Você está na página 1de 144

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Marisa Laporta Chudo

2009

© 2008 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais.

C559

Chudo, Marisa Laporta. / Fundamentos Biológicos do Desenvol-

vimento Infantil.

/

Marisa Laporta Chudo.

IESDE Brasil S.A. , 2009. 144 p.

ISBN: 978-85-387-0665-6

Curitiba:

1. Educação – Saúde. 2. Educação Infantil. 3. Pedagogia. 4. Saúde Escolar. 5. Biologia Educacional. I. Título.

CDD 613.0432

Capa: IESDE Brasil S.A. Imagem da capa: Istock Photo

Todos os direitos reservados.

Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200 Batel – Curitiba – PR 0800 708 88 88 – www.iesde.com.br
Batel – Curitiba – PR 0800 708 88 88 – www.iesde.com.brAl. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200

IESDE Brasil S.A.

Marisa Laporta Chudo

Mestre em Educação em Ciências da Saúde pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Especialista em Análises Clínicas pela Universidade São Judas Tadeu (SP). Graduada em Biomedicina pela Universi- dade de Mogi das Cruzes (SP). Atualmente ministra aulas no Ensino Superior.

Sumário

O desenvolvimento da criança

nos primeiros anos de vida

13

Desenvolvimento da fecundação ao nascimento

14

Desenvolvimento após o nascimento

15

Desenvolvimento nos primeiros meses

16

Desenvolvimento nos primeiros anos

19

Desenvolvimento postural

23

Desenvolvimento da criança na escola:

importância do teste visual e auditivo

25

Alimentação da criança

33

Alimentação na escola

42

Alergias alimentares

45

A influência da relação

materno-infantil sobre a alimentação

51

Relação materno-infantil e a nutrição

52

Leite e alimentos sólidos

54

Anemia ferropriva

65

Controle do esfíncter

Resíduos orgânicos

O sono e a criança

81

81

93

Os padrões de sono dos bebês

95

Distúrbios do sono

98

A importância da higiene

107

Higiene física

108

Higiene mental

109

Higiene do meio

111

Projeto político-pedagógico: temáticas e ações sobre saúde

115

Gabarito

129

Referências

139

Anotações

143

Apresentação

Educação e saúde têm formado um elo inseparável para a sociedade devido

à sua importância no desenvolvimento de uma vida saudável. Atualmente, existe

um consenso sobre a necessidade de os professores possuírem conhecimentos

e habilidades profissionais abrangentes, e entre os vários temas que o educador precisa conhecer estão as relações existentes entre educação e saúde.

Sem uma boa saúde o indivíduo não tem suas capacidades e seu potencial plenamente desenvolvidos. As ações políticas em toda a sua história contemplam essa integração no âmbito dos cursos formadores de professores, tendo em vista ações dentro do contexto escolar. Em suma, é preciso ensinar saúde. Sabe-se que crianças escolarizadas tendem a apresentar menos problemas de saúde, do mesmo modo que crianças saudáveis apresentam melhores rendimentos escola- res. Ou seja, crianças que crescem com saúde e educação têm maior possibilidade de tornarem-se adultos com melhor qualidade de vida.

Este livro está organizado em sete aulas, iniciando com uma abordagem das principais características do desenvolvimento biológico da criança nos pri- meiros anos de vida. Em seguida apresenta-se a importância da alimentação da criança destacando os nutrientes essenciais para o seu bom desenvolvimento e crescimento. O terceiro capítulo apresenta a influência materna sobre a alimen- tação da criança, ganhando destaque o contato e atenção sobre o ato de alimen- tar. Na sequência aborda-se sobre a anemia ferropriva, e como devemos prevenir essa doença que é cada vez mais comum em crianças. A quinta aula apresenta como ocorre o controle do esfíncter, destacando esse ponto como um dos indi- cadores de maturação orgânica. Em seguida, explica-se a importância do sono, os padrões normais de sono do bebê, bem como os distúrbios do sono. Finalizando,

o livro traz uma abordagem sobre a importância da higiene física, mental e do

meio ambiente em que a criança brinca, bem como os cuidados para evitar a con- taminação por verminoses. Lembrando que todos os assuntos estão relacionados com os processos de desenvolvimento e aprendizagem das crianças.

Por essa razão, é fundamental que os futuros educadores estejam cons- cientes de seu papel como cidadãos e como educadores e procurem conhecer os aspectos vitais relacionados ao desenvolvimento da criança: seu crescimento, sua alimentação, prevenção de doenças, interação saúde-indivíduo-ambiente, fato- res da saúde comunitária e pública do país.

Dados levantados pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo re- velam que existem, entre as crianças de unidades educacionais da capital, vários problemas de saúde: 28% delas apresentam anemia; 72,9%, lesões e cáries dentá- rias; 10,4%, problemas visuais; 20%, verminoses; 8%, desnutrição; 9,7%, obesida- de; e 4,3%, baixa estatura.

Ações públicas foram desenvolvidas: “São Paulo é uma Escola”, concomi- tantemente do projeto “Escola Promotora de Saúde”. Este segundo projeto pre- tende incluir ações educativas em saúde no projeto pedagógico, com o objetivo de contribuir para que a comunidade escolar se sinta motivada a refletir sobre o significado da saúde e da qualidade de vida, e a discutir sobre as causas e possíveis soluções para os problemas existentes na escola e nas comunidades.

A escola é o lugar ideal para a aplicação de programas de promoção de saúde de amplo alcance e repercussão, já que exerce uma grande influência sobre as crianças e adolescentes em cada etapa de seu desenvolvimento.

Marisa Laporta Chudo

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Sim ao direito à vida Sim à saúde e educação Sim à cultura, lazer e esporte Sim à igualdade, justiça e paz Sim à plena cidadania

Albertina Duarte Takiut – CMDCA

O ciclo biológico do ser humano é considerado como sendo o desen- volvimento embrionário-fetal, o nascimento, o crescimento, a reprodução, o envelhecimento e a morte. O desenvolvimento e o crescimento se dão pelos seguintes aspectos: desenvolvimento biológico, hereditário, adqui- rido (como doenças), psicológico e socioambiental. Um ser humano ne- cessita que seu crescimento e desenvolvimento sejam saudáveis desde o início para que tenha condições favoráveis a uma vida plenamente satis- fatória e exerça suas atividades por toda vida. Os estímulos adequados e acompanhamento diário do ser que acaba de nascer farão com que qual- quer problema detectado, nessa fase, seja monitorado por profissionais capacitados, possibilitando plenas condições de tratamento e cura.

Segundo o Ministério da Saúde, considera-se crescimento o aumento do tamanho corporal. É um processo dinâmico e contínuo que ocorre desde a fecundação até a morte dos sistemas orgânicos, considerando os processos de substituição e regeneração de tecidos e órgãos. Assim, o crescimento é considerado como um dos melhores indicadores de saúde da criança.

Desenvolvimento é a transformação, complexa, contínua, dinâmica e progressiva, que inclui, além do crescimento, a maturação, a aprendiza- gem e os aspectos psíquicos e sociais.

Desenvolvimento psicossocial é o processo de humanização que inter- -relaciona aspectos biológicos, psíquicos, cognitivos, ambientais, socio- econômicos e culturais, mediante o qual a criança vai adquirindo maior capacidade para mover-se, coordenar, sentir, pensar e interagir com os outros e o meio que a rodeia; em síntese, é o que lhe permitirá incorporar- -se, de forma ativa e transformadora, à sociedade em que vive.

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Desenvolvimento da fecundação ao nascimento

O crescimento e desenvolvimento humano se iniciam logo após a fecunda-

ção, dentro do útero. Durante os meses em que o feto está intrauterino, ele de- senvolve mês a mês todos os seus órgãos (cérebro, fígado, rins etc.), sistemas (nervoso, digestório, respiratório etc.), até que esteja completamente pronto para nascer. Durante a vida intrauterina, o feto necessita retirar de sua mãe (pelo cordão umbilical) todos os nutrientes (água, carboidratos, oxigênio etc.) para seu completo desenvolvimento, interagindo com o meio em que vive: o útero materno (o feto recebe os estímulos da mãe e manifesta reações para esses es- tímulos, o chute, por exemplo). Portanto, o desenvolvimento humano saudável requer que a relação mãe e filho, durante a gravidez e nos primeiros meses de vida, seja prazerosa (afetiva e emocional) e responsável, o que será determinan- te para o bem-estar de ambos, sobretudo para o crescimento da criança: físico, emocional e social.

Embrião é o nome do ser em desenvolvimento desde o momento em que a célula-ovo (que carrega toda herança genética) começa a se dividir até a oitava semana, quando começa a ter forma humana. É chamado de feto após a oitava semana até o nascimento. A placenta é o órgão por meio do qual o embrião, e depois o feto, recebe alimento e oxigênio e elimina os excretos (por meio do cordão umbilical). Observe abaixo:

 

Idade

 

Característica

(SANTOS, 2002. Adaptado.)

4

semanas

Com menos de 1cm de comprimento, o embrião já apresenta o cora- ção batendo e os olhos parcialmente formados.

5

semanas

Começam a se desenvolver os braços e as pernas, e o embrião já con- trai seus músculos ao ser estimulado.

8

semanas

Com aproximadamente 2,5cm de comprimento, o embrião já está com forma humana.

12

semanas

O

feto está com os dedos bem formados e movimenta-se por conta

 
 

própria.

22

semanas

O

feto está com 20cm de comprimento e 500g de peso. Desenvolve-

 

-se rapidamente o aparelho respiratório.

32

semanas

O

feto já pode sobreviver fora do corpo da mãe.

38-40 semanas

O

feto já está pronto para nascer, com aproximadamente 50cm de

comprimento e peso de 3 a 3,5kg em média.

O bem-estar físico, emocional e social da mãe é importantíssimo para que ela

possa contribuir no desenvolvimento do bebê. Uma gravidez indesejada, doen-

da mãe é importantíssimo para que ela possa contribuir no desenvolvimento do bebê. Uma gravidez indesejada,

14

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

ças adquiridas, má alimentação, violência, estresse podem ser fatores determi- nantes para patologias encontradas posteriormente na criança.

Desenvolvimento após o nascimento

Logo após o nascimento, observamos na criança características genotípicas e fenotípicas e passa-se a acompanhar mensalmente seu desenvolvimento em todos os aspectos durante os primeiros anos de vida.

As características fenotípicas (resultantes da interação entre o genótipo e o meio) dividem-se em três:

Hereditárias – são as características genéticas (cor dos olhos, altura, cor do cabelo etc.).

Congênitas – características adquiridas durante a gestação; por exemplo, se a mãe adquire rubéola, o vírus pode atingir o embrião e a criança pode- rá nascer com anomalias, como surdez.

Adquiridas – de causas principalmente ambientais, como a paralisia in- fantil.

O

desenvolvimento biológico do corpo se dá a partir do desenvolvimento:

Céfalo-caudal – o cérebro se liga aos demais órgãos do corpo. Primeiro a criança sustenta a cabeça, depois senta, fica em pé e por último anda.

Próximo distal – a maturação ocorre do centro do corpo para a periferia, de dentro para fora; ocorre o controle dos órgãos dentro do tronco e pos- teriormente desenvolvem-se braços e dedos.

O

acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança pode ser

analisado e observado levando-se em consideração:

Desenvolvimento corporal

Motor – controle dos movimentos.

Curvas de crescimento – peso, altura, crescimento da circunferência da cabeça e dos braços.

Perceptivo – visão, audição, olfato, tato e paladar.

Desenvolvimento cognitivo – linguagem e memória.

Desenvolvimento psicossocial – social, emocional e adaptativo.

15

cognitivo – linguagem e memória.  Desenvolvimento psicossocial – social, emocional e adaptativo. 15

(GUTMAN, 2005. Adaptado.)

