Você está na página 1de 44

Secretaria Municipal de Educação 1

PREPARATÓRIO PARA O
CONCURSO DA SEMED

DISCIPLINA: LEGISLAÇÃO
Professores: Rosana Souza, Rudervania Aranha e Tania Castro

SEMED/DDPM/GTE
MANAUS – JANEIRO/2014
Secretaria Municipal de Educação 2

Humberto Michiles
Secretário Municipal de Educação

Ana Maria da Silva Falcão


Subsecretária de Gestão Educacional

Maria do Perpétuo Socorro Veiga Horta


Diretora do Departamento de Gestão Educacional

Jecicleide de Oliveira Nascimento Marques


Chefe da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério

Rosa Eulália Vital


Gerente da Gerência de Formação Continuada

Aldemira Araújo Câmara


Gerente da Gerência de Tecnologia Educacional
Secretaria Municipal de Educação 3

CONSTITUIÇÃO I - homens e mulheres são iguais em direitos e


obrigações, nos termos desta Constituição;
DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer
BRASIL alguma coisa senão em virtude de lei;
Texto promulgado em 05 de III - ninguém será submetido a tortura nem a
tratamento desumano ou degradante;
outubro de 1988 IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo
vedado o anonimato;
Título I - Dos Princípios Fundamentais V - é assegurado o direito de resposta, proporcional
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada ao agravo, além da indenização por dano material,
pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e moral ou à imagem;
do Distrito Federal, constitui-se em Estado VI - é inviolável a liberdade de consciência e de
democrático de direito e tem como fundamentos: crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos
I - a soberania; religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos
II - a cidadania; locais de culto e a suas liturgias;
III - a dignidade da pessoa humana; VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de
IV - os valores sociais do trabalho e da livre assistência religiosa nas entidades civis e militares de
iniciativa; internação coletiva;
V - o pluralismo político. VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o crença religiosa ou de convicção filosófica ou
exerce por meio de representantes eleitos ou política, salvo se as invocar para eximir-se de
diretamente, nos termos desta Constituição. obrigação legal a todos imposta e recusar-se a
Art. 2º São Poderes da União, independentes e cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o IX - é livre a expressão da atividade intelectual,
Judiciário. artística, científica e de comunicação,
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da independentemente de censura ou
República Federativa do Brasil: licença;
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a
II - garantir o desenvolvimento nacional; honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir indenização pelo dano material ou moral decorrente
as desigualdades sociais e regionais; de sua violação;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém
origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras nela podendo penetrar sem consentimento do
formas de discriminação. morador, salvo em caso de flagrante delito ou
Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas desastre, ou para prestar socorro, ou, durante
suas relações internacionais pelos seguintes o dia, por determinação judicial;
princípios: XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das
I - independência nacional; comunicações telegráficas, de dados e das
II - prevalência dos direitos humanos; comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por
III - autodeterminação dos povos; ordem judicial, nas hipóteses
IV - não-intervenção; e na forma que a lei estabelecer para fins de
V - igualdade entre os Estados; investigação criminal ou instrução processual penal;
VI - defesa da paz; XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício
VII - solução pacífica dos conflitos; ou profissão, atendidas as qualificações profissionais
VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo; que a lei estabelecer;
IX - cooperação entre os povos para o progresso da XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e
humanidade; resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao
X - concessão de asilo político. exercício profissional;
Parágrafo único. A República Federativa do Brasil XV - é livre a locomoção no território nacional em
buscará a integração econômica, política, social e tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos
cultural dos povos da América Latina, visando à da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus
formação de uma comunidade latino americana bens;
de nações. XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem
armas, em locais abertos ao público,
independentemente de autorização, desde
Título II - Dos Direitos e Garantias que não frustrem outra reunião anteriormente
Fundamentais convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido
Capítulo I - Dos Direitos e Deveres prévio aviso à autoridade competente;
Individuais e XVII - é plena a liberdade de associação para fins
Coletivos lícitos, vedada a de caráter paramilitar;
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de cooperativas independem de autorização, sendo
de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e vedada a interferência estatal em seu funcionamento;
aos estrangeiros residentes XIX - as associações só poderão ser
no País a inviolabilidade do direito à vida, à Compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no
nos termos seguintes: primeiro caso, o trânsito em julgado;
Secretaria Municipal de Educação 4

XX - ninguém poderá ser compelido a associar-se ou b) a obtenção de certidões em repartições públicas,


a permanecer associado; para defesa de direitos e esclarecimento de situações
XXI - as entidades associativas, quando de interesse pessoal;
expressamente autorizadas, têm legitimidade para XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder
representar seus filiados judicial ou Judiciário lesão ou ameaça a direito;
extrajudicialmente; XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o
XXII - é garantido o direito de propriedade; ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
XXIII - a propriedade atenderá a sua função social; XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a
desapropriação por necessidade ou utilidade pública, organização que lhe der a lei, assegurados:
ou por interesse social, mediante justa e prévia a) a plenitude de defesa;
indenização em dinheiro, ressalvados os b) o sigilo das votações;
casos previstos nesta Constituição; c) a soberania dos veredictos;
XXV - no caso de iminente perigo público, a d) a competência para o julgamento dos crimes
autoridade competente poderá usar de propriedade dolosos contra a vida;
particular, assegurada ao proprietário indenização XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina,
ulterior, se houver dano; nem pena sem prévia cominação legal;
XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar
em lei, desde que trabalhada pela família, não será o réu;
objeto de penhora para pagamento de débitos XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória
decorrentes de sua atividade produtiva, dos direitos e liberdades fundamentais;
dispondo a lei sobre os meios de financiar o seu XLII - a prática do racismo constitui crime
desenvolvimento; inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de
XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de reclusão, nos termos da lei;
utilização, publicação ou reprodução de suas obras, XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e
transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar; insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o
XXVIII - são assegurados, nos termos da lei: tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o
a) a proteção às participações individuais em obras terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por
coletivas e à reprodução da imagem e voz humanas, eles respondendo os mandantes, os executores e os
inclusive nas atividades desportivas; que, podendo evitá-los, se omitirem;
b) o direito de fiscalização do aproveitamento XLIV - constitui crime inafiançável e imprescritível a
econômico das obras que criarem ou de que ação de grupos armados, civis ou militares, contra a
participarem aos criadores, aos ordem constitucional e o Estado democrático;
intérpretes e às respectivas representações sindicais e XLV - nenhuma pena passará da pessoa do
associativas; condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e
XXIX - a lei assegurará aos autores de inventos a decretação do perdimento de bens ser, nos termos
industriais privilégio temporário para sua utilização, da lei, estendidas aos sucessores e contra eles
bem como proteção às criações industriais, à executadas, até o limite do valor do patrimônio
propriedade das marcas, aos nomes de transferido;
empresas e a outros signos distintivos, tendo em vista XLVI - a lei regulará a individualização da pena e
o interesse social e o desenvolvimento tecnológico e adotará, entre outras, as seguintes:
econômico do País; a) privação ou restrição da liberdade;
XXX - é garantido o direito de herança; b) perda de bens;
XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados c) multa;
no País será d) prestação social alternativa;
regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge e) suspensão ou interdição de direitos;
ou dos filhos XLVII - não haverá penas:
brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos
lei pessoal termos do art. 84, XIX;
do de cujus; b) de caráter perpétuo;
XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a c) de trabalhos forçados;
defesa do d) de banimento;
consumidor; e) cruéis;
XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos
públicos informações de seu interesse particular, ou distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade
de interesse coletivo ou e o sexo do apenado;
geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena XLIX - é assegurado aos presos o respeito à
de integridade física e moral;
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja L - às presidiárias serão asseguradas condições para
imprescindível à segurança da sociedade e do Estado; que possam permanecer com seus filhos durante o
XXXIV - são a todos assegurados, período de amamentação;
independentemente do LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o
pagamento de taxas: naturalizado, em caso de crime comum, praticado
a) o direito de petição aos poderes públicos em defesa antes da naturalização, ou de comprovado
de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder; envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e
drogas afins, na forma da lei;
Secretaria Municipal de Educação 5

LII - não será concedida extradição de estrangeiro por LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre
crime político ou de opinião; que a falta de norma regulamentadora torne inviável
LIII - ninguém será processado nem sentenciado o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e
senão pela autoridade competente; das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus soberania e à cidadania;
bens sem o devido processo legal; LXXII - conceder-se-á habeas data:
LV - aos litigantes, em processo judicial ou a) para assegurar o conhecimento de informações
administrativo, e aos acusados em geral são relativas à pessoa do impetrante, constantes de
assegurados o contraditório e a ampla registros ou bancos de dados de entidades
defesa, com os meios e recursos a ela inerentes; governamentais ou de caráter público;
LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas b) para a retificação de dados, quando não se prefira
obtidas por meios ilícitos; fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou
LVII - ninguém será considerado culpado até o administrativo;
trânsito em julgado de sentença penal condenatória; LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para
LVIII - o civilmente identificado não será submetido propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao
a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas patrimônio público ou de entidade de que o Estado
em lei; participe, à moralidade administrativa, ao
LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural,
pública, se esta não for intentada no prazo legal; ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de
LX - a lei só poderá restringir a publicidade dos atos custas judiciais e do ônus da sucumbência;
processuais quando a defesa da intimidade ou o LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica
interesse social o exigirem; integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência
LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito de recursos;
ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro
judiciária competente, salvo nos casos de judiciário, assim como o que ficar preso além do
transgressão militar ou crime propriamente tempo fixado na sentença;
militar, definidos em lei; LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente
LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se pobres, na forma da lei:
encontre serão comunicados imediatamente ao juiz a) o registro civil de nascimento;
competente e à família do preso ou à pessoa por ele b) a certidão de óbito;
indicada; LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus e
LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre habeas data, e, na forma da lei, os atos necessários ao
os quais o de permanecer calado, sendo-lhe exercício da cidadania.
assegurada a assistência da família e de advogado; § 1º As normas definidoras dos direitos e garantias
LXIV - o preso tem direito à identificação dos fundamentais têm aplicação imediata.
responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório § 2º Os direitos e garantias expressos nesta
policial; Constituição não excluem outros decorrentes do
LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada regime e dos princípios por ela adotados, ou dos
pela autoridade judiciária; tratados internacionais em que a República
LXVI - ninguém será levado à prisão ou nela mantido Federativa do Brasil seja parte.
quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou
sem fiança; Capítulo II - Dos Direitos Sociais
LXVII - não haverá prisão civil por dívida, salvo a do
responsável pelo inadimplemento voluntário e Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, o
inescusável de obrigação alimentícia e a do trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a
depositário infiel; proteção à maternidade e à infância, a assistência aos
LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que desamparados, na forma desta Constituição.
alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e
violência ou coação em sua liberdade de locomoção, rurais, além de outros que visem à melhoria de sua
por ilegalidade ou abuso de poder; condição social:
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para I - relação de emprego protegida contra despedida
proteger direito líquido e certo, não amparado por arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei
habeas corpus ou habeas data, quando o responsável complementar, que preverá
pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade indenização compensatória, dentre outros direitos;
pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de II - seguro-desemprego, em caso de desemprego
atribuições do poder público; involuntário;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser III - fundo de garantia do tempo de serviço;
impetrado por: IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente
a) partido político com representação no Congresso unificado, capaz de atender às suas necessidades
Nacional; vitais básicas e às de sua família com moradia,
b) organização sindical, entidade de classe ou alimentação, educação, saúde, lazer,
associação vestuário, higiene, transporte e previdência social,
legalmente constituída e em funcionamento há pelo com reajustes periódicos que lhe preservem o poder
menos um ano, em defesa dos interesses de seus aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para
membros ou associados; qualquer fim;
Secretaria Municipal de Educação 6

V - piso salarial proporcional à extensão e à XXXII - proibição de distinção entre trabalho


complexidade do trabalho; manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em respectivos;
convenção ou acordo coletivo; XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, insalubre aos menores de dezoito e de qualquer
para os que percebem remuneração variável; trabalho a menores de quatorze anos, salvo na
VIII - décimo terceiro salário com base na condição de aprendiz;
remuneração integral ou no valor da aposentadoria; XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador
IX - remuneração do trabalho noturno superior à do com vínculo empregatício permanente e o trabalhador
diurno; avulso.
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo Parágrafo único. São assegurados à categoria dos
crime sua retenção dolosa; trabalhadores domésticos os direitos previstos nos
XI - participação nos lucros, ou resultados, incisos IV, VI, VIII, XV, XVII, XVIII, XIX, XXI e
desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, XXIV, bem como a sua integração à previdência
participação na gestão da empresa, conforme definido social.
em lei; Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical,
XII - salário-família para os seus dependentes; observado o seguinte:
XIII - duração do trabalho normal não superior a oito I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para
horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a fundação de sindicato, ressalvado o registro no
a compensação de horários e a redução da jornada, órgão competente, vedadas ao poder público a
mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho; interferência e a intervenção na organização
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado sindical;
em turnos ininterruptos de revezamento, salvo II - é vedada a criação de mais de uma organização
negociação coletiva; sindical, em qualquer grau, representativa de
XV - repouso semanal remunerado, categoria profissional ou econômica, na mesma base
preferencialmente aos domingos; territorial, que será definida pelos trabalhadores ou
XVI - remuneração do serviço extraordinário empregadores interessados, não podendo ser
superior, no mínimo, em cinquenta por cento à do inferior à área de um Município;
normal; III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo interesses coletivos ou individuais da categoria,
menos, um terço a mais do que o salário normal; inclusive em questões judiciais ou administrativas;
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em
e do salário com a duração de cento e vinte dias; se tratando de categoria profissional, será descontada
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei; em folha, para custeio do sistema confederativo da
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, representação sindical respectiva, independentemente
mediante incentivos específicos, nos termos da lei; da contribuição prevista em lei;
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se
sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei; filiado a sindicato;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas
meio de normas de saúde, higiene e segurança; negociações coletivas de trabalho;
XXIII - adicional de remuneração para as atividades VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser
penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei; votado nas organizações sindicais;
XXIV - aposentadoria; VIII - é vedada a dispensa do empregado
XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes sindicalizado a partir do registro da candidatura a
desde o nascimento até seis anos de idade em creches cargo de direção ou representação sindical e, se
e pré-escolas; eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do
XXVI - reconhecimento das convenções e acordos mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da
coletivos de trabalho; lei.
XXVII - proteção em face da automação, na forma da Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-
lei; se à organização de sindicatos rurais e de colônias de
XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo pescadores, atendidas as condições que a lei
do empregador, sem excluir a indenização a que este estabelecer.
está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa; Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo
XXIX - ação, quanto a créditos resultantes das aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de
relações de trabalho, com prazo prescricional de: exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio
a) cinco anos para o trabalhador urbano, até o limite dele defender.
de dois anos após a extinção do contrato; § 1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais
b) até dois anos após a extinção do contrato, para o e disporá sobre o atendimento das necessidades
trabalhador rural; inadiáveis da comunidade.
XXX - proibição de diferença de salários, de § 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às
exercício de funções e de critério de admissão por penas da lei.
motivo de sexo, idade, cor ou estado civil; Art. 10. É assegurada a participação dos
XXXI - proibição de qualquer discriminação no trabalhadores e empregadores nos colegiados dos
tocante a salário e critérios de admissão do órgãos públicos em que seus interesses profissionais
trabalhador portador de deficiência; ou previdenciários sejam objeto de d discussão e
deliberação.
Secretaria Municipal de Educação 7

Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos Art. 14. A soberania popular será exercida pelo
empregados, é assegurada a eleição de um sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com
representante destes com a finalidade valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
exclusiva de promover-lhes o entendimento direto I - plebiscito;
com os empregadores. II - referendo;
III - iniciativa popular.
Capítulo III - Da Nacionalidade § 1º O alistamento eleitoral e o voto são:
I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos;
Art. 12. São brasileiros: II - facultativos para:
I - natos: a) os analfabetos;
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, b) os maiores de setenta anos;
ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.
estejam a serviço de seu país; § 2º Não podem alistar-se como eleitores os
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou de estrangeiros e, durante o período do serviço militar
mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja a obrigatório, os conscritos.
serviço da República Federativa do Brasil; § 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:
c) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou I - a nacionalidade brasileira;
mãe brasileira, desde que sejam registrados em II - o pleno exercício dos direitos políticos;
repartição brasileira competente, ou venham a residir III - o alistamento eleitoral;
na República Federativa do Brasil antes da IV - o domicílio eleitoral na circunscrição;
maioridade e, alcançada esta, optem em qualquer V - a filiação partidária;
tempo pela nacionalidade brasileira; VI - a idade mínima de:
II - naturalizados: a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade Presidente da República e Senador;
brasileira, exigidas aos originários de países de língua b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de
portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto Estado e do Distrito Federal;
e idoneidade moral; c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de
residentes na República Federativa do Brasil há mais paz;
de trinta anos ininterruptos e sem condenação penal, d) dezoito anos para Vereador.
desde que requeiram a nacionalidade brasileira. § 4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no § 5º São inelegíveis para os mesmos cargos, no
País, se houver reciprocidade em favor dos período subsequente, o Presidente da República, os
brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao Governadores de Estado e do Distrito Federal, os
brasileiro nato, salvo os casos previstos nesta Prefeitos e quem os houver sucedido ou substituído
Constituição. nos seis meses anteriores ao pleito.
§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre § 6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente
brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos da República, os Governadores de Estado e do
previstos nesta Constituição. Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos
§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos: respectivos mandatos até seis meses antes do
I - de Presidente e Vice-Presidente da República; pleito.
II - de Presidente da Câmara dos Deputados; § 7º São inelegíveis, no território de jurisdição do
III - de Presidente do Senado Federal; titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal; afins, até o segundo grau ou por adoção, do
V - da carreira diplomática; Presidente da República, de Governador de Estado ou
VI - de oficial das Forças Armadas. Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de
§ 4º Será declarada a perda da nacionalidade do quem os haja substituído dentro dos seis meses
brasileiro que: anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença eletivo e candidato à reeleição.
judicial, em § 8º O militar alistável é elegível, atendidas as
virtude de atividade nociva ao interesse nacional; seguintes condições:
II - adquirir outra nacionalidade por naturalização I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá
voluntária. afastar-se da atividade;
Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da II - se contar mais de dez anos de serviço, será
República Federativa do Brasil. agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará
§ 1º São símbolos da República Federativa do Brasil automaticamente, no ato da diplomação, para a
a bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais. inatividade.
§ 2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios § 9º Lei complementar estabelecerá outros casos de
poderão ter símbolos próprios. inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de
proteger a normalidade e legitimidade das eleições
contra a influência do poder econômico ou o abuso
do exercício de função, cargo ou emprego na
administração direta ou indireta.
Capítulo IV - Dos Direitos Políticos § 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a
Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da
Secretaria Municipal de Educação 8

diplomação, instruída a ação com provas de abuso do § 3º Se nenhum candidato alcançar maioria absoluta
poder econômico, corrupção ou fraude. na primeira votação, far-se-á nova eleição em até
§ 11. A ação de impugnação de mandato tramitará em vinte dias após a proclamação do resultado,
segredo de justiça, respondendo o autor, na forma da concorrendo os dois candidatos mais votados e
lei, se temerária ou de manifesta má-fé. considerando-se eleito aquele que obtiver a maioria
Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, dos votos válidos.
cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de: § 4º Se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer
I - cancelamento da naturalização por sentença morte, desistência ou impedimento legal de
transitada em julgado; candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o
II - incapacidade civil absoluta; de maior votação.
III - condenação criminal transitada em julgado, § 5º Se, na hipótese dos parágrafos anteriores,
enquanto durarem seus efeitos; remanescer, em segundo lugar, mais de um candidato
IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou com a mesma votação, qualificar-se-á o mais idoso.
prestação alternativa, nos termos do art. 5º, VIII; Art. 78. O Presidente e o Vice-Presidente da
V - improbidade administrativa, nos termos do art. República tomarão posse em sessão do Congresso
37, § 4º. Nacional, prestando o compromisso
Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral só de manter, defender e cumprir a Constituição,
entrará em vigor um ano após sua promulgação. observar as leis, promover o bem geral do povo
brasileiro, sustentar a união, a integridade e a
Capítulo V - Dos Partidos Políticos independência do Brasil.
Parágrafo único. Se, decorridos dez dias da data
Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e fixada para a posse, o Presidente ou o Vice-
extinção de partidos políticos, resguardados a Presidente, salvo motivo de força
soberania nacional, o regime democrático, o maior, não tiver assumido o cargo, este será
pluripartidarismo, os direitos fundamentais da declarado vago.
pessoa humana e observados os seguintes preceitos: Art. 79. Substituirá o Presidente, no caso de
I - caráter nacional; impedimento, e suceder-lhe-á, no de vaga, o Vice-
II - proibição de recebimento de recursos financeiros Presidente.
de entidade ou governo estrangeiros ou de Parágrafo único. O Vice-Presidente da República,
subordinação a estes; além de outras atribuições que lhe forem conferidas
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral; por lei complementar, auxiliará o Presidente, sempre
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei. que por ele convocado para missões especiais.
§ 1º É assegurada aos partidos políticos autonomia Art. 80. Em caso de impedimento do Presidente e do
para definir sua estrutura interna, organização e Vice-Presidente, ou vacância dos respectivos cargos,
funcionamento, devendo seus estatutos estabelecer serão sucessivamente chamados ao exercício da
normas de fidelidade e disciplina partidárias. Presidência o Presidente da Câmara dos Deputados, o
§ 2º Os partidos políticos, após adquirirem do Senado Federal e o do Supremo Tribunal Federal.
personalidade jurídica, Art. 81. Vagando os cargos de Presidente e Vice-
na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no Presidente da República, far-se-á eleição noventa dias
Tribunal Superior Eleitoral. depois de aberta a última vaga.
§ 3º Os partidos políticos têm direito a recursos do § 1º Ocorrendo a vacância nos últimos dois anos do
fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à período presidencial, a eleição para ambos os cargos
televisão, na forma da lei. será feita trinta dias depois da última vaga, pelo
§ 4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de Congresso Nacional, na forma da lei.
organização paramilitar. § 2º Em qualquer dos casos, os eleitos deverão
completar o período de seus antecessores.
Art. 82. O mandato do Presidente da República é de
Capítulo II - Do Poder Executivo cinco anos, vedada a reeleição para o período
subsequente, e terá início em 1º de janeiro do ano
Seção I - Do Presidente e do Vice-Presidente
seguinte ao da sua eleição.
da República Art. 83. O Presidente e o Vice-Presidente da
República não poderão, sem licença do Congresso
Art. 76. O Poder Executivo é exercido pelo Nacional, ausentar-se do País por período superior a
Presidente da República, auxiliado pelos Ministros de quinze dias, sob pena de perda do cargo.
Estado.
Art. 77. A eleição do Presidente e do Vice-Presidente
Seção II - Das Atribuições do Presidente da
da República realizar-se-á, simultaneamente, noventa
dias antes do término do mandato presidencial
República
Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da
vigente.
República:
§ 1º A eleição do Presidente da República importará a
I - nomear e exonerar os Ministros de Estado;
do Vice- Presidente com ele registrado.
II - exercer, com o auxílio dos Ministros de Estado, a
§ 2º Será considerado eleito Presidente o candidato
direção
que, registrado por partido político, obtiver a maioria
superior da administração federal;
absoluta de votos, não computados os em branco e os
III - iniciar o processo legislativo, na forma e nos
nulos.
casos previstos nesta Constituição;
Secretaria Municipal de Educação 9

IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, XII e XXV, primeira parte, aos Ministros de Estado,
bem como expedir decretos e regulamentos para sua ao Procurador-Geral da República
fiel execução; ou ao Advogado-Geral da União, que observarão os
V - vetar projetos de lei, total ou parcialmente; limites traçados nas respectivas delegações.
VI - dispor sobre a organização e o funcionamento da
administração federal, na forma da lei; Seção III - Da Responsabilidade do
VII - manter relações com Estados estrangeiros e Presidente da República
acreditar seus representantes diplomáticos;
VIII - celebrar tratados, convenções e atos Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do
internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Presidente da República que atentem contra a
Nacional; Constituição Federal e, especialmente, contra:
IX - decretar o estado de defesa e o estado de sítio; I - a existência da União;
X - decretar e executar a intervenção federal; II - o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder
XI - remeter mensagem e plano de governo ao Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes
Congresso Nacional por ocasião da abertura da sessão constitucionais das unidades da Federação;
legislativa, expondo a situação do País e solicitando III - o exercício dos direitos políticos, individuais e
as providências que julgar necessárias; sociais;
XII - conceder indulto e comutar penas, com IV - a segurança interna do País;
audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em V - a probidade na administração;
lei; VI - a lei orçamentária;
XIII - exercer o comando supremo das Forças VII - o cumprimento das leis e das decisões judiciais.
Armadas, promover seus oficiais-generais e nomeá- Parágrafo único. Esses crimes serão definidos em lei
los para os cargos que lhes são privativos; especial, que estabelecerá as normas de processo e
XIV - nomear, após aprovação pelo Senado Federal, julgamento.
os Ministros do Supremo Tribunal Federal e dos Art. 86. Admitida a acusação contra o Presidente da
Tribunais Superiores, os Governadores de Territórios, República, por dois terços da Câmara dos Deputados,
o Procurador-Geral da República, será ele submetido a julgamento perante o Supremo
o presidente e os diretores do Banco Central e outros Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou
servidores, quando determinado em lei; perante o Senado Federal, nos crimes de
XV - nomear, observado o disposto no art. 73, os responsabilidade.
ministros do Tribunal de Contas da União; § 1º O Presidente ficará suspenso de suas funções:
XVI - nomear os magistrados, nos casos previstos I - nas infrações penais comuns, se recebida a
nesta Constituição, e o Advogado-Geral da União; denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal
XVII - nomear membros do Conselho da República, Federal;
nos termos do art. 89, VII; II - nos crimes de responsabilidade, após a
XVIII - convocar e presidir o Conselho da República instauração do processo pelo Senado Federal.
e o Conselho de Defesa Nacional; § 2º Se, decorrido o prazo de cento e oitenta dias, o
XIX - declarar guerra, no caso de agressão julgamento não estiver concluído, cessará o
estrangeira, autorizado pelo Congresso Nacional ou afastamento do Presidente, sem prejuízo do regular
referendado por ele, quando ocorrida no intervalo das prosseguimento do processo.
sessões legislativas, e, nas mesmas condições, § 3º Enquanto não sobrevier sentença condenatória,
decretar, total ou parcialmente, a mobilização nas infrações comuns, o Presidente da República não
nacional; estará sujeito a prisão.
XX - celebrar a paz, autorizado ou com o referendo § 4º O Presidente da República, na vigência de seu
do Congresso Nacional; mandato, não pode ser responsabilizado por atos
XXI - conferir condecorações e distinções estranhos ao exercício de suas funções.
honoríficas;
XXII - permitir, nos casos previstos em lei
Seção IV - Dos Ministros de Estado
complementar, que forças estrangeiras transitem pelo
território nacional ou nele permaneçam
Art. 87. Os Ministros de Estado serão escolhidos
temporariamente;
dentre brasileiros maiores de vinte e um anos e no
XXIII - enviar ao Congresso Nacional o plano
exercício dos direitos políticos.
plurianual, o projeto de lei de diretrizes orçamentárias
Parágrafo único. Compete ao Ministro de Estado,
e as propostas de orçamento previstas nesta
além de outras atribuições estabelecidas nesta
Constituição;
Constituição e na lei:
XXIV - prestar, anualmente, ao Congresso Nacional,
I - exercer a orientação, coordenação e supervisão dos
dentro de sessenta dias após a abertura da sessão
órgãos e entidades da administração federal na área
legislativa, as contas referentes ao exercício anterior;
de sua competência e referendar os atos e decretos
XXV - prover e extinguir os cargos públicos federais,
assinados pelo Presidente da República;
na forma da lei;
II - expedir instruções para a execução das leis,
XXVI - editar medidas provisórias com força de lei,
decretos e regulamentos;
nos termos do art. 62;
III - apresentar ao Presidente da República relatório
XXVII - exercer outras atribuições previstas nesta
anual de sua gestão no Ministério;
Constituição.
Parágrafo único. O Presidente da República poderá
delegar as atribuições mencionadas nos incisos VI,
Secretaria Municipal de Educação 10

IV - praticar os atos pertinentes às atribuições que lhe com a preservação e a exploração dos recursos
forem outorgadas ou delegadas pelo Presidente da naturais de qualquer tipo;
República. IV - estudar, propor e acompanhar o desenvolvimento
Art. 88. A lei disporá sobre a criação, estruturação e de iniciativas necessárias a garantir a independência
atribuições dos Ministérios. nacional e a defesa do Estado democrático.
§ 2º A lei regulará a organização e o funcionamento
Seção V - Do Conselho da República e do do Conselho de Defesa Nacional.
Conselho de
Defesa Nacional Título VIII - Da Ordem Social
Subseção I - Do Conselho da República Capítulo I - Disposição Geral

Art. 89. O Conselho da República é órgão superior Art. 193. A ordem social tem como base o primado
de consulta do Presidente da República, e dele do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça
participam: sociais.
I - o Vice-Presidente da República;
II - o Presidente da Câmara dos Deputados; Capítulo II - Da Seguridade Social
III - o Presidente do Senado Federal; Seção I - Disposições Gerais
IV - os líderes da maioria e da minoria na Câmara dos
Deputados;
Art. 194. A seguridade social compreende um
V - os líderes da maioria e da minoria no Senado
conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes
Federal;
públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os
VI - o Ministro da Justiça;
direitos relativos à saúde, à previdência e
VII - seis cidadãos brasileiros natos, com mais de
à assistência social.
trinta e cinco anos de idade, sendo dois nomeados
Parágrafo único. Compete ao poder público, nos
pelo Presidente da República,
termos da lei, organizar a seguridade social, com base
dois eleitos pelo Senado Federal e dois eleitos pela
nos seguintes objetivos:
Câmara dos Deputados, todos com mandato de três
I - universalidade da cobertura e do atendimento;
anos, vedada a recondução.
II - uniformidade e equivalência dos benefícios e
Art. 90. Compete ao Conselho da República
serviços às populações urbanas e rurais;
pronunciar-se sobre:
III - seletividade e distributividade na prestação dos
I - intervenção federal, estado de defesa e estado de
benefícios e serviços;
sítio;
IV - irredutibilidade do valor dos benefícios;
II - as questões relevantes para a estabilidade das
V - equidade na forma de participação no custeio;
instituições democráticas.
VI - diversidade da base de financiamento;
§ 1º O Presidente da República poderá convocar
VII - caráter democrático e descentralizado da gestão
Ministro de Estado para participar da reunião do
administrativa, com a participação da comunidade,
Conselho, quando constar da pauta questão
em especial de trabalhadores, empresários e
relacionada com o respectivo Ministério.
aposentados.
§ 2º A lei regulará a organização e o funcionamento
Art. 195. A seguridade social será financiada por
do Conselho da República.
toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos
termos da lei, mediante recursos provenientes dos
Subseção II - Do Conselho de Defesa orçamentos da União, dos Estados, do Distrito
Nacional Federal e dos Municípios, e das seguintes
contribuições sociais:
Art. 91. O Conselho de Defesa Nacional é órgão de I - dos empregadores, incidente sobre a folha de
consulta do Presidente da República nos assuntos salários, o faturamento e o lucro;
relacionados com a soberania nacional e a defesa do II - dos trabalhadores;
Estado democrático, e dele participam como III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
membros natos: § 1º As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos
I - o Vice-Presidente da República; Municípios destinadas à seguridade social constarão
II - o Presidente da Câmara dos Deputados; dos respectivos orçamentos, não integrando o
III - o Presidente do Senado Federal; orçamento da União.
IV - o Ministro da Justiça; § 2º A proposta de orçamento da seguridade social
V - os Ministros militares; será elaborada de forma integrada pelos órgãos
VI - o Ministro das Relações Exteriores; responsáveis pela saúde, previdência social e
VII - o Ministro do Planejamento. assistência social, tendo em vista as metas e
§ 1º Compete ao Conselho de Defesa Nacional: prioridades estabelecidas na lei de diretrizes
I - opinar nas hipóteses de declaração de guerra e de orçamentárias, assegurada a cada área a gestão de
celebração da paz, nos termos desta Constituição; seus recursos.
II - opinar sobre a decretação do estado de defesa, do § 3º A pessoa jurídica em débito com o sistema da
estado de sítio e da intervenção federal; seguridade social, como estabelecido em lei, não
III - propor os critérios e condições de utilização de poderá contratar com o poder público nem dele
áreas indispensáveis à segurança do território receber benefícios ou incentivos fiscais ou
nacional e opinar sobre seu efetivo uso, creditícios.
especialmente na faixa de fronteira e nas relacionadas
Secretaria Municipal de Educação 11

