Você está na página 1de 97

MATERIAIS Engenharia Civil

Materiais de Construção II

CERÂMICOS Prof. MSc. Alana Pacheco

1
INTRODUÇÃO

2
HISTÓRIA
A indústria cerâmica é uma das mais antigas do mundo.
• Períodoneolítico (entre 12000 e 4000 a.C.): a necessidade de armazenar
alimentos levou o homem à criação de componentes de barro secos
naturalmente, e posteriormente, à fabricação de cerâmicas cozidas.
• Egito (3000 a.C.): utilização de cerâmicas vidradas.
• Europa central (século XVIII): utilização de cerâmica branca
• Últimasdécadas: aperfeiçoamento dos produtos convencionais e no
desenvolvimento de cerâmicas de alta tecnologia

3
DEFINIÇÕES
Os materiais cerâmicos são materiais inorgânicos, formados por elementos
metálicos e não-metálicos, ligados entre si por ligações iônicas e
covalentes, obtidos após tratamento térmico geralmente após
temperaturas elevadas.
• Duros e frágeis
• Pouca tenacidade
• Baixa ductilidade
• Bons isolantes térmicos e elétricos
• Pontos de fusão relativamente altos
• Estabilidade química
4
DEFINIÇÕES

5
DEFINIÇÕES
Cerâmica: pedra artificial obtida pela moldagem, secagem e cozedura de
argilas ou misturas contendo argilas.
(Em certos casos alguma dessas etapas pode não acontecer, mas a matéria-prima é a argila!!!)

• Argilas: materiais terrosos naturais que, quando


misturados com água, adquirem a propriedade
de apresentar alta plasticidade.
Minerais que apresentam tamanho inferior a 5
microns (ABNT).
Constituídas de argilo-minerais, geralmente
silicatos de alumina, muitas vezes associados à
óxidos de ferro, ou outros minerais.
6
DEFINIÇÕES
Cerâmica: pedra artificial obtida pela moldagem, secagem e cozedura de
argilas ou misturas contendo argilas.
(Em certos casos alguma dessas etapas pode não acontecer, mas a matéria-prima é a argila!!!)

Outras matérias primas:


• Naturais: Quartzo, feldspato, calcita, dolomita,
magnesita, bauxita
• Sintéticas: Alumina, carbonato de cálcio

7
DEFINIÇÕES
Argilo-minerais: são silicatos hidratados de alumínio, ferro e magnésio,
comumente com alguma porcentagem de álcalis e alcalino-terrosos.

• Caulinita: argilomineral mais puro. É muito


plástica e apresenta alta retração. Utilizada
para a confecção de materiais refratários.
• Ilita: argilomineral do grupo das micas, rica em
silício, magnésio, ferro e água. Cerâmica
vermelha.
• Montomorilonita: argilomineral composto por
camadas de sílica e alumina. Cerâmica
vermelha.
8
DEFINIÇÕES Propriedades dos principais elementos constituintes das argilas

Elementos Principais propriedades


Alumina Propicia estabilidade dimensional em temperaturas elevadas. Pode
aumentar ou diminuir o ponto de fusão. Reduz a plasticidade, resistência e
deformações.
Carboneto e sulfato de Resultam em expansão volumétrica e agem como fundentes.
cálcio e magnésio
Matéria orgânica Resulta em retração, fissuras durante o processo de queima e diferenças
de coloração em um mesmo componente cerâmico.
Óxido de ferro Confere a cor vermelha e amarela após a cozedura. Diminui o ponto de
fusão.
Sílica livre Diminui a retração durante o processo de queima e reduz a plasticidade.
Diminui a plasticidade, retração e resistência mecânica.
Silicatos e fosfatos São fundentes, alguns aumentam a resistência da cerâmica.

Sais solúveis Propiciam o aparecimento de eflorescências nos componentes cerâmicos.


9
CLASSIFICAÇÃO
Tipos de argila:
Argilas puras
• Argilas de cor de cozimento branca: caulins e argilas plásticas
• Argilas refratárias: caulins, argilas refratárias e argilas altamente
aluminosas
Argilas impuras
• Argilas para produtos de grês: argilas vitrificáveis
• Argilas para materiais cerâmicos estruturais: amarelas ou vermelhas

10
CLASSIFICAÇÃO
• Caulins: formado de caulinita (argilo-mineral mais puro), pó branco
matéria-prima da porcelana
• Argilas vitrifricáveis: maior porcentagem de sílica livre que as outras.