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Para haver um desenvolvimento completo e saudável da criança, são neces- sários: boa alimentação, hábitos de higiene, imunização contra doenças e cuida- dos com o meio ambiente. Esses fatores influenciam diretamente a vida da crian- ça, positivamente (quando a criança está bem alimentada, por exemplo, terá seu sistema imunológico mais preparado para combater doenças, e terá um melhor rendimento escolar) ou negativamente (criança sem hábitos de higiene e sem uma boa alimentação terá comprometida a saúde, pois essa criança pode adquirir do- enças, dificultando a aprendizagem e rendimento escolar). Pediatras afirmam que bebês que têm uma alimentação saudável, um bom sistema imunológico e fisiolo- gia normal em pleno desenvolvimento podem dobrar o seu peso com 180 dias.

Desenvolvimento nos primeiros meses

Mês

 

Motor

Cognitivo

Social

1.º

Coordenação motora grosseira (diversas ações refle- xas): estremecimento no queixo, tremor nas mãos

Percebe e reco- nhece os bati- mentos cardíacos da mãe.

Comunica-se com os olhos, que se fixam em rostos

e

sobressaltos; movimentos espasmódicos suaves.

Assim que o sistema nervoso amadurece melhora

 

controle muscular. Dorme muito, precisa ser ama- mentado, em média, de 3 em 3 horas.

o

Linguagem: vo- caliza, imita sons além de chorar, reage a vozes e sons familiares.

em resposta a um sorriso.

2.º

Coordenação motora grosseira: movimentos reflexos

Linguagem: res- munga e emite sons de vogais, como “ah-ah”. Ouve mais do que enxerga.

Percebe quem lhe proporciona bem-estar e carinho. Mostra sinais autênticos de felicidade e cordialidade.

começam a desaparecer e ações intencionais tornam-

se

mais frequentes; o apoio do pescoço desenvolve-

se, consegue erguer a 45 graus quando se deita de bruços; as pernas endireitam-se e podem dar um impulso (apoio) para baixo quando apoiadas numa superfície; com o desenvolvimento da flexibilidade das articulações dos quadris e joelhos, os chutes fi- cam mais fortes.

Coordenação motora fina: junta as mãozinhas, aperta

   

os

objetos colocados na mão.

3.º

Praticamente permanece inalterado.

Linguagem: a emissão de sons é estimulada ao ouvir a conversa dos outros.

Sorri frequen- temente; troca sorrisos com os pais e começa a mostrar preferên- cia por eles.

4.º

Coordenação motora grosseira: ergue a cabeça a 90 graus quando está deitado de bruços; mantém a ca- beça firme quando colocado em pé; quando deitado sobre o estômago, o bebê consegue manter a parte superior do corpo com os braços; consegue virar-se de lado.

Pode reconhecer a mãe em um grupo de pessoas. Linguagem: ri alto e pode dar gritinhos de sa- tisfação; balbucia para si mesmo ou para os outros.

Vocaliza ou sorri para começar ou responder a socialização. Na medida em que aumenta sua mo- bilidade, torna-se mais assertivo e curioso.

Coordenação motora fina: alcança objetos, aperta um chocalho e leva-o à boca.

mais assertivo e curioso. Coordenação motora fina: alcança objetos, aperta um chocalho e leva-o à boca.

16

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Mês

Motor

Cognitivo

 

Social

5.º

Coordenação motora grosseira: mantém a cabeça fir- me quando é colocado em pé; consegue virar para um lado; flexiona os braços e arqueia as costas para erguer o peito; “balança-se” sobre o estômago, dá chutes com as pernas e nada com os braços; agarra os pés e leva-os até a boca quando deitado de cos- tas.

Coordenação motora fina: agarra e faz força para al- cançar objetos.

Antecipa o objeto completo mesmo somente após ver parte dele. Ri espon- taneamente, balbucia rotinei- ramente e pode combinar vogais e consoantes.

 

Gosta de

brincadeiras

socializantes.

Interessa-se por

outras crianças.

Demonstra expec- tativas. Ergue os braços para que

o

peguem; agarra

 

quando alguém o segura.

6.º

Coordenação motora grosseira: mantém a cabeça ni- velada quando colocado para se sentar; com ajuda, senta-se direito. Inicia-se a dentição.

Observa as bocas atentamente e procura imitar sons e inflexões; faz sons de esta- lar a língua.

Prefere brincar com pessoas, especialmente os jogos de par- ticipação, como

esconde-

Coordenação motora fina: alimenta-se de comidas simples; transfere objetos de uma mão para a outra, vira-os de um lado para outro, gira-os de cabeça para baixo.

   

-esconde.

7.º

Coordenação motora grosseira: senta-se sem apoio; vira-se em ambas as direções.

Usa brincadeira como esconde- -esconde para aprimorar-se. Pode fazer vários sons em um fôle- go só; reconhece tons e inflexões diferentes. Pode fazer objeção de alguém tentar tirar seu brinquedo.

Começa a mostrar humor. Quer ser incluído nas interações sociais. Quer explorar e mani- pular tudo.

Coordenação motora fina: consegue comer com maior firmeza; quando sentado consegue fazer mo- vimentos de agarrar; move-se de bruços para frente para pegar um objeto fora do alcance; suporta algum peso nas pernas, começa a engatinhar.

8.º

Coordenação motora grosseira: suporta todo seu peso nas pernas; gosta de pular; quando sentado, dá um giro para procurar objetos caídos; fica na posição sen- tada usando os braços. Solidificação do quadril.

Começa a imitar uma ampla va- riedade de sons. Volta a cabeça em direção a sons e vozes familiares.

Mostra autocons- ciência. Olha-se no espelho e tem consciência de sua imagem.

Coordenação motora fina: transfere objetos de uma mão para a outra; junta pequenos objetos e pega-os com a mão fechada; pega pequenos objetos fazendo uma “pinça” com o polegar e o indicador.

9.º

Coordenação motora grosseira: esforça-se para pegar objetos fora do alcance; faz progressos quando, sen- tado, tenta se levantar; mantém-se em pé agarrando em alguma coisa.

Coordenação motora fina: aprende a abrir os dedos e a deixar cair objetos; brinca de esconde-esconde.

Percebe quando um dos pais deixa o ambiente

Demonstra ansiedade com estranhos e fica ansioso diante de situações não ha- bituais. Demonstra ansiedade de separação e torna-

e espera pela sua volta. Pode dizer,

aleatoriamen-

te, “mamã” ou

 

“papá”.

se

excessivamente

apegado.

10.º

Coordenação motora grosseira: move-se agarrando nos móveis; por instantes fica em pé sem ajuda.

Pode reagir ao seu nome ou a palavras como “não”.

Procura obter aprovação dos pais e evita a reprovação. Com- preende o“não”.

Coordenação motora fina: interessa-se por coisas pe- quenas; gosta de brinquedos que tenham manivelas ou rodas que girem.

17

motora fina: interessa-se por coisas pe- quenas; gosta de brinquedos que tenham manivelas ou rodas que

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Mês

Motor

Cognitivo

Social

11.º

Coordenação motora grosseira: consegue sentar-se e virar na posição de bruços.

Diz“mamã”ou

Fica com receio de situações, ob- jetos e barulhos altos (medo de escuro, aspirador de pó etc.).

“papá”intencional-

Coordenação motora fina: institui a “pinça” feita com os dedos para pegar coisas; segura um lápis e ten- ta rabiscar; consegue bater palmas e acenar com a mão.

mente. A maioria diz ao menos uma dessas palavras por volta dos 14 meses.

12.º

Coordenação motora grosseira: com auxílio, anda mais firme; começa a andar sem apoio.

Diz alguma outra palavra além de “mamã” ou “papá”. Muitos não dizem nenhuma outra palavra além de “mamã” ou “papá” até os 14 meses ou mais.

Desenvolve o senso de humor. Demonstra afeto por pessoas e objetos, como dar abraços.

Coordenação motora fina: apanha pequenos objetos do chão com habilidade; empilha blocos e forma tor- res.

Desenvolvimento perceptivo: bebês nascem com os sentidos funcionando, alguns mais desenvolvidos do que outros. O paladar, o tato e o olfato do recém- -nascido são mais desenvolvidos, enquanto a visão é menos desenvolvida.

Audição: ainda no útero, o feto de 28 semanas ouve e responde aos sons. Após o nascimento, e durante o primeiro mês, é sensível a sons muito al- tos. Reconhece sons e vozes familiares; acalma-se com vozes e música su- ave. Reconhece a voz da mãe e volta a cabeça na direção do som. Por volta do sétimo mês, localiza sons com precisão.

Olfato, tato e paladar: recém-nascidos que mamam no peito reconhecem a mãe pelo cheiro, preferem suavidade ao serem acariciados, abraçados e embalados.

Visão: enevoada ao nascer, embora tenha visão periférica; prefere con- templar os objetos a uma distância de 20 a 40 centímetros de seu rosto. Durante o primeiro mês, aprende a seguir objetos que se movem; prefere branco e preto ou formas e rostos contrastados. Por volta do terceiro mês acompanha objetos familiares; reconhece objetos e pessoas a distância. Entre o quarto e o sétimo mês, diferencia as cores; prefere vermelhos e azuis. No sétimo mês, a visão está totalmente desenvolvida.

Devemos sempre levar em consideração que todo o processo depende e varia muito de criança para criança.

Uma criança que frequenta a escola desde bebê deve ser observada e estimu- lada pela(s) pessoa(s) que diariamente cuida(m) dela. O papel da escola, nesse momento, é o de incentivar a mãe a amamentar seu filho, registrar e informar sobre o acompanhamento e evolução do crescimento da criança para que a

a amamentar seu filho, registrar e informar sobre o acompanhamento e evolução do crescimento da criança

18

IESDE Brasil S.A.

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

mãe também possa observar, acompanhar e informar o pediatra a fim de que o mesmo possa fazer sua avaliação. Também devemos considerar que a criança percorre um processo de mudança psicossocial adaptativo, pois ela começa a conviver mais cedo com o meio social e ambiental, diferente das crianças que até o primeiro ano ficam sob os cuidados exclusivos da mãe.

Desenvolvimento motor da criança (primeiro ano de vida) Recém-nascido reflexos subcortiais 1 mês 2 meses
Desenvolvimento motor da criança
(primeiro ano de vida)
Recém-nascido
reflexos subcortiais
1 mês
2
meses
3
meses
segue a luz
sorri, balbucia
sustenta a cabeça
4
meses
5
meses
agarra objetos
gira sobre o abdômen
6
meses
mantém-se sentado
7
meses
preensão palmar
8
meses
pinça digital
9
meses
põe-se sentado
10
meses
engatinha
11
meses
de pé, dá passos com apoio
12 a 14 meses
caminha só

Desenvolvimento nos primeiros anos

A partir do primeiro ano de vida, o processo de aprendizagem da criança é uma constante e uma transformação crescente e rápida. A criança aprenderá a:

andar; subir e descer escadas; correr; falar; vestir-se; expressar suas vontades; necessidades e desejos; exprimir suas emoções; aprender regras de convívio social; controlar o corpo, como saber a hora de ir ao banheiro; pintar; escrever; ler; pular; criar; enfim, colocar em prática todos os potenciais que o ser humano tem e precisa desenvolver. Mas para isso acontecer é preciso ter boa saúde, ou seja, bem-estar para ter um rendimento compatível ao aprendizado necessário.

19

é preciso ter boa saúde , ou seja, bem-estar para ter um rendimento compatível ao aprendizado

IESDE Brasil S.A.

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Curvas de crescimento

As curvas de crescimento nos ajudam a quantificar o crescimento corporal da criança. Estão relacionados às suas necessidades fisiológicas para o bom desen- volvimento, tais como: possuir um bom sistema imunológico para não contrair doenças, ter alimentação saudável e seu sistema corporal em perfeito funciona- mento, como no que se refere à produção de hormônios que ajudam a crescer. As curvas de crescimento medem peso, altura e circunferência da cabeça e do braço em relação à idade da criança.

Crianças de baixo peso e altura podem indicar desnutrição (no entanto, outros fatores como o genético podem estar presentes); a desnutrição faz com que a criança apresente sinais como sonolência, desânimo, e possa contrair doenças mais facilmente, deixando o rendimento escolar comprometido.

