Você está na página 1de 48

Folha 8

EDIÇÃO NACIONAL KZ 650.00 ANO22 | EDIÇÃO1328 | sábado 05 DE AGOSTO DE2017 DIRECTOR WILLIAM TONET

+1805 dias Discriminação


Judicial
Procurador mentiu...
mentiroso
O Procurador Geral Adjunto da República,
Adão Adriano, mentiu, no dia 06 de Novem-
bro de 2012, ao País sobre o advogado
Wiliam Tonet,caluniando,difamandoe co-
locando - o no desemprego sem provas.
Até hoje ninguém toma medidas. É a
WWW.JORNALF8.NET justiça ideológica, submissa e militarizada.

Fraude eleitoral
Impunidade
Revolta social

IMPLOSÃO À VISTA
“Angola é nossa”
Oposição come e cala Assim pensa João Lourenço
// AQUI ESCREVO EU!
2 OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

WILLIAM TONET
kuibao@hotmail.com
A vitória da fraude anunciada

O
CORRUPÇÃO, mantém-
país está -se amorfa, passiva, indife-
em ebulição rente e diz que vai a jogo
com o perío- mesmo assim.
do eleitoral. E tanto vai, que se tornou
Poderia (de- cúmplice do nepotismo,
veria, até) do peculato e da falência
ser uma fes- total, por roubo de capitais
ta, mas infelizmente, não de dois bancos comerciais
é. (CAP e BESA) e a falência
Está-se perante uma com- técnica de outros tantos
petição importante pois (BPC, BCI, BDA).
decidirá o futuro de mi- Os malandros estão to-
lhões e, futebolisticamen- dos, absolutamente todos,
te falando, onde uma das identificados, mas nada
equipas tem do seu lado a lhes acontece, uma vez
federação (CNE) o árbitro para o actual MPLA/Es-
(Tribunal Constitucional), tado parecer que: “ROU-
os fiscais de linha (Polícia BAR É UM DEVER RE-
e Forças Armadas), tendo VOLUCIONÁRIO”. Uma
por isso rejeitado, categó- convicção enraizada no
rica e arrogantemente, o controlo absoluto dos
vídeo árbitro (órgão elei- órgãos de comunicação
toral independente, apar- acção ou omissão. E todos o sabem. Tanto as- torais, com dinheiro dos social públicos, das teleco-
tidário e imparcial), como Ninguém pode, das equi- sim é que havendo flagran- “cofres públicos”, milhares municações, do sistema ju-
recomenda o art.º 107.º da pas concorrentes, dizer te violação do n.º 4 do art.º de carrinhas e jeeps novos, dicial e judiciário, do siste-
própria “constituição jes- não saber ao que vai. Sa- 180.º CRA (Constituição engalanados com a cara do ma financeiro e bancário,
siana”. bem, faz tempo, que o jogo da República de Angola), candidato João Lourenço. da partidarização efectiva
Mas, ainda assim, os de- será sempre desigual, sen- a oposição numa estranha É uma clara afronta à dos órgãos policiais, das
mais actores (oposição), do igual, apenas o choro e conivência, cala-se, aplau- maioria da população po- Forças Armadas e de defe-
excluídos da pré-época as lamentações finais. de a violação constitucio- bre que, nesta fase de crise, sa e segurança.
(registo eleitoral), da con- A oposição durante toda nal, do presidente e maio- chega a não ter dinheiro Com todas estas ferra-
tratação das empresas for- a fase preparatória quis ria dos juízes que validarão para comprar uma man- mentas e sem alterações
necedoras dos kits e siste- ser politicamente correcta as eleições gerais de 23 de dioca, mas também, líde- significativas e radicais, no
ma informático (INDRA e (ou cobarde?), com medo Agosto, terem o mandato res que se indignem e re- “modus operandi” da opo-
SINFIC), para a realização de ser acusada de incitar à expirado (2008 à 2017). voltem com estes abusos. sição a postura da comu-
do processo eleitoral acre- violência e à guerra, demi- Mero desconhecimento? Por outro lado, os crimes nicação social pública de
ditam, talvez ingenuamen- tiu-se inclusive de apoiar Tudo os incrimina, pois de corrupção sucedem- beneficiar, excessiva e ex-
te, que serão vencedores. manifestações da socieda- têm a obrigação de saber -se nos últimos tempos, clusivamente, em período
Sabe ou deveria saber, a de civil, enquanto o regime somar e conhecer a nor- os mais revoltantes foram eleitoral, o MPLA e o seu
oposição que na política, consolidava, consolida e ma, que diz: “os juízes do os 500 milhões de dólares candidato é escandaloso.
melhor, na alta política, branqueia a imagem, mes- Tribunal Constitucional desviados, por altos fun- É desta forma, infelizmen-
onde um dos contendores mo em fase da maior crise são designados para um cionários da Presidência te, que em muitos lugares,
(MPLA) está no poder há económica, fruto da mons- mandato de sete anos não da República, para o BES a provocação, a humilha-
42 anos, a análise ligeira truosa roubalheira insti- renovável e gozam ga- de Dubai, os 500 mil dó- ção faz germinar as se-
dos fenómenos e as omis- tucional, assente na lógica rantias de independência, lares do menino Danilo, mentes da guerra e, ao que
sões de casos, que atentam “eduardista” de “acumula- inamovibilidade, imparcia- 23 anos, desempregado, parece, se não emergir,
contra a Constituição e as ção primitiva de capital”, lidade e irresponsabilidade mas filho do Presidente da entre nós, uma voz auto-
leis, pagam-se muito caro. onde a maioria dos diri- dos juízes dos restantes República, na compra de rizada e precavida, um dia,
Demasiado caro. Muitas gentes rouba ou delapida tribunais”. um relógio, os 25 milhões por a fome estar a rastejar,
das vezes de tal maneiro o erário público, para enri- Aqui chegados, a pergunta de dirigentes da SONAN- já em muitas pontas das
caro que nem tempo se quecimento ilícito. impõe-se: não seria esta, GOL, a bordo dos aviões baionetas, ela pode defla-
tem para fazer contas… Diante de tantas evidên- causa bastante para a opo- da TAP e, finalmente, o grar.
E a factura, nem precisa cias, a oposição não mugiu sição unida se manifestar e vice -presidente da Repú- O exército dos famintos,
de incluir o NIF (número nem tuge e quando pre- condicionar a participação, blica, Manuel Vicente, ter dos pobres, desemprega-
de identificação fiscal), tendia arreganhar, face aos até se respeitar a Consti- sido constituído arguido dos e desmobilizados das
porquanto na ausência ilícitos, o regime coloca-a tuição jessiana? num processo, em Portu- guerras, não pára de cres-
de órgãos e instituições num parque de diversão, Assim, anestesiada que gal, acusado pelos crimes cer e, nas zonas urbanas, o
de Estado cidadãs, toda a com a Constituição, as está, o MPLA/Estado tem de corrupção activa e ostracismo a que estão vo-
máquina estando partido- leis e os tribunais, para se a certeza de nada lhe acon- branqueamento de capi- tados os quadros que não
cratamente rotulada, com divertirem, com a instau- tecer, marimbar-se para tais. bajulam, pode propiciar a
a cumplicidade das lide- ração de processos, que os doentes nos hospitais Com todo este arsenal, descrença no multiparti-
ranças políticas, tudo se resvalam para o ralo das públicos, carentes de pa- para paralisar o país, com darismo, na democracia,
processará visando legiti- casas de banho, porque os racetamol, anti-palúdicos, base na lei e exigir ou- nas eleições, por verem
mar a fraude, no dia elei- homens das togas pretas balões de soro, compres- tra postura do regime, a que nada vai mudar, senão
toral, porque a batota está são todos membros dos sas, álcool, mercurocromo, oposição não age, não ca- a vontade de nada mudar,
incubada nas entranhas do comités de especialidade mas comprar para os seus pitaliza, não sai à rua em ainda que as carripanas de
sistema. Do sistema e dos do partido no poder. militantes e cabos elei-
? manifestações, contra a todos actores vaticinem,
que dele fazem parte, por hoje, a vitória final.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 3

Ficha técnica O DIABO ESTEJA CONVOSCO


ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS!

