Você está na página 1de 5

Europa e estados Unidos no século XIX

Um mundo em movimento
 Consolidação do Estado liberal burguês
 Industrialização e progresso do capitalismo na Europa
 Triunfo do imperialismo, em meio à efervescência do sentimento nacionalista e da doutrina socialista
 Disputa por mercados coloniais
 A população europeia, mergulhada em guerras e instabilidade política e econômica, enfrentava
condições sociais adversas, como a baixa remuneração para a maioria da população, falta de moradia,
desabastecimento e perseguições. Procurando sobreviver e recomeçar a vida, grandes massas de
emigrantes buscaram novas oportunidades em outras terras. Os principais fluxos migratórios partiam
da Europa e da Ásia rumo à América do Norte = Novo Mundo

A segunda revolução industrial


 Ao longo do século XIX o processo de industrialização iniciado principalmente na Inglaterra
acelerou-se e chegou a outros países, como França e Bélgica e, um pouco mais tarde, Itália,
Alemanha, Rússia, Estados Unidos e Japão.
Segunda Revolução Industrial
Inovações técnicas:
 Descoberta da eletricidade;
 Desenvolvimento do processo para transformação do ferro em aço;
 O surgimento e o avanço de novos meios de transporte (ampliação das ferrovias, seguida da
invenção do automóvel e do avião, a partir da invenção do motor de combustão interna) e
mais tarde dos nmeios de comunicação (invenção do telégrafo e do telefone);
 Desenvolvimento da indústria

 Especialização do trabalho
 Produção em série
 Linhas de montagem (Implantadas primeiramente na indústria automobilística Ford): método de
racionalização da produção em massa, que foi chamado de fordismo  estava ligado ao princípio de
que a empresa deveria dedicar-se a apenas um produto e dominar as fontes de matéria-prima.
 Taylorismo: O fordismo integrou-se às teorias do engenheiro norte-americano Frederick Winslow
Taylor propunham o aumento da produtividade por meio do racionamento das etapas do trabalho,
controlando os movimentos das máquinas e dos homens no processo de produção. Ao mesmo tempo,
começaram a surgir os grandes conglomerados industriais, culminando na criação de holdings, trustes
e cartéis.

Concentração do capital industrial


 Holdings: grandes empresas financeiras que controlam vastos complexos industriais, sendo proprietárias da maior
parte de suas ações.
 Trustes: companhias que absorvem seus concorrntes ou estabelecem acordos entre si, monopolizando a produção de
certas mercadorias, determinando os preços e dominando o mercado. Podem ser horizontais(com empresas do mesmo
ramo) ou verticais (empresas de ramos diferentes).
 Cartéis: grandes empresas independentes, produtoras de mercadorias de um mesmo ramo, que se associam para evitar
a concorrência, estabelecendo divisão de mercados e definindo preços.

Inglaterra e A era vitoriana

 Primeiras décadas do século XIX a Inglaterra consolidou- se como principal potência


 Mundial até o início do século XX
 Rainha Vitória ocupou o trono por mais de 60 anos (1837-1901)  Adotou uma política
marcadamente burguesa e impulsionadora do liberalismo Era Vitoriana  rápido crescimento
industrial + poderosa marinha mercante + Estado solidamente estruturado = garantiam o poderio
britânico, que desde a derrota de Napoleão Bonaparte, em 1815, não encontrava nenhum rival
suficientemente forte
 Libra esterlina como moeda do comércio internacional.
 Grandes conquistas trabalhistas
 Trade unions= Organizações de trabalhadores  obtiveram sucessivas melhorias nas condições de
trabalho (legislação trabalhista, redução da jornada de trabalho, melhores salários), bem como maior
espaço na vida política inglesa.
 Carta do Povo (1838) petição elaborada pelos operários ingleses reivindicando o sufrágio universal, o
voto secreto, o fim do critério censitário (renda mínima pessoal) para votar e ser votado, a
remuneração dos eleitos e eleições anuais rejeição pelo Parlamento
 Movimento cartista: pressionou os governantes e obteve algumas conquistas, como a regulamentação
do trabalho infantil e feminino, a permissão de associações políticas e a jornada de trabalho de 10
horas
 1858  fim do censo eleitoral para a Câmara dos Comuns
 1867 ampliaçãodo direito de voto, deixando ainda de fora os trabalhadores industriais mais pobres
 Estabelecimento o voto secreto e dos trabalhadores rurais.
 No final dos anos 1880, os sindicatos foram oficialmente reconhecidos e foi regulamentada a duração
da jornada de trabalho dos adultos (homens e mulheres) e crianças.