Atualmente, sabemos que temos um alto índice de crianças obesas. Crianças que não fazem atividade física, pois ficam muito tempo paradas na frente de computadores e videogames e ainda possuem uma alimentação desequilibrada, rica em carboidratos e gorduras (fast food), são levadas à obesidade.

Os professores podem contribuir fazendo uma pesquisa com seus alunos, medindo peso e altura dos mesmos e comparando os resultados com a tabela- -padrão, não esquecendo que cada criança é uma e pode apresentar variações, sem que sua saúde esteja comprometida. Com os dados em mãos, a professora poderá desenvolver ações que auxiliem o desenvolvimento das crianças: ativida- de física, aulas sobre boa alimentação, entre outras. Observe o crescimento e de- senvolvimento de crianças acima de um ano na tabela e nos gráficos a seguir:

Ótimo Seu filho está com o peso ideal. Seu filho está com o peso ideal.

Atenção Seu filho está um pouco abaixo do peso ideal. Seu filho está um pouco abaixo do peso ideal.

Cuidado Seu filho está acima do peso ideal. Seu filho está acima do peso ideal.

Cuidado Seu filho está muito abaixo do peso ideal. Seu filho está muito abaixo do peso ideal.

Observe a linha de seu filho Bom Perigo Grande perigo
Observe a linha
de seu filho
Bom
Perigo
Grande
perigo
Cuidado Seu filho está muito abaixo do peso ideal. Observe a linha de seu filho Bom

20

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Gráfico de peso X idade – de 2 a 5 anos

2 3 4 5 anos 2 4 6 8 10 anos 2 4 6 8
2
3
4
5
anos
2
4
6
8
10
anos
2
4
6
8
10
anos
2
4
6
8
10
anos
25
25
24
24
23
23
22
22
21
21
P
P
20
20
E
E
S
S
19
19
O
O
18
18
Kg
Kg
17
17
16
16
15
15
14
14
13
13
12
12
11
11
10
10
9
9
8
8
2
2
4
6
8
10
3
2
4
6
8
10
4
2
4
6
8
10
5
anos
anos
anos
anos
Gráfico de altura X idade – de 2 a 5 anos
2
3
4
5
anos
anos
2
4
6
8
10
anos
2
4
6
8
10
anos
2
4
6
8
10
120
120
115
115
110
110
A
A
L
L
T
T
105
105
U
U
R
R
A
A
100
100
cm
cm
95
95
90
90
85
85
80
80
75
75
2
2
4
6
8
10
3
2
4
6
8
10
4
2
4
6
8
10
5
anos
anos
anos
anos
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002)
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002)

21

4 6 8 10 4 2 4 6 8 10 5 anos anos anos anos (MINISTÉRIO

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Gráfico de altura e peso X idade – de 5 a 10 anos

5 6 7 8 9 10 2 4 6 8 10 2 4 6 8
5
6
7
8
9
10
2
4
6
8
10
2
4
6
8
10
2
4
6
8
10
2
4
6
8
10
2
4
6
8
10
anos
anos
anos
anos
anos
anos
A
150
150
L
T
145
145
U
R
A
140
140
A
L
135
135
T
U
130
130
R
cm
A
125
125
120
115
55
cm
110
50
105
45
P
E
100
40
S
95
O
90
35
kg
30
P
25
25
E
S
20
20
O
15
15
kg
10
10
5
2
4
6
8
10
6
2
4
6
8
10
7
2
4
6
8
10
8
2
4
6
8
10
9
2
4
6
8
10
10
anos
anos
anos
anos
anos
anos
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2002)

O Ministério da Saúde aponta que entre

10 a 12 meses: o bebê está crescido, gosta de imitar os pais, dá adeus, bate palmas. Fala pelo menos uma palavra com sentido e aponta para as coi- sas que ele quer. Come comidas sólidas, porém, precisa comer mais vezes, (em pequenas porções) que um adulto. Gosta de ficar em pé apoiando-se nos móveis ou nas pessoas. Engatinha ou anda com apoio.

13 a 18 meses: a criança está cada vez mais independente: quer comer sozinha

e já se reconhece no espelho. Anda alguns passos, mas sempre busca o olhar

dos pais ou familiares. Fala algumas palavras e, às vezes, frases de duas ou três

palavras. Brinca com brinquedos e pode ter um predileto. Anda sozinho.

19 meses a 2 anos: a criança já anda com segurança, dá pequenas corridas, sobe e desce escadas. Brinca com vários brinquedos. Aceita a companhia

de outras crianças, mas brinca sozinha. Já tem vontade própria, fala muito

a palavra “não”. Sobe e mexe em tudo: deve-se ter cuidado com o fogo e cabos de panelas. Corre e/ou sobe degraus baixos.

2 a 3 anos: a criança gosta de ajudar a se vestir. Dá nomes aos objetos, diz seu próprio nome e fala “meu”. A mãe deve começar, aos poucos, a tirar

a se vestir. Dá nomes aos objetos, diz seu próprio nome e fala “meu”. A mãe

22

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

a fralda e ensinar, com paciência, o seu filho a usar o peniquinho. Ela já demonstra suas alegrias, tristezas e raivas. Gosta de ouvir histórias e está cheia de perguntas. Diz seu nome e nomeia objetos como sendo seus.

3 a 4 anos: gosta de brincar com outras crianças. Tem interesse em apren- der sobre tudo o que a cerca, inclusive contar e reconhecer as cores. A criança ajuda a vestir-se e a calçar os sapatos. Brinca imitando as situações do seu cotidiano e os seus pais.

4 a 6 anos: a criança gosta de ouvir histórias, aprender canções, ver livros e revistas. Veste-se e toma banho sozinha. Escolhe suas roupas, sua comida e seus amigos. Corre e pula alternando os pés. Gosta de expressar as suas ideias, comentar o seu cotidiano e, às vezes, conta ou inventa pequenas histórias.

Toda criança, além de crescer, ou seja, ganhar peso e altura, necessita adquirir habilidades físicas e motoras. É muito importante observar permanentemente o desenvolvimento físico e a postura da criança.

A finalidade de acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança é detectar problemas orgânicos para um adequado encaminhamento aos profis- sionais; estimular o indivíduo para que seu desenvolvimento melhore a qualidade de vida e o aprendizado.

Desenvolvimento postural

IESDE Brasil S.A.
IESDE Brasil S.A.

Além do desenvolvimento físico e motor, é muito importante observar o de- senvolvimento postural da criança. Crianças obesas, desnutridas, com proble- mas físicos podem comprometer o desenvolvimento postural e levar a sérios problemas na adolescência e/ou na fase adulta. Mães e professoras devem estar

23

postural e levar a sérios problemas na adolescência e/ou na fase adulta. Mães e professoras devem

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

atentas às crianças no caminhar, na postura dos ombros, quando estas estão fazendo atividades físicas, na hora de se alimentar e também na hora de estudar. Crianças que estudam deitadas e relaxadas comprometem a postura e a con- centração, causando sonolência. Durante a alimentação, crianças que ficam na frente da televisão relaxadas comprometem a digestão; esse hábito também contribuirá para torná-las crianças obesas.

Observe:

Toda criança de um ano de idade já deve começar a ficar de pé e dar os primeiros passos.

Aos dois anos já deve andar sozinha, usar as mãos para levar até a boca os alimentos e falar muitas palavras.

Aos três anos já deve saber comer sozinha e correr. A partir daí a criança deve adquirir cada vez mais liberdade e segurança para realizar movimen- tos e controlar seu corpo.

Uma criança“quieta”e que não dá trabalho pode ser sinal de que alguma coisa não vai bem com o seu desenvolvimento físico. Observe o seu jeito de andar, comer e sentar. Crianças que caem com frequência, que reclamam de dores nas pernas, nas costas e cansaço precisam ser avaliadas e orientadas. Na adolescên- cia, quando o corpo cresce e se modifica rapidamente, os vícios de postura são muito comuns (ombros caídos, coluna torta, pés planos) e precisam ser avaliados para que não se transformem em problemas sérios de saúde na idade adulta.

Portanto, além da vigilância, é necessário oferecer à criança e ao adolescente estímulos e condições apropriadas para um bom desenvolvimento físico e uma boa postura. É importante brincar, praticar esportes e ter contato com a nature- za. Tudo isso é essencial para ter corpo e mente saudáveis. Pense nisso, qualquer dúvida encaminhe a criança a um serviço de saúde.

dúvida encaminhe a criança a um serviço de saúde. 24 Giselle Saporito. Maneira incorreta de se

24

Giselle Saporito.
Giselle Saporito.

Maneira incorreta de se sentar.

Giselle Saporito.
Giselle Saporito.

Maneira correta de se sentar.

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Desenvolvimento da criança na escola:

importância do teste visual e auditivo

Segundo Granzoto (2008),

a visão, essencial para o aprendizado, é responsável pela maior parte da informação sensorial que recebemos do meio externo. A integridade desse meio de percepção é indispensável para

[

]

o ensino da criança. Com o ingresso na escola, passamos a desenvolver mais intensamente as

atividades intelectuais e sociais, diretamente associadas às capacidades psicomotoras e visuais.

Granzoto (2008) aponta que dados do Ministério da Educação indicam que o número de alunos na primeira série do Ensino Público Fundamental é de quase

6 milhões. Entretanto, somente parte inexpressiva dessa população se submete

a algum tipo de avaliação oftalmológica antes de ingressar na escola.

A capacidade visual desenvolvida nos primeiros anos de vida pode apresen-

tar alterações reversíveis, como quadros de estrabismo, astigmatismo e miopia, que aparecem geralmente durante os primeiros anos escolares. A observação e

o reconhecimento da baixa visão durante a infância são da maior importância,

pois na maior parte das vezes podem ser corrigidos com tratamentos simples e adequados.

Professoras devem estar atentas às crianças que reclamam muito de dores de cabeça, que coçam ou esfregam muito os olhos, e aquelas que franzem a testa quando fazem leituras de perto ou de longe. Nesses casos convém avisar os pais para encaminhar a criança para exames.

A escola deve motivar e incentivar o uso de óculos ou tampões pelas crianças

que, segundo diagnóstico seguido de prescrição, necessitarem. Deve também

coibir brincadeiras e comentários mal-intencionados de outras crianças. A escola precisa ter cuidado na hora das brincadeiras pedagógicas, na hora do lanche

e nas atividades físicas para evitar que a criança sofra um acidente como uma queda, por exemplo.

Considerando a importância da visão na educação e socialização da criança, as ações de promoção da saúde e de educação em saúde assumem importância decisiva. A prevenção e

a detecção precoce de deficiências oculares são os melhores recursos para combate à visão

subnormal e devem ser feitas, preferencialmente, na infância. Para atingir o objetivo comum da saúde da criança em idade escolar, é necessária a ação integrada lar-escola-comunidade. (GRANZOTO, 2008)

Os testes devem ser feitos preferencialmente por pessoas da área da saúde, que estão preparadas e treinadas para fazer o diagnóstico da criança, ou em clí- nicas especializadas.

25

da saúde, que estão preparadas e treinadas para fazer o diagnóstico da criança, ou em clí-

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Segundo a fonoaudióloga Letícia Cintra (2008),

tanto as perdas auditivas como as desordens no processamento auditivo podem trazer

sérias consequências para o desenvolvimento da linguagem, como também podem dificultar as relações sociais, comprometer o comportamento escolar, fragilizando as emoções da

criança. Por esses motivos, o diagnóstico e o tratamento devem ser realizados o quanto antes, de preferência logo que detectada qualquer dúvida a respeito da audição, da linguagem

As desordens do processamento auditivo são

diagnosticadas a partir de exames específicos (avaliação do processamento auditivo) e da observação de manifestações comportamentais da linguagem compreensiva e expressiva (oral e escrita), comportamento social e desempenho escolar realizados no ambiente familiar e da escola. Esses exames e avaliações são realizados por fonoaudiólogos. O tratamento dessas alterações acontece, progressivamente, em sessões de fonoterapia.

e da aprendizagem escolar da criança. [

] [

]

Texto complementar

A escola promotora de saúde

(MOREIRA; QUEIROZ, 2008)

“A escola pública, exercendo uma função articuladora no meio social, pode ser um poderoso instrumento nas mãos da população para o enfrenta- mento dos seus problemas” (GADOTTI, 2000).

