Você está na página 1de 106

ADMINISTRAÇÃO DE

MATERIAIS

Organizado
Professor: José Thadeu Paulo Henriques
jthadeu@amazonet.com.br

Janeiro 2014
Apresentação

Caro aluno,

O livro está dividido em quatro unidades. A primeira Unidade trata de assuntos


mais informativos, tais como os recursos e a classificação dos materiais. A partir da
unidade dois trataremos de assuntos mais práticos tais como a aquisição dos recursos
materiais. Nesse momento você será convidado a criar um projeto de negócios com foco
nas compras e planejamentos dos recursos materiais e patrimoniais. Na unidade três
serão mostrados as formas de controle dos estoques e as formas de Armazenamento. Na
unidade quatro será visto a gestão da Distribuição e Logística. Os assuntos que
desenvolveremos neste curso são de fundamental importância para o Administrador,
pois tratam das movimentações de cargas, sejam elas matéria-prima ou produto
acabado, e de serviços ao longo de todo o setor produtivo. Estas informações serão
usadas no dia-a-dia de uma empresa e, também, de uma repartição pública para que
você, como profissional da Administração, possa tomar decisões estratégicas,e
operacionais.

Bom estudo e aproveite bastante os ensinamentos

Professor José Thadeu Paulo Henriques


SUMÁRIO
1.0 RECURSOS, ENFOQUES, TENDENCIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS
1.1 RECURSOS
1.1.1 Fatores de Produção
1.1.2 Recursos Tecnológicos
1.1.3 Conceito, Objetivos e Abrangência da Administração de Materiais
1.1.4 O Administrador de Materiais
1.1.5 Avaliação de Desempenho na Área de Materiais
1.1.6 Evolução Histórica e Desafios da Administração de Materiais
1.2 CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS
1.2.1 Tipos de Calssificação
2..0 AQUISIÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS
2.1 A FUNÇÃO COMPRAS
2.1.1 As Compras, Niveis de Estoque e Fornecedores
2.1.2 Estratégias de Aquisição de Recursos Materiais
2.1.3 O Processo de Compra
2.1.4 O Lote Econômico de Compra
2.1.5 As Novas Formas de Comprar
2.1.6 A Ética nas Compras
2.2 A COFICAÇÃO DOS MATERIAIS
2.2.1 Objetivos e Características
2.2.2 Tipos de Codificação
3.0 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS - ESTOQUE
3.1 GESTÃO DE ESTOQUES
3.1.1 Conceito de Gestão de Estoque
3.1.2 As Funções do Estoque
3.1.3 Os Níveis de Estoque
3.1.4 A Importância e Classificação dos Estoques
3.1.5 Controle do Estoque
3.1.6 A Avaliação do Estoque
3.1.7 A Curva ABC
3.1.8 Novas Técnicas de Administração de Materiais
3.2 ARMAZENAMENTO
3.2.1 Conceitos e Objetivos
3.2.2 Planejamento do Armazenamento
3.2.3 Inventário Físico
3.2.4 Tipos de Estocagem
3.2.5 Coberturas Alternativas
4.0 GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO - LOGÍSTICA
4.1 A ABORDAGEM LOGÍSTICA
4.1.1 A Evolução Histórica
4.1.2 O Conceito de Logística
4.1.3 A Cadeia de Suprimentos Produtiva
4.1.4 O EDI na Gestão Logística
4.2 EMBALAGEM
4.2.1 As Funções da Embalagem
4.2.2 A Embalagem e as Operações Logísticas
4.2.3 Os Principais Tipos de Embalagem
4.3 O GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
4.3.1 A Distribuição Física
4.3.2 Decisões na Distribuição Física
4.3.3 Os Modais de Transporte
4.3.4 Os Tipos de Modais de Transporte
Unidade
1

Recursos Enfoques, Tendências e Classificação


dos Materiais
Objetivos da Unidade 1

Conhecer dos fatores de produção, objeto da gestão de


materiais. Entender os conceitos, objetivos e importância.
Elaborar as variáveis de desempenho no setor de materiais.
Conhecer a evolução histórica e os desafios da gestão dos
materiais. Aprender a classificar os materiais.
1.0 RECURSOS, ENFOQUES, E TENDENCIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS
MATERIAIS

Não há como uma empresa funcionar sem a existência de recursos, sejam eles
financeiros, humanos ou materiais, sejam estes relacionados aos insumos ou aos
bens patrimoniais indispensáveis no processo de fabricação. Com a crescente
concorrência existente por um participação no mercado consumidor as empresas
buscam identificar formas de melhorar seus desempenhos, encontrando maneiras
diferentes de obterem vantagens competitivas. Uma das formas de obter uma vantagem,
se não competitiva, mas pelo menos comparativa é através de uma boa gestão dos
recursos materiais e patrimoniais.
Com os custos crescentes é importante gerir bem seus estoques e seu
patrimônio produtivo de forma a utilizá-los com a máxima eficiência e eficácia. è sobre
isso que estaremos falando a partir de agora.

1.1 RECURSOS

Administrar recursos escassos tem sido a preocupação dos gerentes, engenheiros,


administradores e praticamente todas as pessoas direta ou indiretamente ligadas às
atividades produtivas, tanto na produção de bens tangíveis quanto na prestação de
serviços.
O espectro de recursos administráveis é bem amplo, podendo desdobrar-se em
uma infinidade de disciplinas, cada uma delas com características peculiares,
necessitando profissionais especialmente formados e treinados para tal.
As empresas precisam e têm a sua disposição cinco tipos de recursos: materiais,
patrimoniais, de capital ou financeiro, humano e tecnológico. Entretanto os recursos
materiais serão o foco do nosso estudo. Os demais constituem objeto de outras
disciplinas. Por exemplo, os recursos humanos são estudados na disciplina
administração de recursos humanos; os recursos financeiros, na disciplina
Administração Financeira; e os recursos tecnológicos, em disciplinas como Sistema de
Informações Gerenciais, Informática ou Administração Tecnológica. Todas essas
disciplinas são normalmente cobertas nos currículos dos cursos de Administração de
Empresas, Economia, Ciências Contábeis e Engenharia.
A administração dos recursos materiais engloba a sequencia de operações que tem
seu início na identificação do fornecedor, na compra do bem, em seu recebimento,
transporte interno e acondicionamento, em seu transporte durante o processo produtivo,
em sua armazenagem como produto acabado e, finalmente, em sua distribuição ao
consumidor final. A Figura 1.1 ilustra esse ciclo.
Ciclo da Administração de Materiais

Clientes Transportes

Demanda Expedição

Identificar Armazenagem do
Fornecedor Produto Acabado

Comprar Movimentação
Materiais

Recebimento de
Transportar armazenagem

Fluxograma Adaptado do Livro de Petrônio Garcia Martins, e Paulo Renato Campus

A administração de recursos patrimoniais trata da sequencia de operações que,


assim como a administração dos recursos materiais, tem início na identificação do
fornecedor, passando pela compra e recebimento do bem, para depois lidar com sua
conservação, manutenção ou, quando for o caso, alienação.

1.1.1 Fatores de Produção

É importantíssimo que desde já definamos o que vem a ser recursos. Utilizaremos


a conceituação que entende por recursos tudo aquilo que gera ou tem a capacidade gerar
riqueza, no sentido econômico do termo. Dessa forma, os clássicos fatores de produção
– capital, terra (ou natureza) e trabalho – são recursos e, como tal, devem ser
administração.
Assim, um item de estoque é um recurso, pois, agregado a um produto em
processo, irá constituir-se em um produto acabado, que deverá ser vendido por um
preço superior ao somatório de todos os custos incorridos em sua fabricação. De modo
análogo, um edifício que abriga as instalações de uma empresa é um recurso, já que é
essencial a seu funcionamento.
As pessoas que trabalham na empresa também constituem recursos, pois com seu
conhecimento geram novas ideias, que são transformadas em novos produtos, novos
métodos de trabalho, serviços cada vez mais adequados ao uso dos consumidores.
O capital, sob a forma de numerário, é o recursos mais facilmente reconhecido,
por sua característica de liquidez, que faz com que ele possa ser utilizado inclusive na
aquisição de outros recursos.
A tecnologia é um recursos que ganha importância a cada dia. Assim, tecnologias
mais avançadas produzem um diferencial em relação às anteriores, normalmente
traduzido em menores custos, ou um outro diferencial que possa ser transformado em
algum tipo de vantagem econômica, como maior lucro.

Bens

Por transmitirem a ideia de que são capazes de gerar produtos e serviços e,


portanto, produzir riquezas, os bens são muitas vezes considerados como sinônimos de
recursos. Assim, um automóvel, considerado como um bem móvel, pode ser utilizado
na prestação de serviço com valor econômico, e como tal é um recursos.

Patrimônio

Patrimônio pode ser conceituado como o conjunto de bens, valores, direitos e


obrigações de uma pessoa física ou jurídica que possa ser avaliado monetariamente e
que seja utilizado na realização de seus objetivos sociais.
Administrar o patrimônio significa gerir direitos e obrigações, ou, de outro modo,
os ativos e passivos da empresa. Muitas vezes o passivo é maior que o ativo, gerando o
que de denomina patrimônio liquido negativo.
Patrimônio Líquido = Ativo – Passivo
O foco de nosso trabalho será o estudo dos bens patrimoniais, que podem ser
entendidos como as instalações, prédios, terrenos, equipamentos e veículos da empresa.
Abordagens mais completas sobre o assunto são objeto de estudo da Administração
Financeira e da Economia.

1.1.2 Recursos Tecnológicos

Praticamente todos os teóricos da área da administração de materiais são


unânimes em considerar a tecnologia como um fator de produção, ao lado dos recursos
clássicos: natureza, trabalho e capital. Dessa forma, nada mais oportuno que uma
análise um pouco mais detalhada dos recursos tecnológicos.
Ao ouvirmos a palavra tecnologia, em geral a associamos com algo intangível
incorporado a entidades concretas, a bens físicos, como máquinas, ferramentas e
produtos químicos. Na realidades, a tecnologia abrange bem mais do que isso – ela é o
corpo de conhecimentos com o qual a empresa conta para produzir produtos e serviços.
Então, da mesma forma que temos de gerenciar materiais, patrimônio, recursos
humanos e de capital, temos de gerir o conhecimento dentro das empresas. Isso significa
saber como ele é adquirido, como se aprimora e como é transmitido, aplicado e
preservado.
O conhecimento é parte da cultura da empresa, e os fatos têm demonstrado que ele
não é de nenhuma forma ilimitado, isto é, cada empresa tem competências básicas que
lhe permitem ser líder em determinados campos, mas não em todos. O negocio essencial
– também conhecido como core business, ou foco da atividade – é fundamental para a
competitividade. Isso precisa ser bem entendido, já que não significa uma atitude
drástica: não é necessária nem a superespecialização – que restringe o campo de atuação
-, nem a extrema diversificação – que enfraquece a realização dos objetivos. Fala-se
cada vez mais na organização que aprende, ou em inglês, learning organization, isto é,
que dedica uma parcela do cotidiano como fonte de feedback de seu conhecimento
acumulado, possibilitando acertos de rumo em função de novos conhecimentos
adquiridos.
O ciclo PDCA de Edward Deming, um dos principais gurus da qualidade,
mostrado na Figura 1.2, é uma forma de agir que resume de maneira simples o ciclo de
renovação e acumulação. Ele serve tanto para a implementação de novas ideias como
para a resolução de problemas.
Os recursos tecnológicos da empresa devem ser planejados (P), desenvolvidos
(D), controlados (C), e ter ações (A) sobre eles tomadas de acordo com informações
geradas interna ou externamente à empresa. O ciclo é encerrado ao atingir os objetivos.
Os principais recursos tecnológicos que analisaremos neste livro serão os que
mais de perto afetarão o dia a dia das organizações, pois ele interferem direta ou
indiretamente no produto, no serviço, nos processos, na própria gestão e informação. A

Visão Geral da Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais

RECURSOS

Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos

Estoques Instalações

Materiais Materiais Materiais Materiais Materiais Materiais


Auxiliares Auxiliares Auxiliares Auxiliares Auxiliares Auxiliares

Compras Logística Logística


Interna Externa

Fornecedores Clientes

Fluxograma Adaptado do Livro de Petrônio Garcia Martins, e Paulo Renato Campus


1.1.3 Conceito, Objetivos da Administração de Materiais:

Administração de Recursos Materiais engloba a sequência de operações


que tem início na identificação do fornecedor, na compra do bem ou serviço, em
seu recebimento, transporte interno e acondicionamento (armazenagem), em seu
transporte durante o processo produtivo, em sua armazenagem como produto
acabado e, finalmente, em sua distribuição ao consumidor final.

A administração de materiais é muito mais do que o simples controle de estoques,


envolve um vasto campo de relações que são interdependentes e que precisam ser bem
geridos para evitar desperdícios.A meta principal de uma empresa é maximizar o lucro
sobre o capital investido e para atingir mais lucro ela deve usar o capital para que este
não permaneça inativo. Espera-se então, que o dinheiro que está investido em estoque
seja necessário para a produção e o bom atendimento das vendas. Contudo, a
manutenção de estoques requer investimentos e gastos elevados; evitar a formação ou,
quando muito, tê-los em número reduzidos de itens e em quantidade mínimas, sem que,
em contrapartida, aumente o risco de não ser satisfeita a demanda dos usuários é o
conflito que a administração de materiais visa solucionar.

O objetivo, portanto, é otimizar o investimento em estoques, aumentando o uso


eficiente dos meios internos da empresa,minimizando as necessidades de capital
investido.A grande questão é poder determinar qual a quantidade ideal de material em
estoque, onde tanto os custos, como os riscos de nãopoder satisfazer a demanda serão os
menores possíveis.A Administração de Materiais tem por finalidade principal assegurar
o contínuo abastecimento de artigos necessários para comercialização direta ou capaz de
atender aos serviços executados pela empresa. As empresas objetivam diminuir os
custos operacionais para que elas e seus produtos possam ser competitivos no mercado.
Mais especificamente, os materiais precisam ser de qualidade produtiva para
assegurar a aceitação do produto final. Precisam estar na empresa prontos para o
consumo na data desejada e com um preço de aquisição acessível, a fim de que o
produto possa ser competitivo e assim, dar à empresa um retorno satisfatório do capital
investido.Seguem os principais objetivos da área de Administração de Recursos
Materiais

Sendo o ambiente competitivo como é faz-se necessário a busca de alternativas


de vencer os concorrentes. A administração de materiais é bastante ampla e pode
contribuir a partir do momento que envolve as seguintes atividades:

• Gerenciamento dos recursos materiais:


• Gerenciamento dos estoques
• Produtos/materiais em processo
• Produtos acabados
• Gerenciamento dos Recursos Patrimoniais:
• Equipamentos
• Instalações, prédios, veículos, etc.
• Compras:
• O que deve ser comprado
• Como deve ser comprado
• Quando deve ser comprado
• Onde deve ser comprado
• De quem deve ser comprado
• Por que preço deve ser comprado
• Em que quantidade deve ser comprado
• Logística interna e
• Logística Externa

Do desempenho satisfatório dessas atividades dependem os Departamentos


de Vendas, Produção, Manutenção, os Setores Administrativos, etc.

Tem-se de considerar:

• que o número de itens e a diversidade dos mesmos é grande,


• que as informações tem de ser precisas e rápidas
• que a manutenção de estoques representa parcela significativa do ativo da
empresa, etc.

1.1.4 O Administrador de Materiais.

É o profissional a quem cabe o gerenciamento, o controle e a direção da empresa na


área de materiais, buscando os melhores resultados em termos de lucratividade e
produtividade. Exerce o processo administrativo dentro da área de recursos materiais e
patrimoniais.

1.1.5 Avaliação de Desempenho na Área de Materiais.

Dentro de cada uma das subáreas da administração de materiais poderão ser


estabelecidos indicadores de desempenho próprios que devem fornecer informações
sobre a realidade da área de materiais, possibilitando assim a tomada de ações
corretivas de forma a eliminar os desvios, e para isso é preciso que:

• Os dados coletados sejam completos e confiáveis;


• Que expressem informação de valor para a empresa
• Devem ser simples de forma a que os próprios operadores possam coletá-los sem
confusão
• Devem ser de fácil entendimento por todos

Como exemplos podemos citar:

• % de erros nas ordens de compra


• % de itens comprados recebidos na data correta
• % de falta de matérias-primas
• Rotatividade dos estoques
• % do ativo imobilizado em estoques
• % de produtos acabados entregues aos clientes nas datas combinadas, etc.

1.1.6 Evolução Histórica e Desafios da Administração de Materiais

A atividade de material existe desde a mais remota época, através das trocas de
caças e de utensílios até chegarmos aos dias de hoje, passando pela Revolução
Industrial. Produzir, estocar, trocar objetos e mercadorias é algo tão antigo quanto a
existência do ser humano.A Revolução Industrial, meados dos séc. XVIII e XIX, acirrou
a concorrência de mercado e sofisticou as operações de comercialização dos produtos,
fazendo com que “compras” e “estoques” ganhassem maior importância. Este período
foi marcado por modificações profundas nos métodos do sistema de fabricação e
estocagem em maior escala. O trabalho, até então, totalmente artesanal foi em parte
substituído pelas máquinas, fazendo com a produção evoluísse para um estágio
tecnologicamente mais avançado e os estoques passassem a ser vistos sob um outro
prisma pelas administrações. A constante evolução fabril, o consumo,as exigências dos
consumidores, o mercado concorrente e novas tecnologias deram novo impulso à
Administração de Materiais,fazendo com que a mesma fosse vista como uma arte e uma
ciência das mais importantes para o alcance dos objetivos de uma organização, seja ela
qualquer que fosse.Um dos fatos mais marcantes e que comprovaram a necessidade de
que materiais devem ser administrados cientificamente foi,sem dúvida, as duas grandes
guerras mundiais, isso sem contar com outros desejos de conquistas como,
principalmente, o empreendimento de Napoleão Bonaparte. Em todos os embates ficou
comprovado que o fator abastecimento ou suprimento se constituiu em elemento de vital
importância e que determinou o sucesso ou o insucesso dos empreendimentos. Soldados
e estratégias por mais eficazes que fossem, eram insuficientes para o alcance dos
resultados esperados. Munições, equipamentos,víveres, vestuários adequados,
combustíveis foram, são e serão necessários sempre, no momento oportuno e no local
certo, isto quer dizer que administrar materiais é como administrar informações: “quem
os têm quando necessita, no local e na quantidade necessária, possui ampla
possibilidade de ser bem sucedido”.Para refletir: “Nos dias de hoje - Qual será a
importância da Administração de Materiais no projeto de um ônibus espacial?”.

Se considerarmos a posição do homem de produção e de vendas seu desejo é de


que exista a maior quantidade de matérias-primas e produtos acabados, respectivamente,
estocados de forma a poder atender as suas necessidades. Porém sendo a
manutenção de estoques algo extremamente caro para a empresa é preciso que o
Administrador de Materiais equilibre os mesmos de forma a satisfazer ambos, os
administradores de produção e vendas e também ao administrador financeiro.

Sendo assim várias tem sido as etapas que vem ocorrendo dentro da
administração de materiais cabendo ressaltar algumas delas tais como:

• A logística – operação integrada, que trata das atividades de movimentação e


armazenagem, que facilitam o fluxo de materiais e produtos desde a aquisição até o
ponto de consumo final, bem como dos fluxos de informações;
• Técnicas japonesas de administração tais como o JIT/Kanban;
• Desenvolvimento de Parcerias – fornecedores preferenciais;
• Programação de fornecedores – manter uma programação integrada entre o
PCP da fábrica e o fornecedor via EDI (Eletronic Data Interchange) ou Internet;
• Uso de simulações;
• Uso de CEP para identificar rapidamente as variações nos processos, etc.

Com relação aos desafios o continuará sendo a busca do equilíbrio entre o nível
dos estoques os recursos financeiros disponíveis. Quanto manter em estoque com
o menor risco de falta de materiais. Como atender a esta equação.

A tendência aponta para uma necessidade crescente no desenvolvimento de


técnicas de previsão que possibilitem minimizar as possibilidades de erro na
administração dos recursos materiais. Será necessário que a área de materiais e
seu administrador sejam os mais dinâmicos possíveis de forma a responder de
forma rápida as movimentações do mercado. Para isso um excelente suporte de
informática é fundamental, fornecendo as informações em tempo real.

A integração entre as empresas, fornecedores e compradores, deve ser cada vez


mais intensa buscando ganhos para a cadeia como um todo.

1.2 CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS


Segundo Viana (2006): A classificação é o processo de aglutinação de materiais
por características semelhantes. Grande parte do sucesso no gerenciamento de estoques
depende fundamentalmente de bem classificar os materiais da empresa.

