Você está na página 1de 6

Escola Básica 2.ºe 3.º Ciclos Dr.

Horácio Bento de Gouveia


PORTUGUÊS

FICHA DE TRABALHO: uso da vírgula


Recorda:

A vírgula deve ser usada para:


 a. separar o vocativo e o modificador apositivo do nome dos restantes elementos da frase;
 b. delimitar a função sintática de modificador quando este se encontra entre um verbo e o seu
complemento;
 c. indicar a supressão de uma palavra (geralmente o verbo) ou de um grupo de palavras;
 d. delimitar orações subordinadas antepostas à subordinante ou intercaladas numa frase;
 e. separar os vários elementos de uma enumeração;
 f. isolar uma expressão explicativa dos restantes elementos de uma frase (por exemplo, sem dúvida,
com efeito, ou seja, isto é, quer dizer,…);
 g. isolar advérbios conectivos em início de frase (depois, contudo, porém, todavia, primeiramente,
seguidamente,…).
 h. Coloca-se a vírgula antes das adversativas (mas, porém, todavia, contudo, no entanto),
conclusivas (logo, portanto, por conseguinte, por consequência), explicativas (pois, que) e gerundivas
(Ex.: Vence os obstáculos, sendo otimista.).

A vírgula não deve ser usada para:


 1. separar o sujeito do predicado:
 2. separar o predicado dos seus complementos (direto, indireto, oblíquo e agente da passiva) e
predicativos (do sujeito e do complemento direto);
 3. separar o predicado de orações subordinadas substantivas completivas do respetivo sujeito.

A vírgula é opcional para:


 separar modificadores do grupo verbal e da frase em início ou final de frase.

Treina:

1. Lê atentamente as afirmações que se seguem.

A VÍRGULA
1. A vírgula pode mudar o sentido.
Não, espere.
Não espere.
2. A vírgula pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.
3. Ela pode reduzir o dinheiro.
23,4 €.
2,34 €.
4. Ela pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.
5. Pode criar vilões.
Esse, juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.
6. Ela pode ajudar a salvar ou a condenar.
Não tenha clemência.
Não, tenha clemência.
7. A vírgula pode mudar uma opinião.
Não quero ler.
Não, quero ler.
1.1. Relaciona-as com as palavras que acompanham a imagem abaixo.

Quando estou mal disposta


(e estou-o muitas vezes…)
mudo o sentido às frases,
complico tudo…

2. Lê atentamente os exemplos que se seguem sobre o que uma simples vírgula pode fazer.
A Quem canta, seus males espanta!
Quem canta seus males, espanta!

B Em tempos que já lá vão, a população de uma pequena


cidade revoltou-se contra o governo. Deslocaram-se, então, dois
navios de guerra que fundearam em frente ao lugarejo. O
comandante, após comprovar a insurreição chefiada por padres,
enviou uma mensagem à Corte:
– Devo bombardear a cidade?
A Corte respondeu:
– Não, há que poupar a população!
Porém o telegrafista achou desnecessária a vírgula:
– Não há que poupar a população!

C Conta-se que, num reino, num tempo muito distante, um homem


do povo anexou um cartaz na entrada do castelo, dizendo: “Matar o rei
não é pecado.” Acabou por ser preso. Quando soube que seria
decapitado, teve uma ideia. Explicou ao rei que se tinha esquecido de
colocar a vírgula após o "não", ou seja, “Matar o rei não, é pecado.”
O rei mandou libertá-lo…

D Consultado sobre a vida ou a morte de um súbdito (Dar-lhe o perdão?), o Rei


escreveu uma ordem: “Não, mate esse homem.”
A mensageira, amante do réu, retirou a vírgula (“Não mate esse homem.”),
salvando, assim, a vida do seu amado.
E O marido de uma mulher foi para a guerra. Ela procurou
uma cigana, querendo saber se retornaria com vida a casa. A
cigana pegou num papel e, sem colocar qualquer pontuação,
redigiu:
“Irás voltarás não morrerás na guerra”
A mulher ficou muito feliz, pois entendera o seguinte:
"Irás, voltarás, não morrerás na guerra."
Alguns meses despois, a guerra acabou e o marido não
regressou. Ela retornou à cigana, exigindo explicações. A cigana
escreveu:
"Irás, voltarás? Não! Morrerás na guerra."
2.1. Em relação ao uso da vírgula nos exemplos destacados, o que concluis?

