................................................. 142

9.3 . Derivada das Funções Trigonométricas Relações Trigonométricas


importantes ................................................................................................ 154
9.4. Interpretação Geométrica Da Derivada .................................................... 183

Daftar Pustaka............................................................................................................. 192

Trigonométria
iv
1.1. Razões Trigonometria No Triângulo Retãngulo
Um triângulo é retângulo quando um dos seus ângulos internos é reto ou seja mede
900.
C

b
b
a
a
A c B
Desenho 1 .1

Apartir do triângulo ABC da figura A = 900 (reto ) e seus ângulos α e β sabe


consoderar que:
Em relação ao ângulo α, c é o cateto adjacente e b é cateto aposto;
a é hipotenusa

a
sena = b
b cos eca =
a
c
cos a = sec a =
b
b c
a c
tan a = cot ana =
c a
Em relação ao ângulo β, b é o cateto oposto e c é cateto adjacente.

c
sena = cos eca =
b
b c
a b
cos a = sec a =
b a
c a
tan a = cot ana =
a c

v
1.2. Seno De Um Ângulo Agudo

Y
P( x, y)

r
y

q x
X
0
Desenho 1.2

Baseando ao desenho 1.2. em cima , teremos:


y
ÐXOP = q com P(x,y) defenida que: senoq =
r
Defenição :
Baseando ao desennho 6.1. considerando triãngulo retângulo, o seno do um ângulo
(α) é dado pela razão do seu cateto oposto pela hipotenusa, assim teremos :

medida do cateto oposto a a


sena =
medida da hipotenusa

1.3. Cosseno De Um ÂnguloAgudo

Baseando ao desenho 1.2. em cima , teremos:


x
ÐXOP = q com P(x,y) defenida que: cos q =
r
Defenição :
Baseando ao desennho 1.2. considerando triãngulo retângulo, o cosseno do um
ângulo (α) é dado pela razão do seu cateto adjacente pela hipotenusa, logo:

vi
medida do cateto adjacente a a
cos a =
medida da hipotenusa

1.4. Tangente De Um Ângulo Agudo

Baseando ao desenho 1.2. em cima , teremos:


y
ÐXOP = q com P(x,y) defenida que: tan q =
x
Defenição :
Baseando ao desennho 6.1. considerando triãngulo retângulo, tangente do um ângulo
(α) é dado pela razão do seu cateto oposto pela hipotenusa, assim teremos :

medida do cateto oposto a a


tan a =
medida do cateto adjacente a a
Exemplo:
1. No triângulo retângulo abaixo os catetos medem, respectivamente 6 cm, 8 cm
e a hipotenusa mede 10 cm. calcule o valor de seno e cosseno e da tangente
do ângulo e β!
C
10cm b
6cm
a
A 8cm B

Resolução:
Ø Seno, cosseno e tangente do ângulo α

medida do cateto adjacente a a


sena =
medida da hipotenusa

6 3
sena = =
10 5

vii
medida do cateto adjacente a a
cos a =
medida da hipotenusa

8 4
cos a = =
10 5

medida do cateto oposto a a


tan a =
medida do cateto adjacente a a

6 3
tan a = =
8 4
Ø Seno, cosseno e tangente do ângulo β

medida do cateto adjacente a a


senb =
medida da hipotenusa

8 4
sen b = =
10 5

medida do cateto adjacente a a


cos b =
medida da hipotenusa

6 3
cos b = =
10 5

medida do cateto oposto a a


tan b =
medida do cateto adjacente a a

8 4
tan b = =
6 3

2. Determine o valor do seno, cosseno e tangent do ânguloα e β no triângulo


abaixo:
C
b

4cm
a
viii
A 5cm B
Solução:
AC 2 = AB 2 + BC 2
= 4 2 + 52
= 16 + 25
= 41
AC = 41
Ø Seno, cosseno e tangente do ângulo α

medida do cateto adjacente a a


sena =
medida da hipotenusa

4 4 41 4 41
sena = = . =
41 41 41 41

medida do cateto adjacente a a


cos a =
medida da hipotenusa

5 41 5 41
cos a = = . =
41 41 41 41

medida do cateto oposto a a


tan a =
medida do cateto adjacente a a

4
tan a =
5

Ø Seno, cosseno e tangente do ângulo β

medida do cateto adjacente a a


senb =
medida da hipotenusa

ix
5 5 41 5 41
sena = = . =
41 41 41 41

medida do cateto adjacente a a


cos a =
medida da hipotenusa

4 4 41 5 41
cos b = = . =
41 41 41 41

medida do cateto oposto a a


tan b =
medida do cateto adjacente a a

5
tan b =
4
3. Sabendo que triângulo equilátero ABC com ângulo α, β e γ. Os lados dessa é
x unidade.determine:
a. A altura dessa triângulo do ponto C
b. Sen α, cos α, tan α, cotan α, sec α, e cossec α
Solução:
C

a b
A D B

a. A altura dessa triângulo do ponto C


AD 12 x 1
cos a = = =
AC x 2
AD = 1, AC = 2 então

x
CD = AC 2 - AD 2
= 2 2 - 12
= 4 -1
= 3

Portanto: A altura dessa triângulo do ponto C é 3

CD 3 1
b. sen a = = = 3
AC 2 2
CD 3
tan a = = = 3
AD 1
AD 1 1
cot an a = = = 3
CD 3 3
AC 2
sec a = = =1
AD 1
AC 2 2
cos sec a = = = 3
CD 3 3

1.5. Ângulos Especiais


Os ângulos especiais são 300 , 45 0, 600 e 900

Y
Y 30 0 450
P(0, r) 2 1
2
3

60 0 450
P(r,0) X xi
X 0
1
0

ii iii iv
i
desenho 1.3
Baseando ao desenho 1.3.(i)
Para α = 00 p(x,y) no eixo X, então abcisca = raios, portanto x = r, y = 0.
y 0
sin 0 0 = = =0
r r
x r
cos 0 0 = = =1
r r
y 0
tan 0 0 = = =0
x r
r r
cos ec0 0 = = = indefenito
y 0
x r
sec 0 0 = = =1
r r
x r
cot an0 0 = = = indefenito
y 0

Baseando ao desenho 1.3.(ii)


Para α = 90 0 p(x,y) no eixo X, então abcisca = raios, portanto y = r, x = 0.
y r
sin 90 0 = = =1
r r
x 0
cos 90 0 = = =0
r r
y r
tan 90 0 = = = indefenito
x 0

xii
r r
cos ec90 0 = = =1
y r
x 0
sec 90 0 = = = indefenito
x 0
x 0
cot an90 0 = = =0
y r
Baseando ao desenho 1.3.(iii)
Para α = 30 0.
y 1
sin 30 0 = =
r 2

x 3 1
cos 30 0 = = = 3
r 2 2

y 1 1 3 1
tan 30 0 = = = . = 3
x 3 3 3 3
r 2
cos ec30 0 = = =2
y 1

x 2 2 3 2
sec 30 0 = = = . = 3
x 3 3 3 3

x 3
cot an30 0 = = = 3
y 1
Para α = 60 0.

y 3 1
sin 60 0 = = = 3
r 2 2
x 1
cos 60 0 = ==
r 2

y 3
tan 60 0 = =. = 3
x 1

r 2 2 3 2
cos ec60 0 = = = . = 3
x 3 3 3 3

xiii
r 2
sec 30 0 = = =2
y 1
x 1 1
cot an60 0 = = = 3
y 3 3

Baseando ao desenho 1.3.(iv)


Para α = 90 0 p(x,y) no eixo X, então abcisca = raios, portanto y = r, x = 0.

y 2 1
sin 45 0 = = = 2
r 2 2

x 2 1
cos 45 0 = = = 2
r 2 2
y 1
tan 45 0 = = =1
x 1

r 2
cos ec 45 0 = = = 2
y 1

r 2
sec 45 0 = = = 2
x 1
x 1
cot an0 0 = = =1
y 1

Exemplo:
4. Determine o valor de xda figura abaixo:

C
10
y
300
A x B

xiv
Solução:
y
sen30 0 =
r
1 x
= Þ 2 x = 10 Þ x = 5
2 10

1.6. ÂngulosNotáveis

Arco x0 Sen(x) Cos(x) Tan(x) Cot(x) Sec(x) Csc (x)


0 00 O 1 0 Nãoexiste 1 Nãoexiste
p 1 3 3 2 3
30 0 3 2
6 2 2 3 3
p 2 2
45 0 1 1 2 2
4 2 2
p 3 1 3 2 3
600 3 2
3 2 2 3 3
p
90 0 1 0 Nãoexiste 0 Nãoexiste 1
2

1.7. Unidadades De Medida De Ângulos: Grau E Radiano

Defenição:

xv
Grau é a circunfência dividida em 360 partes iquais e a cada arco unitário que
1
carresponde da circunfência. Então a circunfêrencia mede 360 graus = 3600:
360
1 0 = 60’
1’ = 60”

Radiano é o arco unitário cujo cumprimento de raio da circunferêrencia = ao


comprimento de raio da circunferência na qual está contido.

r
rad
r

r = 1 possui a medida 2π radianos (2π rad) e o valor do π da circunferência é 1800.


Grau 900 1800 2700 3600
p 3p
Radianos Π 2π
2 2

Exemplo:
Converte 1200 pararadianos.
Resolução:

180 0 ® prad
120 0 ® x
120 0 p 2p
x= =
180 0 3

xvi
5p
Converta x = rad em graus.
4
Resolução:

180 0 ® prad
5p
®x
4
5p 5.180 0 900 0
x= = = = 225 0
4 4 4

1.8. As Formulas Comparativos Trigonométrico Dos Ângulos


Relativos

As relações entre ângulos que pretence no quadrante I, II, III e IV

1.8.1. α com (1800-α)

P (- a, b) P ( a, b )
r r
a
0

desenho
Baseando ao desenho 6.4. coordenada
1.4 do ponto P(a,b), teremos:

xvii
b
sena =
r
a
cos a =
r
b
tan a =
a
a
cot ana =
b

No entanto coordenado do ponto P(-a,b), então o ângulo (1800-α) teremos:


b
sin(180 0 - a ) = = sin a
r
a
cos(180 0 ) = - = - cos a
r
b
tan(180 0 - a ) = = - tan a
-a
-a
cot an(180 - a ) = = - cot ana
b
Exemplo:
Determine os valores das funções da trigonométria abaixo:
a. sen150 0
b. cos 120 0
c. tan 135 0
Solução:
1
a. sen150 0 = sen (180 0 - 30) = sen30 0 =
2
1
b. cos 120 0 = cos(180 0 - 60) = - cos 60 0 = -
2
c. tan 1350 = tan(180 0 - 450 ) = - tan 45 0 = -1

1.8.2. α com (1800-α)

P (a, b)
xviii
r
a
0 X
r
No entanto coordenado do ponto P2(-a,b), então o ângulo (1800+α) teremos:
-b
sin(180 0 + a ) = = - sin a
r
a
cos(180 0 + a ) = - = - cos a
r
-b
tan(180 0 + a ) = = tan a
-a
-a
cot an(180 + a ) = = cot ana
-b

Exemplo:
Determine os valores das funções da trigonométria abaixo:
a. sen 225 0
b. cos 210 0
c. tan 240 0
Solução:
1
d. sen150 0 = sen(180 0 + 45) = - sen 45 0 = - 2
2

xix
1
e. cos 210 0 = cos(180 0 + 30) = - cos 30 0 = 3
2
tan 240 0 = tan(180 0 + 60 0 ) = tan 60 0 = 3

1.8.3. α com (1800-α)


Y
P (a, b)

r
a
0 X
-a
r
P3 ( - a , b )

desenho 1 .6
No entanto coordenado do ponto P2(-a,b), então o ângulo (3600-α) teremos:
-b
sin( 360 0 - a ) = = - sin a
r
a
cos(360 0 - a ) = = cos a
r
-b
tan(360 0 - a ) = = - tan a
a
a
cot an(180 + a ) = = - cot ana
-b

Exemplo:
Determine os valores das funções da trigonométria abaixo:
a. sen 315 0
b. cos 330 0
c. tan 300 0
Solução:
1
a. sen315 0 = sen(360 0 - 45) = - sen45 0 = - 2
2

xx
b. cos 3300 = cos(3600 - 30) = cos 300 = 1 3
2
c. tan 300 0 = tan(360 0 - 60 0 ) = - tan 60 0 = - 3

1.8..4. α com (900 -α)


sin(90 0 - a ) = cos a
a
cos(90 0 - a ) = - = sin a
r
tan( 90 0 - a ) = cot ana
cot an(90 0 - a ) = tan a

Determine o valor x das funções da trigonométria abaixo:


a. senx = cos x
b. sen3 x = cos 2 x
c. sin( 2 x - 10 0 ) = cos( x + 40 0 )
Solução:
a. senx = cos x = sin(900 - x)

x = 900 - x
2 x = 900
x = 450
b. sen3x = cos 2 x

sen3 x = sen(90 0 - 2 x)
3 x = 90 0 - 2 x
5 x = 90 0
x = 18 0
c. sin(2 x - 10 0 ) = cos( x + 40 0 )

xxi
[
sin( 2 x - 10 0 ) = sen 90 0 - ( x + 40 0 ) ]
2 x - 10 0 = 50 0 - x
3x = 60 0
x = 20 0

1.9. Periodica Das FunçõesTrigonométrica


sen (a + k .360 0 ) = sena
cos(a + k .360 0 ) = cos a
tan(a + k .360 0 ) = tan a
cot an (a + k .360 0 ) = cot an a
como, k = 1,2,3,........, n
Exemplo:
1. Calcule as funções trigonométria do 4050
Solução:
1
* sen(a + k .360 0 ) = sen(45 0 + 1.360 0 ) = sen 45 0 = 2
2
1
* cos(a + k .360 0 ) = cos( 45 0 + 1.360 0 ) = cos 45 0 = 2
2
* tan(a + k .360 0 ) = tan(45 0 + 1.360 0 ) = tan 45 0 = 1
* cot an(a + k .360 0 ) = cot an( 45 0 + 1.360 0 ) = cot an45 0 = 1
2. Calcule as funções trigonométria do 7500
1
* sen(a + k.360 0 ) = sen(30 0 + 2.360 0 ) = sen30 0 =
2
1
* cos(a + k .360 0 ) = cos(30 0 + 2.360 0 ) = cos 30 0 = 3
2
1
* tan(a + k .360 0 ) = tan(30 0 + 2.360 0 ) = tan 30 0 = 3
3
* cot an(a + k .360 0 ) = cot an(30 0 + 2.360 0 ) = cot an30 0 = 3

xxii
1.10. Primeira Relação Fundamental

Defenição:
Uma propriedade fundamental na trigonometria é seja um triângulo retângulo ABC,
sabe-se teorema da pitágoras que:
a 2 = b2 + c2
Dividendo membro a por membro a2 obteremos

a2 b2 c2
= +
a2 a2 a2
2
æbö æcö
1= ç ÷ +ç ÷
èaø èaø
1 = sin 2 + cos 2
De maneira geral podemos escrever para um ângulo qualquer:
sin 2 a + cos 2 a = 1
cos 2 a = 1 - sin 2 a

sin 2 a = 1 - cos 2 a
1.10. Sin(α ± β)
Defenição :

Para determina a formula sin ( α + β) podemos analizar triângulo abaixo:

R
a b

P S Q

Na em cima triângulo daremos:

xxiii
RS
cos a = Þ RS = RP cos a
RP
RS
cos b = Þ RS = RQ cos b
RQ
Como em cima determinação do triângulo PQR ea a relação com a area Triângulo
daremos:
Area PQR = area PRS + area

1 1 1
RQ.RP sin(a + b ) = RS .RP sin a + RS .RQ sin b
2 2 2
1 1 1
RQ.RP sin(a + b ) = RQ cos b .RP sin a + RP cos a .RQ sin b
2 2 2
1 1 1
RQ.RP sin(a + b ) = RQ.RP sin a cos b + RPRQ cos a sin b
2 2 2
RQ.RP sin(a + b ) = RQ.RP(sin a cos b + cos a sin b )
1 1
2 2
sin(a + b ) = sin a cos b + cos a sin b
Com a iqual maneira daremos
Como a – b = a + (-b)
sin( a + (- b )) = sin a cos b - cos a sin b
Exemplo:
1.Calcule o volor do sin( a + b ) e sin( a - b ) do
a. Sin 75
b. Sin 15

3 5
2. sabendo que sin α= sin a = - e cos b = , como α em 30 Qd e β em 1 0 QD.
5 13
Determine o valor do sin(a + b ) e sin(a - b ) !
Solução:

xxiv
1.a ) sin 75 0 = sin( 45 + 30) 0
= sin 45 0 . cos 30 0 + cos 45 0 . sin 30 0
1 1 1 1
= 2. 3+ 2.
2 2 2 2
1 1
= 6+ 2
4 4
=
1
4
(
6+ 2 )

1.b) sin 15 0 = sin( 45 - 30) 0


= sin 45 0. cos 30 0 - cos 45 0. sin 30 0
1 1 1 1
= 2. 3 - 2.
2 2 2 2
1 1
= 6- 2
4 4
=
1
4
(
6- 2 )

2. cos 2 a = 1 - sin 2 a

( 5)
cos 2 a = 1 - - 3
2

9 16
= 1- =
25 25
16 4
cosa = =±
25 5
4
Como α em 30 Qd então cos α= =
5

xxv
2
æ5ö
sin a = 1 - ç ÷
2

è 13 ø
25 144
= 1- =
169 169
144 12
sin a = =±
169 13
12
Como α em 10 Qd então sin α= =
13
Então:
sin(a + b ) 0
æ 3 ö æ 5 ö æ 4 ö æ 12 ö
= ç ÷.ç ÷ + ç ÷.ç ÷
è 5 ø è 13 ø è 5 ø è 13 ø
15 æ 48 ö
= +ç ÷
65 è 65 ø
63
=
65
3 4
3. sabendo que s sen a = e cos b = , como α em 2 0 Qd e β em 40 QD.
4 7
Determine o valor do sin( a + b ) e sin( a - b ) !