Argilas gordas: muito plásticas, tem mais alumina


Argilas magras: mais porosas e frágeis, tem mais sílica.

11
CLASSIFICAÇÃO
Tipos de depósitos de argila:
• Na superfície das rochas, como resultado
da decomposição superficial destas.
• Nos veios e trincas das rochas
• Nas camadas sedimentares, onde foram
depositadas por ventos e chuvas.

12
PROPRIEDADES

13
Propriedades importantes das argilas
• Plasticidade
• Retração
• Efeitos do calor

Propriedades importantes das cerâmicas


• Absorção de água
• Resistência mecânica
• Resistência à fratura e ao desgaste
• Resistência térmica e química
• Durabilidade

14
PROPRIEDADES DAS ARGILAS
Plasticidade
Corpo plástico: continuamente deformado, sem
que haja ruptura.
Água + Argila
• Início: facilmente se desagrega
• Fim: pegajosa demais.
• Ponto de maior plasticidade: o ponto em que
se limitam essas fases.
A plasticidade das argilas depende do tamanho e forma das partículas, dos
argilominerais presentes e da presença de outros materiais.
15
PROPRIEDADES DAS ARGILAS
Retração
Redução do volume por efeito de secagem e da
cozedura.
• Está relacionada à plasticidade (comportamento
inverso).
• Acontece devido à evaporação da água das redes
capilares, que se tornam vazios e geram retração do
material.
• A retração é proporcional ao grau de umidade e à tensão de capilaridade
existente no interior do sólido e também varia de acordo com a composição.
• Como a retração não é uniforme, o bloco se deforma.
16
PROPRIEDADES DAS ARGILAS
Efeitos do calor
Alterações físicas
• 20 e 150°C: perda de água de capilaridade
• 150 a 600°C: perda de água adsorvida

Alterações químicas (acima de 600°C)


• Primeiro estágio: Água de constituição é expulsa, endurecimento e
matérias orgânicas queimadas. Desidratação química.
• Segundo estágio: carbonetos são calcinados e se transformam em óxidos.
• Terceiro estágio (950°C): vitrificação a partir da sílica de constituição, dando
dureza, resistência e compactação.
17
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
As propriedades são variáveis com:
• A constituição do material
• O processo de fabricação
• A temperatura de cozimento

Como características principais, interessa saber, para uma cerâmica,


qual o seu peso, a sua resistência mecânica, a resistência ao desgaste e
a durabilidade.

18
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Absorção de água
• Depende da compacidade das peças e da constituição.
• Também é chamada de porosidade aparente, que é dada pela
porcentagem de aumento do peso que a peça apresenta após
24h de imersão em água.
• A absorção tende a estabilizar com o tempo.

19
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Resistência mecânica
• Depende da quantidade de água usada na moldagem.
• Água em excesso lava as partículas menores que mais facilmente fundirão
pra formar o vidrado
• Quanto mais homogênea e limitada a granulometria e quanto melhor a
cozedura, maior a resistência da cerâmica.
• Resistências à tração variam de 0,7 MPa até 7 Gpa (compósitos com
whiskers de alumina), mas poucos materiais cerâmicos apresentam
resistência à tração superior a 170 MPa.
• Resistência à compressão 5 a 10 vezes superior à resistência à tração

20
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Resistência mecânica
• Devido às ligações iônicas e covalentes, em geral os materiais cerâmicos
são frágeis e possuem baixa resistência ao impacto.
• Exceções: argila plástica, material cerâmico macio e facilmente deformável
• Os poros concentram tensões para formação de fenda.
• Uma vez criadas condições para o início da propagação, as fendas
continuam a crescer até ocorrência da fratura
• Os poros são prejudiciais para a resistência mecânica: diminuem a área da
seção onde é aplicada a carga e baixam a tensão que o material pode
suportar.
• O tamanho e fração volumétrica dos poros são fatores importantes
21
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Resistência à fratura e ao desgaste
• Em geral, a resistência à fratura dos materiais cerâmicos é de baixa a
moderada.
• A resistência à fratura pode depender fortemente das fendas presentes
• Baixa tenacidade
• Fratura por fadiga (desgaste) é rara: ausência de plasticidade durante o
carregamento cíclico
• Elevada dureza: abrasivos para corte, polimento e etc.