§ 4º A lei poderá instituir outras fontes destinadas a IV - gratuidade do ensino público em


garantir a manutenção ou expansão da seguridade estabelecimentos oficiais;
social, obedecido o disposto no art. 154, I. V - valorização dos profissionais do ensino,
§ 5º Nenhum benefício ou serviço da seguridade garantido, na forma da lei, plano de carreira para o
social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a magistério público, com piso salarial profissional e
correspondente fonte de custeio total. ingresso exclusivamente por concurso público de
§ 6º As contribuições sociais de que trata este artigo provas e títulos, assegurado regime jurídico único
só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias para todas as instituições mantidas pela União;
da data da publicação da lei que as houver instituído VI - gestão democrática do ensino público, na forma
ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no da lei;
art. 150, III, b. VII - garantia de padrão de qualidade.
§ 7º São isentas de contribuição para a seguridade Art. 207. As universidades gozam de autonomia
social as entidades beneficentes de assistência social didático científica, administrativa e de gestão
que atendam às exigências estabelecidas em lei. financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de
§ 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário dissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.
rurais, o garimpeiro e o pescador artesanal, bem Art. 208. O dever do Estado com a educação será
como os respectivos cônjuges, que exerçam suas efetivado mediante a garantia de:
atividades em regime de economia familiar, sem I - ensino fundamental, obrigatório e gratuito,
empregados permanentes, contribuirão para a inclusive para os que a ele não tiveram acesso na
seguridade social mediante a aplicação de uma idade própria;
alíquota sobre o resultado da comercialização da II - progressiva extensão da obrigatoriedade e
produção e farão jus aos benefícios nos termos da lei. gratuidade ao ensino médio;
complementar do sistema único de saúde, segundo III - atendimento educacional especializado aos
diretrizes deste, mediante contrato de direito público portadores de deficiência, preferencialmente na rede
ou convênio, tendo preferência as entidades regular de ensino;
filantrópicas e as sem fins lucrativos. IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças
§ 2º É vedada a destinação de recursos públicos para de zero a seis anos de idade;
auxílios ou subvenções às instituições privadas com V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da
fins lucrativos. pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade
§ 3º É vedada a participação direta ou indireta de de cada um;
empresas ou capitais estrangeiros na assistência à VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às
saúde no País, salvo nos casos previstos em lei. condições do educando;
§ 4º A lei disporá sobre as condições e os requisitos VII - atendimento ao educando, no ensino
que facilitem a remoção de órgãos, tecidos e fundamental, através de programas suplementares de
substâncias humanas para fins de transplante, material didático-escolar, transporte, alimentação e
pesquisa e tratamento, bem como a coleta, assistência à saúde.
processamento e transfusão de sangue e seus § 1º O acesso ao ensino obrigatório e gratuito é
derivados, sendo vedado todo tipo de direito público subjetivo.
comercialização. § 2º O não-oferecimento do ensino obrigatório pelo
transporte, guarda e utilização de substâncias e poder público, ou sua oferta irregular, importa
produtos responsabilidade da autoridade competente.
psicoativos, tóxicos e radioativos; § 3º Compete ao poder público recensear os
VIII - colaborar na proteção do meio ambiente, nele educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a
compreendido o do trabalho. chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela
lei. frequência à escola.
Art. 209. O ensino é livre à iniciativa privada,
Capítulo III - Da Educação, da Cultura e do atendidas as seguintes condições:
Desporto I - cumprimento das normas gerais da educação
Seção I - Da Educação nacional;
II - autorização e avaliação de qualidade pelo poder
público.
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do
Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o
Estado e da família, será promovida e incentivada
ensino fundamental, de maneira a assegurar formação
com a colaboração da sociedade, visando ao pleno
básica comum e respeito aos valores culturais e
desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o
artísticos, nacionais e regionais.
exercício da cidadania e sua qualificação para o
§ 1º O ensino religioso, de matrícula facultativa,
trabalho.
constituirá disciplina dos horários normais das
Art. 206. O ensino será ministrado com base nos
escolas públicas de ensino fundamental.
seguintes princípios:
§ 2º O ensino fundamental regular será ministrado em
I - igualdade de condições para o acesso e
língua portuguesa, assegurada às comunidades
permanência na escola;
indígenas também a utilização de suas línguas
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e
maternas e processos próprios de aprendizagem.
divulgar o pensamento, a arte e o saber;
Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os
III - pluralismo de ideias e de concepções
Municípios organizarão em regime de colaboração
pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e
seus sistemas de ensino.
privadas de ensino;
Secretaria Municipal de Educação 12

§ 1º A União organizará e financiará o sistema I - erradicação do analfabetismo;


federal de ensino e o dos Territórios, e prestará II - universalização do atendimento escolar;
assistência técnica e financeira aos Estados, ao III - melhoria da qualidade do ensino;
Distrito Federal e aos Municípios para o IV - formação para o trabalho;
desenvolvimento de seus sistemas de ensino e o V - promoção humanística, científica e tecnológica
atendimento prioritário à escolaridade obrigatória. do País.
§ 2º Os Municípios atuarão prioritariamente no Seção II - Da Cultura
ensino fundamental e pré-escolar.
Art. 212. A União aplicará, anualmente, nunca Art. 215. O Estado garantirá a todos o pleno
menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da
os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização
receita resultante de impostos, compreendida e a difusão das manifestações culturais.
a proveniente de transferências, na manutenção e § 1º O Estado protegerá as manifestações das culturas
desenvolvimento do ensino. populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de
§ 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida outros grupos participantes do processo civilizatório
pela União aos Estados, ao Distrito Federal e aos nacional.
Municípios, ou pelos Estados aos respectivos § 2º A lei disporá sobre a fixação de datas
Municípios, não é considerada, para efeito do comemorativas de alta significação para os diferentes
cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a segmentos étnicos nacionais.
transferir. Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro
§ 2º Para efeito do cumprimento do disposto no caput os bens de natureza material e imaterial, tomados
deste artigo, serão considerados os sistemas de ensino individualmente ou em conjunto, portadores de
federal, estadual e municipal e os recursos aplicados referência à identidade, à ação, à memória
na forma do art. 213. dos diferentes grupos formadores da sociedade
§ 3º A distribuição dos recursos públicos assegurará brasileira, nos quais se incluem:
prioridade ao atendimento das necessidades do ensino I - as formas de expressão;
obrigatório, nos termos do plano nacional de II - os modos de criar, fazer e viver;
educação. III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas;
§ 4º Os programas suplementares de alimentação e IV - as obras, objetos, documentos, edificações e
assistência à saúde previstos no art. 208, VII, serão demais espaços destinados às manifestações artístico-
financiados com recursos provenientes de culturais;
contribuições sociais e outros recursos V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico,
orçamentários. paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico,
§ 5º O ensino fundamental público terá como fonte ecológico e científico.
adicional de financiamento a contribuição social do § 1º O poder público, com a colaboração da
salário-educação, recolhida, na forma da lei, pelas comunidade, promoverá e protegerá o patrimônio
empresas, que dela poderão deduzir a aplicação cultural brasileiro, por meio de inventários, registros,
realizada no ensino fundamental de seus empregados vigilância, tombamento e desapropriação, e
e dependentes. de outras formas de acautelamento e preservação.
Art. 213. Os recursos públicos serão destinados às § 2º Cabem à administração pública, na forma da lei,
escolas públicas, podendo ser dirigidos a escolas a gestão da documentação governamental e as
comunitárias, confessionais ou filantrópicas, providências para franquear sua consulta a quantos
definidas em lei, que: dela necessitem.
I - comprovem finalidade não lucrativa e apliquem § 3º A lei estabelecerá incentivos para a produção e o
seus excedentes financeiros em educação; conhecimento de bens e valores culturais.
II - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra § 4º Os danos e ameaças ao patrimônio cultural serão
escola comunitária, filantrópica ou confessional, ou punidos, na forma da lei.
ao poder público, no caso de encerramento de suas § 5º Ficam tombados todos os documentos e os sítios
atividades. detentores de reminiscências históricas dos antigos
§ 1º Os recursos de que trata este artigo poderão ser quilombos.
destinados a bolsas de estudo para o ensino
fundamental e médio, na forma da Seção III - Do Desporto
lei, para os que demonstrarem insuficiência de
recursos, quando houver falta de vagas e cursos Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas
regulares da rede pública na localidade da residência desportivas formais e não formais, como direito de
do educando, ficando o poder público cada um, observados:
obrigado a investir prioritariamente na expansão de I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e
sua rede na localidade. associações, quanto a sua organização e
§ 2º As atividades universitárias de pesquisa e funcionamento;
extensão poderão receber apoio financeiro do poder II - a destinação de recursos públicos para a
público. promoção prioritária do desporto educacional e, em
Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de casos específicos, para a do desporto de alto
educação, de duração plurianual, visando à rendimento;
articulação e ao desenvolvimento do III - o tratamento diferenciado para o desporto
ensino em seus diversos níveis e à integração das profissional e o não profissional;
ações do poder público que conduzam à:
Secretaria Municipal de Educação 13

IV - a proteção e o incentivo às manifestações II - estabelecer os meios legais que garantam à pessoa


desportivas de criação nacional. e à família a possibilidade de se defenderem de
§ 1º O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à programas ou programações de rádio e televisão que
disciplina e às competições desportivas após contrariem o disposto no art. 221, bem como da
esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, propaganda de produtos, práticas e serviços que
regulada em lei. possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.
§ 2º A justiça desportiva terá o prazo máximo de § 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas
sessenta dias, contados da instauração do processo, alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias
para proferir decisão final. estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso
§ 3º O poder público incentivará o lazer, como forma II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que
de promoção social. necessário, advertência sobre os malefícios
decorrentes de seu uso.
Capítulo IV - Da Ciência e Tecnologia § 5º Os meios de comunicação social não podem,
direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou
Art. 218. O Estado promoverá e incentivará o oligopólio.
desenvolvimento científico, a pesquisa e a § 6º A publicação de veículo impresso de
capacitação tecnológicas. comunicação independe de licença de autoridade.
§ 1º A pesquisa científica básica receberá tratamento Art. 221. A produção e a programação das emissoras
prioritário do Estado, tendo em vista o bem público e de rádio e televisão atenderão aos seguintes
o progresso das ciências. princípios:
§ 2º A pesquisa tecnológica voltar-se-á I - preferência a finalidades educativas, artísticas,
preponderantemente para a solução dos problemas culturais e informativas;
brasileiros e para o desenvolvimento do II - promoção da cultura nacional e regional e
sistema produtivo nacional e regional. estímulo à produção independente que objetive sua
§ 3º O Estado apoiará a formação de recursos divulgação;
humanos nas áreas de ciência, pesquisa e tecnologia, III - regionalização da produção cultural, artística e
e concederá aos que delas se ocupem meios e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em
condições especiais de trabalho. lei;
§ 4º A lei apoiará e estimulará as empresas que IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e
invistam em pesquisa, criação de tecnologia adequada da família.
ao País, formação e aperfeiçoamento de seus recursos Art. 222. A propriedade de empresa jornalística e de
humanos e que pratiquem sistemas de remuneração radiodifusão sonora e de sons e imagens é privativa
que assegurem ao empregado, desvinculada do de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez
salário, participação nos ganhos econômicos anos, aos quais caberá a responsabilidade por sua
resultantes da produtividade de seu trabalho. administração e orientação intelectual.
§ 5º É facultado aos Estados e ao Distrito Federal § 1º É vedada a participação de pessoa jurídica no
vincular parcela de sua receita orçamentária a capital social de empresa jornalística ou de
entidades públicas de fomento ao ensino e à pesquisa radiodifusão, exceto a de partido político e de
científica e tecnológica. sociedades cujo capital pertença exclusiva e
Art. 219. O mercado interno integra o patrimônio nominalmente a brasileiros.
nacional e será incentivado de modo a viabilizar o § 2º A participação referida no parágrafo anterior só
desenvolvimento cultural e socioeconômico, o bem- se efetuará através de capital sem direito a voto e não
estar da população e a autonomia tecnológica do País, poderá exceder a trinta por cento do capital social.
nos termos de lei federal. Art. 223. Compete ao Poder Executivo outorgar e
renovar concessão, permissão e autorização para o
Capítulo V - Da Comunicação Social serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens,
observado o princípio da complementaridade dos
Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a sistemas privado, público e estatal.
expressão e a informação, sob qualquer forma, § 1º O Congresso Nacional apreciará o ato no prazo
processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição, do art. 64, §§ 2º e 4º, a contar do recebimento da
observado o disposto nesta Constituição. mensagem.
§ 1º Nenhuma lei conterá dispositivo que possa § 2º A não-renovação da concessão ou permissão
constituir embaraço à plena liberdade de informação dependerá de aprovação de, no mínimo, dois quintos
jornalística em qualquer veículo de comunicação do Congresso Nacional, em votação nominal.
social, observado o disposto no art. 5º, IV,V, X, XIII § 3º O ato de outorga ou renovação somente
e XIV. produzirá efeitos legais após deliberação do
§ 2º É vedada toda e qualquer censura de natureza Congresso Nacional, na forma dos parágrafos
política, ideológica e artística. anteriores.
§ 3º Compete à lei federal: § 4º O cancelamento da concessão ou permissão,
I - regular as diversões e espetáculos públicos, antes de vencido o prazo, depende de decisão
cabendo ao poder público informar sobre a natureza judicial.
deles, as faixas etárias a que não se recomendem, § 5º O prazo da concessão ou permissão será de dez
locais e horários em que sua apresentação se anos para as emissoras de rádio e de quinze para as de
mostre inadequada; televisão.
Secretaria Municipal de Educação 14

Art. 224. Para os efeitos do disposto neste Capítulo, § 6º As usinas que operem com reator nuclear
o Congresso Nacional instituirá, como órgão auxiliar, deverão ter sua localização definida em lei federal,
o Conselho de Comunicação Social, na forma da lei. sem o que não poderão ser instaladas.

Capítulo VI - Do Meio Ambiente Capítulo VII - Da Família, da Criança, do


Adolescente e
Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente do Idoso
ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do
povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo- Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial
se ao poder público e à coletividade o dever de proteção do Estado.
defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras § 1º O casamento é civil e gratuita a celebração.
gerações. § 2º O casamento religioso tem efeito civil, nos
§ 1º Para assegurar a efetividade desse direito, termos da lei.
incumbe ao poder público: § 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida
I - preservar e restaurar os processos ecológicos a união estável entre o homem e a mulher como
essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e entidade familiar, devendo a lei facilitar sua
ecossistemas; conversão em casamento.
II - preservar a diversidade e a integridade do § 4º Entende-se, também, como entidade familiar a
patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades comunidade formada por qualquer dos pais e seus
dedicadas à pesquisa e manipulação de material descendentes.
genético; § 5º Os direitos e deveres referentes à sociedade
III - definir, em todas as unidades da Federação, conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela
espaços territoriais e seus componentes a serem mulher.
especialmente protegidos, sendo a alteração e a § 6º O casamento civil pode ser dissolvido pelo
supressão permitidas somente através de lei, divórcio, após prévia separação judicial por mais de
vedada qualquer utilização que comprometa a um ano nos casos expressos em lei, ou comprovada
integridade dos atributos que justifiquem sua separação de fato por mais de dois anos.
proteção; § 7º Fundado nos princípios da dignidade da pessoa
IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra humana e da paternidade responsável, o planejamento
ou atividade potencialmente causadora de familiar é livre decisão do casal, competindo ao
significativa degradação do meio ambiente, estudo Estado propiciar recursos educacionais e
prévio de impacto ambiental, a que se dará científicos para o exercício desse direito, vedada
publicidade; qualquer forma coercitiva por parte de instituições
V - controlar a produção, a comercialização e o oficiais ou privadas.
emprego de técnicas, métodos e substâncias que § 8º O Estado assegurará a assistência à família na
comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o pessoa de cada um dos que a integram, criando
meio ambiente; mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas
VI - promover a educação ambiental em todos os relações.
níveis de ensino e a conscientização pública para a Art. 227. É dever da família, da sociedade e do
preservação do meio ambiente; Estado assegurar à criança e ao adolescente, com
VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da absoluta prioridade, o direito à vida,
lei, as práticas que coloquem em risco sua função à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à
ecológica, provoquem a extinção de espécies ou profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito,
submetam os animais a crueldade. à liberdade e à convivência familiar e comunitária,
§ 2º Aquele que explorar recursos minerais fica além de colocá-los a salvo de toda forma de
obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, de negligência, discriminação, exploração, violência,
acordo com solução técnica exigida pelo órgão crueldade e opressão.
público competente, na forma da lei. § 1º O Estado promoverá programas de assistência
§ 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao integral à saúde da criança e do adolescente, admitida
meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas a participação de entidades não governamentais e
ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, obedecendo aos seguintes preceitos:
independentemente da obrigação de reparar os danos I - aplicação de percentual dos recursos públicos
causados. destinados à saúde na assistência materno-infantil;
§ 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata II - criação de programas de prevenção e atendimento
Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense especializado para os portadores de deficiência física,
e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua sensorial ou mental, bem como de integração social
utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de do adolescente portador de deficiência, mediante o
condições que assegurem a preservação do meio treinamento para o trabalho e a convivência, e a
ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos facilitação do acesso aos bens e serviços coletivos,
naturais. com a eliminação de preconceitos e obstáculos
§ 5º São indisponíveis as terras devolutas ou arquitetônicos.
arrecadadas pelos Estados, por ações § 2º A lei disporá sobre normas de construção dos
discriminatórias, necessárias à proteção dos logradouros e dos edifícios de uso público e de
ecossistemas naturais. fabricação de veículos de transporte coletivo, a fim de
Secretaria Municipal de Educação 15

garantir acesso adequado às pessoas portadoras de convivência humana, no trabalho, nas


deficiência.
§ 3º O direito a proteção especial abrangerá os instituições de ensino e pesquisa, nos
seguintes aspectos: movimentos sociais e organizações da
I - idade mínima de quatorze anos para admissão ao sociedade civil e nas manifestações
trabalho, observado o disposto no art. 7º, XXXIII;
II - garantia de direitos previdenciários e trabalhistas; culturais.
III - garantia de acesso do trabalhador adolescente à §1º Esta Lei disciplina a educação
escola; escolar, que se desenvolve,
IV - garantia de pleno e formal conhecimento da
atribuição de ato infracional, igualdade na relação predominantemente, por
processual e defesa técnica por profissional meio do ensino, em instituições
habilitado, segundo dispuser a legislação tutelar culturais.
específica;
V - obediência aos princípios de brevidade, §2º A educação escolar deverá vincular-
excepcionalidade e respeito à condição peculiar de se ao mundo do trabalho e à prática
pessoa em desenvolvimento, quando da aplicação de social.
qualquer medida privativa da liberdade;
VI - estímulo do poder público, através de assistência TÍTULO II
jurídica, incentivos fiscais e subsídios, nos termos da DOS PRINCÍPIOS E FINS DA
lei, ao acolhimento, sob a forma de guarda, de criança EDUCAÇÃO NACIONAL
ou adolescente órfão ou abandonado;
VII - programas de prevenção e atendimento
especializado à criança e ao adolescente dependente Art. 2º . A educação, dever da família e
de entorpecentes e drogas afins. do Estado, inspirada nos princípios de
§ 4º A lei punirá severamente o abuso, a violência e a
exploração sexual da criança e do adolescente. liberdade e nos ideais de solidariedade
§ 5º A adoção será assistida pelo poder público, na humana, tem por finalidade o pleno
forma da lei, que estabelecerá casos e condições de desenvolvimento do educando, seu
sua efetivação por parte de estrangeiros.
§ 6º Os filhos, havidos ou não da relação do preparo para o exercício da cidadania e
casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e sua qualificação para o trabalho.
qualificações, proibidas quaisquer designações Art. 3º . O ensino será ministrado com
discriminatórias relativas à filiação.
§ 7º No atendimento dos direitos da criança e do base nos seguintes princípios:
adolescente levarse- á em consideração o disposto no I- igualdade de condições para o acesso
art. 204. e permanência na escola;
Art. 228. São penalmente inimputáveis os menores
de dezoito anos, sujeitos às normas da legislação II- liberdade de aprender, ensinar,
especial. pesquisar e divulgar a cultura, o
Art. 229. Os pais têm o dever de assistir, criar e pensamento, a arte e o saber;
educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o
dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência III - pluralismo de ideias e de
ou enfermidade. concepções pedagógicas;
Art. 230. A família, a sociedade e o Estado têm o IV - respeito à liberdade e apreço à
dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua
participação na comunidade, defendendo sua tolerância;
dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à V - coexistência de instituições públicas
vida. e privadas de ensino;
§ 1º Os programas de amparo aos idosos serão
executados preferencialmente em seus lares. VI - gratuidade do ensino público em
§ 2º Aos maiores de sessenta e cinco anos é garantida estabelecimentos oficiais;
a gratuidade dos transportes coletivos urbanos. VII - valorização do profissional da
educação escolar;
LEI Nº 9.394 de 20 de dezembro de VIII - gestão democrática do ensino
1996 público, na forma desta Lei e da
TÍTULO I legislação dos sistemas de ensino;
DA EDUCAÇÃO IX - garantia de padrão de qualidade;
Art. 1º . A educação abrange os X - valorização da experiência
processos formativos que se extraescolar;
desenvolvem na vida familiar, na XI - vinculação entre a educação
escolar, o trabalho e as práticas sociais.
Secretaria Municipal de Educação 16