A promoção da saúde, definida na Carta de Ottawa (1986) como “o pro- cesso de capacitação da comunidade para atuar na melhoria da qualidade de vida e saúde, incluindo uma maior participação no controle do processo” preconiza que“para atingir um estado de completo bem-estar físico, mental e social os indivíduos devem saber identificar aspirações, satisfazer necessida- des e modificar favoravelmente o meio ambiente.” Partindo desse contexto, a prática da promoção da saúde poderá ser exercida em ambientes diversifica- dos, como centros de saúde, empresas, escolas, residências e outros espaços.

No contexto escolar, a promoção da saúde poderá estar incluída na pro- posta político-pedagógica das escolas, envolvendo a estrutura escolar e as parcerias comprometidas com a proposta de trabalho elaborada. A promo- ção da saúde no âmbito escolar requer o desenvolvimento de ações integra- das com os diversos assuntos que envolvem educação, saúde, meio ambien-

te, trabalho, cultura, música, educação física, alimentação saudável, moradia e outros, considerando que “a saúde se cria e se vive na vida cotidiana, nos

centros de ensino, de trabalho e de lazer [

(MINISTÉRIO da Saúde Promo-

]”

e se vive na vida cotidiana, nos centros de ensino, de trabalho e de lazer [

26

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

ção da Saúde, 1999) e, ainda, que a “escola tem um papel relevante em re- lação à educação da personalidade e, como consequência, no estilo de vida das pessoas para que tenham saúde” (MARTÍNEZ, 1996).

Uma escola engajada com a saúde e a vida do cidadão aborda conteúdos que visem ao desenvolvimento integral da pessoa e à diminuição de sua vul- nerabilidade frente às doenças, o que contribuirá para a adoção de estilos de vida mais saudáveis.

A saúde e a educação são áreas estratégicas da sociedade que, trabalha-

das a partir da escola, permitem pensar no cidadão que assume a sua parcela

de responsabilidade por sua saúde e condições de vida.

A comunidade, a família e a escola são segmentos que interagem em

íntima relação com o contexto social em que estão situados e, portanto, não podem estar dissociados de um processo educativo mais integral. Mediante os temas transversais estabelecidos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) – entre os quais se inclui saúde – o professor pode explorar os assuntos da área de saúde com mais propriedade, aproveitando todas as oportunida- des e situações vividas no cotidiano escolar.

Componentes essenciais para a implantação de uma escola que trabalha a promoção da saúde

A promoção da saúde implica, entre outras coisas, a construção de uma

política que agrega as áreas de saúde, educação, meio ambiente, assistência social, esporte, cultura, trabalho, organizações governamentais e não-gover- namentais que atuam na área social.

O trabalho na escola que se propõe a promover a saúde é realizado de

forma intersetorial, com a mobilização e participação direta da comunidade, desde as decisões sobre o projeto de trabalho e o envolvimento de toda a escola e unidade de saúde, comunidade de pais, voluntários, empresas, par- ceiros diversos, até a sua execução e avaliação.

Como componentes essenciais que identificam uma escola que busca promover a saúde, estão o desenvolvimento de habilidades e práticas sau- dáveis visando melhorar os padrões de saúde e projetos que envolvem as crianças, adolescentes e adultos em um processo de reflexão sobre o cotidia- no, sobre a adequação e conservação dos espaços físicos, entorno da escola

27

processo de reflexão sobre o cotidia- no, sobre a adequação e conservação dos espaços físicos, entorno

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

e comunidade e outros fatores fundamentais para que, na prática, sejam de- senvolvidas habilidades pessoais que contribuam para uma vivência mais comprometida com a qualidade de vida.

Desafios da prática docente

Partindo do ambiente escolar, no qual alunos, professores, funcionários e direção necessitam buscar, criar e manter espaços para projetos que levem essas pessoas a viver melhor e resolver as questões que envolvem especial- mente os alunos, não apenas na escola, mas também em seu ambiente fami- liar e comunitário, é necessária uma prática docente diferenciada, na qual o professor será convidado a:

participar ativamente da elaboração, execução e avaliação do projeto político-pedagógico da escola, juntamente com os atores da comu- nidade local envolvidos no processo (pais, parceiros, Poder Público, ONGs e outras instituições locais/regionais);

conhecer e trabalhar temas de saúde reconhecidos como de urgên- cia social e indispensáveis, tais como sexualidade, DST/aids, gravidez precoce, drogas, alimentação saudável, saúde bucal, estilos de vida saudável, nas quais esteja presente a atividade física; entre esses te- mas deve se dar ênfase à prevenção e ao tratamento da obesidade, do tabagismo e do alcoolismo e suas consequências, como a violência;

estimular, em todo o ambiente escolar, a consciência de direitos e deveres e o exercício da cidadania, pela prática diária de uma escola aberta à comunidade e preocupada com a melhoria dos seus padrões de vida e pelo desenvolvimento de programas e projetos sociocomu- nitários que apoiem a ação da escola para trabalhar essas questões;

explorar continuamente o potencial das tecnologias de comunicação;

contribuir para que o ambiente escolar e seu entorno seja saudável, en- volvendo, nesse processo, os alunos, funcionários, pais e comunidade;

estimular a participação da comunidade, estabelecendo parcerias com empresas e comércio local, associação de moradores, associações beneficentes, entidades de classe, ONGs, estados e municípios;

partilhar o espaço físico da escola com a comunidade.

entidades de classe, ONGs, estados e municípios;  partilhar o espaço físico da escola com a

28

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Atividades

1. Uma professora reuniu 10 alunos, todos com 4 anos, mediu peso e altura e chegou aos resultados da tabela a seguir. Observe nos gráficos da apostila e veja se essas crianças estão com peso e altura compatíveis com a idade.

Aluno

Peso

Altura

Resposta

 

1 16kg

96cm

 
 

2 20kg

103cm

 
 

3 13kg

95cm

 
 

4 22kg

98cm

 
 

5 14kg

100cm

 
 

6 19kg

105cm

 
 

7 11kg

92cm

 
 

8 23kg

96cm

 
 

9 13,5kg

94cm

 
 

10 17kg

106cm

 

2. O desenvolvimento infantil deve ser acompanhado e estimulado levando-se em consideração todos os fatores que possam interferir antes e/ou depois do nascimento. Quais são esses fatores?

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

3.

Como o(a) educador(a) pode contribuir para o desenvolvimento postural do aluno?

do Desenvolvimento Infantil 3. Como o(a) educador(a) pode contribuir para o desenvolvimento postural do aluno? 30

30

O desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida

Dicas de estudo

O CORPO Humano: a incrível jornada do homem do nascimento à morte. Apresentado por Robert Winston. v. 2. Coleção Super Interessante. 1 DVD, color.

O Volume 2 dessa coleção aborda o desenvolvimento infantil de uma maneira

global do ser biológico, psicológico e social. Mostra-nos várias etapas e situações de desenvolvimento da criança e sua relação com o meio em que vive. Observe durante o filme as diferenças e como é possível estimular o desenvolvimento motor, cognitivo e psicossocial.

CARTILHA. Síndrome de Down: estimulação precoce 2 a 5 anos. Disponível em:

<www.projetodown.org.br>. Acesso em: 20 fev. 2008.

A cartilha destaca que a síndrome de Down (SD) é essencialmente um atraso

no desenvolvimento, tanto das funções motoras do corpo como das funções mentais. Faz uma abordagem sobre o trabalho de estimulação que procura dar à criança condições para desenvolver-se desde o nascimento, explorando ao máximo suas capacidades, ajudando a alcançar as fases seguintes do desenvol- vimento. A importância dessa pesquisa refere-se à atuação dos profissionais da educação que devem conhecer e estar preparados para a inclusão de crianças portadoras de necessidades especiais nas salas de aula regular.

REVISTA CRESCER. Infância. Disponível em: <http://revistacrescer.globo.com/ Crescer/0,191 25,EFC429774-2335,00.htm>. Acesso em: 20 fev. 2008.

Esse site aborda o tema crescimento e relata situações em que crianças em fase de crescimento podem apresentar dores nas pernas. Essa dor é chamada de dor do crescimento. De dia a criança está brincando normalmente e se queixa de dor nas pernas durante a noite. Conhecer esse assunto torna-se relevante para saber como diagnosticar e proceder com as crianças que possuem dores do crescimento.

31

assunto torna-se relevante para saber como diagnosticar e proceder com as crianças que possuem dores do

Alimentação da criança

Quando se trata de alimentação, muitas pessoas logo pensam no leite materno como o primeiro alimento da criança. Mas deve-se considerar a nutrição do feto e não somente após o nascimento.

Para desenvolver-se, o feto necessita de nutrientes que são obtidos da mãe através do cordão umbilical. Por isso é necessário que todas as ges- tantes se alimentem de forma saudável, para passar ao feto todos os nu- trientes necessários ao fortalecimento do seu organismo.

Após o nascimento, o bebê necessita receber alimento, que nessa fase deve ser exclusivamente o leite materno, pois ele possui nutrientes essenciais para a criança, como água, proteínas, lipídios, carboidratos, vitaminas, cálcio, fósforo, ferro, sódio, potássio e os anticorpos. Os anticorpos são nossas células de defesa contra doenças e os bebês nascem sem essa defesa, por isso devem ser vacinados na maternidade e nos primeiros anos de vida. Veja a tabela de vacinação a seguir:

Calendário de vacinação infantil

 

Idade

Vacina

Dose

(Disponível em: <www.cedipi.com.br/calendario_crianca.htm>.)

 

BCG

Única dose

Ao nascer

Hepatite B

1.ª dose

1

mês

Hepatite B

2.ª dose

6

semanas

Rotavírus

1.ª dose

2

meses

Tríplice acelular Haemophilus influenzae tipo b Poliomielite (Salk/Sabin) Pneumococo 7-V conjugada

1.ª dose

3

meses

Meningococo C conjugada

1.ª dose

14 semanas

Rotavírus

1.ª dose

4 meses

Pneumococo 7-V conjugada Tríplice acelular Haemophilus influenzae tipo b Poliomielite (Salk/Sabin)

2.ª dose

5 meses

Meningococo C conjugada

2.ª dose

 

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

6

meses

Pneumococo 7-V conjugada Tríplice acelular Haemophilus influenzae tipo b Poliomielite (Salk/Sabin) Hepatite B Influenza

3.ª dose

A partir de

Febre amarela

 

9

meses

A partir de

Tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola) Varicela

1.ª dose

1

ano

Hepatite A Meningococo C conjugada (reforço)

 

15

meses

Pneumococo 7-V conjugada Tríplice acelular Haemophilus influenzae tipo b Poliomielite (Salk/Sabin)

4.ª dose

18

meses

Hepatite A

2.ª dose

 

Tríplice viral

2.ª dose

4

a 6 anos

Tríplice acelular Poliomielite (Salk/Sabin)

5.ª dose

 

5.ª dose

14

a 16

Dupla adulto (difteria + tétano) ou dTpa (difteria + tétano + pertússis acelular)

Reforço a

cada 10

anos

anos

Adaptado das recomendações publicadas pela Sociedade Brasileira de Imuniza- ções (SBIM, 2005), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP, 2005) e Programa Nacio- nal de Imunizações (Ministério da Saúde do Brasil, 2004).

Além das primeiras vacinas, a criança precisa receber anticorpos de sua mãe, pois as vacinas são insuficientes para a completa proteção do bebê, e elas prote- gem somente contra as doenças específicas. Para a proteção de todas as outras doenças, o bebê precisa dos anticorpos da mãe que são transferidos pelo leite materno. A criança só passará a produzir seus próprios anticorpos mais ou menos a partir dos 5-6 anos.