22
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Resistência térmica e química
• Baixa condutividade térmica, bons isoladores térmicos.
• Resistência química elevada, principalmente quando vitrificados.
• Elevada resistência ao calor (usados como refratários, materiais que
resistem à ação de ambientes quentes, líquidos ou gasosos).
• Materiais refratários (resistências mecânicas, densidade e porosidade)
• Densidades aparentes que variam entre 2,1 e 3,3 g/cm³
• Os refratários densos com baixa porosidade apresentam maior resistência à
corrosão e à erosão (e penetração de líquidos e gases)
• Nos refratários para isolamento térmico, é desejável maior porosidade

23
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Fatores de desagregação das cerâmicas
Agentes físicos externos:
• Umidade
Dependente da porosidade da cerâmica
• Vegetação
• Fogo: faz diminuir a resistência à compressão. Como as peças não se
dilatam uniformemente, desagregam.
• Gelo: ciclos de gelo e degelo, por causa da expansão da água na peça.

24
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Fatores de desagregação das cerâmicas
Agentes químicos internos:
• Sais solúveis
A umidade do ar pode dissolver os sais,
cristalizando na superfície da peça,
ocasionando eflorescência.
Além da má aparência, a eflorescência pode
ocasionar o deslocamento e queda do
revestimento.

25
PROPRIEDADES DAS CERÂMICAS
Fatores de desagregação das cerâmicas
Agentes mecânicos:
• Esforços de flexão
• Esforços de choque (comuns no transporte e uso)
As peças cerâmicas resistem muito melhor à compressão, do que à flexão,
torção e choque
Regra fundamental na aplicação de peças cerâmicas de revestimento:
completo apoio por toda a superfície de contato

26
FABRICAÇÃO

27
FABRICAÇÃO
Preparação dos Materiais Cerâmicos
• Extração do barro
• Preparo da matéria-prima
• Moldagem
• Secagem
• Cozimento
• Esfriamento

28
FABRICAÇÃO
Extração do barro
• Cada tipo de cerâmica requer um tipo próprio de barro.
• Escolher o teor de argila, composição granulométrica, profundidade da
barreira, qualidade do barro
• Principais fatores a serem considerados:
• Composição da jazida
• Quantidade de argila disponível
• Custos do transporte até a cerâmica

• A extração é realizada com auxílio de


retroescavadeiras, pás carregadeiras
ou tratores de esteiras e o transporte por caminhão basculante.
29
FABRICAÇÃO
Preparo da matéria-prima
Extraída, a argila deve ser preparada para a industrialização.
A preparação da massa, por meio das operações de sazonamento, mistura e
laminação, tem como principais objetivos:
• Adequar a dimensão dos grãos de argila ao processo de moldagem a que
será submetida
• Aumentar sua reatividade
• Reduzir o teor de impurezas existentes

Na jazida pode ser feita a seleção em lotes de mesma qualidade.

30
FABRICAÇÃO
Preparo da matéria-prima
Sazonamento (apodrecimento da argila):
• Exposição da argila à intempérie, de modo que ocorram alterações de
suas características, como desagregação dos torrões, aumento da
reatividade e lixiviação dos sais solúveis
• A argila é levada para depósitos ao ar livre,
passa por um período de descanso para a
fermentação das partículas orgânicas
• O tempo depende da argila e do produto,
podendo variar de 1 a 12 meses

31
FABRICAÇÃO
Preparo da matéria-prima
Formação da pasta:
• Maceração: obtenção de menores partículas (processos rudimentares).
Britadores, moinhos, desintegradores.
• Correção: tem como objetivo dar a constituição desejada à argila. Mistura
de duas ou mais argilas para corrigir as deficiências na argila proveniente
da jazida principal.
• Amassamento: preparar a argila para a moldagem (homogeneizar,
misturar ou adicionar água) com auxílio de laminadoras