Art. 5º . O acesso ao ensino


TÍTULO III fundamental é direito público subjetivo,
DO DIREITO À EDUCAÇÃO E DO podendo qualquer cidadão, grupo de
DEVER DE EDUCAR cidadãos, associação comunitária,
Art. 4º . O dever do Estado com organização sindical, entidade de
educação escolar pública será efetivado classe ou outra legalmente constituída, e
mediante a garantia de: ainda, o Ministério Público, acionar o
I – ensino fundamental, obrigatório e Poder Público para exigi-lo.
gratuito, inclusive para os que a ele não §1º Compete aos Estados e aos
tiveram acesso na idade própria; Municípios, em regime de colaboração,
II – progressiva extensão da e com a assistência da União:
obrigatoriedade e gratuidade ao ensino I – recensear a população em idade
médio; escolar para o ensino fundamental, e os
III – atendimento educacional jovens e adultos que a ele não tiveram
especializado gratuito aos educandos acesso;
com necessidades especiais, II – fazer-lhes a chamada pública;
preferencialmente na rede regular de III – zelar, junto aos pais ou
ensino; responsáveis, pela frequência à escola.
IV – atendimento gratuito em creches e §2º Em todas as esferas administrativas,
pré-escolas às crianças de zero a seis o Poder Público assegurará em primeiro
anos de idade; lugar, o acesso ao ensino obrigatório,
V – acesso aos níveis mais elevados do nos termos deste artigo, contemplando
ensino, da pesquisa e da criação em seguida os demais níveis e
artística, segundo a capacidade de cada modalidades de ensino, conforme as
um; prioridades constitucionais e legais.
VI – oferta de ensino noturno regular, §3º Qualquer das partes mencionadas no
adequado às necessidades e caput deste artigo tem legitimidade para
disponibilidades, garantindo-se aos que peticionar no Poder Judiciário, na
forem trabalhadores as condições de hipótese do §2º do art. 208 da
acesso e permanência na escola; Constituição Federal, sendo gratuita e
VII – oferta de educação escolar regular de rito sumário a ação judicial
para jovens e adultos, com correspondente.
características e modalidades adequadas §4º Comprovada a negligência da
às suas necessidades e disponibilidades, autoridade competente para garantir o
garantindo-se aos que forem oferecimento do ensino obrigatório,
trabalhadores as condições de acesso e poderá ela ser imputada por crime de
permanência na escola; responsabilidade.
VIII – atendimento ao educando, no §5º Para garantir o cumprimento da
ensino fundamental público, por meio obrigatoriedade de ensino, o Poder
de programas suplementares de material Público criará formas alternativas de
didático-escolar, transporte, alimentação acesso aos diferentes níveis de ensino,
e assistência à saúde; independentemente da escolarização
IX – padrões mínimos de qualidade de anterior.
ensino, definidos como a variedade e Art. 6º. É dever dos pais ou
quantidades mínimas, por aluno, de responsáveis efetuar a matrícula dos
insumos indispensáveis ao menores, a partir dos sete anos de idade,
desenvolvimento do processo de no ensino fundamental.
ensino-aprendizagem.
Secretaria Municipal de Educação 17

Art. 7º. O ensino é livre à iniciativa competências e diretrizes para a


privada, atendidas as seguintes educação infantil, o ensino fundamental
condições: e o ensino médio, que nortearão os
I – cumprimento das normas gerais da currículos e seus conteúdos mínimos, de
educação nacional e do respectivo modo a assegurar formação básica
sistema de ensino; comum;
II – autorização de funcionamento e V – coletar, analisar e disseminar
avaliação de qualidade pelo Poder informações sobre a educação;
Público; VI – assegurar processo nacional de
III – capacidade de autofinanciamento, avaliação do rendimento escolar no
ressalvado o previsto no art. 213 da ensino fundamental, médio e superior,
Constituição Federal. em colaboração com os sistemas de
TÍTULO IV ensino, objetivando a definição de
DA ORGANIZAÇÃO DA prioridades e a melhoria da qualidade
EDUCAÇÃO NACIONAL do ensino;
VII – baixar normas gerais sobre cursos
Art. 8º. A União, os Estados, o Distrito de graduação e pós-graduação;
Federal e os Municípios organizarão, VIII – assegurar processo nacional de
em regime de colaboração, os avaliação das instituições de educação
respectivos sistemas de ensino. superior, com a cooperação dos
§1º Caberá à União a coordenação da sistemas que tiverem responsabilidade
política nacional de educação, sobre este nível de ensino.
articulando os diferentes níveis e IX – autorizar, reconhecer, credenciar,
sistemas e exercendo função normativa, supervisionar e avaliar, espectivamente,
redistributiva e supletiva em os cursos das instituições de educação
relação às demais instâncias superior e os estabelecimentos do seu
educacionais. sistema de ensino.
§2º Os sistemas de ensino terão §1º Na estrutura educacional, haverá um
liberdade de organização nos termos Conselho Nacional de Educação, com
desta Lei. funções normativas e de supervisão e
Art. 9º. A União incumbir-se-á de: atividade permanente, criado por lei.
I – elaborar o Plano Nacional de §2º Para o cumprimento do disposto nos
Educação, em colaboração com os incisos V a IX, a União terá acesso a
Estados, o Distrito Federal e os todos os dados e informações
Municípios; necessários de todos os
II – organizar, manter e desenvolver os estabelecimentos e órgãos educacionais.
órgãos e instituições oficiais do sistema §3º As atribuições constantes do inciso
federal de ensino e o dos Territórios; IX poderão ser delegadas aos Estados e
III – prestar assistência técnica e ao Distrito Federal, desde que
financeira aos Estados, o Distrito mantenham instituições de educação
Federal e aos Municípios para o superior.
desenvolvimento de seus sistemas de Art. 10. Os Estados incumbir-se-ão de:
ensino e o atendimento I – organizar, manter e desenvolver os
prioritário à escolaridade obrigatória, órgãos e instituições oficiais dos seus
exercendo sua função redistributiva e sistemas de ensino;
supletiva; II – definir, com os Municípios, formas
IV – estabelecer, em colaboração com de colaboração na oferta do ensino
os Estados, o Distrito Federal e os fundamental, as quais devem assegurar
Municípios,
Secretaria Municipal de Educação 18

a distribuição proporcional das acima dos percentuais mínimos


responsabilidades, de acordo vinculados pela Constituição Federal à
com a população a ser atendida e os manutenção e desenvolvimento do
recursos financeiros disponíveis em ensino.
cada uma dessas esferas do Poder Parágrafo Único. Os Municípios
Público; poderão optar, ainda, por se integrar ao
III – elaborar e executar políticas e sistema estadual de ensino ou compor
planos educacionais, em consonância com ele um sistema de educação básica.
com as diretrizes e planos nacionais de Art. 12. Os estabelecimentos de ensino,
educação, integrando e coordenando as respeitadas as normas comuns e as do
suas ações e as dos seus Municípios; seu sistema de ensino, terão a
IV – autorizar, reconhecer, credenciar, incumbência de:
supervisionar e avaliar, espectivamente, I – elaborar e executar sua proposta
os cursos das instituições de educação pedagógica;
superior e os estabelecimentos do seu II – administrar seu pessoal e seus
sistema de ensino; recursos materiais e financeiros;
V – baixar normas complementares para III – assegurar o cumprimento dos dias
o seu sistema de ensino; letivos e horas-aula estabelecidas;
VI – assegurar o ensino fundamental e IV – velar pelo cumprimento do plano
oferecer, com prioridade, o ensino de trabalho de cada docente;
médio. V – prover meios para a recuperação
Parágrafo Único . Ao Distrito Federal dos alunos de menor rendimento; VI –
aplicar-se-ão as competências referentes articular-se
aos Estados e aos Municípios. com as famílias e a comunidade,
Art. 11. Os Municípios incumbir-se-ão criando processos de integração da
de: sociedade com a escola;
I – organizar, manter e desenvolver os VII – informar os pais e responsáveis
órgãos e instituições oficiais dos seus sobre a frequência e o rendimento dos
sistemas de alunos, bem como sobre a execução de
ensino, integrando-os às políticas e sua proposta pedagógica.
planos educacionais da União e dos Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de:
Estados; I – participar da elaboração da proposta
II – exercer ação redistributiva em pedagógica do estabelecimento de
relação às suas escolas; ensino;
III – baixar normas complementares II – elaborar e cumprir plano da
para o seu sistema de ensino; trabalho, segundo a proposta
IV – autorizar, credenciar e pedagógica do estabelecimento de
supervisionar os estabelecimentos do ensino;
seu sistema de ensino; III – zelar pela aprendizagem dos
V – oferecer a educação infantil em alunos;
creches e pré-escolas, e, com prioridade, IV – estabelecer estratégias de
o ensino recuperação para os alunos de menor
fundamental, permitida a atuação em rendimento;
outros níveis de ensino somente quando V – ministrar os dias letivos e horas -
estiverem aula estabelecidos, além de participar
atendidas plenamente as necessidades integralmente dos períodos dedicados
de sua área de competência e com ao planejamento, à avaliação e ao
recursos desenvolvimento profissional;
Secretaria Municipal de Educação 19

VI – colaborar com as atividades de mantidas pela iniciativa privada,


articulação da escola com as famílias e integram seu sistema de ensino.
a comunidade. Art. 18. Os sistemas municipais de
Art. 14. Os sistemas de ensino definirão ensino compreendem:
as normas de gestão democrática do I – as instituições do ensino
ensino público na educação básica, de fundamental, médio e de educação
acordo com as suas peculiaridades e infantil mantidas pelo
conforme os seguintes princípios: Poder Público municipal;
I – participação dos profissionais da II – as instituições de educação infantil
educação na elaboração do projeto criadas e mantidas pela iniciativa
pedagógico da escola; privada;
II – participação das comunidades III – os órgãos municipais de educação.
escolar e local em conselhos escolares Art. 19. As instituições de ensino dos
ou equivalentes. diferentes níveis classificam -se nas
Art. 15. Os sistemas de ensino seguintes
assegurarão às unidades escolares categorias administrativas:
públicas de educação básica que os I – públicas, assim entendidas as criadas
integram progressivos graus de ou incorporadas, mantidas e
autonomia pedagógica e administrativa administradas pelo
e de gestão financeira, observadas as Poder Público;
normas gerais de direito financeiro II – privadas, assim entendidas as
público. mantidas e administradas por pessoas
Art. 16. O sistema federal de ensino físicas ou jurídicas de direito privado.
compreende: Art. 20. As instituições privadas de
I – as instituições de ensino mantidas ensino se enquadrarão nas seguintes
pela União; categorias:
II – as instituições de educação superior I – particulares em sentido restrito,
criadas e mantidas pela iniciativa assim entendidas as que são instituídas e
privada; mantidas
III – os órgãos federais de educação. por uma ou mais pessoas físicas ou
Art. 17. Os sistemas de ensino dos jurídicas de direito privado que não
Estados e do Distrito Federal apresentem as características dos incisos
compreendem: abaixo;
I – as instituições de ensino mantidas, II – comunitárias, assim entendidas as
respectivamente, pelo Poder Público que são instituídas por grupos de
estadual e pessoas físicas ou por uma ou mais
pelo Distrito Federal; pessoas jurídicas, inclusive cooperativas
II – as instituições de educação superior de professores e alunos que incluam na
mantidas pelo Poder Público municipal; sua entidade mantenedora
III – as instituições de ensino representantes da comunidade;
fundamental e médio criadas e mantidas III – confessionais, assim entendidas as
pela iniciativa que são instituídas por grupos de
privada; pessoas físicas ou por uma ou mais
IV – os órgãos de educação estaduais e pessoas jurídicas que atendem a
do Distrito Federal, respectivamente. orientação confessional e ideologia
Parágrafo Único. No Distrito Federal, as específicas e ao disposto no inciso
instituições de educação infantil, criadas anterior;
e IV – filantrópicas, na forma da Lei.
Secretaria Municipal de Educação 20

TÍTULO V de acordo com as seguintes regras


DOS NÍVEIS E DAS comuns:
MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E I – a carga horária mínima anual será de
ENSINO oitocentas horas, distribuídas por um
CAPÍTULO I mínimo de duzentos dias de efetivo
DA COMPOSIÇÃO DOS NÍVEIS trabalho escolar, excluído o tempo
ESCOLARES reservado aos exames finais,
Art. 21. A educação escolar compõe-se quando houver;
de: II – a classificação em qualquer série ou
I – a educação básica, formada pela etapa, exceto a primeira do ensino
educação infantil, ensino fundamental e fundamental, pode ser feita:
ensino médio; a) por promoção, para alunos que
II – educação superior. cursaram, com aproveitamento, a série
ou fase anterior, na própria escola;
CAPÍTULO II b) por transferência, para candidatos
DA EDUCAÇÃO BÁSICA procedentes de outras escolas;
SEÇÃO I c) independentemente de escolarização
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS anterior, mediante avaliação feita pela
Art. 22. A educação básica tem por escola, que defina o grau de
finalidades desenvolver o educando, desenvolvimento e experiência do
assegurar-lhe a formação comum candidato e permita sua inscrição
indispensável para o exercício da na série ou etapa adequada, conforme
cidadania e fornecer-lhe meios para regulamentação do respectivo sistema
progredir no trabalho e em estudos de ensino;
posteriores. III – nos estabelecimentos que adotam a
Art. 23. A educação básica poderá progressão regular por série, o
organizar-se em séries anuais, períodos regimento escolar pode admitir formas
semestrais, ciclos, alternância regular de de progressão parcial, desde que
períodos de estudos, grupos não- preservada a sequência do currículo,
seriados, com base na idade, na observadas as normas do respectivo
competência e em outros critérios, ou sistema de ensino;
por forma diversa de organização, IV – poderão organizar-se classes, ou
sempre que o interesse do processo de turmas, com alunos de séries distintas,
aprendizagem assim o recomendar. com níveis equivalentes de
§1º. A escola poderá reclassificar os adiantamento na matéria, para o ensino
alunos, inclusive quando se tratar de de línguas estrangeiras, artes, ou
transferências entre estabelecimentos outros componentes curriculares;
situados no País e no exterior, tendo V – a verificação do rendimento escolar
como base as normas curriculares observará os seguintes critérios:
gerais. a) avaliação contínua e cumulativa do
§2º. O calendário escolar deverá desempenho do aluno, com prevalência
adequar-se às peculiaridades l ocais, dos aspectos qualitativos sobre os
inclusive climáticas e econômicas, a quantitativos e dos resultados ao longo
critério do respectivo sistema de ensino, do período sobre os de eventuais provas
sem com isso reduzir o número finais;
de horas letivas previsto nesta Lei. b) possibilidade de aceleração de
Art. 24 . A educação básica, nos níveis estudos para alunos com atraso escolar;
fundamental e médio, será organizada
Secretaria Municipal de Educação 21