3. Lê o excerto de Moacyr Scliar.


AS PAUSAS RECEOSAS (RECEOSAS, VÍRGULA, CAUTELOSAS) DO JOVEM ADULTO
Estamos, meus colegas, todos nós, hoje, aqui, nesta festa de formatura, nesta festa,
que, meus colegas, é não só nossa, colegas, mas também, colegas, de nossos pais, de nossos
irmãos, de nossas noivas, enfim, de todos quantos, nas jornadas, penosas embora, mas
confiantes sempre, nos acompanharam, estamos, colegas, cônscios de nosso dever, para com
a família, para com a comunidade, para com esta Faculdade, tão jovem, tão batalhadora, mas
ao mesmo tempo tão, colegas, tão.

3.1. Nesta parte, o protagonista é um jovem adulto, que está a terminar a faculdade. O
narrador associa essa fase à vírgula. Observa o emprego da palavra «vírgula» no título.
3.1.1. Indica uma palavra ou expressão que tenha um sentido aproximado da palavra «vírgula»
nesse contexto.
3.1.2. Refere a intenção do narrador ao empregar a palavra «vírgula» nesse contexto.

4. Explica a diferença de sentido resultante do uso da vírgula nas frases abaixo:


a. Joana, a costureira do bairro foi atropelada.
b. Joana, a costureira do bairro, foi atropelada.

5. Lê as frases abaixo:
Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria de quatro à sua procura.
5.1. Coloca a vírgula na frase, transformando-a numa afirmação feminista.
5.2. Reescreve a frase, colocando a vírgula de forma machista.

6. Assinala a frase em que faltam vírgulas:


a.  Quem sabe se os dois tinham uma receita de felicidade?
b.  Seria inútil explicar-lhe que um celeiro de brejo não tem preço.
c.  Boa distração a gente sonhar construir castelos arquitetar episódios romanescos.
d.  As pessoas distantes atingiram essa altura desolada em que papel e tinta nada significam.
e.  A lembrança dele é grata aos que conheceram os últimos dias de glória dos teatros do
interior.
7. Justifica o uso da vírgula nas frases seguintes.
a. Quando chegámos a casa, o jantar estava pronto.
b. Os automóveis são poluentes, ou seja, devemos usá-los com moderação.
c. A Rita, cujo pai é pescador, não gosta de peixe.
d. O teu pai, embora não goste de futebol, foi comigo ver o jogo.
e. Fui a tua casa. Porém, já tinhas saído.
f. Já pratiquei natação, futebol, andebol, basquetebol e hóquei.
g. Os alunos concordaram, imediatamente, como o adiamento do teste.
h. José, vem aqui.
i. É o retrato do lado positivo dos descobrimentos, reforçando-se a ideia de que o sacrifício traz
reconhecimento.
j. Está calor, mas não vamos à praia.

8. Explica por que motivo o uso das vírgulas é incorreto nas frases seguintes.
a. O Luís, ganhou uma bolsa de estudo.
b. Eu usei, o detergente da prateleira de cima.
c. Os meus irmãos chegaram, de Nova Iorque.
d. Esta banda desenhada foi escrita, por um amigo meu.
e. O Ricardo está, contente.
f. O Vasco considera o João, um ótimo gestor.
g. Ele disse, que está doente.
h. Tu telefonaste, à tua avó?
i. O Rui e o Mário, pertencem à nossa equipa.
j. Os meus amigos assistiram, ao concerto, no jardim.

9. Assinala a(s) frase(s) em que o uso da vírgula é incorreto.


a.  Como estava a chover, adiei o passeio.

b.  Não sabia, por que razão lhe virava o rosto.

c.  Ele, caso queira, poderá vir hoje.

d.  Não sabia, por que razão não estudara.

e.  O livro, comprei-o por conselho do professor.
f.  Ora ríamos, ora chorávamos.

g.  Amigos sinceros, já não os tinha.

h.  A parede da casa, era branquinha branquinha.

i.  Paulo, diga-me o que sabe a respeito do caso.

j.  João, o advogado, comprou, ontem, uma casa.

