Você está na página 1de 6

As duas "Rochas" de Mateus 16:18 na Peshitta

Syriaca
4 de agosto de 2010 | Pelo autor convidado | Categoria: Posts de blog
No tópico intitulado "Como João Calvino fez-me um católico", Jason afirmou que a "gramática grega" de
Mateus 16:18 não permite a interpretação de que Pedro é a rocha sobre a qual a Igreja foi construída. Eu
desafiei Jason para fazer seu caso do texto grego, mas ele ainda não respondeu. Alguns leitores, assumindo
que Jason estava se referindo à discrepância entre o gênero (masculino) do nome que Jesus deu a Pedro
(como está registrado no grego), πέτρος e o (feminino) do gênero do "este rock" Πέτρα, sobre o qual Jesus
disse que ele iria construir a Igreja (como está gravado no grego), respondeu que esta é uma nuance
necessária da gramática grega: Pedro, sendo um homem, não poderia receber o nome feminino Petra. E além
disso, sabemos que Jesus e Pedro estavam falando aramaico, não grego,
Esta é uma resposta católica comum à acusação protestante em relação à disparidade de gênero, e acho que
é uma boa resposta. Eu também sei que não é novidade para muitos protestantes, e muitos protestantes
(obviamente) não acham convincente. Eu ouvi dizer que os textos estão em grego, não em aramaico, então
devemos manter o que sabemos do texto ao invés de especular e basear nossa interpretação sobre o que
pensamos ter sido dito na discussão original. Não é meu propósito revisar esses argumentos novamente aqui.
Este verão eu tenho aprendido Syriac, o dialeto do aramaico que se originou em Edessa. Foi o veículo da
difusão do cristianismo nas províncias a leste da Capadócia (embora o grego também tenha sido falado por
muitos em lugares como Antioquia), e ainda é a língua litúrgica de muitas igrejas particulares (na católica
oriental, ortodoxa oriental e Famílias ortodoxas orientais). Como mencionei acima, muitos indivíduos que
estão interessados nesta questão assumem que o argumento é discutível porque os manuscritos bíblicos não
estão em aramaico. Isso não é exatamente verdade. Alguns dos manuscritos bíblicos mais antigos que temos
estão neste dialecto Edessene do aramaico: Syriac. A versão padrão siríaca da Bíblia é conhecida como
"Peshitta", com o Antigo Testamento traduzido no século II e no Novo Testamento até o 4º século.

‫ܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐܐܐܐ ܐ̄ܐܐ ܐܐܐܐܐ̄ܐܐ ܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐ‬


‫ܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐ̈ܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐܐܐ ܐܐܐܐܐܐ‬
‫ܐܐܐܐܐܐܐܐܐܐܐ‬

"Mais uma vez, eu digo a você que você é a Rocha (Kepha) e, nesta Rocha (Kepha), vou construir
minha Igreja, e os portões do Sheol não serão subjugados".