c) possibilidade de avanço nos cursos e físico e natural e da realidade social e


nas séries mediante verificação do política, especialmente do Brasil.
aprendizado; §2º O ensino da arte constituirá
d) aproveitamento de estudos componente curricular obrigatório, nos
concluídos com êxito; diversos níveis da educação básica, de
e) obrigatoriedade de estudos de forma a promover o desenvolvimento
recuperação, de preferência paralelos ao cultural dos alunos.
período letivo, para os casos de baixo §3º A educação física, integrada à
rendimento escolar, a serem proposta pedagógica da escola, é
disciplinados pelas instituições de componente
ensino em seus regimentos; curricular da Educação Básica,
VI – o controle de frequência fica a ajustando-se às faixas etárias e às
cargo da escola, conforme o disposto no condições da população escolar, sendo
seu regimento e nas normas do facultativa nos cursos noturnos.
respectivo sistema de ensino, exigida a §4º O ensino da História do Brasil
frequência mínima de setenta e cinco levará em conta as contribuições das
por cento do total de horas letivas para diferentes culturas e etnias para a
aprovação; formação do povo brasileiro,
VII - cabe a cada instituição de ensino especialmente das matrizes
expedir históricos escolares, declarações indígena, africana e europeia.
de conclusão de série e diplomas ou §5º Na parte diversificada do currículo
certificados de conclusão de cursos, será incluído, obrigatoriamente, a partir
com as especificações cabíveis. da quinta série, o ensino de pelo menos
Art.25. Será objetivo permanente das uma língua estrangeira moderna, cuja
autoridades responsáveis alcançar escolha ficará a cargo da comunidade
relação adequada entre o número de escolar, dentro das possibilidades da
alunos e o professor, a carga horária e instituição.
as condições materiais do Art. 27. Os conteúdos curriculares da
estabelecimento. educação básica observarão, ainda, as
Parágrafo Único. Cabe ao respectivo seguintes diretrizes:
sistema de ensino, à vista das condições I – a difusão de valores fundamentais ao
disponíveis e das características interesse social, aos direitos e deveres
regionais e locais, estabelecer parâmetro dos cidadãos, de respeito ao bem
para atendimento do disposto neste comum e à ordem democrática;
artigo. II – consideração das condições de
Art. 26. Os currículos do ensino escolaridade dos alunos em cada
fundamental e médio devem ter uma estabelecimento;
base nacional comum, a ser III – orientação para o trabalho;
complementada, em cada sistema de IV – promoção do desporto educacional
ensino e estabelecimento escolar, por e apoio às práticas desportivas não
uma parte diversificada, exigida pelas formais.
características regionais e locais da Art. 28. Na oferta de educação básica
sociedade, da cultura, da economia e da para a população rural, os sistemas de
clientela. ensino promoverão as adaptações
§1º Os currículos a que se refere o caput necessárias à sua adequação, às
devem abranger, obrigatoriamente, o peculiaridades da vida rural
estudo da língua portuguesa e da e de cada região, especialmente:
matemática, o conhecimento do mundo
Secretaria Municipal de Educação 22

I – conteúdos curriculares e tecnologia, das artes e dos valores em


metodologias apropriadas às reais que se fundamenta a sociedade;
necessidades e interesses III – o desenvolvimento da capacidade
dos alunos da zona rural; de aprendizagem, tendo em vista a
II – organização escolar própria, aquisição de conhecimentos e
incluindo adequação do calendário habilidades e a formação de atitudes e
escolar às fases do ciclo agrícola e às valores;
condições climáticas; IV – o fortalecimento dos vínculos de
III – adequação à natureza do trabalho família, dos laços de solidariedade
na zona rural. humana e de tolerância recíproca em
que se assenta a vida social.
SEÇÃO II §1º É facultado aos sistemas de ensino
DA EDUCAÇÃO INFANTIL desdobrar o ensino fundamental em
ciclos.
Art. 29. A educação infantil, primeira §2º Os estabelecimentos que utilizam
etapa da educação básica, tem como progressão regular por série podem
finalidade o desenvolvimento integral adotar no ensino fundamental o regime
da criança até seis anos de idade, em de progressão continuada, sem prejuízo
seus aspectos físico, psicológico, da avaliação do processo de ensino-
intelectual e social, completando a ação aprendizagem, observadas as normas do
da família e da comunidade. respectivo sistema de ensino.
Art. 30. A educação infantil será §3º O ensino fundamental regular será
oferecida em: I – creches, ou entidades ministrado em língua portuguesa,
equivalentes, para crianças de até três assegurada às comunidades indígenas a
anos de idade; utilização de suas línguas maternas e
II – pré-escolas, para crianças de quatro processos próprios de aprendizagem.
a seis anos de idade. §4º O ensino fundamental será
Art. 31. Na educação infantil a presencial, sendo o ensino a distância
avaliação far-se-á mediante utilizado como complementação da
acompanhamento e registro do aprendizagem ou em situações
seu desenvolvimento, sem o objetivo de emergenciais.
promoção, mesmo para o acesso ao Art. 33. O ensino religioso, de matrícula
ensino fundamental. facultativa, constitui disciplina dos
horários normais das escolas públicas
SEÇÃO III de ensino fundamental, sendo oferecido,
DO ENSINO FUNDAMENTAL sem ônus para os cofres públicos, de
acordo com as preferências
Art. 32. O ensino fundamental, com manifestadas pelos alunos ou por seus
duração mínima de oito anos, responsáveis, em caráter:
obrigatório e gratuito na escola pública, I – confessional, de acordo com a opção
terá por objetivo a formação básica do religiosa do aluno ou do responsável,
cidadão, mediante: ministrado por professores ou
I – o desenvolvimento da capacidade de orientadores religiosos preparados e
aprender, tendo como meios básicos o credenciados pelas respectivas
pleno domínio da leitura, da escrita e do igrejas ou entidades religiosas; ou
cálculo; II – interconfessional, resultante de
II – a compreensão do ambiente natural acordo entre as diversas entidades
e social, do sistema político, da religiosas, que se responsabilizarão pela
elaboração do respectivo programa.
Secretaria Municipal de Educação 23

Art. 34. A jornada escolar no ensino III – professores com especialização


fundamental incluirá pelo menos quatro adequada em nível médio ou superior,
horas de trabalho efetivo em sala de para atendimento especializado, bem
aula, sendo progressivamente ampliado como professores do ensino regular
o período de permanência na escola. capacitados para a integração desses
§1º São ressalvados os casos do ensino educandos nas classes comuns;
noturno e das formas alternativas de IV – educação especial para o trabalho,
organização autorizadas nesta Lei. visando a sua efetiva integração na vida
§2º O ensino fundamental será em sociedade, inclusive condições
ministrado progressivamente em tempo adequadas para os que não revelarem
integral, a critério dos sistemas de capacidade de inserção no trabalho
ensino. competitivo, mediante articulação com
CAPITULO V os órgãos oficiais afins, bem
DA EDUCAÇÃO ESPECIAL como para aqueles que apresentam uma
Art. 58 . Entende-se por educação habilidade superior nas áreas artística,
especial, para os efeitos desta Lei, a intelectual ou psicomotora;
modalidade de educação escolar, V – acesso igualitário aos benefícios
oferecida preferencialmente na rede dos programas sociais suplementares
regular de ensino, para educandos disponíveis para o respectivo nível do
portadores de necessidades especiais. ensino regular.
§1º Haverá, quando necessário, serviços Art. 60 . Os órgãos normativos dos
de apoio especializado, na escola sistemas de ensino estabelecerão
regular, para atender as peculiaridades critérios de caracterização das
da clientela de educação especial. instituições privadas sem fins
§2º O atendimento educacional será lucrativos, especializadas e com atuação
feito em classes, escolas ou serviços exclusiva em educação especial, para
especializados, sempre que, em função fins de apoio técnico e financeiro pelo
das condições específicas dos alunos, Poder público.
não for possível a sua integração nas Parágrafo único. O poder Público
classes comuns do ensino regular. adotará, como alternativa preferencial, a
§3º A oferta da educação especial, dever ampliação do atendimento aos
constitucional do Estado, tem início na educandos com necessidades especiais
faixa etária de zero a seis anos, durante na própria rede pública regular
a educação infantil. de ensino, independentemente do apoio
Art. 59 . Os sistemas de ensino às instituições previstas neste artigo.
assegurarão aos educandos com
necessidades especiais:
I – currículos, métodos, técnicas, LEI N° 010172 , DE 9 DE JANEIRO
recursos educativos e organização DE 2001.
específicos, para atender às suas Aprova o Plano Nacional de Educação e dá
necessidades; outras providências.
Art. 1° Fica aprovado o Plano Nacional de
II – terminalidade específica para Educação, constante do documento anexo, com
aqueles que não puderem atingir o nível duração de dez anos.
Art. 2° A partir da vigência desta Lei, os Estados, o
exigido para a conclusão do ensino Distrito Federal e os Municípios deverão, com base
fundamental, em virtude de suas no Plano Nacional de Educação, elaborar planos
deficiências, e aceleração para decenais correspondentes.
Art. 3° A União, em articulação com os Estados, o
concluir em menor tempo o programa Distrito Federal, os municípios e a sociedade civil,
escolar para os superdotados; procederá a avaliações periódicas da
implementação do Plano Nacional de Educação.
Secretaria Municipal de Educação 24

§ 1° O Poder Legislativo, por intermédio das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº
Comissões de Educação, Cultura e Desporto da 4.024, de 1961. Ele não foi proposto na forma de
Câmara dos Deputados e da Comissão de um projeto de lei, mas apenas como uma iniciativa
Educação do Senado Federal, acompanhará a do Ministério da Educação e Cultura, iniciativa essa
execução do Plano Nacional de Educação. aprovada pelo então Conselho Federal de
§ 2° A primeira avaliação realizar-se-á no quarto Educação. Era basicamente um conjunto de metas
ano de vigência desta Lei, cabendo ao Congresso quantitativas e qualitativas a serem alcançadas
Nacional aprova r as medidas legais decorrentes, num prazo de oito anos. Em 1965, sofreu uma
com vistas à correção de deficiências e distorções. revisão, quando foram introduzidas normas
Art. 4° A União instituirá o Sistema Nacional de descentralizadoras e estimuladoras da elaboração
Avaliação e estabelecerá os mecanismos de planos estaduais. Em 1966, uma nova revisão,
necessários ao acompanhamento das metas que se chamou Plano Complementar de Educação,
constantes do Plano Nacional de Educação. introduziu importantes alterações na distribuição
Art. 5° Os planos plurianuais da União, dos dos recursos federais, beneficiando a implantação
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão de ginásios orientados para o trabalho e o
elaborados de modo a dar suporte às metas atendimento de analfabetos com mais de dez anos.
constantes do Plano Nacional de Educação e dos A ideia de uma lei ressurgiu em 1967, novamente
respectivos planos decenais. proposta pelo Ministério da Educação e Cultura e
Art. 6° Os Poderes da União, dos Estados , do discutida em quatro Encontros Nacionais de
Distrito Federal e dos Municípios empenhar-se-ão Planejamento, sem que a iniciativa chegasse a se
na divulgação deste Plano e da progressiva concretizar.
realização de seus objetivos e metas, para que a Com a Constituição Federal de 1988, cinquenta
sociedade o conheça amplamente e acompanhe anos após a primeira tentativa oficial, ressurgiu a
sua implementação. ideia de um plano nacional de longo prazo, com
I - INTRODUÇÃO força de lei, capaz de conferir estabilidade às
1. HISTÓRICO iniciativas governamentais na área de educação. O
A instalação da República no Brasil e o surgimento art. 214 contempla esta obrigatoriedade.
das primeiras ideias de um plano que tratasse da Por outro lado, a Lei nº 9.394, de 1996 , que
educação para todo o território nacional "estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
aconteceram simultaneamente. À medida que o Nacional", determina nos artigos 9º e 87,
quadro social, político e econômico do início deste respectivamente, que cabe à União, a elaboração
século se desenhava, a educação começava a se do Plano, em colaboração com os Estados, o
impor como condição fundamental para o Distrito Federal e os Municípios, e institui a Década
desenvolvimento do País. Havia grande da Educação. Estabelece ainda, que a
preocupação com a instrução, nos seus diversos União encaminhe o Plano ao Congresso Nacional,
níveis e modalidades . Nas duas primeiras um ano após a publicação da citada lei, com
décadas, as várias reformas educacionais, diretrizes e metas para os dez anos posteriores,
ajudaram no amadurecimento da percepção em sintonia com a Declaração Mundial sobre
coletiva da educação como um problema nacional. Educação para Todos.
Em 1932, um grupo de educadores, 25 homens e Em 10 de fevereiro de 1998, o Deputado Ivan
mulheres da elite intelectual brasileira, lançou um Valente apresentou no Plenário da Câmara dos
manifesto ao povo e ao governo que ficou Deputados o Projeto de Lei nº 4.155, de 1998 que
conhecido como "Manifesto dos Pioneiros da "aprova o Plano Nacional de Educação". A
Educação". Propunham a reconstrução construção deste plano atendeu aos compromissos
educacional, "de grande alcance e de vastas assumidos pelo Fórum Nacional em Defesa da
proporções... um plano com sentido unitário e de Escola Pública, desde sua participação nos
bases científicas..." O documento teve grande trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte,
repercussão e motivou uma campanha que consolidou os trabalhos do I e do II
resultou na inclusão de um artigo específico na Congresso Nacional de Educação - CONED e
Constituição Brasileira de 16 de julho de 1934. O sistematizou contribuições advindas de diferentes
art. 150 declarava ser competência da União "fixar segmentos da sociedade civil. Na justificação,
o plano nacional de educação, compreensivo do destaca o Autor a importância desse documento -
ensino de todos os graus e ramos, comuns e referência que "contempla dimensões e problemas
especializados; e coordenar e fiscalizar a sua sociais, culturais, políticos e educacionais
execução, em todo o território do País". brasileiros, embasado nas lutas
Atribuía, em seu art.152, competência precípua ao e proposições daqueles que defendem uma
Conselho Nacional de Educação, organizado na sociedade mais justa e igualitária".
forma da lei, a elaborar o plano para ser aprovado Em 11 de fevereiro de 1998, o Poder Executivo
pelo Poder Legislativo, sugerindo ao Governo as enviou ao Congresso Nacional a Mensagem
medidas que julgasse necessárias para a melhor 180/98, relativa ao projeto de lei que "Institui o
solução dos problemas educacionais bem como a Plano Nacional de Educação". Iniciou sua
distribuição adequada de fundos especiais". tramitação na Câmara dos Deputados com o
Todas as constituições posteriores, com exceção Projeto de Lei nº 4.173, de 1998, apensado ao PL
da Carta de 37, incorporaram, implícita ou nº 4.155/98, em 13 de março de 1998. Na
explicitamente, a ideia de um Plano Nacional de Exposição de Motivos destaca o Ministro da
Educação. Havia, subjacente, o consenso de que o Educação a concepção do Plano, que teve como
plano devia ser fixado por lei. A ideia prosperou e eixos norteadores, do ponto de vista legal, a
nunca mais foi inteiramente abandonada. Constituição Federal de 1988, a Lei de Diretrizes e
O primeiro Plano Nacional de Educação surgiu em Bases da Educação Nacional, de 1996, e a
1962, elaborado já na vigência da primeira Lei de
Secretaria Municipal de Educação 25