cos 2 a = 1 - sin 2 a

( 4)
cos 2 a = 1 - 3
2

9 16 9
= 1- = -
16 16 16
4
7 7
cosa = =±
16 4

7
Como α em 30 Qd então cos α= = -
4

xxvi
2
æ4ö
sin b = 1 - ç ÷
2

è7ø
16 49 16
= 1- = -
49 49 49
33 33
sin b = =±
49 7

33
Como α em 10 Qd então sin β = -
7
Então:
sin(a + b ) 0
= sena . cos b + cos a .senb
æ3öæ4ö æ 7 öæ 33 ö
= ç ÷.ç ÷ + çç - ÷.ç -
÷ ç
÷
è 4øè 7 ø è 4 øè 7 ÷ø
12 æç 231 ö÷
= +
28 çè 28 ÷ø

sin(a - b ) 0
= sena . cos b - cos a .senb
æ3öæ4ö æ 7 öæ 33 ö
= ç ÷.ç ÷ - çç - ÷.ç - ÷
è 4 ø è 7 ø è 4 ÷ø çè 7 ÷ø
12 æç 231 ö÷
= -
28 çè 28 ÷ø

xxvii
v Cos(α ± β)

Defenição :

cos(α +β) = sin (900-(α +β)


= sin (900-α -β)
= sin (900-α )-β)
= sin (900-α) cos β)-sin α sin β
Cos (α +β)=cosα.cosβ – sinα.sinβ

Com a iqual maneira daremos


Como a – b = a + (-b)
cos(a + ( - b )) = cos a cos b + sin a sin b
cos(a - b )) = cos a cos b + sin a sin b
Exemplo:
Calcule o valor de cos(α + β) ou cos(α + β) do 750 e 15 0!
Solução:
cos 75 0 = cos(45 + 30) 0
= cos 45 0. cos 30 0 - sin 45 0. sin 30 0
1 1 1 1
= 2. 3- 2.
2 2 2 2
1 1
= 6- 2
4 4
=
1
4
( 6- 2 )

xxviii
cos 750 = cos(45 - 30) 0
= cos 450. cos 30 0 + sin 45 0. sin 30 0
1 1 1 1
= 2. 3 + 2.
2 2 2 2
=
1
4
6+
1
4
2=
1
4
6+ 2( )

v Tan(α ± β)
sin(a + b )
v tan(a + b ) =
cos((a + b )
sin a cos b + cos a sin b
=
cos a cos b - sin a sin b
sin a cos b cos a sin b
+
cos a cos b cos a cos b
=
cos a cos b sin a sin b
-
cos a cos b cos a cos b
sin a sin b
+
cos a cos b
=
1 - tan a tan b
sin(a - b )
v tan(a - b ) =
cos((a - b )
sin a cos b - cos a sin b
=
cos a cos b + sin a sin b
sin a cos b cos a sin b
-
cos a cos b cos a cos b
=
cos a cos b sin a sin b
+
cos a cos b cos a cos b
sin a sin b
-
cos a cos b
=
1 + tan a tan b

xxix
Portanto ;
tan a + tan b
tan(a + b ) =
1 - tan a tan b
sin(a - b )
v tan(a - b ) =
cos((a - b )
sin a cos b - cos a sin b
=
cos a cos b + sin a sin b
sin a cos b cos a sin b
-
cos a cos b cos a cos b
=
cos a cos b sin a sin b
+
cos a cos b cos a cos b
sin a sin b
-
cos a cos b
=
1 + tan a tan b
Portanto ;
tan a + tan b
tan(a + b ) =
1 - tan a tan b
Exemplo:
1. Determine a tan (α + β) ou tan (α -β) do 2550 e 150!
Solução:

tan 2250 + tan 300


tan(225 + 30) =
1 - tan 2250 tan 30 0
1 1 1
1+ 3 1+ 3 1+ 3
= 3 = 3 x 3
1 1 1
1 - 1. 3 1 - 3 1+ 3
3 3 3
4+2 3
= 3 = 2+ 3
2
3

xxx
tan 450 + tan 300
tan(45 + 30) =
1 - tan 450 tan 30 0
1
1- 3
= 3
1
1 + 1. 3
3
1 1
1- 3 1- 3
3 3 4-2 3
= x = = 2- 3
1 1 2
1+ 3 1- 3
3 3 3
2. Utlize a formula sen(a + b ) , cos(a + b ) e tan(a + b ) do 435 0

sen4350
= sen(a + k.3600 )
= sen(750 + 1.3600 )
= sen750
= sen(450 + 300 )
= sena . cos b + cosa .senb
= sen450. cos 300 + cos 45.sen300
= 1
2
2. 12 3 + 12 2. 12
= 1
4 6 + 14 2
= 14 ( 6 + 2 )

xxxi
cos 4350
= cos(a + k.3600 )
= cos(750 + 1.3600 )
= cos 750
= cos(450 + 30 0 )
= cosa . cos b - sena .senb
= cos 450. cos 30 0 - sen450.sen300
= 1
2
2. 12 3 - 12 2. 12
= 1
4 6 - 14 2
= 14 ( 6 - 2 )

tan 4350
= tan(a + k .360 0 )
= tan(750 + 1.360 0 )
= tan 750
= tan(450 + 30 0 )
tan 450 + tan 300
= tan(45 + 30) =
1 - tan 450 tan 30 0
1 1 1
1+ 3 1+ 3 1+ 3
= 3 = 3 x 3
1 1 1
1 - 1. 3 1 - 3 1+ 3
3 3 3
4+2 3
= 3
2
3
= 2+ 3

xxxii
1.11. Seno Dos Dois Ângulos Iquais
Defenição:
sin(a + b ) = sin a cos b - cos a sin b
Quando α=β então;
sin(a + a ) = sin a cos a + cos a sin a
sin 2a = 2 sin a cos a
Exemplo:
Determine a sin 2αdo sin 600 e 900 !
Solução:
v sin 60 0 = 2 sin 30 0 cos 30 0
æ1 1 ö
= 2ç x 3÷
è 2 2 ø
æ 1 ö
= 2ç 3÷
è4 ø
1
= 3
2

v sin 90 = 2 sin 45 cos 45


0 0 0

æ1 1 ö
= 2ç 2x 2÷
è2 2 ø
æ1 ö
= 2ç 4÷
è4 ø
æ2ö
= 2ç ÷ = 1
è4ø

1.12. Coseno Dos DoisÂngulosIguais


Defenição:
cos(a + b ) = sin a cos b - cos a sin b
Quando α=β então;
cos(a + a ) = cos a cos a - sin a sin a
sin 2a = cos 2 a - sin 2 a

xxxiii
Exemplo:

1. Determine o cos 4p com o Cos 2p


1
2. Determine o cos 2A com 2 A

Solução:
1. Cos 4p =cos 2(2p); como 2p = α
=cos 2α
= cos2α –sin2α
= cos2α-(1- sin 2α)
= cos2α-1 +cos2α
= 2 cos 2 α-1
=2cos2p-1
1
2. Cos A = cos 2( A )
2
1
Como A= α
2
=cos 2α
= cos2 α –sin 2 α
1 1
= cos2 A - sin2 A
2 2

xxxiv
1.13. Tangente Dos DoisÂngulosIguais
Defenição:
tana + tan b
tan(a + b ) =
1 - tana tan b
Quando α=β então;
tan a + tan a
tan(a + a ) =
1 - tan a tan a
2 tan a
tan 2a =
1 - tan 2 a

Exemplo:

Determine o valor do tan 2α quandoα = 3


Solução:
2 tan a
tan 2a =
1 - tan 2 a
2 3
=
1- ( 3)
2

2 3 2 3
= = =- 3
1- 3 - 2

xxxv
1.14. Senos E Cossenos De AlgunsÂngulosNotáveis
Defenição:

Uma maneira de obter o valor do seno e cosseno de alguns ângulos que aparecem
com muita frequência em exercícios e aplicações, sem necessidade de memorização
é através de simples observação círculo trigonométrico.

p
2p 2 p
3 3 p
3p
4 4
5p 2p p
6 6
p
7p
-
2
3 -
2
2
-
1
2 ·
· 1
2 2
2

2
3
0
6 11p
5p 6
4 7p
4
4p 3p 5p
3 2 3

Exemplo:
3 5
Se sin a = - e cos b = , como α em 30 Qd e β em 10 QD calcule :
2 13
a. Cos (+)
b. Cos (-)
cos 2 a = 1 - sin 2 a

xxxvi
(
cos 2 a = 1 - - 3
5
)
2
=1-
9
=
25 25
16

16 4
cos a = =±
25 5
Então
4
a. Cos (+) =
5
4
b. Cos (-) = -
5

1.15. Segundo Relação Fundamental

Defenição :

Outra relação Fundamental na trigonometria, muitas vezes tomada como defenição


da função tagente, é dada por:
sen (a ) y
tan a = ou tan a =
cos(a ) x
Exemplo:
Determina a tan α do seno α = 1
2 e cosseno α= 1
2
3.
Solução:
1
sen (a ) 2 = 1 =1 3
tan a = =
cos(a ) 1 3 3 3
2

xxxvii
1.16. Adição e a diferença do seno e cosseno
a. Cos a+ cos b
Ø cos( a + b) + cos( a - b) = 2 cos a. cos b
Ø cos( a + b) - cos( a - b) = -2 cos a. cos b
b. Sen a + sen b
Ø sen (a + b) + sen ( a - b) = 2 sena. cos b
Ø sen (a + b) + sen ( a - b ) = 2. cos a.senb

Exemplo:
Dizer no forma aseguir para Adição e a diferença dos dois ângulos:
a. 2senA.cos B
b. 2cos x.sen y
c. 2cos 4x.cos 3x
d. 2sen75 0.cos 50
Solução:
a. 2senA.cos B = sen(A+B) + sen(A-B)
b. 2cos x.sen y = sen(x+y) - sen(x-y)
c. 2cos 4x.cos 3x = cos (4x+3x)+cos(4x- 3x) = cos 7x + cos x
d. 2sen75 0.cos 50 = sen(75 0+50) + sen(750-50 )= sen800 + sen700

1.17. Produto do seno e cosseno


æ A+ Bö æ A- Bö
a. Sen A + sen B = 2senç ÷cosç ÷
è 2 ø è 2 ø
æ A+ Bö æ A- Bö
b. Sen A - sen B = 2cosç ÷.senç ÷
è 2 ø è 2 ø
æ A+ Bö æ A-Bö
c. cos A + cos B = 2cosç ÷cosç ÷
è 2 ø è 2 ø

xxxviii
æ A+ Bö æ A- Bö
d. cos A - cos B = -2cosç ÷cosç ÷
è 2 ø è 2 ø
Exemplo:
Dizer na forma produto e simplifica:
a. cos 80 0 + cos 40 0
b. cos 35 0 - cos 25 0
c. sen 110 0 + sen 70 0
d. sen 18 0 - sen 42 0

Solução:
æ 80 0 + 40 0 ö æ 80 0 - 40 0 ö
a. cos 80 0 + cos 40 0 = 2 cosçç ÷÷. cosçç ÷÷ = 2 cos 60 0. cos 20 0 = cos 20 0
è 2 ø è 2 ø

æ 350 + 250 ö æ 350 - 250 ö


b. cos 350 - cos 250 = -2sençç ÷÷.sençç ÷÷ = 2sen30 0.sen5 0 = sen50
è 2 ø è 2 ø

æ 1100 + 70 0 ö æ 1100 - 70 0 ö
c. sen 1100 + sen 70 0 = 2sençç ÷÷. cosçç ÷÷ = 2 cos 90 0. cos 20 0 = 2 cos 20 0
è 2 ø è 2 ø

æ 0 ö æ 0 ö
d. sen 180 + sen 42 0 = 2 cosçç 18 + 42 ÷÷. cosçç 18 - 42 ÷÷ = 2 cos 30 0.sen(-12 0 ) = - 3 cos12 0
0 0

è 2 ø è 2 ø

xxxix
1.18. LEI DO SENO E COSSENO

xl
xli
xlii
xliii
xliv
xlv
xlvi
xlvii
xlviii
xlix
l
NoçõesBásicas da Estatística

2.1. Populaçãoouuniversoestatístico
Defenição:
v População ou unniverso estatístico é o conjunto total de elementos que possuem,
pelo menos uma, uma característica comum
Ex:
Todos os alunos do ES. Colegio São José
v Amostra é uma pequena parte da População
Ex:
Os alunos 2 o Turma ….. do ES. Colegio São José

Variável
Variável dividendo em duas partes são :
v Variável quantitativa é a Variável em que seus valores (respostas) são
representados por quantidades .
ü Variável quantitativa dividida em dois grandes grupos:
Variável quantitativa continua é onde seus posiveis volores
(respostas) são representados por pelo conjunto dos número reais
Ex:
altura, toneladasetc
Variável quantitativa discreta é onde seus valores (respostas) são
representados por inteiros não negatives
Ex : numeros de irmãos, Idades etc
v Variável qualitativa é em que seus valores (respostas) são qualidades
(características , atributos) dos individos entrevistados.
Ex : os corres, os nomes,

li
2.2. Freqüênciaabsoluta e Freqüênciarelativa
Defenição:
v Freqüência absoluta (FA)é o número de vezes que um valor da Variável
aparece
v Freqüência relativa (FR)é a razão entre a Freqüência absoluta o total de
æ FA ö
entrevistados ç FR = x100% ÷
è total ø
Exemplo:
Dados Os alunos 2 o Turma ….. do ES. Colegio São José de cada distritos
Distrito FA FR
Aileu
Ainaro
Baucau
Bobonaro
Dili
Ermera
Lautem
Manatuto
Manufahi
Covalima
Viqueque
Oecusse
Liquisa

2.3. Amplitude total de uma amostra (At)


Defenição:

lii
Amplitude total de uma amostra é a diferença entre o maior e omenor valor dessa
amostra (At = o maior – o menor
Exemplo:

Idades FA
3 6
4 8
5 7
6 9

No abaixo tabela daremos At= 6-3=3

2.4. Classe (i)


2.4.1. O quesão classes
Defenição:
Classes são intervalos de variação dos valores de uma variavel, cada
classe possui um inicio e um fin.

10 a 29 Limite superior

Limite inferior
Intervalo

· Limite inferior da classe é o inicio da do intervalo


· Limite superior da classe é o fin do intervalo da classe

liii
Para se construir uma tabela que mostra os dados em classe, ou seja, os dados
intervalos, devemos seguir alguns passos
1 0 passso : Encontar os dados em rol (pode ser em cresente ou decresente)
0
2 passso : Encontrar a amplitude total da amostra

3 0 passso : Escolher o número da classe (NC= 1+3.3logn)

4 0 passso : Determinar a Amplitude do Intervalo de classe (AI)

5 0 passso : Determinar os limites da classe

6 0 passso : Contruir a tabela da freqüência

Ex:
As notas TPC dos alunos 20 turma …….. do ES. Colegio São José em matemática
foram as sequintes no capitulo I:
45, 65, 75 , 85, 64, 55, 62, 78, 69, 83, 82, 88, 81, 72, 40, 50, 50, 70, 60, 65, 35, 85,
79, 80, 70, 60, 65, 80, 70, 85, 85, 90, 95, 75, 45, 55, 55, 75, 100, 100, 40, 55, 60, 70,
80.
Determmina :
a. Freqüênciaabsoluta
b. Freqüênciarelativa
Solução:
1 0 passso : Encontar os dados em rol (pode ser em cresente ou decresente)
35; 40; 40; 45; 45; 50; 50; 55; 55; 55; 55; 60; 60; 60; 62; 64; 65; 65; 65; 69; 70; 70;
70; 70; 72; 75; 75; 75; 78; 79; 80; 80;80; 81; 82; 83; 85; 85; 85; 85; 88; 90; 95; 100;
100.
2 0 passso : Encontrar a amplitude total da amostra

AT= notas maior-notas menor

= 100-35

liv
= 65

3 0 passso : Escolher o número da classe (NC= 1+3.3logn)

NC = 1 + 3.3 log n
= 1 + 3.3 log 45
= 1 + 3.3(1.65)
= 1 + 5.45
= 6.45

Portanto NC= 6
4 0 passso : Determinar a Amplitude do Intervalo de classe (AI)

AT 65
AI = = = 10.83 » 11
NC 6
Portanto AI =11

5 0 passso : Determinar os limites da classe

35-46; 46-57, 57-68; 68-79;79-90; 90-101

6 0 passso : Contruir a tabela da freqüência

Notas FA FR
35 a 46 5 11.11%
46 a 57 6 13.33%
57 a 68 8 17.78%
68 a 79 11 24.44%
79 a 90 12 26.67%
90 a 101 3 6.67
Total 45 100%

Tábelalogaritma COMEÇA 1-100

lv
valor Valor Valor Valor
Log Log Log Valor log Log Log Log Log Log Log
1 0 21 1.322219 41 1.612784 61 1.78533 81 1.908485
2 0.30103 22 1.342423 42 1.623249 62 1.792392 82 1.913814
3 0.477121 23 1.361728 43 1.633468 63 1.799341 83 1.919078
4 0.60206 24 1.380211 44 1.643453 64 1.80618 84 1.924279
5 0.69897 25 1.39794 45 1.653213 65 1.812913 85 1.929419
6 0.778151 26 1.414973 46 1.662758 66 1.819544 86 1.934498
7 0.845098 27 1.431364 47 1.672098 67 1.826075 87 1.939519
8 0.90309 28 1.447158 48 1.681241 68 1.832509 88 1.944483
9 0.954243 29 1.462398 49 1.690196 69 1.838849 89 1.94939
10 1 30 1.477121 50 1.69897 70 1.845098 90 1.954243
11 1.041393 31 1.491362 51 1.70757 71 1.851258 91 1.959041
12 1.079181 32 1.50515 52 1.716003 72 1.857332 92 1.963788
13 1.113943 33 1.518514 53 1.724276 73 1.863323 93 1.968483
14 1.146128 34 1.531479 54 1.732394 74 1.869232 94 1.973128
15 1.176091 35 1.544068 55 1.740363 75 1.875061 95 1.977724
16 1.20412 36 1.556303 56 1.748188 76 1.880814 96 1.982271
17 1.230449 37 1.568202 57 1.755875 77 1.886491 97 1.986772
18 1.255273 38 1.579784 58 1.763428 78 1.892095 98 1.991226
19 1.278754 39 1.591065 59 1.770852 79 1.897627 99 1.995635
20 1.30103 40 1.60206 60 1.778151 80 1.90309 100 2

AS FORMAS PARA DETER MINAR LOGARITMA

Log 1 = 0
log a .b = log a + log b
a
log = log a - log b
b
log a n = r log a

lvi
Representações Gráficas
Defenição:

Os gráficos são utilizados para faciltar a compreensão de informações e para um


melhor resumo de dados

3.1. Gráfico De Setores (Pizza)

Defenição :

Gráfico de setores (pizza) são gráfico de dados em circulo que dividir pelo alguns
setores.