Classificar materiais é reunir itens de estoque de acordo com suas características


semelhantes. O sistema classificatório permite identificar e decidir prioridades
referentes a suprimentos na empresa. Uma eficiente gestão de estoques, em que os
materiais necessários ao funcionamento da empresa não faltam, depende de uma boa
classificação dos materiais.

Dentro das empresas existem vários tipos de classificação de materiais.


Estudaremos somente os mais comuns e conhecidos, o que lhe permitirá entender o
processo e, se necessário, adaptá-los às necessidades de cada empresa.

Para Viana (2006) um bom método de classificação deve ter algumas


características: ser abrangente, flexível e prático:

 Abrangência: deve tratar de um conjunto de características, em vez de reunir apenas materiais


para serem classificados;
 Flexibilidade: deve permitir interfaces entre os diversos tipos de classificação de modo que se
obtenha ampla visão do gerenciamento do estoque;
 Praticidade: a classificação deve ser simples e direta.

Para atender às necessidades de cada empresa, é necessária uma divisão que norteie os
vários tipos de classificação.

1.2.1 Tipos de Classificação

Para Viana (2006,) os principais tipos de classificação são:

 Por tipo de demanda


 Materiais Críticos
 Perecibilidade
 Quanto à periculosidade
 Possibilidade de fazer ou comprar
 Tipos de estocagem
 Dificuldade de aquisição
 Mercado fornecedor

Serão abordadas as principais características e subdivisões de cada um deles:

a) Classificação por Tipo de Demanda


A classificação por tipo de demanda é uma classificação bastante utilizada nas
empresas. Ela se divide em materiais não de estoque e materiais de estoque.

 Materiais não de estoque

São materiais de demanda imprevisível para os quais não são definidos


parâmetros para o ressuprimento. Esses materiais são utilizados imediatamente, ou seja,
a inexistência de regularidade de consumo faz com que a compra desses materiais
somente seja feita por solicitação direta do usuário, na ocasião em que isso se faça
necessário. O usuário é que solicita sua aquisição quando necessário. Devem ser
comprados para uso imediato e se forem utilizados posteriormente, devem ficar
temporariamente no estoque.

 Materiais de estoque

São materiais que devem sempre existir nos estoques para uso futuro e para que
não haja sua falta são criadas regras e critérios de ressuprimento automático. Devem
existir no estoque, seu ressuprimento deve ser automático, com base na demanda
prevista e na importância para a empresa.

Os materiais de estoque se subdividem ainda;

 Quanto à aplicação
 Quanto ao valor de consumo
 Quanto à importância operacional

Quanto à aplicação eles podem ser:

Materiais produtivos: compreendem todo material ligado direta ou indiretamente ao


processo produtivo.

Matérias primas: materiais básicos e insumos que constituem os itens iniciais e


fazem parte do processo produtivo.

Produtos em fabricação: também conhecidos como materiais em processamento são


os que estão sendo processados ao longo do processo produtivo. Não estão mais no
almoxarifado porque já não são mais matérias-primas, nem no estoque final porque
ainda não são produtos acabados.

Produtos acabados: produtos já prontos.

Materiais de manutenção: materiais aplicados em manutenção com utilização


repetitiva.
Materiais improdutivos: materiais não incorporados ao produto no processo
produtivo da empresa.

Materiais de consumo geral: materiais de consumo, aplicados em diversos setores da


empresa.

Quanto ao valor do consumo:

Para que se alcance a eficácia na gestão de estoque é necessário que se separe de


forma clara, aquilo que é essencial do que é secundário em termos de valor de consumo.
Para fazer essa separação nós contamos com uma ferramenta chamada de curva ABC ou
Curva de Pareto, que será aprofundada posteriormente, que determina a importância dos
materiais em função do valor expresso pelo próprio consumo em determinado período.

Os materiais são classificados em materiais:

Materiais A: materiais de grande valor de consumo;


Materiais B: materiais de médio valor de consumo;
Materiais C: materiais de baixo valor de consumo.

Quanto à importância operacional:

Esta classificação leva em conta a imprescindibilidade ou ainda o grau de


dificuldade para se obter o material.

Os materiais são classificados em materiais:

Materiais X: materiais de aplicação não importante, com similares na empresa;


Materiais Y: materiais de média importância para a empresa, com ou sem similar;
Materiais Z: materiais de importância vital, sem similar na empresa, e sua falta ocasiona
paralisação da produção.

Quando ocorre a falta no estoque de materiais classificados como “Z”, eles


provocam a paralisação de atividades essenciais e podem colocar em risco o ambiente,
pessoas e patrimônio da empresa. São do tipo que não possuem substitutos em curto
prazo.

Os materiais classificados como “Y” são também imprescindíveis para as


atividades da organização. Entretanto podem ser facilmente substituídos em curto prazo.
Os itens “X” por sua vez são aqueles que não paralisam atividades essenciais, não
oferecem riscos à segurança das pessoas, ao ambiente ou ao patrimônio da organização
e são facilmente substituíveis por equivalentes e ainda são fáceis de serem encontrados.
Para a identificação dos itens críticos devem ser respondidas as seguintes
perguntas:

O material é imprescindível à empresa?


Pode ser adquirido com facilidade?
Existem similares?

O material ou seu similar podem ser encontrados facilmente?

b) Materiais Críticos

Classificação muito utilizada por indústrias. São materiais de reposição específica,


cuja demanda não é previsível e a decisão de estocar tem como base o risco. Por serem
sobressalentes vitais de equipamentos produtivos, devem permanecer estocados até sua
utilização, não estando, portanto, sujeitos ao controle de obsolescência. A quantidade de
material cadastrado como material crítico dentro de uma empresa deve ser mínima. Os
materiais são classificados como críticos segundo os seguintes critérios:

 Críticos por problemas de obtenção: material importado; único fornecedor; falta


no mercado; estratégico e de difícil obtenção ou fabricação.

 Críticos por razões econômicas: materiais de valor elevado com alto custo de
armazenagem ou de transporte.

 Críticos por problemas de armazenagem ou transporte: materiais perecíveis, de


alta periculosidade, elevado peso ou grandes dimensões.

 Críticos por problema de previsão: ser difícil prever seu uso •

 Críticos por razões de segurança: materiais de alto custo de reposição ou para


equipamento vital da produção.

c) Materiais Perecíveis

Os materiais também podem ser classificados de acordo com a possibilidade de


extinção de suas propriedades físico-químicas. Muitas vezes, o fator tempo influencia
na classificação; assim, quando a empresa adquire um material para ser usado em um
período, e nesse período o consumo não ocorre, sua utilização poderá não ser mais
necessária, o que inviabiliza a estocagem por longos períodos.

Quanto à possibilidade de se extinguirem, seja dentro do prazo previsto para sua


utilização, seja por ação imprevista, os materiais podem ser classificados em: perecível
e não perecível.
A utilização da classificação por perecimento permite as seguintes medidas:

 Determinar lotes de compra mais racionais, em função do tempo de


armazenagem permitido;
 Programar revisões periódicas para detectar falhas de estocagem a fim de
corrigi-las e baixar materiais sem condições de uso;
 Selecionar adequadamente os locais de estocagem, usando técnicas adequadas
de manuseio e transporte de materiais, bem como transmitir
 orientações aos funcionários envolvidos quanto aos cuidados a serem
observados.

d) Materiais de alta Periculosidade

O uso dessa classificação permite a identificação de materiais que devido a suas


características físico-químicas, podem oferecer risco à segurança no manuseio,
transporte, armazenagem. Ex. líquidos inflamáveis.

e) Por tipo de estocagem

Os materiais podem ser classificados em materiais de estocagem permanente e


temporária.

Permanente: materiais para os quais foram aprovados níveis de estoque e que


necessitam de ressuprimento constantes.

Temporária: materiais de utilização imediata e sem ressuprimento, ou seja, é um


material não de estoque.

f) Materiais de Difícil Aquisição

Os materiais podem ser classificados por suas dificuldades de compra em


materiais de difícil aquisição e materiais de fácil aquisição. As dificuldades podem advir
de:

 Fabricação especial: envolve encomendas especiais com cronograma de fabricação


 longo;
 Escassez no mercado: há pouca oferta no mercado e pode colocar em risco o
 processo produtivo;
 Sazonalidade: há alteração da oferta do material em determinados períodos do ano;
 Monopólio ou tecnologia exclusiva: dependência de um único fornecedor;
 Logística sofisticada: material de transporte especial, ou difícil acesso;
 Importações: os materiais sofrer entraves burocráticos, liberação de verbas ou
 financiamentos externos.

g) Quanto ao Mercado Fornecedor

Esta classificação está intimamente ligada à anterior e a complementa. Assim


temos:

 Materiais do mercado nacional: materiais fabricados no próprio país;


 Materiais do mercado estrangeiro: materiais fabricados fora do país;
 Materiais em processo de nacionalização: materiais aos quais estão desenvolvendo
fornecedores nacionais.

Acabamos de ver oito tipos principais de classificação de materiais, eles não


necessitam trabalhar separadamente, e alguns deles recebem indicações explícitas para
que trabalhem em conjunto com outra classificação, tornando mais eficaz a gestão dos
estoques.

Exercícios da Unidade 1

1) Cite e comente três tipos de recursos empresariais

2) O que são fatores de produção?

3) Qual o escopo da administração de materiais?

4) Qual o objetivo da administração de materiais?

5) Como avaliar o desempenho da área de materiais?

6) Quais os desafios da administração de materiais?

7) Como se classificam os materiais?

8) Explique a possibilidade de fazer ou comprar


Unidade
2

Aquisição e Codificação dos Recursos


Materiais
Objetivos da Unidade 2

Mostrar a importância e os objetivos da função compras para o


processo industrial e comercial. Conhecer as novas tecnologias
que mudaram a forma de comprar. Entender a relação das
comprar com os níveis de estoques das empresas. Compreender as
estratégias de aquisição dos recursos materiais. Conhecer o
processo de compras e a importância da ética nas relações de
compra.
2.0 AQUISIÇÃO DOS RECURSOS MATERIAIS

Uma vez evidenciada a relevância da aquisição de materiais em quantidade e


qualidade compatíveis com as expectativas da empresa, pode-se inferir que a redução
dos custos e a maximização dos lucros são variáveis que se vinculam substancialmente
ao ato da compra.

Outro aspecto a ser ressaltado no assunto abordado é a questão da


disponibilidade dos materiais e serviços no prazo adequado, ou seja, quanto mais
eficiente for o lead time de compra – lapso temporal entre a decisão de compra de um
item e sua efetiva liberação pelo controle de qualidade para adesão ao estoque, ou
fornecimento à produção – mais otimizada será a aplicação e a oferta dos produtos e
serviços.

2.1 A FUNÇÃO COMPRAS

Esta função passou a conquistar seu espaço e reconhecimento ao longo do


tempo, sendo que saber comprar de forma mais adequada para a organização é
determinante para sua permanência no mercado. Seu desenvolvimento e equilíbrio
visando as diferentes necessidades dos diversos setores existentes dentro de uma
empresa.

No processo de suprimento de materiais e serviços, a função de compras


constitui um elemento crucial, sendo que a escolha certa dos insumos e fornecedores
repercutirá no preço final do produto a ser ofertado.

“A inadequação de especificações, prazos, performance e preços causam


transtorno ao processo operacional com atrasos na produção, não atendimento da
qualidade, elevação dos custos e insatisfação do cliente.” (POZO, 2002, p. 140)

Neste contexto, a capacidade de diferenciação, bem como a eficácia no processo,


tornam-se variáveis determinantes na valorização do produto, minimização de custos e
conquista de novos clientes.
Como já mencionado no tópico inicial, o setor de compras tem a grande
responsabilidade de suprir a empresa com os insumos adequados às particularidades da
organização, atendendo as necessidades do mercado.

Outrossim, obter e coordenar o fluxo contínuo de suprimentos de modo a atender


aos programas de produção; comprar os materiais aos melhores preços, não fugindo aos
parâmetros qualitativos e quantitativos; e procurar as melhores condições para a
empresa, são alguns dos objetivos do setor de compras. (DIAS, 2005)

Tendo em vista a evolução dos objetivos da função compras, pode-se constatar


que a mesma ocorreu, em grande parte, em função da globalização, a qual desenvolveu
fornecedores mais especializados, graças à evolução das tecnologias e o surgimento da
internet – responsável atualmente pela realização de grande parte dos negócios no
mundo inteiro.

Os objetivos de compras devem estar alinhados aos objetivos estratégicos da


empresa como um todo, visando o melhor atendimento ao cliente externo e interno.Essa
preocupação tem tornado a função compras extremamente dinâmica, utilizando-se de
tecnologias cada vez mais sofisticadas.

2.1.1 As Compras e os Níveis de Estoque e Fornecedores

Ao setor de compras também é designada a difícil tarefa de equilibrar a


quantidade de materiais a serem comprados para que os demais departamentos da
empresa encontrem-se satisfeitos continuamente.

Conforme discorre Arnold (1999, p. 212), “a quantidade é importante porque


influenciará o modo como o produto será projetado, especificado e fabricado.” Destarte,
a quantidade aproximada a ser adquirida pelo setor de compras poderá ser visualizada
através da demanda de mercado.

Da mesma forma, é importante que se consiga “otimizar o investimento,


aumentando o uso eficiente dos meios financeiros, minimizando as necessidades de
capital investido em estoques”.

Sabe-se que altos níveis de estoque significam segurança para o setor de


produção.Porém, os mesmos acarretam exacerbados custos, tanto de armazenagem,
como custo do capital investido, custos para o controle, bem como despesas com o
pessoal encarregado.

Segundo Pozo (2002, p. 38), “se os estoques forem mínimos a empresa pode
usar esse capital não para especular no sistema financeiro e estagnar, mas para
aprimorar seus recursos”.

Não obstante, nível de estoque muito baixo pode ser um fator de extremo risco
para a organização. Sendo que pode ocasionar a ruptura dos estoques, a qual reflete em
parada na produção, e consequentemente em atraso de entregas e em insatisfação e
perda de clientes.

Toda empresa na consecução de seus objetivos necessita de grande interação


entre todos os seus departamentos ou processos, no caso de assim estar organizada. (...)
A área de compras interage intensamente com todas as outras, recebendo e processando
informações, como também alimentando outros departamentos de informações úteis às
suas tomadas de decisão. (MARTINS & ALT, 2001, p. 68)

Logo, é primordial que se consiga, segundo Dias (2005, p. 20), “conciliar da


melhor maneira os objetivos dos departamentos, sem prejudicar a operacionalidade da
empresa, assim como a definição da política dos estoques”.

Não obstante, a dificuldade se encontra na determinação da quantidade de


material que a empresa deve estocar. Porém, para isso existem várias técnicas, as quais
consideram a estimativa de demanda, o tempo de reposição, dentre outros fatores que
devem ser analisadas respeitando as peculiaridades de cada organização.

Segundo Arnold (1999, p. 218), “uma vez tomada a decisão sobre o que
comprar, a segunda decisão mais importante refere-se ao fornecedor certo.” Não
obstante, pode-se aludir que o melhor fornecedor é aquele que oferece um bom prazo de
pagamento, juntamente com o prazo de entrega almejado pela empresa, aliado a um
bom preço, porém com a máxima qualidade e a melhor tecnologia.

Tendo em vista a dificuldade de encontrar um fornecedor que possua todos os


requisitos supracitados, cabe ao setor de compras analisar qual é a sua verdadeira
necessidade no que diz respeito ao preço e ao prazo que a empresa necessita.

Conforme Gurgel (1996, p. 47), “a seleção do fornecedor deverá obedecer a


critérios adequados que levarão em conta cada mercado fornecedor e as características
do artigo a comprar.”

Tampouco, é importante que se faça um estudo acerca de todos os fornecedores


selecionados, para que seja possível uma avaliação correta sobre suas instalações,seu
desempenho, sua capacidade e condição financeira, bem como a assistência técnica que
oferece, dentre outros fatores que confirmam sua idoneidade. (DIAS, 2005).

Ademais, é essencial que o departamento de compras procure manter um bom


relacionamento com seus fornecedores e, da mesma forma, possua mais de uma opção
de fornecedor para cada produto que utiliza. Afinal, a união desses dois fatores pode
garantir que a segurança no processo de reposição seja ainda maior.

A escolha de um fornecedor é uma das atividades fundamentais e prerrogativa


exclusiva de compras. O bom fornecedor é quem vai garantir que todas aquelas
clausulas solicitadas, quando de uma compra, sejam cumpridas. Deve o comprador
procurar, de todas as maneiras, aumentar o número de fornecedores em potencial a
serem consultados, de maneira que se tenha certeza de que o melhor negócio foi
executado em benefício da empresa. O número limitado de fornecedores a serem
consultados, constituem uma limitação das atividades de compras.

2.1.2 Estratégias de Aquisição de Recursos Materiais

As compras podem ser centralizadas ou descentralizadas . O tipo de


empreendimento é que vai definir a necessidade de centralizar.

Uma prática muito usada é ter um comitê de compras, em que pessoas de todas
as área da empresa participem das decisões. As vantagens da centralização dos serviços
de compras são sempre postas em dúvida pelos departamentos que necessitam de
materiais. De modo geral, a centralização apresenta aspectos realmente positivos, pela
redução dos preços médios de aquisição, apesar de, em certos tipos de compras, ser
mais aconselhável à aquisição descentralizada.

A definição de uma estratégia correta de compras pode dar à empresa uma


grande vantagem competitiva. Se por um lado ela decidir produzir mais internamente,
ganha dependência, mas perde flexibilidade. Por outro lado, se decidir comprar mais de
terceiros em detrimento de fabricação própria, pode tornar-se dependente. Nesse caso,
deve decidir também o grau de relacionamento que deseja com seus parceiros.

Componentes que são vitais para o produto final eram sempre fabricados
internamente. Essa concepção está mudando com o desenvolvimento de parcerias
estratégicas nos negócios. Outra situação praticamente determinante é aquela em que a
fabricação de um componente exige altos investimentos, fora do alcance de eventuais
fornecedores. Mesmo assim, são usuais as situações em que um grande fabricante
financia as instalações de um futuro fornecedor, pois não interessa a ele produzir o
referido componente.

Quando se tem uma demanda simultaneamente alta e estável, a fabricação dos


materiais necessários internamente pode ser uma boa opção.

Basicamente podemos ter duas estratégias operacionais que irão definir as


estratégias de aquisição dos bens materiais, a verticalização e a horizontalização.
Ambas têm vantagens e desvantagens e, de um modo geral, o que é vantagem em uma
passa a ser desvantagem na outra e vice-versa.

Estratégia de Verticalização

A verticalização é a estratégia que prevê que a empresa produzirá internamente


tudo o que puder, ou pelo menos tentará produzir. Foi predominante no início do século,
quando as grandes empresas praticamente produziam tudo que usavam nos produtos
finais ou detinham o controle acionário de outras empresas que produziam os seus
insumos.

O exemplo clássico é o da Ford, que produzia o aço, o vidro, centenas de


componentes, pneus e até a borracha para a fabricação dos seus automóveis. A
experiência da plantação e seringueiras no Brasil, na Fordlândia no Amazonas, até hoje
é citada como exemplo. s principais vantagens da verticalização são a independência de
terceiros – a empresa tem maior liberdade a alteração de suas políticas, prazos e padrão
de qualidade, além de poder priorizar um produto em detrimento de outro que naquele
momento é menos importante, ficando com ela os lucros que seriam e passados aos
fornecedores e mantendo o domínio sobre tecnologia própria – a tecnologia que o
fornecedor desenvolveu, muitas vezes com a ajuda da empresa, não será utilizada
também para os concorrentes.

A estratégia da verticalização apresenta também desvantagens. Ela exige maior


investimento em instalações e equipamentos. Assim, já que a empresa está envolvendo
mais recursos e imobilizando-os, ela acaba tendo menor flexibilidade para alterações
nos processos produtivos, seja para incorporar novas tecnologias ou para alterar
volumes de produção decorrentes de variações no mercado – quando se produz
internamente é difícil e custosa a decisão de parar a produção quando a demanda é baixa
e comprar novos equipamentos e contratar mais funcionários para um período incerto de
alta procura.

Estratégia de Horizontalização

A horizontalização consiste na estratégia de comprar de terceiros o máximo


possível dos itens que compõem o produto final ou os serviços de que necessita. É tão
grande a preferência da empresa moderna por ela que, hoje em dia, um dos setores de
maior expansão foi o de terceirização e parcerias. De um modo geral não se terceiriza os
processos fundamentais (core process), por questões de detenção tecnológica, qualidade
do produto e responsabilidade final sobre ele.

Entre as principais vantagens da horizontalização estão a redução de custos –


não necessita novos investimentos em instalações industriais; maior flexibilidade para
alterar volumes de produção decorrentes de variações no mercado – a empresa compra
do fornecedor a quantidade que achar necessária, pode até não comprar nada
determinado mês; conta com knowhow dos fornecedores no desenvolvimento de novos
produtos (engenharia simultânea).A estratégia de horizontalização apresenta
desvantagens como a possível perda do controle tecnológico e deixar de auferir o lucro
decorrente do serviço ou fabricação que está sendo repassada.
Vantagens de Centralizar:

 visão do todo quanto à organização do serviço;


 poder de negociação para melhoria dos níveis de preços obtidos dos
fornecedores;
 influência no mercado devido ao nível de relacionamento com os fornecedores;
 análise do mercado, com eficácia, em virtude da especialização do pessoal no
 serviço de compras;
 controle financeiro dos compromissos assumidos pelas compras associado a um
 controle de estoques;
 economia de escala na aquisição centralizada, gerando custos mais baixos;
 melhor qualidade, por causa da maior facilidade de implantação do sistema de
 qualidade;
 sortimento de produtos com mais consistência, para suportar as promoções
 nacionais;
 especialização das atividades para o pessoal da produção não perder muito
tempo
 com contatos com os vendedores.

O uso de comitê tem as seguintes vantagens:

 larga faixa de experiência é aplicada nas decisões;


 as decisões são tomadas numa atmosfera mais científica;
 o nível de pressões sobre compras é mais baixo, melhorando as relações dos
 compradores com o pessoal interno e os vendedores;
 a co-participação das áreas dentro do espírito de engenharia simultânea, cria um
 ambiente favorável para melhor desempenho tanto do ponto de vista político,
como profissional.

Vantagens da descentralização:

 adequação da compra devido ao conhecimento dos problemas específicos da


área
 onde o comprador exerce sua atividade.
 menor estoque e com uma variedade mais adequada, por causa de peculiaridades
regionais da qualidade, quantidade, variedade.
 coordenação, em virtude do relacionamento direto com o fornecedor, levando a
unidade operacional a atuar de acordo com as necessidades regionais.
 flexibilidade proporcionada pelo menor tempo de tramitação das ordens,
provocando menores faltas.
Comprar ou Fazer

Esta classificação visa determinar quais os materiais que poderão ser


recondicionados, fabricados internamente ou comprados.
Esta questão vem de longe. Entretanto na atualidade o seu escopo aumentou.
Inclui agora decisões sobre terceirização ou não da prestação de serviços que não são o
negócio principal da empresa, como limpeza, manutenção e compras.

A decisão sobre essa questão pode ser tomada tendo em vista à estratégia global
da empresa, além dos custos relacionados a fabricação ou compra de determinado
componente.

O Arrendamento Mercantil

Outro problema com que se depara o setor de compras é o de comprar ou alugar


um bem patrimonial, como um veículo, avião, edifício ou equipamento.
Para que a modalidade de leasing ou arrendamento mercantil ocorra, é
necessário a interveniência de uma empresa de leasing, que é geralmente ligada a um
Banco. Nesse caso, o cliente (arrendatário) escolhe o bem, a empresa de leasing
(arrendador) adquire o bem escolhido do fornecedor e o aluga ao cliente. Dependendo
do tipo de contrato, o cliente, ao encerramento do prazo contratual, poderá exercer o
direito de compra do bem em pauta. De um modo geral são arrendáveis bens novos e
usados, nacionais ou importados, móveis ou imóveis.

Essa estratégia traz várias vantagens, como: (a) é mais fácil de obter o leasing do
que um empréstimo para comprar o bem, pois esse será de propriedade do arrendador e,
consequentemente, mais fácil de recuperar, no caso de inadimplência do arrendatário,
(b) não exige grande desembolso inicial de capital, (c) o risco da obsolescência do bem
é do arrendador, e (d) os pagamentos efetuados a título de aluguel são dedutíveis como
despesas do exercício, com reflexos no lucro tributável.
O leasing apresenta como desvantagens os fatos de o arrendatário: (a) são poder
depreciar o bem e, consequentemente, aproveitar os benefícios tributários, (b) ter de
devolver o equipamento após o termino do contrato, e se o arrendador decidir não
renová-lo poderá deixar o arrendatário em difícil situação, (c) ter de submeter à
aprovação prévia do arrendador qualquer alteração ou melhoria necessária no bem, e (d)
não poder usar o valor residual que normalmente o bem terá ao termino do contrato.
Um caso importante do arrendamento é o chamado leaseback au arrendamento
de venda e retorno. É quando uma empresa vende o seu bem para a companhia de
leasing e imediatamente o aluga de volta. É uma forma de a empresa leventar capital de
giro.
2.1.3 O processo de Compra

Antes de iniciarmos os passos para realizar as compras, é importante que


possamos conhecer algumas questões importantes no processo de compra e os tipos de
compra:

a) Questões importantes no processo de compra

Ao planejar as compras o responsável pelas compras deve ter em mente as seguintes


questões: o que comprar? Quanto e quando comprar? Onde comprar? Como comprar? E
outros fatores importante no processo de compras.

1. O que comprar?

Resposta: Especificação / Descrição do Material

Esta pergunta deve ser respondida pelo requisitante, que pode ou não ser apoiado por
áreas técnicas ou mesmo compras para especificar o material.

2. Quanto e Quando comprar?

Resposta: É função direta da expectativa de consumo, disponibilidade financeira,


capacidade de armazenamento e prazo de entrega.

A maior parte das variáveis acima deve ser determinada pelo órgão de material ou
suprimento no setor denominado gestão de estoques.

A disponibilidade financeira deve ser determinada pelo orçamento financeiro da


Empresa.

A capacidade de armazenamento é limitada pela própria condição física da Empresa.

3. Onde comprar?

R.- Cadastro de Fornecedores.

É de responsabilidade do órgão de compras criar e manter um cadastro confiável


(qualitativamente) e numericamente adequado (quantitativa).

Como suporte alimentador do cadastro de fornecedores deve figurar o usuário de


material ou equipamentos e logicamente os próprios compradores.
4. Como comprar? R.- Normas ou Manual de Compras da Empresa.

Estas Normas deverão retratar praticamente a política de compras na qual se


fundamenta a Empresa. Originadas e definidas pela cúpula Administrativa deverão
mostrar entre outras, competência para comprar, contratação de serviços, tipos de
compras, fórmulas para reajustes de preços, formulários e rotinas de compras, etc.

5. Outros Fatores

Além das respostas as perguntas básicas o comprador deve procurar, através da


sua experiência e conhecimento, sentir em cada compra qual fator que a influencia mais,
a fim de que possa ponderar melhor o seu julgamento. Os fatores de maior influência na
compra são: Preço; Prazo; Qualidade; Prazos de Pagamento; Assistência Técnica.

b) Tipos de Compras

Toda e qualquer ação de compra é precedida por um desejo de consumir algo ou


investir. Existem, pois, basicamente, dois tipos de compra:

 Compras para consumo;


 Compras para investimento.

Compra para consumo

Compras para consumo -São de matérias primas e materiais destinados a


produção, incluindo-se a parcela de material de escritório. Algumas empresas
denominam este tipo de aquisição como compras de custeio.

As compras para consumo, segundo alguns estudiosos do assunto, subdividem-se


em:

 compras de materiais produtivos e;

 compras de material improdutivo.

Materiais Produtivos São aqueles materiais que integram o produto final, portanto,
neste caso, matéria-prima e outros materiais que fazem parte do produto, sendo que
estes diferem de indústria - em função do que é produzido.
Materiais improdutivos São aqueles que, sendo consumido normal e rotineiramente,
não integram o produto, o que quer dizer que é apenas material de consumo forçado ou
de custeio.

Em função do local onde os materiais estão sendo adquiridos, ou de suas origens, a


compra pode ser classificada como:

 Compras Locais ou
 Compras por Importação.

Compras para Investimento

As compras para investimento são as compras de bens e equipamentos que


compõem o ativo da empresa (recursos patrimoniais)

Compras de emergência

Ocorre por falha de planejamento ou por causas acidentais, sendo realizada com
a supressão de várias etapas do fluxo básico, o que reduz o poder de negociação da
empresa.

Compras para o serviço público

As atividades de compras locais podem ser exercidas na iniciativa privada e no


serviço público. A diferença fundamental entre tais atividades é a formalidade no
serviço público e a informalidade na iniciativa privada, muito embora com
procedimentos praticamente idênticos, independentemente dessa particularidade. As
Leis nº 8.666/93 e 8.883/94, que envolvem as licitações no serviço público, exigem total
formalidade. Seus procedimentos e aspectos legais serão detalhados em Compras no
Serviço Público.

Compras por Importação

As compras por importação envolvem a participação do administrador com


especialidade em comércio exterior, motivo pelo qual não cabe aqui nos aprofundarmos
a esse respeito. Seus procedimentos encontram-se expostos a contínuas modificações de
regulamentos, que compreendem, entre outras, as seguintes etapas:

 Processamento de faturas pro forma;


 Processamento junto ao Departamento de Comércio Exterior - DECEX – dos
documentos necessários à importação;
 Compra de câmbio, para pagamento contra carta de crédito irrevogável;
 Acompanhamento das ordens de compra (purchaseorder) no exterior;
 Solicitação de averbações de seguro de transporte marítimo e/ou aéreo;
 Recebimento da mercadoria em aeroporto ou porto;
 Pagamento de direitos alfandegários;
 Reclamação à seguradora, quando for o caso.

As Etapas do processo de compra

O processo de seleção das fontes de fornecimento não se restringe a uma única


ocasião, ou seja, quando e necessária a aquisição de determinado material. A atividade
deve ser exercida de forma permanente e contínua, através de várias etapas, entre as
quais selecionamos as seguintes:

O processo de produção inicia-se com planejamento das vendas, estabelecimento


de uma política de estoque de produtos acabados e listagem dos itens e quantidades de
produtos a serem fabricados, quantidades estas distribuídas ao longo de um cronograma
de produção.

Um sistema de planejamento de produção fixa as quantidades a comprar


somente na etapa final da elaboração do plano de produção. As quantidades líquidas a
comprar serão apuradas pela desagregação das fichas de produção e em especial pela
listagem de materiais necessários para compor cada unidade de produto a ser produzido.
Será necessário comparar as necessidades de materiais com as existências nos estoques
de matérias-primas, para se apurar as necessidades líquidas distribuídas no tempo
conforme o cronograma de produção necessária para atender ao planejamento de
vendas.

Entretanto, a execução da compra será a primeira etapa executiva do programa


de produção. O término da programação e o início das atividades de compra
caracterizam-se, portanto, como uma área com muitas facilidades de conflitos, conflitos
estes sempre agravados pelos atrasos normais e habituais do planejamento.

As pressões exercidas pelos setores de produção e faturamento reforçam ainda


mais a probabilidade de atritos na área de compras. Neste momento todos se esquecem
dos atrasos no planejamento das vendas e na programação da produção.

Outro aspecto interessante do relacionamento dentro da área de compras é a


inversão curiosa de atitude que se processa entre o comprador e o vendedor após a
emissão do pedido. A posição inicial de vendedor é sempre solicitante e o comprador
nesta fase poderá usar seus recursos de pressão para forçar o vendedor a chegar às
condições ideais para a empresa.

Uma vez emitido o pedido, o comprador perde sua posição de comando e passa a
uma atitude de expectativa. Procurará de agora em diante adotar uma atitude de
vigilância, procurando cuidar para que os fornecimentos sejam feitos e os prazos
cumpridos.

Etapa 1: Cotação de Preços

O depto. de compras com base nas solicitações de mercadorias efetua a cotação dos
produtos requisitados.

Depois de efetuadas as cotações o órgão competente analisa qual a proposta mais


vantajosa levando em consideração os seguintes itens:

 prazo de pagamento;
 valor das parcelas;

Etapa 2: O Pedido de Compra

Após término da fase de cotação de preços dos materiais e analise da melhor


proposta para fornecimento, o setor de compras emite o pedido de compras para a
empresa escolhida. Esse pedido deverá ter com clareza a descrição do material a ser
comprado, bem como as descrições técnicas, para que não ocorram as frequentes
dúvidas que comumente acontecem.

Preferencialmente o pedido deverá ser emitido em 3 vias, sendo a 1ª e 2ª vias


enviadas ao fornecedor, o qual colocará ciente na 2ª via e a devolverá que passará a ter
força de contrato, funcionando como um "instrumento particular de compromisso de
compra e venda". A 3ª via funciona como followup do pedido.

Etapa 3: O Recebimento dos Materiais

No recebimento dos materiais solicitados, alguns principais aspectos deverão ser


considerados como:

 Especificação técnica: conferencia das especificações pedidas com as recebidas.


 Qualidade dos materiais: conferencia física do material recebido.
 Quantidade: Executar contagem física dos materiais, ou utilizar técnicas de
amostragem quando for inviável a contagem um a um.
 Preço:
 Prazo de entrega: conferencia se o prazo esta dentro do estabelecido no pedido.
 Condições de pgto.: conferencia com relação ao pedido.

2.1.4 O Lote Econômico de Compra

O Lote Econômico de Compra foi concebido para a gestão de itens comprados


fora da empresa. Todo sistema de controle de estoque deve prioritáriamente responder
a duas questões: Quando se deve comprar o item (uma data), e Quanto se deve comprar.

Embora o sistema de Lote Econômico de Compra responda as duas indagações,


ele é mais conhecido por responder a segunda delas, ou seja, quanto se deve comprar da
mercadoria que se está considerando.. O próprio nome LEC refere-se comumente a essa
quantidade, a qual, como veremos é constante e depende de alguns pressupostos que
serão mostrados mais adiante.

Agora podemos dizer que o LEC é o tamanho do lote que minimiza os custos
anuais totais de manutenção do estoque e processamento de pedidos.Quantidade
comprada levando-se em consideração o custo total de armazenagem e o custo total de
pedido.

Pressupostos do LEC:

o Demanda relativamente constante e conhecida;


o Itens comprados em lotes e não de forma contínua;
o Custos conhecidos;
o Tempos de reposição são baixos;
o Não existe limitações sobre o tamanho de cada lote;
o Os dois únicos custos relevantes são o de manter o estoque e o fixo por lote para
emissão do pedido;
o Não existe incerteza quanto o tempo de espera ou ao suprimento.

Fórmula de cálculo do custo total de estocagem:

CT = (Cc) x Q/2 + (Cp) x D/Q + Ci + D x P

Onde:

CT: custo total de estocagem


Cc: custo de carregamento, ou custo anual de manutenção de estoques (Ca + i x P)
Qc: quantidade do lote comprado
Cp: custo do pedido ou de obtenção
D: demanda anual
Ci: custos independentes
P: preço unitário
Ca: custo de armazenamento
i: custo do capital despendido
O lote econômico de compra se obtém, quando a curva do custo do pedido igual à reta
do custo de carregamento.
Custo ($)

CT

CC

CP
Ci

LEC Q

Resolução matemática:

LEC = 2 x Cp x D ou LEC = 2 x Cp x D
Ca +i x P Cc

Considerações:
Os estudos de lotes econômicos requerem cada vez menos tempo;
Os softwares de gestão de estoques são utilizados em praticamente todas as empresas;
A tendência é a compra em lotes cada vez menores, o just-in-time;
Quando possível realizar a compra unitária (one piece flow);
O levantamento de alguns custos, como carregamento, aluguel de área ocupada dependem de
rateios, às vezes, discutíveis;
Custos como de obsolescência são intangíveis (não mensuráveis);
O estabelecimento de parcerias altera todo o perfil dos custos;
A curva do CT é extremamente achatada nas proximidades do LEC, logo não há um ponto (lote)
ótimo de compra, mas uma região (vários valores de LEC).

Exemplo:

Para um item em estoque, a demanda anual é de 144.000 unidades. Estima-se que para
emitir um pedido, contando-se ai também os custos de transporte e inspeção, até colocar
a mercadoria no estoque, são gastos cerca de R$ 10.000,00. Manter o item em estoque
acarreta um custo de R$ 2.000,00 por ano.

a) Adotando as quantidades compradas de 400, 700, 1.000 e 1.500 unidades calcular o


custo anual de pedir e de manter o item em estoque, bem como o Custo Total Anual.
Assumir que o estoque de reserva é zero.
b) Calcular o LEC

c) Calcular o Custo Total Anual mínimo

Solução do Exercício

a) Todos os custos pedidos variarão em função da quantidade comprada, Temos:

D = 144.000

Cp = 10.000

Cm = 2.000

E também

Custo de pedir = Cp D/Qc = (10.000) (144.000)/Qc



Custo de manter = Cm Qc /2 = 2.000 Qc/2 = 1.000Qc

CT = Custo de pedir + Custo de manter

Os três custos estão calculados para cada diferente valor de Qc na tabela abaixo:

Quantidade de Custo de Custo de Custo Total


Compra Pedir Manter Anual
Qc Cp D/Qc Cm Qc /2 Cp D/Qc + Cm Qc/2
400 3.600.000 400.000 4.000.000
700 2.057.143 700.000 2.757.143
1.000 1.440.000 1.000.000 2.440.000
1.500 960.000 1.500.000 2.460.000

Como se vê, o Custo Total Anual é decrescente até a quantidade comprada de 1.000
unidades, aumentando novamente para 1.500 unidades. Encontramo-nos pois diante de
dois comportamentos da curva, a fase descendente, a passagem pelo mínimo ascendente
e a fase ascendente, significando que entre as quantidades compradas de 1.000 e 1.500
unidades o Lote Econômico de compra.

b) O cálculo do LEC

LEC =  2 Cp D =  2(10.000) (144.000) = 1.200 unidades


Cm 2.000
Tal como era possível prever da tabela do cálculo de custos, o LEC situa-se entre as
quantidades de compra de 1.000 e 1.500 unidades.

c) De posse do LEC, é fácil calcular o Custo Total Anual mínimo que lhe corresponde.

D LEC 144.000 1.200


CT = Cp + Cm = 10.000 + 2.000 =
LEC 2 1.200 2

1.200.000 + 1.2000 = $2.400.000

Repare na igualdade entre o custo de pedir e o custo de manter quando se compra o


LEC e o estoque de reserva é nulo

Compra com a utilização do MRP

O materials requirement planning (MRP) ou planejamento das necessidades de


materiais é uma técnica que permite determinar as necessidades de compras de materiais
que serão utilizados na fabricação de um certo produto.

Com base na lista de materiais, obtida por meio da estrutura analítica do produto,
também conhecida como árvore do produto ou explosão do produto, e em função de
uma demanda dada, o computador calcula as necessidades de materiais que serão
utilizados e verifica se há estoques disponíveis para o atendimento. Se não há material
em estoque, na quantidade necessária, ele emite uma solicitação de compra – para os
itens comprados e uma ordem de fabricação – para os itens que são fabricados
internamente. Esquema do MRP

Projeção de Demanda

Plano de Produção Lista de Materiais

Softwere MRP

Lista de necessidades de
materiais

Consulta de Estoque

Há disponibilidade Libera Fabricação


Item fabricado ou Libera Fabricação do Fábrica
comprado item

Libera compra

Fornecedor

Vejamos um exemplo para entender melhor o assunto.

A Empresa Beta recebeu um pedido de 1.500 unidades de um produto A qualquer. A


estrutura analítica do produto, uma forma de especificar a relação de material e a
disponibilidade de estoques, é demonstrada abaixo.

Produto A

B (2) C I(1) D (3)

E(1) F(2) F(2) G(3) E(1) G(2)

Na figura acima a simbologia é a seguinte: B(2) significa que necessitamos de 2


submontagens B para compor uma unidade A. O componente G, por exemplo é usado
tanto na montagem de C como do D. Assim G(3) significa que necessitamos de 3
unidades do componente para montar uma unidade de C e G2 significa que
necessitamos de 2 unidades do componente G para montar uma unidade de D.

A tabela abaixo mostra que a posição dos estoques dos componentes e seus
respectivos led times – tempos de atendimento no caso dos itens comprados e tempo de
fabricação e montagem no caso dos itens produzidos internamente.
Posição dos Estoques
Item Tempo de Atendimento em Semanas Estoque na empresa
A 1(1) 300
B 1(2) 1.200
C 2(3) 0
D 2(4) 800
E 1 6.000
F 2 3.500
G 3 4.500

(1) Tempo gasto para montar 1.500 unidades


(2)Tempo gasto para montar lotes mais de 1.000 unidades
(3)Tempo gasto para montar lotes com mais de 1.000 unidades
(4) Tempo gasto para montar lotes com mais de 500 unidades

Com base na demanda de 1.500 unidades para o produto A e da estrutura


analítica do produto, podemos determinar as necessidades de cada um dos componentes
ou peças conforme a mostra a tabela abaixo.

Cálculo das Necessidades dos Materiais


Componente/Peça Demanda Estoque Necessidade
A 1.500 300 1.200
B 2 x 1.200 = 2.400 1.200 1.200
C 1 x 1.200 = 1.200 0 1.200
D 3 x 1.200 = 3.600 800 2.800
E 1 x 1.200 + 1x2.800 = 4000 6.000 0
F 2 x 1.200 + 2x 1200 = 4.800 3.500 1.300
G 3 x 1.200 + 2x2.800 = 9.200 4.500 4.700

Assim para atender o pedido, são necessárias as seguintes quantidades de


componentes/peças

A - 1.200 unidades
B – 1.200 unidades
C - 1.200 unidades
D 2.800 unidades
E–0
F – 1.300 unidades
G – 4.700 unidades
2.1.5 As Novas Formas de Comprar

O fenômeno globalização, tem trazido grande impacto na forma como as


compras são efetuadas. Hoje se fala em mercado global e, consequentemente, em
compras globalizadas. Com o advento dos produtos mundiais, a exemplo do carro
mundial, peças e componentes são comprados no mundo inteiro.
No Pão de Açúcar, graças a estas novas formas de compra, em dois anos, o
índice de falta de produtos caiu de 25% para 4%, o tempo médio de armazenamento
reduziu-se em um mês (passou de 40 para 10 dias) e o volume de cargas recebidas
triplicou.

Compras via EDI

Uma das formas de compras que mais cresce atualmente é o eletronic data
interchange (EDI), tecnologia para transmissão de dados eletronicamente. Por meio da
utilização de um computador, acoplado a um modem e a uma linha telefônica e com um
software específico para comunicação e tradução dos documentos eletrônicos, o
computador do cliente é ligado diretamente ao computador do fornecedor,
independentemente dos hardwares e softwares em utilização. As ordens ou pedidos de
compra, como também outros documentos padronizados, são enviado sem a utilização
de papel. Os dados são compactados – para maior rapidez na transmissão e diminuição
de custos -, criptografados e acessados somente por uma senha especial.
Essa forma de comunicação e de transação pode ligar a empresa a seus clientes,
fornecedores, banco, transportadora ou seguradora. Ela já existe há bastante tempo e
traz várias vantagens, como:
 rapidez, segurança e precisão do fluxo de informações;
 redução significativa de custos;
 facilidade da colocação de pedidos, principalmente nos casos de
contratos de fornecimento com entregas mediante liberação do cliente,
como acontece nas transações entre montadoras e autopeças no Brasil e
resto do mundo;
 sedimenta o conceito de parcerias entre cliente e fornecedor.

Na Bilndex, devido ao EDI, as informações são atualizadas de meia em meia


hora, sendo que “antes, AM alguns casos, a demora chegava a passar de seis horas para
a liberação de um caminhão cujo cliente estivesse com seu crédito bloqueado”,
exemplifica o responsável pelo CPD. Já para a Philips, a implantação do EDI em sua
fábrica, a informação vá direto para o cliente para que ele possa ir trabalhando
imediatamente com esses dados.
A fim de facilitar e disseminar a forma EDI de transações, foram estabelecidos
padrões às comunicações de dados. Soa mais usuais o padrão europeu – EDIFACT – e o
americano – ANSI X12.
Com a difusão da internet e consequentemente dos emails, uma forma bastante
simples de comunicação eletrônica, esta havendo uma tendência de unificar os padrões
por meio da ANSI X400.

O EDI, quando comparado ao e-commerce, que pode ser considerado o uso das
tecnologias de computação e de comunicações para a realização de negócio, apresente
algumas vantagens, entre as quais:

 maior segurança nas comunicações e parceiros;


 dispõe de formato padrão para as transações, com um completo
conjunto de mensagens;
 as value added netwoks (VANs), básicas para o EDI, são muito seguras;
 maior rapidez quando se tem um alto volume de transações,
processadas em servidores de grande porte ou mesmo em mainframe.

Além do EDI tradicional, muito usado pelas grandes empresas, está tomando
força o EDI via internet, como um opção de menor custo, possibilitando acesso a mais
empresas. Seus principais entraves são a questão da segurança dos dados e a resistência
das empresas que investiram grandes somas no modelo tradicional.

O EDI proporcionou que o relacionamento entre cliente e fornecedor evoluísse


de tal forma, que o processo de compra foi totalmente automatizado; varejistas e
fornecedores conhecem muito mais dos hábitos de compra do consumidor – o
fornecedor tem informações para decidir se produzirá sua cândida, por exemplo, em
embalagens de um litro ou dois e o varejista sabe qual a melhor localização na prateleira
para cada produto – e o supermercado pode ter o mínimo de estoque possível e estar
sempre tranquilo, pois sabe que, quando seu estoque atingir o ponto mínimo estipulado,
o fornecedor será acionado para novas entregas. A base do Efficient Consumer
Relationship (ECR) é a informação e a relação de parceria entre as partes envolvidas.

Nos Estados Unidos, o ECR ajudou as empresas a reduzir seus estoques em


41%, deixando o produto final 10% mais barato.

Com o ECR, “a relação deixa de ser meramente de compra e venda e passa a


ser parceria”. Assim, “muda o patamar da negociação. Em vez de fechar os negócios
pedido, as empresas fecham grandes contratos”, fazendo com que o vendedor “se torne
um promotor de vendas, não precisando se preocupar em passar na loja toda semana ou
a cada quinze dias”.

Quanto aos benefícios dos investimentos nessas novas tecnologias, por


exemplo, “um distribuidor que levava, às vezes, dois dias para concretizar seu pedido,
pode fazer isto automaticamente”. Além disso, em apenas cinco anos da implantação do
sistema, a Antarctica, por exemplo, já terá “recuperado de 30% a 40% dos custos da
rede de satélite, graças à economia com ligações interurbanas”.

Compras pela Internet

O e-mail é cada vez mais utilizado como um veículo de transação comercial ou


o e-commerce. Através dele as empresas podem acessar seus fornecedores e a
comunicação é estabelecida.

A Internet como veículo de comércio ganha cada dia mais adeptos, pois
apresenta uma série de vantagens em relação ao EDI, entre as quais.

 Investimento inicial em tecnologia é bem mais baixo, pois a internet


custa bem menos que um a VAN;
 Atinge praticamente a todos na cadeia de suprimentos;
 Pode ser operada em tempo real;
 Permite tanto a transação máquina- maquina como também homem-
máquina ( o EDI só permite a transação máquina – máquina)
 Maior flexibilidade nos tipos de transações.

Cartões de Crédito

Está se tornando usual entre as empresa a compra de mercadorias como


matérias- primas e materiais , por meio do cartão de crédito, também conhecido como
cartão empresa ou cartão empresarial. Os bancos e as administradoras de cartão de
crédito, por meio de programas específicos, têm incentivado as organizações a efetuar
as suas compras por meio de cartões. Vários deles são bastante atualizados, oferecendo
às empresas diversos tipos de benefícios, como acesso a movimentação do cartão on-
line, relatórios gerenciais sobre as compras efetuadas e parcelamento do gasto. As
principais vantagens resultantes do uso do cartão empresarial são a diminuição do
numero de transações e cheques, maior controle sobre as compras e, consequentemente
redução de custos.

Compras por Leilões

A empresa disponibiliza via internet ou por meio de editais as suas necessidades


de compras, informando que a seleção do fornecedor dar-se-á por leilão público, em que
os pretensos fornecedores farão suas ofertas de preços e prazos de entrega. Cabe ao
comprador escolher a melhor oferta.
São inúmeras as vantagens desse modo de agir: a transparência do processo de
compras evita qualquer dúvida quanto a honestidade do sistema; permite a entrada de
novos fornecedores, co novas metodologias produtivas/ e ou tecnológicas.

2.1.6 A Ética nas Compras

O problema da conduta ética é comum em todas as profissões, entretanto, em


algumas delas, como a dos médicos, engenheiros e compradores, assume uma dimensão
mais relevante. A abordagem mais profunda do assunto leva invariavelmente ao estudo
do comportamento humano no seu ambiente de trabalho, que está fora do escopo do
nosso trabalho.

Abordando a questão mais na sua forma operacional, entendendo que o assunto


deva ser resolvido através do estabelecimento de regras de conduto devidamente
estabelecidas, divulgadas, conhecidas e praticadas por todos os envolvidos, procurando
fixar limites claros entre o “legal” e o “moral”.

Assim, os aspectos legais e morais são extremamente importantes para aqueles


que atuam em compras, fazendo com que muitas empresas estabeleçam um “código de
conduta ética” para todos os seus colaboradores.

No setor de compras o problema aflora com maior intensidade devido aos altos
valores monetários envolvidos, relacionados com critérios muitas vezes subjetivos de
decisão. Saber até onde uma decisão de comprar seguiu rigorosamente um critério
técnico, onde prevaleça o interesse da empresa, ou se a barreira ética foi quebrada,
prevalecendo aí interesses outros, é extremamente difícil. O objetivo de um código de
ética é estabelecer os limites de uma forma mais clara possível, e que tais limites sejam
também de conhecimento dos fornecedores, pois dessa forma poderão reclamar quando
se sentirem prejudicados. Outro aspecto importante é que esse código de ética seja
válido tanto para vendas quanto para compras.

Não é correta uma empresa comportar-se de uma forma quando compra e outra
quando vende. Os critérios devem ser compatibilizados e de conhecimentos de todos os
colaboradores. É comum empresas incluírem nos documentos que o funcionário assina
ao ser admitido, um código de conduta (ou de ética) que deva ser seguido, sob pena de
demissão por justa causa.

O problema ético de compras não se restringe aos compradores, mas também ao


pessoal da área técnica que normalmente especifica o bem a ser comprado. É normal
encontrarmos especificações tão detalhadas, e muitas vezes mandatórias, que
praticamente restringem o fornecedor a uma única empresa. É isto é eticamente correto?
Mais uma vez o problema aflora. E o comprador, nesse caso, o que pode fazer? Cabe à
gerência e à alta direção da empresa ficar atenta a todos esses aspectos, questionando
sempre a validade das especificações e a sua justificativa.

E quanto aos “presentes”, “lembranças”, “brindes” como agendas, canetas,


malas e convites que normalmente são distribuídos, por exemplo, ao pessoal de
compras, do controle da qualidade e da área técnica?

Como abordar esse assunto? Deve ser permitido que recebam? A melhor forma
de abordar o assunto é definir, o mais claro possível, um código de conduta, do
conhecimento de todos, pois não há dúvida de que aquele que dá presentes tem a
expectativa de, de uma forma ou de outra, ser “lembrado”. Quando o presente tem um
maior valor, maior será a obrigação de retribuição.

Deve também ficar claro para os compradores como agir no trato com empresas
que sistematicamente, com política própria, oferece uma “comissão”. Devem tais
empresas ser excluídas entre as licitantes? Tais comissões devem ser incorporadas como
forma de desconto nos preços propostos? E os outros fornecedores, como ficam? Enfim,
todos esses aspectos devam ser abordados no código de ética.

Toda esta questão fica mais grave quando a figura do suborno aparece. A
intenção premeditada é a essência do suborno. Ninguém é subornado por acidente.
Nesses casos, uma vez consumado o delito, o assunto já passa para a alçada judicial.
Não é raro lermos nos jornais situações em que empresas demitem de uma só vez, até
mesmo todos os componentes de seu setor de compras. Por exemplo, já foi manchete da
Gazeta Mercantil o fato de a Fiat brasileira ter demitido “oito funcionários da área de
compras – alguns com cargos de gerência -, acusados de estar recebendo propinas e
presentes de fornecedores”, além de suspeitas de superfaturamentos ou desvio de
dinheiro.

No setor público, todo processo de licitação é claramente definido através de


legislação específica (Lei 8.666/93), cujo fim precípuo é resguardar os interesses do
Estado.

Outro aspecto concernente à ética em compras é o manuseio de informações,


como o repasse dos critérios de julgamento e dados contidos nas propostas já entregues
a um outro fornecedor que ainda está elaborando a proposta a sua. Esse comportamento
aético leva a situações em que fornecedores altamente qualificados se neguem a
apresentar propostas a “clientes” não confiáveis. Estabelece-se assim uma relação de
desconfiança que prejudica a todos, isto é, todos perdem.

A fim de evitar estas situações, mais uma vez o código de ética entra em cena. A
empresa deve estabelecer políticas claras sobre as informações que devem ser
manuseadas.

Pode-se inferir que a área de compras, outrora restrita à atividade de aquisição,


atualmente é parte de um processo complexo que engloba outras áreas que executam
papel estratégico na organização.

Contudo, apesar da função compras ser mais relevante em algumas empresas do


que em outras, em qualquer organização ela deve receber real atenção, visando que
pode significar uma grande minimização dos custos.

Neste cenário, o exercício da compra deve ser posicionado no processo de


suprimentos como uma poderosa ferramenta de melhoria na lucratividade da empresa.
Sendo que para tanto, o profissional deve primar pela qualidade, bem como quantidade
almejada, fazendo a melhor opção na escolha dos fornecedores.
2.2 A CODIFICAÇÃO DOS MATERIAIS

É a representação por meio de um conjunto de símbolos alfanuméricos ou


simplesmente números que traduzem as características dos materiais, de maneira
racional, metódica e clara, para se transformar em linguagem universal de materiais na
empresa. Consiste em ordenar os materiais da empresa segundo um plano metódico e
sistemático, dando a cada um deles determinado conjunto de caracteres. Portanto,
depois de realizada a identificação do material, o passo subsequente consiste na
atribuição de um código representativo dos elementos identificadores do item e
que simboliza a identidade do material. A atribuição do código visa simplificar as
operações na empresa, uma vez que todo um Conjunto de dados descritivos e
individualizadores do material é substituído por um único símbolo representativo. O
código torna-se tanto mais necessário quanto maior for o universo e a
diversificação dos itens existentes transacionados na empresa. O registro e o controle
principalmente das transações do material, com base apenas na nomenclatura do
item, tornam-se impraticáveis e perigosos. Independentemente deste aspecto, com
o incremento do processamento de dados, tornou-se obrigatória a introdução de
códigos que viabilizam com eficiência a entrada e registro de dados em sistemas
próprios.

2.2.1 Objetivos e Características

A codificação dos materiais tem, os seguintes objetivos:

a)Facilitar a comunicação interna na empresa no que se refere a materiais e compras;


b)Evitar a duplicidade de itens no estoque
c)Permitir as atividades de gestão de estoques e compras;
d)Facilitar a padronização de materiais;
e)Facilitar o controle contábil dos estoques.

A codificação dos materiais tem as seguintes características:

a) Expansivo: deve possuir espaço para novos itens;


b) Preciso: um código para cada material;
c) Conciso: número mínimo de dígitos;
d) Conveniente: ser facilmente compreendido;
e) Simples: de fácil utilização;

2.2.2 Tipos de Codificação

Os tipos de codificação mais comuns são:


 Codificação alfabética;
 Codificação alfa numérica
 Codificação numérica ou Sistema numérico decimal;
 Código de barras.

Codificação alfabética

Este processo representa os materiais por meio de letras, foi muito utilizado na
codificação de livros ( Método Dewey), com a implementação da imprensa no mundo, o
sistema agregou números a sua codificação, conseguindo com isto codificar a grande
variedade de edições em suas categorias e classificações de assuntos, autores e áreas
especificas. Atualmente está em desuso.

Exemplo de aplicação do sistema alfabético:

P - Pregos
P/AA - Pregos 14 x 18 - 1 1/2 x 14
P/AB - Pregos 16 x 20 - 2 1/4 x 12
P/AC - Pregos 30 x 38 - 3 1/4 x 8

Codificação alfanumérica

Este processo agrupa números e letras, atualmente é um sistema muito utilizado


na classificação de peças automotivas e na codificação de placas de automóveis.

Exemplo: DPZ 8542

As quantidades de letras utilizadas e números são definidos pelo órgão ou


empresa a qual adotou o sistema, não havendo uma regra específica. Desta forma o
sistema pode se adaptar a cada necessidade.

Codificação Numérica ou Sistema Numérico ou Decimal


CHAVE AGLUTINANTE: grupo que designa o agrupamento de materiais, também
chamado de Chave dos Grandes Grupos.

CHAVE INDIVIDUALIZADORA: Identifica cada material que constam do primeiro


grupo (aglutinante).A atribuição consiste na adoção de algarismos arábicos. sendo o
método mais utilizado, pela facilidade de ordenação sequencial de diversos itens e na
adoção da informatização.

CHAVE DESCRITIVA: descreve ou individualiza os materiais pertencentes ao 2º


grupo individualizador. Uma das variações que pode aparecer em provas de concursos
é a FSC ( federal supply classification) que tem a seguinte estrutura:

XX-YY-ZZZZZZ-A, onde:
XX – Grupos
YY – Classes
ZZZZZZ – Código de identificação
A – dígito de controle

Código de barras

Código de barras é uma representação gráfica de dados numéricos ou


alfanuméricos. A decodificação (leitura) dos dados é realizada por um tipo de scanner -
o leitor de código de barras -, que emite um raio vermelho que percorre todas as barras.
Onde a barra for escura, a luz é absorvida; onde a barra for clara (espaços), a luz é
refletida novamente para o leitor. Os dados capturados nessa leitura óptica são
compreendidos pelo computador, que por sua vez converte-os em letras ou números
humano-legíveis.

A EAN Brasil– Associação Brasileira de Automação Comercial, atualmente GSI


recebeu a incumbência de administrar no âmbito do território brasileiro o Código
Nacional de Produtos, Sistema EAN/UCC. Conforme Decreto Lei nº 90595 de
29.11.1984 e da Portaria nº 143 de 12.12.1984 do Ministério da Indústria e Comércio.

Em 1986 foi estabelecido um acordo de cooperação entre a EAN Internacional e


a UCC – Uniform Code Council Inc., entidade americana que administra o sistema UPC
( Código Universal de Produtos) de numeração e código de barras, utilizado nos Estados
Unidos e no Canadá. Esta aliança promoveu uma maior colaboração, intercambio e
suporte técnico entre os parceiros comerciais.

Com o advento do código de barras, a interação entre atacadistas e varejistas


passou a ser feita através deste controle mais eficaz , gerando uma velocidade rápida e
precisa na troca de informações quanto aos aspectos de movimentação de venda e
gestão dos estoques, garantindo assim uma melhor qualidade e produtividade dos
sistemas gerenciais. As atribuições do sucesso do código de barras estão distribuídas
entre as entidades que colaboraram entre si , sendo:

· UPC – Código Universal de Produtos

· UCC – Uniform Code Council

· EAN – European Article Numbering Association

· EAN International

Atualmente mais de 450.000 empresas em todo mundo utilizam o sistema EAN,


atendendo as empresas em mais de 100 países.

Estrutura numérica

O código EAN/UPC é um sistema internacional que auxilia na identificação


inequívoca de um item a ser vendido, movimentado e armazenado, sendo o EAN-13 o
padrão utilizado mundialmente, exceto nos EUA e Canadá. A estrutura numérica do
código (que geralmente mostra os números que representa abaixo das barras) leva as
seguintes informações (tomando-se como exemplo o código 7898357411232):

 os 3 primeiros dígitos representam a origem da organização responsável por


controlar e licenciar a numeração. Os 3 primeiros dígitos NÃO indicam origem
de produto ou da empresa detentora dos códigos;
 os próximos dígitos, que podem variar de 4 a 7, representam a identificação da
empresa proprietária de tal prefixo; no exemplo é 835741 (6 dígitos);
 os dígitos 123 representam a identificação do produto, e são atribuídos pelo
fabricante, quando o mesmo possuí um prefixo próprio;
 o último dígito 2 é chamado de dígito verificador e confirma matematicamente
que os dígitos precedentes estão corretos.

No total o código EAN-13 deve ter 13 dígitos. Vale ressaltar que os números da
empresa variam de empresa para empresa, os números que identificam o item variam de
item para item e o dígito verificador deve ser recalculado a cada variação na numeração.
Existem outros tipos de códigos padrões para diversas aplicações.

O sistema EAN é constituído de:

 Um sistema para numerar itens ( produtos de consumo e serviços, unidades de


transporte, localizações, e outros ramos,...) permitindo que sejam identificados.
 Um sistema para representar informações suplementares.
 Código de barras padronizados para representar qualquer tipo de informação que
possa ser lida facilmente por computadores (escaneada).
 Um conjunto de mensagens EANCOM para transações pelo Intercambio
Eletrônico de documentos ( EDI).

Razões de utilização

Dentre muitos se apresentam:

 Padrão utilizado internacionalmente em mais de 100 países.

 Cada identificação de mercadoria é única no mundo.

 Decodificações rápidas do símbolo, gerando informações instantâneas.

 Linguagem comum no intercambio de informações entre parceiros comerciais.

Vantagens para a indústria

 Conhecimento exato do comportamento de cada produto no mercado.

 Estabelecimento de uma linguagem comum com os clientes,.

 Organização interna, mediante a codificação de embalagens de despacho e da


matéria prima.

 Controle de inventários e do estoque, expedição de mercadorias.

 Padronização nas exportações.

 Aproximação do consumidor ao produto (merchandising)

 Possibilidade de utilizar o Intercambio eletrônico de Documentos (EDI).

Vantagens para o comércio

 Otimiza o controle de estoque.


 Aumenta a eficiência no ponto de venda: elimina erros de digitação, diminui o
tempo das filas.
 Otimiza a gestão de preços e de crédito.
 Melhora o controle do estoque central.
 Obtém informações confiáveis para uma melhor negociação.
 Vende mais com maior lucro.
 Atende as mudanças rápidas dos hábitos de consumo.
 Melhora o serviço ao cliente.
 Estabelece linguagem comum com fornecedor.

Vantagens para o consumidor

 Cupom fiscal detalhado.

 Passagem rápida no check-out

 Eliminação de erros de digitação em sua compra.

 Preço correto nas gôndolas.

 Linhas de produtos a venda de composição mais adequada ao perfil da clientela


Exercício da Unidade 2

a) Responda as seguintes questões

1) Decreva a importância da função compras para a Administração de Materiais.

2) Explique como funciona o processo de compras via EDI.

3) Explique a diferença entre a compra via Internet a a compra via EDI

4) Qual a relação entre as com´pras e os níveis de estoque?

5) Explique as estratégias de aquisição de recursos materiais.

6) O que você entendeu sobre as questões importantes no processo de compra.

7) Explique as etapas do processo de compra.

8) Qual a importância da codificação dos materiais?

9) Qual a importância do código de barras para o processo de comercialização?

b) Resolva o seguinte exercício

Calcular as quantidades necessárias a serem compradas, para atender pedidos de 2.500 de A,


1.600 de B e 650 de D, considerando a estrutura do produto e seus componentes, o seu estoque
atual e de segurança e lotes de fabricação:

B3 C2 D2

E1 F1 E 1 G3

Item Estoque E Seg. Lote


A 0 500 600
B 600 0 1000
C 800 500 1
D 380 500 600
E 0 400 800
F 22500 800 500
G 8500 300 1
3) Calcular as quantidades necessárias a serem compradas (LOTES), para atender pedidos de
2.900 de X, 1.400 de Y, considerando a estrutura do produto e seus componentes, e o seu
estoque atual e o de segurança:

X Y

A2 B1 A3

C1 D3 E 2 F1 C1 D3 F2 G3

Item Estoque E Seg. Lote


X 0 700 400
Y 0 500 800
A 0 700 1200
B 500 600 500
C 5000 1300 1500
D 5430 1400 1
E 4500 1000 600
F 600 800 500
G 1800 600 1

4) Há pedido de 10.000u a ser entregue na semana 10. Determinar as necessidades líquidas para cada
componente e quando emitir os pedidos de compra ou montagem, considerando os tempos de
atendimento.

Informações complementares: 200 componentes C já foram encomendados e serão entregues na


semana 6. Com todos os componentes disponíveis leva-se uma semana para montá-los. Os tempos de
fabricação em semanas constam da tabela.

A1 B1 C2 D1

Item Estoque Tempo


A 100 1
B 500 1
C 200 5
D 0 3
d) Resolva o seguinte exercício (DM,498)

Uma fazenda utiliza 15.000 sacos de fertilizante por ano na preparação para o plantio.
São gastos $16.000 para colocar o pedido junto ao fornecedor e os custos de
armazenagem são de 70% do saco de fertilizante, que é de $ 4.000.

a) Calcular a quantidade de fertilizante a comprar de cada vez, utilizando a política de minimizar o


Custo Total em Estoque
b) Calcule o Custo Total anual em estoque;
c) Se forem 100 sacos a mais que a quantidade ótima, de quanto aumentará o Custo Total Anual em
Estoque?
Unidade
3

Administração de Materiais - Estoque


Objetivos da Unidade 3

Entender o processo de gestão dos estoques. Conhecer as


funções do estoque nas empresas. Aprender o gerenciamento
dos níveis de estoque nas empresas. conhecer as estratégias
de controle e avaliação dos estoques. Conhecer o
funcionamento das novas técnicas de administração dos
materiais (Just in Time e KANBAM). Aprender a planejar o
armazenamento dos materiais.
3.1 GESTÃO DE ESTOQUES

Estoque representa a quantidade de bens físicos que são mantidos à espera da


venda (ou da produção), por um determinado tempo. São considerados como bens em
estoques, as matérias-primas, os produtos semi-acabados, os produtos acabados e as
mercadorias compradas de terceiros. Os estoques são os materiais que não são utilizados
em determinado momento, mas que existe em função de futuras necessidades. Logo,
estocar é reservar os produtos/mercadorias para utilização futura.

Estoque é como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de


transformação. Algumas vezes o estoque também é usado para descrever qualquer
recurso armazenado.

3.1.1 Conceito Gestão de Estoque

Podemos definir que a gestão de estoque constitui uma série de ações que
permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem
localizados em relação aos setores que deles utilizam, bem manuseados e bem
controlados.

A gestão de estoque é, basicamente o ato de gerir recursos ociosos possuidores


de valor econômico e destinado ao suprimento das necessidades futuras de material,
numa organização.

A gestão de estoque visa, portanto, numa primeira abordagem, manter os


recursos ociosos expressos pelo inventário em constante equilíbrio em relação ao nível
econômico ótimo dos investimentos. Pode ser entendido ainda, como certa quantidade
de itens mantidos em disponibilidade constante e renovados, permanentemente, para
produzir lucros e serviços.

Os estoques constituem um vínculo entre as etapas do processo de compra e venda, no


processo de comercialização em empresas comercias, e entre as etapas de compra,
transformação e venda, no processo de produção em empresas industriais.

Em qualquer ponto do processo formado por essas etapas, os estoques desempenham


um papel importante na flexibilidade operacional da empresa.
Funcionam como amortecedores das entradas e saídas entre as duas etapas os processos
de comercialização e de produção, pois minimizam os efeitos de erros de planejamento
e as oscilações inesperadas de oferta e procura, ao mesmo tempo em que isolam ou
diminuem as interdependências das diversas partes da organização empresarial.

3.1.2 As Funções do Estoque

Conforme Vendrame (2008), as principais funções do estoque são:

a) garantir o abastecimento de materiais à empresa, neutralizando os efeitos de, demora


ou atraso no fornecimento de materiais; Sazonalidade no suprimento;

b). minimizar os riscos de dificuldade no fornecimento.

c). proporcionar economias de escala, Através da compra ou produção em. lotes


econômicos; Pela flexibilidade do processo produtivo; Pela rapidez e eficiência no
atendimento às necessidades.

3.1.3 Os Níveis de Estoque

Conforme Tófoli (2008), a determinação dos níveis de estoque, na fase do


planejamento, consiste basicamente na fixação do:

 estoque mínimo,
 estoque de segurança, do lote de suprimento, e
 do estoque máximo.

Estoque Mínimo

O estoque mínimo é a quantidade de itens estocados a partir das quais são


efetuados os pedidos de reposição. São fundamentais: o estoque de segurança e os
tempos de entrega e consumo diário.

Os Pontos de Pedidos, isto é, os pedidos de compra de materiais devem ser


emitidos quando as quantidades estocadas atingirem níveis suficientes apenas para
cobrir os estoques de segurança (reserva) fixados e os consumos (ou vendas) previstos
para os períodos correspondentes aos prazos de entrega dos fornecedores. (TÓFOLI,
2008).

Estoque de Segurança ou Reserva

Segundo Tófoli (2008), o consumo médio mensal dos itens de estoque e o tempo
de reposição variam muito; variam muito de item para item, de uma época para outra,
que leva as empresas a manter os estoques de segurança. O estoque de segurança é um
amortecedor destinado a minorar os efeitos de variações, do consumo médio mensal do
tempo de reposição ou de ambos conjuntamente. Esta ação concentra-se em determinar
uma reserva de estoque que equilibre tanto os custos de oportunidade das possíveis
faltas de estoque como os custos de estocagens de maiores quantidades de materiais no
almoxarifado. Tem como objetivo compensar as incertezas inerentes ao fornecimento e
demanda e permite manter um fluxo regular de produção.

Estoque Máximo

Conforme Tófoli (2008), o estoque máximo é igual à soma do estoque de


segurança mais o lote de suprimento, seja ele o lote econômico ou não. Sofrem
limitações de ordem física, manuseio, custos, inventários e riscos. Como os
componentes desse tipo de estoque são o suprimento e o estoque de reserva variará
todas as vezes que um ou outro ou ambos variarem.

Estoque de Antecipação

Segundo Tófoli (2008), o estoque de antecipação pode ser usado para compensar
diferenças de ritmo de fornecimento e demanda. É mais usado quando as flutuações de
demanda são significativas, mas relativamente previsíveis. Ele também pode ser usado
quando as variações de fornecimento são significativas.

3.1.4 A Importância e Classificação dos Estoques

Segundo Vendrame (2008), nos diversos tipos de operações, o estoque surge


porque as taxas de fornecimento nem sempre coincidem com as taxas de demanda.
Portanto, os estoques são necessários para conciliar as diferenças entre fornecimento e
demanda. O estoque é importante para que não ocorram interrupções ocasionais e não
esperadas no fornecimento ou demanda (estoque de segurança).

Outro importante fator é saber lidar com a inabilidade de fabricar todos os produtos
simultaneamente com as flutuações conhecidas no fornecimento ou demanda (estoque
de antecipação) e lidar com os tempos de transporte na rede de suprimentos (estoque no
canal de distribuição).

No pertinente à classificação dos estoques:

Estoque é a composição de materiais em processamento, materiais semi


acabados, materiais acabados que não são utilizados em determinado momento na
empresa, mas que precisam existir em função de futuras necessidades. Ele constitui todo
o sortimento de materiais que a empresa possui e utiliza no processo de produção de
seus produtos ou serviços, ou podem ser entendidos ainda como certa quantidade de
itens mantidos em disponibilidade constante e renovados, permanentemente, para
produzir lucros e serviços.

3.1.5 Controle do Estoque

Vendrame (2008) conceitua que o objetivo básico do controle de estoques é evitar a


falta de material sem que esta diligência resulte em estoques excessivos às reais
necessidades da empresa.

O controle de estoque procura manter os níveis estabelecidos em equilíbrio com as


necessidades de demanda, consumo ou das vendas ou custos daí decorrentes. Os níveis
dos estoques estão sujeitos a velocidade da demanda. Se a constância da procura sobre o
material for maior que o tempo de ressuprimento, pode ocorrer a ruptura ou
esvaziamento do estoque, com prejuízos visíveis para produção, manutenção e vendas.
Contrapartida, se não dimensionarmos as necessidades do estoque, poderemos chegar
ao ponto de excesso de material ou ao transbordamento de seus níveis em relação a
demanda real, com prejuízos para circulação de capital.

Segundo Vendrame (2008), o equilíbrio entre a demanda e a obtenção de


material é o principal o objetivo do controle do estoque, para garantir uma gestão
eficiente e eficaz.

Conforme Vendrame (2008), para organizar um setor de controle de estoques,


inicialmente devemos descrever suas funções principais:

a). Determinar “o que” deve permanecer em estoque. Número de itens;


b). Determinar “quando” se devem reabastecer os estoques. Periodicidade;
c). Determinar “quanto” de estoque será necessário para um período
d). predeterminado. Quantidade de compra;
e). Acionar o departamento de compras para executar aquisição de estoque;
f). Receber, armazenar e atender os materiais estocados de acordo com as necessidades;
g). Controlar os estoques em termos de quantidade e valor, e fornecer
h). informações sobre a posição do estoque;
i). Manter inventários periódicos para avaliação das quantidades e estados dos
materiais estocados;
j) Identificar e retirar do estoque os itens obsoletos e danificados.

3.1.6 A Avaliação do Estoque

O estoque pode ser avaliado por três métodos: Primeiro que entra primeiro que
sai (Peps), ultimo que entra, primeiro que sai (Ueps) e Custo médio.

O método Peps

Peps é um processo que obedece à ordem das saídas pelo valor da entrada. De
acordo com Pozo (2007), este método é baseado na cronologia das entradas e saídas. O
procedimento de baixa dos itens de estoque é feito para ordem de entrada do material na
empresa, primeiro que entrou será o primeiro que saíra e assim utilizar seus valores na
contabilização do estoque.

O método Ueps

O método Ueps obedece ao processo de que o primeiro a sair deverá ser o


último que entrou no estoque. Esse processo facilita a valorização do saldo estipulado
pelo último preço e na contabilização dos produtos para a definição de preços de venda,
refletindo custos mais próximos da realidade do mercado.

O método do Custo Médio

O Custo Médio é o método mais usado frequentemente, pois ele é o mais simples e evita
o excesso de preços nos produtos.

Apuração do custo médio é efetuada dividindo-se o custo total do estoque pelas


unidades nele existente. Assim, ele terá o valor médio entre as entradas e as saídas, ou
seja, o valor total dos produtos adquiridos é dividido pela quantidade existente de
produtos, obtendo assim o preço que será atribuído na venda.

O Custo médio é recalculado sempre que é feita uma entrada ou uma saída do estoque.
(POZO, 2007).

Exercício:

Considerando a movimentação hipotética abaixo. Calcule o valor final do estoque pelos


métodos peps, ueps e média móvel.
Data Movimentação

6/9 Entrada de 100 unidades a 6,00


13/10 Entrada de 120 unidades a 6,20
30/10 Entrada de 90 unidades a 5,90
27/11 Saída de 140 unidades

Data Entrada Valor Saída Valor Saldo


(un)
06/09 100 6,00 600,00 600,00
13/10 120 6,20 744,00 1.344,00
30/10 90 5,90 531,00 1.875,00
27/11 140
Método PEPS 6,00 100 600,00
6,20 40 248,00 1.027,00
Método UEPS 5,90 90 531,00
6,20 50 310,00 1.034,00
Custo Médio 1.875,00/310 6.05 140 847,00 1.028,00

3.1.7 A Curva ABC

A Curva ABC ou 80-20, é baseada no teorema do economista a Vilfredo Pareto,


na Itália, no século XIX, num estudo sobre a renda e riqueza, ele observou uma pequena
parcela da população, 20%, que concentrava a maior parte da riqueza, 80%, conforme
Pinto (2002). Trata-se de classificação estatística de materiais, baseada no princípio de
Pareto, em que se considera a importância dos materiais, baseada nas quantidades
utilizadas e no seu valor. Também pode ser utilizada para classificar clientes em relação
aos seus volumes de compras ou em relação à lucratividade proporcionada;
classificação de produtos da empresa pela lucratividade proporcionada, etc,

No que diz respeito à análise de clientes, a curva ABC serve para analisar a
dependência ou risco face a um cliente, ou ainda para que tipo de clientes a organização
se deve focar. Consiste em ordenar os clientes por ordem decrescente da sua
contribuição para a empresa, de modo a se poder segmentar por grau de dependência, de
risco ou ainda por outro critério a definir.
Segundo Pinto (2002), numa organização, a curva ABC é muito utilizada para a
administração de estoques, mas também é usada para a definição de políticas de vendas,
para o estabelecimento de prioridades, para a programação de produção, Para a
administração de estoques, por exemplo, o administrador a usa como um parâmetro que
informa sobre a necessidade de aquisição de itens - mercadorias ou matérias-primas -
essenciais para o controle do estoque.

Na avaliação dos resultados da curva ABC, percebe-se o giro dos itens no


estoque, o nível da lucratividade e o grau de representação no faturamento da
organização. Os recursos financeiros investidos na aquisição do estoque poderão ser
definidos pela análise e aplicação correta dos dados fornecidos com a curva

Técnica ABC

Numa típica classificação ABC, surgirão grupos divididos em três classes, como segue:

a) Classe A: Grupo de itens mais importantes que devem ser tratados com uma atenção
bem especial pela administração.

b) Classe B: grupo de itens em situação intermediaria entre as classes A e C.

c) Classe C: Grupo de itens menos importantes que justificam pouca atenção por parte
da administração.

Nesta técnica, pequena percentagem de itens é responsável por uma grande


percentagem do valor de demanda ou consumo anual, normalmente ocorre.

Dias (1995), afirma que apesar da configuração acima ser válida como "padrão
típico", em se tratando de curva ABC a classificação não deve ter como regra rígida ser
composta por três classes.

Assim, uma análise ABC deve obrigatoriamente refletir a dificuldade de controle


de um item e o impacto deste item sobre os custos e a rentabilidade, o que de certa
maneira pode variar de empresa para empresa. Deve-se ter em mente ainda que, apesar
da análise ABC ser usualmente ilustrada através do valor de consumo anual, este é
apenas um dos muitos critérios que pode afetar a classificação de um item. A seguir,
alguns fatores que afetam a importância de um item e que podem ser utilizados como
critérios qualificadores numa análise ABC, conforme Dias (1995).

a) Cuidados de armazenagem para um item;


b) Custos de falta de material;
c) Mudanças de engenharia (projeto).

A seguir serão mostrados todos os passos para elaboração da Técnica ABC.


 Definir a variável (material) a ser analisado
 Coletar dados
 Ordenar decrescentemente
 Calcular percentuais
 Identificar a curva ABC
 Analisar os resultados

1 – Coleta de Dados
Materiais Preço Qtde. Valor estoq
A 01 5,00 500 2.500,00
A 02 11,00 200 2.200,00
A 03 7,00 150 1.050,00
A 04 15,00 80 1.200,00
A 05 5,00 20 100,00
A 06 23,00 750 17.250,00
A 07 61,00 640 39.040,00
A 08 9,00 50 450,00
A 09 12,00 1020 12.240,00
A 10 5,00 950 4.750,00
A 11 7,00 800 5.600,00
A 12 58,00 400 23.200,00
A 13 24,00 600 14.400,00
A 14 52,00 800 41.600,00
A 15 4,70 1200 5.640,00
A 16 5,20 1100 5.720,00
A 17 6,75 1000 6.750,00
A 18 9,70 950 9.215,00
A 19 5,00 400 2.000,00
A 20 33,00 300 9.900,00
TOTAL 204.805,00
2 – Colocar os dados em ordem crescente
Materiais Valor estoq
A 14 41.600,00
A 07 39.040,00
A 12 23.200,00
A 06 17.250,00
A 13 14.400,00
A 09 12.240,00
A 20 9.900,00
A 18 9.215,00
A 17 6.750,00
A 16 5.720,00
A 15 5.640,00
A 11 5.600,00
A 10 4.750,00
A 01 2.500,00
A 02 2.200,00
A 19 2.000,00
A 04 1.200,00
A 03 1.050,00
A 08 450,00
A 05 100,00
TOTAL 204.805,00
3 – Atribuir o valor percentual
Materiais Valor %
estoq
A 14 41.600,00 20,31%
A 07 39.040,00 19,06%
A 12 23.200,00 11,33%
A 06 17.250,00 8,42%
A 13 14.400,00 7,03%
A 09 12.240,00 5,98%
A 20 9.900,00 4,83%
A 18 9.215,00 4,50%
A 17 6.750,00 3,30%
A 16 5.720,00 2,79%
A 15 5.640,00 2,75%
A 11 5.600,00 2,73%
A 10 4.750,00 2,32%
A 01 2.500,00 1,22%
A 02 2.200,00 1,07%
A 19 2.000,00 0,98%
A 04 1.200,00 0,59%
A 03 1.050,00 0,51%
A 08 450,00 0,22%
A 05 100,00 0,05%
TOTAL 204.805,00

4 – Acumular os valores percentuais


Materiais Valor % Valor % Valor
estoq Acum
A 14 41.600,00 20,31% 20,31%
A 07 39.040,00 19,06% 39,37%
A 12 23.200,00 11,33% 50,70%
A 06 17.250,00 8,42% 59,12%
A 13 14.400,00 7,03% 66,16%
A 09 12.240,00 5,98% 72,13%
A 20 9.900,00 4,83% 76,97%
A 18 9.215,00 4,50% 81,47%
A 17 6.750,00 3,30% 84,76%
A 16 5.720,00 2,79% 87,55%
A 15 5.640,00 2,75% 90,31%
A 11 5.600,00 2,73% 93,04%
A 10 4.750,00 2,32% 95,36%
A 01 2.500,00 1,22% 96,58%
A 02 2.200,00 1,07% 97,66%
A 19 2.000,00 0,98% 98,63%
A 04 1.200,00 0,59% 99,22%
A 03 1.050,00 0,51% 99,73%
A 08 450,00 0,22% 99,95%
A 05 100,00 0,05% 100,00%
TOTAL 204.805,00

5 – Atribuir percentuais aos itens


Materiais Valor % Valor % Valor % Itens
estoq Acum
A 14 41.600,00 20,31% 20,31% 5,00%
A 07 39.040,00 19,06% 39,37% 5,00%
A 12 23.200,00 11,33% 50,70% 5,00%
A 06 17.250,00 8,42% 59,12% 5,00%
A 13 14.400,00 7,03% 66,16% 5,00%
A 09 12.240,00 5,98% 72,13% 5,00%
A 20 9.900,00 4,83% 76,97% 5,00%
A 18 9.215,00 4,50% 81,47% 5,00%
A 17 6.750,00 3,30% 84,76% 5,00%
A 16 5.720,00 2,79% 87,55% 5,00%
A 15 5.640,00 2,75% 90,31% 5,00%
A 11 5.600,00 2,73% 93,04% 5,00%
A 10 4.750,00 2,32% 95,36% 5,00%
A 01 2.500,00 1,22% 96,58% 5,00%
A 02 2.200,00 1,07% 97,66% 5,00%
A 19 2.000,00 0,98% 98,63% 5,00%
A 04 1.200,00 0,59% 99,22% 5,00%
A 03 1.050,00 0,51% 99,73% 5,00%
A 08 450,00 0,22% 99,95% 5,00%
A 05 100,00 0,05% 100,00% 5,00%
TOTAL 204.805,00

6 – Acumular o percentual de itens


Materiais Valor % Valor % Valor % Itens % Itens
estoq Acum Acm
A 14 41.600,00 20,31% 20,31% 5,00% 5,00%
A 07 39.040,00 19,06% 39,37% 5,00% 10,00%
A 12 23.200,00 11,33% 50,70% 5,00% 15,00%
A 06 17.250,00 8,42% 59,12% 5,00% 20,00%
A 13 14.400,00 7,03% 66,16% 5,00% 25,00%
A 09 12.240,00 5,98% 72,13% 5,00% 30,00%
A 20 9.900,00 4,83% 76,97% 5,00% 35,00%
A 18 9.215,00 4,50% 81,47% 5,00% 40,00%
A 17 6.750,00 3,30% 84,76% 5,00% 45,00%
A 16 5.720,00 2,79% 87,55% 5,00% 50,00%
A 15 5.640,00 2,75% 90,31% 5,00% 55,00%
A 11 5.600,00 2,73% 93,04% 5,00% 60,00%
A 10 4.750,00 2,32% 95,36% 5,00% 65,00%
A 01 2.500,00 1,22% 96,58% 5,00% 70,00%
A 02 2.200,00 1,07% 97,66% 5,00% 75,00%
A 19 2.000,00 0,98% 98,63% 5,00% 80,00%
A 04 1.200,00 0,59% 99,22% 5,00% 85,00%
A 03 1.050,00 0,51% 99,73% 5,00% 90,00%
A 08 450,00 0,22% 99,95% 5,00% 95,00%
A 05 100,00 0,05% 100,00% 5,00% 100,00%
7 – Separar por percentual de itens
Materiais Valor % Valor % Itens
estoq Acum Acm
A 14 41.600,00 20,31% 5,00%
A 07 39.040,00 39,37% 10,00%
A 12 23.200,00 50,70% 15,00%
A 06 17.250,00 59,12% 20,00%
A 13 14.400,00 66,16% 25,00%
A 09 12.240,00 72,13% 30,00%
A 20 9.900,00 76,97% 35,00%
A 18 9.215,00 81,47% 40,00%
A 17 6.750,00 84,76% 45,00%
A 16 5.720,00 87,55% 50,00%
A 15 5.640,00 90,31% 55,00%
A 11 5.600,00 93,04% 60,00%
A 10 4.750,00 95,36% 65,00%
A 01 2.500,00 96,58% 70,00%
A 02 2.200,00 97,66% 75,00%
A 19 2.000,00 98,63% 80,00%
A 04 1.200,00 99,22% 85,00%
A 03 1.050,00 99,73% 90,00%
A 08 450,00 99,95% 95,00%
A 05 100,00 100,00% 100,00%

8 – Comparar porcentagem de itens com a porcentagem de valor


Materiais Valor % Valor % Itens
estoq Acum Acm
A 14 41.600,00 20,31% 5,00%
A 07 39.040,00 39,37% 10,00%
A 12 23.200,00 50,70% 15,00%
A 06 17.250,00 59,12% 20,00%
A 13 14.400,00 66,16% 25,00%
A 09 12.240,00 72,13% 30,00%
A 20 9.900,00 76,97% 35,00%
A 18 9.215,00 81,47% 40,00%
A 17 6.750,00 84,76% 45,00%
A 16 5.720,00 87,55% 50,00%
A 15 5.640,00 90,31% 55,00%
A 11 5.600,00 93,04% 60,00%
A 10 4.750,00 95,36% 65,00%
A 01 2.500,00 96,58% 70,00%
A 02 2.200,00 97,66% 75,00%
A 19 2.000,00 98,63% 80,00%
A 04 1.200,00 99,22% 85,00%
A 03 1.050,00 99,73% 90,00%
A 08 450,00 99,95% 95,00%
A 05 100,00 100,00% 100,00%
9 – Classificar os A, B e C

Materiais Valor % Valor % Itens Classif


estoq Acum Acm
A 14 41.600,00 20,31% 5,00% A
A 07 39.040,00 39,37% 10,00% A
A 12 23.200,00 50,70% 15,00% A
A 06 17.250,00 59,12% 20,00% A
A 13 14.400,00 66,16% 25,00% B
A 09 12.240,00 72,13% 30,00% B
A 20 9.900,00 76,97% 35,00% B
A 18 9.215,00 81,47% 40,00% B
A 17 6.750,00 84,76% 45,00% B
A 16 5.720,00 87,55% 50,00% B
A 15 5.640,00 90,31% 55,00% C
A 11 5.600,00 93,04% 60,00% C
A 10 4.750,00 95,36% 65,00% C
A 01 2.500,00 96,58% 70,00% C
A 02 2.200,00 97,66% 75,00% C
A 19 2.000,00 98,63% 80,00% C
A 04 1.200,00 99,22% 85,00% C
A 03 1.050,00 99,73% 90,00% C
A 08 450,00 99,95% 95,00% C
A 05 100,00 100,00% 100,00% C

3.1.8 Técnicas Modernas Administração dos Materiais

Just in Time (JIT)

Segundo Corrêa, “O Just in Time (JIT) surgiu no Japão, nos meados da década de
1970, sendo sua idéia básica e seu desenvolvimento creditados à Toyota Motor
Company, a qual buscava um sistema de administração que pudesse coordenar a
produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o
mínimo de atraso.
O JIT é muito mais do que uma técnica ou conjunto de técnicas de administração de
produção, sendo considerado com uma “filosofia”, a qual inclui aspectos de
administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto,
organização de trabalho e gestão de recursos humanos. Algumas expressões são
geralmente usadas para traduzir aspectos da filosofia JIT.

• Produção sem estoques;


• Eliminação de desperdícios;
• Esforço contínuo na resolução de problemas;
• Melhoria contínua dos processos.

Ao contrário da abordagem tradicional dos sistemas de produção que “empurram” os


estoques, o JIT caracteriza-se como um sistema de “puxar” a produção ao longo do
processo, de acordo com a demanda. Genericamente falando, um sistema de “puxar”
estoque significa que qualquer movimento de produção somente é liberado na medida
da necessidade sinalizada pelo usuário da peça ou componente em fabricação, ou seja,
os centros de trabalho não estão autorizados a produzir e “empurrar” os lotes
apenas para manter ocupados operários e equipamentos.

O sistema JIT tem como objetivo fundamental a melhoria contínua do processo


produtivo. A perseguição destes dá-se, através de um mecanismo de redução dos
estoques, os quais tendem a camuflar problemas, embora saibamos alterações no
perfil da demanda ou falhas nos processos de fabricação ou compra normalmente
justificam a presença de estoques. Na filosofia JIT os estoques são “persona non
grata” por razões óbvias: primeiro porque ocupam espaços e segundo porque custa
dinheiro.

Vantagens do JIT:

• Flexibilidade – a manutenção de estoques baixo favorece as variações no mix de


produtos sem provocar alto grau de obsolescência.

• Velocidade – rapidez no ciclo de produção permite entregas em prazos mais


curtos, propiciando maior nível de serviços ao cliente.

• Confiabilidade – a manutenção preventiva e o ambiente favorável à


identificação e resolução de problemas contribui para aumentar a confiabilidade nos
produtos.

• Custos – reduções dos tempos de preparação de máquinas e movimentação


interna; minimização dos estoques (matéria prima e produto acabado); redução
dos tamanhos dos lotes e “lead-times”; redução dos custos de aquisição
(confiabilidade).

O Sistema KANBAN

O sistema de “puxar” a produção a partir da demanda, produzindo em cada estágio


somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento
necessário, ficou conhecido como sistema Kanban.

Este nome é dado aos cartões utilizados para autorizar a produção e a movimentação de
itens, ao longo do processo produtivo. Este cartão contém, em geral, as seguintes
informações:

 número da peça,
 descrição da peça,
 tamanho do lote a ser produzido e
 colocado em container padronizado, centro de produção responsável e local
de armazenagem.

Não podemos perder de vista que o kanban apenas complementa o sistema de


fabricação no ambiente “just-in-time”, do qual fazem parte, também, o planejamento de
produção, o programa mestre, uma lista de material, mudanças no projeto do produto
etc.

3.2 ARMAZENAMENTO

O armazenamento estocagem de materiais são preocupações dos profissionais


que atuam nas atividades logísticas. Elas afetam o tempo de processamento dos pedidos
dos clientes no canal de distribuição ou de disponibilização dos suprimentos no canal
de suprimentos. São absorvedores de custos e dignas de um gerenciamento cuidadoso.

3.2.1 Conceitos e Objetivos

Armazenar indica a ampla região das decisões de estocagem e manuseio que


estão incluídas em vários sistemas logísticos. As atividades de estocagem e manuseio de
materiais contabilizam aproximadamente um quarto do custo logístico excluindo o
custo de movimentar o estoque. Dessa despesa, aproximadamente metade é para mão de
obra, um quarto é para espaço, e o restante é para energia, equipamento, material e
outros.
O avanço tecnológico proporcionou a otimização de uma série de processos e
rotinas das organizações.

Na área de armazenagem, introduziram-se novos métodos de racionalização e


fluxos de distribuição de produtos, estendendo as melhorias à adequação das instalações
e utilização de novos equipamentos para movimentar cargas. A prática do
armazenamento visa utilizar o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente
possível. Logo, as instalações devem proporcionar rápida movimentação de materiais,
de maneira fácil e prática.

3.2.2 Planejamento do Armazenamento

Planejar o armazenamento de materiais ou componentes significa determinar de


forma clara e precisa as seguintes etapas:

1. Determinação do local;
2. Definição adequada do layout;
3. Técnicas de estocagem, com embalagens convenientes aos materiais;
4. Sistemas de estocagem;
5. Segurança patrimonial contra furtos, incêndios, .

Ao planejar de maneira adequada o armazenamento os resultados esperados são:

1. Máxima utilização do espaço;


2. Efetiva utilização dos recursos disponíveis;
3. Pronto acesso a todos os itens (seletividade);
4. Máxima proteção aos itens estocados;
5. Boa organização;
6. Satisfação das necessidades dos clientes.

Seleção do Local

A seleção do local refere-se a parte específica do imóvel em que a instalação


ficará localizada, e sua metodologia é mais uma arte do que um processo bem definido.
Envolve frequentemente ponderar inúmeros fatores tangíveis e intangíveis.

Na definição do local adequado para o armazenamento devemos considerar:


 Volume das mercadorias / espaço disponível;
 Resistência / tipo das mercadorias (itens de fino acabamento);
 Número de itens;
 Temperatura, umidade, incidência de sol, chuva, etc;
 Manutenção das embalagens originais / tipos de embalagens;
 Velocidade necessária no atendimento;
 O sistema de estocagem escolhido deve seguir algumas técnicas imprescindíveis

Definição do Arranjo Físico - Layout

Planejar o arranjo físico de uma certa instalação significa tomar decisões sobre a
forma como serão dispostos, nessa instalação, os centros de trabalho que aí devem
permanecer. Pode-se conceituar como centro de trabalho a qualquer coisa que ocupe
espaço: um departamento, uma sala, uma pessoa ou grupo de pessoas, máquinas,
equipamentos, bancadas e estações de trabalho, etc. Em todo o planejamento de arranjo
físico, irá existir sempre uma preocupação básica: tornar mais fácil e suave o
movimento do trabalho através do sistema, quer esse movimento se refira ao fluxo de
pessoas ou de materiais.

Podemos citar em princípio três motivos que tornam importantes as decisões


sobre arranjo físico:

a) elas afetam a capacidade da instalação e a produtividade das operações: uma


mudança adequada no arranjo físico pode muitas vezes aumentar a produção que se
processa dentro da instalação no fluxo de pessoas e/ou materiais;

b) mudanças no arranjo físico podem implicar no dispêndio de consideráveis somas de


dinheiro, dependendo da área afetada e das alterações físicas necessárias nas
instalações, entre outros fatores;

c) as mudanças podem apresentar elevados custos e dificuldades técnicas para futuras


reversões; podem ainda causar interrupções indesejáveis no trabalho.

Por todos esses motivos, poderia à primeira vista parecer que um arranjo físico,
uma vez estabelecido, é quase imutável e se aplica prioritariamente a novas
instalações.Isso não é verdade, entretanto, diversos fatores podem conduzir a algumas
mudanças em instalações já existentes:

• a ineficiência de operações,
• taxas altas de acidentes,
• mudanças no produto ou no serviço ao cliente,
• mudanças no volume de produção ou fluxo de clientes.
Tipos de Arranjo Físico

Num esforço de sistematização, costuma-se agrupar os arranjos físicos possíveis


em três grandes tipos:

a) Arranjo físico linear (por produto): corresponde ao sistema de produção contínua


(como linha de montagem); é utilizado para fabricação de grandes quantidades de um só
produto, ou produtos padronizados.

b) Arranjo físico funcional (por processo): corresponde ao sistema de produção de


fluxo intermitente (como a produção por lotes ou encomendas); é utilizado apara
fabricação de pequenas quantidades e produção flexível: vários tipos e estilos.

c) Arranjo físico de posição fixa: corresponde ao sistema de produção em projetos.

Técnicas de estocagem

Na Administração de Materiais. As principais técnicas de estocagem são:

 Carga unitária;
 Caixas ou gavetas
 Prateleiras Raques
 Empilhamento
 Container flexível

Carga unitária:

Embalagens de transporte (“pallets”) arranjam uma certa quantidade de material


(como se fosse uma unidade), facilitando o manuseio, transporte e armazenagem,
economizando tempo de armazenagem, carga e descarga, esforço, mão-de-obra e área;
A formação de carga unitária se através de pallets. Pallet é um estrado de madeira
padronizado, de diversas dimensões. Suas medidas convencionais básicas são 1.100mm
x 1.100mm, como padrão internacional para se adequar aos diversos meios de
transportes e armazenagem;

Caixas ou gavetas:

Ideal para materiais de pequenas dimensões, como parafusos,arruelas, material


de escritório, etc, até na própria seção de produção; Os tamanhos e materiais utilizados
na sua construção serão os mais variados em função das
necessidades específicas de cada atividade.

Prateleiras:

Destinadas a materiais de tamanhos diversos e para o apoio de gavetas ou caixas.


Adequadas para peças pequenas e leves e quando o estoque não é muito grande.
Constitui o sistema mais simples e econômico.

Raques:

Para peças longas e estreitas (como tubos, barras, tiras, vergalhões e feixes).
Podem ser montados em rodízios, para facilitar o deslocamento;

Empilhamento:

Uma variante das caixas, para aproveitar ao máximo o espaço vertical,


reduzindo a necessidade de divisões nas prateleiras (formando uma única prateleira) e
facilitando a utilização das empilhadeiras. As caixas ou pallets são empilhados uns
sobre os outros, obedecendo a uma distribuição quantitativa;

Container flexível:

É uma das técnicas mais recentes, utilizada para sólidos a granel e líquidos em sacos. É
uma espécie de saco feito com tecido resistente e borracha vulcanizada, com um
revestimento interno conforme o uso.

Sistemas de estocagem dos materiais

 Sistema de estocagem fixo (centralizado)


 Sistema de estocagem livre (descentralizado)

Centralizado

 Estocagem em um único local


 Facilita o planejamento da produção, o inventário e o controle.
 Pode ocorrer desperdício de área de armazenamento

Descentralizado

 Não existem locais fixos, estocagem junto aos pontos de utilização.


 A entrega e o inventário são mais rápidos, o trabalho com o fichário e
documentação é menor
 Risco de possuir material perdido em estoque
Segurança patrimonial e seguros

Ao planejar o armazenamento as empresas precisam realizar um planejamento


da segurança contra furtos ou roubos, seguros de incêndios, no sentido de preservação
dos estoques da empresa.

3.2.3 Inventário Físico

É a verificação da existência dos materiais da empresa, através de um


levantamento físico de contagem, para confrontação com os estoques registrados nas
fichas, efetuado periodicamente, para efeito de balanço contábil físico e financeiro do
almoxarifado, seções, depósitos e de toda a empresa, atendendo a exigência fiscal da
legislação.

O processo do inventário físico

O inventário físico deve ser realizado com dados atualizados, isto significa que
todos os registros de movimentações de estoque devem ser atualizados até a data do
inventário, quando deverão ser suspensas para evitar erros.

O inventário físico obedece as seguintes etapas:

1 - Levantamento

 Os inventariantes são escolhidos e agrupados em duas equipes: “de contagem”


(ou “de reconhecimento”) e “revisora” (ou de revisão);

 Devem ser agrupados os itens iguais, identificados com os cartões e isolados os


que não serão inventariados.

2 - Contagem

 Cada item é contado duas vezes;


 A primeira contagem é feita pela “equipe recolhedora”, que fixará o cartão de
inventário em cada item, anotando a quantidade da contagem no destaque do
“cartão de inventário”;
 A Segunda contagem é feita pela “equipe revisora”.
3 - Apuração

O coordenador do inventário deverá conferir ambas as contagens. Se positivo, o


inventário para o item está correto, se não deverá haver uma terceira contagem por outra
equipe diferente.

4 – Conciliação

Em caso de divergências, os responsáveis pelo controle do estoque deverão


justificar as diferenças entre o estoque contábil e inventariado, através de relatório.

3.2.4 Tipos de Estocagem

O esquema de armazenagem escolhido por uma empresa depende da situação


geográfica de suas instalações, da natureza de seus estoques, tamanho e respectivo
valor.
A disposição dos materiais deve se enquadrar em uma das alternativas que
melhor atenda a seu fluxo:

 Armazenagem por agrupamento;


 Armazenagem por tamanhos;
 Armazenagem por frequência;
 Armazenagem especial.

Armazenagem por agrupamento:

Facilita as tarefas de arrumação e busca, mas nem sempre permite o melhor


aproveitamento do espaço;

Armazenagem por tamanhos

Permite bom aproveitamento do espaço;

Armazenagem por frequência:

Consiste em armazenar tão próximo quanto possível da saída os materiais que


tenham maior frequência de movimentos;

Armazenagem Especial

 Ambiente climatizado: Destinado a materiais que exigem tratamento especial;


 Inflamáveis: Os produtos inflamáveis obedecem a rígidas normas de segurança.

Critérios para armazenagem de cilindros de gases especiais:

Grupo 1: Não inflamáveis, não corrosivos, baixa toxidez;


Grupo 2: Inflamáveis, não corrosivos, baixa toxidez;
Grupo 3: Inflamáveis, tóxicos e corrosivos;
Grupo 4: Tóxicos e/ou corrosivos, não inflamáveis;
Grupo 5: Espontaneamente inflamáveis;
Grupo 6: Muito venenosos:

Os cilindros devem ser colocados em áreas cobertas, ventiladas e em posição


vertical, de modo compacto, impedindo a movimentação. Somente podem ser
armazenados juntos os gases cuja soma dos números do grupo perfizerem 5 (argônio –
grupo 1 + amônia – grupo 4);

Produtos Perecíveis: Devem ser armazenados segundo o método “FIFO” (“First in First
Out”) – “o primeiro que entra é o primeiro que sai”.

Armazenagem em área externa

Muitos materiais podem ser armazenados em áreas externas, o que diminui os


custos e amplia o espaço interno. Podem ser colocados em áreas externas material a
granel, tambores e contentores, pecas fundidas, chapas de metal e outros.

3.2.5 Coberturas Alternativas

Outro tipo sde armazenagem se verifica com as coberturas alternativas, onde as


mais utilizadas são:

 Galpão fixo,

 Galpão móvel

Galpão fixo:

Construído com perfilados de alumínio extrudado e conexões de aço


galvanizado, cobertos com laminado de PVC anti chama, de elevada resistência a
rasgos, fungos e raios ultravioleta;

Galpão móvel:
Semelhante ao galpão fixo, com a vantagem de possuir flexibilidade (capacidade
de deslocamento) permitindo a manipulação de materiais em qualquer lugar, eliminando
a necessidade de corredores. Independente de qualquer critério ou consideração à
seleção do método de armazenamento, é oportuno salientar a conveniência a respeito às
indicações contidas nas embalagens em geral, por meio dos símbolos convencionais que
indicam os cuidados a serem seguidos no manuseio, transporte e armazenagem, de
acordo com a carga contida.

Exercícios da Unidade 3

a) Responda as questões abaixo relacionadas

1) O que significa gestão de estoque?

2) Quais as funções do estoque?

3) O que significam os níveis de estoque?

4) Como é realizado o controle dos estoques?

5) Como são avaliados os estoques?

6) Explique a função da Curva ABC

7) O que significa Just in Time? Qual a importância de sua utilização nas empresas?

8) O que é o Sistema KANBAN?

9) Quais as etapas do planejamento do Armazenamento?

10) Como é realizado o Inventário Físico?

b) Resolva os seguintes Exercícios

1 - Uma fábrica de televisores consome a matéria-proma X no seu produto acabado. A


ficha abaixo mostra a movimentação do material X.

QUANTIDADES VALORES
Data Entradas Saídas Saldo Preço Entradas $ Saída $ Saldo $
1/1 - - 100 1,50 150
24/1 300 400 1,56 468
08/2 80 320
16/3 140 180
11/6 150 330 1,60 240
18/8 130 200
6/9 110 90
15/10 150 240 170 255
29/12 140 100
Qual será o saldo do estoque final em reais do material X pelo método UEPS, PEPS e
Custo médio.

2 - Elabore passo a passo a classificação ABC, considerando a seguinte situação:

Materiais Valor Qtde. Qtde. Margem de Valor do Valor do Valor do


unitário Vendida Estoque lucro em % Faturamento Estoque Lucro
zeta 5,00 500 3500 3
gama 11,00 200 480 5
omega 7,00 150 550 8
java 15,00 80 240 9
yonica 5,00 20 100 4
alfa 23,00 750 2800 6
beta 61,00 640 2400 10
delta 9,00 50 350 5
nucleo 12,00 1020 4600 8
zelda 5,00 950 2800 7
lira 7,00 800 3200 15
teta 58,00 400 1600 9
epsilon 24,00 600 1800 3
digama 52,00 800 1600 8
stigma 4,70 1200 1500 9
iota 5,20 1100 5600 7
lambda 6,75 1000 6000 6
capa 9,70 950 8000 2
omicron 5,00 400 1200 4
sigma 33,00 300 900 5
TOTAL

Curva ABC do valor do faturamento:


Materiais % itens Valor % valor % vl acm ABC
Curva ABC do valor do estoque:
Materiais % itens Valor % valor % vl acm ABC

Curva ABC do valor do lucro


Materiais % itens Valor % valor % vl acm ABC
Unidade
4
Gestão da Distribuição – Logística

Objetivos da Unidade 4

Conhecer a evolução e o conceito atual da logística. Mostrar a


cadeia de suprimentos produtiva. Entender a aplicação do EDI no
gerenciamento da logística. Mostrar a importância da Embalagem
no armazenamento e na distribuição física. Entender o conceito
Supply Chain Management - SCM

4.0 GESTÃO DA DISTRIBUIÇÃO - LOGISTICA

No clima econômico rigoroso de hoje, em que os mercados em expansão são


poucos em que os novos concorrentes globais estão acirrando a competitividade, os
negócios passaram inevitavelmente a enfatizar, como ponto central, as estratégias que
estabelecem uma lealdade de longo prazo com o cliente.

O reconhecimento de que o relacionamento com o cliente é a chave para os lucros


à longo prazo trouxe consigo a compreensão da importância crucial de estabelecer um
serviço diferenciado ao cliente. Como os mercados apresentam cada vez mais
características do alto consumo, em que os clientes veem pouca diferença entre as
características físicas ou funcionais do produto,há vários produtos similares, é através
da prestação especial de serviços, que cada organização faz a sua diferença.

Um serviço eficaz ao cliente não se consegue somente através de empregados


motivados embora isso seja um pré-requisito, mas por meio dos sistemas logísticos que
permitam a entrega do produto dentro dos padrões exigidos pelo cliente.

4.1 ABORDAGEM LOGISTICA

Ao longo da história do homem, as guerras têm sido ganhas e perdidas através do


poder da logística ou da falta dela. Argumenta-se que a derrota da Inglaterra na guerra
da independência dos Estados Unidos pode ser, em grande parte, atribuída a falta de
logística.

O exército britânico na América dependia quase que totalmente da Inglaterra para


os suprimentos. No auge da guerra, havia12.000 soldados no ultramar e grande parte
dos equipamentos e da alimentação partia da Inglaterra. Durante os primeiros seis anos
de guerra, a administração destes suprimentos vitais foi totalmente inadequada, afetando
o curso das operações e a moral das tropas. Até 1781 eles não tinham desenvolvido uma
organização capaz de suprir o exército e aquela altura já era muito tarde.

Na segundo guerra mundial, também a logística teve um papel preponderante. A


invasão da Europa pelas forças aliadas foi umexercício de logística altamente
proficiente, tal como foi a derrota de Rommel no deserto. Entretanto, enquanto generais
e marechais dos tempos remotos compreenderam o papel crítico da logística,
estranhamente, somente num passado recente e que asorganizações empresariais
reconheceram o aspecto vital que o gerenciamento logístico pode ter para a obtenção da
vantagem competitiva.
Em parte, deve-se esta falta de reconhecimento ao baixo nível de compreensão
dos benefícios da logística integrada.

4.1.1 A Evolução Histórica

A palavra logística derivada do grego (“logos = razão”) significa “a arte de


calcular” ou “a manipulação dos detalhes de uma operação”. Na área militar, a palavra
logística representa a aquisição, manutenção, transporte de materiais e de pessoal.

Na história antiga o primeiro relato que existe da construção dos primeiros


armazéns datam de 1800 A.C., onde José ao interpretar um sonho que o rei teve, no qual
haveria sete anos de abundância, seguidos por sete anos de fome em todo país; José
começou a construir e estocar um quinto da colheita de cada ano em armazéns e
celeiros, em cada cidade do Egito; e o país sobreviveu, nos anos de fome, através de
bons planejamentos e distribuição.

Em 1991, o mundo presenciou um exemplo dramático da importância da logística.


Como precedente da guerra do Golfo, os Estados Unidos e seus aliados tiveram que
deslocar grandes quantias de materiais a grandes distâncias, em que se pensava um
tempo extremamente curto. Meio milhão de pessoas e mais meio milhão de materiais e
suprimentos tiveram de ser transportadas por 12.000 quilômetros por via aérea, mais 2,3
milhões de toneladas de equipamentos transportados por mar, tudo isso feito em questão
de meses.

4.1.2 Conceito de Logística

O termo Logística, de acordo com o Dicionário Aurélio, vem do francês


logistique e tem como uma de suas definições a .parte da arte da guerra que
trata do planejamento e da realização de: projeto e desenvolvimento, obtenção,
armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de
material (para fins operativos ou administrativos).

Pode-se definir logística como sendo, no mínimo, a junção de quatro


atividades básicas: as de aquisição, movimentação, armazenagem e entrega de produtos.
Para que essas atividades funcionem, é imperativo que as atividades de planejamento
logístico, quer sejam de materiais ou de processos, estejam intimamente relacionadas
com as funções de manufatura e marketing.
A função da logística é coordenar todas as atividades relacionadas à aquisição,
movimentação e estocagem de materiais. Esta abordagem considera o fluxo inteiro de
materiais e peças, desde os fornecedores até o estabelecimento de manufatura, com
seusdepósitos e linhas de produção, e também depois da manufatura, no fluxo de peças
e produtos, através dos armazéns e centros de distribuição até os clientes, este fluxo é
controlado e planejado como um sistema integrado.

Existem muitas maneiras de definir o conceito de logística, alguns autores


definem como: “A logística consiste em fazer chegar a quantidade certa das mercadorias
certas ao ponto certo, no tempo certo, nas condições e ao mínimo custo; a logística
constitui-se num sistema global, formado pelo inter-relacionamento dos diversos
segmentos ou setores que a compõem. Compreende a embalagem e a armazenagem, o
manuseio, a movimentação e o transporte de um modo geral, a estocagem em trânsito e
todo o transporte necessário, a recepção, o acondicionamento e a manipulação final, isto
é, até o local de utilização do produto pelo cliente”. ( MOURA, 1998: 51).

A logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo


de mercadorias e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor” (ALT &
MATINS, 2000: 252).

A logística empresarial é o processo de planejamento, implementação e o controle


do fluxo e armazenagem eficientes e de baixo custo de matérias-primas, estoque em
processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o
ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente. (BALLOU,
1998:42).

4.1.3 A Cadeia de Suprimentos Produtiva

Para melhor entender o conceito de cadeia produtiva, apresentam-se as seguintes


definições:[...] Uma simples empresa geralmente não está habilitada a controlar seu
fluxo de produto inteiro no canal, desde as fontes de matéria-prima até o ponto final de
consumo, embora esta seja uma oportunidade emergente. Para propósitos práticos, a
logística empresarial para empresas individuais tem um escopo estreito. Normalmente o
máximo controle gerencial que pode ser esperado está sobre o suprimento físico
imediato e sobre os canais de distribuição. O canal de suprimento físico refere-se ao
hiato de tempo e espaço entre as fontes de material imediato de uma empresa e seus
pontos de processamento. Da mesma maneira, o canal de distribuição física refere-se ao
hiato de tempo e espaço entre os pontos de processamento da empresa e seus clientes.
Devido às similaridades nas atividades entre os dois canais, o suprimento físico
(normalmente chamado administração de materiais) e a distribuição física
compreendem atividades que estão integradas na logística empresarial. O gerenciamento
da logística empresarial é também popularmente chamado de gerenciamento da cadeia
de suprimentos (BALLOU, 2001). Cadeia produtiva éo conjunto de atividades
econômicas que se articulam progressivamente desde o início da elaboração de um
produto (inclui matérias-primas, máquinas e equipamentos, produtos intermediários...)
até o produto final, a distribuição e comercialização(BRASIL, 2000).

Cadeia produtiva é o conjunto de atividades econômicas que se articulam


progressivamente desde o início da elaboração de um produto. Isso inclui desde as
matérias-primas, insumos básicos, máquinas e equipamentos, componentes, produtos
intermediários até o produto acabado, a distribuição, a comercialização e a colocação do
produto final junto ao consumidor, constituindo elos de uma corrente (INSTITUTO
BRASILEIRO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE, 1999).

Cadeia produtiva é o conjunto de organizações (principalmente empresas), cujos


processos, atividades, produtos e serviços são articulados entre si, como elos de uma
mesma corrente, segundo uma sequência lógica progressiva ao longo de todo o ciclo
produtivo de determinado produto ou serviço. Envolve todas as fases do ciclo produtivo,
desde o fornecimento de insumos básicos até a chegada do produto ou serviço ao
consumidor, cliente ou usuário final, bem como as respectivas organizações que
pertencem e constituem os chamados segmentos produtivos da cadeia” (BRASIL,
2000b). Ballou, por seu lado, utiliza-se do termo cadeia de suprimento. Todas as demais
definições aqui apresentadas são complementares e, neste sentido, serão tomadas como
referência. Portanto, o termo utilizado neste artigo será “cadeia produtiva”, o qual
refere-se ao conjunto de organizações,cujos processos, atividades, produtos e serviços
são articulados entre si como elos de uma mesma corrente, numa sequência lógica
progressiva ao longo de todo o processo produtivo de determinado produto ou serviço.

A título de ilustração, e com base nas definições apresentadas, a figura 1 apresenta


um exemplo de cadeia produtiva.
Fontes - A cadeia começa com fontes que podem fornecer os ingredientes básicos
para dar início a uma cadeia produtiva -matérias-primas. Esse primeiro elo é suficiente
para dar início ao processo sem transformar a cadeia em uma conexão infinita.

Processadores - a primeira conexão é com o processador, que transforma a


matéria-prima em produtos, componentes ou serviços,claramente identificável como
consumível na cadeia.As conexões vão evoluindo para os processadores que constroem,
montam e equipam o produto final.

Distribuidores - a cadeia precisa de alternativas para conduzir o produto ao


consumidor. Embora existam vários meios disponíveis, o sistema de distribuição se
adéqua às exigências da maior parte das cadeias de suprimento. Esse sistema transporta
o produto final da fábrica para um depósito ou centro de distribuição,se necessário, e
entrega as quantidades adequadas ao estabelecimento de varejo no momento em que for
solicitado.

Atacadistas/Varejistas - em suas prateleiras, os estabelecimentos atacadistas /


varejistas oferecem o produto para o possível comprador. Entre os varejistas existem,
por exemplo, as lojas de departamentos, as mercearias, grandes lojas ou pequenos
negociantes, dos quais a compra é feita.Embora a cadeia física de distribuição esteja
concluída nesse ponto, o modelo ficaria incompleto se não fossem incluídos os
consumidores.

Consumidores - Tomam a decisão final, selecionando seus produtos preferidos e


efetuando as compras que concluem e trazem resultados para a cadeia.
EDI e Internet Segundo Lankford & Johnson (2000), o EDI, abreviação de
Electronic Data Interchange, ou, em português, Intercâmbio Eletrônico de Dados, é
uma forma de comunicação eletrônica que permite a troca de informações e documentos
em formatos estruturados que podem ser processados por determinado tipo de software.

4.1.4 O EDI na Gestão Logistica

Quando as tecnologias EDI e Internet são utilizadas de forma adequada, há


oportunidades de melhoria de desempenho nas operações logísticas. Segundo Lambert
et al. (1998), estas tecnologias impactam vários aspectos da empresa, com destaque para
a logística, principalmente em transporte, armazenagem, processamento de pedidos,
gestão de estoques, afetando significativamente as áreas de suprimentos / compras e
distribuição.

A capacidade de maior visibilidade no fluxo logístico permite redução nos níveis


de estoque, sem comprometer o atendimento à demanda. O uso de EDI permite às
empresas melhorar sua gestão e controle da produção, permitindo reposição contínua
conforme as necessidades (EAN Brasil, 2003). O uso da Internet permite redução de
estoque nos canais de suprimento e de distribuição física, evitando obsolescência de
produtos (HASSELBRING & WEIGAND, 2001; LAMBERT et al., 1998;BALLOU,
2001; BOWERSOX, 2001; MACHUCA & BARAJAS, 2003).

O uso de EDI e Internet na logística de transportes está na transmissão das


informações e documentação, na possibilidade de rastreamento da carga, no controle
dos processos de carga e descarga. Alguns benefícios apontados na literatura são:
redução de custos por evitar fretes adicionais, do gasto em paradas de veículo (pelo
aguardo de transação de documentos, como nota fiscal),do tempo de atendimento,
solidificação no relacionamento entre cliente e transportadora, melhoria das condições
para planejamento das operações logísticas, facilitando o processo de licitação de
serviços de transporte (GALLINA, 2001;FERREIRA, 2003; ATKINSON Apud
LANCIONI et al., 2003).

Há alguns anos atrás, a Kaiser (que é um produto da Coca Cola), estava fazendo
uma campanha contra a fusão do que hoje é a Ambev; o que estava por trás desta briga ,
não era a concorrência pelo mercado de cerveja, e sim, a rede de distribuição. Com a
fusão da Brahma, Skol e Antarctica, a rede de distribuição seria maior e mais eficaz e o
Guaraná Antarctica (principal concorrente da Coca Cola) estaria a disposição com
maior frequência para o consumidor, deixando mais acirrada a concorrência no mercado
de refrigerantes. O gerenciamento da cadeia de suprimentos, ou supply chain, ou cadeia
logística integrada, nada mais é do que administrar o sistema de logística integrada da
empresa, ou seja, o uso de tecnologias avançadas, entre elas gerenciamento de
informações e pesquisa operacional, para planejar e controlar uma complexa rede de
fatores visando produzir e distribuir produtos e serviços para satisfazer o cliente.
Os componentes da cadeia de suprimentos devem ser preparados para juntos
maximizarem seu desempenho, adaptando-se naturalmente a mudanças externas e em
outros componentes. Para isso é necessário um alto grau de integração entre fornecedor
e cliente que, como parceiros, diminuem custos ao longo da cadeia (entre 10% e 30%) e
tempo médio de estocagem (cerca de50%). À área de compras também compete o
cuidado com os níveis de estoque da empresa, pois embora altos níveis de estoque
possam significar poucos problemas com a produção, acarretam um custo exagerado
para uma manutenção. Esses altos custos para mantê-los são resultantes de despesas
com o espaço ocupado, custo de capital, pessoas de almoxarifado e controles.

Baixos níveis de estoque, por outro lado, podem fazer com que a empresa trabalhe
num limiar arriscado, em que qualquer detalhe,por menor que seja, acabe prejudicando
ou parando a produção. A empresa poderá enfrentar, por exemplo, reclamações de
clientes, altos níveis de estoque intermediários gerados por interrupções no processo
produtivo. A necessidade de adequação aos sistemas just-in-time (JIT) de muitas das
empresas levou a modificações importantes, entre elas a criação da nova função de
suprimentos. O chamado procurement envolve, além do relacionamento puramente
comercial com os fornecedores, também a pesquisa e o desenvolvimento desses
relacionamentos, sua qualificação e o suporte técnico durante o relacionamento entre as
partes, e que leva à necessidade de um aperfeiçoamento dos sistemas de informação.
Hoje, há uma integração total entre todos os setores internos da empresa, clientes e
fornecedores.

Alem de tudo o que já foi visto, o departamento de compras também pode assumir
vários outros papéis.

Um deles está relacionado com a negociação de preços com os fornecedores. Essa


negociação determinará o preço final dos produtos e, portanto, a competitividade da
empresa. Mas ela pode ir mais longe, já que o comportamento do comprador pode
mexer com vários aspectos da economia, como o nível de preços, o poder de compras
do consumidor e o relacionamento entre os setores.

4.2 EMBALAGEM

Com exceção de um número limitado de itens como matéria prima a granel,


automóveis e mobília, a maioria dos produtos é distribuída em embalagens. Diversas
são as razões pelas quais há despesas de embalagem. Entre elas estão as seguintes:

 Facilitar a estocagem e o manuseio;


 Promover melhor utilização de equipamentos de transportes;
 Fornecer proteção a produtos;
 Promover a venda de produtos;
 Facilitar o uso de produtos;
 Fornecer valor de reutilização a clientes.

A embalagem se tornou item fundamental da vida de qualquer pessoa e


principalmente das atividades de qualquer empresa.

O desenvolvimento da embalagem acompanhou o desenvolvimento humano, da


necessidade inicial do homem de armazenar água e alimentos em algum recipiente,
visando à sobrevivência própria, até o inicio das atividades comerciais, e disseminação
do uso das embalagens.

Atualmente estão presentes em todos os produtos, com formas variadas, e


funções variadas, sempre com a evolução das tecnologias utilizadas, que as tornam cada
vez mais eficientes e estratégicas.

Para a logística, a embalagem é item de fundamental importância, possui


relacionamento em todas as áreas, e é essencial para atingir o objetivo logístico de
disponibilizar as mercadorias no tempo certo, nas condições adequadas ao menor custo
possível, principalmente na distribuição internacional.

A embalagem protetora é uma despesa adicional de embalagem em forma de


taxas mais baixas de transporte e estocagem, bem como poucas reclamações por danos.
O profissional de logística traz esses custos em equilíbrio enquanto trabalha ebm
próximo a engenharia e a vendas para alcançar os objetivos para alcançar os objetivos
globais da embalagem.

4.2.1 As Funções da Embalagem

As principais funções da embalagem são:

 contenção,
 proteção, e
 comunicação.

A Função de Contenção

A contenção refere-se à função de conter o produto, de servir como receptáculo,


por exemplo, quando ocorre do produto vazar da embalagem, esta função não foi
cumprida. O grau de eficiência da embalagem nesta função depende das características
do produto. Uma mercadoria perigosa, inflamável, deve sempre ter 100% de eficiência,
realizando o investimento necessário para tal. Enquanto que um fabricante de um
material de menor valor, como sal, por exemplo, pode permiti-se utilizar uma
embalagem com menor grau de eficiência nesta função, o mesmo ocorre com relação à
função de proteção.

A Função de Proteção

A função de proteção possibilita o manuseio do produto até o consumo final,


sem que ocorra danos na embalagem, e/ou produto. Também com relação a esta função
deve-se estabelecer o grau desejado de proteção ao produto.

Alguns dos principais riscos aos qual a embalagem está submetida são: choques,
aceleração, temperatura, vibração, compressão, oxidação, perfuração, esmagamento,
entre outros.

A Função de Comunicação

A função de comunicação é a que permitem levar a informação, utilizando


diversas ferramentas, como símbolos, impressões, cores. Nas embalagens primárias,
esta função ocorre diretamente com os consumidores finais, trazendo informações sobre
a marca e produto. E nas embalagens ditas industriais, relacionadas à logística, a
comunicação ocorre na medida em que impressões de códigos de barra nas embalagens,
marcações, cores ou símbolos permitam a localização e identificação de forma facilitada
nos processos logísticos de armazenagem, estoque, separação de pedidos, e transporte.

4.2.2 A Embalagem e as Operações Logísticas

A interação da embalagem com as operações logísticas, deve iniciar-se no


planejamento da embalagem, pois nesta etapa são definidos aspectos fundamentais, que
irão influenciar todo o processo, como: dimensões, tipo de material, design, custo e
padronização das embalagens.

Estes aspectos são fundamentais para o planejamento e eficiência no


armazenamento e transporte dos produtos, caso a embalagem não seja planejada de
acordo com os recursos existentes (máquinas movimentação, espaço físico, modal
transporte), será necessário adequar todos os recursos à embalagem. Segundo Moura
&Banzato (2001) ao se falar em padronização de embalagens, na maioria das vezes
refere-se à padronização das dimensões, e não do material. Isto porque são estas as
características que influenciam mais a capacidade do equipamento de movimentação, e
não o tipo de material utilizado na fabricação.
A redução da variabilidade de embalagens facilita o armazenamento, manuseio e
movimentação dos materiais, reduzindo o tempo de realização destas tarefas, por
proporcionar uma padronização destes métodos, dos equipamentos de movimentação, e
de armazenamento. Além da redução do tempo, outra vantagem da padronização é a
redução de custos.

A embalagem tem interação com todas as funções da logística, armazenamento,


manuseio, movimentação de materiais, e transporte. Desta interação com as funções
logísticas, pode-se conseguir redução de custos, de tempo na entrega final do produto,
redução de perdas, e aumento do nível de serviço ao cliente.

Na movimentação de materiais, dentro dos armazéns, e na troca de modal de


transporte, é onde a embalagem sofre os maiores impactos, que podem causar danos a
embalagem primária, e produto, e onde os impactos da falta de planejamento podem ser
percebidos, seja pelo alto número de perdas, e/ou adaptação dos equipamentos de
transporte, seja pelo aumento do custo decorrente destas perdas, e impossibilidade de
padronização dos métodos e equipamentos de movimentação, que acabam por aumentar
a necessidade de mão-de-obra e reduzir a eficiência.

Neste sentido Moura&Banzato (2000) citam alguns pontos a serem analisados:


até que ponto a embalagem para Matéria-Prima e para produtos acabados facilita as
operações de recebimento, descarga, inspeção, movimentação; até que ponto as
unidades de movimentação como caixa, paletes e contenedores facilitam a estocagem, e
até que ponto a embalagem facilita o descarte e a reciclagem?

A embalagem proporciona a proteção necessária ao produto durante o processo


de armazenagem, assegurando sua integridade, pode proporcionar melhor utilização do
espaço nos armazéns, e facilitar a identificação e separação dos produtos, evitando
retrabalho com correções.

Na definição do tipo de transporte deve-se verificar o ambiente ao qual os


produtos serão submetidos, cada modal tem características próprias, que exigem
cuidados específicos. Os maiores riscos durante o processo de transporte são: alterações
clima, impactos com aceleração, vibrações, choque, umidade. Além das condições é
necessário conhecer as limitações de cada modal quanto a peso e dimensões.

4.2.3 Os Principais Tipos de Embalagem

Caixa de papelão

A caixa de papelão representa uma grande economia para a empresa em relação


à madeira e a outros materiais tradicionais de embalagem.
As principais vantagens são as seguintes:

 elimina o espaço ocupado pelas caixas de madeira

 é rápida a selagem da caixa de papelão


 é muito mais leve o que facilita o manuseio, reduz os acidentes à mão-de-obra e
diminui o frete.
 a violação é facilmente percebida; não estraga as demais caixas do mesmo
carregamento.
 maior resistência aos choques; mais limpa; faz propaganda do produto.

Tambores

As principais vantagens dos tambores são as seguintes:

 muito utilizado para produtos líquidos, sólidos, pastosos, em pó, granulados, etc.

 muito resistente;

 fácil recuperação

Fardos

Os fardos possuem as seguintes utilizações:

 é a redução de volume conseguida com a utilização de prensas que comprimem


a mercadoria;

 muito utilizado para fibras vegetais, como algodão, sisal, bucha; produtos de
origem animal, como lã, pêlos; produtos transformados, como borracha sintética,
retalhos ferro,

 além de resíduos de diversos materiais, como bagaço de cana, aparas de papel.


4.3 O GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ( supply chain
management)

É uma ferramenta que, usando a Tecnologia da Informação (TI) possibilita à


empresa gerenciar a cadeia de suprimentos com maior eficácia e eficiência, Nestes
tempos modernos em que a exigência de consumo atingiu o limite extremo, o SCM
permite às empresas alcançarem melhores padrões de competitividade.

Em qualquer sociedade industrializada ou não, produtos devem ser


movimentados fisicamente entre o local onde estes são produzidos e o local onde
estes produtos serão consumidos,

Exceto em culturas muito primitivas, na qual cada família satisfaz suas


próprias necessidades domésticas, o processo de troca se transforma em pedra
fundamental da atividade econômica. Trocas acontecem quando existe uma discrepância
entre quantidade, tipo e tempo dos produtos disponíveis e os produtos necessários.
Se um número de indivíduos ou organizações dentro de uma sociedade tem um
excedente de produtos que alguém precisa, tem-se a base para as trocas de
mercadorias ou serviços.

O alinhamento das empresas que trazem produtos ou serviços ao mercado tem


sido chamado de cadeia de abastecimento/suprimentos – supply chain. E, um termo que
tem crescido significativamente no uso e popularidade desde o final dos anos 80,
embora considerável confusão exista sobre o que na realidade ele significa é o Supply
Chain Management - SCM (gerenciamento da cadeia de abastecimento).

Muitas pessoas usam de forma equivocada o termo como um substituto ou


sinônimo para Logística. O conceito de Supply Chain Management surgiu como
uma evolução natural do conceito de Logística. Enquanto a Logística representa
uma integração interna de atividades, o Supply Chain Management representa sua
integração externa, pois estende a coordenação dos fluxos de materiais e
informações aos fornecedores e seus clientes finais, modificando comportamentos e
trazendo uma integração nunca vista.

Assim, de acordo com o International Center for Competitive Excellence –


University of North Caroline, 1994, SCM é a integração dos processos de negócios do
usuário final através de fornecedores (originais) que fornecem produtos, serviços e
informações e agregam valor para os consumidores. Um número de importantes
diferenças existe entre esta definição de SCM e a definição de Logística do
CLM (Council of Logistic Management) – “Logística é o processo da cadeia de
abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo de bens e serviços e as
informações relativas, o ponto de origem ao ponto, de consumo de maneira eficiente e
eficaz, buscando a satisfação das necessidades do cliente”.

Pode-se afirmar que o SCM é uma abordagem sistêmica, altamente


interativa e complexa, requerendo a consideração simultânea de muitos trade-offs
(representa uma troca compensatória entre alguns parâmetros como custos, tempo, etc)
pois ele expande as fronteiras organizacionais e deve assim considerar, trade-offs
dentro e entre as organizações no que diz respeito por exemplo a estoques: aonde
inventários devem ser mantidos e onde atividades diversas devem ser desenvolvidas
dentro da cadeia de suprimentos.

A natureza dinâmica do meio ambiente de negócios requer gerenciamento para


avaliar e monitorar a performance da cadeia de suprimentos regular e
frequentemente. Quando as metas de performances não são alcançadas, o gerenciamento
deve avaliar alternativas, possíveis para a cadeia de suprimentos.

Para reforçar o entendimento do que é SCM e o que é Logística, pode-se citar


Bowersox (98) que afirma ser, o “supplychain um termo que considera uma sequência
de compradores ou vendedores trabalhando em conjunto para levar o produto da
origem até a casa do consumidor” e, que a “Logística é o movimento de produtos e, da
informação relativa a eles de um lugar a outro. Isto inclui transporte, armazenagem,
movimentação de material, estoques e a informação inerente a tudo isto”. Em síntese o
autor resume que “a Logística é a integração de todas estas partes de uma maneira
sequenciada, é algo que envolve a operação e o Supply Chain (e, por conseguinte seu
gerenciamento) é uma estratégia, uma parte maior do negócio”.

4.3.1 A Distribuição Física

O marketing moderno considera a distribuição uma das fases mais críticas


dos negócios. Dela depende parte importante da qualidade percebida pelo cliente, isto é,
o que ele sente ao comparar sua satisfação com suas expectativas. Confiabilidade de
entrega é fruto do recebimento da mercadoria no prazo correto, com embalagem
correta, sem danos causados pelo transporte e erros no faturamento, e com o suporte de
um serviço de atendimento ao cliente que resolva seus problemas com presteza e
urbanidade, estes são eficazes instrumentos no chamado marketing de
relacionamento.

A distribuição começa na fabrica do fornecedor e termina nas mãos do cliente


final.Como os bens estão em constante movimento nesse ínterim, devemos identificar
em cada estagio como eles se movimentam (o modal de transporte) e quem faz
a movimentação (o operador de transporte). A distribuição física representa um
custo significativo para a maioria dos negócios, impactando diretamente na
competitividade, de acordo com sua velocidade, confiabilidade e controlabilidade
(capacidade de rastreamento e ação), ao entregar aos consumidores dentro do prazo.
4.3.2 Decisões na Distribuição Física

Administrar o transporte significa tomar decisões sobre um amplo conjunto


de aspectos. Essas decisões podem ser classificadas em dois grandes grupos: Decisões
estratégicas e Decisões operacionais.

.
Decisões estratégicas

As decisões estratégicas se caracterizam pelos impactos de longo prazo e se


referem basicamente a aspectos estruturais.São basicamente quatro as principais
decisões estratégicas no transporte são:

 Escolha de Modais;
 Decisões sobre propriedade da frota;
 Seleção e negociação com transportadores;
 Política de consolidação de cargas.

Decisões operacionais

As decisões operacionais são geralmente de curto prazo e se referem às tarefas


do dia a dia. As principais decisões em curto prazo são:

 Planejamento de embarques;
 Programação de veículos;
 Roteirizarão;
 Auditoria de fretes;
 Gerenciamento de avarias.
 Seleção da Modalidade de Transporte:

O Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior classifica o


Sistema de Transporte quanto à forma em:

 Modal: envolve apenas uma modalidade (ex.: Rodoviário);


 Intermodal: envolve mais de uma modalidade (ex.: Rodoviário e Ferroviário);
 Multimodal: envolve mais de uma modalidade, porém, regido por um único
contrato;
 Segmentados: envolve diversos contratos para diversos modais;
 Sucessivos: quando a mercadoria, para alcançar o destino final, necessita ser
transbordada para prosseguimento em veículo da mesma modalidade de
transporte (regido por um único contrato).
Todas as modalidades têm suas vantagens e desvantagens. Algumas são adequadas
para um determinado tipo de mercadorias e outras não. Segue descrição sucinta dos
diversos modais.

4.3.3 Os Modais de Transporte

Mas, qual o melhor modal? Transporte rodoviário, aéreo, marítimo,


ferroviário? Para cada rota há uma possibilidade de escolha, que deve ser feita
mediante uma analise profunda de custos, muito além de uma simples análise do custo
baseada em peso por quilometragem (Kg/Km). Para cada ligação no canal
logístico, cada modo apresenta vantagens particulares.

A seleção da modalidade de transporte depende de dois fatores primordiais:

 A diferença entre o preço de venda do produto na origem e no local de


consumo, fator este conhecido.
 O custo de transporte entre o centro de produção do produto e o local de
consumo, fator que para ser calculado depende de dois aspectos:

A Característica da carga a ser transportada envolve:

 tamanho,
 peso,
 valor unitário,
 tipo de manuseio,
 condições de segurança,
 tipo de embalagem,
 distancia a ser transportado,
 prazo de entrega e outros.

Características das modalidades de transporte: condições da infra estrutura da malha de


transportes, condições de operação, tempo de viagem, custo e frete, mão de obra
envolvida e outros.

Também influem na seleção da modalidade de transporte outros fatores:

 Tempo: cada modalidade apresenta um tempo diferente em função de suas


próprias características

 Custo: cada modalidade tem seu componente de custos, que determina o valor
do frete.
 Manuseio: cada modalidade está sujeita a determinadas operações de carga e
descarga, nas quais a embalagem permite facilitar o manuseio, reduzir perdas e
racionalizar custos.

 Rotas de viagem: cada modalidade envolve maior ou menor numero de viagens,


podendo a empresa adotar o transporte intermodal sempre que o custos do
transporte possam ser racionalizados.

O transporte representa um dos elementos mais importantes na composição dos


custos logísticos de uma empresa. Segundo BALLOU(1998), o transporte é capaz de
absorver entre 33,3 e 66,6% dos custos logísticos totais. Surge, então, a necessidade de
se entender os fundamentos do transporte e sua influência no desempenho logístico da
empresa.

4.3.4 Os Tipos de Modais de Transporte

Os principais tipos de modais são:

 Rodoviário
 Dutoviário
 Hidroviário ou Aquaviário
 Aeroviário

Transporte Rodoviário

O transporte rodoviário apresenta baixo custo inicial de implantação, exigindo


apenas a construção do leito, uma vez que os veículos pertencem a terceiros. Trata-se do
sistema de transporte mais utilizado no país, apesar de registrar elevado custo
operacional e excessivo consumo de óleo diesel. Possui grande flexibilidade
operacional, permitindo acessos a pontos isolados. Apresenta grande competitividade
para o transporte de cargas dispersas, isto é, não concentradas na origem ou no destino e
o de curtas distâncias, onde seu maior custo operacional é compensado pela eliminação
de transbordos. O transporte rodoviário na América do Sul é regido pelo Convênio
sobre Transporte Internacional Terrestre entre Brasil, Argentina, Bolívia, Chile,
Paraguai, Uruguai e Peru, firmado em Santiago do Chile, 1989. Esse convênio
regulamenta os direitos e obrigações no tráfego regular de caminhões em viagens entre
os países consignatários (MDCI 2002). No Brasil algumas rodovias ainda apresentam
estado de conservação ruim, aumentando os custos com manutenção dos veículos. Além
disso, a frota é antiga e sujeita a roubo de cargas.

Vantagens
 Adequado para custas e médias distâncias;
 Simplicidade no atendimento das demandas e agilidade no acesso as cargas;
 Menor manuseio da carga e menor exigência de embalagem;
 O desembaraço ma alfândega pode ser feito pela própria empresa transportadora.

Desvantagens

 Custo de fretes mais elevados em alguns casos;

 Menor capacidade de carga entre todos os outros modais;

 Menos competitivo para longas distâncias.

 Com relação à segurança no transporte rodoviário de cargas, tecnologias com


rastreamento de veículos por satélite, bloqueio remoto de combustível, entre
outras tecnologias, estão sendo utilizadas por empresas do setor de transporte,
visando reduzir os riscos de transporte. Ocorre que essas tecnologias possuem
elevados custos de aquisição, de maneira que grande parte da frota rodoviária de
carga encontra-se à margem dessas inovações.

Transporte Ferroviário

O transporte ferroviário possui um custo de implantação elevado, não apenas


pela exigência de leitos mais elaborados, como também pela aquisição simultânea do
material rodante, constituído de locomotivas e vagões. Apresenta baixo custo
operacional e pequeno consumo de óleo diesel, em relação ao transporte rodoviário.

Não apresenta grande flexibilidade, operando através de pontos fixos,


caracterizados por estações e pátios de carga, sendo muito competitivo no transporte de
cargas com origem e destinos fixos e para longas distâncias, onde os transbordos
realizados na origem e no destino são compensados pelo menor custo do transporte.

O transporte ferroviário na América do Sul também é regido pelo Convênio


sobre Transporte Internacional. O transporte ferroviário é adequado para o transporte de
mercadorias agrícolas, derivados de petróleo, minérios de ferro, produtos siderúrgicos,
fertilizantes, entre outros.

Vantagens

 Adequados para longas distâncias e grandes quantidades de carga


 Menor custo transporte.
Desvantagens

 Diferença na largura das bitolas;


 Menor flexibilidade no trajeto;
 Necessidade maior de transbordo.

Transporte Dutoviário

O transporte dutoviario é feito através de tubos (dutos), baseando se na diferença


de pressão. Sua utilização privilegia materiais fluidos, tal como gases, líquidos e
sólidos granulares. O sistema apresenta elevado custo de implantação e baixo custo
operacional.

Possui pequena flexibilidade, operando apenas entre pontos fixos, que são as
estações de bombeamento e recalque. No entanto, o transporte dutoviário registra muita
competitividade para o transporte em alta velocidade de grandes quantidades de fluidos.

Vantagens
 Alta confiabilidade, pois possui poucas interrupções;
 Pouco influenciado por fatores metrológicos.

Desvantagens

 Numero limitado de serviço e capacidade.


Transporte Hidroviário ou Aquaviário

O transporte hidroviário apresenta baixo custo de implantação, quando da


ocorrência de uma via natural. Tal custo, no entanto, aumenta bastante se houver
necessidade de construção de canais, barragens e eclusas, por exemplo. Seu custo
operacional, pequeno em vias perenes de grande calado, aumenta de maneira sensível
em vias de baixo calado e de utilização sazonal, onde não é possível operar em períodos
de seca. Apresenta baixa velocidade operacional e alcance limitado ao curso natural da
via utilizada. Atinge excelente competitividade quando satisfeitas as condições de via
natural, perene e de grande calado.

Vantagens

 Custos de perdas e danos são considerados baixos.

Desvantagens

 Costuma ser mais lento que o modo ferroviário;


 Disponibilidade e confiabilidade são fortemente influenciadas pelas condições
metrológicas.

Transporte Aeroviário

O transporte aeroviário apresenta baixo custo de instalação e elevado custo


operacional. Registra grande flexibilidade e permite o acesso a pontos isolados do país,
com alta velocidade operacional. É o meio ideal para o transporte de mercadorias de
grande valor e de materiais perecíveis em situações excepcionais.

Algumas dessas situações são catástrofes, guerras e epidemias. Devido a seu elevado
custo operacional, o transporte aéreo não é apresentado como alternativa, limitando-se
sua utilização a casos específicos. É o transporte adequado para mercadorias de alto
valor agregado, pequenos volumes ou com urgência na entrega.

Vantagens

 É o transporte mais rápido


 Não necessita embalagem mais reforçada (manuseio mais cuidadoso)
 Os aeroportos normalmente estão localizados mais próximos dos centros de
produção

Desvantagens
 Menor capacidade de carga
 Valor do frete mais elevado que os outros modais

Exercícios da Unidade 4

1) O que é Logística?

2) Explique as fases de evolução da Logística?

3) que significa o termo cadeia de suprimentos produtiva?

4) Qual o papel do EDI na gestão Logística?

5) Quais as razões pelas quais há despesas com a Embalagem?

6) Qual a relação da embalagem com as operações Logísticas?


7) Qual a relação entre o SCM - Supply Chain Management e a Logística?

8) O que é Distribuição Física?

9) Quais as decisões Estratégicas e Operacionais na distribuição Física?

10) Faça uma relação entre os custos dos modais de transporte?

BIBLIOGRAFIA