A frança no século xix


 Queda de Napoleão Bonaparte em Waterloo (1815)
 Governo de Luís XVIII( irmão do rei Luís XVI, que fora guilhotinado durante a Revolução Francesa)
 Criação de uma nova Constituição
 Restabelecimento de um governo elitista
 Combinação do absolutismo com um aparente liberalismo, voto censitário e cerceamento dos direitos
e da liberdade conseguidos durante a Revolução Francesa
 Governo de Carlos X(irmão)
 Restabeleceu os moldes de um governo centralizado e restaurou os privilégios do clero e da nobreza
 Oposição dos liberais sob a liderança do duque Luís Filipe de Orléans e da imprensa, mobilizou a
sociedade, preparando o palco em que aconteceria a Revolução de 1830. Nesse ano, frente às decisões
de Carlos X em suprimir a liberdade de imprensa e conter as medidas de controle político, populares
reagiram com levantes e barricadas nas ruas de Paris, pressionando por mudanças. Carlos X abdicou
do trono e exilou-se na nglaterra.

*Desfecho: sepultou definitivamente as intenções restauradoras do congresso de Viena.

Ascensão ao trono por Luís Filipe de Orléans( “rei burguês” ou o “rei das barricadas”) avanço
liberal que repercutiu por toda a Europa, pois simbolizava os anseios das nações prejudicadas pelas
medidas adotadas pelo Congresso de Viena. Inspirou o nacionalismo na Bélgica, que se proclamou
independente dos Países Baixos, bem como na Alemanha, na Itália e na Polônia, que iniciaram as
lutas nacionais contra a dominação estrangeira.

Governo de Luís Filipe de Orléans:


 Reforma na Constituição
 Liberalismo
 Fortalecimento do Legislativo
 Abolição da censura
 Determinou que a religião católica deixaria de ser a religião oficial no país
 Voto censitário e para a candidatura a cargos legislativos.

Fevereiro de 1848: novo movimento revolucionário, com intensa mobilização popular e operária e a
adesão da Guarda Nacional. Luís Filipe abdicou e, assim como seu antecessor, refugiou- -se na
Inglaterra desencadeamento de sucessão de levantes que passou à história como Primavera dos
Povos.

Desfecho:
 Retorno do sistema republicano, que havia vigorado entre 1792 e 1804
 Fim da pena de morte
 Estabelecimento do sufrágio universal nas eleições
 Operários X burgueses : Os socialistas, tendo como meta a criação de uma república social,
reivindicavam medidas governamentais que garantissem empregos, direito de greve e limitação das
jornadas de trabalho. Conseguiram alguns avanços, mas eram combatidos pelos liberais moderados,
que temiam um novo governo radical, como ocorrera durante a Revolução Francesa.

 Em abril de 1848 ocorreram novos conflitos, quando o governo provisório instalado no lugar de Luís
Filipe, com o objetivo de organizar uma nova Constituição republicana, realizou a eleição de
deputados para a Assembleia Constituinte. Os moderados venceram as eleições, apoiados
principalmente por proprietários rurais, o que aumentou a polarização política entre socialistas e
burgueses. Os populares voltaram a manifestar-se nas ruas, tumultuando Paris.O governo reagiu com
violência: sob o comando do general Cavaignac, suspendeu os direitos individuais e massacrou a
revolta, com mais de 3 mil fuzilamentos e 15 mil deportações.

Nova Constituição republicana:

O poder Legislativo caberia a uma assembleia eleita por sufrágio universal por três anos e o poder Executivo
ficaria a cargo de um presidente, eleito por quatro anos.

Novas eleições  eleição de Luís Bonaparte procurou unir e pacificar o país, enfatizando o ideal de
progresso e de poderio nacional. Em 1851, para perpetuar- se no poder, fechou a Assembleia e estabeleceu
uma ditadura. O golpe ficou conhecido como “o 18 Brumário de Luís Bonaparte”, em referência ao golpe que
deu início à era napoleônica.  nova Constituição, segundo a qual passou a ser cônsul, como seu tio
Napoleão Inovo plebiscito França novamente Império Napoleão III