Em ambos os lugares, vemos a mesma palavra, ‫( ܐܐܐܐܐܐ‬Kepha ou Kepho dependendo da pronúncia), que
é exatamente o que esperávamos com base nos argumentos que vimos feitos sobre o que Jesus teria dito no
aramaico. Eu acho que esse fato corrobora o argumento, já feito por outros, de que a disparidade de gênero
entre o nome de Pedro e o "este rock" sobre o qual Jesus prometeu construir Sua Igreja baseia-se nas
demandas da inflexão do substantivo grego. Também pode explicar a frequência das referências a Peter
como Cephas nas cartas de Paulo. A transliteração grega da palavra aramaico / siríaco ‫ ܐܐܐܐܐܐ‬é
κῆ φα. Nossa palavra "Cephas" é a transliteração latina da palavra grega. Não foi mencionado em nenhuma
das respostas no tópico de John Calvin, mas Paulo se refere a Peter por nome dez vezes (da minha contagem)
em suas cartas. Desses 10 vezes, Ele o chama Cefas oito vezes, mas πέτρος apenas duas vezes. Isso pode
indicar que Peter foi comumente abordado pelo termo aramaico nesse tempo e lugar, o que corrobora ainda
a hipótese de que é o nome que lhe foi dado originalmente por Jesus e cujo gênero não teria entrado em
conflito nas duas instâncias em Mateus 16. Por que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem,
referia consistentemente a Peter como Cephas em cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega
de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro
relato de Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos
Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João
traduz para nós: Mas πέτρος apenas duas vezes. Isso pode indicar que Peter foi comumente abordado pelo
termo aramaico nesse tempo e lugar, o que corrobora ainda a hipótese de que é o nome que lhe foi dado
originalmente por Jesus e cujo gênero não teria entrado em conflito nas duas instâncias em Mateus 16. Por
que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem, referia consistentemente a Peter como Cephas em
cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor,
noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro relato de Jesus dizendo a Pedro que ele
será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a Pedro que ele será
chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João traduz para nós: Mas πέτρος apenas
duas vezes. Isso pode indicar que Peter foi comumente abordado pelo termo aramaico nesse tempo e lugar,
o que corrobora ainda a hipótese de que é o nome que lhe foi dado originalmente por Jesus e cujo gênero
não teria entrado em conflito nas duas instâncias em Mateus 16. Por que motivo, Paul, que obviamente
conhecia o grego bem, referia consistentemente a Peter como Cephas em cartas escritas para congregações
nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais
longe, temos em João 1 outro relato de Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado de Rock. Neste caso,
mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado Kepha (usando a transliteração
grega do aramaico), que João traduz para nós: Isso pode indicar que Peter foi comumente abordado pelo
termo aramaico nesse tempo e lugar, o que corrobora ainda a hipótese de que é o nome que lhe foi dado
originalmente por Jesus e cujo gênero não teria entrado em conflito nas duas instâncias em Mateus 16. Por
que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem, referia consistentemente a Peter como Cephas em
cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor,
noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro relato de Jesus dizendo a Pedro que ele
será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a Pedro que ele será
chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João traduz para nós: Isso pode indicar
que Peter foi comumente abordado pelo termo aramaico nesse tempo e lugar, o que corrobora ainda a
hipótese de que é o nome que lhe foi dado originalmente por Jesus e cujo gênero não teria entrado em conflito
nas duas instâncias em Mateus 16. Por que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem, referia
consistentemente a Peter como Cephas em cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de
Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro
relato de Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos
Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João
traduz para nós: O que corrobora ainda mais a hipótese de que é o nome que lhe foi atribuído originalmente
por Jesus e cujo gênero não teria entrado em conflito nas duas instâncias de Mateus 16. Por que razão, Paulo,
que obviamente conhecia o grego bem, sempre se referia a Pedro como Cefas Em cartas escritas para
congregações nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor, noroeste da
Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro relato de Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado
de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado Kepha
(usando a transliteração grega do aramaico), que João traduz para nós: O que corrobora ainda mais a
hipótese de que é o nome que lhe foi atribuído originalmente por Jesus e cujo gênero não teria entrado em
conflito nas duas instâncias de Mateus 16. Por que razão, Paulo, que obviamente conhecia o grego bem,
sempre se referia a Pedro como Cefas Em cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de
Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro
relato de Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos
Jesus dizendo a Pedro que ele será chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João
traduz para nós: Por que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem, referia consistentemente a
Peter como Cephas em cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e
Galatia (Ásia Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro relato de Jesus
dizendo a Pedro que ele será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a
Pedro que ele será chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João traduz para
nós: Por que motivo, Paul, que obviamente conhecia o grego bem, referia consistentemente a Peter como
Cephas em cartas escritas para congregações nas áreas de língua grega de Corinto (Grécia) e Galatia (Ásia
Menor, noroeste da Capadócia)? Ainda mais longe, temos em João 1 outro relato de Jesus dizendo a Pedro
que ele será chamado de Rock. Neste caso, mesmo no grego, encontramos Jesus dizendo a Pedro que ele será
chamado Kepha (usando a transliteração grega do aramaico), que João traduz para nós:

Ἤγαγεν αὐ τὸ ν πρὸ ς τὸ ν Ἰ ησοῦ ν. Ἐ μβλέψας αὐ τῷ ὁ Ἰ ησοῦ ς εἶ πεν, Σὺ εἶ Σίμων


ὁ υἱ ὸ ς Ἰ ωάννου, σὺ κληφήσῃ Κηφᾶ ς, ὅ ἑ ρμηνεύεται Πέτρος.