Ex:
As notas TPC dos alunos 20 turma …….. do ES. Colegio São José em matemática
foram as sequintes no capitulo I:
45, 65, 75 , 85, 64, 55, 62, 78, 69, 83, 82, 88, 81, 72, 40, 50, 50, 70, 60, 65, 35, 85,
79, 80, 70, 60, 65, 80, 70, 85, 85, 90, 95, 75, 45, 55, 55, 75, 100, 100, 40, 55, 60, 70,
80.
Determmina :
a. Freqüênciaabsoluta
b. Freqüênciarelativa
c. Construe-lo o Gráfico de setores
Solução:
1 0 passso : Encontar os dados em rol (pode ser em cresente ou decresente)
35; 40; 40; 45; 45; 50; 50; 55; 55; 55; 55; 60; 60; 60; 62; 64; 65; 65; 65; 69; 70; 70;
70; 70; 72; 75; 75; 75; 78; 79; 80; 80;80; 81; 82; 83; 85; 85; 85; 85; 88; 90; 95; 100;
100.

lvii
2 0 passso : Encontrar a amplitude total da amostra

AT= notas maior-notas menor

= 100-35

= 65

3 0 passso : Escolher o número da classe (NC= 1+3.3log.n)

NC = 1 + 3.3 log n
= 1 + 3.3 log 45
= 1 + 3.3(1.65)
= 1 + 5.45
= 6.45

Portanto NC= 6
4 0 passso : Determinar a Amplitude do Intervalo de classe (AI)

AT 65
AI = = = 10.83 » 11
NC 6
Portanto AI =11

5 0 passso : Determinar os limites da classe

35-46; 46-57, 57-68; 68-79;79-90; 90-101

6 0 passso : Contruir a tabela da freqüência

lviii
v Freqüênciarelativaemgraus (0)

FA 1 5
FR( 0 ) 1 = x 360 0 = x 360 0 = 40 0
å FA 45
FA 2 6
FR( 0 ) 2 = x 360 0 = x 360 0 = 48 0
å FA 45
FA 3 8
FR( 0 ) 3 = x 360 0
= x 360 0
= 64 0

å FA 45
FA 4 11
FR( 0 ) 4 = x 360 0
= x 360 0
= 88 0
å FA 45
FA 5 12
FR( 0 ) 5 = x 360 0
= x 360 0
= 96 0
å FA 45
FA 6 3
FR( 0 ) 6 = x 360 0
= x 360 0
= 24 0
å FA 45

v Freqüênciarelativaemprocento (%)

FA 1 5
FR(%) = x 100 % = x 100 % = 11 . 11 %
å FA
1
45

FA 2 6
FR(%) = x100 % = x100 % = 13 . 33 %
2
å FA 45
FA 3 8
FR(%) = x100 % = x100 % = 17 . 78 %
3
å FA 45

FA 4 11
FR(%) = x100 % = x100 % = 24 . 44 %
å FA
4
45

FA 5 12
FR(%) = x100 % = x100 % = 26 . 67 %
å
5
FA 45
FA 6 3
FR(%) = x100 % = x100 % = 6 . 67 %
å
6
FA 45

lix
Notas FA FR
35 a 46 5 11.11% 400
46 a 57 6 13.33% 480
57 a 68 8 17.78% 640
68 a 79 11 24.44% 880
79 a 90 12 26.67% 960
90 a 101 3 6.67 240
Total 45 100% 3600

lx
v Construi-lo o gráfico de setores

90-101
7%
35-46
11%

46-57
79-90 13%
27%

57-68
68-79 18%
24%

lxi
3.2. Gráfico De Segmentos

Defenição :

Segmento reta é o que podemos chamar de um pedaço de reta. Ele possui um inicio
em um ponto que chamaremos de A e um fin em outro ponto que chamaremos de B.

Baseia o exemplo que tinha em gráfico de setores, nos podemos contrui-lo o gráfico
segmento.

30,00%

25,00%

20,00%

15,00%

10,00%

5,00%

0,00%
35-46 46-57 57-68 68-79 79-90 90-101

lxii
3.3. Gráfico De Barras

Defenição :

Gráfico de barras é o gráfico de dados que construir em barras.

Baseia o exemplo que tinha em gráfico de setores, nos podemos contrui-lo o gráfico
de barras.

30,00%

26,67%
25,00%
24,44%

20,00%

17,78%

15,00%

13,33%

10,00% 11,11%

6,67%
5,00%

0,00%
35-46 46-57 57-68 68-79 79-90 90-101

lxiii
3.4.O Histograma

Defenição :

O Histograma é um gráfico de barras que representa os dados que estão em classes ,


ou seja que possui intervalos.

Baseia o exemplo que tinha em gráfico de setores, nos podemos contrui-lo o gráfico
segmento.

30,00%

26,67%

25,00% 24,44%

20,00%
17,78%

15,00%
13,33%

11,11%

10,00%

6,67%

5,00%

0,00%
35-46 46-57 57-68 68-79 79-90 90-101

lxiv
3.5. Polígono Do Histograma

Defenição :

Polígono do histograma são os segmentos que ligam, em seqüência, os pontos médios


das bases superiores de um histograma, foram um gráfico de segmentos.

Para encontramos os pontos médios d cada base, vejamos esse calculo:

ICI i + ICS i
MS i =
2

Obs:

i : 1, 2, 3, ….., n

MS : Médios de cada base superior

ICI : intervalo de cada classe inferior

ICS : intervalo de cada classe superior

Baseia o exemplo que tinha em gráfico de setores, nos podemos contrui-lo o gráfico
de polígono do histograma.

ICI1 + ICS1 35 + 46 81 ICI4 + ICS4 68 + 79 147


MS1 = = = 40.5 MS4 = = = 73.5.5
2 2 2 2 2 2
ICI2 + ICS2 46 + 57 103
MS2 = = = 51.5 ICI5 + ICS5 79 + 90 169
2 2 2 MS5 = = = = 84.5
2 2 2
ICI3 + ICS3 57 + 68 125 ICI6 + ICS6 90 +101 191
MS3 = = = = 62.5 MS6 = = = = 95.5
2 2 2 2 2 2

lxv
Medidas de Tendência Central

4.1. MÉDIA ARITMÉTICA


Generalizado; podemos afirmar que, dados n valores, a1, a2, a3, ..... an de uma variavel,
a média aritmética é o número obtido da seguinte forma:

a1 + a 2 + a3 + ...... + a n
Ma =
n
Exemplo:
1.Um aluno durante o primiro trimestre tirou as seguites notas na avalições :6, 7 e 8.
Determinar a Ma!
Solução:

lxvi
a1 + a 2 + a3
Ma =
3
6+7+8
=
3
21
=
3
=7
2. umaloja de ropasnaaudianpossui 10 funcionários. Dos 3 funcionáriosganham $400
dólares, 6 funcionáriosganham $ 270 dólares, e um funcionariosganha $ 180
dólares.Determina Ma (quantoessalojagasta com osfuncionários)!
Solução:

3(400) + 6(270) + 1(180)


Ma =
10
400 + 400 + 400 + 270 + 270 + 270 + 270 + 270 + 270 + 180
=
10
3000
= = 300
10

Então os funcionários dessa loja ganham $ 300 dólares.

4.2. MODA (Mo)

Moda é ovalor que mais se repete.

Exemplo:

uma loja de ropas na Audian possui 10 funcionários. Dos 3 funcionários ganham


$400 dólares, 6 funcionários ganham $ 270 dólares, e um funcionarios ganha $ 180
dólares. Determina Mo!

lxvii
Solução:

{ 180, 400, 400, 400, 270, 270, 270, 270, 270 e 270}

Mo =270

4.3. MEDIANA(Me)

Mediana é o valor que devide um conjunto de dados em duas partes nas quais a
quantidade de elementos menores ou maiores a ela sejam eguais.

Exemplo:

Um aluna do 2 0 turma B ES. AN’NUR tirou as seguintes tabela na avaliação:

no materia valor
1 religiao 8
2 etica 7
3 lingua portugues 8
4 lingua malaio 6
5 lingua ingles 9
6 Matematica 8
7 Biologia 6
8 Fisica 5
9 quimica 4
10 Geografica 9

Determinar a mediana !
Solução:
1 0 passo : os dados estejam em rol;{4, 5, 6, , 6, 7, 8, 8, 8, 9, 9}

lxviii
2 0 passo: como nossa sequência é composta de10 valores, ou seja de um número par
devalores, a mediana será a média arimética dos dois valores centrais.

4 volores antes 2 volores 4 volores depois


centrais

{4, 5, 6, 6, 7, 8, 8, 8, 9, 9}

7 + 8 15
Me = = = 7.5
2 2

4.4. MÉDIA GEOMÉTRICA (G)

Defenição:
Média Geométrica é a raiz n-ésima dos produtos dos valores observados.
A média geométrica corresponde a raiz n – ésima do produto desses n
números.Dados n números reais não negativos, x1, x2, x3,......., xn sendo ≥ 2, defene-se
com média geométrica (G) desses valores pela relação:

G = n x1 .x2 .x3 ...xn

Exemplo:
1. Calcule a média geométrica do seguintes valores: 2, 4, 4,8.
Resolução;

lxix
G = n x1 .x 2 .x 3 .x 4
= 4
2 .4 .4 .8
= 4
2 .2 .2 .2 .2 .2 .2 .2
= 4
28
1

= (2 ) 8 4

= 2 4

= 22
= 4

2. Calcule a média geométrica do seguintes valores: 2, 3, 3, 3, 3, 6, 9.

lxx
G = n x1 .x2 .x3 .x 4 .x5 .x6 .x7
= 7 2.3.3.3.3.6.9
= 7 2.3.3.3.3.2.3.3.3
= 7 2.2.3.3.3.3.3.3.3
= 7 2 2.37 = 7 2 2 .7 37
1

= (3 ) . 4
7 7 7

=3 . 4
7 7

= 31 7 4
= 37 4

4.5. MÉDIA HARMONICA (H)

defenição:

o inverso da média aritmética dos inversos de x1, x2, x1,.., xn, dado um conjunto de
valores não nulos x1, x2, x1,….., xn, defene-se a . média harmonica (H) desses valores
pela realação:

-1
æ1 2 1 1 ö
ç + + + ...... + ÷
x x2 x3 xn ÷
H =ç 1
ç h ÷
ç ÷
è ø

exemplo:

lxxi
calcule o a média harmonica dos seguintes valores; 5, 6, 4, 7.

Solução:

-1
æ 1 1 1 1 ö
ç + + + ÷
ç x1 x 2 x3 x 4 ÷
H=
ç n ÷
ç ÷
è ø
-1
æ1 1 1 1ö
ç + + + ÷
=ç5 6 4 7÷
ç 4 ÷
ç ÷
è ø
-1
æ 11 11 ö
ç + ÷
= ç 30 28 ÷
ç 4 ÷
ç ÷
è ø

lxxii
-1 -1
æ 308 + 330 ö æ 638 ö
ç ÷ ç ÷
= ç 840 ÷ = ç 840 ÷
ç 4 ÷ ç 4 ÷
ç ÷ ç ÷
è ø è ø
-1
æ 638 ö
ç ÷ -1
æ 638 1 ö
= ç 840 ÷ =ç x ÷
ç 4 ÷ è 840 4 ø
ç ÷
è 1 ø
-1
æ 638 ö
=ç ÷
è 3360 ø
1
1
= = 1
æ 638. ö 638
ç ÷
è 3360 ø 3360
1 3360
= x
1 638
3360
=
638
= 5.27

4.6. MEDIDAS DISPERSÃO


4.6.1. DESVIO PADRÃO
n
Dados : å ( x i - x ) 2 , significa a soma de todos os valotes como variando de 1 até n,
i =1

ou seja, i pode assumer os seguintes valores, 1, 2, 3, ..............., n sendo que :


· n é o número de elementos;
· xi é o valor de cada element dos dados

lxxiii
n
portanto; Desvio Padrão é a raiz quadrada de valor encontrado å (x
i =1
i - x ) 2 ou

å(x
i =1
i - x) 2

Exemplo:

Determina Desvio Padrão do sequintes valores; 6, 7, 5, 8, e 7

Resolução:

1 0 passo : encontrar os dados em rol; 5, 6, 7, 7, 8

2 0 passo :determina x

x1 + x2 + x3 + x 4 + x5
x=
n
5+6+7+7+8
x=
5
34
=
5
= 6.8

3 0 passo: calcular a diferença de cada dado da amostra a média e elevá-los ao


quadrado

· (x 1 -x ) 2
= (5 - 6.8 ) = (- 1.8) = 3.24
2 2

· (x 2 - x)
2
= (6 - 6.8) = (- 0.8) = 0.64
2 2

· (x 3 - x)
2
= (7 - 6.8) = (0.2 ) = 0.04
2 2

lxxiv
· (x 4 -x ) 2
= (7 - 6.8) = (0.2) = 0.04
2 2

· (x 5 - x)
2
= (8 - 6.8) = (1.2 ) = 1.44
2 2

4 0passo :Encontrar o desviopadrão

n
d = å (x
i =1
i - x) 2

= (x
1 - x ) (
2
) (
2
+ x 2 - x + x 3 - x + x 4 - x + x5 - x ) (
2
) (
2
)2

= 3.24 + 0.64 + 0.04 + 0.04 + 1.44


= 5.4 = 2.32

4.6.2. VARIÂNCIA (V)


Chamamos de variância, o desvio padrão é elevado ao quadrado vejamos:
n

å (x
i =1
i - x) 2
Sabendo que o desvio padrão é d = , então pela defenição de variância,
n

å (x )
n 2

1 -x
teremos: V = d 2 = i =1

n
Exemplo:
Baseando o exemplo do 3.6.1. calcula a variancia!
Resolução:

lxxv
å (x )
n 2

1 -x
i =1
V =d =2

n
3.24 + 0.64 + 0.04 + 0.04 + 1.44
=
5
5.4
=
5
= 1.08

lxxvi
Introdução à Análise Combinatorial
5.1. Permutação Simples E Factorial De Um Número
Agrupamentos ( conjuntos ) que diferem pela ordem do seus elementos, recebem o
nome da permutações simples. Permutar significa mudar, trocar. Indicamos por Pn o
número de permutações simples de n elementos:
Pn = n(n-1)(n-2)…….3.2.1

O resultado obtido com p n também chamado de factorial do número natural n e


indicando por n! (lê –se “ factorial de n ou n factorial)

Exemplo:

1. Calcule o valor de P5 = 5!

Solução:
P5 = 5! = 5.4.3.2.1

= 20.6

= 120

5.2. Arranjo Simples

A Análise combinatorial clasifica os agrupamentos em dois tipos fundamentais:

a. Arranjo : agrupamentos em que considera a ordem dos elementos


b. Combinação : agrupamentos em que não se considera a ordem dos
elementos

Definindo:

lxxvii
Seja A = {a1, a2 , a3,…., an} um conjunto formado por n elementos e seja p um
número menor que n , mas que não seja 0. Chama-se arranjo simples de n elementos
tomado p a p, os agrumentos ordenados diferentes que se podem formar com p dos n
elementos dados. Indica-se An,p, o total desses agrupamentos, que calculamos assim :

n!
An , p =
(n - p )!

Exemplo:

1. De quantas maneira o meninos podem sentar-se num banco que tem apenas 3
lugares?
Solução:
São 5 meninos em 3 lugares, então , para o primeiro lugar teremos 5 posdibilidades,
para o Segundo lugar 4 e a para o terseiro lugar 3. Aplicando o princípio fundamental
de contagemteremos:
= 5.4.3
= 60

2. Um estudante possui 5 lápis de corres diferentes. De quantas maneiras deferentes


ele poderá pintar , num mapa, os distritos de Manatuto, Baucau, Viqueque e
Lautem cada qual com uma cor?

Solução:

Aplicando o princípio fundamental de contagem teremos:

= 5.4.3.2

= 20 . 6

= 120

lxxviii
Ou

n!
An , p = =
(n - p )!
5! 5.4.3.2.1 120
A5, 4 = = = = 120
(5 - 4)! 1! 1

5.3. Combinações Simples

5.3.1. cáculo do número de Combinações Simples de n elementos


distindos tomados p a p.

Generalizado :

Seja A = {a1, a2 , a3,…., an} um conjunto com n elementos. O Número de


Combinações Simples dos n elementos tomados p a p é indicado por Cn,p e pode ser
obtido através da regra de três:

An , p
Cn, p =
p!
n!

Cn, p =
(n - p )!
p!
n!
Cn, p =
p!(n - p )!

lxxix
Exemplo:

Valeria, Julio, Isabel, Mausoco e Pilor são alunos em numa escola Secundária em
Dili. Dois deles presizam representar sua escola em um congreso sobre educação.
Quais e quantassão as posiveisduplasquepoderíamosformar com essesalunos?

Solução:

Formaremostodas as posiveisduplas

{Valeria, Julio},{Valeria, Isabel}, {Valeria, Mausoco}, {Valeria, Pilor}

{Julio, Isabel},{Julio, Mausoco}, {Julio, Pilor}

{Isabel, Mausoco}{Isabel ,Pilor}

{Mausoco, Pilor}

Ou

n!
Cn , p =
p!(n - p )!
5! 5.4.3.2.1 120
C 5, 2 = = = = 10
2!(5 - 2 )! 2!.3! 12

5.4. Permutação Com Repetição

Generalizando:

A Permutação de n elementos, dos quais k são de um tipo, w são de outro tipo, e y


são de outro, k + w + y = n, é dada por :

lxxx
n!
Pnk , w, y =
k!w! y!

Quantossãoosanagramas dapalavra TUTUALA?

n!
Pnk ,w, y =
k! w! y!
T = 2,
U =2
A=2
L =1
7!
P72 , 2, 2.1 =
2!2!2!1!
5!
=
2!2!
= 5.4.3
= 60

5.5. Permutação Circular

Uma Permutação Circular de (n-1)!. Representamos a Permutação Circular por :

Pc ( n ) = ( n - 1)!

Osalunosconsidereumaescolacompostapor 5 pessoas.Numsala de estuda,


essaalunosocupauma mesa
redonda.Quantasmaneirasdeferentesessasalunospodemsentar-se emtorno da mesa?

Solução:

Pc ( n ) = ( n - 1)!= (5 - 1)!= 4!= 24

lxxxi
5.6. NúmeroBinomiais

n!
O número de combinações simples, é dada pelafórmula C n , p = , apartir de
p!(n - p )!

