Você está na página 1de 51

Administração de Medicamentos por

Via Intramuscular (IM)

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva


Objetivos da aula
 Ao final da aula, o estudante deverá ser capaz de

 descrever o conceito, princípios e técnicas da administração de


medicamentos por via intramuscular

 conhecer os locais para administração de medicamentos por via


intramuscular

 selecionar o local para administração de medicamentos por via


intramuscular, considerando os aspectos técnicos, os riscos e as
melhores evidências disponíveis e

 reconhecer o papel e a responsabilidade do enfermeiro na administração


de medicamentos por via intramuscular

2
Via intramuscular
É uma via parenteral para administração de

medicamentos, com finalidade profilática ou

terapêutica, na qual se realiza a punção da

pele com uma agulha acoplada a uma seringa

para que o medicamento seja administrado

profundamente num grande músculo.

http://medfoco.com.br/wp-
content/uploads/2012/07/Inje%C3%A7%C3%A3o-
intramuscular.jpg

3
Via intramuscular
 Complicações
 Irritação local / Dor
 Infecção / Abscesso no local da injeção
 Punção arterial / Hematoma / sangramento
 Fibrose e contratura do músculo esquelético
 Paralisia
 Lesão nervosa / neuropatia
 Nódulos persistentes
 Gangrena

4
Via intramuscular
 Como prevenir complicações

 Selecionar o melhor local (músculo) para aplicação, de acordo


com características do paciente e do medicamento

 Conhecer os marcos anatômicos para seleção do sítio de


aplicação em cada músculo

 Promover relaxamento do paciente / músculo (posicionamento)

 Seguir rigorosamente a técnica preconizada

 Rodiziar o local de aplicação, nos casos de múltiplas doses

5
A injeção IM é mesmo necessária?
 Características do paciente

 Dificuldade em aderir ao

tratamento
 Características do medicamento
 Pouco cooperativos ou relutantes  Propriedades físico-químicas e
farmacocinéticas
 Preferência do paciente
 Início e intensidade do efeito
 Crenças errôneas (medicamento
desejado  SC < IM < EV
é mais potente ou tecnologia  Duração do efeito  IM > EV

mais avançada)

6
Escolha do local
 Idade do paciente

 Local livre de infecção, necrose, hematoma, abrasão, cicatriz

 Condição da massa muscular (tônus, atrofia)

 Reconhecer a localização das estruturas anatômicas (ossos, nervos e vasos

sanguíneos) subjacentes

 Considerar o volume que deverá ser administrado e as características do

medicamento

 Conhecer as vantagens e desvantagens de cada local

7
Volume máximo a ser administrado
(adultos)

Deltoide Ventroglúteo Dorsoglúteo Vasto lateral


1 mL 4 mL 4 mL 4 mL

8
Região Ventroglútea
 Músculos glúteos médio e mínimo

 Localização profunda

 Distante de nervos e vasos sanguíneos

importantes

 Menor camada de tecido adiposo sobre o

músculo, em comparação com o glúteo

máximo
9
Região Ventroglútea
 Fácil acesso

 As complicações são muito raras

 Local mais seguro para injeções IM

 1ª escolha, especialmente para injeção de

medicamentos em grandes volumes,

irritantes ou viscosos

10
Região Ventroglútea

11
12
Posicionamento do paciente

• DD – manter os joelhos flexionados


• DV – apontar os dedos dos pés para dentro
• DL – flexão do quadril e joelho da perna que está
em cima
• Se não for possível deitar o paciente  em pé ou
sentado

13
Região Dorsoglútea
 Músculo glúteo máximo

 Próximo a grandes vasos (artéria glútea) e nervos (ciático)

 Recoberto por grande camada de tecido adiposo

14
Região Dorsoglútea
 Absorção relativamente lenta do medicamento em comparação com

outros músculos

 Associada à lesão do nervo ciático e da artéria glútea superior

15
Região Dorsoglútea

 Método 1: divisão em 4 quadrantes

Linha horizontal:
Linha vertical:
origem na
origem na
saliência mais
tuberosidade
proeminente do
isquiática
sacro