32
FABRICAÇÃO
Moldagem
Operação de dar a forma desejada à pasta de cerâmica.
• Moldagem a seco ou semi-seco (4 a 10% de água): feita por prensagem.
Argila é moldada quase seca. Ladrilhos, azulejos, refratários.
• Moldagem com pasta plástica consistente (20 a 35% de água): extrusão,
que é forçar a massa a passar, sob pressão, através de um bocal
apropriado, formando uma fita contínua e uniforme. A coluna é cortada.
Tijolos, tubos cerâmicos, telhas.
• Moldagem com pasta plástica mole (25 a 40% de água): moldes de
madeira. Processo mais antigo. Vasos, tijolos brutos, pratos e xícaras.
• Moldagem com pasta fluida: (30 a 50% de água): processo de barbotina. A
cerâmica é dissolvida em água e a solução colocada em moldes de gesso.
Porcelanas, louças sanitárias e peças de formato complexo.
33
FABRICAÇÃO
Secagem
Após a moldagem ainda permanecem 5 a 35% de água. Se a argila for levada
ainda úmida para o formo, terá tensões internas e consequente
fendilhamento.
• Secagem natural: olarias. É mais demorado e exige grandes superfícies.
• Secagem por ar quente-úmido: o material é posto nos secadores, onde
recebe ar quente com umidade e depois só ar quente.
• Secadores de túnel: túneis de alguma extensão com calor de 40 a 150
graus.
• Secagem por radiação infravermelha: pouco usada, pelo alto custo. Alto
rendimento e pouca deformação.
34
FABRICAÇÃO
Cozimento
No cozimento ocorrem as reações químicas. Importa a velocidade de
aquecimento, de esfriamento, atmosfera ambiente, tipo de forno,
combustível usado.
• Cuidado no cozimento em relação à uniformidade de calor ao forno. Obter
temperaturas ideais exatas.
• Para cerâmica, o ideal é que o material vá duas vezes ao forno:
aquecimento (biscoito) e reaquecimento (fixa o vidrado).
• Fornos contínuos e intermitentes.

35
FABRICAÇÃO
Cozimento
No cozimento ocorrem as reações químicas. Importa a velocidade de
aquecimento, de esfriamento, atmosfera ambiente, tipo de forno,
combustível usado.
• Cuidado no cozimento em relação à uniformidade de calor ao forno. Obter
temperaturas ideais exatas.
• Para cerâmica, o ideal é que o material vá duas vezes ao forno:
aquecimento (biscoito) e reaquecimento (fixa o vidrado).
• Fornos contínuos e intermitentes.

36
PRODUTOS CERÂMICOS

37
PRODUTOS CERÂMICOS
Considerações gerais
Os produtos cerâmicos são representados no mercado de materiais de
construção por uma imensa variedade conforme a origem, a matéria-prima
e o processo de fabricação, e a finalidade do produto.
• Produtos para alvenaria (de vedação e estrutural), para cobertura e para
canalizações: cerâmica vermelha ou estrutural
• Produtos de acabamento e utilitários (cantoneiras, louças sanitárias e
acessórios): cerâmica branca ou de louça
• Cerâmica de grês: cerâmica de alto grau de vitrificação
• Produtos especiais: cerâmicas refratárias

38
PRODUTOS CERÂMICOS
Classificação dos materiais cerâmicos na construção civil
• Materiais cerâmicos secos ao ar
• Materiais cerâmicos de baixa vitrificação
• Materiais cerâmicos de alta vitrificação
• Materiais cerâmicos refratários
-.-
• Produtos de cerâmica vermelha
• Materiais cerâmicos para acabamentos e aparelhos
• Materiais refratários e abrasivos

39
PRODUTOS CERÂMICOS
Materiais cerâmicos secos ao ar
• A resistência das argilas secas simplesmente ao ar depende da proporção
entre os diversos componentes e da sua composição granulométrica.
• As propriedades mecânicas são inversamente proporcionais ao grau de
umidade usado na plastificação, o que vale também para argilas cozidas.

40
PRODUTOS CERÂMICOS
Materiais cerâmicos secos ao ar
Adobe
• Dos materiais secos ao sol, apenas o adobe e as argamassas de barro têm
alguma importância na construção.
• Adobe é argila simplesmente seca ao ar, sem cozimento, usado em
construções rústicas
• Pode resistir a tensões de compressão de
até 7 MPa
• Ao receber água, pode se tornar novamente
plástico
• Necessidade de isolante de umidade
41
PRODUTOS DE
CERÂMICA VERMELHA

42
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Componentes de cerâmica vermelha
• Tijolos maciços
• Blocos cerâmicos
• Telhas cerâmicas
• Tubos cerâmicos
• Ladrilhos ou lajotas
• Tavelas
• Elementos vazados

43
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Produtos de cerâmica comuns
• Conforme a qualidade da argila, resultarão em diversas qualidades de
produtos.
• Variação de baixa resistência (0,5 MPa) até alta resistência (12 MPa).
• De facilmente pulverizáveis até os de massa compacta
• Difícil estabelecer limites entre a cerâmica comum e a cerâmica de
qualidade superior.

