Você está na página 1de 19

Banco de Dados II

Universidade Veiga de Almeida


Luiz Antônio Vivacqua Corrêa Meyer
Luiz.vcm@gmail.com
http://vivacquabd.webnode.com.br
Sumário
• Apresentação pessoal
• Ementa e bibliografia
• Introdução a Sistemas de Banco de Dados
Formação Profissional
• Formação acadêmica básica
• Engenharia Civil – PUC/RJ (1983)
• Especialização – CCE-PUC/RJ (1984)
• Experiência profissional – IBGE (1984)
• Técnica
• Gerencial
– Chefe da Gerência de Administração de Banco de Dados (1989
a 1995, 1997 a 2002)
– Assistente da Coordenação de Projetos Especiais
(2009 a 2014)
– Chefe da Coordenação de Administração de Dados e Cadastros
(2014 - )
• Mestrado – COPPE/UFRJ (1995-1997)
• Análise de desempenho em Banco de Dados Orientado a Objetos
• Doutorado – COPPE/UFRJ (2002-2006)
• Sanduiche (2004-2005) – Universidade de Chicago
• Escalonamento de workflows científicos em Grids
Formação Profissional
• Experiência acadêmica
– UCidade(1999 – 2014)
• Disciplinas lecionadas
– Projeto de Banco de Dados
– Administração de Banco de Dados
– Laboratório de Banco de Dados
– UVA (2016 - )
• Disciplinas lecionadas
– Tópicos Especias em Mineração de Dados
– Banco de Dados II
– Gerenciamento de Projetos de Governança em TI
Ementa
• Principais pontos:
– Criação de projeto de Banco de Dados
• Derivação do modelo conceitual para o modelo lógico
relacional
• SQL - DDL
– Linguagens de Banco de Dados
• Álgebra Relacional
• SQL – Query e DML
OBJETIVOS DA DISCIPLINA
• Construir um projeto físico de BD
• Desenvolvimento de código SQL para uso em
aplicações
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
• CARDOSO, Giselle; Cardoso, Virgínia. Linguagem em
SQL - Fundamentos e Práticas - Col. Saraiva Tec. São
Paulo: Saraiva, 2013. ISBN: 9788502200456.
• CORONEL, Carlos; Peter, Robert. Sistemas de Banco de
Dados - Projeto, Implementação e Administração - 8ª
Edição. Norte-americana. São Paulo: Cengage
Learning, 2011. ISBN:9788522107865.
• FERREIRA Baptista, Luciana. Linguagem SQL – Guia
Prático. São Paulo: Érica, 2013. ISBN: 9788536503738.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
• BEIGHLEY, Lynn. Use a Cabeça SQL. Rio de Janeiro: Alta Books,
2008. ISBN: 9788576082101.
• DAMAS, Luís. SQL – Structure Query Language. São Paulo:
LTC, 2007. ISBN: 9788521615583.
• JOBSTRAIBIZER, Flávia. SQL para Profissionais. São Paulo:
Digerate Books, 2009. ISBN: 9788578730635.
• PUGA, Sandra; França, Edson; Goya, Milton. Banco de Dados:
Implementação PL/SQL e Oracle 11g. São Paulo: Pearson,
2013. ISBN: 9788581435329.
• SOUZA, Thiago Hernandes de. SQL Avançado e Teoria
Relacional. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2013.
ISBN: 9788539904280.
Introdução
Sistemas baseados em arquivos

Sistemas baseados em banco de dados


Sistemas Baseados em Arquivos
 Visão geral no acesso ao dado
Funcionário
Sistema A
Pagamento
Cargo

Sistema B Funcionário

Projeto

Problemas?
Desvantagens dos Sistemas de Arquivos
• Redundância e inconsistência de dados
– Duplicação de informações em diferentes arquivos
– Alteração não é refletida para todos os arquivos
• Isolamento dos dados
– Dificuldade de acessar os dados
– Múltiplos formatos
– Necessidade de escrever um novo programa para realizar
cada nova tarefa
• Segurança
– Não existe mecanismos para criar visões nem para
restringir o acesso
• Atualização concorrente por vários usuários
Sistemas Baseados em Banco de Dados

 Visão geral no acesso ao dado

Sistema A

SGBD Dados

Sistema B

Quais são as grandes Funcionalidades da caixa preta ?


Como a caixa preta atende estas Funcionalidades ?
Sistema Gerenciador de Banco de Dados
• O que é:
– Coleção de dados inter-relacionados
– Conjunto dos programas para acessar os dados
– Um ambiente que é conveniente e eficiente de usar

Sistema A

SGBD Dados

Sistema B
Vantagens dos SBDS
• Redução de redundância
– eliminação de múltiplas cópias do mesmo dado.
• Eliminação de inconsistências
– consequência direta do item anterior.
• Compartilhamento dos dados
– acesso concorrente.
• Segurança de acesso
– O DBA define quem ( qual usuário ) pode acessar o
que(qual tabela)
• Integridade referencial
• Independência de Dados
Independência de Dados
Processamento de arquivos
 Qual é o formato do dado armazenado ?
 Onde o dado está localizado ?
 Como o dado é acessado ?
 Ex: Obter o salário médio dos engenheiros da empresa
Formato:
 campo salário do tipo decimal fixo com 6 bytes começando na posição 29
do registro
Localização:
 arquivo “funcionário.dat” localizado no diretório “Func” do disco “E” na
máquina “X”
Acesso:
 arquivo de organização sequencial ordenado pela matrícula.

Alteração em qualquer dos três aspectos implicam em alteração no programa!


Independência de Dados
 É a habilidade de se usar o dado sem conhecer
detalhes de sua representação.
 Provê imunidade as aplicações com relação as
estruturas de armazenamento e métodos de acesso.
 Independência Lógica
 Se o dado é acessado através de uma visão, então
mudanças no esquema conceitual não interferem com o
funcionamento do programa.
 Independência Física
 Mudanças na estrutura de armazenamento tais como a
criação de índices ou a localização dos arquivos físicos não
interferem com o funcionamento do programa.
Visão Macro do SGBD
Requisições Requisições
“AD-HOC” “EMBEDED”
Compilador
DML

Plano de Execução Requisições


da Consulta Compiladas
Restrições de
Segurança e
Otimizador
Integridade

Concorrência e Requisições
Recuperação De Otimizadas

Falhas
Gerente em Armazenamento
tempo de Dados
LOG
execução
MetaDados
Visão Macro do SGBD

 Otimizador
 Escolhe a melhor maneira de executar uma consulta.
 Diversos planos de execução são gerados e escolhido
aquele com o menor custo.
 Custo estimado em função do número de operações de
acesso a disco.
 Segurança e Integridade
 O SGBD deve monitorar e controlar o acesso aos
objetos de forma a permitir que somente usuários
autorizados tenham acesso.
 Garantir que restrições de integridade (referencial,
entidade, domínio) não sejam violadas.
Visão Macro do SGBD

 Concorrência e Recuperação de Falhas


 O sistema deve estar apto a detectar falhas e a recuperar
o banco de dados ao seu último estado consistente
Ex: falta de energia
 Controle de Concorrência
 O SGBD deve permitir o acesso concorrente por
múltiplos usuários de forma transparente e segura.