Emenda Constitucional nº 14, de 1995, que operações matemáticas elementares, da evolução


instituiu o Fundo de Manutenção e histórica da sociedade humana, da diversidade do
Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de espaço
Valorização do Magistério. Considerou ainda físico e político mundial e da constituição da
realizações anteriores, principalmente o Plano sociedade brasileira. Envolve, ainda, a formação
Decenal de Educação para Todos, preparado de do cidadão
acordo com as recomendações da reunião responsável e consciente de seus direitos e
organizada pela UNESCO e realizada em Jomtien, deveres.
na Tailândia, em 1993. Além deste, os documentos 3. Ampliação do atendimento nos demais níveis de
resultantes de ampla mobilização regional e ensino - a educação infantil, o ensino médio e a
nacional que foram apresentados pelo educação
Brasil nas conferências da UNESCO constituíram superior. Está prevista a extensão da escolaridade
subsídios igualmente importantes para a obrigatória para crianças de seis anos de idade,
preparação do documento. Várias entidades foram quer na
consultadas pelo MEC, destacando-se o Conselho educação infantil, quer no ensino fundamental, e a
Nacional de Secretários de Educação - CONSED e gradual extensão do acesso ao ensino médio para
a União Nacional dos Dirigentes Municipais de todos
Educação - UNDIME. os jovens que completam o nível anterior, como
Os projetos foram distribuídos às Comissões de também para os jovens e adultos que não
Educação, Cultura e Desporto; de Finanças e cursaram os níveis
Tributação; ede Constituição, Justiça e de de ensino nas idades próprias. Para as demais
Redação. Na primeira, é Relator, o Deputado séries e para os outros níveis, são definidas metas
Nelson Marchezan. de
2. OBJETIVOS E PRIORIDADES ampliação dos percentuais de atendimento da
Em síntese, o Plano tem como objetivos: respectiva faixa etária. A ampliação do
a elevação global do nível de escolaridade da atendimento, neste
população; a melhoria da qualidade do ensino em plano, significa maior acesso, ou seja, garantia
todos os níveis; a redução das desigualdades crescente de vagas e, simultaneamente,
sociais e regionais no tocante ao acesso e à oportunidade de
permanência, com sucesso, na formação que corresponda às necessidades das
educação pública e democratização da gestão do diferentes faixas etárias, assim como, nos níveis
ensino público, nos estabelecimentos oficiais, mais
obedecendo aos princípios da elevados, às necessidades da sociedade, no que
participação dos profissionais da educação na se refere a lideranças científicas e tecnológicas,
elaboração do projeto pedagógico da escola e a artísticas e
participação das comunidades escolar e local em culturais, políticas e intelectuais, empresariais e
conselhos escolares ou equivalentes. sindicais, além das demandas do mercado de
Considerando que os recursos financeiros são trabalho. Faz
limitados e que a capacidade para responder ao parte dessa prioridade a garantia de oportunidades
desafio de oferecer uma educação compatível, na de educação profissional complementar à
extensão e na qualidade, à dos países educação
desenvolvidos precisa ser construída constante e básica, que conduza ao permanente
progressivamente, são estabelecidas prioridades desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva,
neste plano, segundo o dever integrada às
constitucional e as necessidades sociais. diferentes formas de educação, ao trabalho, à
1. Garantia de ensino fundamental obrigatório de ciência e à tecnologia.
oito anos a todas as crianças de 7 a 14 anos, 4. Valorização dos profissionais da educação.
assegurando o seu ingresso e permanência na Particular atenção deverá ser dada à formação
escola e a conclusão desse ensino. Essa inicial e
prioridade inclui o necessário esforço dos sistemas continuada, em especial dos professores. Faz
de ensino para que todas obtenham a formação parte dessa valorização a garantia das condições
mínima para o exercício da cidadania e adequadas
para o usufruto do patrimônio cultural da sociedade de trabalho, entre elas o tempo para estudo e
moderna. 0 processo pedagógico deverá ser preparação das aulas, salário digno, com piso
adequado às necessidades dos alunos e salarial e carreira
corresponder a um ensino socialmente de magistério.
significativo. Prioridade de tempo integral 5. Desenvolvimento de sistemas de informação e
para as crianças das camadas sociais mais de avaliação em todos os níveis e modalidades de
necessitadas. ensino,
2. Garantia de ensino fundamental a todos os que inclusive educação profissional, contemplando
a ele não tiveram acesso na idade própria ou que também o aperfeiçoamento dos processos de
não o concluíram. A erradicação do analfabetismo coleta e difusão
faz parte dessa prioridade, considerando-se a dos dados, como instrumentos indis pensáveis
alfabetização de jovens e adultos como ponto de para a gestão do sistema educacional e melhoria
partida e parte intrínseca desse nível de ensino. A do ensino.
alfabetização dessa população é entendida no Este Plano Nacional de Educação define por
sentido amplo de domínio dos instrumentos conseguinte:
básicos da cultura letrada, das as diretrizes para a gestão e o financiamento da
educação;
Secretaria Municipal de Educação 26

as diretrizes e metas para cada nível e modalidade modalidade normal, dando-se preferência à
de ensino e as diretrizes e metas para a formação admissão de profissionais
e valorização do magistério e demais profissionais graduados em curso específico de nível superior.
da educação, nos próximos dez anos. 7. No prazo máximo de três anos a contar do início
Tratando-se de metas gerais para o conjunto da deste plano, colocar em execução programa de
Nação, será preciso, como desdobramento, formação
adequadação às especificidades locais e definição em serviço, em cada município ou por grupos de
de estratégias adequadas, à cada circunstância, Município, preferencialmente em articulação com
elaboração de planos estaduais e municipais. instituições
de 0 a 6 anos. de ensino superior, com a cooperação técnica e
financeira da União e dos Estados, para a
1.3 Objetivos e Metas1 atualização
1. Ampliar a oferta de educação infantil de forma a permanente e o aprofundamento dos
atender, em cinco anos, a 30% da população de conhecimentos dos profissionais que atuam na
até 3 anos de idade e 60 % da população de 4 a 6 educação infantil, bem
anos (ou 4 e 5 anos) e, até o final da década, como para a formação do pessoal auxiliar.**
alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 8. Assegurar que, em dois anos, todos os
anos e 80% das de 4 a 5 anos. Municípios tenham definido sua política para a
2. Elaborar, no prazo de um ano, padrões mínimos educação infantil,
de infraestrutura para o funcionamento adequado com base nas diretrizes nacionais, nas normas
das instituições de educação infantil (creches e complementares estaduais e nas sugestões dos
pré-escolas) públicas e privadas, que, respeitando referenciais
as diversidades regionais, assegurem o curriculares nacionais.
atendimento das características das distintas faixas 9. Assegurar que, em três anos, todas as
etárias e das necessidades do processo educativo. instituições de educação infantil tenham formulado,
quanto a:1 (*)a iniciativa para cumprimento deste com a
Objetivo/Meta depende da iniciativa da União; participação dos profissionais de educação neles
(**)é exigida a colaboração da União. envolvidos, seus projetos pedagógicos.**
a) espaço interno, com iluminação, insolação, 10. Estabelecer em todos os Municípios, no prazo
ventilação, visão para o espaço externo, rede de três anos, sempre que possível em articulação
elétrica e segurança, água potável, esgotamento com as
sanitário; instituições de ensino superior que tenham
b) instalações sanitárias e para a higiene pessoal experiência na área, um sistema de
das crianças; acompanhamento, controle e
c) instalações para preparo e/ou serviço de supervisão da educação infantil, nos
alimentação; estabelecimentos públicos e privados, visando ao
d) ambiente interno e externo para o apoio técnicopedagógico
desenvolvimento das atividades, conforme as para a melhoria da qualidade e à garantia do
diretrizes curriculares e a metodologia da educação cumprimento dos padrões mínimos estabelecidos
infantil, incluindo o repouso, a expressão livre, o pelas diretrizes nacionais e estaduais.
movimento e o brinquedo; 11. Instituir mecanismos de colaboração entre os
e) mobiliário, equipamentos e materiais setores da educação, saúde e assistência na
pedagógicos; manutenção,
f) adequação às características das crianças expansão, administração, controle e avaliação das
especiais. instituições de atendimento das crianças de 0 a 3
3. A partir do segundo ano deste plano, somente anos de
autorizar construção e funcionamento de idade.**
instituições de educação infantil, públicas ou 12. Garantir a alimentação escolar para as crianças
privadas, que atendam aos requisitos de atendidas na educação infantil, nos
infraestrutura definidos no item anterior. estabelecimentos
4. Adaptar os prédios de educação infantil de sorte públicos e conveniados, através da colaboração
que, em cinco anos, todos estejam conformes aos financeira da União e dos Estados.**
padrões mínimos de infraestrutura estabelecidos. 13. Assegurar, em todos os Municípios, o
5. Estabelecer um Programa Nacional de fornecimento de materiais pedagógicos adequados
Formação dos Profissionais de educação infantil, às faixas etárias
com a colaboração da União, Estados e e às necessidades do trabalho educacional, de
Municípios, inclusive das universidades e institutos forma que, em cinco anos, sejam atendidos os
superiores de educação e organizações não- padrões
governamentais, que realize as seguintes metas: mínimos de infra-estrutura definidos na meta nº
a) que, em cinco anos, todos os dirigentes de 2.**
instituições de educação infantil possuam formação 14. Incluir as creches ou entidades equivalentes no
apropriada em nível médio (modalidade Normal) e, sistema nacional de estatísticas educacionais, no
em dez anos, formação de nível superior; prazo de
b) que, em cinco anos, todos os professores três anos.*
tenham habilitação específica de nível médio e, em 15. Extinguir as classes de alfabetização
dez anos, 70% tenham formação específica de incorporando imediatamente as crianças no ensino
nível superior. fundamental e matricular, também, naquele nível
6. A partir da vigência deste plano, somente admitir todas as crianças de 7 anos ou mais que se
novos profissionais na educação infantil que encontrem na educação infantil.
possuam a titulação mínima em nível médio,
Secretaria Municipal de Educação 27

16. Implantar conselhos escolares e outras formas necessidades de infraestrutura identificada ao


de participação da comunidade escolar e local na longo do processo de reordenamento da rede
melhoria do funcionamento das instituições de física no prazo de dois anos, a contar da
educação infantil e no enriquecimento das
vigência deste Plano, o atendimento da
oportunidades educativas e dos recursos
pedagógicos. totalidade dos egressos do ensino
17. Estabelecer, até o final da década, em todos os fundamental e a inclusão dos alunos com
Municípios e com a colaboração dos setores defasagem de idade e dos que
responsáveis pela educação, saúde e assistência possuem necessidades especiais de
social e de organizações não-governamentais, aprendizagem;
programas de orientação e apoio aos pais com d) o oferecimento de vagas que, no prazo
filhos entre 0 e 3 anos, oferecendo, inclusive, de cinco anos, correspondam a 50% e, em
assistência financeira, jurídica e de suplementação dez anos, a 100% da demanda de ensino
alimentar nos casos de pobreza, violência
doméstica e desagregação familiar extrema.**
médio, em decorrência da universalização e
18. Adotar progressivamente o atendimento em regularização do fluxo de alunos no ensino
tempo integral para as crianças de 0 a 6 anos. fundamental.
19. Estabelecer parâmetros de qualidade dos 2. Implantar e consolidar, no prazo de cinco
serviços de educação infantil, como referência para anos, a nova concepção curricular elaborada
a supervisão, o controle e a avaliação, e como pelo Conselho Nacional de Educação.
instrumento para a adoção das medidas de 3. Melhorar o aproveitamento dos alunos do
melhoria da qualidade. ensino médio, de forma a atingir níveis
20. Promover debates com a sociedade civil sobre
satisfatórios de desempenho definidos e
o direito dos trabalhadores à assistência gratuita a
seus filhos e dependentes em creches e pré- avaliados pelo Sistema Nacional de Avaliação
escolas, estabelecido no art. 7º, XXV, da da Educação Básica (SAEB), pelo Exame
Constituição Federal. Nacional do Ensino Médio (ENEM) e pelos
Encaminhar ao Congresso Nacional projeto de lei sistemas de avaliação que venham a ser
visando à regulamentação daquele dispositivo.* implantados nos Estados.
21. Assegurar que, em todos os Municípios, além 4. Reduzir, em 5% ao ano, a repetência e a
de outros recursos municipais os 10% dos recursos evasão, de forma a diminuir para quatro anos
de manutenção e desenvolvimento do ensino não o tempo médio para conclusão deste nível.
vinculados ao FUNDEF sejam aplicados,
prioritariamente, na educação infantil.
5. Assegurar, em cinco anos, que todos os
23. Realizar estudos sobre custo da educação professores do ensino médio possuam
infantil com base nos parâmetros de qualidade, diploma de nível superior, oferecendo,
com vistas a melhorar a eficiência e garantir a inclusive, oportunidades de formação nesse
generalização da qualidade do atendimento.** nível de ensino àqueles que não a possuem.
24. Ampliar a oferta de cursos de formação de 6. Elaborar, no prazo de um ano, padrões
professores de educação infantil de nível superior, mínimos nacionais de infraestrutura para o
com conteúdos específicos, prioritariamente nas ensino médio, compatíveis com as realidades
regiões onde o déficit de qualificação é maior, de
regionais, incluindo:
modo a atingir a meta estabelecida pela LDB para
a década da educação. a) espaço, iluminação, ventilação e insolação
25. Exercer a ação supletiva da União e do Estado dos prédios escolares;
junto aos Municípios que apresentem maiores b) instalações sanitárias e condições para a
necessidades técnicas e financeiras, nos termos manutenção da higiene em todos os edifícios
dos arts. 30, VI e 211, § 1º, da Constituição escolares;
Federal. d) espaço para a biblioteca;
26. Observar as metas estabelecidas nos demais e) adaptação dos edifícios escolares para o
capítulos referentes à educação infantil. atendimento dos alunos portadores de
necessidades especiais;
3.3 Objetivos e Metas3 f) instalação para laboratórios de ciências;
1. Formular e implementar, progressivamente, g) informática e equipamento multimídia para
uma política de gestão da infraestrutura física o ensino;
na educação básica pública, que assegure: h) atualização e ampliação do acervo das
a) o reordenamento, a partir do primeiro ano bibliotecas incluindo material bibliográfico de
deste Plano, da rede de escolas públicas que apoio ao professor e aos alunos;
contemple a ocupação racional dos i) equipamento didático-pedagógico de apoio
estabelecimentos de ensino estaduais e ao trabalho em sala de aula;
municipais, com o objetivo, entre outros, de j ) telefone e reprodutor de texto;
facilitar a delimitação de instalações físicas 7.Não autorizar o funcionamento de novas
próprias para o ensino médio separadas, pelo escolas fora dos padrões de ''a'' a ''g''.
menos, das quatro primeiras séries do ensino 8. Adaptar, em cinco anos, as escolas
fundamental e da educação infantil; existentes, de forma a atender aos padrões
b) a expansão gradual do número de escolas mínimos estabelecidos.
públicas de ensino médio de acordo com as
Secretaria Municipal de Educação 28

9. Assegurar que, em cinco anos, todas as profissional não pode ser concebida apenas
escolas estejam equipadas, pelos menos com como uma modalidade de ensino médio, mas
biblioteca, telefone e reprodutor de textos. deve constituir educação continuada, que
10. Assegurar que, em cinco anos, pelo perpassa toda a vida do trabalhador.
menos 50%,e, em 10 anos, a totalidade das Por isso mesmo, estão sendo implantadas
escolas disponham de equipamentos de novas diretrizes no sistema público de
informática para modernização da educação profissional, associadas à reforma
administração e para apoio à melhoria do do ensino médio. Prevê-se que a educação
ensino e da aprendizagem. profissional, sob o ponto de vista operacional,
11. Adotar medidas para universalização seja estruturada nos níveis básico -
progressiva das redes de comunicação, para independente do nível de escolarização do
melhoria do ensino e da aprendizagem. aluno, técnico - complementar ao ensino
12. Adotar medidas para a universalização médio e tecnológico- superior de graduação
progressiva de todos os padrões mínimos ou de pós-graduação.
durante a década, incentivando a criação de Prevê-se, ainda, a integração desses dois
instalações próprias para esse nível de tipos de formação: a formal, adquirida em
ensino. instituições especializadas, e a não-formal,
13. Criar mecanismos, como conselhos ou adquirida por meios diversos, inclusive no
equivalentes, para incentivar a participação trabalho. Estabelece para isso um sistema
da comunidade na gestão, manutenção e flexível de reconhecimento de créditos
melhoria das condições, de funcionamento obtidos em qualquer uma das modalidades e
das escolas. certifica competências adquiridas por meios
14. Assegurar a autonomia das escolas, tanto não-formais de educação profissional.
no que diz respeito ao projeto pedagógico É importante também considerar que a oferta
como em termos de gerência de recursos de educação profissional é responsabilidade
mínimos para a manutenção do cotidiano igualmente compartilhada entre o setor
escolar. educacional, o Ministério do Trabalho,
15. Adotar medidas para ampliar a oferta secretarias do trabalho, serviços sociais do
diurna e manter a oferta noturna, suficiente comércio, da agricultura e da indústria e os
para garantir o atendimento dos alunos que sistemas nacionais de aprendizagem. Os
trabalham. recursos provêm, portanto, de múltiplas
16. Proceder, em dois anos, a uma revisão da fontes. É necessário também, e cada
organização didático-pedagógica e vez mais, contar com recursos das próprias
administrativa do ensino noturno, de forma a empresas, as quais devem financiar a
adequá-lo às necessidades do aluno- qualificação dos seus trabalhadores, como
trabalhador, sem prejuízo da qualidade do ocorre nos países desenvolvidos. A política
ensino. de educação profissional é, portanto, tarefa
17. Estabelecer, em um ano, programa que exige a colaboração de múltiplas
emergencial para formação de professores, instâncias do Poder Público e da sociedade
especialmente nas áreas de Ciências e civil. As metas do Plano Nacional de
Matemática. Educação estão voltadas para a implantação
18. Apoiar e incentivar as organizações de uma nova educação profissional no País e
estudantis, como espaço de participação e para a integração das iniciativas. Têm como
exercício da cidadania. objetivo central generalizar as oportunidades
19. A educação ambiental, tratada como tema de formação para o trabalho, de
transversal, será desenvolvida como uma treinamentos, mencionando, de norma
prática educativa integrada, contínua e especial, o trabalhador rural.
permanente em conformidade com a Lei n°
9.795/99. A regulamentação do FUNDEB pela lei
20. Observar, no que diz respeito ao ensino n.º 11.494/07
médio, as metas estabelecidas nos capítulos
referentes à formação de professores, O Fundo de Manutenção e
financiamento e gestão e ensino a distância. Desenvolvimento da Educação Básica e
pagamento dos inativos e pensionistas é
equivalente ficar reduzida à aprendizagem de
de Valorização dos Profissionais da
algumas habilidades técnicas, o que não Educação – FUNDEB – veio substituir o
impede o oferecimento de cursos de curta antigo FUNDEF – Fundo de Manutenção
duração voltados para a adaptação e Desenvolvimento do Ensino
do trabalhador às oportunidades do mercado Fundamental e Valorização do
de trabalho, associados à promoção de níveis
crescentes de escolarização regular. Magistério, posto que, este último, criado
Finalmente, entende-se que a educação
Secretaria Municipal de Educação 29