æn ö
agora, indicaremosessenúmeropelosímbolo çç ÷÷ , ouseja:
è pø

numerador æn ö n!
çç ÷÷= C n, p = , para{n, p} Ì N , p £ n
denumerado r è pø p!(n - p )!

5.6.1. O Triângulo de Pascal

Generalizando :
Coluna 3
Coluna 1

Coluna 2
Coluna 0

æ0ö 0! 1
çç ÷÷ = = =1
æ 0ö è 0 ø 0!(0 - 0)! 1
çç ÷÷ Linha 0
è 0ø
æ1 ö æ1ö
çç ÷÷ çç ÷÷ Linha 1
è 0ø è1ø æ1ö 1! 1
çç ÷÷ = = =1
è1ø 1!(1 - 1)! 1
æ2ö æ2ö æ 2ö
çç ÷÷ çç ÷÷ çç ÷÷ Linha 2
è0ø è1 ø è 2ø
æ 2ö 2! 2
æ3ö æ 3ö æ3ö æ 3ö çç ÷÷ = = =1
çç ÷÷ çç ÷÷ çç ÷÷ çç ÷÷ Linha 3 è 2 ø 2!(2 - 2)! 2
è 0ø è1 ø è 2ø è 3ø

lxxxii
æ 2 ö æ 2 ö æ 3 ö æ 3ö æ 3 ö æ 3ö
Com acimasoluçãocalcule o valor de çç ÷÷ , çç ÷÷ , çç ÷÷ , çç ÷÷ , çç ÷÷ e çç ÷÷ (bukarasik)
è 0 ø è1 ø è 0 ø è1 ø è 2 ø è 3ø

GENERALIZADO…

Pelarelação de stiffel, temosque a soma de doisnúmerosbinomiaisconsecutivos de


umalinha é igualaonúmero binomial nalinhaseguinte, embaixo do Segundo binominal
æ n ö æ n ö æ n + 1ö
somado, ouseja, çç ÷÷ + çç ÷÷ = çç ÷÷
è k ø è k + 1ø è k + 1ø

æ7ö
Procure no triângulo de pascalosvalores de çç ÷÷
è3ø

Solução :

æ7ö æ 6 + 1ö
O valor quequeremosencontraré çç ÷÷ , quepoderemosrepresentarpor çç ÷÷ . Seguindo
è3 ø è 2 + 1ø
a relação de stiffel, teremos :

æ n ö æ n ö æ n + 1ö
çç ÷÷ + çç ÷÷ = çç ÷÷
è k ø è k + 1ø è k + 1ø

æ 6 ö æ 6 ö æ 6 + 1ö
çç ÷÷ + çç ÷÷ = çç ÷÷.
è 2 ø è 2 + 1ø è 2 + 1ø

O valor de n = 6 o valor de k = 2. Observando no triângulo de pascal, encotraremos


æ6ö æ 6ö
çç ÷÷ = 15 e çç ÷÷ = 20 , sendoassim,
è 2ø è3ø

æ6ö æ 6ö æ7ö
çç ÷÷ + çç ÷÷ = çç ÷÷. São
è 2ø è3ø è3ø

15+20 = 35

lxxxiii
5.7. NúmerosBinomiaisComplementares

Observandoossnúmerosbinomiais a seguir, vamosver se existealgumarelação entre


osnumeradores e denominadores :

æ 3ö æ 3 ö
çç ÷÷ e çç ÷÷
è1 ø è 2 ø

Inicialmente, percebemosqueosnumeradoressãoiguais.Emseguida, que a soma dos


denominadores é sempreigualaonumeradorcomum dos númerosbinnomiais.
Aessesnúmerosdamos o nome de númerosbinomiaiscoplementares.

5.8. Binômio de Newton

Vocêdevelembrar de quandoestudoprodutosnotáveis:

( x + a )0 = 1

(x + a )1 = x + a

( x + a )2 = x 2 + 2 xa + a 2

(x + a )3 = x 3 + 3x 2 a + 3xa 2 + a 3

Observaque, quantomaior for o expoente, maistrabalhososserãoos calculus. Para


nosajudarnos calculus, o físico e astrônomo ingles sir Isac Newton demostrouque:

( x + a )0 = æçç
0ö 0 0
÷÷ x a
è0ø

(x + a )1 = æçç
1 ö 1 0 æ1ö 1-1 1
÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a
è 0ø è1ø

lxxxiv
( x + a )2 = æçç
2 ö 2 0 æ 2 ö 2-1 1 æ 2 ö 2-2 2
÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a
è 0ø è1 ø è 2ø

Sendoassim, o Binômio de Newton é uma formula quenosdá o desenvolvimentode


(x + a )n , onde x e a sãonúmerosquaisqer e n Î N . Podemoesrepresentar sob a
seguintes forma:

( x + a )n = æçç
n ö n 0 æ n ö n-1 1 æ n ö n -2 2 æ n ö 3 ænö
÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a3 + ... + çç ÷÷ x n -n .a n
è0ø è1 ø è2ø è3 ø ènø

Exemplo:

Desenvolva a potênncia (x + a )4 .

Solução:

PeloBinômio de Newton, temosque:

( x + a )4 = æçç
4 ö 4 0 æ 4 ö 4 -1 1 æ 4 ö 4 -2 2 æ 4 ö 4-3 3 æ 4 ö 4-4 4
÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a
è0ø è1 ø è 2ø è3ø è 4ø

Emvezes de calcularmoscadanúmero binomial utilizaremos o triângulo de pascal:

Sendoassim, o valor de (x + a )4 sera:

( x + a )4 = æçç
4 ö 4 0 æ 4 ö 4-1 1 æ 4 ö 4-2 2 æ 4 ö 4 -3 3 æ 4 ö 4-4 4
÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a + çç ÷÷ x .a
è0ø è1 ø è 2ø è3 ø è 4ø

( x + a )4 = 1.x 4 .1 + 4.x 3 .a + 6 x 2 .a 2 + 4 x1 .a 3 + 1x 0 .a 4

(x + a )4 = x 4 + 4.x 3 a + 6 x 2 a 2 + 4 x a3 + a4

lxxxv
Exemplo :

Desenvolva a potência 2 x + y 3 . ( )
5

Solução :

PeloBinômio de Newton ,temosque :

Sendoassim, o valor de 2 x + y 3 ( )
5
sera:

(2 x + y ) = æçç 50 ö÷÷(2 x ) .(y )


3 5 3 0 æ 5ö
( ) 1 æ5 ö 5- 2
( )
+ çç ÷÷2 x 5-1 . y 3 + çç ÷÷(2 x ) . y 3
2 æ5ö
( )
+ çç ÷÷(2 x ) . y 3 +
5 -3 3

è ø è1 ø è 2ø è3ø
æ5ö æ 5ö
( )
çç ÷÷(2 x )5-4 . y 3
4
+ çç ÷÷(2 x ) . y 3
5- 5
( ) 5

è 4ø è 5ø

(2 x + y )3 5
= 1.(2 x ) .1 + 5(2 x ) . y 3 + 10(2 x ) . y 6 + 10(2 x ) . y 9 + 5(2 x ) . y 12 + 1(2 x ) . y 15
5 4 3 2 1 0

(2 x + y )3 5
= 32 x 5 + 80 x 4 . y 3 + 80 x 3 . y 6 + 40 x 2 . y 9 + 10 x. y 12 + y15

5.9. Somatório

Durante do estudo de análisaecombinatoria e probabilidade, poderemosnosdeparar


com o símbolo å (letragregadenominada “sigma”) que é

utilizadonasciênciasexatasparaindicarsomatório.

Formula:

n
æmö æmö æm ö æm ö æmö
å çç p ÷÷ . = çç 0 ÷÷ + çç ÷÷ + çç ÷÷ + .......... ... + çç ÷÷
p=i è ø è ø è1 ø è2 ø èn ø
i = 0 ,1, 2 ,....... n

lxxxvi
Exemplo :

5
æ5 ö
Calcule o somatoriode å çç p ÷÷ .
p=0 è ø

Solução:

n
æ5 ö æ5ö æ5ö æ5ö æ5ö
å çç p ÷÷ = çç 0 ÷÷ + çç 1 ÷÷ + çç 2 ÷÷ + çç 3 ÷÷ = 1 + 5 + 10 + 10 = 26
p =0 è ø è ø è ø è ø è ø

lxxxvii
lxxxviii
lxxxix
xc
xci
xcii
xciii
xciv
xcv
xcvi
xcvii
xcviii
xcix
c
ci
cii
Funções No Plano
Caretesiano
7.1. FUNÇÃO AFIM

Defenição :
Sejam α e b reais, sendo α não nulo. Uma função afim é função f : R ® R que para
cada x em R, associa f ( x) = ax + b

7.2. FUNÇÃO LINEAR

Defenição :
Sejam α é número números real . A função linear é uma função f : R ® R que para
cada x em R, associa Função

7.3. FUNÇÃO I DENTIDADE

Defenição
É uma função f : R ® R que para cada x em R, associa f ( x) = x

7.4. FUNÇÃO CONSTANTA


Defenição

ciii
Sejam b um números reais, sendo α não nulo. A função constante associa a cada
x Î R o valor f ( x) = b

7.5. FUNÇÃO QUADRATI CA

Defenição

Sejam a, b, e c números reais, com α não nulo. A função quadrática é uma função
f : R ® R que para cada x em R, f ( x) = ax 2 + bx + c.

7.6. FUNÇÃO CÚBICA

Defenição
Sejam a, b, c e d números reais, sendo α diferente de zero. A função cúbica é uma
função f : R ® R que para cada x em R, associa f ( x) = ax 3 + bx 2 + cx + d .

7.7. FUNÇÃO I NJETORA

Definição:

Uma função f : A ® B éinjetora se quaisquer dois elementos distintos de A, sempre


possuem imagem distintas em B, isto é x1 ≠ x2 implica que f(x1) ≠ (x2).

7.8. FUNÇÃO SOB REJETORA

Definição:

Uma função f : A ® B é sobrejetora se toda elemento de B é a imagem de


pelomenos uma element de A. Isto equivalen a firmaar que a imagem da função

civ
deve ser exatamente igual a B que é o contradomínio da função, ou seja, para toda y
em B existe x em A tal que y = f(x).

7 .9. FUNÇÃO BIJETORA

Definição:

Uma função f : A ® B é bijetora se ela é ao mesmo tempo ijetora e sobrejetora.

7 .10. FUNÇÃO PAR

Definição:

Uma função real f é par se, para todo x do domínio de f, tem-se que f(x) = f(-x).
Uma função par possui o gráfico simétrico em relação ao eixo vertical OY.

7 .11. FUNÇÃO IMPAR

Definição:

Uma função real f é par se, para todo x do domínio de f, tem-se que f(-x) = - f(x).
Uma função impar possui o gráfico simétrico em relação á origem do sistema
cartesiano.

7 .12. FUNÇÃO CRESCENTE

Definição:

Uma função real f é cresente, se quaisquer que sejam x e y no domínio de f, com x <
y, tiveremos fx) > f(y. isto é conforme o valor de x aumenta, o valor da imagem de x
pela função também aumenta.

cv
7 .13. FUNÇÃO DECRESCENTE

Definição:

Uma função f é decresente, se quaisquer que sejam x e y no Domínio de f, com x <


y, tiveremos fx) > f(y. isto é, conforme os valores de x aumentam, os valores da
imagem de x pela função f diminuem.

7 .14. FUNÇÃO POLINOMIAL

Definição

Uma função polinomial real tem a forma f ( x ) = a n x n + an -1 x n-1 + ... + a1 x + a 0 sendo


dom (f) = R, Codom(f) = R e Im (f) = R denpendente de f.

7 .15. FUNÇÃO COMPOSTA

Dadas as funções f : A ® B e g : B ® C , a composto de f com g , denotada por

gof , é a função defenida por ( gof )( x) = g ( f ( x)). gof pode ser lida como “ g bola

f ” para que a composição acorra o CoDom ( f ) = Dom ( g ) .


A B C

x
f ( x) g ( f ( x ))

gof

cvi
Exemplo:

1) Dados os conjuntos A = {1,2,3,4}, B = {2,3,3.5} e {4,9,16,25}, vamos

conciderar as funções f : A ® B dada por f(x) = x + 1 e g : B ® C dada por

g ( y ) = y 2 . Representeatravés de diagram.
Solução:
1 2 4
2 3 9
3 4 16
4 5 25

A B C

2) Se jam f ( x) = 3x - 2 e g ( x) = 4 x + 1 determine g ( f ( x)).

Solução:
g ( f ( x)) = g (3x - 2)
= 4(3x - 2) + 1
= 12 x - 8 + 1
= 12 x - 7
3) Se jam f ( x) = x 2 - 1 e g ( x) = x + 2. Determine ( gof )( x) e ( gof )( x).

cvii
( fog )( x ) = f ( g ( x ))
= f ( x + 2)
= ( x + 2) 2 - 1
= x 2 + 4x + 4 - 1
= x 2 + 4x + 3
( gof )( x ) = g ( f ( x ))
= g ( x 2 - 1)
= ( x 2 - 1) + 2
= x2 -1 + 2
= x2 +1
4) Dada a função f ( x) = x 2 + 1, determine f ( f (2)).

Solução:

f ( f ( x)) = f (( x 2 + 1) 2 ) + 1
= x 4 + 2x 2 +1 +1
== x 4 + 2 x 2 + 2
f ( f (2)) = (2 ) + 2(2) 2 + 2
4

= 16 + 8 + 2
= 26

A questão pode ser resolvida, também, da seguinte maneira:

f (2) = ( 2) 2 + 1
= 4 +1
=5
f ( f ( 2)) = f (5)
= (5) 2 + 1
= 25 + 1
= 26

cviii
5) Dada as função f ( x) = 2 x - 1 e f ( g ( x)) = 6 x + 11, calcule g ( x).

Solução
f ( g ( x)) = 2 g ( x) - 1 e f ( g ( x)) = 6 x + 11 entao

2 g ( x) - 1 = 6 x + 11
2 g ( x) = 6 x + 12
6 x + 12
g ( x) =
2
g ( x) = 3 x + 6

6) Dada as função f ( x) = 2 x + a e g ( x) = 3x - 1, determine o valor de a para que

se tenha ( fog )( x) = ( gof )( x).


Solução:

( fog )( x) = f ( g ( x)
= f (3 x - 1)
= 2(3 x - 1) + a
= 6x - 2 + a
( gof )( x) = g ( f ( x)
= g ( 2 x + a)
= 3( 2 x + a ) - 1
= 6 x + 3a - 1
como ( fog )( x) = ( gof )( x), temos :

6 x - 2 + a = 6 x + 3a - 1
a - 3a = -1 + 2
- 2a = 1
1
a=-
2
7) Sejam as funções reais definidas por f (u ) = 4u + 2 e g ( x) = 7 x - 4. as

composições fog e gof são possíveis e neste caso serão defenidas por:

cix
Solução:
( fog )( x) = f ( g ( x)) = g (7 x - 4) = 4(7 x - 4) + 2 = 28 x - 14
( gof )( x) = g ( f (u )) = g (4u + 2) = 7(4u + 2) - 4 = 28u + 10

Como a variável u não é importante nno contexto, ela pide ser substituída
por x teremos: ( gof )( x) = g ( f ( x)) = g (4 x + 2) = 7(4 x + 2) - 4 = 28 x + 10
Observação: Em geral, fog é diferente de gof .
8) Concideramos as funções reais defenidas por f ( x) = x 2 + 1 e g ( x) = 2 x - 4.

então:
Solução:
( fog )( x) = f ( g ( x)) = f (2 x - 4) = (2 x - 4) 2 + 11 = 4 x 2 - 16 x + 17
( gof )( x) = g ( f ( x)) = g ( x 2 + 1) = 2( x 2 + 1) - 4 = 2 x 2 - 2

7.16. FUNÇÃO I NVERSA


Definição:

Dada uma função bijetora f : A ® B, denomina-se função inversa de f á função


g : B ® A tal que se f (a) = b, então g (b) = a, quaisquer que sejam a em A e b em
B. Denotamos a função inversa de f por f-1 .

Observação Inportante

Se g é a inversa de f e f é a inversa de g, valem as relações:


gof = I A e fog = I B

Onde I A e I B são, respectivamente, as funções indentidade nos conjuntos A e B.

cx
Esta característica algebríca permite afirmar que os gráficos da f e de sua inversa de g
são simétricos em relação á função indentidade (y=x).
Exemplo:

Sejam A = {1,2,3,4,5}, B = {2,4,6,8,10} e a função f : A ® B definida por


f ( x) = 2 x e g : B ® A

x
Definida por g ( x) = Observammos nos gráficos as situações das cetas indicativas
2.
das ações e da funções.

f ( x) = 2 x g ( x) = x / 2

1 2 1 2
2 4 2 4
3 8 3 6
4 6 4 8
5 A B

Exempliflicando no diagram de fiechas:

F : A® B g : B®A

1 6 6 1

3 8 8 3

4 9 9 4

B B A
A

De modo geral, se f é bijetiva, temos:

cxi
x f ( x)
=y

g ( y) = x
ou
f -1 ( y ) = x

7.17. PROCESSO PARA DETERMI NAR A FUNÇÃO INVERSA


DE UMA FUNÇÃO BIJECTI VA DADA

Exemplo:
1. Dada a função f : R ® R é a função bijectiva tal que f(x) = -3x + 5,
determina sua inversa
Solução:
y = -3x + 5
x = -3 y + 5
3y = -x + 5
- x+5
y=
3

2x + 1
2. Dada a função f : R ® R é a função bijectiva tal que f ( x) = ,
x
determina sua inversa
Solução:

cxii
2 x + 1
y =
x
2 x + 1
x =
y
xy = 2 y + 1
xy - 2 y = 1
y ( x - 2 ) = 1
1
y =
x - 2
-1 1
f ( x ) =
x - 2

3) A função f : R+ ® R+ dada por f ( x) = x 2 é uma função bijetiva. Determina


a suainversa.

Solução:
y = x2
x = y2
y= x
f -1 ( x) = x

7. 18. OPERAÇÃO COM FUNÇÕES


Dadas as funções f e g, podemos realizar algumas operações, entre as quais:

( f + g )( x ) = f ( x ) + g ( x )
( f - g )( x ) = f ( x ) - g ( x )
( f .g )( x ) = f ( x ).g ( x )
f ( x)
= f ( x) / g ( x ) se g ( x ), diferente de zero.
g ( x)

cxiii
Limites
Limites estuda o comportamento de uma função f (x ) em termos de aproximações.
Definição
Dizemos que “o limite da função f (x ) , quando x se aproxima de a, é igual L e

escrevemos l im f (x ) se o valor de f ( x ) se torna muito próximo de L” quando


x®a

escolhemos um valor de x suficientemente próximo de a , mais não igual a a .