Ele [Andrew] levou-o [Pedro] a Jesus. Jesus olhou para ele e disse: "Você é Simão, o filho de
João. Você será chamado Cefas ", que é traduzido como Pedro.

Isso parece indicar que qualquer denominação de Cefas como Petros é derivada não de nuances teológicos,
mas do interesse de traduzir a palavra para falantes de grego, e assim a palavra seria naturalmente traduzida
com um final masculino (por razões aludidas acima).
Penso que existem vários bons argumentos para levar Peter como o referente de "este rock" em Mateus 16:18
e que vários dos realmente interessantes geralmente são ignorados por causa de argumentos sobre os
gêneros dessas duas "rochas". Na minha opinião , A grande floresta da força narrativa da passagem é muitas
vezes perdida pelas árvores de argumentos como este. Talvez eu possa escrever mais sobre isso em outro
momento. Por enquanto, envio esses pensamentos porque acho que eles acreditam os argumentos feitos em
defesa da interseção católica de "rock" que se baseiam na relação entre a tradição do manuscrito grego e a
língua aramaica.

COMENTÁRIOS

Esta publicação foi escrita por David Pell.

Obrigado por tomar o tempo para examinar isso e responder. Não tenho a
certeza de que estou seguindo o impulso de suas postagens, no entanto. Você
poderia talvez reafirmar a questão?
Caro Pe. Dale,
Você disse:

Muitos de nós, a comunidade ortodoxa siríaca, as palavras "esta


rocha" são auto-referenciais. Jesus está se referindo a si mesmo. Isso é
bastante comum em sírio / aramaico e ocorre em muitas formas ao
longo dos Evangelhos. Por exemplo, Jesus se refere a si mesmo como
"o Filho do Homem" em Marcos. Joachim Jeremias mostra outros
exemplos em seu livro sobre as parábolas de Jesus. Eu acho que Jesus
está fazendo o mesmo aqui quando conversa com Peter.

As igrejas ortodoxas orientais entraram em um estado de cisma 500 anos antes


dos ortodoxos orientais, por isso não me surpreenderia se não visse Pedro como
o rock aqui. O objetivo principal do meu artigo era desviar os argumentos
particulares, normalmente oferecidos pelos protestantes, que dizem que tal
interpretação é impossível com base na gramática no texto grego. Há outras
razões pelas quais podemos ler Peter como a rocha, como a popularidade de se
referir a ele como Cephas entre os falantes de língua grega registrados nas
epístolas paulinas (como mencionei no artigo) ou a posição do pronome
demonstrativo (isto ) No texto, especialmente o texto sírio. Um pronome precisa
de um antecedente, e seria muito natural para o pronome demonstrativo que
expressa proximidade para se referir ao antecedente lógico mais próximo,
Devo também ressaltar, como observei no artigo, que a Igreja Ortodoxa da Síria
não é a única igreja em particular a usar o Syriac como sua linguagem
litúrgica. Os católicos maronitas, os católicos síro-malabares, os católicos
melkitas e os católicos siríacos o utilizam.
Além disso, a tradição patrística siríaca defende a interpretação católica desta
passagem. Se você quiser analisar isso mais, eu sugiro que você comece com este
breve artigo , escrito por um sacerdote siríaco e ex-assistente metropolitano. O
artigo é ele próprio um trecho de um artigo que o Dr. Mor Athanasius deu em
uma conferência sobre o diálogo Syriac Orthodox-Roman Catholic. Vou copiar e
colar o trecho aqui que tem a ver com os pais Syriac:

PETER NA TRADIÇÃO TEOLÓGICA SYRIANA


Os pais da Igreja síria tentaram dar uma interpretação teológica à
pessoa de Pedro. Eles estavam plenamente convencidos do escritório
único de Pedro na comunidade cristã primitiva. Ephrem, Afrahat e
Marutha que deveriam ser os melhores expoentes da antiga tradição
síria reconhecem inequivocamente o escritório de Peter. Eles
entenderam que Peter participou da pessoa, bem como do ofício de
Cristo de uma maneira especial. Os pais sírios que seguem a tradição
rabínica chamam Jesus de "Kepha" porque vêem "rock" no Antigo
Testamento como um símbolo messiânico. Quando Cristo deu seu
próprio nome "Kepha" a Simão, ele estava lhe dando participação na
pessoa e no cargo de Cristo. Cristo, que é o Kepha e o pastor, fez de
Simão o pastor principal em seu lugar e deu-lhe o nome de Kepha e
disse que em Kepha ele iria construir a Igreja. Afrahat compartilhou a
tradição siríaca comum. Para ele, Kepha é de fato outro nome de
Jesus, e Simon recebeu o direito de compartilhar o nome. A pessoa
que recebe o nome de outra pessoa também obtém os direitos da
pessoa que concede o nome. Afrahat torna a pedra tirada da Jordânia
de um tipo de Peter. Ele diz que Jesus, filho de Nun, criou as pedras
para um testemunho em Israel; Jesus nosso Salvador chamou Simon
Kepha Sarirto e o colocou como o testemunho fiel entre as nações.
Mais uma vez, ele diz em seu comentário sobre Deutronomy que
Moisés trouxe água de "rock" (Kepha) para o povo e Jesus enviou
Simon Kepha para levar seus ensinamentos entre as nações. Nosso
Senhor o aceitou e fez dele o fundamento da Igreja e o chamou de
Kepha. Quando ele fala sobre a transfiguração de Cristo, ele o chama
Simon Peter, o fundamento da Igreja.
Ephrem também compartilhou a mesma visão. Em um Hino em Peter
ele escreve:
"Bem-aventurado você, Simon Kepha
Quem segura as chaves que o Espírito Forja
Grande é a palavra e inefável
Que poderia ficar ligada e solta acima e abaixo.
Bem-aventurado você, que era como a cabeça
E como a língua do corpo do irmão.
Através de Simão foi ouvido A Revelação do Pai
Através da Rocha inabalável "
(De Virginitate15.6,7)
Na versão armênia dos registros de De Virginitate, Peter the Rock
evitou a honra Quem foi o chefe dos Apóstolos,
Em uma MEMRA de Efrem encontrada na Liturgia da Semana Santa
aponta para a importância de Pedro:
"O Simão, meu discípulo, estabeleci como fundamento da Santa
Igreja,
chamei-te de Kepha para que possas suportar todos os edifícios.
Tu és o superintendente (baharo) daqueles que construíram para mim
a Igreja na Terra
Se construírem qualquer coisa odiosa, a base os impede.
Tu és o fundador dos meus discípulos.
Por ti, eu darei uma bebida a todas as nações, tens a doçura da vida
que eu darei,
eu te dei chaves do meu reino
. Você afirma sobre toda minha posse ".
Ambos Afrahat e Ephrem representam a autêntica tradição da Igreja
síria. As diferentes ordens de liturgia usadas para a santificação da
construção da igreja, do casamento, da ordenação, etc. revelam que o
primado de Pedro é parte da fé viva da Igreja ...
Foi conclusivamente claro que a erudição bíblica moderna apoia a
autêntica tradição siríaca em relação a O papel de Peter.

Terminarei reiterando o ponto de Tom, o que me parece muito útil. A Igreja


Católica não acredita que a posição de Pedro existe independentemente da
delegação de Cristo dessa autoridade. Peter participa da autoridade de Jesus de
forma especial, como explica o excerto acima. No final do dia, não é realmente
uma questão de ou / ou, mas de ambos / e. Nossos detratores protestantes,
como eles fazem em outros contextos, usam argumentos como o que foi o
ímpeto para esta publicação como estruturas para forçar os dois / e em um ou /
ou, e o objetivo principal da minha publicação foi mostrar uma razão ( De
vários) por que este argumento gramatical particular é insuficiente para
conseguir isso.
Obrigado a todos os que comentaram até agora. Estou muito feliz em ver meu
primeiro post gerando reflexão e discussão.