em 1996, tinha o prazo de vigência de 10 Conforme norma constitucional, as


anos. medidas provisórias têm vigência por 60
dias, podendo esse prazo ser prorrogado
O antigo FUNDEF, criado pela Emenda
uma única vez, totalizando, assim, 120
Constitucional n° 14/1996 e
dias de eficácia. O governo, portanto,
regulamentado pela lei n° 9.424/1996, a
teria o prazo máximo de 4 meses para
despeito da ampliação do acesso ao
substituir a forma precária pela a qual o
ensino fundamental por ele provocada,
FUNDEB havia sido regulamentado,
havia sido concebido já com uma falha
devendo publicar lei que o
em seu projeto inicial. Este fundo previra
regulamentasse até o final do mês de
apenas, como seu próprio nome já
abril. Isso ocorreu com dois meses de
explicita, recursos para o ensino
atraso, pela lei n.º 11.494, de 20 de junho
fundamental, esquecendo das demais
de 2007. A despeito desse fato, essa
etapas da educação básica: educação
regulamentação representa uma vitória da
infantil (creche e pré-escola) e ensino
sociedade civil organizada, já que esta
médio. Outro problema do FUNDEF
logrou participar. ativamente de todo o
aconteceu em seu processo de
projeto de conversão da MP em lei.
regulamentação, quando o então
Através de sua atuação junto ao
presidente impôs veto (nunca apreciado
Congresso e do debate público, foi
pelo Congresso Nacional) ao
possível promover modificação, exclusão
financiamento da modalidade educação
e inclusão de artigos na lei, fato, esse,
de jovens e adultos no ensino
objeto de estudo deste texto.
fundamental. Assim, durante a sua
vigência, o FUNDEF destinava-se 1) Principais alterações da
unicamente às crianças de 7 a 14 anos. regulamentação do FUNDEB: da
O FUNDEB foi formulado com uma medida provisória à lei
proposta mais abrangente, expressa no A lei n.º 11.494/07 é a responsável pela
art.2° da lei n° 11.494/2007, com duas regulamentação do FUNDEB. Em relação
características: destina-se ao à sua sucessora nesse serviço, a medida
financiamento de toda a “educação básica provisória n.º 339/06, a lei trouxe dezenas
pública” e, pelo menos em princípio, de modificações. Muitas delas são apenas
considera todos os “trabalhadores em de ordem estrutural e formal, não cabendo
educação”, não somente os docentes, demonstrá-las aqui neste espaço. Assim,
incluindo, então, todos aqueles que atuam focamos nas modificações mais
no espaço escolar, dando suporte simbólicas e pertinentes em relação ao
administrativo, operacional e pedagógico texto original da medida provisória. Além
às atividades finalísticas, ou ainda disso, do texto que deviria ser publicado,
trabalhando na manutenção, conservação o Presidente da República, utilizando-se
e preparo de alimentação. No entanto, de suas competências constitucionais,
como veremos na próxima edição esta vetou alguns artigos da lei que, seguindo
segunda característica não foi o mesmo critério supra, comentaremos a
adequadamente regulamentada no texto seguir.
da nova lei, necessitando ser tratada em 1.1) Modificações mais relevantes
norma específica. Uma das importantes modificações
trazidas pela lei em relação à MP foi a
A Emenda Constitucional n.º 53, de 19 de
solidificação de alguns princípios e
dezembro de 2006, instituidora do
normas expressos na Constituição Federal
FUNDEB, foi inicialmente regulamentada
e no corpo de outras lei ordinárias,
pela medida provisória n.º 339, de 28 de
explicitando determinadas garantias que
dezembro de 2006, sob a justificativa de
os aplicadores da lei, considerando a
que não haveria tempo para o trâmite de
peculiaridade do exercício da política
um projeto de lei no Congresso Nacional.
Secretaria Municipal de Educação 30

brasileira, poderiam omitir ou negar previsão do artigo 212 da Constituição e


aplicação. Entre elas podemos destacar a segundo os critérios dos arts. 70 e 71 da
inclusão do parágrafo único e seus incisos lei n° 9.394/1996.
no artigo 1º da lei. Diz o parágrafo:
Outra importante modificação foi a
“Parágrafo único. A inclusão do § 3º no artigo 6º da lei:
instituição dos Fundos
“Art. 6º. A complementação da União
previstos no caput deste
será de, no mínimo, 10% (dez por cento)
artigo e a aplicação de seus
do total dos recursos a que se refere o
recursos não isentam os
inciso II do caput do art. 60 do ADCT.
Estados, o Distrito Federal e
(...)
os Municípios da
obrigatoriedade da aplicação
na manutenção e no § 3º O não-cumprimento do
desenvolvimento do ensino, disposto no caput deste artigo
na forma prevista no art. 212 importará em crime de
da Constituição Federal e no responsabilidade da
inciso VI do caput e autoridade competente.”
parágrafo único do art. 10 e Mesmo sem a inclusão desse parágrafo, o
no inciso I do caput do art. ente político que não cumprisse o artigo
11 da Lei n. º 9.394, de 20 de 6º dessa lei incorreria em crime de
dezembro de 1996, de: responsabilidade regido pela lei
I – pelo menos 5% (cinco por cento) do complementar n.º 101, de 4 de maio de
montante dos impostos e transferências 2000, a chamada “Lei de
que compõem a cesta de recursos do Responsabilidade Fiscal”. Contudo, a
FUNDEB, a que se referem os incisos I a inclusão desse parágrafo justifica-se visto
IX do caput e o § 1º do art. 3º desta Lei, o enorme descaso histórico que nossas
de modo que os recursos previsto no art. autoridades públicas demonstram com as
3º desta Lei somados aos referidos neste verbas referentes à manutenção e
inciso garantam a aplicação do mínimo desenvolvimento do ensino. Esse
de 25% (vinte e cinco por cento) desses mandamento explícito no corpo da lei tem
impostos e transferências em favor da forte poder inibidor frente a uma futura
manutenção e desenvolvimento do ensino; tentativa de espoliação das verbas da
II – pelo menos 25% (vinte e cinco por educação.
cento) dos demais impostos e Um outro acréscimo importante nesse
transferências.” artigo foi a inclusão da expressão “no
mínimo” antes de “10% (dez por cento)”.
Importante observar que a inclusão do
Nesse mesmo sentido encontramos as
parágrafo único e seus incisos no art. 1º
modificações do artigo 4º e do parágrafo
da lei impede uma possível interpretação
3º do artigo 31. Observem a redação
dos agentes políticos dos Estados, Distrito
original da medida provisória e as
Federal e Municípios no sentido de
respectivas modificações.
compensarem os recursos próprios do
Ganham poderes expressos os membros
FUNDEB com sua obrigação de aplicar
dos conselhos de requisitar ao Poder
não menos de 25% da receita resultante
Executivo cópia referente a quaisquer
de impostos, junto com a receita
documentos que entendam necessário
proveniente das transferências de
para a realização do desempenho de suas
impostos que a União faz em favor dos
funções, conforme, agora, previsto nas
Estados, do Distrito Federal e dos
alíneas do inciso III do artigo 25. Poderá,
Municípios, e que os Estados fazem em
também, o membro do conselho
favor dos Municípios, na manutenção e
fiscalizador realizar visitas e inspetorias
desenvolvimento do ensino, conforme
Secretaria Municipal de Educação 31

in loco (no próprio lugar) para verificar o e Desenvolvimento do Ensino


desenvolvimento regular de obras e Fundamental e Valorização do
serviços efetuados nas instituições Magistério, posto que, este último, criado
escolares com recursos do Fundo, a em 1996, tinha o prazo de vigência de 10
adequação do serviço de transporte anos.
escolar e a utilização em benefício do
O antigo FUNDEF, criado pela Emenda
sistema de ensino de bens adquiridos com
Constitucional n° 14/1996 e
recursos do Fundo.
regulamentado pela lei n° 9.424/1996, a
Além disso, a lei abre a possibilidade que
despeito da ampliação do acesso ao
os “conselhos do FUNDEB” sejam
ensino fundamental por ele provocada,
integrados, enquanto câmaras específicas,
havia sido concebido já com uma falha
aos Conselhos Municipais de Educação,
em seu projeto inicial. Este fundo previra
permitindo, assim, a concentração de
apenas, como seu próprio nome já
esforços na regulamentação e fiscalização
explicita, recursos para o ensino
de todas as políticas educacionais locais.
fundamental, esquecendo das demais
etapas da educação básica: educação
1.2) Veto ao texto da lei
infantil (creche e pré-escola) e ensino
O Presidente da República, quando do
médio. Outro problema do FUNDEF
momento de sancionar determinado
aconteceu em seu processo de
projeto de lei, pelo § 1º do artigo 66 da
regulamentação, quando o então
Constituição Federal, tem o poder de
presidente impôs veto (nunca apreciado
vetar, total ou parcialmente, este projeto.
pelo Congresso Nacional) ao
Destarte, assim o fez nosso Presidente. A
financiamento da modalidade educação
maioria dos vetos realizados a
de jovens e adultos no ensino
dispositivos da lei n° 11.494 referiam-se a
fundamental. Assim, durante a sua
problemas de ordem formal em seu texto,
vigência, o FUNDEF destinava-se
não sendo de interesse observar tais
unicamente às crianças de 7 a 14 anos.
manifestações. Apesar de não influenciar
em nada os valores destinados ao O FUNDEB foi formulado com uma
FUNDB, o veto da norma contida no proposta mais abrangente, expressa no
artigo 42 da lei recebeu atenção da mídia, art.2° da lei n° 11.494/2007, com duas
merecendo, também, nossa observação características: destina-se ao
devido ao montante do valor envolvido, financiamento de toda a “educação básica
especificamente no que concerne ao pública” e, pelo menos em princípio,
refinanciamento das dívidas dos Estados considera todos os “trabalhadores em
com o governo federal. educação”, não somente os docentes,
Foi dado grande destaque ao tema já que incluindo, então, todos aqueles que atuam
o mesmo era a grande reivindicação dos no espaço escolar, dando suporte
governadores em discussão sobre o administrativo, operacional e pedagógico
FUNDEB, posto que, tal aprovação, às atividades finalísticas, ou ainda
ocasionaria a diminuição do montante a trabalhando na manutenção, conservação
ser pago, em termos de dívida interna, e preparo de alimentação. No entanto,
pelos Estados à União. como veremos na próxima edição esta
segunda característica não foi
A regulamentação do FUNDEB pela lei adequadamente regulamentada no texto
n.º 11.494/07 da nova lei, necessitando ser tratada em
norma específica.
O Fundo de Manutenção e
Desenvolvimento da Educação Básica e A Emenda Constitucional n.º 53, de 19 de
de Valorização dos Profissionais da dezembro de 2006, instituidora do
Educação – FUNDEB – veio substituir o FUNDEB, foi inicialmente regulamentada
antigo FUNDEF – Fundo de Manutenção pela medida provisória n.º 339, de 28 de
Secretaria Municipal de Educação 32

dezembro de 2006, sob a justificativa de explicitando determinadas garantias que


que não haveria tempo para o trâmite de os aplicadores da lei, considerando a
um projeto de lei no Congresso Nacional. peculiaridade do exercício da política
Conforme norma constitucional, as brasileira, poderiam omitir ou negar
medidas provisórias têm vigência por 60 aplicação. Entre elas podemos destacar a
dias, podendo esse prazo ser prorrogado inclusão do parágrafo único e seus incisos
uma única vez, totalizando, assim, 120 no artigo 1º da lei.
dias de eficácia. O governo, portanto,
Importante observar que a inclusão do
teria o prazo máximo de 4 meses para
parágrafo único e seus incisos no art. 1º
substituir a forma precária pela a qual o
da lei impede uma possível interpretação
FUNDEB havia sido regulamentado,
dos agentes políticos dos Estados, Distrito
devendo publicar lei que o
Federal e Municípios no sentido de
regulamentasse até o final do mês de
compensarem os recursos próprios do
abril. Isso ocorreu com dois meses de
FUNDEB com sua obrigação de aplicar
atraso, pela lei n.º 11.494, de 20 de junho
não menos de 25% da receita resultante
de 2007. A despeito desse fato, essa
de impostos, junto com a receita
regulamentação representa uma vitória da
proveniente das transferências de
sociedade civil organizada, já que esta
impostos que a União faz em favor dos
logrou participar ativamente de todo o
Estados, do Distrito Federal e dos
projeto de conversão da MP em lei.
Municípios, e que os Estados fazem em
Através de sua atuação junto ao
favor dos Municípios, na manutenção e
Congresso e do debate público, foi
desenvolvimento do ensino, conforme
possível promover modificação, exclusão
previsão do artigo 212 da Constituição e
e inclusão de artigos na lei, fato, esse,
segundo os critérios dos arts. 70 e 71 da
objeto de estudo deste texto.
lei n° 9.394/1996.
1) Principais alterações da
Mesmo sem a inclusão desse parágrafo, o
regulamentação do FUNDEB: da ente político que não cumprisse o artigo
medida provisória à lei 6º dessa lei incorreria em crime de
A lei n.º 11.494/07 é a responsável pela responsabilidade regido pela lei
regulamentação do FUNDEB. Em relação complementar n.º 101, de 4 de maio de
à sua sucessora nesse serviço, a medida 2000, a chamada “Lei de
provisória n.º 339/06, a lei trouxe dezenas Responsabilidade Fiscal”. Contudo, a
de modificações. Muitas delas são apenas inclusão desse parágrafo justifica-se visto
de ordem estrutural e formal, não cabendo o enorme descaso histórico que nossas
demonstrá-las aqui neste espaço. Assim, autoridades públicas demonstram com as
focamos nas modificações mais verbas referentes à manutenção e
simbólicas e pertinentes em relação ao desenvolvimento do ensino. Esse
texto original da medida provisória. Além mandamento explícito no corpo da lei tem
disso, do texto que deviria ser publicado, forte poder inibidor frente a uma futura
o Presidente da República, utilizando-se tentativa de espoliação das verbas da
de suas competências constitucionais, educação.
vetou alguns artigos da lei que, seguindo Um outro acréscimo importante nesse
o mesmo critério supra, comentaremos a artigo foi a inclusão da expressão “no
seguir. mínimo” antes de “10% (dez por cento)”.
1.1) Modificações mais relevantes Nesse mesmo sentido encontramos as
Uma das importantes modificações modificações do artigo 4º e do parágrafo
trazidas pela lei em relação à MP foi a 3º do artigo 31. Observem a redação
solidificação de alguns princípios e original da medida provisória e as
normas expressos na Constituição Federal respectivas modificações.
e no corpo de outras lei ordinárias,
Secretaria Municipal de Educação 33

Estes dispositivos agora aparecem integrados, enquanto câmaras específicas,


expressos na lei como o intuito de aos Conselhos Municipais de Educação,
conscientizar o cidadão e a sociedade permitindo, assim, a concentração de
civil organizada de que são, também, co- esforços na regulamentação e fiscalização
responsáveis pela fiscalização a ser de todas as políticas educacionais locais.
exercida sobre o poder público e que,
através dos mecanismos jurídicos
adequados, podem, a exemplo do
ECA Lei 8069/90
Ministério Público, pleitear a defesa do (arts. 227/229 CF) – são
direito à educação, sendo-lhes assegurado
o acesso aos documentos públicos de titulares de direitos fundamentais
prestação de contas. com absoluta prioridade:
Por fim, cumpre observar a significativa
melhora realizada nos critérios de Crianças - são pessoas com
composição dos conselhos de fiscalização até 12 anos incompletos.
previstos no artigo 24 da lei. Houve o
aumento no número mínimo de membros Adolescente – pessoas
das comissões estaduais e municipais de
entre 12 e 18 anos incompletos.
11 para 12 e de 8 para 9, respectivamente.
O membro do Conselho Municipal de Jovem – ECA não define
Educação, quando houver, e o membro do
Conselho Tutelar que irão participar do quem é o jovem. A lei do pro-jovem
conselho de fiscalização municipal serão define jovem como uma pessoa
indicados por seus pares. Fica estipulado
o período de 2 anos, permitida uma entre 18 a 29 anos (EC 65/2010) –
recondução, para membro do conselho. O Estatuto da Juventude (está para
princípio da publicidade dos atos
administrativos fica condecorado com ser aprovado).
norma expressa inferindo a ampla
Art. 2 - Aplicação do ECA: >
publicidade que deve ser dado aos
registros contábeis dos Fundos, inclusive 18a e < 21 anos, quando:
por meio eletrônico.
Ganham poderes expressos os membros  Caráter excepcional
dos conselhos de requisitar ao Poder  Expressa previsão
Executivo cópia referente a quaisquer
documentos que entendam necessário legal
para a realização do desempenho de suas Os < 18 anos são
funções, conforme, agora, previsto nas
alíneas do inciso III do artigo 25. Poderá, inimputáveis (não pratica crime) –
também, o membro do conselho pratica ato infracional.
fiscalizador realizar visitas e inspetorias
in loco (no próprio lugar) para verificar o A prescrição também se
desenvolvimento regular de obras e
serviços efetuados nas instituições
aplica aos atos infracionais
escolares com recursos do Fundo, a (STJ/STF).
adequação do serviço de transporte
escolar e a utilização em benefício do Momento para aferir a
sistema de ensino de bens adquiridos com inimputabilidade?
recursos do Fundo.
Além disso, a lei abre a possibilidade que É aferida no momento da
os “conselhos do FUNDEB” sejam conduta.
Secretaria Municipal de Educação 34

Princípio da insignificância Juiz e Conselho


ou bagatela se aplica ao Tutelar.