Crianças que não foram amamentadas com o leite materno de maneira su- ficiente e passaram a frequentar as escolas (creches e berçários) são mais sus- cetíveis a doenças, por isso ouvimos algumas pessoas dizer: “Foi só entrar na escola e meu filho(a) ficou doente”. Evidentemente, a criança, sem as defesas necessárias ao organismo e passando a conviver com outras crianças, adoecerá mais facilmente.

Em países e regiões onde há muita pobreza, ocorre o agravante de que a alimentação pode ser escassa e muitas mães podem ter uma alimentação de-

pobreza, ocorre o agravante de que a alimentação pode ser escassa e muitas mães podem ter

34

Alimentação da criança

ficiente; mas, mesmo que a mãe não se alimente adequadamente, seu leite é fundamental para o bebê e ela deve ser incentivada a amamentar.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a amamentação exclusiva é

recomendada nos primeiros seis meses de vida. Com a introdução de alimentos, que variam de acordo com fatores sociais, econômicos e culturais da população,

a amamentação deve ser de no mínimo um ano. Damos o nome de desmame

quando ocorre a retirada do leite humano da criança. Advertimos que essa inter- rupção do leite materno precisa ser gradual para que o organismo da criança se adapte a novos tipos de alimentos. Vale lembrar a importância da higienização dos alimentos para o preparo das refeições e dos utensílios que o bebê utiliza.

A função da escola nesse momento é o de incentivar as mães a ir à escola

amamentar seus filhos, e na impossibilidade orientar a coleta de seu leite duran-

te o dia para que seja oferecido para a criança no dia seguinte (desde que con- servado em geladeira). Deve ser incentivada a amamentação durante a noite.

A amamentação é muito importante para a mãe e para o bebê. É o momento

em que, além do alimento, a criança recebe o afeto, o carinho e a proteção que ele sentia durante o seu desenvolvimento intrauterino. A falta desse momento entre eles poderá ter consequências no desenvolvimento da personalidade da criança, afetando também a saúde mental do bebê e de sua mãe (BRÊTAS, 2006).

Quando é iniciada a introdução de alimentos e do leite não-humano, são ne-

cessários alguns cuidados, como estimular a criança a aprender a deglutir, toman- do cuidado para que ela não engasgue com pedaços grandes de alimentos, ofe- recendo uma variedade de alimentos que contenham nutrientes diferentes, além de incentivar que a criança coma lentamente para fazê-la sentir que a alimentação

é prazerosa. Não se deve obrigar a criança a comer, devemos respeitar cada uma

delas, mas estimular a alimentação é fundamental. Lembre-se de que na alimen- tação devemos incluir todos os tipos de alimentos para que a criança receba uma variedade de nutrientes capazes de suprir as necessidades do corpo. Quando há

a falta de nutrientes, dizemos que a criança tem carências nutricionais.

Para incentivar uma alimentação equilibrada, precisamos conhecer as princi- pais funções dos nutrientes para nosso organismo:

Água – é fundamental para todos os processos metabólicos do corpo. Res- saltamos a importância de manter as crianças hidratadas, pois elas estão sempre em movimento e por isso necessitam de maior quantidade. Crianças que apresentam quadro de desidratação por diarreias e vômitos devem receber cuidados médicos.

35

quantidade. Crianças que apresentam quadro de desidratação por diarreias e vômitos devem receber cuidados médicos. 35

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Carboidratos – são os energéticos: açúcares e amidos que nos dão energia rápida. Isso quer dizer que, quando necessitamos correr, por exemplo, essa ener- gia é captada ou transformada por meio dos carboidratos. As crianças precisam de maior ingestão de carboidratos (pães, massas, arroz, se possível todos integrais, pois contêm fibras que ajudam no funcionamento do intestino) já que elas estão em constante movimento e a tendência é gastar maior quantidade de energia.

Entretanto, chamamos a atenção para um problema mundial que atinge in- clusive crianças: obesidade e diabetes. Grande parte desses problemas decorre da ingestão exagerada de carboidratos por crianças que não brincam, não pra- ticam esportes e permanecem longo tempo diante de televisões, videogames e computadores. Quando estão paradas, seus corpos não consomem os carboi- dratos que são ingeridos e o excesso de carboidratos vai sendo armazenado na forma de gordura, causando obesidade e/ou diabete infantil.

Gorduras – também são energéticos e servem para fornecer energia quando

a dos carboidratos for insuficiente, principalmente para manter nosso corpo

aquecido, pois as gorduras ajudam a evitar a perda de calor, controlando assim a temperatura do corpo. Gorduras em excesso ficam armazenadas e vão se acu- mulando, causando sérias consequências ao organismo. Conseguimos diferen- ciar de uma maneira simples as gorduras boas das gorduras prejudiciais à saúde. Temos as gorduras “boas” que são as de origem vegetal (azeite, óleo), e as “más”, que são as de origem animal (banhas, carnes gordurosas). A ingestão excessiva de gorduras ruins pode causar colesterol alto, hipertensão, obstrução dos vasos sanguíneos e obesidade.

Há vários tipos de gorduras contidas nos alimentos que são apresentadas nos rótulos das embalagens e que merecem atenção especial. São elas:

gorduras insaturadas, que podem ser divididas em: monoinsaturada (boa), poli-insaturada (boa);

gordura saturada (ruim);

gordura trans (ruim);

gordura ômega (boa);

colesterol (ruim, dependendo da quantidade).

Vamos entender cada uma delas:

Gorduras insaturadas são provenientes de vegetais e produzem efeito posi- tivo, pois elas ajudam a elevar o HDL (bom colesterol) no nosso sangue. E o que

o HDL faz? Ele é como um “exército” que coloca a gordura que ingerimos para

dentro das células; isso quer dizer que a gordura fica armazenada e somente

que coloca a gordura que ingerimos para dentro das células; isso quer dizer que a gordura

36

Alimentação da criança

será retirada quando precisarmos para energia. Logo, quanto mais gordura“boa” ingerimos, mais teremos armazenada, porém ela fica dentro das células.

As gorduras saturadas são oriundas das gorduras animais; elas têm um efeito negativo porque aumentam o LDL (mau colesterol) no nosso sangue. E o que ele faz? Ele retira toda a gordura armazenada dentro das células e joga no sangue, e isso em quantidades grandes poderá se acumular nas paredes dos vasos sanguí- neos e obstruí-los, levando o indivíduo à morte.

Gorduras trans são originárias do processo de industrialização, muito en- contradas em margarinas. As margarinas são gorduras vegetais, logo deveriam ser boas. Em alguns casos, o processo de industrialização, para deixá-las duras, transforma essa gordura na pior gordura que possamos ingerir, pois ela aumen- ta muito a quantidade de LDL no sangue.

Gorduras ômega são muito encontradas no salmão e adicionadas em alguns óleos vegetais. São boas porque quebram grandes moléculas de gordura ruim em pedaços menores (por isso é chamada ômega 3: quer dizer que ela quebra a molécula em três; se for ômega 6, em seis partes), fazendo com que moléculas grandes, com maior risco de obstruírem vasos sanguíneos, fiquem em tamanhos menores, diminuindo os riscos de obstrução dos vasos.

Colesterol é gordura de origem animal importante para nosso organismo, pois necessitamos dela para a produção de hormônios. Contudo, necessitamos de pouca quantidade e não em excesso.

Proteínas – são elas que constroem nosso corpo e nos dão sustentação, chamamos de “tijolos”. São fundamentais para o desenvolvimento da criança. Nossas células necessitam de proteínas para a construção de pelos, unhas, cabe- los e tecidos de todos os órgãos. Agem até na cicatrização dos ferimentos.

Corel Image Bank.
Corel Image Bank.
Comstock Complete.
Comstock Complete.
IESDE Brasil S. A.
IESDE Brasil S. A.

Proteínas de origem animal estão presentes nos ovos, lácteos em geral, carnes e peixes.

37

Complete. IESDE Brasil S. A. Proteínas de origem animal estão presentes nos ovos, lácteos em geral,

(Disponível em: <www.horti.com.br/home/dicas/saude/tabela_vitaminas.htm>.)

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Istock Photo.
Istock Photo.
IESDE Brasil S. A.
IESDE Brasil S. A.
Istock Photo.
Istock Photo.

Proteínas de origem vegetal podem ser encontradas em abundância nos frutos secos, na soja, nos legumes, nos cogumelos e nos cereais completos (com gérmen).

Vitaminas – antes eram chamadas de “vital amina ou amina vital”, depois passaram a chamar-se vitaminas. São reguladoras e controlam nosso organismo em vários processos.

 

Vitaminas: suas funções e fontes de origem

 

Vita-

Nome

Observações

 

Funções

Estados caren-

Fontes de origem

mina

químico

 

ciais

Animal

Vegetal

     

1.

Favorece o

     

crescimento

normal.

Geralmente,

2.

Protege a visão

1.

Distúrbios

em forma

e

participa da

oculares: xerof- talmia (secura da conjuntiva),

de precurso-

formação da púr- pura retiniana.

res: cenoura,

pimentão,

A

Retinol

(vitamina

antixerof-

tálmica).

Lipossolúvel

(em excesso

prejudica).

3.

epitélios.

Participa do

metabolismo

dos corticoides, colesterol e hor- mônios sexuais.

4.

Protege os

hemerolepia (ce- gueira noturna), querotomálacia

(ulceração da cór- nea), dificuldade de adaptação

visual e fotofobia.

2.

Distúrbios

Óleo de

fígado de

bacalhau,

fígado,

rins, leite,

manteiga,

queijo, nata,

alface,

agrião,

abóbora,

beterraba,

tomate,

espinafre,

couve, man-

ga, mamão,

5.

Aumenta a

cutâneos e das mucosas.

banana e

resistência às

gema.

vegetais

infecções – efeito indireto devido à proteção da pele

3.

Diminuição

de cores

da resistência às infecções.

vermelha,

laranja,

e

mucosas.

4.

Atraso no

amarela e

6.

Estimula a

crescimento.

verde-

formação da dentina e do esmalte.

-escuro.

           

Levedura,

arroz inte-

Hidrossolúvel (destrói-se com o calor. Tem suas necessida-

des aumenta- das quando se ingere álcool ou açúcar refinado).

1.

Favorece o

1. Beribéri.

gral, trigo

B1

Tiamina

(Vitamina

antiberi-

bérica).

crescimento e o

metabolismo dos

tecidos.

2.

apetite.

Aumenta o

2. Falta de apetite,

cansaço.

3.

atônica.

Constipação

Debilidade

Carnes,

aves, gema,

leite, fígado,

rins.

integral,

aveia, bata-

ta, ervilha,

legumino-

sas, maçã,

3.

Estabelece

4.

pêra, amei-

o

equilíbrio

muscular.

Irritabilidade.

xa, pêssego,

nervoso.

5.

banana, no-

 

zes, folhas

verdes.

muscular. Irritabilidade. xa, pêssego, nervoso. 5. banana, no-   zes, folhas verdes. 38

38

Alimentação da criança

 

Vitaminas: suas funções e fontes de origem

 

Vita-

Nome

Observações

 

Funções

Estados caren-

Fontes de origem

mina

químico

 

ciais

Animal

Vegetal

     

1. Protege a pele.

     

2. Protege os

1.

Queilose (fissu-

Levedu-

Ribo-

olhos.

ra nos lábios).

Carnes,

ra, trigo

3.

Dá vitalidade

2.

Estomatite e

aves,

integral,

B2

flavina

(vitamina

do cresci-

mento).

Hidrossolúvel

(destruída pela

luz).

às células ner- vosas.

4.

Favorece o

glossite

3.

tite).

Prurido (derma-

peixes, leite,

manteiga,

queijo,

soja, vagem,

legumino-

sas, ameixa,

crescimento e o metabolismo dos tecidos.

4.

Antibioticotera-

fígado, ovos.

pera, folhas

pia prolongada.

verdes.

     

1.