A
Propriedade associação gerais de 23 de Agosto, a para nos prender e caixões
WT/Mundovídeo, Lda. cívica ango- Handeka pretende alargar para nos enterrar, pois
Reg. n.º 62/B/94 lana Hande- o número dos órgãos de estamos dispostos a dar
ka diz que comunicação social moni- nossas vidas em nome do
Director está a moni- torizados, nomeadamente Povo Angolano”, acres-
William Tonet
torizar o rádios, mas também centa o Movimento Rev-
Director -Adjunto
tempo de an- ao nível das principais olucionário Angolano
Orlando Castro tena dado pelos media às províncias do país. num apelo assinado por
candidaturas às eleições “Nas províncias, o dese- Arante Kivuvu, António
Chefe de Redacção gerais de 23 de Agosto, quilíbrio é muito maior”, Chinguari, Adão Bunga,
Pedro Teca denunciando o óbvio e enfatiza Luaty Beirão, que Graciano Brinco e Manuel
esperado favorecimento já fez saber que – como Nito Alves.
Editor Cultura do MPLA no arranque da muitos outros activistas Numa recente sondagem,
Nvunda Tonet campanha eleitoral. Se as- – não actualizou o registo a única até agora, para mui-
sim não fosse seria sinal eleitoral, pelo que não irá tos analistas suspeita, feita
Editor Política & On-Line
de que Angola era o que votar no simulacro de a propósito das eleições de
Orlando Castro
nunca foi nos seus 42 anos eleições de Agosto. 23 de Agosto pelo Instituto
Editor Regiões de independência: uma “E ainda se revoltam Jean Piaget de Benguela,
William Tonet democracia e um Estado comigo por dizer que não Instituto Sol Nascente do
de Direito. participo nesta encenação, Huambo, com apoio téc-
Segundo o activista Luaty Luaty Beirão que, diga-se,
Redacção sendo a parte quatro nico do Centro de Estudos
Beirão, daquela associação, comete o erro de pensar
Pedro Teca [eleições anteriores] de de Sondagens e Opinião
Nvunda Tonet, esse acompanhamento que Angola é diferente
um filme monótono e re- da Universidade Católica
Shenia Benjamim está a ser feito pelo pro- da Coreia do Norte ou da
petitivo”, questionou o ac- Portuguesa, para além da
Idalina Diavita jecto “Jiku”, com volun- Guiné Equatorial. Mas não
tivista. vitória de João Lourenço
Victória Balundo
tários em todo o país, e só é.
Entretanto, elementos decretada pelo regime, são
Hermenegildo Caculo
nos primeiros três dias de A Handeka foi lançada em
Argentina Almeida do Movimento Revolu- revelados outros dados cu-
campanha – que arrancou Abril passado, em Luanda,
cionário Angolano, que riosos.
a 23 de Julho – concluiu para combater a “cultura
Colaboradores integra outros elementos Os eleitores que têm en-
que em 268 minutos anali- do medo”, que os funda-
Arlindo Santana do grupo de 17 activistas sino secundário completo
sados, nomeadamente nos dores, como o ex-primei-
Sílvio Van-Dúnem condenados em Março de são aqueles que votam
dois canais de televisão do ro-ministro Marcolino
Gil Gonçalves 2016, como Manuel “Nito menos em João Lourenço
Kassinda Henda regime, “uns criminosos Moco, consideram inibir
Alves” e Arante Kivuvu, (31%), sendo que os que
Kuiba Afonso 236 são dedicados ou ao o exercício de cidadania e
lançaram um apelo públi- mais votam no candidato
Wango Tondela MPLA [partido no poder participação civil da maio-
co aos eleitores, para que do MPLA são os que não
Nelo de Carvalho
desde 1975] ou aos belos ria dos angolanos.
permaneçam, a 23 de Ago- concluíram sequer a es-
Luís Filipe
feitos e projectos do Gov- A associação, cujo nome
Domingos da Cruz sto, nas respectivas assem- cola primária. Aliás, João
erno de Angola”. significa “voz” na língua
Armando Chicoca bleias de votação, para as- Lourenço reúne 43% das
“É uma violação gritante nacional Nganguela, tem
sim “controlar o seu voto”. intenções de voto en-
da Lei Orgânica sobre as como subscritores nove
Fotografia “Isto é, o processo de con- tre aqueles que não têm
Eleições Gerais, nos seus cidadãos de variados estra-
Theo Kassule tagem e os resultados das qualquer escolaridade for-
artigos número 73, sobre o tos sociais, incluindo Luaty
Garcia Mayomona eleições. Que levem man- mal. Talvez assim se per-
direito de antena para fins Beirão – um dos 17 activis-
timentos para que se pos- ceba a razão pela qual o
Edição Gráfica eleitorais, e número 64, do tas condenados em 2016
sam alimentar e manter regime considera que ler
Narciso princípio da igualdade de pelo tribunal de Luanda a
junto das respectivas as- um livro é um crime con-
(Editor Gráfico)
tratamento. E a Comissão penas de prisão -, os quais
sembleias de voto”, lê-se tra a segurança do Estado.
Vladmir Francisco
Nacional Eleitoral (CNE) o pretendem promover a
no apelo público difun- Quanto mais iletrados
que faz? Impávida, assiste a defesa da democracia e
Administração & dido. melhor, resume o MPLA.
tudo isto e depois declara dos direitos humanos, bem
Finanças Acrescentam que elemen- Por outro lado, Abel Chi-
as eleições como isentas, como fomentar o exercício
Manuela Joaquim tos do Movimento Rev- vukuvuku tem os seus
livres e justas”, criticou dos direitos e liberdades
olucionário Angolano vão melhores resultados entre
Secretariado & Luaty Beirão. de reunião, expressão, de
permanecer, no dia 23 os universitários, 19% en-
Publicidade Importa dizer que a CNE imprensa, manifestação e
de Agosto, após as 18:00, tre os que frequentam o
Paula Padrão é uma sucursal “offshore” associação.
nas assembleias de voto, ensino superior e apenas
do MPLA, razão pela qual, A associação propõe-se
“dando início a uma vigília menos um ponto percen-
Redacção
como o próprio partido, contribuir para a formação
a favor da transparência tual de intenção de voto
Rua Cons. Júlio de Vilhena,
está acima de qualquer lei de opinião, educação
n.º 24 - 5.º andar, Apart. 19; eleitoral”. entre aqueles que já con-
e da própria Constituição. patriótica e cívica, bem
Tels: 222 391 943; “Uma acção colectiva que cluíram a licenciatura.
E assim sendo, limita-se a como estimular a partici-
222 394 077; 222 002 052; visará evitar que as urnas Angola vai realizar eleições
fazer o que as ordens do pação dos cidadãos na vida
Fax: 222 392 289; sejam novamente trans- gerais a 23 de Agosto deste
regime dizem para fazer. pública.
Luanda, Angola portadas e manuseadas ano, com seis formações
“E o cidadão cumpridor No âmbito do projecto
de forma fraudulenta, tal políticas concorrentes –
E-mails da lei deve engolir a seco “Jiku”, que consiste na
como foi em 2008 e 2012”, MPLA, UNITA, CASA-
folha@ebonet.net e ficar quieto, quanto os monitorização cívica do
escrevem. CE, PRS, FNLA e APN
engravatados fazem da sua processo eleitoral em An-
“Estamos cientes do que – contando com 9.317.294
Site
soberania um pedaço de gola, que apresenta seis lis-
será feito, pelo que o re- eleitores em condições de
www.jornalf8.net
papel higiénico”, lamentou tas candidatas às eleições
gime prepare as cadeias votar.
4
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

UNITA CORTA-LHE AS ASAS


E QUER QUE O GALO VOE?
O
porta-voz tratégia de Isaías Samaku- forma mais assertiva. a UNITA sucumbiu, na como, herdaram o partido.
da UNI- va (é tal e qual o que se Isaías Samakuva é com margem. Será que a UNITA não en-
TA, Alci- passou com Eduardo dos certeza o líder que muitos Muitos que, andam, ac- terrou, depois da morte de
des Sakala, Santos) serve para acordar militantes querem. Não é tualmente, ao redor de Sa- Savimbi, o espírito que deu
disse que a aqueles que sobrevivem de crer que seja, com esta makuva, na UNITA, e nis- corpo ao que se decidiu no
sondagem com mandioca ou, pelo postura, de tudo aceitar, to é igual ao MPLA, prefere Muangai em 13 de Março
que aponta contrário, apenas se desti- no politicamente correcto, ser assassinada pelo elogio de 1966? Foi do Muangai
para uma nam a untar o umbigo dos a alternativa, para apear do do que salva pela crítica. E que saíram pilares como a
descida nas intenções de que se banqueteiam com poder o MPLA, que Ango- quando assim é… não há luta pela liberdade e inde-
voto do seu partido para as lagostas, em Luanda. la e os angolanos carecem. memória que a salve, nem pendência total da Pátria;
eleições de 23 de Agosto Perante os sucessivos de- Longe disso. Ao contrá- mesmo a do Mais Velho. Democracia assegurada
“não merece credibilida- sastres eleitorais (e no pró- rio de Jonas Savimbi que, O sacrificado povo ango- pelo voto do povo através
de” e que foi organizada ximo – com ou sem son- mesmo errando muitas lano, mesmo sabendo que dos partidos; Soberania
para “diminuir o ímpeto dagens – será pior), Isaías vezes, agia, Samakuva não foi o MPLA que o pôs de expressa e impregnada na
vitorioso” que o “Galo Ne- Samakuva não pode conti- pode continuar a dar-se ao barriga vazia e que assim vontade do povo de ter
gro” tem mostrado nesta nuar a aceitar e a querer ir luxo de se limitar a reagir vai continuar, não viu, não amigos e aliados primando
campanha. de derrota em derrota até e a muito custo. Em vez vê e assim nunca verá na sempre os interesses dos
Como sempre tem aconte- à…. derrota final, conforme de entender a mensagem, UNITA a alternativa vá- angolanos.
cido, quem dá o corpo ao vaticina o seu adversário manda “abater” o mensa- lida que durante décadas Foi de lá que também saí-
manifesto sãos os cidadãos principal. O líder do Galo geiro. lhe foi prometida, entre ram teses sobre a defesa
mais ou menos anónimos, Negro não pode limitar- Ninguém melhor do que muitos outros, por Jonas da igualdade de todos os
mantendo-se os partidos -se a posições cosméticas Samakuva, como pre- Savimbi, António Dembo, angolanos na Pátria do seu
da oposição no recato dos para tudo ficar na mesma. sidente, para saber se a Paulo Lukamba Gato, Sa- nascimento; busca de solu-
seus gabinetes. Aliás é bem Não percebeu, afinal, que UNITA vai conseguir vi- muel Chiwale Jeremias Ka- ções económicas, prioriza-
provável que a UNITA o regime quer colocar a ver sem comer. UNITA no landula Chitunda, Adolosi ção do campo para bene-
odeie todos aqueles que, UNITA enquanto princi- sentido dos homens e mu- Paulo Mango Alicerces e ficiar a cidade; liberdade,
citando Jonas Savimbi, vão pal partido da Oposição lheres que tinham orgulho Elias Salupeto Pena. Terá democracia, justiça social,
lembrando que mais vale em cima de um tapete ro- no Galo Negro que trans- sido para isto que Jonas solidariedade e ética na
ser livre de barriga vazia lante que anda para trás. portavam no peito. Um dia Savimbi lutou e morreu?, condução da política. Al-
do que escravo com ela Por isso limita-se a andar. destes, talvez já no final de perguntam muitos angola- guém, na UNITA, se lem-
cheia. E, é claro, fica com a sensa- Agosto, o MPLA virá dizer, nos das gerações mais ve- bra hoje de quem disse:
Os angolanos continuam ção de estar a ganhar ter- com uma lágrima no canto lhas. Não. Não foi. E é pena ”Eu assumo esta responsa-
sem saber se qualquer re- reno mas, no final de con- do olho (sorridente) que que os seus ensinamentos, bilidade e quando chegar a
flexão que ultrapasse o cír- tas, está sempre no mesmo exactamente quando esta- tal como os seus muitos hora da morte, não sou eu
culo dos que assassinam sítio. Jonas Savimbi dir- va mesmo, mesmo quase, erros, de nada tenham ser- que vou dizer não sabia,
a UNITA elogiando a es- -lhe-ia, certamente, isto de a saber viver sem comer, vido aos que, sem saberem estou preparado”?
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 5

Por vezes era melhor estar calado


No dia 24 de Novembro de questão e a nossa posição no âmbito da reestrutura-
2016, Alcides Sakala disse é de encorajamento, por- ção da maior empresa pú-
que a manifestação agen- que é um direito que cabe blica de Angola e em causa
dada para dois dias depois, aos angolanos, consagrado estava (como continua a
e entretanto proibida com constitucionalmente. Mas estar) o facto de a empre-
base no artigo único da a UNITA não só apoia sária ter sido nomeada
“Constituição” da ditadura como também encoraja a Presidente do Conselho da
do MPLA (“quero, posso e sua organização, mas não Administração da Sonan-
mando”) em Luanda, con- vamos participar”, disse gol, pelo pai, Titular do Po-
tra a nomeação – pelo pai Alcides Sakala. Não foi o der Executivo e chefe de
– de Isabel dos Santos para mais acertado. Estado, José Eduardo dos
dirigir a Sonangol, era um Se não fosse de uma pes- Santos, violando de facto e
direito dos cidadãos con- soa racional a explicação de jure a Lei da Probidade
sagrado na Constituição, seria irracional e até daria Pública.
por isso o seu partido en- para rir. Foi um pouco ao Se a isso se juntar o facto
corajava e apoiava os seus estilo dos arautos do regi- de a empresária deter po-
organizadores. me, tipo Luvualu de Carva- sições relevantes noutras
Por outras palavras. Enco- lho, João Pinto ou Estêvão empresas que negoceiam
rajava e apoiava mas ficou Alberto. com a Sonangol, não res-
em casa. Fez mal, na altura. Isabel dos Santos foi no- tarão dúvidas quanto à (i)
Pois. “Nós analisamos esta meada em Junho de 2016, legalidade da nomeação.