Exemplo 1 :
Vamos analisar o que acontece com a função f (x ) = x 2 , quando x se aproxima de 2.
Observas as tabelas a seguir:

x<2
x f (x) = x 2
1,7 2,89
1,8 3,24
1,9 3,61
1,99 3,96
1,999 3,996

cxiv
1,9999 3,9996
x ® 2- f (x ) ® 4

x>2
x f (x ) = x 2
2,3 5,29
2,2 4,84
2,1 4,41
2,01 4,04
2,001 4,004
2,0001 4,0004

x ® 2+ f ( x) ® 4

a). Quando x aumenta até chegar em 2, a função f (x ) se aproxima de 4.

cxv
Na linguagem matemática escrevemos : xlim x 2 = 4.
®2 -

“olimite da função f (x ) = x , quando x se aproxima de 2 pela esquerda, é igual a


2

4”

b). Quando x diminui até chegar em 2, a função f (x ) se aproxima de 4.

Na linguagem matemática escrevemos : l xim x 2 = 4.


®2+

“olimite da função f (x ) = x , quando x se aproxima de 2 pela direita, é igual a 4”


2

8. 1. LIMITES LATERAI S
Nos exemplos anteriores, nós calculamos os limetes pela esquerda e os limites pela
direita. Esses tipo são chamados de limites laterrais.

Teorema
O limite de uma função existe se e somente se, os limites laterais existem e possuem

o mesmo valor, ou seja, lim f (x ) = L Û l im- f (x ) = L e lim+ f ( x ) = L


x®a x® a x ®a

Exemplo 1 :

Função : f ( x ) = x
2

Limite pela esquerda: xlim x2 = 4


®2-

Limite pela direita: xlim x2 = 4


®2+

Os limite laterais existem e têm o mesmo valor .

Então: lim x2 = 4
x® 2

Exemplo 2 :
x -1
Função : f (x ) =
x2 - 1

cxvi
x -1 1
Limite pela esquerda: lim x =
x ®1-
2
-1 2
x -1 1
Limite pela direita: lim x =
+
x®1
2
-1 2
Os limites laterais existem e têm o mesmo valor.
x -1 1
Então : lim x =
x ®1
2
-1 2

8.2. PROPRIEDADES DOS LIMITES

As propriedades a seguir ajudam a calcular o valor do limite de uma função.


Suponha que lim f (x ) e lim g (x) existam e suponha que n, c
x ®a x ®a
e a sejam

números reais (n, c, a Î Â )

P1. O Limite da função Linear: lim( mx + b) = ma + b


x ®a

Exemplo :

Procura o valor de limites abaixo :

· lim 3 x + 4
x® 2

· lim (4 x + 6)
x ®3

cxvii
Solução:

· lim (3 x + 4) = 3.2 + 4 = 10
x® 2

· lim(4 x + 6) = 12 + 6 = 18
x ®3

P2. O limite de uma constante é a própria constante : lim c = c


x ®a

Procura o valor de limites abaixo :

· lim 34
x® 2

· lim 46
x ®3

Solução:

· lim 34 = 34
x® 2

· lim 46 = 34
x ®3

P3. O limite da função identidade: lim x = a


x ®a

Procura o valor de limites abaixo :

· lim x
x® 2

· lim x
x ®3

Solução:

· lim x = 2
x® 2

· lim x = 3
x ®3

cxviii
P4. O limite da soma é a soma dos limites ou limite da é a diferença dos limites:
lim [ f ( x ) ± g ( x )] = lim f ( x) ± lim g ( x )
x®a x ®a x® a

· lim [(4 x) + (5 x + 7)]


x ® -2

· lim [(8 x) - (6 x)]


x ®- 2

Solução:

·
x ® -2 x ® -2
(x ® -2 x ® -2
)
lim [(4 x) + (5 x + 7)] = lim 4 x + lim 5 x + lim 7 = 4(-2) + 5( -2) + 7 = -8

· lim [(8 x) - (6 x)] = lim (8 x) - lim (6 x) = 8( -2) - 6(-2) = -16 + 12 = -4


x ® -2 x® -2 x ® -2

P5. uma constante vezes uma é constante vezes o limite da função :


lim n. f ( x) = n. lim f ( x )
x®a x® a

Procura o valor de limites abaixo :

· lim 4( 2 x + 3)
x ®3

lim 5( 4 x + 5)
· x® 5

Solução:

lim 4( 2 x + 3) = 4(lim 2 x + lim 3 = 4( 2.3 + 3) = 4(6 + 3) = 4(9) = 36


x ®3 x ®3 x ®3

lim 5( 4 x + 5)
· x ®5

= 5 lim 4 x + lim 5 = 5( 4.5 + 5) = 125


x®5 x ®5

P6. O Limite do produto é produto do limite : lim


x®a
[ f ( x).g ( x)] = lim
x®a
f ( x ). lim g ( x )
x® a

Exemplo :

Procura o valor de lim


x® 2
[(5 x)(6 x)]

cxix
lim [(5 x )(6 x )]
x®2

= (lim 5 x)(lim 6 x) = (5.2)(6.2) = 10.12 = 120


x®2 x® 2

P7. O limite do quociente é o quociente dos limites (suponha que g(x)≠0):

f ( x) lim f ( x)
lim = x ®a
x ®a g ( x) lim g ( x)
x ®a

Exemplo :
Procura o valor de Exemplo :
x2 -1
Procura o valor de lim x®3 x -1
x 2 -1
lim
x ®3 x - 1

( x - 1)( x + 1)
= lim = lim( x + 1)
x ®3 x -1 x ®3

= lim x + lim1 = 3 + 1 = 4
x ®3 x ®3

x ®a
n
[
P8. O limite da é a potência do limite : lim[ f ( x )] = lim f ( x )
x ®a
]
n

Exemplo :

Procura o valor de lim


x®3
[2 x ] 3

Soluçao:

x®3
[ x®3
]
lim[2 x] = lim 2 x = [2.3] = 6 3 = 216
3 3 3

P9. O limite do raiz é a raiz do limite: lim n f ( x) = n lim f ( x)


x ®a x® a

Exemplo :

Procura o valor de lim


3
x
x®8

Soluçao:

lim 3 x = 3 lim x = 2 8 = 2
x®8 x ®8

cxx
8.2.1. PROPRIEDADE DE SUBTITUIÇÃO DIRETA
Seja f(x) uma função polinomial ou racional e seja a um número no domínio de f(x),
então ; lim f ( x) = fa
x ®a

Exemplo
Calcule o valor de limites lim (4 x 2 - 6 usando a propriedade da subtituição direta .
x®4

Solução:
lim ( 4 x 2 - 6
x® 4

= 4.4 2 - 6 = 4.16 - 6 = 64 - 6 = 58

8.3.INDETERMINAÇÃO MATEMÁTICA

Defeniçao :
Se utilizarmos o propriedade da subtuição deteta em alguns funções algébricas o
0 0
valor do limite será . a divisão . é chamada indeterminação matemática.
0 0
Em geral, para calcular o verdadeiro valor do limite, podemos utilizar fatoração
e/ou produtos notáveis e tamém conjugado radicais para simplificar a função.

PRODUTO NO TÁVEIS E FOTORAÇÕES :


1. Quadrado de soma (a + b )2 = a 2 + 2ab + b 2

2. Quadrado de diferença (a - b )2 = a 2 - 2 ab + b 2

3. Produto de soma pela difereça (a + b )(a - b ) = (a - b )(a + b ) = a 2 - b 2

cxxi
4. Cubo de soma (a + b )3 = (a + b )(a 2 + 2ab + b 2 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3

5. Cubo da diferença (a - b )3 = (a 2 - 2ab + b 2 ) = a 3 - 3a 2b + 3ab 2 - b 3


6. Fatorcomum ax ± ay = a( x ± y )

7. Trinômio do 2 0 grau ax 2 + bx + c = a( x - x1 )( x - x2 ) , onde x1 e x2 são

æ -b± D ö
calculados pela formula de bhaskara çç x1, 2 = ÷ ,com ∆ =b2-4ac
÷
è 2a ø
Conjugadode radicais
8. O conjugado de ( a - b ) é ( a + b ), pois ( a - b )( a + b ) = a - b
9. O conjugado de ( a - b ) é ( a + b ), pois ( a - b )( a + b ) = a - b
3 3 3 3 3 3 3 3

Exemplo :
x 2 -1
1. Calcule lim
x ®1 x -1
Solução :
x 2 -1
lim
x ®1 x - 1

( x - 1)( x + 1)
= lim = lim( x + 1) = lim x + lim1 = 1 + 1 = 2
x ®1 x -1 x ®1 x ®1 x ®1

4 - +x2
2. Calcule lim
x®-2 2 + x

Solução:
4 - x2
lim
x ® -2 2 + x

(2 - x)( 2 + x)
= = 2 - x = 2 - (-2)
2+ x

cxxii
3. Calcule lim
(3 + h) - 9
h®0 h
Solução:

lim
(3 + h) - 9
2

h ®0 h
(9 + 6h + h 2 ) - 9 h 2 + 6h
= lim = lim
h®0 h h®0 h
h( h + 6)
= lim = lim h + 6 = 0 + 6 = 6
h®0 h h ®0

8.4. LIMITE DO INFINITIVO


Defenição :
Seja f uma função defenida em algum intervalo (α, ∞). Então lim f ( x) = L
x ®¥

significa que o valor de f(x) se aproxima do valor L quando escolhemos um valor de


x muito grande.
Na linguagen da matemática escreve-se lim f ( x) = L
x ®¥

Leitura: “ o limite da função f(x) quando x se aproxima do infinitivo é iqual a L”.

8.4.1. OBSERVAÇÃO SOBRE CALCULUS COM INFINITIVOS


Produto

Soma com Soma


contante k ÎÂ ¥.¥ = ¥
k ÎÂ ¥+¥=¥ ¥.( -¥) = -¥
¥+k = ¥ (-¥) + ( -¥) = -¥ (-¥).¥ = -¥
- ¥ + k = -¥ ¥ - ¥ = in det ernimacao (-¥).(-¥) = ¥
cxxiii
f ( x)
8. 4. 2. COMO CALCULAR LIMITES NA FORMA
lim g ( x) x ®¥

f ( x)
Algumas vezes, quando calculamos um limite na forma
lim g ( x) , o resultado pode
x ®¥

¥
Indeterminação do tempo . Suponhamos que f(x) seja uma polinômio.e
ser uma ¥
f ( x)
g(x) também seja uma polinômio. Para calcular lim g ( x) nós precisamos usar o
x ®¥

processo a seguir:
10) Descobrir qual é o maior expoente de x entre os dois polinómios.
20) Divir f(x) e g(x) por xmaiorexponte e depois, simplificar a expressão.
f ( x)
3 ) Calcular o limite trocando x por ¥ na expressão g ( x) .
0

1) Calculeosseguinteslimites:

cxxiv
8x - 1
a.
lim 4 + 2
x®¥

x 2 + 6x + 8
lim x + 2
b. x ®¥
x2 + 2
lim 4
c. x ®¥ 5 x + x

Resolução:
8x - 1
a).
lim 4 + 2
x®¥

Nesse exemplo f(x) = 8x – 1 e g(x) = 4x + 2.


Se nós utilizamos a técnica de substituiçãod direita o resultado sera:
8x -1 8.¥ - 1 ¥ -1 ¥
lim 4 + 2 = 4.¥ + 2 = ¥ + 2 = ¥
x ®¥

¥
O resultado é uma indeterminação matemática do tempo ¥ . para
encontrar o resultado verdadeirao, precisamos utilizar os três passos
discritos anteriormente:
1 0) O maior expoente de f(x) é 1.
O maior expoente de g(x) também é 1.
Então, O maior expoente entre as duas funcões é 1.
2 0) Dividir f(x) e g (x) por x1; (x1 = x). depois, simplificar a expressão.
3 0) trocar x por . ¥
8x 1 1 1
- 8- 8-
8x - 1 ¥ = 8-0 = 8 = 2
lim = x x = lim x =
a. x®¥ 4 x + 2 4 x 2 2 2 4+0 4
+ x® ¥
4+ 4+
x x x ¥
x 2 + 6x + 8
lim x + 2
b. x®¥

cxxv
Nesse exemplo f(x) = x2 +6x+8 e g(x) = x + 2.
Se nós utilizamos a técnica de substituiçãod direita o resultado
sera:
x 2 + 6 x + 8 ¥ 2 + 6¥ + 8 ¥
lim = =
x ®¥ x+2 ¥+2 ¥
O resultado é uma indeterminação matemática do tempo ¥ . para
¥
encontrar o resultado verdadeirao, precisamos utilizar os três
passos discritos anteriormente:
1 0 . O maior expoente de f(x) é 2.
O maior expoente de g(x) é 1.
Então, O maior expoente entre as duas funcões é 2.
2 0. Dividir f(x) e g(x) por x2 . Depois simplificar a expressão
3 0. Trocar x por ¥
x 2 6x 8 6 8 6 8
+ 2+ 2 1+ + 2 1+ + 2
x 2 + 6x + 8 1+ 0 + 0
= lim x x x = lim x x = ¥ ¥ =
2
lim =0
x+2 x 2 1 2 1 2 0 + 0
x®¥ x®¥
+ x®¥
+ +
x2 x2 x x2 ¥ ¥2
x2 + 2
lim 4
c. x ®¥ 5 x + x
Nesse exemplo f(x) = x2 +2 e g(x) =5 x4 + x.
Se nós utilizamos a técnica de substituiçãod direita o resultado
sera:
x2 + 2 ¥2 + 2 ¥
lim = =
x® ¥ 5 x + x 5¥ 4 + ¥ ¥
2

O resultado é uma indeterminação matemática do tempo ¥ . para


¥
encontrar o resultado verdadeirao, precisamos utilizar os três
passos discritos anteriormente:
1 0 . O maior expoente de f(x) é 2.
O maior expoente de g(x) é 4.

cxxvi
Então, O maior expoente entre as duas funcões é 4.
2 0. Dividir f(x) e g(x) por x4 . Depois simplificar a expressão
3 0. Trocar x por¥
x2 2
+
x +2
2
x4 x4
lim = lim
x ®¥ 5 x + x x ®¥ 5 x x
4 4
+ 4
x 4
x
1 2 1 2
+ 4 + 4
= lim x 2
x = ¥ 2
¥ = 0+0 = 0 =0
x ®¥
5+ 3
1
5+ 3
1 5+0 5
x ¥
f ( x)
lim g ( x)
x ®¥
Resumo de um limite na forma o resultado sera sempre de três
tipos :

a. Se o maior expoente de f(x) > o maior de g(x), então


f ( x)
lim g ( x) = ¥
x ®¥

b. Se o maior expoente de f(x) < o maior de g(x),, então


f ( x)
lim g ( x) = 0
x ®¥

c. Se o maior expoente de f(x) = o maior de g(x), então

f ( x) coeficiente da maior potencia f ( x )


lim g ( x) =
x ®¥ coeficiente da maior potensia g ( x )

8.4.3. Como CalcularLimites Na Forma


lim f ( x) - g ( x)
x ®¥

cxxvii
Algumas vezes, quando calculamos um limite na forma
lim f ( x) - g ( x) , o
x®¥

Indeterminação do tempo ¥ - ¥ . Suponhamos que f(x) seja


resultado pode ser uma
uma polinômio.e g(x) também seja uma polinômio. Para calcular lim f ( x) - g ( x)
x® ¥

nós precisamos usar o processo a seguir:


10) Descobrir qual é o maior expoente de x entre os dois polinómios.
20) colocar xmaior exponte em evidência na expressão e depois simplificar a expressão
30) Calcular o limite trocando x por
¥ na expressão f(x)-g(x)
Exemplo:

Calcule os limites abaixo:

lim x
2
- x3
a. x® ¥

lim x - 5 x +7
2

b. x ®¥

Solução:

lim x
2
- x3
a. x® ¥

Nesse exemplo f(x) = x2 e g(x) = x3 .


Se nós utilizamos a técnica de substituiçãod direita o resultado sera:

lim x
2
- x3 = ¥ 2 - ¥3 = ¥ - ¥
x ®¥

O resultado é uma indeterminação matemática do tipo ¥ - ¥ . para encontrar


o resultado verdadeirao, precisamos utilizar os três passos discritos
anteriormente:
1 0 . O maior expoente de f(x) é 2.

cxxviii
O maior expoente de g(x) é 3.
Então, O maior expoente entre as duas funcões é 3.
2 0. Colocar x3 em evidência
3 0. Trocar x por¥

lim x
2
- x3
x ®¥

æ x2 x3 ö æ1 ö
= lim x 3 çç 3 - 3 ÷÷ = lim x 3 ç - 1÷
x ®¥ èx x ø x® ¥ è x ø
æ1 ö
= ¥ 3 ç - 1÷ = ¥ (0 - 1) = ¥ (-1) = -¥
è¥ ø

lim x - 5 x +7
2

b. x ®¥

Nesse exemplo f(x) = x e g(x) = 5x 2 +7.