Atua na

1. Dermatite.

 

Levedu-

ra, trigo,

B5

Ácido pan-

síntese de várias substâncias de

2. Distúrbio

degenerativo do

Carnes,

gema, leite,

aveia, arroz

integral,

totênico.

sistema nervoso.

rins, fígado,

batata, ervi-

importância biológica.

2.

bolismo em geral.

Auxilia o meta-

3.

gastrintestinais.

Transtornos

geleia real.

lha, couve,

couve-flor,

tomate.

       

1.

Degeneração e

   

atrofia de vários

1.

Atua em certas

órgãos.

funções do siste-

ma nervoso.

Carnes,

fígado, rins,

Batata,

B6

Piridoxina.

Hidrossolúvel.

2.

Disfunção do

legumes,

 

sistema nervoso

melado, tri-

     

2.

Ativa o meta-

central.

ovos.

go integral.

bolismo proteico.

3.

Alterações

cutâneas.

 

Cianoco-

 

1.

Regula o ana-

 

Carnes,

 

B12

balamina

(vitamina

antianêmi-

bolismo proteico.

2.

Influi na hema-

Anemia perni-

ciosa.

fígado, rins,

bacalhau,

leite, queijo,

Levedura.

ca).

topoiese.

ovos.

           

Trigo inte-

gral, batata,

espinafre,

Ácido

fólico

Ácido

pteroil

glutâmico.

1.

para muitas

reações metabó-

licas.

Importante

Anemia nacrocí- tica da gravidez e da lactação.

Carnes,

peixes, ovos,

leite, queijo,

fígado, rins.

ervilha, fei-

jão, cenou-

ra, laranja,

levedura,

vegetais

folhosos.

     

1.

Favorece o

     

crescimento.

2.

Fortalece os

Pimentão

C

Ácido

ascórbico

(vitamina

antiescor-

Hidrossolúvel (destrói-se

com a fervura a armazenagem larga).

ossos.

3.

às gengivas.

4.

aos vasos.

5.

Dá vitalidade

Dá vitalidade

Aumenta

1. Escorbuto.

2. Gengivites.

3. Diátese he-

morrágica (vasos

frágeis).

4.

Diminuição

Fígado e

rins.

verde,

tomate,

espinafre,

ervilha, ce-

noura, bró-

colis, limão,

bútica).

a resistência

laranja, cajá,

 

orgânica.

6.

ção do ferro.

Reforça a atua-

da resistência às infecções.

5.

te, cansaço.

Perda do apeti-

goiaba,

mamão,

abacaxi.

7.

Efeito anties-

tresse.

39

5. te, cansaço. Perda do apeti- goiaba, mamão, abacaxi. 7. Efeito anties- tresse. 39

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

 

Vitaminas: suas funções e fontes de origem

 

Vita-

 

Nome

Observações

 

Funções

Estados caren-

Fontes de origem

mina

químico

 

ciais

Animal

Vegetal

     

1.

Influencia o

     

D

Calciferol

(vitamina

anti-raquí-

tica) D2

Ergocal-

Lipossolúvel (o organismo sintetiza esta vitamina devi-

do à presença

equilíbrio do

cálcio e fósforo.

2.

sorção intestinal

do cálcio.

Favorece a ab-

1. Raquitismo.

2. Osteomalácia.

Óleo de

fígado de

bacalhau,

peixes, ova,

fígado, leite,

Cacau.

ciferol D3

Calcife-

do ergosterol

na pele e é

3.

tenção de cálcio

Favorece a re-

manteiga,

queijos inte-

rol.

prejudicial em excesso).

e

ossos e dentes.

fósforo nos

grais, gema

de ovo.

           

Germes de

1.

Influencia a

cereais, óle-

função reprodu-

os vegetais,

tora.

Óleo de

sementes,

Tocoferol

2.

Favorece o

1. Esterelidade

fígado de

nozes,

E

(vitamina

metabolismo

carencial.

bacalhau,

castanha,

da fertili-

muscular.

2.

Distrofia mus-

fígado, ovos,

banana,

dade).

3.

Antioxidan-

cular.

manteiga,

repolho,

te, protege as

leite.

espinafre,

células de danos

folhas

e degeneração.

verde-

-escuras.

       

1.

Furunculose

   

H

Biotina.

1. Protege a pele.

2. Favorece o

metabolismo

carencial.

2.

couro cabeludo

(caspa).

Seborreia do

Leite, queijo,

carne, ovos,

fígado, rins.

Levedura,

arroz inte-

gral, ervilha,

banana, la-

ranja, maçã,

das proteínas e glicídios.

3.

Eczema caren-

cial.

nozes.

   

Lipossolúvel (o

       

organismo bem

nutrido que

Atua na coagu-

1.

lação do sangue (indispensável

ao fígado para

formação da

protrombina).

Protege os va-

2.

a

Repolho,

espinafre,

K

Naftoqui-

na.

recebe quotas

adequadas

de vegetais

sintetiza essa

vitamina nos

intestinos, em

Hemorragias

1.

espontâneas.

Fígado.

folhas

em geral,

vagem,

ervilha, ce-

noura, óleos

vegetais,

presença de

sos sanguíneos.

alfafa.

bile).

           

Levedura,

nozes, trigo,

aveia, arroz

integral, cen-

teio integral,

Ácido

amendoim,

PP

nicotínico

ou niacina

Nicoti-

namida

(Vitamina

Hidrossolúvel.

Indispensá-

1.

vel para que

a

alimentos seja

aproveitada.

energia dos

1. Pelagra.

2. Lesões na pele

e mucosas.

3. Parestesias.

4. Perda de

Carnes,

peixes,

leite, queijo,

fígado, rins,

ovos.

café, chá

mate, couve,

cenoura,

cebola,

espinafre,

antipela-

energia.

tomate,

grosa).

pimentão,

vagem, soja,

pêra, maçã,

ameixa, pês-

sego, limão,

leguminosas.

grosa). pimentão, vagem, soja, pêra, maçã, ameixa, pês- sego, limão, leguminosas. 40

40

Alimentação da criança

 

Vitaminas: suas funções e fontes de origem

 

Vita-

Nome

Observações

Funções

Estados caren-

Fontes de origem

mina

químico

ciais

Animal

Vegetal

     

1. Favorece a vitalidade dos vasos sanguíne- os e da pele.

   

Limão,

Quase identi-

espinafre,

P

Rutina ou

Citrina.

ficada com a Vitamina C.

páprica, fo-

lhas verdes

(algumas).

Sais minerais – os sais minerais existem em grande variedade, e cada um faz um trabalho diferente. Temos o cálcio, que mantém firme nossos ossos; o ferro, importante para a respiração celular (ele é um componente fundamental do sangue, pois faz a troca de gás carbônico pelo oxigênio); o cobre, que influi na formação dos tecidos da pele; o zinco, que ajuda o sistema imunológico; o fósfo- ro, importante para o funcionamento dos músculos; o sódio, que regula a quan- tidade de água no corpo; o potássio, que ajuda no metabolismo das proteínas e na contração dos músculos; o iodo, que regula o funcionamento da tireoide, uma glândula responsável pelo crescimento.

O sal que usamos para cozinhar chama-se cloreto de sódio. Ele é obtido pela evaporação da água do mar, em lugares chamados salinas. O cloreto de sódio pode ser retirado de minas, lugares que eram recobertos pelo mar há milhões de anos.

Fibras – as fibras alimentares não fornecem nutrientes para o organismo, en- tretanto elas são um elemento essencial na dieta.

As fibras são um paradoxo porque não alimentam, mas são essenciais à saúde. Elas previnem doenças graves e até podem ajudar no emagrecimento. Dietas com quantidades suficientes de fibras regularizam o funcionamento do intesti- no e evitam prisão de ventre. São encontradas nas verduras e cascas de frutas.

Todos esses nutrientes são encontrados nos alimentos que a natureza nos fornece. Qualquer tipo de alimentação pronta (sopinhas infantis, enlatados, macarrão semipronto), congelada (frutas, pedaços de frangos empanados, bo- linhos) ou em pó (sucos) não fornece as quantidades de nutrientes necessários para nosso corpo e não deve ser usada como substituta da alimentação natural.

Vamos

embalagens:

conhecer

e

decifrar

as

siglas

que

são

trazidas

nos

rótulos

das

41

substituta da alimentação natural. Vamos embalagens: conhecer e decifrar as siglas que são trazidas nos rótulos

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Valor calórico

kcal

Carboidratos

gramas (g) quantidade de calorias ou energia

Proteínas

gramas (g)

Gorduras totais

gramas (g) somatória de todas as gorduras

Gorduras saturadas

gramas (g)

Colesterol

miligramas (mg)

Fibra alimentar

gramas (g)

Cálcio

miligramas (mg)

Ferro

miligramas (mg)

Sódio

miligramas (mg)

Importante: faça da observação uma prática sempre que for comprar algum produto. Seguem algumas dicas:

não compre alimentos que contêm gorduras trans: margarinas, bolachas, salgadinhos etc.;

observe a quantidade de gorduras saturadas e de colesterol;

o termo light, segundo portaria 41/95 do Ministério da Saúde, refere- -se ao produto que apresenta uma redução de, no mínimo, 25% do valor ca- lórico total em relação ao alimento convencional, por exemplo: sucos ado- çados e sucos com pouco açúcar. Segundo a mesma portaria, o produto diet é o que deve atender a restrição de certos ingredientes, sendo o mais co- mum o açúcar, pois estes geralmente são produtos de uso para diabéticos;

observe as quantidades de minerais: ferro, cálcio, sódio, entre outros, pois são importantes para nosso organismo;

dê preferência para alimentos que contenham fibras;

quase todos os alimentos informam se há ou não glúten, pois existem pes- soas alérgicas a essa substância;

produtos que contêm sódio (bebidas líquidas) são importantes e podem ser bastante consumidos nos estados de desidratação e diarreia, como a água de coco.

Alimentação na escola

Nas escolas há várias situações que podem ou não contribuir na alimentação das crianças. Se as crianças levam lanches de casa para escola, as mães preci-

ou não contribuir na alimentação das crianças. Se as crianças levam lanches de casa para escola,

42

Alimentação da criança

sam inserir lanches mais saudáveis, sucos em vez de refrigerantes. As escolas que possuem cantinas devem oferecer alimentos mais saudáveis e não apenas salgadinhos, alimentos gordurosos e refrigerantes. Nas escolas que oferecem merenda, esta deve ser responsabilidade de nutricionistas e as cozinheiras (ou merendeiras) devem passar por cursos de aperfeiçoamento de preparo de refei- ções para melhor utilização dos nutrientes.

Vale ressaltar que o papel do professor(a) durante as refeições dos alunos tem importância fundamental no incentivo e no processo de aprendizado das crian- ças em relação a escolher e a gostar de uma alimentação variada e equilibrada.

Antes das refeições não é aconselhável que as crianças brinquem durante muito tempo nem fiquem cansadas, pois isso atrapalha sua alimentação.

Segundo a nutricionista Martha (2008), para obter uma lancheira saudável é necessário conhecer algumas dicas importantes:

Os alimentos, de modo geral, estão sujeitos a sofrer alterações, deteriorando-se, se não forem tomadas precauções visando a sua preservação. Por isso, as lancheiras e os recipientes utilizados para acondicionar os alimentos devem estar sempre limpos. Para isso, deve-se lavar em água corrente com detergente neutro usando escovas ou esponjas que devem ser separadas exclusivamente para essa finalidade. Enxaguar abundantemente em água corrente, até a retirada de todo o resíduo de detergente.

No caso das garrafas térmicas, recomenda-se na lavagem o uso de escovas próprias semelhantes às utilizadas na higienização de mamadeiras, para auxiliar na retirada completa dos resíduos.

Alimentos mais indicados para o lanche da escola são frutas, frutas secas, suco de frutas, barra de cereais, pães simples e integrais, bolos e biscoitos simples, água de coco, queijos e margarina [sem gordura trans].

Utilizar frutas inteiras e devidamente higienizadas, para evitar que a criança se suje muito e dependa de um adulto. Não cortar ou descascar a fruta para evitar o processo de oxidação e as perdas de nutrientes.