Para que não restem dúvidas


Como reacção a essa ma- do grupo de cidadãos que Os ataques e a proibi- os angolanos contra os agradar a gregos e troia-
nifestação cívica, para fundamentou a reclama- ção raiaram a ameaça promotores da manifes- nos, passando com essa
além da satisfação que ção primeiro no art.º 73.º pública, desde logo por tação cívica e que agiram atitude cobarde um ates-
a UNITA (e também a da CRA (Constituição da colocarem ao seu servi- respaldados, também, no tado de menoridade aos
CASA-CE) deu ao regime, República de Angola), en- ço órgãos de imprensa art.º 47.º (Direito de reu- angolanos. Angolanos
personalidades do MPLA tendendo ser um dever do Estado (que na sua nião e de manifestação). que podem ter a barriga
e membros do Executi- patriótico lutar pela lega- génese deveriam ser pú- E a UNITA o que fez? vazia, mas que não dei-
vo, atacaram a iniciativa lidade. blicos, portanto, de todos Tentou, mais uma vez, xam de ter memória.
6
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

A Campanha de
Marketing do MPLA
J
oão Gonçalves sidera o espermatozoide
Lourenço foi vencedor, o que entrou no
escolhido por óvulo, como sendo porta-
Sua Excelência, dor duma mensagem de
José Eduardo Deus, a alma, que só os se-
dos Santos para res humanos têm.
ocupar o mais Quanto ao caso de João
alto cargo polí- Lourenço, certo é que, na
tico da Nação entre uma sua subida ao posto de
espetada de eruditos pre- candidato a presidente da
dadores, especializados República, ele se fez acom-
na “obtenção primitiva de panhar duma mensagem,
riqueza(s)”estou a referir- não de Deus, é verdade,
-me a um punhado de mas de Sua Excelência.
pessoas, nomeadamente, Qual mensagem? ... Uma
Manuel Vicente, Hélder mensagem que assenta
Júnior Vieira Dias Kopeli- como uma luva no teor
pa, Piedade Dias os Santos da doutrina teológica da
Nandó, Isabel dos Santos e Igreja Católica, e não só,
Filomeno dos Santos. Por segundo a qual a opacida-
outro lado, não ofende nem de dos mistérios religiosos
denigra ninguém dizer que permite transformar o que
na lista de candidatos à su- parece absurdo em dogma,
cessão de Sua Excelência, ou seja, em inamovível e
se contam por dezenas as indiscutível verdade reli-
personagens do topo de giosa.
gama da “intelligentzia” No que diz respeito a João
angolana, entre generais, Lourenço, a verdade de-
ministros e ex-ministros corrente é a política, cla-
de Estado, banqueiros, que ro está, ou seja, a palavra
tudo fizeram na vida para de Sua Excelência - e que
colher favores de Sua Ex- louvado seja ele -, enquan-
celência e esperar aceder to nos seus discursos de
ao mesmo fim, por via de campanha, o que ele tem
processos conduzidos no por missão é prometer ao
sentido quase exclusivo de povo o que sempre lhe foi
depravar o erário público recusado.
a coberto duma fidelidade Pouca sorte.
canina ao chefe supremo. O mal-estar que ele deve
Isto sem falar de milha- sentir, se o sentir dever-se-
res de cidadãos angolanos -á ao facto de a mensagem
que, pelo menos uma vez de que ele é portador não
na vida, sonharam ocupar cola à realidade angolana,
o posto de presidente das embora seja verdade que
República, ou que, por sa- ela se estenda, por ora, a
berem que é causa perdida todas as formações polí-
de avanço, no mínimo se ticas que concorrem às
esforçam para que o seu eleições Todas prometem
filho o venha a ser. que vão fazer e acontecer
No caso pendente, o ven- coisas e loisas e nenhuma
cedor desse tipo de corri- é capaz de explicar como
da foi João Lourenço. Mas, e de onde virá o dinheiro
por mais que pareça absur- para realizá-las. Entretan-
do, teve pouca sorte! to, a oposição, impotente,
Para começar, a sua chega- atónita e afónica, ouve sair
da ao topo do areópago do da boca do candidato esco-
poder, sem querer ofender, lhido por Sua Excelência,
assemelha-se à entrada de entre muitas promessas
um espermatozoide num inexequíveis, as mesmís-
óvulo, mais precisamente, simas propostas que eles
à entrada no óvulo duma fizeram anos a fio e sem-
mulher, se nos referirmos pre foram recusadas pelo
à doutrina cristã, que con- partido no poder.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 7

Sobre a campanha do MPLA


A chamada “Pré-campa-
nha eleitoral” do MPLA as-
sumida por João Louren-
ço pouco tem a ver com
política, é, pelo essencial,
de marketing. Para levar
a bom porto esse plano,
todos os meios do Estado
foram postos à sua dispo-
sição. Todos! Aqui adian-
te apresentamos uma lista
não exaustiva dos favores
exorbitantes fruídos pelo
MPLA:
1) «A (sua) pré-campa-
nha gasta mais de USD
2 milhões por província,
70% por cento para os
órgãos do Estado e em-
presariado nacional, 30%
para o partido». Isto só
atingiu uns mais de 36
milhões de dólares gastos
antes de começar a cam-
panha oficial, no passado
dia 30 de Junho!

2) João Lourenço tem di- por toda a parte em que es- rios ao longo dos últimos apresenta-se o produto esquecimento. Falar dos
reito a 24 horas de tempo teve presente e oficiou, um 15 anos que se seguiram ao ao povo, mostrando uni- casos Kalupeteka, dos Re-
de antena na TPA, T bo- florilégio de realizações calar das armas em 2002. camente o seu lado posi- vús 15+duas, dos ataques à
dos os dias; feitas desde 2002. Vai de si que, nem com tivo, porque a principal mão desarmada no BESA
Todas essas obras, apre- reticências e pontos de in- preocupação é dar uma e no BPC (mais de 10 BI-
3) Uso e abuso dos meios sentadas como vitórias de terrogação, o candidato do prova da excelência da LIÕES de dólares rouba-
de transportes do Estado sua Excelência e do MPLA, MPLA aludiu às estradas governação. Porém, tam- dos ao erário público e
nas suas deslocações e na umas aparatosas, outras esburacadas até aos seus bém é verdade que os transformados em kilapes
transportação das popu- insignificantes, foram fundamentos, aos hospi- actuais dirigentes, com mal-parados) denunciar
lações levadas de longas alvo, na sua esmagadora tais a ameaçar ruir meses João Lourenço agora à ca- os assassinatos das Briga-
distâncias e forçadas a maioria, da rapacidade de depois de terem sido cons- beça,, reconheceram que das da Morte, da Secreta e
assistirem aos seus actos; agentes do partido e “ami- truídos e sem médicos, foram cometidos erros, do SIC, disso, não se fala,
Utilização dos aposentos gos”, que “chuparam” em sem enfermeiros e sem mas sem os definir nem é quase tabu, desde o mo-
ou hospedagens e serviços alegre e total impunidade, material gastável, às esco- classificar, deixando pas- mento em que, sem que
protocolares do Estado; comissões de vinte, trinta las e universidades sem sar a mensagem de que se saiba bem por quem,
por cento, por vezes muito professores competentes, esforços estão a ser envi- se lançou para o ar que as
4) Indefinição durante mais em termos percen- aos grandiosos falhanços dados para “corrigir o que eleições são festa e que o
cerca de oito meses e ago- tuais, sobre o preço pago no que toca à distribuição está mal”…O problema, civismo implica a prática
ra, começada a campanha pelo Estado, comissões es- de electricidade e água e todavia, é que quase tudo do fair-play, não se deve
eleitoral, dispensa outor- sas que estão na origem do ao saneamento básico. está mal e o pior é que, o denegrir nem acusar vio-
gada por despacho de Sua aparecimento em Angola Marketing obriga! Inau- que de pior acontece em lentamente os adversá-
Excelência de todas as de milhares de milionários gura-se o produto (algu- Angola é simplesmente rios políticos.
suas funções como Go- e de meia dúzia de bilioná- mas vezes inacabado) e relegado para o reino do É demais, mesmo que não
vernante, na qualidade de
haja mais de 20% de an-
Ministro da Defesa.
golanos que respeitem e
Assim apoiado pelo
aprovem o que o MPLA
MPLA/Estado, João Lou-
fez durante estes 5 anos
renço, carinhosamente
de consulado, esse partido
apelidado JLo pelos seus
talvez ainda possa ganhar
apaniguados, mostrou-se
desta vez as eleições, pela
digno da missão que lhe
tangente, Mas cuidado, se
foi confiada, percorreu o
as promessas feitas pelo
país todo durante 8 me-
delfim de Sua Excelên-
ses, desde Dezembro do
cia não forem cumpridas,
ano passado até véspe-
como na maioria dos ca-
ras da campanha oficial,
sos são inexequíveis, de
presidiu e apresentou o
certeza quase absoluta
programa de governação
será posto um fim à hege-
do MPLA em todas as ca-
monia do MPLA. Prova-
pitais de província e em
velmente antes das próxi-
locais estratégicos, como
mas eleições de 2022
o Cacuaco, por exemplo,
Nota: voltaremos numa
e acrescentou à propagan-
próxima edição com a
da eleitoral do seu partido,
CNE a entrar em cena.
8
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