16
17
Região Dorsoglútea

 Método 2: divisão em 2 seções

18
Posicionamento do paciente

• DV (melhor) – apontar os dedos dos pés para


dentro
• DL – flexão do quadril e joelho da perna que está
em cima

19
Músculo Vasto Lateral da Coxa
 Localiza-se na região ântero-lateral da

coxa

 Fácil acesso

 Grande massa muscular em pacientes

não atrofiados

 1ª escolha para crianças < 12 meses

20
Músculo Vasto Lateral da Coxa

 Distante de vasos sanguíneos ou

nervos importantes, porém associada

à lesão do nervo e da artéria

femorais

21
Músculo Vasto Lateral da Coxa

22
23
Posicionamento do paciente

• Sentado
• DD – pedir ou auxiliar o paciente a flexionar os
joelhos

24
Músculo Reto Femoral
 Localiza-se na região anterior da coxa

 Fácil acesso

 Músculo grande e bem desenvolvido

 Absorção dos medicamentos é mais


lenta do que no braço, porém mais
rápida do que no glúteo

25
Músculo Reto Femoral

 Pode ser facilmente utilizado por

pacientes para autoadministração de

medicamentos

26
Músculo Reto Femoral
 Deve ser utilizado na presença de

contraindicação de outros locais para

injeção IM

 Borda medial fica muito próxima ao

nervo ciático e vasos sanguíneos

importantes

 As injeções nesse músculo podem

causar desconforto considerável

27
Músculo Reto Femoral

28
Músculo deltoide
 Porção média do deltoide

 Pequena área muscular

 Número e volume das injeções são limitados

 Indicado, especialmente, para a

administração de vacinas em adultos

29
Músculo deltoide
 Antes de administrar o medicamento deve-se

 Avaliar a condição do músculo

 Consultar as orientações do fabricante do


medicamento com relação à utilização deste
músculo

 Risco de
 Lesão nervosa (axilar, braquial, radial e ulnar)
por irritação química ou ação mecânica direta
da agulha

 Lesão vascular (artéria e veia braquiais)

30
Músculo deltoide

31
32
Posicionamento do paciente

• O paciente pode estar com o braço relaxado e


com cotovelo flexionado ou com a mão na cintura
• Sentado
• Em pé
• Deitado

33
 Promover o relaxamento do músculo

 Minimizar a dor

 Garantir conforto ao paciente

 Promover a correta identificação do local para administração IM

34
Seleção da seringa e da agulha
 O tamanho da seringa deve ser compatível com o volume de
medicamento a ser administrado

 O tamanho da agulha deve ser determinado de acordo com


 Local da injeção
 Idade do paciente
 Compleição física
 Características do medicamento

35
Seleção da seringa e da agulha

Tipo de solução Calibre da agulha Cor do canhão


Aquosa 0,7 mm Preta
Oleosa / suspensão 0,8 mm Verde

36
O que ocorre se a agulha
não for do tamanho
adequado?

 Comprimento

 Calibre

37
Métodos para aplicação da injeção

1. Prega cutânea

 Indicada para idosos, pacientes edemaciados

ou com pouca massa muscular

 Risco de introduzir o medicamento no

tecido subcutâneo

38
Métodos para aplicação da injeção

2. Estabilização do músculo por meio do estiramento da pele e

exercendo leve pressão

39
Métodos para aplicação da injeção

3. Técnica em Z

 Minimiza a irritação da pele, pois promove o “selamento” do local

onde o medicamento foi depositado

40
Angulação da agulha em relação à pele

Não introduzir
toda a agulha –
6mm de distância
da pele

41
Aspiração

 Realizada após introdução da agulha no músculo e antes de


administrar o medicamento
 Consiste em puxar o êmbolo da seringa por 5 a 10 segundos
 Finalidade: verificar o retorno de sangue
 Se ausente: administra-se o medicamento
 Se presente: descarta-se seringa, agulha e medicamento e repete-se
o procedimento com material e medicamento estéreis
 Não deve ser realizada na administração de vacinas
42
Registro