adolescente? Exceção: a
colocação em
Segundo o STF, este p.
família
também se aplica aos atos
substituta – só
infracionais, mas se o adolescente
Juiz.
tem maus antecedentes será
Medida de proteção (art.
processado.
101, ECA).
Art. 229 CF aduz que os pais
 Encaminhamento aos
tem o dever de cuidar de seus filhos
pais
menores, e os filhos maiores tem o
 Matrícula e frequência
dever de assistir seus pais na
na escola
velhice, carência ou enfermidade.
 Tratamento
Sistemas de
psicológico/psiquiátrico
responsabilidade infanto-juvenil
 Tratamento de
Criança – criança só recebe
toxicômanos
medida de proteção. Rol não
 Acolhimento
taxativo, art. 101, ECA.
institucional / familiar – prazo
Adolescente – recebe
máximo: até 2 anos.
medida sócio-educativa: rol
 Colação em família
taxativo do art. 112, ECA.
substituta (+ grave), esta tem 3
O adolescente pode receber
modalidades:
medida de proteção quando:
 Guarda
 Como complemento da
 Tutela
medida sócio educativa
 Adoção
 Se for vítima.
Podem ser aplicadas
Criança Adolescente
isoladamente / cumulativamente
< 12 anos >12 e ≤18 anos
(depende da necessidade da
Ato infracional Ato infracional
criança – caso concreto), e podem
Medida de Medida
ser revistas a todo o tempo.
proteção (art. sócioeducativa.
101, ECA). Quem aplica? Só o Direitos do adolescente

Quem aplica? Juiz. infrator


Secretaria Municipal de Educação 35

 Flagrante de ato  Direito de ser ouvido


infracional, pessoalmente pela autoridade
 Ordem judicial (juiz),  Direito de solicitar a
 A apreensão do presença dos pais/ responsável
adolescente deve ser comunicada Medidas sócioeducativas
ao juiz e aos pais / responsável, 1. Advertência (art. 115,
 O adolescente ECA)
apreendido tem o direito de saber Conceito: trata-se
qual a autoridade que o apreendeu, admoestação verbal, “esporro”.
 O adolescente Única medida que para ser
civilmente identificado (RG/Carteira aplicada não precisa comprovar a
profissional/passaporte etc) não autoria, basta que haja indícios
será submetido à identificação suficientes de autoria (art. 114,
compulsória (colheita de §único).
impressões digitais, fotográficas) 2. Obrigação de reparar
salvo se houver dúvida quanto a o dano (art. 116, ECA)
sua identidade. A reparação do dano é
Pode ser transportada no ampla, inclusive pela restituição da
“chiqueirinho”? coisa - reflexo patrimonial, o
Não pode ser transportado adolescente deve reparar o dano.
em locais fechados de viaturas 3. Prestação de
policiais. serviços à comunidade (art.117,
Direitos processuais do ECA)
adolescente infrator Trabalhos forçados são
 Devido processo legal vedados. A prestação de serviços à
– o juiz não pode desistir das comunidade tem caráter educativo.
demais provas em razão da Prazo máximo – até 6
confissão do adolescente, meses.
 Igualdade processual Horas de trabalho – 8 horas
 Defesa técnica semanais, preferencialmente no
 Assistência judiciária final de semana, feriados ou outro
gratuita dia que não prejudique estudo e
trabalho.
Secretaria Municipal de Educação 36

4. Liberdade assistida É pautada por 2 princípios


(art. 118 e 119, ECA) constitucionais:
Juiz nomeia um orientador,  Brevidade – não tem
este acompanhará o adolescente, prazo previamente determinado,
este também tem que fazer pois visa a recuperação do
relatórios periódicos para o juiz. adolescente, mas não se sabe
Tem maior chance de recuperação. quanto tempo este estará
Prazo mínimo – 6 meses, o recuperado.
juiz pode prorrogar, revogar ou  Excepcionalidade –
converter em outra medida. significa que a medida somente
O ECA não fixa prazo será aplicada como última
máximo para a liberdade hipótese.
assistida, mas a doutrina e Modalidades:
jurisprudência falam em 3 anos.  Provisória – antes da
5. Semiliberdade e sentença. Prazo: 45 dias.
internação (art. 120, 121 a 125  Definitiva – a partir da
ECA) sentença.
São as únicas medidas que Cabimento (art. 122) – rol
restringem a liberdade. Tudo que se taxativo
aplica na internação aplica-se na  Ato infracional com
semiliberdade, mas as atividades violência ou grave ameaça,
internas ocorrerão Internação
independentemente de ordem  Reiteração de atos
judicial. infracionais grave,
São as únicas medidas sanção

aplicáveis ao > 18 e < 21 anos. A reiteração ocorre a partir

Pode ser fixado inicialmente da 3ª conduta.

/forma autônoma (direto na  Descumprimento

sentença) ou como forma de reiterado e injustificado de medida

progressão (depois da anteriormente imposta – internação

internação). regressão.

6. Internação (art. 121 Ex: tráfico de drogas – não

ao 125, ECA) pode ser internado.


Secretaria Municipal de Educação 37

É obrigatória a oitiva do O adolescente poderá ficar


adolescente para a internação no estabelecimento prisional
regressão. desde que separados dos adultos
Prazo: a internação não tem e pelo prazo máximo de 5 dias.
prazo determinado. Aos 21 anos a Podem ser algemados nas
desinternação / liberação é mesmas hipóteses dos adultos:
compulsória. risco de fuga ou risco de segurança
Prazo internação sanção: pessoal.
prazo máximo de até 3 anos. Com Procedimento para
reavaliação máxima a cada 6 apuração de ato infracional
meses. O processo do adolescente é
Prazo de internação sempre na justiça ESTADUAL.
regressão: prazo máximo 3 A ação é sempre promovida
meses. pelo MP.
O abrigamento é medida de Declaração de Riad – o
proteção com prazo máximo de 2 adolescente não poderá ser tratado
anos e reavaliação máxima a cada de maneira mais rigorosa do que o
6 meses. adulto.
Peculiaridades: Fases:
É vedada a  Policial (art. 171 a
incomunicabilidade. 178)
A visita até mesmo dos pais Apreensão em flagrante
pode ser suspensa, se for nocivo DELEGADO

para o adolescente, mas não a do


AI leve e pais
advogado.
comparecem Flagrante
É permitida a visita íntima
para esposa/ marido ou
Liberação com
companheiro(a).
BO MP
Atividades externas são
O adolescente não pode ser
permitidas, desde que não estejam
levado em compartimento fechado
proibidas na sentença. O juiz pode
em veículo oficial (policia).
rever essa decisão.
O adolescente somente
poderá ser submetido a
Secretaria Municipal de Educação 38

identificação criminal se houver A notificação do adolescente


dúvida fundada para fins de e de seus pais. Se os pais não
confrontação (se é adolescente ou forem encontrados o juiz dará
não). curador ao adolescente. Se o
 Ministerial (179 a 182) adolescente não for encontrado o
O MP faz a oitiva informal juiz suspende o processo e
que poderá: arquivar, remissao ou determina a expedição de busca e
representar. apreensão contra ele.
O MP faz a oitiva informal, Audiência de apresentação –
esta não é obrigatória. O MP pode é nula a desistência de outras
arquivar, vai para o juiz, se este provas é face da confissão do
discordar do arquivamento, este adolescente.
remeterá os autos para o Aplica-se prescrição a
procurador geral. medida sócio educativa.
Representação é peça que A Defesa prévia é
inicia o processo. facultativa, no prazo de 3 dias1.
 Judicial (183 a 190) Após a audiência será dada
Representação uma sentença.
notificação (186) Se a medida sócio educativa
(182) aplicada for internação ou semi
liberdade, serão intimados o
adolescente e seu advogado.
Defesa prévia
Para as outras medidas, será
Audiência de (186)
intimado apenas o advogado.

apresentação
Apelação prazo de 10 dias e
tem efeito regressivo (juízo de
retratação).
Audiência em continuação Execução de medida sócio
apelação (198) educativa
A representação pode ser
oferecida sem prova pré constituída
da autoria e da materialidade. 1
3 anos é o prazo do mandato do conselheiro
tutelar.
Secretaria Municipal de Educação 39

É feito um plano individual e Exibição dos órgãos genitais


deste plano promotor e defesa para fins primordialmente sexuais
serão intimados para se (seios e nádegas não entra neste
manifestarem no prazo de 3 dias. O item).
plano pode ser impugnado sem b. Art. 241 B – “crime do
efeito suspensivo. PC”
Remissão (perdão) Adquirir, possuir ou
Quem Efeito Limite armazenar por qualquer meio foto
MP Exclusão do Representação ou vídeo, pouco importa o meio de
processo armazenagem.
Juiz Suspensão/ Sentença Pena de 1 a 4 anos.
extinção do Se for de pequena
processo
quantidade o material apreendido a
O juiz pode cumular a
pena será diminuída de 1/3 a 2/3.
remissão com todas as medida
Causa se isenção de pena
sócio educativas, salvo internação e
Não há crime se a posse
semi liberdade (não pode cumular).
deste material tem por finalidade a
Crimes do ECA (arts. 225 a
comunicação das autoridades deste
244-B)
que furtar por:
1. Ação penal nos crime de
 Agente público no
ECA
exercício da função
Ação penal pública
 Membro de associação
incondicionada para todos os crimes
legalmente constituída e que inclua
2. Tortura contra criança
entre as suas finalidades a
ou adolescente
repressão à estes crimes.
É previsto na lei de tortura e
c. (art. 241-C) Simular a
não no ECA.
participação de criança ou
3. Pornografia infantil (foto
adolescente em cena de sexo
/vídeo)
explícito ou pornográfico.
a. Art. 241-E – conceito
d. (art.241-D) Aliciar,
de sexo explicito ou pornográfica.
assediar, instigar ou constranger
Qualquer atividade sexual
criança com o fim de com ela
explicita real ou simulada.
Secretaria Municipal de Educação 40

praticar ato libidinoso (não 5. Crime vender fogos de


abrange o adolescente). artifício que sejam capazes de
e. Pornografia infantil e provocar dano quando manuseados
competência – (art.109 CF) a inadequadamente – depende do
competência da justiça federal potencial lesivo (art.244).
ocorre quando houver crime à Infrações administrativas
distância e também um tratado (art. 245 e 258-B)
(entre países diferentes). O Brasil Art.250 – criança e
tem tratado contra a pornografia adolescente não podem se
infantil. hospedar em hotel, motel, pensão
Se forem distribuídas fotos ou congênere, salvo:
entre as pessoas de uma mesma  Acompanhado dos
sala a competência é estadual. pais ou responsáveis
Se estas fotos forem  Autorização por escrito
publicadas em ambiente aberto  Autorização judicial
(blog, site, twitter,facebook etc) Responsabilidade dos pais
na internet a competência será / responsáveis
federal. O ECA prevê que os pais
Mas se forem enviadas também possam ser
fotos de email para email a responsabilizados caso violem os
competência é estadual. direitos de seus filhos nos termos do
4. Corrupção de menores art. 129 ECA.
(art.244-B)  Obrigação de
Corromper <18 anos ou matricular filho /pupilo e
facilitar sua corrupção. acompanhar a freqüência e
Corromper = conspurcar aproveitamento escolar
(manchar). Tem obrigação de matricular
Houve alteração na o filho e acompanhar o seu
jurisprudência ainda que o desenvolvimento escolar.
adolescente seja corrompido haverá Parte cível
o crime pois o adulto mantém o 1. Garantia da
adolescente em estado de prioridade (art.4, §u) - garantia de
corrupção. primazia em receber proteção e
Secretaria Municipal de Educação 41

socorro em quaisquer Toque de recolher / toque


circunstâncias: crianças, de acolher – consiste na restrição à
adolescentes e mulheres. liberdade de criança ou adolescente
Garantia de pensar, feita por juízes com base em
formular políticas públicas e portarias. O STJ considerou essa
destinar recursos (verbas) com restrição ilegal.
preferência – segundo o STF pode O adolescente internado
o poder judiciário determinar ao provisoriamente tem direito a voto.
município que construa escola em Atualização legislativa
determinado bairro para criança e Lei 12594/12 – lei de
adolescente. execução de medidas sócios
2. Direito à vida e à educativas.
saúde (art. 8 e 10) 1. Princípio da
 O médico do parto legalidade (art.35, lei) – o
será preferencialmente o médico do adolescente não pode ter
pré-natal. tratamento mais severo do que o
 Tem direito ao adulto.
alojamento conjunto para mãe e o 2. Direitos do
bebê. adolescente internado – tem
 Deve haver direito a visita íntima se for casado
identificação plantar e digital do ou viver em união estável.
bebê e digital da mãe – identificação 3. Competência (art.36)
mínima. – a execução da medida sócio-
 Todos os documentos educativa no domicilio ou
do parto e suas intercorrências residência dos pais / responsável
devem ficar arquivados por 18 anos, ou se não existirem, no local onde
no mínimo. a criança for encontrada.
3. Direito à liberdade 4. Extinção da medida
(art.16) sócio educativa (art.46)
A criança e o adolescente  Pela morte
têm o direito de ir, vir e estar nos  Ao completar 21 anos
logradouros públicos observadas as  Se houver condenação
restrições legais. por crime em regime fechado ou
Secretaria Municipal de Educação 42

semi-aberto em execução provisória Obs. O STJ entendeu que a


ou definitiva. paternidade sócio-afetiva tem
Estado de filiação prevalência sobre a paternidade
Direito personalíssimo: é biológica.
imprescritível e irrenunciável. Modalidades de família
Formas de reconhecimento Natural – pais ou qualquer
de paternidade: é irrevogável. um deles.
Formas Extensa ou ampliada –
 Qualquer documento parentes próximos com os quais a
público ou particular criança / adolescente tem afinidade,
 Em testamento – ainda afetividade e convivência.
que revogado o reconhecimento Substituta
continua válido. Guarda
 Lei 8560/92 - Tutela
investigação administrativa de Adoção (irrevogável) – única
paternidade. que estrangeiro pode usar.
CRCPN (cartório registro civil Cuidado: Curatela não é
de pessoas naturais) – fórum – modalidade de colocação em família
audiência comparece o suposto substituta.
pai e a mãe. Faz-se o DNA (não há Guarda (art.33)
sanção pela ausência de exame de Noção: destina-se a
DNA). O pai reconhece a regularizar uma situação de fato.
paternidade. Não necessariamente implica
Investigação judicial de em afastamento com o contato de
paternidade – neste caso se faltar pais biológicos.
no exame de DNA, presumi-se a Deveres materiais e morais:
paternidade. pode haver até mesmo oposição em
Ação negatória de relação aos pais.
paternidade Adoção (art. 39/52)
Se reconhece a paternidade Concordância da
sabendo que não é seu filho criança/adolescente:
biológico, não poderá mover a ação Se > 12 anos é
negatória. imprescindível seu consentimento.
Secretaria Municipal de Educação 43

Se < 12 anos, será ouvido Adoção de união


sempre que possível. homoafetiva – ECA não prevê,
Consentimento dos pais jurisprudência autoriza.
biológicos Adoção unilateral – é a
Regra: obrigatório, porém o adoção do padrasto ou madrasta.
consentimento pode ser reiterado Adoção post mortem
até a publicação da sentença. (nuncupativa) – adoção que se dá
Exceção (não precisa de quando o adotante falece no curso
consentimento) da adoção. Continua a adoção
 Quando forem desde que haja inequívoca prova da
desconhecidos vontade de adotar.
 Ou destituídas do Normalmente a adoção
poder familiar produz efeitos a partir da sentença,
Idade do adotante mas neste caso, os efeitos se dão a
Mínima para adotar: 18 anos. partir do óbito do adotante.
Tem que haver 16 anos de Adoção internacional – ela
diferença entre o adotante e o se dá quando o adotante é
adotado. residente / domiciliado fora do
Vedações Brasil, ex: Gisele. O brasileiro tem
Não se pode adotar por preferência neste caso.
procuração Adoção e registro civil
Ascendente não pode dotar O registro original do adotado
descendentes é cancelado.
Irmãos não podem se adotar O novo registro poderá ser
O tutor e o curador podem feito no domicílio do adotante.
adotar após prestar contas da tutela Pode haver a mudança do
ou curatela. pré-nome, e se for >12 anos é
Modalidades de adoção indispensável a concordância do
Adoção conjunta - 2 adotado.
pessoas só podem adotar se forem Se o adotado é > 18 anos ele
casadas ou se viverem em união tem direito de conhecer sua origem
estável. biológica.
Secretaria Municipal de Educação 44

Se < 18 anos, também é  Se estiver


garantido esse acesso assegurado acompanhada de ambos os pais
a assistência jurídica e psicológica.  Se tiver acompanhada
O ECA não prevê idade por um dos pais com autorização
mínima. por escrito com firma reconhecida
Estágio de convivência do outro.
Período em que adotante e Conselho tutelar
adotado passam juntos para ver se Trata-se de órgão
funcionam como família. permanente, não jurisdicional,
Se adoção internacional responsável pela proteção da
prazo min. 30 dias cumpridos em infância e juventude. Não é órgão
território nacional. do poder judiciário. É criado,
Se for adoção nacional não organizado e mantido pelo
há prazo mínimo. Município.
Autorização para viajar Formação?
Viagem nacional (art 83) É formado por 5
Adolescente não precisa de conselheiros,
autorização, só a criança. Para a Escolhidos pelo Povo,
criança é dispensável a autorização Para mandato de 4 anos,
quando: com direito a 1 recondução.
 Estiver acompanhada
dos pais/ responsável O conselheiro tutelar tem
 Acompanhada dos direitos trabalhistas como: férias
ascendentes – comprovada remuneradas, 1/3 de férias, licença
documentalmente maternidade/paternidade, bônus de
 Comarca contígua natal etc.
desde que na mesma unidade da
federação.
Viagem Internacional
Criança e adolescente
precisam de autorização judicial,
salvo: