Você está na página 1de 19

Sumário

Administração Japonesa
Origem
O sistema japonês de administração
da produção
Características gerais

2 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Introdução

Participação direta dos funcionários na produtividade e eficiência voltada para a


tarefa

Cultura oriental influenciando o comportamento organizacional

Transferência de tecnologias

3 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Origem

A modernização do Japão remonta ao ano de 1868 (Restauração Meiji)

Os valores tem origem na era Tokugawa (1615 a 1868)

Resgate do confucionismo

Família – unidade coletiva básica mais importante

4 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Origem

Japão no pós segunda guerra mundial – uma nação em busca da prosperidade

Os “Keiretsu”¹ (trustes industriais japoneses)

Expansão através do poder econômico

Pilares da recuperação: partido político forte consolidado no poder, paz trabalhista


e unificação do povo

¹Designa um modelo empresarial onde há uma coalizão de empresas unidas por certos interesses econômicos.

5 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Nasceu no chão da fábrica

Filosofia básica de:

evitar qualquer tipo de desperdício – muda –

promover o melhoramento contínuo – kaizen –

Toyota Motor Co. (Taiichi Ohno)

6 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Just-in-time – sincronização do fluxo de produção, dos fornecedores aos clientes

Kanban – sistema de informação visual, que a aciona e controla a produção

Muda – busca da eliminação total de qualquer tipo de desperdício

Kaizen – busca do melhoramento contínuo em todos os aspectos.

7 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Just-
Just-in
in--time – sincronização do fluxo de produção, dos fornecedores aos clientes

Visa reduzir custos e melhorar o fluxo de trabalho através da programação de


materiais que devem chegar à uma estação de trabalho no momento certo de seu
uso.

Permite cortar custos de manter estoque, maximizar o uso do espaço e contribuir


para melhorar a qualidade dos resultados

8 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Os principais fatores de sucesso do sistema Just-in-Time são:

Alta qualidade de fornecimento: os usuários devem receber apenas bons materiais dos
fornecedores. As relações devem ser construídas e mantidas com fornecedores confiáveis.

Cadeia de fornecedores: um número mínimo de fornecedores é melhor.

Concentração geográfica: tempos de trânsito e de transporte pequenos das fábricas do


fornecedor para o cliente são necessários.

Transporte e manuseio de materiais eficientes: o transporte entre os fornecedores e os


usuários deve ser confiável.

Forte compromisso da administração: a administração deve assumir suas ações e fazer os


arranjos necessários para assegurar que o sistema funcione.

9 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa
O sistema japonês de administração da produção

Kanban – sistema de informação visual, que a aciona e controla a produção

É um método de autorização da produção e movimentação do material no sistema JIT.

Na língua japonesa a palavra Kanban significa um marcador (cartão, sinal ou placa) usado
para controlar a ordem dos trabalhos em um processo seqüencial.

O objetivo do sistema é assinalar a necessidade de mais material e assegurar que tais peças
sejam produzidas e entregues a tempo de garantir a fabricação ou montagem subsequentes.

Fonte: http://www.estacio.br/revistamade/03/fig/art03_01.gif

10 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Kanban – sistema de informação visual, que a aciona e controla a produção

11 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

O sistema japonês de administração da produção

Kaizen – busca do melhoramento contínuo em todos os aspectos.

Ênfase na qualidade através da melhoria contínua, onde cada pessoa é responsável pela
qualidade e pela solução dos problemas em seu trabalho.

Constitui uma filosofia de vida e comportamento, dentro e fora da organização, envolvendo


todos, inclusive executivos e operários.

12 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa
1º passo
Kaizen Escolher uma área de
melhoria

6º Passo 2º passo

Administrar a Organizar equipe de


implementação das melhoria da qualidade
melhorias

3º passo
5º Passo
Identificar os
Desenvolver estudo
benchmarks¹
piloto da melhoria

4º passo

Analisar o
desempenho do
método atual
¹indicadores de performance
(rentabilidade, produtividade, etc)

13 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Características gerais

Administração participativa

Prevalência do planejamento estratégico

Visão sistêmica

Supremacia do coletivo

Busca da Qualidade Total

Produtividade

Flexibilidade

Recursos Humanos

14 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Características gerais

Tecnologia e produção

Manutenção

Limpeza e arrumação

Relação com fornecedores e distribuidores

Cultura organizacional

15 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Pontos fortes e pontos fracos

Pontos fracos

Dependência da cooperação irrestrita das pessoas

Sistema praticamente sem folgas

Pontos fortes

Noção de conjunto

As mudanças encaradas como um fenômeno característico da natureza

16 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Alguns destaques

Willian Deming: 14 passos de Deming (p. 159)

Ouchi: defende que os administradores devem dar o exemplo dos valores a


serem seguidos por seus funcionários

Takeshi Imai: o lado esquerdo do cérebro (walk-machine)

Masaaki Imai: orientação para o processo e para as pessoas e não para os


resultados

K. Ishikawa: qualidade das pessoas como condição primordial do sucesso da


economia japonesa

17 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Administração Japonesa

Considerações finais

A crítica mais freqüente ao modelo de administração japonesa se dirige não ao


modelo em si, mas à sua adoção por empresas que se encontram em um outro
contexto cultural.

18 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II


Referencial bibliográfico

FERREIRA, A. A.; REIS, A. C. F.; PEREIRA M. I. Gestão Empresarial: de Taylor aos


nossos dias. São Paulo: Pioneira, 2001.

19 Prof. Antonio Marcos Teoria da Administração II

Interesses relacionados