44
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Produtos de cerâmica comuns
• Cerâmica comum: materiais de porosidade relativamente alta, superfícies
ásperas, que foram fabricados apenas com pequena prensagem
• O recebimento desses materiais deve ser cuidadoso
• Cuidado com quebra do material
• Cor da peça não indica qualidade
• Esses materiais têm porosidade alta e apresentam grande absorção
• Duração não alcança a dos materiais de alta prensagem

45
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tijolos maciços

46
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tijolos maciços
• Também chamado de tijolo comum (ou tijolinho)
• Baixo custo de fabricação e normalmente é utilizado em alvenaria de
vedação
• São fabricados geralmente pelos processos mais econômicos possíveis
• Correção mínima da argila
• Moldagem com pasta plástica consistente, em máquinas de fieira
• Secagem feita em grandes telheiros, que aproveitam o calor do forno
• Cozimento pode ser feito em qualquer dos tipos de fornos: usual é o
intermitente e o forno de Hoffman
• Temperatura de cozimento de 900 a 1000°C
47
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tijolos maciços
• Paralelepípedos, podendo ter rebaixos de fabricação em uma das faces
• Tijolos maciços comuns (19 x 9 x 5,7 cm ou 19 x 9 x 9 cm) ou especiais
• Deve-se verificar as condições exigíveis para os produtos nas normas
• Procedimentos para a avaliação dos tijolos maciços:
• Visita ao local de fabricação
• Formato regular ou não
• Dimensões e desvio
• Resistência
• Exame da massa
• Absorção
48
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tijolos maciços

Categoria Resistência à compressão (MPa)


A > = 1,5
B > = 2,5
C > = 4,0

49
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tijolos maciços
Normas Brasileiras para o Tijolo Maciço Cerâmico:
• NBR 5711:1982 – Tijolo modular de barro cozido – Padronização
• NBR 6460:1983 – Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Verificação da
resistência à compressão – Método de Ensaio
• NBR 7170:1983 – Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Especificação
• NBR 8041:1983 – Tijolo maciço cerâmico para alvenaria – Forma e
dimensões

50
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos

51
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos
• Blocos de vedação: para alvenaria de vedação, tem como principal função
suportar o peso próprio da alvenaria da qual faz parte (furos na vertical ou
horizontal)
• Blocos estruturais: para alvenaria estrutural, tem função de suportar as
cargas previstas em uma alvenaria estrutural (somente furos na vertical)
• Grande variedade de acordo com os tipos de blocos
• Texturas das faces dos blocos
• Quantidade e tipos de furos
• Espessura das paredes
• Dimensões

52
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos

53
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos

54
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos
• Possui uma linha de produção bem definida
• Utilização de matéria-prima de qualidade superior à utilizada na
fabricação de tijolos comuns
• Preparação da matéria-prima em equipamentos como desagregadores,
homogeneizadores e laminadores
• Moldagem em fieiras contínuas

55
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos

Tipo de bloco Resistência à compressão (MPa)


Blocos de vedação utilizados com > = 1,5
furos na horizontal
Blocos de vedação utilizados com > = 3,0
furos na vertical
Blocos estruturais > = 3,0

56
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos
Normas Brasileiras para Blocos cerâmicos
• NBR 6461:1983 – Bloco cerâmico para alvenaria – Verificação da resistência
à compressão – Método de ensaio
• NBR 7171:1992 – Bloco cerâmico para alvenaria – Especificação
• NBR 8042:1992 – Bloco cerâmico para alvenaria – Formas e Dimensões –
Padronização
• NBR 8043:1983 – Bloco cerâmico portante para alvenaria – Determinação
da área líquida

