Você está na página 1de 2

3.

Metodologia

Para realização da pesquisa tem sido utilizada a pesquisa empírica de cunho


qualitativo através do método de estudo etnográfico, muito utilizado por antropólogos,
visto que nesta área é possível identificar as diferenças e semelhanças a fim de obter
melhor compreensão dos grupos sociais que serão estudados a partir da coleta de dados,
conforme afirma Gil (2006).

Para a composição do referencial teórico do estudo proposto, fizemos uso da


pesquisa bibliográfica por meio de consulta a livros, artigos, periódicos, anais, teses
sobre os temas convergentes nesta pesquisa tais como: meio ambiente,
desenvolvimento sustentável, empoderamento, sustentabilidade, empreendedorismo
entre outros embasados em autores renomados a exemplo de Ignacy Sachs, Enrique
Leff, Maristela Oliveira de Andrade, Pierre Bourdieu, Ricardo Abramovay, Zygmund
Bauman, Gustavo Ferreira da Costa Lima, Alícia Ferreira Gonçalves, Raul Lejano, entre
outros.

A pesquisa documental se faz necessária para compreensão da gestão da Associação


Mãos que se Ajudam. Para tanto, foram consultadas Atas de Reuniões, documento de
legalização, políticas públicas para o desenvolvimento do território local, projetos e
demais informações disponibilizadas na instituição. O uso de imagem por meio do
registro fotográfico também se fez presente tendo em vista sua relevância para registro e
observação dos fatos e todos foram obtidos com a autorização dos pesquisados.

Para a pesquisa de campo foram utilizadas as técnicas de: observação sistemática


direta, quando o pesquisador se vale dos sentidos (ver e ouvir) para a obtenção dos
dados em determinado período de tempo, sistematizando-os durante a produção do
diário de campo, com anotações e fotografias do ambiente. Em nossa pesquisa essa
coleta de dados se deu durante as visitas à Associação Mãos que se Ajudam durante o
período de Março a Setembro de 2016, uma ou duas vezes por semana, pelo período de
6 horas, seguindo os dias de produção na referida entidade.

A entrevista semi estruturada foi outra técnica utilizada a fim de promover a maior
contribuição por parte do entrevistado, buscando sempre o foco da pesquisa
(LAKATOS, 2007). Esta foi mais utilizada junto aos gestores públicos, a presidente da
Associação e aos clientes da Associação que foram entrevistados. Mas também ocorreu
junto a alguns membros da Associação para obtermos informações precisas sobre
determinados fatos. Todas estas entrevistas foram analisadas por meio da análise de
conteúdo, seguindo a linha de Laurence Bardin (2011), no qual foi o que foi dito nas
entrevistas ou observado, classificando o que foi dito por temas que auxiliar na
compreensão do discurso ou do que pode estar por trás.

A aplicação de formulário - trata-se de uma série organizada de perguntas escritas -


foi realizada com as mulheres que compõem a Associação tanto na produção da cocada
como no artesanato, porém as respostas dadas pelas entrevistadas foram preenchidas no
formulário pela pesquisadora, pois algumas delas achavam que ia ser mais rápido
devido ao pouco tempo que podiam ficar longe da produção e outras não sabiam
escrever.

Além dos membros que compõem a Associação Mãos que se Ajudam


entrevistamos outros agentes que fazem parte da rede de relacionamento desta, tais
como: Consultores do SEBRAE, Gestores das Políticas Públicas no âmbito Municipal,
Gestores do Projeto Cooperar Paraíba-Brasil, Técnico de análise microbiológica da
UFPB, Técnica responsável pelo Salão de Artesanato Paraibano e três clientes mais
antigos da Associação.

Fizemos, também, o uso da história oral enquanto método de pesquisa para a coleta
de narrativas da experiência vivida por uma das mulheres da Associação, sendo esta
escolhida por sua liderança diante da equipe e por viver todas as etapas de
desenvolvimento da entidade. Isto se deu com o objetivo de levantar por meio de
depoimentos informações sobre a temática do desenvolvimento sustentável, com foco
no território, e do empoderamento das mulheres (HAGUETTE, 2013).

Por fim, vale ressaltar as conversar informações na cozinha do estabelecimento no


momento em que pudemos participar do processo produtivo da cocada na quenga.
Foram momentos de galgar a confiança das mulheres, aprender e trocar experiências
pessoais, além de ouvi-las de forma mais espontânea sobre seu trabalho, mesmo elas
sabendo que nosso papel era a pesquisa. O mesmo procedimento ocorreu com as
mulheres do artesanato.

3.3 Caracterização do Campo da Pesquisa: Município de Lucena


3.4 Ambiente de Pesquisa: Associação Mãos que se Ajudam