MPLA: PRIVATIZAR ESTÁ NA MODA

E
m período idencial, aquela unidade de telecomunicações” às onde se encontra insta- órbita “na melhor das
eleitoral de negócios passa a ser populações em zonas do lada a Estação Terrestre hipóteses” durante 18 anos.
o regime sociedade anónima Infra- território nacional “ainda de Talatona, arredores de “Não só vai prestar
(MPLA) sat – Telecomunicações, não cobertas pelos opera- Luanda, bem como na Es- serviços à população,
t e n t a com 40% do capital social dores de comunicações tação Terrestre da Funda, como a toda a região, vai
mostrar a ficar nas mãos da An- electrónicas”, lê-se no doc- na mesma província, de também provocar uma
que sabe gola Telecom e o restante umento. comunicações via satélite. revolução no mundo aca-
o que distribuído pelos privados A opção é justificada, ainda O lançamento do Ango- démico angolano, com a
é um Estado de Direito. da GAFP – Investimentos no despacho assinado por Sat-1, em construção na transferência de conheci-
Avança, por isso, com op- e Participações SA (30%), José Eduardo dos Santos, Rússia desde 2013 após mento”, explicou anteri-
ções estratégicas válidas Lello SA (20%) e Macgra – de 20 de Julho, com a ne- uma década de nego- ormente o ministro das
(se fossem para cumprir), Importação e Exportação cessidade de “assegurar a ciações, está previsto para Telecomunicações e Tec-
muitas das quais já deve- SA (5%). participação do capital pri- o terceiro trimestre deste nologias de Informação,
riam ter sido tomadas há “Deve ser avaliada e pon- vado numa parceria públi- ano, de acordo com o José Carvalho da Rocha.
anos. Com perspicácia derada a possibilidade co-privada, fundamental último anúncio feito pelo O governante afirmou que
consegue, ao mesmo tem- de alienação da parte das para promover maior ministro das Telecomuni- a crise no país não vai con-
po, armadilhar o Estado acções da Infrasat – Tel- rentabilização dos activos cações e Tecnologias de dicionar o lançamento do
para a eventualidade de ecomunicações SA na Bol- da empresa a constituir”, Informação de Angola. primeiro satélite angolano,
perder as eleições. sa de Valores de Angola, tendo como objectivo “o A construção do satélite, avaliado em 2013 em 37 mil
Mesmo em período que no quadro da integração seu desenvolvimento e que vai reforçar as comu- milhões de kwanzas (cerca
deveria ser apenas de do investimento privado, crescimento num quadro nicações nacionais e in- de 200 milhões de euros, à
gestão corrente, o Gover- priorizando-se o acesso de partilha de riscos e ben- ternacionais, está a cargo taxa de câmbio actual).
no age (e terá com certeza dos trabalhadores a 5% efícios”. de um consórcio russo e “O satélite vai cobrir todo
razões para isso) como se das acções da sociedade”, A decisão implica a de- arrancou a 19 de Novem- o continente africano e
fosse continuar no Poder refere ainda o documento. sanexação do património bro de 2013, cerca de 12 uma parte da Europa. Nós
por mais umas dezenas de Esta alteração leva em afecto à Angola Telecom, anos depois de iniciado o vamos ter capacidade para
anos. conta o lançamento em para as telecomunicações processo. Essa construção servir as nossas necessi-
Assim, o Estado vai pri- órbita, este ano, e cor- via satélite, bem como deveria prolongar-se por dades e prestar serviços
vatizar a maioria do capi- respondente entrada em a passagem dos respec- 36 meses, calendário que a outros países da região
tal social da estatal Infra- serviço, do AngoSat-1, o tivos trabalhadores para o Governo angolano gar- de cobertura do AngoSat.
sat, unidade de negócios primeiro satélite angolano. os quadros de pessoal da antiu anteriormente estar Temos que procurar aque-
da Angola Telecom para O que “requer a operacion- empresa Infrasat – Teleco- a ser cumprido integral- les projectos que possam
telecomunicações via alização e comercialização municações SA. mente. trazer divisas para o nosso
satélite e que vai gerir o dos seus recursos em Entre outro património, a O AngoSat-1 vai disponibi- país”, explicou o ministro.
primeiro satélite angolano, meios de comunicações”, Angola Telecom transfere lizar serviços de telecomu- O principal centro de con-
reservando ainda 5% para que permitirá uma “mel- para a nova empresa públi- nicações, televisão, inter- trolo do primeiro satélite
os trabalhadores. horia substancial na oferta co-privada os terrenos, net e governo electrónico, angolano estará localizado
Segundo autorização pres- diversificada dos serviços edifícios e equipamentos devendo permanecer em em Korolev, na Rússia.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 9

Sim, não, talvez. Quem sabe…


A este propósito recor- ríodo de vida de 15 anos
demos na íntegra o que o e 22 ‘transponders’, dis-
Folha 8 escreveu em 4 de positivos de comunicação
Novembro de…2014: electrónica. Incluirá a
“O primeiro satélite an- construção de duas es-
golano, construído por tações de rastreio, em An-
um consórcio russo, sob gola e na Rússia.
a égide do Presidente José Para o responsável pela
Eduardo dos Santos, que pasta das telecomuni-
também nesta matéria vai cações no Governo, Aris-
ficar nos anais de activi- tides Safeca, o Angosat
dade espacial do país e do marca a entrada do país
mundo, será colocado em “numa nova era das tel-
órbita em Novembro de ecomunicações, o que
2016, segundo as novas e pressupõe a condução
sempre proteladas garan- de um programa espacial
tias dadas pelo Secretário que inclua, futuramente,
do Estado das Telecomu- o lançamento de satélites
nicações, Aristides Safeca. subsequentes”.
O governante precisou Recorde-se que foi no
que a construção do sa- Conselho de Ministros de
télite deverá estar concluí- 25 de Junho de 2008 que
da em dois anos, decor- foi aprovado o projecto
rendo “dentro dos prazos de criação do satélite “An-
estabelecidos”, para depois gosat”.
ser lançado no espaço. De Em comunicado, o Con- ra-se que no mesmo Con- de um consórcio russo população afectada pela
acto, e é de enaltecer tal selho de Ministros refe- selho de Ministros foi feito liderado pela RSC, mul- pobreza, ou uma taxa de
precisão. Não faria sen- riu nesse dia que foram um reajustamento nos tinacional apresentada mortalidade infantil que
tido lançar o satélite an- aprovadas as minutas do salários da função públi- como tendo “larga ex- é a terceira mais alta do
tes de ele estar concluído. contrato a celebrar entre ca, sendo que – segundo periência na produção de mundo, com 250 mortes
Mas, reconheça-se, com o o Ministério dos Correios o Governo – a alteração satélites e foguetões pro- por cada 1.000 crianças.
regime actual tudo é pos- e Telecomunicações de estava em consonância pulsores em programas Será também graças ao sa-
sível. A construção do Angola e o consórcio rus- com o Programa Geral do internacionais como o télite que não mais se dirá
satélite, avaliada em 37 mil so liderado pela empresa Governo que previa como Soyuz-Apollo”. que apenas um quarto da
milhões de kwanzas (294 “Robonex-sport”, tendo medida de política salarial “Este Satélite é o primeiro população tem acesso a
milhões de euros), decorre em vista a construção, o reajustamento dos ven- e marca a entrada de An- serviços de saúde, que, na
em Angola, a cargo de um colocação em órbita e op- cimentos dos funcionários gola numa nova era das maior parte dos casos, são
consórcio russo liderado eração do satélite ango- públicos, tendo em vista telecomunicações, o que de fraca qualidade, ou que
pela RSC envolvendo tam- lano. a reposição do poder de pressupõe a condução 12% dos hospitais, 11% dos
bém um financiamento O projecto permitirá, já compra dos salários devi- de um programa espacial centros de saúde e 85%
russo, conforme anuncia- se dizia na altura, a dis- do à inflação esperada de que inclua, futuramente, dos postos de saúde ex-
do em 2013. O atraso no ponibilização de serviços 10 por cento. o lançamento de satélites istentes no país apresen-
financiamento do projecto e o acesso internacional, Em Dezembro de 2012, subsequentes,” referiu tam problemas ao nível
tem vindo a fazer derrapar de suporte e expansão da Aristides Safeca anunciara em 2012 Aristides Safeca, das instalações, da falta de
o lançamento do Ango- Internet de banda larga, o lançamento para 2015, coordenador do projecto. pessoal e de carência de
sat, que já esteve previsto de transmissão para os dizendo que o projecto Exactamente o mesmo medicamentos.
para 2015, depois para 2017 operadores de teleco- seria financiado por um discurso que agora repete. Do mesmo modo, com o
e regressa agora a 2016. municações e também a sindicato de bancos rus- “O projecto do Angosat Angosat não mais se afir-
Mas, por determinação do disponibilização para su- sos liderado pelo Rusex- vai bem. Está dentro dos mará que a taxa de analfa-
Presidente da República, portar serviços de rede imbank e VTB. prazos estabelecidos e betos é bastante elevada,
agora o satélite vai mesmo de televisão e de radiodi- Na altura foi dito que a em Setembro de 2016 ter- especialmente entre as
levantar voo. O executivo fusão. construção estava a cargo emos o satélite pronto e mulheres, uma situação
prevê, com a entrada em Por mera curiosidade refi- princípios de 2017, o mais agravada pelo grande
funcionamento deste sa- tardar no primeiro tri- número de crianças e
télite, que o país possa for- mestre, teremos o satélite jovens que todos os anos
necer serviços de suporte no ar”, afirmou recente- ficam fora do sistema de
às telecomunicações elec- mente Aristides Safeca, ensino. Ou que 45% das
trónicas, incluindo a pre- referindo que o Executivo crianças sofrerem de má
stação de banda larga e de está, no domínio dos tel- nutrição crónica, sendo
televisão. ecomunicações, a efec- que uma em cada quatro
Ao contrário do que pen- tuar a procura e buscas de (25%) morre antes de atin-
savam os angolanos, não soluções adequadas para gir os cinco anos.
vai trazer comida, nem as telecomunicações, não Também se acabará com
medicamentos, nem ca- só no meio urbano, mas essa realidade de 80% do
sas, nem escolas, nem também no meio rural. Produto Interno Bruto ser
respeito pelos direitos Agora corrigiu a pontaria, produzido por estrangei-
humanos. Importa, con- habitualmente desfasada ros; de mais de 90% da
tudo, compreender que da realidade, e avança riqueza nacional privada
há prioridades bem mais com Novembro de 2016. ser subtraída do erário
relevantes. E o satélite é Ao que tudo indica, com público e estar concen-
uma delas. o Angosat, o nosso país trada em menos de 0,5%
O Angosat terá um pe- deixará de ter 68% da da população.”
10
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

SE NÃO FOSSEM OS PREJUÍZOS


A TAAG TERIA TIDO… LUCROS!!