Se nós utilizamos a técnica de substituiçãod direita o resultado sera:

lim x
2
- x 3 = ¥ - 5¥ 2 + 7 = ¥ - ¥
x ®¥

O resultado é uma indeterminação matemática do tipo ¥ - ¥ . para encontrar


o resultado verdadeiro, precisamos utilizar os três passos discritos
anteriormente:
1 0 . O maior expoente de f(x) é 1.
O maior expoente de g(x) é 2.
Então, O maior expoente entre as duas funcões é 2.
2 0. Colocar x3 em evidência
3 0. Trocar x por ¥

cxxix
lim x - 5x +7
2

x ®¥

æ x 5x 2 7 ö
= lim x 2 çç 2 - 2 + 2 ÷÷
x®¥ èx x x ø
æ1 7 ö
= lim x 2 ç - 5 + 2 ÷
x®¥ èx x ø
æ1 7 ö
= ¥2ç - 5 + 2 ÷
è¥ ¥ ø
= ¥ (0 - 5 + 0)
= -¥

8.4.4. COMO CALCULAR LI MITES QUE ENVOLVEM


DIFERENÇAS DE RAÍZES
1 0). Vocêpresizadescobirqual é o conjudo dos radicais
2 0). Multipicar e dividir a funçãopeloconjugadodepoissimplificar a expresão
3 0). Trocar x por ¥
Exemplo:
Calcule os limites abaixo:

lim x+2 - x
a. x® ¥

cxxx
x-2 x
b.
lim
x®¥ x
Solução:

lim x +1- x
a) x ®¥

Se nós utilizarmos a técnica de sutituição direita, o resultado sera:

lim x +1- 1 = ¥ +1 - ¥ = ¥ - ¥ = ¥ - ¥
x ®¥

O resultado é uma indeterminação matemática do tipo ¥ - ¥ . para


encontrar o resultado real, nós precisamos multiplicar precisamos
multiplicar e dividir a função pelo seu conjugado :
1 0) A função é f(x)= x + 1 - x.
O conjugado da função é F(x) = x + 1 + x.
2 0) Multiplicar e dividir a função por = x + 1 + x. ou seja,
x +1 + x
lim f ( x).
x ®¥
.
x + 1 + x Depois simplificar.
3 0) Trocar x por ¥ .

lim x +1 - x
x ®¥

= lim ( x + 1 - x ).
( x +1 + x )
x ®¥ x +1 + x
( x + 1) - ( x )
lim
x ®¥ x +1 + x
1 1
= lim =
x ®¥ x +1 + x ¥ +1 + ¥
1 1
= = =0
¥+ ¥ ¥

cxxxi
x-2 x
b).
lim
x ®¥ x
Se nós utilizarmos a técnica de sutituição direita, o resultado sera:
O resultado é uma indeterminação matemática do tipo ¥ - ¥ para encontrar o
resultado real, nós precisamos multiplicar precisamos multiplicar e dividir a função
pelo seu conjugado : x.
0
1 ) O denominador da função é f(x) =
2 0) Multiplicar a numerador e o denumerador por dividir a função por x. Depois
simplificar a função.
3 0) Trocar x por¥ .
x-2 x
lim
x ®¥ x
x-2 x x x x - 2( x ) 2
= lim . = lim
x ®¥ x x x ®¥ ( x )2
x x - 2x
= lim
x ®¥ x
x( x - 2)
= lim = lim x - 2
x ®¥ x x® ¥

= ¥ -2=¥-2=¥

8.5. O NÚMERO DE EULER (e)

Um dos números mais importantes na matemática é o número de Euler (е), ou e =


2,71828182846…….. através desse número podemos definer a função logaritmo
natural (ln) :
Loge x = ln x .
O número e pode ser calculado na forma de limite

cxxxii
n
æ 1ö
e = lim ç1 + ÷ ou equivalent emente, e = lim (1 + n ) n
1

x ®¥
è nø x ®0

Exemplo :
Calcule os limites a seguir:
n +5
æ 1ö
lim ç1 + ÷
1. x ®¥
è nø
5n
æ 1ö
lim ç1 + ÷
2. x ®¥è n ø
Solução:
5n
æ 1ö
1. limç1 + ÷
x ®¥
è nø
5
æ æ 1 ön ö
= ç limç1 + ÷ ÷
ç x ®¥è n ø ÷
è ø
=e 5

8.6. DOIS LIMITES IMPORTANTES

Nos próxima capítulos, nós estudarmos derivadas e integrais. Estudar limites é


importante, pois a definiçãode derivada e a definição de integral dependem de limites.
Existem dois limites importantes na definição de derived a. vamos conhecê-los
agora.

Suponha que f(x) seja uma função qualquer. O queremos é calcular os limites a sguir:

f (a + h) - f ( a)
a) lim
h®0 h

cxxxiii
f ( x + h ) - f ( x)
b) lim
h®0 h
O significado desses limites ficará mais claro no próximo capitolo. Nesse
momento nós só precisamos aprender a calculá-los. A letra a no primeiro
limite significa uma ponto qulquer no eixo x, ou seja, a letra a significa uma
número real.
1) Se f(x) = 4x, calcule:
a. f(a)
b. f(a+h)
c. f(x+h)
f ( a + h) - f ( a)
d. lim
h®0 h
Solução:
a. f(a)
para calcular f(a) , basta trocar x por a na formula f(x) = 4x. ou
seja:

f(x) = 4x
f(a) =4a
solução:
b. f(a+h)
nesse exercício, nós prcisamos trocar x por a+ h. Assim:
f(x) = 4x
f(a+h) = 4(a+h)
=4a + 4h
solução:
c. f(x+h)
Agora, precisamos trocar x por x +h. Assim:
f(x) = 4x

cxxxiv
f(x+h) = 4(x+h)
=4x + 4h
solução:
f (a + h) - f ( a)
d. lim h®0 h
Para calcular esse limite, nós precisamos utilizar os resultados
encontrados acima:
f ( a + h) - f ( a ) ( 4a + 4h) - 4a
lim = lim
h®0 h h®0 h
4a + 4h - 4a 4h
= lim = lim = lim 4
h®0 h h®0 h h®0

=4

Derivadas de Funções
9.1 ENTENDENDO A DERIVADA f , ( x) E O LIMITE

f ( x + h) f ( x )
lim
h®0 h

Observe o gràfico da função


y
f (x)
B2 B

cxxxv

A2 A

a h
B1 x
0 A1
As coordinadas cartesianas do ponto A são A( a, f ( a )), pois

OA1 = A2 A = a
OA2 = AA1 = f (a )

As coordinadas cartesianas do ponto B B (( a + h), f ( a + h),

OB1 = B2 B = a + h
OB2 = BB1 = f ( a + h)

O valor x representa a mudança no valor da variàvel A e B entre o ponto


:

A1 B1 = oB1 - OA1
= (a + h) - a
= a+h-a
=h

E o valor A2 B2 representa a mudança no valor da função f (x ) entre o ponto


:

A2 B2 = oB2 - OA2
= f (a + h ) - f ( a )

f (x )

cxxxvi
Então, façamos agora o càlculo da razão (devizão) entre a mudança no valor da
função A e Be a mudança no valor da variàvel x.

Ouseja :

mudanca no valor da funcao


=
mudanca no valor da var iavel

A2 B2
A1 B1
f ( x + h) - f ( a)
h

Este o limite n na matemática e chamado de derivada da função f(x) no ponto x = a. o


simbolo da derivada é f’(a) # f linha de a #

f ( x + h) - f ( a )
Derivada da função f(x) no ponto x = a é f , ( x) = lim
h®0 h

Exemplo:

f ( x + h) - f ( x)
Utiliza a fórmula f , ( x) = lim e calcule a derivada das Funções :
h ®0 h

1. f(x)=5
2. f(x)=x 3. f(x)=X2
3. f(x)=2x 4. f(x)=3x 2

Solução :

1. f(x)=5

cxxxvii
f ( x + h) - f ( x )
f , ( x) = lim
h ®0 h
5-5
= lim
h ®0 h
0
= lim
h ®0 h

= lim 0
h ®0

=0

2. f(x)=x

f ( x + h) - f ( x )
f , ( x) = lim
h®0 h
x+h-x
= lim
h ®0 h
h
= lim
h ®0 h

= lim1
h ®0

=1

Portanto a derivada de uma função constante sempre igual a zero.

3. f(x)=2x

f ( x + h) - f ( x )
f , ( x ) = lim
h®0 h
2( x + h ) - 2 x
= lim
h®0 h
2 x + 2h - 2 x
= lim
h®0 h
2h
= lim
h®0 h

== lim 2
h®0

=2

cxxxviii
4. f(x)=X2
f (x + h) - f (x)
f , ( x ) = lim
h® 0 h
(x + h)2 - x 2
= lim
h® 0 h
x + 2 xh + h 2 - x 2
2
= lim
h® 0 h
2 xh + h 2
= lim
h® 0 h
h (2 x + h )
= lim
h® 0 h
= lim 2x + h
h® 0

= 2x + h
2x

5. f(x)=3x2

cxxxix
f ( x + h) - f ( x)
f , ( x) = lim
h ®0 h
3( x + h) - x
2 2
= lim
h ®0 h
3( x + 2 xh + h 2 ) - 3 x 2
2
= lim
h ®0 h
3 x + 6 xh + 3h 2 ) - 3 x 2
2
= lim
h ®0 h
6 xh + 3h 2
h(6 x + 3h)
= lim = lim
h ®0 h h® 0 h
= lim 6 x + 3h = 6 x + 3.0 = 6 x
h ®0

df
9.1.1. NOTAÇÃO
dx

y
f (x)
B2 B

Df

A2 A

a h
B1 x
0 A1 Dx

Nesse gráfico quando mudar a ponto A para o ponto B, a mudança na variável x é D x


e a mudança o valor da função é iqual a Df .

Para comparar com o gráfico número 1, percebera que:

cxl
f ( x + h ) - f ( x ) = Df

h = Dx

Desta forma podemosescrever:

f ( x + h) - f ( x )
f , ( x) = lim
h ®0 h
f ( x + Dx) - f ( x)
= lim
h®0 Dx
Df
= lim
h ® 0 Dx

df
=
dx

Exemplo:

df
Utiliza a fórmula f , ( x) = lim e calcule a derivada das Funções :
h®0 dx

1. f(x)=5
2. f(x)=x
3. . f(x)=X2
4. f(x)=2x
5. f(x)=3x2

solução:

1. f(x)=5

cxli
f ( x + Dx) - f ( x)
f , ( x) = lim
Dx ®0 Dx
5-5
= lim
Dx ®0 Dx

0
= lim
Dx ®0 Dx

= lim 0
Dx ®0

=0
Portanto a derivada de uma função constante sempre igual a zero.

2. f(x)=x

f ( x + Dx) - f ( x)
f , ( x) = lim
h®0 Dx
x + Dx - x
= lim
h®0 Dx
h
= lim
h®0 h

= lim1
h®0

=1

3. f(x)=2x

cxlii
f ( x + Dx ) - f ( x)
f , ( x) = lim
h® 0 h
2( x + Dx ) - 2 x
= lim
h ®0 Dx
2 x + 2Dx - 2 x
= lim
h ®0 Dx
2Dx
= lim
h ®0 Dx

== lim 2
h ®0

=2

4. f(x)=X2
f (x + Dx) - f (x)
f , ( x ) = lim
Dx® 0 Dx
(x + Dx) - x2 2
= lim
Dx® 0 Dx
x + 2 xD x + D x 2 - x 2
2
= lim
Dx® 0 Dx
2 xD x + D x 2
= lim
Dx® 0 h
D x(2 x + D x)
= lim
Dx® 0 Dx
= lim 2 x + D x
Dx® 0

= lim 2 x + D x
Dx® 0

= 2x + 0
= 2x

5. f(x)=3x2

cxliii
f ( x + Dx) - f ( x)
f , ( x) = lim
Dx ® 0 Dx
3( x + Dx) - x 2
2
= lim
Dx ® 0 Dx
3( x 2 + 2 xDx + Dx 2 ) - 3x 2
= lim
Dx ® 0 Dx
3x 2 + 6 xh + 3h 2 ) - 3x 2
= lim
Dx ® 0 h
6 xDx + 3Dx 2
= lim
Dx ® 0 Dx
Dx(6 x + 3Dx)
= lim
Dx ® 0 Dx
= lim 6 x + 3Dx
Dx ® 0

= 6 x + 3.0
= 6x

9.1.2. Formula Geral a Derivada da Função f(x)=axn, Onde n = 1, 2, 3, …

f(x) = axn
cxliv f’(x) = naxn-1
f(x) = x n

f’(x) = nxn-1

Exemplos:

Utiliza a fórmulaf’(x) = nx n-1 ou f’(x) = naxn-1 e calcule a derivada das Funções:

1. f(x) = 2x3
2. f(x) = -4 x6
3. f(x) = 2x-3
4. f(x) = X2-4x+4
5. f(x) = x

6. f(x) = 2x

Solução:

1. f(x) = 2x3

=3.2x3-1
=6x2
2. f(x) = -4 x6
=6(-4)x6-1
=-24x5

3. f(x) = 2x-3
=2x1-1 -0
=2x0
=2.1
=2
4. f(x) = X2-4x+4

cxlv
=2x-4
5. f(x) = x
1 1
1 2 -1
f ( x) = x 2 = x
2
1 æç - 2 ö÷
1
= x
2 çè ÷
ø
æ ö
1ç 1 ÷
= ç 1÷
2ç 2 ÷
èx ø
1æ 1 ö
= çç ÷
2 è x ÷ø
1 1 x
= = ·
2 x 2 x x
x
=
2x
6. f(x) = 2x

1
1
-1 æ -1 ö æç 1 ö
÷
× 2 x 2 = çç x 2 ÷=
÷ çç 1 ÷÷
2 è ø è x2 ø
æ 1 ö
= çç ÷÷
è xø
1
=
x
1 x
= ·
x x
x
=
x

9.2. PROPRIEDADE DAS DERIVADAS DE FUNÇÕES

cxlvi
9.2.1. DERIVADA DA SOMA E DERIVADA DA DIFERENÇA DE
DUAS FUNÇÕES

Seja f(x) = u(x) +v(x). Assim, a função f(x) é formada pela soma u(x) mais a função
v(x) seja u’(x) e a derivada da função u(x) e seja v’(x) a derivada da função
v(x).Então:
′ = ′ + ′( )

Ou seja, a derivada da soma é a soma das derivadas. O mesmo vale para a diferença

= − ( )

= − ′( )

Exemplo:

Calcule a derivada das funções:

1
a). f ( x)=(3x 2 + 2) +( x 3 - x)
3
1 1
b). f ( x)=( x 4 - x 2 ) -( x 3 - x)
2 3

Solução:

cxlvii
1
a ). f ( x ) = ( 3 x 2 + 2 ) +( x 3 - x )
3
u ( x) = 3x 2 + 2 Û u ' ( x) = 2 × 3x = 6 x
1 3
v( x) = x - x Û v' ( x) = x 2 - 1
3
f ' ( x) = u ' ( x) + v' ( x)
= 6x + x 2 -1
= x 2 + 6x -1
2
æ1 ö æ1 ö
b ). f ( x ) =ç x 4 - x ÷ -ç x3 - x÷
è2 ø è3 ø
1 1
u ( x) = x 4 - x 2 Û u ' ( x) = 4 × 4 -1 - 2 x 2 -1 = 2 x 3 - 2 x
2 2
2 2
v( x) = x 2 + 1 Û v' ( x) = × 2 × x 2 -1 + 0
3 3
f ' ( x) = u ' ( x) - v' ( x)
= ( 2 x 3 - 2 x ) - (3 x )
= 2 x3 - 5x

9.2.2 DERIVADA DO PRODUTO DA FUNÇÃO VEZES UMA


CONSTANTE

Seja f(x) =c. u(x) . Assim, a função f(x) é o produeto de uma contante c vezes a
função u(x) .a constante c é número real, ou seja c ÎÂ. .A derivada da função u(x) é
a função u’(x).

f ( x)=c ×u ( x )
Então:
f ' ( x)=c ×u ' ( x)

cxlviii
Exemplo :

1. Calcule a derivada das função f ( x)=4( x 2 - 3x + 5).

Solução:

u ( x) = x 2 - 3 x + 5
u ' ( x ) = 2 x 2-1 - 3 + 0
= 2x - 3
f ' ( x) = c × u ' ( x)
= 4 × (2 x - 3)
= 8 x -12

2. Calcule a derivada da função f ( x ) = 5 ( x - 2 x ).


3

Solução:

c=5
u ( x) = x 3 - 2 x

A derivada de u(x) é:

u(x) = x 3 - 2 x
u ' ( x ) = 3 x 3 -1 - 2
= 3 x2 - 2
f ' ( x ) = c ×u '( x)
= 5 (3 x 2 - 2 )
= 15 x 2 - 10

cxlix
3. Sabendo que f ( x ) = 2 x 2 - 3 x - 4 e g ( x ) = x 2 + 16 x + 20 quando
h( x ) = f ( x) - 2 g ( x ) então determine a derivada da h' ( x )

Solução:

( ) (
h( x) = 2 x 2 - 3 x - 4 - 2 x 2 + 16 x + 20 )
= 2 x 2 - 3 x - 4 - 2 x 2 - 32 x - 40 = -35 x - 44
h' ( x) = -35

9. 2.3. DERIVADA DO P RODUTO DE DUAS FUNÇÕES

Seja f(x) =c. u(x) . Assim, a função f(x) é o produeto de uma contante c vezes a
função u(x) .a constante c é número real, ou seja c ÎÂ. .A derivada da função u(x) é
a função u’(x).

= . ( )

= . + .