57
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Blocos cerâmicos
Característica do bloco Especificação da NBR 15270
Medida das faces Tolerância dimensional de ±5 mm
Espessuras dos septos e paredes externas dos Septos: espessura ≥ 6 mm
blocos de vedação Paredes externas: espessura ≥ 7 mm
Espessuras dos septos e paredes externas dos Septos: espessura ≥ 7 mm
blocos estruturais de paredes vazadas Paredes externas: espessura ≥ 8 mm
Espessuras dos septos e paredes externas dos Septos: espessura ≥ 8 mm
blocos estruturais de paredes maciças Paredes externas: espessura ≥ 20 mm
Espessura das paredes externas dos blocos Espessura ≥ 8 mm
estruturais perfurados
Desvio em relação ao esquadro Desvio ≤ 3 mm
Índice de absorção de água Entre 8% e 22%
58
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Principais propriedades exigidas para tijolos e blocos
• Resistência à compressão compatível com as exigências de projeto
• Dimensões adequadas para o levantamento da alvenaria
• Permeabilidade compatível com as condições de exposição a que a
alvenaria estará submetida
• Variação volumétrica compatível com as condições de exposição e uso a
que a alvenaria estará submetida
• Características de superfície e distribuição de poros compatível com a
argamassa a ser utilizada para o assentamento e/ou revestimento da
alvenaria

59
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas

60
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas
• Componentes que, em conjunto com componentes acessórios, são
utilizados para a construção de telhados
• A fabricação de telhas comuns é feita quase pelo mesmo processo
empregado para tijolos comuns
• O barro deve ser mais fino e homogêneo
• A moldagem pode ser feita por extrusão e prensagem ou diretamente por
prensagem (umidade entre 20 e 25%)
• A secagem deve ser mais lenta que os tijolos, para diminuir a deformação
• O cozimento é feito nos mesmos tipos de fornos

61
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas
Telhas de encaixe
• Apresentam saliências e reentrâncias nas bordas, que permitem o encaixe
entre elas
• Telhas planas e compostas de encaixe
• Romana, Francesa e Termoplan

62
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas
Telhas de capa e canal (de sobreposição)
• Formato de meia-cana
• Peças côncavas (canais) que se apoiam sobre as ripas do telhado e por
peças convexas (capas) que se apoiam nos canais
• Colonial, Paulista e Plan

63
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas
• Exigência: que o telhado não permita a passagem de água, quando
submetido à ação de chuva e vento (impermeabilidade)
• As telhas devem ser projetadas para atenderem essa exigência, com um
declividade adequada às condições de exposição
• Apresentar retilineidade e planidade para permitir o encaixe
• Absorção de água pequena
• Devem apresentar resistência para esforços durante transporte e
montagem e resistir ao trânsito eventual de eventos

64
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas cerâmicas
Normas Brasileiras para as Telhas Cerâmicas
• NBR 8038:1987 – Telha cerâmica tipo francesa – Forma e Dimensões –
Padronização
• NBR 9598:1986 – Telha cerâmica de capa e canal tipo paulista – Dimensões
– Padronização
• NBR 9599:1986 – Telha cerâmica de capa e canal tipo plana – Dimensões –
Padronização
• NBR 9600:1986 – Telha cerâmica de capa e canal tipo colonial – Dimensões
– Padronização
• NBR 9601:1986 – Telha cerâmica de capa e canal – Especificação
65
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tubos cerâmicos

66
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tubos cerâmicos
• Denominados também de manilhas
• Utilizados para canalização de águas pluviais e esgotos
• São cilíndricos e podem ser retos (tubos de ponta a ponta) ou põem ser
fabricados com uma bolsa em uma das extremidades, que permite o
encaixe diretamente com o tubo seguinte (tubos de ponta e bolsa)
• Fabricação de peças especiais, usadas para a mudança de direção da
canalização
• Podem ser vidrados nas duas faces ou só na face interna
• O cozimento é feito nos mesmos tipos de fornos
• As juntas podem ser de argamassa, betume ou elásticas
67
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Tubos cerâmicos
Normas Brasileiras para as Tubos Cerâmicos
• NBR 5645: Tubo cerâmico para canalizações
• NBR 6549: Tubo cerâmico para canalizações – Verificação da
permeabilidade
• NBR 6582: Tubo cerâmico para canalizações – Verificação da
permeabilidade e da resistência à pressão interna
• NBR 7530: Tubo cerâmico para canalizações – Verificação dimensional
• NBR 8409: Conexões cerâmicos para canalizações

68
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas e tijolos aparentes
• São produtos de melhor qualidade, usados nos casos em que se deseje boa
aparência, uniformidade de cor, etc.
• Feitos com maior cuidado
• Maior resistência à abrasão
• Uniformidade de tamanho

• Moldagem por prensagem


• Grau de vitrificação mais elevado
• Tijolos desse tipo não se prestam para o revestimento porque a aderência é
pequena
• Muitas vezes o cozimento é feito em duas passagens pelo forno
69
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Telhas e tijolos aparentes

70
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Outros produtos cerâmicos
• Elementos vazados: componentes cerâmicos que apresentam diversas
formas, utilizados para a confecção de paredes vazadas. Elementos não
estruturais.
• Ladrilhos e lajotas cerâmicas:peças utilizadas em pisos, diversas formas
(quadrada, retangular, curva) e com acabamento natural ou esmaltado.
• Plaquetas: utilizadas para o revestimento de paredes e componentes de
concreto armado, imitando os tijolos à vista
• Pingadeiras: utilizadas para a proteção da face superior de muros e peitoris de
janelas.
• Tavelas: elementos retangulares utilizados na fabricação de lajes pré-
moldadas
71
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Outros produtos cerâmicos

72
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Outros produtos cerâmicos

73
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Outros produtos cerâmicos

74
PRODUTOS DE CERÂMICA VERMELHA
Outros produtos cerâmicos

75
PRODUTOS PARA
ACABAMENTOS E APARELHOS

76
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Vantagens dos revestimentos cerâmicos
• Adequados ao clima brasileiro
• Facilidade de limpeza e manutenção simples
• Grande durabilidade, se bem especificados e assentados
• Materiais inertes
• Não inflamáveis e de baixa condutibilidade térmica
• Diversas possibilidades de decoração

77
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Características
• Materiais cerâmicos de alta vitrificação: louça e grês cerâmicos
• Diferença entre eles está na textura interna
• Materiais de louça são pais porosos no interior:
• Azujelos
• Pastilhas
• Louça cerâmica

• Grês cerâmico tem textura quase compacta


• Tubos sanitários
• Lito-cerâmica

78
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
• Louça
• Feitos com pó de argilas brancas, dosadas com exatidão
• Granulometria fina e uniforme
• Problema na fabricação: os vidrados não ficam muito homogêneos
• Variação na cor e espessura

• Azulejos e Pastilhas
• Placas de louça de pouca espessura com vidrados numa das faces
• Moldagem a seco
• Pintura
79
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Características das placas cerâmicas
• Característicasgeométricas: tolerâncias dimensionais, ortogonalidade,
planaridade e retitude dos lados.
• Características técnicas: absorção de água, resistência à abrasão,
resistências a manchas e ataques químicos, resistência ao choque térmico,
dureza e coeficiente de atrito
• Análise visual: defeitos visuais de superfície, diferenças de tonalidade

80
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Fatores de agressão
Provenientes do meio externo ou do interior da edificação
• Resfriamento por ar condicionado
• Umidade interna
• Aquecimento e dilatação pelo sol
• Umidificação pela chuva
• Ressecagem e resfriamento pelo vento
• Ação de poluentes
• Vibração

81
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Patologia
• Destacamento: falhas no assentamento, ausência de garras de fixação,
expansão por umidade ou ausência de juntas de expansão
• Escurecimento: absorção de água nas cerâmicas não esmaltadas com alta
porosidade
• Eflorescência:
penetração de água da chuva pelo rejuntamento, ascensão
de água pelo piso, a partir da solubilização de sais solúveis.

• Evitar: infiltração e cuidar da impermeabilização

82
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Especificação
• Paraque o revestimento cerâmico tenha um bom desempenho, é
fundamental que não só a placa cerâmica, como também o substrato, a
argamassa de chapisco em paredes, a argamassa de fixação e o rejunte
sejam adequados e bem executados
• NBR 13818: Placas cerâmicas para revestimento – Especificação e métodos
de ensaios
• Quadro 5, páginas 608-610 do livro do Isaia.