A
transpor- “Este nível de desempenho provisão total foi feita nas
tadora é muito melhor se tiver- demonstrações financei-
aérea an- mos que comparar com ras”, sublinha a TAAG, que
golana, prejuízos históricos su- pelo menos até às eleições
TAAG, periores a 150 milhões de gerais de 23 de Agosto vai
anunciou dólares [126,6 milhões de ser administrada por uma
hoje que euros] em alguns anos”, re- comissão de gestão, lide-
registou prejuízos de 12 fere a companhia, que até rada por Joaquim Teixeira
milhões de dólares (10,1 10 de Julho foi gerida (des- da Cunha, face à “abrupta”
milhões de euros) no pri- de finais de 2015, por con- saída da Emirates.
meiro semestre, mais do trato de concessão), pelos A companhia, detida pelo
dobro do saldo negativo árabes da Emirates, tendo Estado/regime angolano,
do ano passado, o que atri- o britânico Peter Hill como refere que entre Janeiro e
bui a dívidas de 2010. Mas, presidente do Conselho de Junho viu as receitas cres-
é claro, está tudo sob con- Administração. cerem 16%, face a igual pe-
trolo do regime. A companhia explica o ríodo de 2016, em termos
Em comunicado, a compa- agravamento nas contas de passageiros, enquanto
nhia estatal refere que os com a realização de uma no transporte de carga os
resultados financeiros não provisão total de 21 mi- lucros da TAAG subiram
auditados dos primeiros lhões de euros nos primei- 78%.
seis meses deste ano regis- ros seis meses, relativa a “Combinado com o pro-
tam, ainda assim, “algumas “passivos fiscais não pagos gresso contínuo no con-
melhorias”, apesar do pre- em escalas, no exterior, re- trolo de despesas gerais
juízo do semestre compa- ferente ao ano de 2010”. e outros custos, os re-
rar com os cinco milhões “Mesmo tendo a adminis- sultados das operações
de dólares (4,2 milhões de tração conseguido nego- foi muito melhor do que
euros) de todo o ano de ciar com sucesso um pla- o orçamentado para o
2016. no de liquidação diferida, a mesmo período”, afirma
DESTAQUE \\
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017 11

a transportadora aérea dos últimos dois anos que


que, no entanto, admite continuam e tornaram “ex-
os impactos da “redução tremamente difícil o nosso
na atribuição do subsídio negócio”. “Continuamos
de combustível pelo Go- concentrados na redu-
verno”, pago “devido aos ção de custos, ao mesmo
preços muito elevados de tempo que aumentamos
combustível em Angola”. os salários dos nossos tra-
“Se não fosse a redução no balhadores, e fomos bem-
subsídio de combustível e -sucedidos em ganhar de
a provisão para o passivo forma estável quota de
fiscal, a companhia teria mercado, mesmo sendo
sido lucrativa. O prejuízo é cada vez mais competi-
ainda agravado pelo facto tivos nos nossos preços.
de a TAAG ter de abas- Apesar destes desafios,
tecer as suas aeronaves com as épocas de pico de
com o máximo combustí- Agosto e Dezembro incluí-
vel permitido em Luanda, das no segundo semestre,
onde ele é mais caro, na faremos o nosso melhor
impossibilidade de o po- para apresentar um bom
der fazer nas escalas do resultado financeiro para
exterior, onde o combustí- o ano [de 2017]”, afirma.
vel é mais barato, devido à A companhia de bandeira
escassez de divisas”, reco- angolana prevê expandir a
nhece a companhia. programação entre 2017 e
Citado no documento, Vi- 2018, passando a voar duas
pula Gunatilleka, respon- vezes por dia de Luanda
sável pela área financeira para Lisboa, mantendo
da TAAG na comissão de três ligações semanais
gestão nomeada em Julho para o Porto (Portugal),
pelo Presidente angolano, face à disponibilização de
José Eduardo dos Santos, novos direitos de tráfego.
reconheceu a “escassez Além disso, os voos de
de moeda estrangeira para Luanda para a cidade do
pagar os fornecedores no Cabo (África do Sul) au-
exterior” e “a incerteza mentarão de três por se-
do mercado como resul- mana para voos diários no
tado da crise económica final do mês de Outubro,
de Angola” como desafios informou a TAAG.
12
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

DITADOR E SUCESSOR UNIDOS


NESTE REINO DE ESCRAVATURA
O Presidente
de Angola, José
Eduardo dos Santos,
vai manter o poder
e a imunidade bem
para lá das eleições,
por ter colocado
os seus caninos
apoiantes em locais
estratégicos, como
tribunais e forças
de segurança.
Quem diz? Nós aqui
no Folha 8 temo-
lo dito inúmeras
vezes. Mas desta
vez a afirmação
é da agência
de informação
financeira
Bloomberg


José Eduardo dos nais, casos da CPLP e da te a guerra civil e deixou nanceira, exemplificando ou disciplinarmente gra-
Santos deve man- própria ONU, que conti- Angola no topo dos maio- com a fortuna de 2,3 mil ve”.
ter o controlo nos nuam a manter José Eduar- res produtores de petróleo milhões de dólares atri- Assim, a maior ameaça à
bastidores quan- do dos Santos no “ranking” em África, mas também buída a Isabel dos Santos, manutenção do poder de
do deixar de ser Presiden- dos ditadores bons, indife- nos índices que denun- filha do Presidente (que José Eduardo dos Santos
te de Angola, este mês, rentes ao facto de Angola ciam a corrupção e o ne- a escolheu para liderar a não vem dos inimigos po-
depois de quase quatro dé- ser um dos países mais potismo. maior empesa do regime líticos, nem da oposição,
cadas no poder”, escreve a corruptos do mundo, li- “A família do Presidente – a Sonangol) e a mulher mas sim da sua saúde, con-
agência de informação fi- derar o índice mundial da e os seus aliados acumu- mais rica de África, segun- sidera a Bloomberg, lem-
nanceira Bloomberg, num mortalidade infantil e ter laram fortunas impressio- do o Índice de Bilionários brando as “visitas de ca-
artigo dedicado à maneira 20 milhões de pobres. nantes enquanto mais de da Bloomberg. rácter privado a Espanha”
como o chefe de Estado No artigo, a Bloomberg metade da população de Apesar das críticas aos para receber tratamento
angolano (nunca nominal- escreve que José Eduardo 27 milhões continua a ago- negócios feitos pelo Pre- médico.
mente eleito) está a gerir a dos Santos, agora com 74 nizar na pobreza”, diz esta sidente e pela sua família, Em caso de morte ou im-
saída da Presidência, cargo anos, liderou o país duran- agência de informação fi- “dos Santos não deverá possibilidade de cumprir
que ocupa desde 1979. ser ‘chamado à pedra’ por o mandato até ao fim, o
“Dos Santos não tem qual- qualquer irregularidade”, vice-presidente e candida-
quer intenção de largar o já que no final de Junho o to presidencial do MPLA,
poder”, disse o analista da Parlamento garantiu-lhe João Lourenço, avança
NKC African Economics um lugar no Conselho da automaticamente para o
Gary van Staden, na Ci- República, um órgão de topo da hierarquia, mas até
dade do Cabo, à Bloom- aconselhamento do Pre- lá está vinculado ao Presi-
berg, acrescentando que o sidente cujos membros dente.
objectivo é “manter bem gozam de imunidade ju- “João Lourenço não tem
colocadas as alavancas dicial. capital político e vai ter di-
que garantem o poder, Já no final deste mês, o ficuldades em estabelecer
assegurando-se que os Parlamento aprovou uma a sua autoridade porque
seus amigos das forças de lei que prolonga o manda- os membros da família de
segurança ficam nos seus to dos líderes de militares, Eduardo dos Santos vão
postos e que ele fica pro- polícias e dos serviços de manter a sua influência”,
tegido”. inteligência de seis para concluiu o director execu-
A isso acresce o seu do- oito anos, só podendo ser tivo da consultora de risco
mínio e impunidade junto demitidos se forem culpa- EXX Africa, Rober Besse-
de organismos internacio- dos de “conduta criminal ling.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 13