Exemplo:

Calcule a derivada da função :

4. ( )(
f ( x) = 5x 2 - 3x x 4 - 9 )
5. (
f ( x) = 4 x 2 2 x 3 - 9 x )
Solução:

cl
(
1. f ( x ) = 5 x 2 - 3 x x 4 - 9 )( )
u ( x) = 5 x 2 - 3x Û 10 x - 3
v( x) = x 4 - 9 Û 4 x 3
( )
f ' ( x) = 5 x 2 - 3x 4 x 3 + (10 x - 3) x 4 - 9 ( )
= 20 x 5 - 12 x 4 + 10 x 5 - 90 x - 3x 4 - 27
= 30 x 5 - 15 x 4 - 90 x - 27

2. f ( x ) = 4 x 2 2 x 3 - 9 x( )
u ( x ) = 4 x 2 Û u ' ( x) = 8 x
v( x ) = 2 x 3 - 9 x Û v ' ( x ) = 6 x 2 - 9
( )
f ' ( x) = 4 x 2 6 x 2 - 9 + 8x 2 x 3 - 9 x ( )
= 24 x 4 - 36 x 2 + 16 x 4 - 72 x 2
= 36 x 4 - 108 x 2
= 36 x 2 ( x 2 - 3)

9.2.4. REGRA DA CADEIA

Seja a função f ( x ) = [u ( x) ]2 , onde n e  e seja u’(x) a derivada da função u(x)

Então:

f ( x ) = [u ( x ) ]
n

f ' ( x ) = n[u ( x ) ]
n -1
× u ' ( x)

cli
Exemplo:

Calcule derivada das funções:

(
1. f ( x) = 5 x 3 + 2 x )
2

(
2.. f ( x) = 4 x 2 + 5)
2

Soluções:

(
1. f ( x ) = 5 x 3 + 2 x ) 2

u ( x) = 5 x 3 + 2 x Û u ' ( x) = 15 x 2 + 2
( )(
= 2 5 x 3 + 2 x . 15 x 2 + 2 )
(
= 10 x 3 + 4 x )(15 x 2
+ 2)
= 150 x 5 + 20 x 3 + 60 x 3 + 8 x
= 150 x 5 + 80 x 3 + 8 x

(
2.. f ( x) = 4 x 2 + 5 )
2

u ( x) = 4 x 2 + 5 Û u ' ( x ) = 8 x
(
= 2 4 x 2 + 5 .8 x )
= (8 x 2 + 10)8 x
64 x 3 + 80 x

clii
6. Sabendo que f ( x) = 2 x 2 + 3 x + 4 e g ( x ) = 3 x 2 + 18 x + 2 quando
h( x) = f ( x ) + 2 g ( x) então determine a derivada da h' ( x )

Solução:

( ) (
h( x) = 2 x 2 + 3 x + 4 + 2 3 x 2 + 18 x + 2 )
= 8 x 2 + 39 x + 8
h' ( x) = 16 x + 39

7. Sabendo que f ( x ) = 9 x 2 + 3 x + 16 e g ( x ) = x 2 + 5 x - 4 quando


h( x ) = 5 f ( x ) - 2 g ( x ) então determine a derivada da h' ( x )

Solução:

( ) ( )
h(x) = 5 9x2 + 3x +16 - 2 x2 + 5x - 4 = 45x2 +15x + 80- 2x2 -10x + 8
= 43x2 + 5x + 88
h' (x) = 86x + 5

9.2.5. Derivada Do Quociente

u ( x)
Seja a função f ( x) = , onde n v( x ) ¹ 0 . A derivada da função f(x) pode ser
v( x)
calculada pela formula abaixo:

u ( x)
f ( x) =
v( x)
u ' ( x )v ( x ) - u ( x )v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
Exemplo:

cliii
Calcule derivada das funções:

x 3 - 3x
1. f ( x) = 2
x -2
6x
2. f ( x) =
3 - 2x2

Soluções:

x 3 - 3x
1. f ( x) = 2
x -2

u ( x ) = x 3 - 3 x Û u ' ( x) = 3 x 2 - 3
( )
v ( x ) = x 2 - 2 Û v ' ( x) = 2 x

f ' ( x) =
(3x 2
) ( ))(
- 3 x 2 - 2 - x 3 - 3 x (2 x )
(x - 2) 2 2

=
(3x - 6 x - 3x + 6) - (2 x - 6 x )
4 2 2 4 2

(x - 2) 2 2

=
(3x - 9 x + 6) - (2 x - 6 x )
4 2 4 2

(x - 2) 2 2

3x 4 - 9 x 2 + 6 - 2 x 4 + 6 x 2
=
(x 2
-2 ) 2

x 4 - 3x 2 + 6
=
(x 2
-2 )2

6x
2. f ( x) =
3 - 2x2

cliv
Soluções:

u ( x) = 6 x
u ' ( x) = 6
v ( x) = 3 - 2 x 2
v ' ( x) = - 4 x
u ' ( x ) v ( x ) - u ( x )v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
(6) (3 - 2 x 2 ) - (6 x) (-4 x )
=
(3 - 2 x 2 ) 2
18 -12 x 2 - 24 x 2
=
(3 - 2 x 2 ) 2
18 + 12 x 2
=
(3 - 2 x 2 ) 2

3. Calcule a derivada das funções abaixo:

a. f ( x) = 9 x 4 - 8 x 3 + 27 x 2 - x + 1

Solução:

f ' ( x) = 36 x 3 - 24 x 2 + 52 x - 1

b. f ( x) = (9 x 4 - 8 x) 3

Solução:

clv
f ( x) = (9 x 4 - 8 x ) 3
u ( x) = 9 x 4 - 8 x ® u ' ( x) = 36 x 3 - 8
f ' ( x) = n[u ( x)] .u ' ( x)
n -1

(
= 3 9x 4 - 8x ) .(36 x
3-1 3
) ( )(
- 8 = 108x 3 - 24 . 9 x 4 - 8 x )
2

c. f ( x) = (2 x 3 - 8) 3 (3 x 2 - 9)

Solução:

f ( x) = (2 x 3 - 8) 2 (3x 2 - 9)
u ( x) = (2 x 3 - 8) 2 = 4 x 6 - 32 x 3 + 64 ® u ' ( x) = 24 x 5 - 96 x 2
v( x ) = 3 x 2 - 9 ® v' ( x) = 6 x
f ' ( x ) = u ( x )v ' ( x ) + u ' ( x )v ( x )
( ) (
= 4 x 6 - 32 x 3 + 64 6 x + 24 x 5 - 96 x 2 3x 2 - 9 )( )
= 24 x 7 - 192 x 4 + 384 x + 72 x 7 - 216 x 5 + 288 x 2 + 864
= 96 x 7 - 216 x 5 - 192 x 4 + 288 x 2 + 384 x + 864

clvi
2x - 1
d. f ( x) =
3x - 5

2x - 1
f ( x) =
3x - 5
u ( x) = 2 x - 1 ® u ' ( x ) = 2
v( x ) = 3 x - 5 ® v' ( x) = 3
u ( x )v ' ( x ) - u ' ( x )v ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
=
(2 x - 1)3 - 2(3x - 5)
3x - 5
=
(6 x - 3) - 2(3x - 5)
3x - 5 3x - 5
6x - 3
= -2
3x - 5

4. Determine a segunda derivada das funções abaixo:

a. f ( x ) = 18x 4 - 16 x 3 + 7 x 2 - x + 1

Solução:

f ( x) = 18 x 4 - 16 x 3 + 7 x 2 - x + 1
f ' ( x) = 72 x 3 - 48x 2 + 14 x - 1
f ' ' ( x) = 216 x 2 - 96 x + 14

clvii
b. f ( x) = 3x 3 - 7 x 2 + 2 x + 1

f ( x) = 3 x 3 - 7 x 2 + 2 x + 1
f ' ( x) = 9 x 3 - 14 x + 2
f ' ' ( x) = 27 x 2 - 14

5. Determine a terseira derivada das funções abaixo:

a. f ( x) = x 4 - 2 x 3 + 7 x 2 - x + 1
Solução:

f ( x) = x 4 - 2 x 3 + 7 x 2 - x + 1
f ' ( x) = 4 x 3 - 6 x 2 + 14 x - 1
f ' ' ( x) = 12 x 2 - 12 x + 14
f ' ' ' ( x) = 24 x - 12

b. f ( x) = 4 x 3 - 3 x 2 + 2 x + 1

Solução:

f ( x) = 4 x 3 - 3 x 2 + 2 x + 1

f ' ( x) = 12 x 2 - 6 x + 2
f ' ' ( x) = 24 x - 6
f ' ' ' ( x) = 24
9.3. DERIVADA DAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

clviii
RELAÇÕES TRIGONOM ÉTRICAS IMPORTANTES

senx
lim =1
x®0 x

a+b a-b
sena - senb = 2 cos .sen
2 2
a+b a -b
cos a - cos b = -2 sen .sen
2 2
sen 2 x = 2 senx . cos x
senx
tan x =
cos x
cos x
cot anx =
senx
1
sec x =
cos x
1
cos sec x =
senx
sen 2
x + cos 2
x = 1
sen 2
x = 1 - cos 2
x
cos 2
x = 1 - sen 2
x

clix
sen 2 x
tan 2
x =
cos 2 x
cos 2 x
cot an x =
2

sen 2 x
1
sec 2
x =
cos 2 x
1
cos sec 2 x =
sen 2 x

Exemplo:
f ( x + h) - f ( x )
6. Utilize a formula f ' ( x) = lim para determine a função
h ®0 h
abaixo:

a. f ( x ) = senx
b. f ( x) = cos x
Solução:

a. f ( x ) = senx

clx
f ( x + h) - f ( x)
f ' ( x) = lim
h® 0 h
sen( x + h) - senx
= lim
h ®0 h
x+h+ x x+h-x
2 cos .sen
= lim 2 2
h ®0 h
2x + h h
2 cos .sen
= lim 2 2
h ®0 h
æ hö h
- senç x + ÷.sen
= lim è 2ø 2
h ®0 h
h
æ hö
= lim cosç x + ÷ lim sen 2
h ®0
è 2 ø h ®0 h
2
æ hö
= lim cosç x + ÷.1
h ®0
è 2ø
æ 0ö
= cosç x + ÷ = cos x
è 2ø

clxi
b. f ( x ) = cos x

f ( x + h) - f ( x)
f ' ( x) = lim
h ®0 h
cos( x + h) - cos x
= lim
h® 0 h
x+h+ x x+h-x
- 2 sen .sen
= lim 2 2
h® 0 h
2x + h h
- 2 sen .sen
= lim 2 2
h® 0 h
æ hö h
- 2 senç x + ÷.sen
= lim è 2ø 2
h® 0 h
h
æ hö
= lim- senç x + ÷ lim sen 2
h® 0
è 2 ø h ®0 h
2
æ hö
= lim- senç x + ÷.1
h® 0
è 2ø
æ 0ö
= - senç x + ÷
è 2ø
= - senx

clxii
7. Calcule a derivada das funções trigonométria abaixo:
f ( x ) = senx

Solução:

f ( x ) = senx ® f ' ( x) = cos x

8. f ( x) = senx

Solução:

f ( x) = cos x ® f ' ( x) = -senx

9. f ( x) = tan x

Solução:

senx
f ( x) = tan x =
cos x
u ( x ) = senx ® u ' ( x) = cos x
v( x) = cos x ® v ' ( x) = - senx
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ' ( x) =
[v( x)]2
cos x. cos x - senx.( - senx)
=
(cos x )2
sen 2 x + cos 2 x
=
cos 2 x
1
=
cos 2 x
= sec 2 x

clxiii
10. f ( x ) = cot anx

Solução:

cos x
f ( x) = cot anx =
senx
u ( x) = cos x ® u ' ( x) = - senx
v( x) = senx ® v ' ( x) = cos x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
(- senx).senx - cos x. cos x
=
(senx)2
- sen 2 x - cos 2 x
=
sen 2 x
-1
=
sen 2 x
= - cos sec 2 x

clxiv
11. f ( x ) = sec x

Solução:

1
f ( x) = sec x =
cos x
u ( x) = 1 ® u ' ( x) = 0
v( x) = cos x ® v ' ( x) = -senx
u ' ( x)v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
0. cos x - 1.(-senx)
=
(cos x )2
0 + senx
=
cos 2 x
senx
=
cos 2 x
= sec 2 x. senx

clxv
12. f ( x ) = cos sec x

Solução:

1
f ( x) = cot anx =
senx
u ( x) = 1 ® u ' ( x) = 0
v ( x ) = senx ® v ' ( x) = cos x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
0.senx - 1. cos x
=
(senx )2
0 - cos x
=
sen 2 x
- cos x
=
sen 2 x
= - cos sec 2 x cos x

13. f ( x ) = sen x
2

Solução:

clxvi
f ( x) = sen 2 x = senx.senx
u ( x) = senx ® u ' ( x) = cos x
v( x) = senx ® v ' ( x) = cos x
f ' ( x) = senx. cos x + cos xsenx
= 2senx cos x = sen2 x

14. f ( x ) = cos 2 x

Solução:

f ( x ) = cos 2 x = cos x. cos x


u ( x) = cos x ® u ' ( x ) = - senx
v( x) = cos x ® v ' ( x) = - senx
f ' ( x ) = cos x( - senx) + ( - senx).senx
= -2senx cos x = - sen 2 x

15. f ( x ) = tan 2 x

Solução:

clxvii
sen 2 x
f ( x) = tan x = 2

cos 2 x
u ( x) = sen 2 x ® u ' ( x) = sen2 x
v( x) = cos 2 x ® v ' ( x) = - sen2 x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
sen2 x. cos 2 x - sen 2 x.(- sen2 x)
=
(cos x )
2 2

sen2 x. cos 2 x + sen 2 x.sen2 x


=
cos 4 x
sen2 x( sen 2 x + cos 2 x)
=
cos 4 x
2senx. cos x
=
cos 3 x cos x
2 senx 2senx
= =
cos 3 x cos 2 x cos x
= 2 sec 2 tan x

16. f ( x ) = cot an x
2

Solução:

clxviii
cos 2 x
f ( x) = cot an x = 2

sen 2 x
u ( x) = cos 2 x ® v ' ( x) = - sen 2 x
v( x) = sen 2 x ® v ' ( x ) = sen2 x
u ' ( x ).v( x ) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
(- sen2 x). cos 2 x - cos 2 x.sen2 x
=
(sen x )
2 2

- sen 2 x.sen2 x - sen 2 x. cos 2 x


=
sen 4 x
- sen2 x( sen 2 x + cos 2 x)
=
sen 4 x
- 2senx. cos x
=
sen 3 x.senx
- 2 cos x
=
sen 3 x
- 2 cos x
=
sen 2 x.senx
= -2 cos sec 2 x. cot anx

17. f ( x) = sec2 x

Solução:

clxix
1
f ( x) =
cos2 x
u ( x) = 1 ® u ' ( x) = o
v( x) = cos2 x ® v' ( x) = -sen2 x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
0. cos2 x - 1.(-sen2 x)
=
(cos x)
2 2

sen2 x
=
cos4 x
2senx. cos x
=
cos3 x cos x
2senx
=
cos3 x
2senx
=
cos2 x cos x
= 2 sec2 x tan x

18. f ( x ) = cos sec 2 x

Solução:

clxx
1
f ( x) = cos sec 2 x =
sen 2 x
u ( x) = 1 ® v ' ( x) = 0
v( x) = sen 2 x ® v ' ( x) = sen2 x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
0.sen 2 x - 1.sen2 x
=
(sen x )
2 2

- sen2 x
=
sen 4 x
- 2 senx. cos x
=
sen3 x.senx
- 2 cos x
=
sen3 x
- 2 cos x
=
sen 2 x.senx
= -2 cos sec 2 x. cot anx

senx
19. f ( x ) =
tan x

Solução:

senx senx senx cos x


f ( x) = = = . = cos x
tan x senx 1 senx
cos x
f ' ( x) = - senx

senx
20. f ( x) =
cot anx

clxxi
Solução:

senx senx senx senx sen 2 x


f ( x) = = = . =
cot anx cos x 1 cos x cos x
senx
u ( x) = sen x ® u ' ( x ) = sen 2 x
2

v( x) = cos x ® v' ( x) = - senx


u ( x ).v' ( x) - u ( x ).v' ( x)
f ' ( x) =
[v( x)]2
sen 2 x. cos x - sen 2 x.(- senx)
=
cos 2 x
sen 2 x. cos x sen 2 x.( - senx )
= -
cos 2 x cos 2 x
sen 2 x
= + tan 2 x
cos x
2 senx. cos x
= + tan 2 xsenx
cos x
= 2senx tan 2 xsenx
= senx (tan 2 x + 2)

senx
21. f ( x) =
sec x
Solução:

clxxii
senx senx senx cos x
f ( x) = = = . = senx. cos x
sec x 1 1 1
cos x
u( x) = senx ® u' ( x) = cos x
v( x) = cos x ® v' ( x) = -senx
f ' ( x) = u( x).v' ( x) + u' ( x).v( x) = senx(-senx) + cos x. cos x
= -sen2 x + cos2 x
= -sen2 x + (1 - sen2 x) = -2sen2 x + 1

senx
22. f ( x) =
cos sec x

Solução:

senx senx senx sin x


f ( x) = = = . = sen 2 x.
cos sec x 1 1 1
sin x

f ( x) = sen 2 x = senx.senx
u ( x ) = senx ® u ' ( x ) = cos x
v ( x ) = senx ® v ' ( x) = cos x
f ' ( x ) = senx. cos x + cos xsenx
= 2senx cos x = sen 2 x
cos x
23. f ( x ) =
tan x

Solução:

clxxiii
cos x cos x cos x cos x cos 2 x
f ( x) = = = . =
tan x senx 1 senx senx
cos x
u ( x) = cos 2 x ® u ' ( x) = - sen2 x
v ( x) = senx ® v ' ( x) = cos x
u ' ( x )v ( x ) - u ( x )v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
=
(- sen2 x ).senx - cos 2 x. cos x
sen 2 x
- (2 senx cos x ).senx - cos 2 x. cos x
=
sen 2 x
- 2 sen 2 x cos x - cos 2 x. cos x
=
sen 2 x
2 sen 2 x cos 2 x. cos x
=- -
sen 2 x sen 2 x
= -2 cos x + cot an 2 x cos x
(
= - cos x cot an 2 x - 2 )
cos x
24. f ( x ) =
cot anx

Solução:

cos x cos x cos x senx


f ( x) = = = . = senx
cot anx cos x 1 cos x
senx
f ' ( x) = cos x

cos x
25. f ( x) =
sec x

Solução:

clxxiv
cos x cos x cos x cos x
f ( x) = = = . = cos 2 x
sec x 1 1 1
cos x

f ( x ) = cos 2 x = cos x. cos x


u ( x) = cos x ® u ' ( x) = - senx
v( x) = cos x ® v ' ( x) = - senx
f ' ( x ) = cos x(- senx) + (- senx).senx
= -2 senx cos x
= - sen2 x

cos x
26. f ( x ) =
cos sec x

Solução:

cos x cos x cos x senx


f ( x) = = = . = cos x.senx
cos sec x i 1 1
senx

f ( x) = senx. cos x
u ( x) = senx ® u ' ( x) = cos x
v( x) = cos x ® v' ( x) = - senx
f ' ( x) = u ( x).v' ( x) + u ' ( x).v( x) = senx(- senx) + cos x. cos x
= - sen 2 x + cos 2 x = - sen 2 x + (1 - sen 2 x) = -2sen 2 x + 1

tan x
27. f ( x) =
senx

Solução:

clxxv
senx
tan x cos x = senx . 1 = 1
f ( x) = =
senx senx cos x senx cos x

1
f ( x) =
cos x
u( x) = 1 ® u ' ( x) = 0
v( x) = cos x ® v ' ( x) = - senx
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
0. cos x - 1.(- senx)
=
(cos x )2
0 + senx
=
cos 2 x
senx
=
cos 2 x
= sec 2 x. senx

tan x
28. f ( x) =
cos x
Solução:

senx
tan x cos x = senx . 1 = senx
f ( x) = =
senx cos x cos x cos x cos 2 x

clxxvi
u ( x) = senx ® u ' ( x ) = cos x
v ( x ) = cos 2 x ® v' ( x ) = - sen2 x
u ' ( x ) v ( x ) - u ( x )v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
cos x. cos 2 x - senx(- sen 2 x )
=
cos 4 x
cos 3 x + senx(2 senx cos x )
=
cos 4 x
cos 3 x + 2senx 2 cos x
=
cos 4 x
2sen 2 x cos x cos 3 x
= +
cos x4
cos 4 x
2sen 2 x 1
= +
cos 3 x cos x
2sen 2 x 1
= +
cos 2 x cos x
1 1
= tan 2 x +
cos x cos x
= tan 2 x sec x + sec x
= sec x(tan 2 x + 1)

cot anx
29. f ( x) =
tan x

Solução:

clxxvii
cos x
cot anx senx cos x cos x cos 2 x
f ( x) = = = . =
tan x senx senx senx sen 2 x
tan x

cos2 x
f ( x) =
sen2 x
u( x) = cos2 x ® v ' ( x) = -sen2 x
v( x) = sen2 x ® v ' ( x) = sen2 x
u ' ( x).v( x) - u( x).v ' ( x)
f ( x) =
'

[v( x)]2
(-sen2 x).sen2 x - cos2 x.sen2 x
=
(sen x)
2 2

- sen2 x.sen2 x - cos2 x.sen2x


=
sen4 x
sen2x(-sen2 x - cos2 x)
=
sen4 x
- 2senx. cos x
=
sen3 x.senx
- 2 cos x
=
sen3 x
- 2 cos x
=
sen2 x.senx
= -2 cossec2 x. cot anx

clxxviii
sec x
30. f ( x ) =
senx

Solução:

1
sec x 1 1
f ( x) = = cos x = 1 . =
senx senx cos x senx senx. cos x
u ( x) = 1 ® u ' ( x) = 0
v( x) = senx. cos x ® v' ( x) = 2 cos 2 x - 1
0.senx. cos x - 1.(2 cos 2 x - 1)
f ' ( x) =
sen 2 x. cos 2 x
- (2 cos 2 x + 1)
=
sen 2 x. cos 2 x
2 cos 2 x 1
=- +
sen 2 x. cos 2 x sen 2 x. cos 2 x
= -2 cos sec 2 x + cos sec 2 x.sec 2 x
= cos sec 2 x(sec 2 x - 2)

sec x
31. Sabendo que a derivada f ( x) = e g ( x ) = sec x justifica que a
2
cos x
derivada é f ' ( x ) = g (x ) .