 Checagem da prescrição médica

Item Medicamento Dose Via Horário

1) Ceftriaxona 1g IM 8

43
Registro

 Anotação de Enfermagem

8:00 – Administrado item 1 da prescrição médica em região


ventroglútea direita, sem intercorrências --------- nome/COREN-SP

44
45
Procedimento
 Confira os 5 certos

 Conheça a indicação do medicamento para o paciente, sua ação, a


dose habitual e a prescrita, efeitos adversos, tempo para o início da
ação

 Certifique-se de que o paciente não tem alergia ao medicamento

 Verifique a data de validade do medicamento

 Conheça as características do paciente e do medicamento para


verificar se a injeção IM é de fato necessária

 Selecione o local e avalie suas condições para aplicação da injeção IM


46
Procedimento
 Separe o material necessário

 Faça a higiene das mãos

 Prepare o medicamento (lembre de trocar a agulha)

 Garanta a privacidade do paciente

 Confira novamente os 5 certos

 Explique o procedimento

 Posicione o paciente

 Coloque as luvas de procedimento

47
Procedimento
 Localize o sítio de aplicação por meio dos marcos anatômicos

 Faça a antissepsia da pele com álcool 70% (até 5 a 8 cm do local de

punção), com movimentos circulares, por 30 segundos e aguarde o álcool

evaporar

 A antissepsia com álcool não é realizada na aplicação de vacinas

 Segure o algodão entre o 3º e 4º dedos da mão não dominante

 Remova a capa da agulha

 Segure a seringa entre o polegar e o indicador da mão dominante

ADM – Administração de Medicamentos por Via Intramuscular - EEUSP, 2016 48


RCGS
Procedimento
 Aplique a injeção

 Utilize, preferencialmente, a técnica Z

 Introduza a agulha a 90º

 Aspire por 5 a 10 segundos para verificar o retorno de sangue

 Administre o medicamento, 1mL/10 segundos

 Aguarde de 5 a 10 segundos para retirar a agulha

 Retire rapidamente a agulha (acione o dispositivo de segurança),


enquanto coloca-se o algodão embebido em álcool no sítio de punção

 Comprima levemente, mas não massageie o local

 Aplique curativo adesivo, se necessário


49
Procedimento
 Coloque o paciente em posição confortável

 Descarte a seringa e a agulha no recipiente para perfurocortante

 Retirar as luvas

 Higienizar as mãos

 Organizar a unidade do paciente

 Checar a prescrição médica e realizar a anotação de enfermagem

50
Referências
 Sisson H. Aspirating during the intramuscular injection procedure: a systematic literature review. J Clin
Nurs. 2015 Sep;24(17-18):2368-75.
 Greenway K. Rituals in nursing: intramuscular injections. J Clin Nurs. 2014 Dec;23(23-24):3583-8.
 Boyd AE, et al. Improving the success rate of gluteal intramuscular injections. Pancreas. 2013;42: 878-882.
 Clayton BD, Stock YN, Cooper SE. Farmacologia na prática de enfermagem. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
 Crawford CL, Johnson JA;. To aspirate or not: An integrative review of the evidence. Nursing. 2012:20-25.
 Organização Mundial da Saúde. OMS/SIGN: jogo de ferramentas para segurança das injeções e
procedimentos correlatos. Genebra, 2010.
 Conselho Regional de Enfermagem. Administração de medicamentos por via intramuscular. 2010.
 Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
 Nicoll LH, Hesby A. Intramuscular injection: an integrative research review and guideline for evidence-based
practice. Applied Nursing Research, Vol. 16, No. 2 (August), 2002: pp 149-162.
 Rodger MA, King L. Drawing up and administering intramuscular injections: a review of the literature.
Journal of Advanced Nursing, 31(3), 574-582.

51