Portugal e espanha
Independência das colônias na América

Primeira metade do século XIX :Portugal

 Invasões napoleônicas
 Independência do Brasil
 Morte de dom João VI guerra civil,opondo dom Pedro (que havia abdicado do trono do Brasil) e
seu irmão dom Miguel pela sucessão do trono
 Dom Pedro apoiava as forças liberais, enquanto dom Miguel estava ligado aos setores centralizadores
 A guerra civil estendeu-se de 1832 a 1834 coroação de Maria II, filha de dom Pedro – que em seu
favor renunciou ao trono
 Exílio de dom Miguel
 Dom Pedro, que em Portugal era o rei dom Pedro IV, morreu pouco depois, de tuberculose, como um
herói liberal – enquanto no Brasil ficou marcado pelas atitudes centralizadoras. Abalada por revoltas e
instabilidades, a política portuguesa só se equilibrou na década de 1850, quando então o Estado
português pôde investir na modernização da economia do país. Em todo esse período, o governo
português manteve sua presença colonialista na África, impondo seu domínio em regiões como
Angola e Moçambique.

Espanha

 Também foi invadida pelas tropas de Napoleão Bonaparte


 Renúncia sucessiva dos Bourbon Carlos IV e Fernando VII
 Foi nomeado como rei da Espanha o irmão o imperador francês, José Bonaparte
 Os espanhóis resistiram organizando guerrilhas contando com o auxílio britânico
 As forças napoleônicas se desgastaram em 1814 a dinastia Bourbon foi estaurada

Reinado de Fernando VII (1814-1833)


 Enfrentou diversos motins liberais e intervenções militares francesas
 Movimentos separatistas nas suas colônias americanas,

Governo de Isabel II (1833-1868

 Durante sua menoridade, o trono era continuamente ameaçado pelas pretensões de seu tio dom
Carlos, que mesmo após a coroação da rainha continuou a disputa, com golpes, intrigas e escândalos.
 Consolidou-se uma monarquia liberal, interrompida durante algum tempo pela Primeira república
espanhola (1873-1874).

As últimas décadas do século XIX foram marcadas pelo impulso industrial e pela perda de quase todas as
colônias que restavam do Império colonial espanhol. Depois dos movimentos de independência no início do
século XIX, a Espanha perdeu para os Estados Unidos o domínio sobre Cuba, Porto Rico, Guam (Ilha da
Micronésia) e filipinas, na Guerra Hispano-Americana (1898

Os estados unidos no século xix


 Duas tendências partidárias:
 Republicana desejava maior autonomia para os Estados e deu origem ao atual Partido Democrata
 Federalista defendia um forte governo central e que foi o embrião do Partido Republicano.
 As duas tendências foram combinadas na Constituição de 1787, elaborada por deputados dos 13
Estados iniciais, com a organização de uma república federativa presidencialista e assegurando a cada
Estado da federação o direito de ter sua própria Constituição. O poder Executivo ficaria com o
presidente eleito por seis anos, e o Legislativo, com a Câmara de Deputados e o Senado. À Suprema
Corte de Justiça caberia o poder Judiciário e a função de zelar pela Constituição.

 1789 o Congresso elegeu George Washington o primeiro presidente dos Estados Unidos

 Mandato:

 Desenvolvimento comercial, industrial e financeiro do país, atraindo com isso um grande número de
imigrantes europeus
 O progressismo e o crescimento demográfico estimularam a conquista de territórios na América do
Norte (expansão interior) e a ampliação da atuação econômica em todo o continente americano
(expansão exterior)
 Intensos conflitos entre índios e americanos que ambicionavam a região do Canadá,
 Atritos comerciais  nova guerra contra a Inglaterra, ao final da qual ficaram definidos os limites
entre os Estados Unidos e o Canadá inglês.
 A guerra despertou o sentimento nacionalista norte-americano com relação à unidade territorial e à
ameaça que as potências europeias representavam para o crescente comércio entre os Estados unidos
e a América Latina
 Doutrina Monroe (1823): defendida pelo presidente James Monroe  “América para os
americanos”