Solução:

clxxix
1 1
f ( x) = f ( x) =
cos 2 x cos 2 x
u ( x) = 1 ® u ' ( x ) = o u ( x) = 1 ® u ' ( x) = o
v ( x) = cos 2 x ® v ' ( x) = - sen2 x v( x) = cos 2 x ® v ' ( x) = - sen 2 x
u ' ( x).v( x) - u ( x).v ' ( x ) u ' ( x ).v( x ) - u ( x).v ' ( x)
f ( x) =
'
f ' ( x) =
[v( x)]2 [v( x)]2
0. cos 2 x - 1.(- sen2 x) 0. cos 2 x - 1.(- sen2 x)
= =
(cos x )2 2
(cos x )
2 2

sen2 x 2 senx. cos x sen 2 x 2 senx. cos x


= = = =
cos 4 x cos 3 x cos x cos 4 x cos 3 x cos x
2 senx 2 senx 2senx 2 senx
= = = =
cos 3 x cos 2 x cos x cos x cos 2 x cos x
3

= 2 sec 2 x tan x = 2 sec 2 x tan x

Portanto a derivada da função f(x)=g(x)


f ( x + h) - f ( x )
32. Utilize a formula f ' ( x) = lim para determine a função
h ®0 h
abaixo:
cot anx
a. f ( x) =
sec x

Solução:

cos x
cot anx senx = cos x . senx = cos x
f ( x) = =
cos sec x 1 senx 1
senx

clxxx
f ( x + h) - f ( x )
f ' ( x) = lim
h®0 h
cos( x + h) - cos x
= lim
h®0 h
x+h+x x+h-x
- 2 sen .sen
= lim 2 2
h®0 h
2x + h h
- 2 sen .sen
= lim 2 2
h®0 h
æ hö h
- 2 senç x + ÷.sen
= lim è 2ø 2
h®0 h
h
æ hö
= lim - senç x + ÷ lim sen 2
h®0
è 2 ø h®0 h
2
æ hö
= lim - senç x + ÷.1
h®0
è 2ø
æ 0ö
= - senç x + ÷
è 2ø
= - senx

tan x
b. f ( x) =
sec x

clxxxi
Solução:

senx
tan x cos x = senx . cos x = senx
f ( x) = =
sec x 1 cos x 1
cos x

f ( x + h) - f ( x )
f ' ( x) = lim
h ®0 h
sen( x + h) - senx
= lim
h ®0 h
x+h+ x x+h-x
2 cos .sen
= lim 2 2
h ®0 h
2x + h h
2 cos .sen
= lim 2 2
h ®0 h
æ hö h
- senç x + ÷.sen
= lim è 2ø 2
h ®0 h
h
æ hö
= lim cosç x + ÷ lim sen 2
h ®0
è 2 ø h ®0 h
2
æ hö æ 0ö
= lim cosç x + ÷.1 = cosç x + ÷
h ®0
è 2ø è 2ø
= cos x

c. (
f ( x ) = sen 2 x 2 x 3 - 8 x 2 )
Solução:

clxxxii
(
f ( x) = sen 2 x 2 x 3 - 8 x 2 )
u ( x ) = sen 2 x ® u ' ( x) = sen 2 x
v( x ) = 2 x 3 - 8 x 2 ® v' ( x) = 6 x 2 - 16 x
f ' ( x ) = u ( x )v ' ( x ) + u ' ( x )v ( x )
( )
= sen 2 x 6 x 2 - 16 x + sen2 x 6 x 2 - 16 x ( )
( )
= senx.senx 6 x 2 - 16 x + 2senx. cos x 6 x 2 - 16 x ( )
= senx (senx (6 x 2
- 16 x ) + 2 cos x(6 x - 16 x ))2

d. f ( x) = tan 2 x 4 x 3 - 3x 2 ( )
3

Solução:

(
f ( x ) = tan 2 x 4 x 3 - 3x 2 )
3

u ( x) = tan 2 x ® u ' ( x) = -2 sec 2 x tan x


( )3
( )(
2
v( x ) = 4 x 3 - 3x 2 ® v' ( x) = 3 4 x 3 - 3x 2 . 12 x 2 - 6 x = 36 x 2 - 18 x ) ( )
f ' ( x ) = u ( x)v' ( x) + u ' ( x)v( x )
( ) (
= tan 2 x 36 x 2 - 18 x + - 2 sec 2 x tan x 4 x 3 - 3 x 2 )( )
3

[ ( ) (
= tan x tan x 36 x 2 - 18 x - 2 sec 2 x 4 x 3 - 3x 2 )( )]
3

tan 2 x
f ( x) =
(4 x )
e. 3
3
- 3x 2

Solução:

clxxxiii
tan 2 x
f ( x) =
(4 x 3
- 3x 2 ) 3

u ( x) = tan 2 x ® u ' ( x) = - 2 sec 2 x tan x ( )


(
v( x) = 4 x 3 - 3 x 2 ) 3
(
® v' ( x) = 3 4 x 3 - 3x 2 12 x 3 - 6 x )( 2
)
(
= 36 x 3 - 18 x 4 x 3 - 3x 2)( )
2

u ' ( x )v ( x ) - u ( x )v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
=
(- 2 sec 2
)( )
3
x tan x 4 x 3 - 3x 2 - tan 2 x 36 x 3 - 18 x 4 x 3 - 3 x 2 ( )( )
2

[(4 x - 3x ) ]
3 2 3
2

( )(
é - 2 sec 2 x 4 x 3 - 3 x 2 3 - 36 x 3 - 18 x 4 x 3 - 3 x 2
= tan x ê
) ( )( ) ùú
2

êë 4 x 3 - 3x 2
6
( ) úû

cot an 2 x
f ( x) =
(2 x )
f. 2
3
- x2

Solução:

cot an 2 x
f ( x) =
(2 x 3
- x2 )
2

u ( x) = cot an 2 x ® u ' ( x) = 2 cos sec 2 x cot anx


(
v( x) = 2 x 3 - x 2 )
2
( )(
® v' ( x) = 2 2 x 3 - x 2 6 x 2 - 2 x = 12 x 2 - 4 x )
u ' ( x )v ( x ) - u ( x) v ' ( x )
f ' ( x) =
[v( x)]2
=
(2 cos sec 2
x cot anx 2 x 3 - x 2 )( ) - cot an x(12 x
2 2 2
- 4x )
[(2x - x ) ]
3 2 2
2

= cot anx ê
(
é 2 cos sec 2 x )(2 x - x ) - cot anx (12 x
3 2 2 2
- 4x ù
ú
)
êë (2 x - x ) 3 2 4
úû

clxxxiv
g. f ( x) =
(4 x 3
- 3x 2 )
3

sec 2 x

Solução:

f ( x) =
(4 x 3
- 3x 2 ) = (4 x
3 3
- 3x 2 ) = (4 x
3 3
) 3
- 3x 2 cos 2 x
.
sec 2 x 1 1 1
cos 2 x
(
= cos 2 x 4 x 3 - 3x 2 )
3

u ( x) = cos 2 x ® u ' ( x) = - sen 2 x


(
v( x) = 4 x 3 - 3 x 2 )
3
® v' ( x)
(
= 3 4 x 3 - 3x 2 ) (12 x - 6 x )
2 2

(
= 36 x 2 - 18 x )(4 x - 3 x )3 2 2

f ' ( x) = u ( x).v' ( x) + u ' ( x).v( x)


(
= cos 2 x 36 x 2 - 18 x 4 x 3 - 3x 2 )( ) + (- sen2 x )(4 x - 3x )
2 3 2 3

[
= cos x cos x 36 x 2 ( - 18 x )(4 x - 3 x ) - 2 senx (4 x - 3x ) ]
3 2 2 3 2 3

h. f ( x) = sen( 2 x - 3)

Solução:

u ( x) = 2 x - 3 ® u ' ( x) = 2
f ' ( x ) = cos u ( x ).u ' ( x ) = cos( 2 x - 3).2 = 2 cos( 2 x - 3)
i. f ( x ) = cos( 3 x - 1)

Solução:

clxxxv
u ( x) = 3 x - 1 ® u ' ( x) = 3
f ' ( x) = - senu ( x).u ' ( x) = - sen(3x - 1).3 = -3 cos(3x - 1)

j. f ( x) = sen 2 (5 x 2 - 3)

Solução:

u ( x) = 5 x 2 - 3 ® u ' ( x) = 10 x
f ' ( x) = 2senu ( x). cos u ( x).u ' ( x)
= 2 senu ( x). cos u ( x).u ' ( x)
= 2 sen(5 x 2 - 3). cos(5 x 2 - 3).10 x
= 10 x.sen(5 x 2 - 3). cos(5 x 2 - 3)

k. f ( x) = cos 2 ( 2 x 3 - 3 x)

Solução:

u ( x) = 2 x 3 - 3x ® u ' ( x) = 8 x 2 - 3
f ' ( x) = -2 senu ( x). cos u ( x).u ' ( x)
( )
= -2 senu ( x ). cos u ( x ).u ' ( x) = 2 sen(5 x 2 - 3). cos(5 x 2 - 3). 8 x 2 - 3
( )
= 16 x 2 - 6 sen(2 x 3 - 3x ). cos(2 x 3 - 3 x )

9.5. INTERP RETAÇÃO GEOMÉTRICA DA DERIVADA

9.5.1. REVIÇÃO DE EQUAÇÃO DA RETA

Uma reta pode ser representada no plano carteciano xy por uma equação, chamada de
equação da reta:

y = mx + b

onde, m é chamado de coeficiente angular e b é chamado do termo indepedente.

clxxxvi
Exemplo:

1. Seja a equação da reta y = 2x + 6

Nesta reta, o coeficiente reta angular é 2 e o termo indepedente é 6 ou seja m = 2 e


b=6

X Y X,y
-2 2 -2,2
-1 4 -1,4
0 6 0,6
1 8 1,8
2 12 1,10

8 1,8

0,6 6

-1,4 4

- 2,2 2

-6 0
-4 -2 2 4 6 8
-2
clxxxvii
-4
Ospontossobre a reta

Os pontos que pretence á reta são (-2,2), pois se nos subtituir as coordenadas x = -2
na equação da reta y = 2x + 6 a iqualidade será verdadeira, veja:

( x, y ) = (-2,2)
y = 2x + 6
2 = 2(-2) + 6
2 = -4 + 6
2=2

Os pontos que pretence á reta são (-1,4), pois se nos subtituir as coordenadas x = -1
na equação da reta y = 2x + 6 a iqualidade será verdadeira, veja:

( x, y ) = (-1,4)
y = 2x + 6
4 = 2(-1) + 6
4 = -2 + 6
4=8

Os pontos que pretence á reta são (0,6), pois se nos subtituir as coordenadas x = 0 na
equação da reta y = 2x + 6 a iqualidade será verdadeira, veja:

clxxxviii
( x, y ) = (0,6)
y = 2x + 6
6 = 2(0) + 6
6 =0+6
6=6

Os pontos que pretence á reta são (1,8), pois se nos subtituir as coordenadas x = 1 na
equação da reta y = 2x + 6 a iqualidade será verdadeira, veja:

( x, y) = (1,8)
y = 2x + 6
8 = 2(1) + 6
8= 2+6
8=8

Existe também uma maneira de descobrir qual é a equação da reta quando nos
conhecemos coeficiente angular m e um ponto qualquer ( x1 , y1 ) que pretence á reta.
Basta subtituir os valores na equação a seguir, chamada Equação fundamental da
reta:

y1 - y = m( x1 = x)

2. O coeficiente angular de uma reta é 5 e essa reta passa pela ponto (1,3). Qual
é aequação da reta?

Solução:

m=5

( x1 , y1 ) = 1,3

Ogora, basta subtituir os valores acima na equação fundamental da reta:

clxxxix
y1 - y = m( x1 = x )
y - 3 = 5( x - 1)
y - 3 = 5x - 5
y = 5x - 5 + 3
y = 5x - 5

9.5.2.COEFICIENTE ANGULAR DA RETA TANGENT À CORVA y =f (x)


NO PONTO x = a

Coeficiente angular da reta tangent à corva y =f (x) no ponto x = a é

f ( a + h) - f ( a )
m = lim ou m = f ' (a )
h ®0 h
Quando uma reta tangente passa pelo gráfico de uma função f(x) no ponto x = a, pode
utilizar a derivada da função para calcular coeficiente angular desta reta. Assim,
numa interpretação geométrica, a derivada de uma função represente o coeficiente
angular da reta tangente ao gráfico.

Exemplos:

1. Calcule o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico da função


f ( x ) = x 3 - 3x 2 no ponto x = 4.

Solução:

cxc
f ( x) = x 3 - 3x 2
f ' ( x) = 3x 2 - 6 x
m = f ' (a)
= f ' ( 4)
= 3( 4) 2 - 6.4
= 4.16 - 24
= 48 - 24
= 24

2. Seja f ( x) = 5 - x . Calcule o coeficiente angular m da reta tangente ao


gráfico de f(x) no ponto x = 1

Solução:

f ( x) = 5 - x
1
f ' ( x) = -
2 x
m = f ' (a)
= f ' (1)
1
=-
2 1
1
=-
2

3. Escreva a equação da reta tangente ao gráfico da função f ( x ) = x - 5 x e


3

que passa pelo ponto (1,-4).

Solução:

cxci
y - y1 = m( x - x1 )
x1 , y1 = (1,-4)
x =1
f ( x) = x 3 - 5 x
f ' ( x) = 3x 2 - 5
m = f ' (1) = 3(1) 2 - 5
= 3-5
= -2
Subtituida os valores na fórmula da equação fundamental da reta:
m = -2
x1 , y1 = (1,-4)
y - y1 = m( x - x1 )
y - (-4) = -2( x - 1)
y + 4 = -2 x + 2
y = -2 x + 2 - 4
y = -2 x - 2

4. Escreva a equação da reta tangente ao gráfico da função


f ( x ) = x 2 - 5 x + 4 e que passa pelo ponto (-1,10).

Solução:

cxcii
y - y1 = m( x - x1 )
x1 , y1 = (-1,10)
x =1
f ( x) = x 2 - 5 x + 4
f ' ( x) = 2 x - 5
m = f ' (-1) = 2(-1) 2 - 5
= -2 - 5
= -7

Subtituida os valores na fórmula da equação fundamental da reta:


m = -7
x1 , y1 = ( -1,10)
y - 10 = [- 7( x - (-1)]
y - 10 = -7 x - 7)
y - 10 = -7 x - 7
y = -7 x - 7 + 10
y = -7 x + 3

5. Escreva a equação da reta tangente ao gráfico da função f ( x ) = 5 x - 6 x e


2

que tem coeficiente angular m=4.

Solução:

cxciii
m=4
f ( x) = 5 x 2 - 6 x
f ' ( x) = 10 x - 6
m = f ' (1) = 3(1) 2 - 5
f ' ( x1 ) = m
10 x1 = 4 + 6
10
x1 =
10
x1 = 1

y1 = 5 x1 - 6 x1
2

y1 = 5 x1 - 6 x1
2

y1 = 5(1) 2 - 6.1
y1 = 5 - 6
y1 = -1

Portanto, o ponto ( x1 , y1 ) = (1,-1) . A reta tangente passa por este ponto. A quação da
reta tangente é:
m=4
x1 , y1 = (1,-1)
y - y1 = 4( x - x1 )
y - (-1) = 4( x - 1)
y + 1 = 4x - 4
y = 4x - 4 -1
y = 4x - 5

cxciv
DAFTAR PUSTAKA
Kiss, Claudete; dkk, Matemática 1oano Do Ensino Secundário, Guia Do Aluno, Dili-
Timor Leste 2008
Marques, Claudio., Matemática Livro do Professor 8a Série, Editoria Moderna, São
Paulo-Brasil 1996.
Suharso, Drs., dkk, Matematika 1a Sekolah Menenggah Umum Caturwulan 1,
Pabelan, Surakarta- Indonesia 2000.
Suharso, Drs., dkk, Matematika 2a Sekolah Menenggah Umum Caturwulan 1,
Pabelan, Surakarta- Indonesia 2000.
Suharso, Drs., dkk, Matematika 2b Sekolah Menenggah Umum Caturwulan 2,
Pabelan, Surakarta- Indonesia 2000.
Suharso, Drs., dkk, Matematika 2c Sekolah Menenggah Umum Caturwulan 3,
Pabelan, Surakarta- Indonesia 2000.
Susilo, Drs., MatematikaPenuntunPelajaran SMU kelasIIA ,Ganeca Exact Bandung,
Bandung-Indonesia 1985

cxcv