Eles gozam à farta com os subscritores. Mas re-


(quase) todos cordavam mal e – como
Regularmente, desde há de costume – a despropó-
muito… muito tempo, or- sito. Se Angola respeitas-
ganizações internacionais se todas essas obrigações
de defesa dos direitos hu- alguma vez seria membro
manos, pensando ingenua- do Conselho de Segurança
mente que o reino privado da ONU? Claro que não.
de Eduardo dos Santos, A não ser que a ONU seja
também conhecido por um bando de criminosos e
Angola, é o que nunca corruptos.
foi nos seus 42 anos de O grupo dizia também
independência (uma de- que “as críticas relacio-
mocracia e um Estado de nadas com a governação,
Direito), solicitam com re- os protestos pacíficos e
verência a intervenção do as expressões de insatis-
Presidente José Eduardo fação não constituem, em
dos Santos, no sentido de si mesmos, actos de trai-
o Estado/regime respeitar ção”. Ai não constituem.
os direitos (“lato sensu”) Constituem, sim senhor.
dos seus cidadãos. Desde 1975 que o MPLA
A ingenuidade dessas or- é Angola e Angola é o
ganizações é tal que até MPLA. E enquanto assim
causa arrepios. Desde logo for, ninguém tem o direito
falam regra geral em “re- de protestar até porque,
por” esses direitos quando, como se sabe, o país é um
de facto, deveriam saber dos maiores exemplos
que só se pode repor algo mundiais de democracia
que já tenha existido. Ora, e de respeito pelos direi-
o respeito pelos mais ele- tos humanos. A seguir à
mentares direitos dos ci- Coreia do Norte e à Gui-
dadãos angolanos nunca
existiu.
Célebre foi, em 2015, o ape-
lo foi feito em carta aberta
ao chefe de estado angola-
no, igualmente presidente
do MPLA (partido no po-
der desde 1975) e Titular
do Poder Executivo (desde
1979), José Eduardo dos
Santos, sobre “a supressão
continuada da liberdade de
expressão em Angola”.
A carta foi subscrita pela
Southern África Litigation
Centre (SALC), Amnistia
Internacional, Associação
dos Advogados da SADC
(Comunidade de Desen-
volvimento da África Aus-
tral) e a Front Line Defen-
ders, que dizia observar
com “grande preocupa-
ção” um “grave padrão de
desrespeito” pela liberda-
de de opinião.
“Escrevemos a V. Exª, na
sua qualidade de Presiden-
te de Angola, para expres-
sarmos a nossa inquietação
e solicitar-lhe que tome
, João Lourenço
não tem capital
político e vai ter
dificuldades em
estabelecer a
sua autoridade porque
os membros da família
de Eduardo dos Santos
vão manter a sua
influência”
física das galinhas. Se as
ordens partem do líder
do poder executivo (José
Angola, envolvendo 18 in-
divíduos, este ano (2015),
reza política”, escreveram
na carta.
Esqueceram-se, mais uma
vez, que o simples facto
de alguém ter a veleidade
de ter opinião é, só por si,
um crime contra a segu-
rança do Estado. Assim foi
e é com José Eduardo dos
Santos, assim será com
João Lourenço.
“Notamos com grande
apreensão o recurso às leis
da segurança do Estado, de
uma forma que visa apa-
rentemente suprimir estes
direitos no país”, sublinha-
vam. Aparentemente? Se
prender, torturar e matar
são apenas algo aparente,
então os rios passaram a
nascer na foz.
“Angola tem a obrigação,
enquanto Estado parte do
Pacto Internacional sobre
né Equatorial, entenda-
-se. Aquelas organizações
realçavam os vários com-
promissos internacionais
assumidos pelo Governo
de Angola, entre os quais
a intensificação dos seus
esforços no sentido de
impedir, investigar e pôr
termo aos casos de prisão
e detenção arbitrária, no-
meadamente garantindo
que os responsáveis por
esses casos sejam presen-
tes à justiça.
Podiam, como podem,
realçar à vontade. De nada
adianta. Enquanto ONU,
União Europeia, CPLP e
UA forem comer à mão
emérita, divina e santifi-
cada de José Eduardo dos
Santos e dos seus acólitos,
o país continuará a ser o
que é. Uma ditadura.
“Apelamos assim a V. Ex.ª
para que implemente estas
recomendações, de acor-
do com os compromissos
voluntariamente assumi-
nomeadamente, em Junho, os Direitos Civis e Políti- dos por Angola e com as
medidas no sentido de re- Eduardo dos Santos), com de 15 jovens por suspeita cos, de respeitar os direitos obrigações do país no do-
por o respeito pelo direito o apoio do presidente do de – segundo os dislates de liberdade de opinião, mínio dos direitos huma-
de liberdade de expressão, MPLA (José Eduardo dos criminosos das autorida- expressão e reunião, que nos”, lia-se na carta.
associação e reunião pací- Santos) e o alto patrocínio des – estarem a preparar protegem especificamente Voluntariamente? Essa
fica no país”, lia-se na carta. do Presidente da Repúbli- um golpe de Estado. a liberdade para as pessoas também foi uma boa ane-
Isto era (como continua a ca (José Eduardo dos San- “Referimo-nos especifica- se reunirem e trocarem dota. Como reconheceu
ser) mais ou menos como tos), estaria, estará, o mun- mente à prisão arbitrária, conjunta e livremente opi- o próprio Eduardo dos
pedir a João Lourenço e ao do à espera do quê? no dia 20 de Junho de 2015, niões e se manifestarem Santos, a democracia foi
MPLA que, como astutas Os subscritores referiam e à detenção continuada, pacificamente a favor da imposta. E quando assim
raposas que está há déca- na altura três casos (an- de pelo menos 15 indiví- mudança em domínios é, o democrata dono do re-
das dentro do galinheiro, dam muito desatentos) de duos reunidos para uma nos quais exista descon- gime continua a ser um di-
zelem pela integridade detenções ocorridas em troca de opiniões de natu- tentamento”, recordavam tador. Seja ou não emérito.
14
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

MAS, AFINAL N
TEXTO DE Tchockwe Tchockwe

em tudo a crise dos valores éticos,


vai mal, morais e civilizacionais.
dirão al- Coitado do país que se
g u n s . deixa mergulhar nas pro-
Direi eu, fundezas da corrupção,
apenas, do nepotismo e da “ges-
que (qua- tão de fachada”. As mais

O QUE É QUE
se) tudo poderia ir bem das vezes, é um mergu-
melhor. Habituámo-nos lho sem retorno e, infe-
(nós, o Povo) a viver “das lizmente, começa a ser
migalhas do festim”, e a este o caso de Angola.
contentarmo-nos com Passemos agora, então,
um desempenho menos um breve olhar por al-

VAI MAL LÁ
que sofrível por parte gumas razões do nosso
da nossa eterna “elite descontentamento, suas
dirigente”, sectária e ul- condicionantes e suas
trapassada pelo passo da consequências:
História. Num cenário em que não
O “bode-expiatório” das é previsível a recupera-
crises económica, finan- ção dos preços do petró-

NO KIMBO?
ceira, e cambial, tantas leo – o maior contribuin-
vezes invocado para te líquido para as receitas
“justificar o injustificá- de que Angola dispõe ao
vel”, apenas serve para nível do seu Orçamento
esconder uma crise mui- de Estado – “fazer mais,
to mais grave e profunda: com menos recursos”,
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\15

é um imperativo e con- só servem para alimen- na dinamização da agro-


dição de sobrevivência tar o ego dos seus pro- -indústria e da pecuária
financeira do Estado. A motores em conversas à (com aproveitamento
falência já esteve mais mesa de bons restauran- e valorização das raças
longe, e o regime políti- tes da Baixa de Luanda, autóctones, e não só das
co em vigor parece não a infra-estruturação do importadas). Quanto à
perceber o perigo imi- País deveria ter come- integração da econo-
nente. çado pelo saneamento mia angolana no grande
No entanto, tal objec- básico das zonas subur- bloco regional da Áfri-
tivo só será alcançável banas de todas as cida- ca Austral, o regime do
mudando radicalmente des capitais de provín- MPLA tem fugido desse
o modo de controlar os cia, pela reconstrução imperativo “como o dia-
gastos públicos e, prin- do edificado ao invés bo, da cruz!”, mantendo-
cipalmente, a transpa- da opção por constru- -se distante desse desejo
rência como é feito esse ções de raiz (obvia- comunitário. Resta saber
controlo que, como to- mente mais caras), pela porquê. Em jeito de con-
dos sabemos, tem falha- recuperação do meio- clusão, é fácil perceber
do redondamente. -ambiente através da que este regime político
É forçoso admitir (e só construção de estações e o seu modelo de gestão
não admite quem não de tratamento de resí- estão totalmente esgo-
quer ver a realidade) a por exemplo, que dar mitado à “coisa pública”. duos urbanos, etc., etc.. tados na sua capacidade
total ineficácia na apli- acesso ao cidadão co- Se olharmos para as Atenção especial deve- de mudança, não tendo
cação dos dinheiros de mum a uma educação de “obras do regime” (de ria ser dada ao aumento soluções para os proble-
todos os angolanos, que qualidade é como abrir estádios novos com pou- explosivo da população, mas presentes e, muito
têm servido para tudo uma “caixa de Pandora”, ca utilidade, a promessas que quase quintuplicou menos, para aqueles que
menos para o combate, com resultados que não de portos de águas pro- desde a Dipanda, e para por aí virão.
“sem tréguas”, aos eleva- seriam, de todo, favorá- fundas sem fundamen- a qual continua a não Mas como “o futuro é já
dos e persistentes níveis veis à manutenção de tação económica que os haver programas efica- ali, ao virar da esquina”,
de pobreza, aos surtos um regime político como justifique), ficamos com zes de capacitação e de olhemos com atenção
de doenças que, periodi- o actual, corporizado um retrato do que não inserção profissional. e esperança para o pró-
camente, dizimam as po- por um clã exclusivista devia constituir priori- Isto para já não falar da ximo dia 23 de Agosto
pulações, e à deficiente e com uma visão retró- dade na afectação dos importância que teria a de 2017, e mostremos o
qualidade do ensino pú- grada e minimalista do recursos do Estado. E criação de apoios à fixa- sinal vermelho àqueles
blico em Angola. Todos que é o progresso social. os erros repetem-se, e ção das populações no que, voluntariamente e
nós sabemos que isso é Sabemos nós, e sabem repetem-se, e repetem- meio rural, tradicional por incompetência, nos
verdade, e vemos o Esta- muito bem os detentores -se… Ao invés de obras gerador de riqueza em conduziram à trágica
do, ano após ano, “a as- do Poder político, teme- megalómanas, grande Angola, promovendo situação em que nos en-
sobiar para o lado”. rosos que estão de poder parte delas de qualidade uma verdadeira refor- contramos. Afinal, este é
Mas também sabemos, vir a perder o acesso ili- técnica duvidosa, e que ma agrária, entroncada o nosso KIMBO!
16
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

UNITA ACUSA O MPLA DE


“ASSASSINATOS SELECTIVOS”

O
cabeça- lanje, a mais de 400 quiló- dedores e clientes daquele directo é muito impor- tido no poder em Angola
-de-lista metros de Luanda, juntam mercado. tante, daí a necessidade desde 1975.
da UNITA todos os dias centenas de Depois de dias marcados de, sempre que puder- Antes, Isaías Samakuva
às eleições pessoas, para comprar e por promessas eleitorais, mos, passarmos por es- passou pela província
gerais an- vender de tudo um pouco, como o salário mínimo de tas localidades. Porque do Cuanza Norte, onde
golanas, e foram visitados terça e 500 dólares (83.000 kwan- é aqui onde eles passam apontou as consequên-
Isaías Sa- quarta-feira por Isaías Sa- zas) em Angola ou um a sua vida. É aqui onde cias do elevado índice de
makuva, dedicou dois dias makuva, num apelo cada Governo “inclusivo e par- conseguem, como eles desemprego em Angola:
da campanha eleitoral aos vez mais directo ao voto ticipativo”, tentando afas- próprios dizem, ter o fo- “Quando nós falamos de
mercados e feiras de Ma- e às propostas da UNITA tar fantasmas de caça às gareiro aceso e a panela crise profunda, é porque
lanje, por serem os locais para o país. bruxas com uma eventual sempre no fogo. Então, é afecta também os nossos
onde o povo consegue ter “Mas antes é preciso que liderança da UNITA, face aqui que temos de os en- costumes e a nossa cul-
“a panela sempre no fogo” estes cidadãos nos colo- aos 42 anos de poder do contrar”, apontou. tura, por isso queremos
e algum rendimento. Além quem no lugar em que MPLA, Samakuva deixou- Nos últimos dias, o cabe- reconstruir e recuperar
disso acusa o partido/Esta- podemos influenciar as -se ficar pelo apelo pessoal ça-de-lista da UNITA, o isso tudo”, afirmou, pro-
do (MPLA) de “enveredar coisas, e isso pode ocorrer ao voto nos mercados de maior partido da oposi- metendo como priorida-
por assassinatos selectivos no dia 23 de Agosto”, dis- Malanje. ção, voltou a desafiar di- de, em caso de vitória
de cidadãos por motivos se, em Chauande, o candi- “O cidadão também sen- rectamente o candidato eleitoral, medidas para
políticos”. dato da UNITA à eleição, te a nossa presença jun- do MPLA, João Lourenço, fomentar o emprego.
os mercados de Chauande indirecta, para Presidente to dele. Eu penso que para um debate eleitoral, “Mas tem que ser empre-
e de Katepa, arredores da da República, sempre ro- para transmitir a nossa pretensão que ficou sem go para os angolanos, em
capital da província de Ma- deado por apoiantes, ven- mensagem este contacto resposta por parte do par- primeiro lugar”, atirou.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\17