 Em meados do século XIX, o país atingiu dimensões continentais, com a expropriação de nativos e a
compra de áreas coloniais pertencentes a potênciaseuropeias – caso da Louisiana, que pertencia à
França; da Flórida, domínio da Espanha; e do Alasca,comprado da Rússia. Além disso, foram
anexados os territórios mexicanos do Texas, Califórnia, novoméxico, Arizona, Utah e Nevada, após
uma guerra entre os Estados Unidos e o México (1845-1848). Esse ideal de “dilatação das fronteiras”
sustentava-se em parte na ideia de Destino Manifesto, segundo a qual Deus teria reservado um destino
glorioso aos Estados Unidos.
 A conquista da costa oeste deu aos Estados Unidos acesso direto aos cobiçados mercados da China e
do Japão
 A anexação da Flórida abriu caminho para o Golfo do México e o mar das Antilhas, pontos
importantes para alcançar toda a América Latina
Norte X Sul:
 Rivalidade conômica, social e política entre os estados do norte, predominantemente
industrial, e os do sul, em que a atividade agrícola prevalecia.
Contexto:
 Por volta de 1860, os nortistas precisavam expandir seus mercados, e a escravidão sulista era
um entrave: escravos não eram compradores nem podiam fazer parte do mercado interno.
Para os sulistas, os escravos eram a base da economia latifundiária. Tarifas de proteção
contra os produtos estrangeiros eram outro ponto de discórdia, pois favoreciam as indústrias
do norte e prejudicavam a exportação dos produtos agrários do sul. Nas eleições de 1860, o
debate sobre a escravidão foi a grande questão entre o candidato democrata Stephen Douglas
e o Republicano nortista Abraham Lincoln, terminando com a vitória de Lincoln
Guerra de Secessão (separação):
 Os estados do sul separaram-se da União e formaram os Estados Confederados da América.
Os estados do norte (federalistas), porém, eram autossuficientes. Utilizando armas e navios
construídos por eles mesmos, conseguiram derrotar as forças sulistas (confederadas).
 A guerra durou quatro anos e mobilizou mais de 2,5 milhões de homens, com o emprego de
recursos bélicos modernos. Mais de 600 mil pessoas morreram no confronto, que foi o mais
sangrento do século XIX. A vitória dos nortistas consolidou sua supremacia; os estados do
sul ficaram totalmente arrasados.
*federalista: no c ontexto da Guerra de sec essão, defensor da repúblic apresidencialista federalista estabelecida pela constituição de 1787.
*confederado: no contexto da Guerra de secessão, separatista que defendia a criação dos estados confederados da américa

 Lincoln assinou um decreto que determinava a libertação dos escravos apenas nas áreas rebeldes.
 Em 1865, com a completa vitória militar nortista, foi aprovada uma emenda à Constituição proibindo
a escravidão em todo o
 Garantia de igual proteção das leis e dos processos judiciais para todos os cidadãos dos Estados
Unidos
 Direito de voto para todos, sem exceções motivadas por “raça, cor ou prévio estado de servidão”.
Emenda XIV, Constituição dos Estados Unidos da América, 1870).
 Entretanto manteve- se a segregação social e política que motivaria constantes lutas e radicalismos.

Uma potência mundial emergente
 Final do século XIX  os EUA já era a primeira potência mundial, possuidores do maior parque
industrial do planeta
 Atraiu imigração  grande crescimento demográfico a instabilidade política e econômica na
Europa contribuía para que as populações desejassem encontrar oportunidades de vida em outros
continentes, com várias levas dirigindo-se para os Estados Unidos.

 Em sentido inverso, contando com o clima de confronto e seus efeitos nos Estados Unidos, também
houve um fluxo de norte-americanos em direção ao Brasil. A maioria, formada por pequenos
proprietários, se fixaram nas cidades de Santa Bárbara D’Oeste, Americana e Piracicaba, interior de
São Paulo.

 Expansionismo imperialista norte-americano para o restante do continente americano e para a Ásia


 Anexação do Havaí no final do século XIX e conquista de territórios no Pacífico (Filipinas e Guam) e
no Caribe (Porto Rico interesses sobre o açúcar e o tabaco de Cuba
 A Doutrina Monroe e a teoria do Destino Manifesto serviram como base ideológica para que os
Estados Unidos assumissem a tutela sobre toda a América, especialmente a América entral.

Big Stick (“grande porrete”)


 Adaptados pelo presidente Teodore Roosevelt (1901- 1909), os fundamentos da Doutrina Monroe
tornaram- -se conhecidos como Corolário Roosevelt e foram utilizados pelos Estados Unidos como
justificativa para intervir nos países do continente, na posição de “salvadores da América
 Sintetizada na frase do presidente Roosevelt: “Devemos falar macio, mas carregar um grande porrete”
 Entre as várias intervenções norte- -americanas na América Latina, desde o final do século XIX até as
últimas décadas do XX, destacaram-se as efetuadas em Cuba, no Panamá e na Nicarágua.