Vale ressaltar o bom senso nesse item: caso a criança seja muito pequena e não consiga comer sozinha a fruta inteira, a escola precisa orientar as professoras para acompanhar e estimular o consumo, e não para inibi-lo só porque é mais difícil e complicado do que um chocolate ou uma bolacha. Compre aqueles aparelhos simples e com preço acessível que são destinados para cortar a fruta (maçã, pêra, goiaba etc.) em gomos. Essa dica também vale para as crianças que estão na fase de trocar sua dentição e para as que usam aparelho ortodôntico.

Os sucos de fruta naturais acondicionados em embalagens longa vida são práticos, nutritivos e higiênicos. Os in natura (frescos, feitos em casa) podem ser utilizados se forem acondicionados em garrafas térmicas e por um curto período de tempo, para evitar perdas nutricionais importantes ou alteração de sabor.

43

térmicas e por um curto período de tempo, para evitar perdas nutricionais importantes ou alteração de

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Utilizar bolos e biscoitos simples. Os bolos recheados ou com cobertura têm maior risco de contaminação, principalmente em dias mais quentes. Os biscoitos recheados são menos saudáveis por conter, em geral, mais gordura. Devem-se evitar salgadinhos, refrigerantes, sucos artificiais e guloseimas (balas, pirulitos, chicletes etc.), por não apresentarem valor nutricional significativo, não serem saudáveis e, além disso, prejudicarem o apetite para o consumo dos alimentos realmente importantes.

Portaria Interministerial 1.010, de 8 de maio de 2006

Institui as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Es- colas de Educação Infantil, Fundamental e Nível Médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional.

[ ]

Art. 5.º Para alcançar uma alimentação saudável no ambiente escolar, de- vem-se implementar as seguintes ações:

I -

definir estratégias, em conjunto com a comunidade escolar para fa-

vorecer escolhas saudáveis;

sensibilizar e capacitar os profissionais envolvidos com alimentação na escola para produzir e oferecer alimentos mais saudáveis;

II

-

III -

desenvolver estratégias de informação às famílias, enfatizando sua

corresponsabilidade e a importância de sua participação neste processo;

IV - conhecer, fomentar e criar condições para a adequação dos locais de produção e fornecimento de refeições às boas práticas para serviços de alimentação, considerando a importância do uso da água potável para consumo;

restringir a oferta e a venda de alimentos com alto teor de gordura,

gordura saturada, gordura trans, açúcar livre e sal e desenvolver opções de alimentos e refeições saudáveis na escola;

V -

VI -

verduras;

aumentar a oferta e promover o consumo de frutas, legumes e

VII - estimular e auxiliar os serviços de alimentação da escola na divulga- ção de opções saudáveis e no desenvolvimento de estratégias que possibili- tem essas escolhas;

escola na divulga- ção de opções saudáveis e no desenvolvimento de estratégias que possibili- tem essas

44

Alimentação da criança

VIII - divulgar a experiência da alimentação saudável para outras escolas, trocando informações e vivências;

IX - desenvolver um programa contínuo de promoção de hábitos ali- mentares saudáveis, considerando o monitoramento do estado nutricional das crianças, com ênfase no desenvolvimento de ações de prevenção e con- trole dos distúrbios nutricionais e educação nutricional; e

incorporar o tema “alimentação saudável” no projeto político peda-

gógico da escola, perpassando todas as áreas de estudo e propiciando expe-

riências no cotidiano das atividades escolares.

X -

[

]

(Disponível em:<www.ftp://ftp.fnde.gov.br/web/resolucoes_2006/por1010_08052006.pdf>.)

Alergias alimentares

Outro fator importante para observar na alimentação da criança são as aler- gias por determinados alimentos ou por substâncias (naturais ou não) presentes em alimentos prontos; é o caso dos corantes artificiais contidos em alimentos (salsichas), sucos ou refrigerantes. Nem sempre a criança apresenta alergia no primeiro contato com o alimento ou a substância, às vezes pode ser até no ter- ceiro contato, por isso é importante estar atento aos sinais de alergia alimen- tar, tais como: pele irritada, problemas gastrintestinais e respiratórios, cefaleias, dores nas articulações, fadiga e mal-estar geral. Os alimentos mais comuns que causam alergia são: maçã, nozes, tomate, leite, ovos, espinafre, uva, banana, amendoim, cacau, frutos do mar, soja, frango, chocolate e especiarias.

Uma alergia pouco conhecida é a alergia ao glúten, substância que encon- tramos na maioria das farinhas. Ele causa uma alergia que não conseguimos observar, pois inicialmente acarreta irritação nas paredes do intestino. Suas ma- nifestações ocorrem no intestino delgado, onde são absorvidos os nutrientes. O glúten impede a absorção desses nutrientes, logo a criança pode iniciar um quadro de anemia ou desnutrição mesmo alimentando-se bem. Em um quadro mais severo, pode causar irritação no intestino, aparecendo sangue nas fezes, fato que pode ser confundido com verminoses.

Em qualquer situação, é importante recorrer à assistência médica, pois é sempre o médico que deve diagnosticar e tratar o problema.

45

é importante recorrer à assistência médica, pois é sempre o médico que deve diagnosticar e tratar

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Texto complementar

Estudo liga boa nutrição de bebês a salários mais altos na fase adulta

(BBC Brasil, 2008)

Um estudo realizado por cientistas norte-americanos liga a boa nutrição até os 3 anos de idade a uma renda mais alta na fase adulta.

A pesquisa, publicada na revista científica The Lancet, comparou a situa-

ção financeira e profissional de 1,5 mil pessoas entre 25 e 42 anos na Guate-

mala com dados colhidos quando estas eram bebês.

Esses dados vieram de uma pesquisa realizada durante 1969 e 1977, quando o Instituto de Nutrição da América Central e Panamá (Incap, na sigla em inglês) analisou o efeito do consumo de proteínas no desenvolvimento mental e físico de crianças de quatro vilas do país.

Nesse estudo, o Incap dividiu as cidades em dois grupos: um recebeu um suplemento nutritivo líquido e outro um placebo.

Os cientistas americanos da Universidade de Emory, em Atlanta, nos Esta- dos Unidos, obtiveram dados econômicos recentes de 60% das pessoas que participaram, quando criança, da pesquisa do Incap.

O estudo divulgado nesta sexta-feira indica que os homens que consumi-

ram o suplemento nutritivo até os 3 anos de idade tinham um salário 46% maior do que os que haviam consumido o placebo.

Os cientistas também observaram que os homens que haviam consu- mido o suplemento nutritivo entre 0 e 2 anos trabalhavam menos horas e tinham renda maior.

Para obter uma estatística mais precisa, os cientistas consideraram fato- res como a qualidade das escolas e a localização das cidades, que poderiam influenciar no resultado.

fato- res como a qualidade das escolas e a localização das cidades, que poderiam influenciar no

46

Alimentação da criança

Sexo

O aumento nos salários, no entanto, não foi observado nas mulheres que participaram da pesquisa.

Segundo John Hoddinott, que liderou o estudo, as razões para a diferen- ça de aumento salarial entre os sexos pode ser a natureza do trabalho das mulheres, que normalmente trabalhavam na colheita agrícola e em outras atividades de renda baixa.

De acordo com ele, a equipe pretende desenvolver mais pesquisas para esclarecer a diferença do resultado entre homens e mulheres.

Efeitos

Hoddinott ressalta que a principal influência da boa nutrição sobre os salários na fase adulta não estaria relacionada com um crescimento físico, mas com uma melhoria na atividade cerebral.

“A idade entre 0 e 3 anos é considerada como uma janela de ouro para os nutricionistas”, afirma Hoddinott. “Nas crianças novas, a subnutrição tem efeitos sérios, pois pode retardar o crescimento e afetar o desenvolvimento do cérebro”, esclarece.

Segundo ele, os cientistas suspeitam que a diferença na capacidade cog- nitiva das crianças bem nutridas foi crucial para os resultados da pesquisa.

Economia

Os pesquisadores sugerem que investimentos em nutrição na infância po- deriam se tornar fatores importantes no crescimento econômico de um país.

De acordo com Hoddinott, o estudo publicado nesta sexta-feira é o pri- meiro a estabelecer “uma relação direta entre a boa nutrição na infância e a produtividade econômica na vida adulta”, afirma.

“Os governos que estão interessados em reduzir a pobreza deveriam in- vestir mais em nutrição antes do período escolar”, aconselha o pesquisador.

47

em reduzir a pobreza deveriam in- vestir mais em nutrição antes do período escolar”, aconselha o

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Atividades

1. Para fazer esta atividade, pesquise no site do Fundo Nacional de Desen- volvimento da Educação (<www.fnde.gov.br/home/index.jsp?arquivo= alimentacao_escolar.html>.) no link Encontros Nacionais – oficinas de cardá- pios. Em seguida, monte um cardápio escolar para uma semana.

2. Faça uma pesquisa a respeito de como o professor pode acompanhar os alu- nos acometidos pelo diabetes e elabore um resumo.

Alimentação da criança

3. Organizar trios para selecionar embalagens de produtos alimentícios. Cada participante deve escolher um grupo diferente de alimentos. Por exemplo:

um escolhe três embalagens de salgadinhos, outro seleciona embalagens de bebidas e outro escolhe as de doces. Compare as tabelas nutricionais e descreva o que encontrou e se aquele alimento é considerado bom ou ruim para sua saúde

Dicas de estudo

SAÚDE com Prazer, Saúde e Alimentação: o melhor do Globo Repórter. Edito- ra Globo. DVD color.

Esse DVD é completíssimo: fala sobre alimentos, nutrição, projetos para me- renda escolar e obesidade infantil. Esses conhecimentos são relevantes para que os alunos avaliem como acontece a alimentação de algumas escolas de sua região e o que é possível fazer para melhorar essa prática, comparando com as ações que aparecem no filme.

49

de sua região e o que é possível fazer para melhorar essa prática, comparando com as

A influência da relação materno-infantil sobre a alimentação

O desenvolvimento físico se inicia a partir do cérebro, chamado neu-

rogênese e esse processo começa no 16.º dia após a fecundação. O cére- bro do feto cresce muito rápido, podendo ser formados cerca de 250 mil

neurônios (células nervosas) durante a gestação, chegando a aproximada- mente 100 bilhões de neurônios ao nascer. Muitos fatores podem alterar

o desenvolvimento do cérebro; as chamadas “lesões cerebrais” que após o nascimento do bebê serão percebidas no desenvolvimento dos primeiros anos de vida.

Os principais fatores bioetiológicos são: genéticos (malformações), ir- regularidades bioquímicas (processos orgânicos), incompatibilidade de Rh (tipo sanguíneo), lesões cerebrais (traumas ou associados às drogas), doenças infecciosas, anemias, má nutrição, entre outros.

As doenças infecciosas adquiridas durante a gestação trazem sérias complicações para o feto em desenvolvimento. São elas: rubéola, toxo- plasmose, citomegalovirose, sífilis, varicela, herpes, que podem levar a quadros de deficiência auditiva, retardo motor, doença cerebral degene- rativa e deficiência mental.

O uso de drogas também pode causar sérios problemas para a for-

mação do feto. O consumo de tabaco, por exemplo, está associado ao sofrimento fetal e ocasiona problemas como a redução de peso ao nascer e alterações neurocomportamentais do recém-nascido. Entre as gestantes consumidoras de álcool, também pode-se obser- var uma maior incidência de sofrimento e desnutrição fetal. O álcool tem um efeito teratogênico e mal formativo, durante a formação dos órgãos e desenvolvimento do sistema nervoso central.

Antidepressivos em gestantes podem acarretar o nascimento de bebês com peso abaixo da média considerada normal, podendo ser hiperativos

e irritados, apresentando também distúrbios alimentares e do sono, além

de choro excessivo. Atualmente, sabe-se que o feto percebe as emoções,

a angústia ou ansiedade muito intensa da mãe, que tem como consequ- ências problemas orgânicos e psíquicos.