(Eu acho que este comentário que fiz no fio de Calvin também pode pertencer
apenas aqui.)
Uma vez que é claro que o que Jesus disse foi:
"E então eu digo para você, você é Rock, e sobre esta pedra irei construir minha
igreja". (Mt 16:18)
Onde ambas as instâncias de "rocha" eram "kepha" no aramaico original, a
questão de quem era a rocha que Jesus queria dizer "sobre esta pedra" torna-se
uma questão de linguagem corporal implícita. Eu tornarei explícito entre ()
renderizar as duas interpretações do Mt 16:18:
"E então eu digo a você (apontando para Simon), você é Rock, e (ainda
apontando para Simon) sobre essa pedra, vou construir minha
igreja". (Interpretação católica romana, RC)
"E então eu digo a você (apontando para Simon), você é Rock, e (agora
apontando para si mesmo) sobre esta pedra, vou construir minha
igreja". (Ortodoxa Oriental e interpretação protestante, EO & P)
Para observar, a interpretação EO & P está conceitualmente em consonância
com 1 Peter 2: 4-5, que usa "lithos" = "pedra" em vez de "petra" = "rock":
"Venha a Ele (Jesus), uma pedra viva, rejeitada pelos seres humanos, mas
escolhida e preciosa aos olhos de Deus, e, como pedras vivas (os fiéis), entregue-
se a uma casa espiritual para ser um santo sacerdócio para Ofereça sacrifícios
espirituais aceitáveis a Deus por meio de Jesus Cristo "(1 Pedro 2: 4-5).
Assim, na interpretação EO & P, Jesus é a pedra angular sobre a qual a Igreja é
construída, e Simão é apenas outra pedra / pedra viva no prédio da Igreja, assim
como qualquer outro fiel é.
Na verdade, a interpretação EO & P é correta em certo sentido: no nível pessoal,
espiritual e existencial. Jesus é a pedra sobre a qual os fiéis são construídos
como pedras vivas (a mesma rocha referida muitas vezes nos Salmos, o que é
lógico desde então Jesus é "Eu Sou", YHWH), e essa verdade se aplica a Simão,
seus sucessores, os bispos de Roma e qualquer outro fiel. O problema é que não
é lógico interpretar as palavras de Jesus no Mt 16:18 nesse sentido, por vários
motivos:
1. Por que Jesus renomearia Simon como Rock apenas para dizer
imediatamente que Ele mesmo era a rocha?
2. Mais importante ainda, por que Jesus renomearia Simon como Rock se Ele
quisesse dizer que Simon era apenas uma outra pedra viva no prédio da Igreja?
3. Ainda mais importante, a única maneira de interpretar adequadamente Mt
16:18 é lendo isso dentro de toda a afirmação de Jesus. Vejamos a aparência da
interpretação protestante:
17: Jesus lhe respondeu: "Bem-aventurado você, Simão, filho de Jonas. Pois a
carne e o sangue não revelaram isso para você, mas meu Pai celestial. (Neste
verso Simon é definitivamente especial.)
18: E então eu digo a você, você é Rock, e sobre esta pedra (eu mesmo)
construirei minha igreja, e as portas do mundo inferior não prevalecerão contra
ela. (Neste verso, Simon é como qualquer outro fiel, embora ele seja renomeado
por algum motivo estranho.)
19: Eu lhe darei as chaves do reino dos céus. Tudo o que você ligar na terra será
ligado no céu; E tudo o que você perder na terra será solto no céu. (Neste
versículo, Simão é novamente especial. E graças ao fato de que, nos pronomes
pessoais gregos, têm formas diferentes para o singular e o plural, não se pode
argumentar que ainda havia outra mudança na linguagem corporal de Jesus e
agora Ele está apontando para o círculo Ao redor dele, para que "você" se refira
agora aos 12 apóstolos.)
Devemos usar o motivo para interpretar as Escrituras. Uma interpretação do Mt
16:18 onde "sobre esta pedra" não se refere a Simão desafia toda lógica.