10. Pontua as frases seguintes com as vírgulas que considerares necessárias.


a. Abre o livro Marta por favor.
b. Adoro almoçar neste restaurante.
c. Sempre que venho a esta livraria encontro livros fantásticos.
d. A reciclagem é benéfica isto é protege o ambiente.
e. A laranja é um fruto e a laranjeira uma árvore.
f. Os nossos melhores amigos casaram-se na semana passada.
g. O meu tio que foi um excelente escultor recebeu um prémio pelo seu trabalho.
h. Os meus amigos embora viessem de longe chegaram a tempo da minha festa.
i. O Renato não treinou muito. Contudo obteve bons resultados.
10.1. Justifica o uso da(s) vírgula(s).
11. Pontua o discurso do Adamastor (de Os Lusíadas) que se segue com as vírgulas
necessárias.

Ó gente ousada mais que quantas no mundo


cometeram grandes cousas tu que por guerras
cruas tais e tantas e por trabalhos vãos nunca
repousas pois os vedados términos quebrantas e
navegar meus longos mares ousas que eu tanto
tempo há já que guardo e tenho nunca arados de
estranho ou próprio lenho: pois vens ver os
segredos escondidos da natureza e do húmido
elemento a nenhum grande humano concedidos de
nobre ou de imortal merecimento ouve os danos de
mim que apercebidos estão a teu sobejo
atrevimento […]
Sabe que quantas naus esta viagem que tu fazes
fizerem de atrevidas inimiga terão esta paragem
com ventos e tormentas desmedidas! […] Aqui
espero tomar se não me engano de quem me
descobriu suma vingança. E não se acabará só
nisto o dano da vossa pertinace confiança…
12. Lê o excerto abaixo de Os Lusíadas (adaptação de Amélia Pinto Pais) que relata uma
intervenção de Baco, após o “Consílio dos Deuses”.

Foi então que Baco decidiu intervir no sentido de


contrariar as decisões do Consílio tomou a forma de um
mouro bem conhecido em Moçambique como amigo do
chefe local e tido como sábio dirigiu-se ao chefe mouro e
disse-lhe que aquelas gentes que vinham de Portugal
eram ladrões que roubavam todas as terras a que
aportavam e vinham com a intenção de matar e roubar os
moçambicanos e tornar cativos as mulheres e filhos por
isso melhor seria na manhã seguinte aguardar que eles
viessem buscar água e destruí-los armando-lhes uma
emboscada se por acaso eles não ficassem destruídos
nesse ataque surpresa então devia entregar-lhes um
Piloto astuto e prudente que os levasse não à Índia mas
a outro local onde pudessem ser destruídos

12.1. Pontua-o devidamente, utilizando diferenciadamente o ponto e a vírgula.


12.2. Completa:
A vírgula é um sinal de pontuação que não deve separar:

 o sujeito do _________________;

 o predicado dos complementos _________________, _________________,

_________________ e _________________, bem como dos predicativos do

_________________ e do _________________;

 o predicado de orações subordinadas _________________do respetivo sujeito.

13. Atenta nas seguintes frases:


a. Ana, podes fechar a porta?
b. O soneto é um texto poético e o romance, um texto narrativo.
c. Ele obedeceu, ao seu pai?
d. Os meus tios vendem gelados, na praia.
e. O Tomás e o irmão, são nossos vizinhos.
f. Amanhã, vou passar o dia com a minha prima.
g. O teu professor de Inglês assistiu, ao jogo, na tribuna.
13.1. Preenche o quadro abaixo, indicando as alíneas em que o uso da vírgula é obrigatório,
incorreto ou opcional.
Vírgula obrigatória Vírgula incorreta Vírgula opcional1

1Relembra: a vírgula é opcional para separar modificadores do grupo verbal e da frase em início ou final de frase.