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

Portanto, as etapas do desenvolvimento do bebê devem ser acompanhadas até seu nascimento, levando-se em consideração todos os fatores que possam ou não contribuir.

Relação materno-infantil e a nutrição

A alimentação é fundamental para a promoção da saúde, pois propiciará ao

organismo condições para seu completo desenvolvimento e amadurecimento. Uma boa alimentação requer cuidados e hábitos saudáveis por toda a vida.

Alguns estudos apontam que a relação materno-infantil tem grande influên- cia na vida da criança. Alimentar é muito mais que fornecer o alimento. Nesse ato existe uma relação de afetividade, cuidado, atenção e carinho. Os hábitos e as práticas alimentares são decorrentes de todo um aprendizado que a mãe passa para a criança. Papalia (2006, p. 129) diz: “como o ambiente pré-natal é o corpo da mãe, praticamente tudo que afeta o bem-estar dela, desde sua dieta a seu humor, pode alterar o ambiente da criança e afetar seu crescimento”.

A alimentação do ser humano inicia-se durante a vida intrauterina, assim o

feto capta da mãe os nutrientes essenciais para seu desenvolvimento biológico.

O período de gestação é o primeiro momento de relacionamento entre mãe

e filho, por isso a gestante precisa ter hábitos saudáveis para fornecer ao feto

todo o alimento necessário. Uma gestante infeliz, que utiliza drogas ou álcool, não se alimenta corretamente. Assim, uma gravidez indesejada comprometerá tanto o desenvolvimento físico/biológico da criança quanto seu desenvolvimen- to psicológico.

Logo após o nascimento vem o período de amamentação; o leite materno é quase sempre o melhor alimento para o recém-nascido, pois é mais bem digeri- do e é mais nutritivo, diz Papalia (2006, p. 165). Completa:

] [

posteriormente, entre as doenças prevenidas ou minimizadas pela amamentação estão a diarreia, as infecções respiratórias (como pneumonia e bronquite), otite média (infecção no

ouvido) e infecções bacterianas e do trato urinário. O leite materno também parece trazer benefícios para a acuidade visual, no desenvolvimento neurológico e no desenvolvimento cognitivo. A amamentação é desaconselhável se a mãe estiver infectada com o vírus da aids, pois pode ser transmitido pelo leite materno se, estiver com outras doenças infecciosas ou tomando remédios que não sejam seguros para o bebê.

as vantagens do leite materno para a saúde durante os dois primeiros anos de vida e até

O período da amamentação inicialmente pode ser crítico para a mãe, pois as

dificuldades de amamentar podem levar ao desmame precoce e consequente-

pode ser crítico para a mãe, pois as dificuldades de amamentar podem levar ao desmame precoce

52

A influência da relação materno-infantil sobre a alimentação

mente a dificuldades na relação entre mãe e filho. Alguns fatores como sentir dor, insegurança e o próprio choro da criança são obstáculos que fazem com que mães desistam de amamentar seus filhos. Ter o primeiro filho é difícil pela inex- periência da mãe, devido ao fato de o bebê não saber sugar o seio materno para obter seu alimento e de a mãe não saber amamentar. Em outros casos, o desma- me pode provir de sofrimentos psicológicos que a mãe pode passar, tais como depressão pós-parto, perdas familiares, separações ou divórcios, entre outros.

Crianças que foram amamentadas quando bebês reagem melhor em situa- ções de estresse, como o divórcio dos pais, de acordo com o Dr. Scott Montgo- mery (2008), líder do estudo do Instituto Karolinska, na Suécia, que afirma que a amamentação influencia positivamente a criança ao passar por estresse provo- cado por problemas matrimoniais de seus pais.

Montgomery disse que a ansiedade foi bem menor em crianças que foram amamentadas. Pesquisadores não sabem ao certo por que os bebês que são amamentados são menos ansiosos, mas eles sugerem que pode ser o contato físico entre a mãe e o bebê que determina essa redução da ansiedade. Papalia (2006) diz que a amamentação é um ato tanto emocional quanto físico. O con- tato caloroso com o corpo materno fortalece o vínculo emocional entre mãe e bebê, conferindo-lhes maior segurança.

Existe ainda a influência sociocultural que permeia e interfere fortemente o ato de amamentar. Muitas mulheres têm a crença de que seu leite é fraco ou até mesmo chegam a afirmar que não possuem leite suficiente para a amamenta- ção; outras têm a preocupação com o comprometimento estético, pois as ges- tantes podem sofrer deformações do corpo ao amamentar, e assim optam pelo desmame precoce.

Mas sabe-se que mesmo desnutridas as mães possuem capacidade de ama- mentar seus filhos; todas as mulheres possuem vários hormônios, sendo que um deles é dedicado exclusivamente para a produção de leite, a prolactina. A partir do momento da fecundação, esse hormônio passa a ser produzido em grande quantidade para o momento do nascimento e para a primeira amamentação.

Somente o diagnóstico de um médico pode comprovar que determinadas mulheres possuem insuficiência ou não produzem esse hormônio, impossibili- tando a amamentação, mas caso contrário toda mulher é capaz de amamentar. Só precisa querer e aprender.

A mãe é a primeira pessoa responsável pela alimentação do bebê, assim ela não pode descuidar da amamentação justamente no momento em que há uma

53

pela alimentação do bebê, assim ela não pode descuidar da amamentação justamente no momento em que

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

relação de troca de amor (troca de olhares, carícias) e de proteção (abraço, calor). Nesse momento de amamentação, a qualidade da relação entre mãe e filho in- fluencia o desenvolvimento da personalidade da criança e isso pode ou não gerar problemas futuros.

Levando em consideração que atualmente muitas mães trabalham e ficam impossibilitadas de amamentar o filho durante o dia, é necessário incentivar que ela o faça ao menos no período da noite para que a criança sinta o mínimo dessa relação e desse momento. Orientar as mães informando que a amamentação também pode reduzir o risco de câncer de mama, além de ser mais um fator de incentivo e aprendizado.

Leite e alimentos sólidos

Outro momento difícil para a mãe é o desmame, pois algumas acham que é uma separação definitiva entre ela e a criança, no entanto as mães devem conti- nuar a alimentar-se de forma saudável, já que elas têm a responsabilidade sobre a alimentação e os gostos que os filhos vão adquirir durante seu desenvolvimen- to. Assim, é preciso ficar atento para a escolha do tipo de alimento, a maneira de prepará-lo, o estabelecimento de horários para as refeições, os estímulos que serão dados às crianças e seu aprendizado.

No cuidado da saúde da criança a alimentação é um aspecto fundamental para a promoção de sua saúde [sic]. Porém, entendemos que a nutrição e as práticas alimentares são práticas sociais, não podendo ser abordadas por uma única perspectiva disciplinar, pois o significado do ato de nutrir, de comer, ultrapassa o mero ato biológico. Nessa perspectiva, compreendemos como práticas alimentares a seleção, o consumo, a produção da refeição, o modo de preparação, de distribuição, de ingestão, isto é, o que se planta, o que se compra, o que se come, como se come, onde se come, com quem se come, em que frequência, em que horário, em que combinação, tudo isso conjugado como parte integrante das práticas sociais. (ROTENBERG; VARGAS, 2008)

Mães que não trabalham e cuidam exclusivamente de seu filho devem pre- parar, oferecer e ensiná-lo sobre quais são os melhores alimentos e justificar a importância de comê-los. É preciso ter paciência, não ter pressa para alimentá- -lo e nem ficar ansiosa com a quantidade de comida que a criança quer. Esses fatores podem interferir diretamente na vida da criança; assim, uma criança que aprendeu a comer rapidamente poderá ter esse hábito por toda vida.

A escolha adequada dos alimentos que são oferecidos à criança é fundamen- tal desde o início da inserção de alimentos sólidos. Se a mãe oferece desde cedo frutas, legumes e verduras, a criança aprende a saborear esses alimentos, mas se

Se a mãe oferece desde cedo frutas, legumes e verduras, a criança aprende a saborear esses

54

A influência da relação materno-infantil sobre a alimentação

ela apenas oferece carboidratos e gorduras, a criança aprende a comer somente esses alimentos e não se interessará por outros.

A criança come o que é oferecido a ela. Nenhuma criança faz compras sozi- nha. Guloseimas poderão ser oferecidas com moderação e após a criança ter se alimentado de forma correta.

Outro fator é evitar que a criança seja alimentada assistindo à televisão, pois ela não saboreia o alimento, apenas mastiga e engole. Esse hábito faz com que ela não adquira prazer ao alimentar-se, e possa não perceber que nesse momen- to a mãe e a família estão destinando a ela atenção e aconchego.

As refeições em família devem ser praticadas mesmo que seja nos finais de semana. Esses hábitos são construídos por ações que a mãe planeja: uma ali- mentação diferenciada e gostosa no final de semana é aconchegante, além de ser um lazer longe dos fast foods existentes na vida urbana.

Atualmente, existe um grande índice mundial de obesidade e diabete infan- til; tal fato decorre da grande oferta de produtos prontos, como salgadinhos, doces, bebidas isotônicas, todas com altas porcentagens de calorias. Esse índice pode aumentar quando a criança não pratica atividades físicas. Muitas mães, pelo sentimento de culpa por ficar a maior parte do tempo trabalhando, e com isso passam longos períodos longe do(s) filho(s), acabam exagerando na compra de produtos que as crianças escolhem e, por terem disponibilidade econômica, fazem as vontades dos pequenos.

Um exemplo de uma situação muito corriqueira: atualmente, nas habitações

encontra-se uma geladeira farta de produtos industrializados, um armário cheio de doces, chocolates e salgadinhos, um freezer cheio de congelados, crianças em frente ao computador ou videogame durante longos períodos, comendo doces

e bebendo refrigerantes. O que podemos esperar do organismo dessa criança?

Como ela vai gastar todas as calorias que come durante todos os dias? E como seu corpo resiste a tantos processos de digestão diários?

Crianças obesas não são crianças saudáveis, elas podem apresentar proble- mas de desnutrição, pois a excessiva oferta de alguns nutrientes (carboidratos

e gorduras) não substitui a ingestão de outros nutrientes de maior importância para nosso organismo e que não estão sendo consumidos, como as vitaminas, as proteínas, entre outros.

Quando a criança é alimentada fora de casa, é necessário que a mãe fique atenta ao que está sendo oferecido ao seu filho, tanto na escola, na casa dos

55

de casa, é necessário que a mãe fique atenta ao que está sendo oferecido ao seu

Fundamentos Biológicos do Desenvolvimento Infantil

avós (onde geralmente são disponibilizadas muitas guloseimas) ou mesmo na própria casa, quando a alimentação é preparada por outras pessoas. Nas esco- las, as mães devem conhecer o modo como são preparados os alimentos, como são oferecidos aos alunos e se seu filho está se alimentando bem. É importan- te saber se a escola possui cantina e se a mesma oferece alimentos saudáveis, pois muitas cantinas vendem alimentos muito calóricos, frituras e até produtos com grande quantidade de corantes, tais como balas e chicletes que “pintam” a língua e, assim, têm melhor aceitabilidade das crianças.

É importante que os pais tenham o hábito de observar as embalagens, veri- ficando seus componentes nutritivos, o estado de conservação do alimento e o que contém esse produto. Não podemos nos deixar levar apenas pela praticida-

de e comprar produtos prontos industrializados (lasanhas, risotos, lanches, pizzas etc.) que podem facilitar a vida; é necessário pensar na saúde e, principalmente, orientar as crianças a adquirir bons hábitos alimentares. Caso contrário, hábitos alimentares deficientes podem ocasionar grande prejuízo para a vida da criança. Muitas vezes, a criança não percebe quando os alimentos estão deteriorados

e podem ingeri-los. Essa ingestão pode causar doenças como a salmonelose,

cujos principais sintomas são vômitos e diarreias. Assim, as mães precisam ficar atentas com conservação dos alimentos que servem de lanche para as crianças.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2008),

] [