Você está na página 1de 45

Arte Africana Tradicional

Como se aproximar da arte africana: características


gerais

• Arte prática e religiosa que cristaliza a simbologia;


• Objetos africanos;
• insígnias de poder, status e prestígio;
• forma de presentificar os ancestrais;
• recurso para a manutenção do universo;
• forma de garantir a fertilidade;
• meios de apoio para a transmissão oral;
• não são decorativos, ou seja, não se trata apenas de questão estética;
• não é a arte pela arte, mas a arte pela vida;
• qualidades do objeto: equilíbrio, proporção, simetria;
• o vocábulo yorubá: ojú-onà, consciência do design;
• Geometrismo: espirais, ziguezague, padrões geométricos.

Prosperidade, fertilidade, continuidade da vida


Como se aproximar da arte africana: características
gerais

 Simetria e dualidade: equilíbrio entre dimensões


complementares da vida humana: o masculino e o
feminino; os vivos e os ancestrais; o passado e o futuro.
 Distorções do corpo humano. Hierarquias: do próprio
corpo; entre indivíduos do grupo social.
 Fetiches: Objetos que trazem os ancestrais à presença
dos vivos, auxiliando a manutenção do equilíbrio,
garantindo a prosperidade e fertilidade, orientando as
ações dos indivíduos e da comunidade; máscaras, objetos
de cerâmica, esculturas, emblemas: explicando e dando
sentido ao mundo.
Como se aproximar da arte africana: características gerais

Arte performática: comunicação com


outro universo e nos funerais.

Empregadas em rituais de iniciação:


força educativa.

Disfarce para a incorporação dos


espíritos e a possibilidade de adquirir
forças mágicas.
Máscaras geledés: nome iorubá 
sociedade secreta feminina; bobo,
luba.
Como se aproximar da arte africana: características gerais
 Objetos de cerâmica: envolvidos nos rituais  cerâmicas para fazer
oferendas aos voduns fon, ou os pilões de Xangô, presentes em seus
assentamentos.

 Insígnias de poder: bens de prestígio ligados a chefes e reis;


materializam e legitimam seu poder político, respaldado pelos
ancestrais  insígnias de caráter comemorativo, como asséns,
cabeças e estátuas de reis, ou simbólico, como bancos e tecidos;
penteados, (indicam status); na metalurgia; braceletes, anéis e outros
adornos.

 Objetos com escritas pictográficas ou ideográficas: transmitem a


literatura oral, através de símbolos, ensinamentos de fundo moral,
histórico e religioso, expressos em provérbios, contos, fábulas,
adivinhas, epopéias, mitos, poemas  os pesos de ouro e tronos
ashanti, as máscaras geledé, os tecidos aplicados, os recades e asséns
fon.
• Esculturas: como a maternidade bakongo, o par luba.
Como se aproximar da arte africana: características gerais

 Jogos divinatórios (como o de Ifá) e instrumentos musicais: outras formas de


estabelecer a comunicação entre vivos e ancestrais ou com as divindades;
 Imagens humanas  pontos de força vital: mãos, pés, cabeça; umbigo proeminente;
 Ocidente: arte naturalista, descritiva ≠ arte africana: conceitual;
 Androgenia: ancestralidade  ambiguidade dos sexos; remissão mítica;
 Pés e mãos grandes: força vital  na terra está a ancestralidade;
 Boca: força da palavra;
 Gêmeos: mito cosmogônico  yorubá: dádiva de Deus; a sombra se materializa por
engano.

 Século XX: valorização da arte africana: Picasso, Matisse, Braque


 o Primitivismo, o Cubismo, o Surrealismo  oposição ao academicismo da
arte europeia e busca de soluções mais sintéticas e abstratas
Estátua Luba
(Congo, Angola)
Pensador de Cokwe
Estátua Makonde
(Moçambique)
Máscara Senufo
(Costa do Marfim)
Ibeji
(Yorubá – Nigéria)
Vasilha de Ifá
(Nigéria)
Materna
(Congo)
Porta Iorubá
Máscara Tshiwara
(Bamana – Mali)
Nkondi Lumweno
(Congo)
Geledes (processo)
Arte Africana Contemporânea
Máscara Geledes
Completa (Nigéria)
Materna 1984,
Trigo Piula:
Rebública do Congo
A Última Ceia, Malangatana
Série Navio Negreiro:
Representação de um navio negreiro português
Negro no fundo do porão do navio,
Johann-Moritz Rugendas
Série O Rio de Janeiro do século XIX:
A venda de escravos, Johann-Moritz Rugendas
A casa dos ciganos, Jean-Baptiste Debret
Boutique de La Rue du Valongo,
Jean-Baptiste Debret
Outras obras de Jean-Baptiste Debret
A moenda, Jean-Baptiste Debret
O castigo público, Jean-Baptiste Debret
As negras de ganho, Jean-Baptiste Debret
Negro cuidando de uma botica
e O casamento, Jean-Baptiste Debret
Batismo, Jean-Baptiste Debret
Botica, Jean-Baptiste Debret
A libertação dos escravos, Pedro Américo
Redenção de Cã,
Modesto Brocos
Série:
A representação do
negro no século XX:

O mestiço,
Cândido Portinari
O plantador,
Cândido Portinari
A negra,
Tarsila do Amaral
Cena de Umbanda, Heitor dos Prazeres
Os Orixás, Carybé
As três raças,
Belmonte
Prof.. Cristina Prates

Término da apresentação