MPLA/regime endurece perseguição


OSecretariado Executivo do eleitor e de corrupção verbal, assim como outras UNITA decidiu: Nacional Eleitoral a afir-
do Comité Permanente eleitoral, praticados e pu- formas de intimidação do “1. Exortar o povo angola- mar a sua independência
da Comissão Política da blicitados em todo o país eleitor, com vista a alterar no a não ceder às provoca- institucional de forma a
UNITA manifestou, entre- pelo candidato do MPLA, o clima de paz e de tran- ções para que os inimigos assegurar, de modo efec-
tanto, a sua apreensão e in- perante a passividade e quilidade em que até aqui da democracia não con- tivo, a igualdade de opor-
dignação com os sucessi- omissão da Comissão Na- se vem desenvolvendo a cretizem os seus intentos tunidade e de tratamento
vos casos de “assassinatos cional Eleitoral, a quem o campanha eleitoral; de impedir o voto de mu- das diversas candidatu-
selectivos de cidadãos por Estado angolano incumbiu 4. O retorno, por parte do dança; ras.”
motivos políticos”: a responsabilidade de esta- MPLA e seu candidato, do 2. Recordar às forças de Neste contexto, a “UNI-
“1. O agravamento da pos- belecer todas as medidas discurso da guerra, com Defesa e Segurança que TA considera que che-
tura discriminatória dos necessárias para que o a intenção clara de atiçar a sua missão fundamen- gou a hora da mudança
órgãos de comunicação processo eleitoral se de- ódios que os angolanos tal é a defesa da ordem e exorta os angolanos, de
social públicos, no trata- senvolva em condições de enterraram desde 2002, constitucional estabele- todas as matrizes, a usar
mento desigual às can- plena liberdade, justiça e demonstrativo de que os cida, defendendo a paz, da sabedoria para não
didaturas, favorecendo transparência; actos de intolerância que a democracia e a sobera- permitir que as ideias
vergonhosamente o Par- 3. O facto de que o MPLA estão a decorrer um pou- nia do povo que deverá do passado, os discursos
tido-Estado, numa clara decidiu agora enveredar, co por todo o país não são ser expressa, pelo voto caducos e os interesses
violação da Constituição e mais uma vez, por assas- factos isolados.” livre e democrático dos instalados da corrupção
da Lei; sinatos selectivos de cida- Face a estas constatações, angolanos, no dia 23 de inviabilizem a instaura-
2. A persistência dos ac- dãos, por motivos políti- o Secretariado Executivo Agosto de 2017; ção do Governo Inclusi-
tos de coacção, sequestro cos, pela violência física e do Comité Permanente da 3. Apelar à Comissão vo e Participativo.”
18
// DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

RENDA? FOI MÉDIA-ALTA.


AGORA É… MÉDIA-BAIXA
O
B a n c o O relatório do Banco Mun- kwanza, face ao dólar.
Mundial dial refere que além de O grupo Banco Mundial é
desceu a Angola, outros sete países uma agência especializada
classifi- viram a sua classificação independente do Sistema
cação de actualizada, casos da Croá- das Nações Unidas e prin-
Angola cia, Geórgia, Jordânia e cipal financiador de pro-
para país Nauru (em baixa) e Palau, jectos nas áreas da saúde,
de renda média-baixa, o Samoa e Tonga (em alta). educação, ambiente, agri-
penúltimo dos quatro ní- A organização sustenta cultura e economia a paí-
veis com que a instituição que em cada país, factores ses em desenvolvimento,
classifica as economias como a inflação, as taxas precisamente em função
mundiais, pelos rendimen- de câmbio e mudanças po- dos rendimentos de cada
tos em função da popula- pulacionais “influenciam” Estado-membro.
ção. Assim, Angola passou a Renda Nacional Bruta Entre os 53 países que se
de país de renda anual “per capita”, levando à rea- encontram no mesmo gru-
média-alta, equivalente a valiação da classificação. po de Angola, na classifica-
entre 3.956 a 12.235 dólares No caso de Angola, a eco- ção do Banco Mundial, es-
de Renda Nacional Bruta nomia nacional ficou mar- tão Cabo Verde, São Tomé
“per capita”, para o nível cada, no último ano, pela e Príncipe e Timor-Leste.
média-baixa, que se situa alta taxa de inflação, acima Moçambique e Guiné-
entre 1.006 e 3.955 dólares dos 40%, e pelas consecu- -Bissau estão no grupo
por habitante. tivas desvalorizações do dos países de renda baixa,
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\19

o último de quatro, com


o equivalente de até 1.006
dólares por habitante de
Renda Nacional Bruta.
O Brasil e a Guiné Equato-
rial permanecem no grupo
onde anteriormente estava
Angola, de renda média-
-alta.
Durante 2015 e 2016 a eco-
nomia Angolana mostrou
sinais de abrandamento.
O crescimento do Produ-
to Interno Bruto (PIB) di-
minuiu para 3% em 2015 e
de apenas 1% em 2016. A
inflação anual atingiu os
35,3% em Julho de 2016 e
continua a aumentar, re-
flectindo a desvalorização
de 40% do kwanza face
ao dólar desde Setembro
de 2014, e as desfavoráveis
condições monetárias.
Em Setembro de 2016 o or-
çamento foi ajustada para
ter em conta a redução das correntes. A produção está a ser feita em 13 pro- leo foi de 33,4 mil milhões, da dependência do petró-
receitas e para manter o de diamantes, a segunda víncias e estão disponíveis um declínio de 44,5% em leo e a diversificação da
crescimento. As despesas maior exportação do país, 108 novos projectos para relação ao mesmo período economia, a reconstrução
de investimento aumenta- cresceu rapidamente até os investidores privados. do ano anterior. das suas infra-estruturas,
ram de 16%, do que resul- 2006, quando o volume As exportações de petró- A inflação acelerou para o melhoramento das capa-
tou um aumento do défice de produção atingiu 9,2 leo nos últimos 10 anos 31,8% (ano-a-ano) em Ju- cidades institucionais, da
fiscal (6,8% do PIB vs 5,5% milhões de quilates. Des- representaram, em média, nho de 2016 e está actual- governança, dos sistemas
inicialmente). Esta revisão de então, a produção tem 97% das exportações an- mente ao seu nível mais de gestão das finanças pú-
teve um impacto negativo oscilado entre 8,2 e 9,2 mi- golanas. Em 2014, 2015 e alto desde 2004. É também blicas, dos indicadores de
nas despesas do sector so- lhões de quilates, com um 2016, a quota do petróleo a mais alta da África do Sul, desenvolvimento humano
cial, que foram reduzidas aumento de 4%, atingindo no total das exportações ultrapassando em mais de e das condições de vida da
em cerca de 8%. O total da os 9 milhões de quilates. manteve-se perto do mes- 10 pontos percentuais os população. Grandes sec-
dívida pública – incluindo O país tem ainda grande mo nível. As exportações níveis do Malawi, Zâmbia tores da população ainda
os passivos quase orça- potencial para expandir de petróleo geram 60,2 mil e Moçambique. Este valor permanecem na pobreza
mentais ‘parqueados’ na as actividades mineiras, milhões de dólares de re- contrasta com o pressu- e sem acesso adequado a
Sonangol, atingiu prova- uma vez que apenas 40% ceitas para o país em 2014. posto de 11% utilizado no serviços básicos e pode-
velmente 75% do PIB, e o dos recursos minerais de Em 2015, a entrada de moe- orçamento inicial de 2016. riam beneficiar de políti-
serviço da dívida aumen- Angola são conhecidos. A da estrangeira gerada pe- Os desafios ao desenvolvi- cas de desenvolvimento
tou para 15% das despesas exploração de diamantes las exportações de petró- mento incluem a redução mais abrangentes.
20
//DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

FILDA REGRESSOU EM
VERSÃO “DO MAL O MENOS”
E
mpresas de Junho de 2016, anun- produtiva e de acções de empresários estrangei- zada no espaço onde em
angolanas ciando então o adiamento marketing e publicidade, ros”, sublinhou Bruno edições passadas, nos
e de 10 da FILDA para Novembro, tornando-as reféns das di- Albernaz, face à perspec- arredores do centro de
países es- o presidente do Conselho visas para importação de tiva inicial, de cerca de Luanda, chegaram a es-
trangeiros, de Administração da FIL, bens e serviços”. 200 empresas represen- tar presentes 1.000 expo-
num total José de Matos Cardoso, Agora, segundo Bruno tadas. Depois de sucessi- sitores, distribuídos por
de 225 ex- justificava a decisão com Albernaz, presidente do vos adiamentos, em 2016, uma área útil de 30.000
positores, marcam presen- a “necessidade de manter Conselho de Adminis- a feira, inaugurada pelo metros quadrados, e
ça entre 26 e 30 de Julho os níveis de organização e tração da Eventos Arena, vice-Presidente da Re- que está hoje em situa-
na Feira Internacional de qualidade” das feiras ante- empresa promotora da 33.ª pública, Manuel Vicente, ção de abandono. Esta
Luanda (FILDA), que re- riores. edição da FILDA e escolhi- acontece agora na Baía edição tem como lema
gressou em 2017 num for- “Por razões técnicas que da há pouco mais de um de Luanda, distribuída “Diversificar a economia
mato mais reduzido, após se consubstanciam na difi- mês para a organização, por cinco tendas, totali- e potenciar a produção
vários adiamentos. culdade de importação de cerca de 70% dos exposi- zando uma área útil de nacional, visando uma
Recorde-se que em Outu- materiais e equipamentos tores representam empre- 12.000 metros quadrados Angola auto-suficiente e
bro do ano passado, quan- para montagem da feira sas angolanas. de exposição e promo- exportadora”, mas desde
do se confirmou que em e outros do interesse dos “É uma boa surpresa, ção de negócios em An- logo terá uma área de ex-
2016 não haveria mesmo expositores, adia-se a rea- tendo em conta a con- gola. A empresa Eventos posição menor e menos
nenhuma FILDA, foi noti- lização da 33.ª edição da juntura e para o momen- Arena foi escolhida em expositores.
ciado que os funcionários FILDA”, lia-se na comuni- to que o país está a viver. Junho para a organização “Espera-se que as em-
da FIL estavam com vários cação. É um número que nos pelo Ministério da Eco- presas participantes,
meses de salários em atra- José de Matos Cardoso surpreende e que nos en- nomia angolano, através em função da articula-
so e que ameaçaram boico- argumentava com “o ac- che de alguma forma de do Instituto de Fomento ção que possam manter
tar a realização da FILDA, tual estado da economia satisfação, pelo facto de Empresarial (IFE). com as outras entidades,
então prevista para No- do país, que levou a que termos trabalhado a rea- “Temos o comércio, a in- nacionais, regionais e
vembro, em protesto, pelo a maior parte das empre- lização deste evento em dústria nacional, banca e internacionais, possam
que outras feiras temáticas sas esteja a viver algumas tão pouco tempo e mes- serviços, e as máquinas estabelecer potenciais
previstas ainda para 2016 dificuldades no seu ‘core mo assim tivemos uma e equipamentos, são as parcerias”, vaticinou an-
foram inviabilizadas. business’, o que afectou grande resposta, não só mais representadas”, ex- teriormente Dalva Rin-
Numa comunicação envia- em grande medida a sua das empresas angolanas, plicou Bruno Albernaz. gote Allen, presidente do
da aos expositores no final capacidade de operação mas também de alguns A feira já não será reali- IFE.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\ 21