83
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS
Louças sanitárias
• Processode fabricação por colagem com pasta fluida, ou barbotina, em
molde de gesso
• Vasossanitários, tanques, mictórios, lavatórios, bidês, cubas e acessórios
como saboneteiras, porta-toalhas,
• Devem atender à normas de qualidade
• Instruções de instalação e uso, medidas dos produtos

84
PRODUTOS PARA ACABAMENTOS E APARELHOS

85
MATERIAIS REFRATÁRIOS E
ABRASIVOS

86
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
• Refratário:
material cerâmico, natural ou artificial, conformado ou não,
geralmente não-metálico, que retém a forma física e a identidade química
quando submetido a altas temperaturas
• Devem resistir a 1500°C sem sofrer deformações termomecânicas
• Característicaprincipal de utilização como revestimento com propriedades
estruturais para proteção térmica e oscilação térmica

87
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
• Ampla variedade de materiais de diferentes composições químicas e
mineralógicas
• Aplicações estruturais a elevadas temperaturas
• Deve-seavaliar as propriedades físico-químicas, a microestrutura e simular
testes em determinadas situações
• Principais exemplos: refratários silicoaluminosos
• Uso em fornalhas, caldeiras, dutos e chaminés, fornos da indústria
cerâmica, siderúrgica e petroquímica
• Excelente combinação de características mecânicas, físicas e químicas
associadas com baixo custo

88
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Classificação
• Quanto à forma: conformados (tijolos de diversos formatos) e não
conformados (argamassas, concretos densos e isolantes)
• Quanto ao processo de conformação: prensados, extrudados,
eletrofundidos e moldados
• Quanto à natureza química e mineralógica: ácidos, básicos e neutros
• Quanto à massa específica aparente: refratários densos e refratários
isolantes

89
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Propriedades
• Refratariedade
simples: temperatura máxima que ele resiste sem colapsar,
amolecer ou deformar
• Densidade e porosidade: parâmetro de controle de qualidade na fabricação
• Variação linear dimensional: tendem a retrair ou expandir em serviço
• Propriedades mecânicas a frio: compressão, tração, flexão, impacto,
abrasão
• Propriedades mecânicas a quente: menor a resistência mecânica, mas
maior resistência à fluência, choque térmico e corrosão. Refratariedade sob
carga, fluência e resistência mecânica a quente.
• Choque térmico
90
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Refratários não-conformados
• Refratário que não possui forma física nem dimensões definidas
• Após a sinterização, eles formam uma única peça estrutural: monolíticos
• Nivelam e podem exceder as propriedades físicas dos tijolos, mas
dependem da correta instalação, cura e pré-aquecimento
• Vantagens:
• Eliminação das juntas de construção/dilatação
• Translado mais fácil e sem quebra
• Facilidade e rapidez de instalação
• Reparação mais fácil

91
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Refratários não-conformados
• Argamassas
• Concretos refratários densos e isolantes
• Massas moldáveis (plásticas e socadas)
• Massas granuladas secas
• Massas de projeção
• Revestimentos

92
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Materiais abrasivos
• Substâncias naturais ou sintéticas que são usadas em processos de abrasão
que visam cortar, desbastar, limpar por remoção ou polir materiais com a
finalidade de dar-lhes ajuste dimensional e/ou acabamento superficial
• O abrasivo possui maior dureza que a do material sobre o qual atua
• Empregados em atividades industriais: corte e polimento de pisos e de
superfícies
• Importantes propriedades físicas: dureza, tenacidade, forma do grão,
tamanho e tipo de fratura, e pureza (uniformidade)
• Geralmente são granulados e presos por ligantes a peças na forma de
discos ou rodas (serras e rebolos), papel e tecidos (lixas e panos)
93
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Materiais abrasivos
• O tipo de abrasivo pode ser natural ou sintético, monocristalino ou
policristalino
• Granulometria grosseira ou fina e concentração baixa ou alta
• A facilidade ou dificuldade de desgastar um material pode ser estimada
pela combinação entre dureza e módulo de resiliência

94
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS
Materiais abrasivos
• Óxido de alumínio: aço de alta liga, ferro fundido nodular e aplicações em
lixas
• Carbeto de silício: desbaste em materiais como ferro fundido, bronze,
alumínio, latão, granito, mármore, refratário e outros
• Diamante: desbaste de materiais duros e frágeis, cerâmicas e pedras
preciosas
• Nitreto de boro cúbico: usinagem de materiais ferrosos

95
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS

96
MATERIAIS REFRATÁRIOS E ABRASIVOS

97