Portugal dá uma ajudinha


Cerca de duas dezenas um ligeiro decréscimo”, o
de empresas portuguesas saldo da balança comer-
marcam assim presença cial é “fortemente positivo
no regresso da Feira Inter- para” Portugal, tendo supe-
nacional de Luanda (FIL- rado os 2,2 mil milhões de
DA). euros em 2015.
Só a participação portugue- Para a AEP, a presença
sa a cargo da Associação portuguesa no regresso da
Empresarial de Portugal FILDA visa “reforçar as re-
(AEP) junta 17 empresas, lações comerciais entre os
de sectores como constru- dois países, abrindo novas
ção, agro-alimentar, enge- oportunidades de negócio
nharia, metalomecânica e em sectores que já são tra-
cerâmica, e que são habi- dicionalmente exportado-
tuais exportadoras para o res para aquele país”.
mercado angolano. No âmbito da FILDA, e a
“Mas para os restantes 12 cargo da CCIPA, realizou-
a sua presença na FILDA -se em Luanda, no dia
será uma estreia”, infor- 27, o primeiro encontro
mou a AEP, que organiza “Angola-Portugal: Angola
a participação portuguesa produtora e exportadora”,
naquela feira, com o apoio iniciativa que pretende di-
da Câmara de Comércio e vulgar a produção nacional
Indústria Portugal-Angola angolana e que conta com
(CCIPA) e da Agência para a presença de empresas
o Investimento e Comér- portuguesas já instaladas
cio Externo de Portugal no país.
(AICEP). “Vamos sobretudo mos-
“Angola é um importan- trar o que já se produz em
te parceiro comercial de Angola, como no agro-ne-
Portugal, principalmente gócio, em que já exporta-
enquanto destino de ex- mos por exemplo banana
portação”, enfatiza a AEP, para Portugal”, explicou
recordando que “embora Manuel Novais, director-
nos últimos anos as expor- -geral da Eventos Arena.
tações tenham registado
22
//DESTAQUE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Bornito de Sousa
evacuado para Espanha

O
político e o também ministro da Ad-
candidato ministração do Território
a vice-pre- foi evacuado para uma clí-
sidente da nica no Reino da Espanha.
República Desconhece-se para já se
de Angola a doença vai impedir Bor-
pela lista do nito de Sousa de continuar
MPLA nas eleições gerais como candidato à vice-
de 23 de Agosto, Bornito -presidência.
de Sousa Baltazar Diogo, Em alguns círculos do
foi evacuado a 03.08.2017 MPLA fala-se da possi-
para Espanha, após um bilidade de substituí-lo
Acidente Vascular Cere- mas não foram avançados
bral, segundo informações quaisquer nomes ou infor-
avançadas pela Voz da mações oficiais.
América. Para além de ser ministro
De acordo com a informa- da Administração do Ter-
ção veiculkada, o inciden- ritório, o candidato a vice-
te deu-se após uma inten- -Presidente da República
sa actividade partidária pelo MPLA às Eleições
em Ndalatando, província Gerais de 2017, é profis-
da Kwanza Norte. sionalmente um advoga-
Consequntemente, o can- do, suspenso por incom-
didato à vice-presidência patibilidade de funções,
foi levado para a Clínica e é docente na cadeira de
Multiperfil e, após cuida- Ciências Políticas e Direi-
dos médicos a 03.08.2017, to Constitucional.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESTAQUE \\23

NOVA AJUDA DOS EUA PARA OS REFUGIADOS DA RDCONGO


Os EUA vão contribuir zenas de milhares de refu- de 2017, mais de 30 mil tras zonas de conflito. A milhões para ajudar os
com US $ 13,9 milhões giados. A violência gene- novos refugiados con- Embaixada dos EUA em novos refugiados em An-
para prestar assistência de ralizada e as atrocidades goleses fugiram da vio- Luanda congratula-la o gola até o final de 2017 e,
emergência aos refugiados verificadas na região do lência na região do Kasai Governo da República de deste modo, pedindo que
que fugiram da República Kasai, na RDCongo, afec- e buscaram segurança Angola pela sua resposta outros doadores provi-
Democrática do Congo taram mais de 2 milhões na província da Lunda à emergência dos refugia- denciem apoio adicio-
(RDCongo) para Angola. e quatrocentos mil indiví- Norte. Muitas dessas dos que fogem do confli- nal e essencial para essa
Este apoio consiste em duos e levaram à desloca- pessoas vulneráveis so- to, bem como aos outros resposta humanitária.
financiar o Escritório do ção de aproximadamente freram traumas severos doadores que já alocaram À medida que a popula-
Alto Comissariado das Na- 1 milhão e quatrocentos e precisam de cuidados fundos para ajudar as po- ção necessitada cresce,
ções Unidas para os Refu- mil, no país, desde Agos- urgentes à chegada. O pulações vulneráveis em é fundamental um maior
giados (ACNUR) e o Pro- to de 2016, de acordo com Governo dos EUA está Angola e na RDCongo. apoio para que as comu-
grama Alimentar Mundial o Escritório das Nações empenhado em apoiar as Esta última contribuição nidades de acolhimento
das Nações Unidas (PAM) Unidas para a Coordena- necessidades das pessoas dos EUA vem em res- e as agências humanitá-
para prestarem assistência ção dos Assuntos Huma- afectadas pelo conflito na posta ao apelo da ONU rias possam manter as
alimentar, água, cuidados nitários (OCHA). A par- RDCongo, tanto da região de Junho de 2017 da ne- suas actividades de pro-
de saúde e abrigo para de- tir de meados de Março do Kasai como de ou- cessidade de US $ 65,5 tecção e assistência.

DESTRUÍDAS 491 ARMAS EM BENGUELA


A Polícia angolana des- desminagem The Halo um total de 1.499 armas campanha de recolha de De acordo com o super-
truiu 491 armas de fogo Trust, foram ainda des- recolhidas entre 2010 e armas em posse da popu- visor da The Halo Trust,
em estado obsoleto, na truídos 3.653 carregado- 2017, encontrando-se as lação civil, em 2008, fo- Marcolino Lussat, o ma-
província de Benguela, res e 2.540 munições. restantes 1.008 em bom ram recolhidas um total terial destruído servirá
acção integrada no pro- Segundo o porta-voz da estado. de 3.842 armas diversas para a indústria de side-
cesso de desarmamento Polícia Nacional em Ben- Pinto Caimbambo, cita- e 45.362 engenhos explo- rurgia, mais concreta-
de civis. Nesta acção, guela, intendente Pinto do pela agência noticiosa sivos, das quais foram mente para o fabrico de
realizada em colabora- Caimbambo, o material angolana, Angop, real- destruídas, em 2010, 2.137 catanas e enxadas.
ção com a empresa de destruído faz parte de çou que desde o início da armas de fogo.
24
// POLÍTICA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

CHEFIAS MILITARES ABAFAM


NOVO PROTESTO DE MILITARES

U
TEXTO DE Pedrowski Teca
m grupo de cidadãos e viaturas. A via acordo entre os militares e
quase uma de acesso à Cidade Alta as chefias que, presumivel-
centena de esteve bloqueada pela Po- mente, consistiu na análise
militares lícia antimotim, que se fez e eventual resolução das
das Forças presente com cães e equi- reivindicações numa das
Armadas pamentos para repressão unidades militares. Isto
Angolanas de protestos. porque os militares que
(FAA) vol- Quando a equipa do F8 protestavam entraram em
taram a sair no dia 24 às chegou ao local, onde sem três autocarros do exérci-
ruas de Luanda, desta vez descer da viatura, circulou to e foram transportados
posicionando-se frente ao por duas vezes, notou que para uma unidade militar.
Palácio da Justiça. O Folha os militares que protes- É de realçar que o F8, quer
8 deslocou-se ao local, que tavam, estavam cercados na sua última edição im-
esteve sitiado por vários frente à entrada principal pressa quer no seu site,
agentes da Polícia Nacio- do Palácio da Justiça. deu destaque ao protesto
nal e efectivos das FAA. Os mesmo estiveram em dos militares, que come-
Devido à manifestação dos formatura no local e em çou a 19.07, perto do Minis-
militares, nos arredores do conversas com um grupo tério de Defesa, em Luanda
Palácio da Justiça, espe- de oficiais superiores das e da Guarnição de Luanda,
cificamente na via que dá Forças Armadas, possivel- para (“por enquanto pa-
acesso à Cidade Alta, mili- mente generais. cificamente”) protestar
tares e policiais impediam O F8 presenciou e aper- contra decisão, arbitrária e
a paragem e circulação de cebeu-se que houve um prepotente, do ministro da
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
POLÍTICA \\25

Defesa – João Lourenço – reflexão, a maioria foi far- ter havido unidades que pela corrupção e enrique- Abril de 2015 Mário Faus-
que mandou suspender o dada. Sim! Com a farda do foram cumprir missões no cimento ilícito”, afirmou tino, um dos elementos
pagamento dos irrisórios exército nacional, que per- Congo, que foram manda- Malaquias Kimbua, ex- da organização que nesse
subsídios e reformas a que mite visualizar a crise no das para casa com todo o -coronel, para quem, “nós dia concentrou centenas
têm direito. seio dos militares, coloca- seu arsenal”, disse ao F8, até nem queremos muito. de militares numa reunião
Cumprindo ordens supe- dos uns contra os outros, Cristóvão José, ex-FAPLA. O governo apenas poderia que teve lugar no Cazen-
riores do comandante-em- em dois lados da barricada A situação já é antiga e de conceder-nos determina- ga. Não é, pois, por falta
-chefe, que se escudou no que deveria ser uma só. há muito que os ex-milita- das facilidades, como pas- de avisos que o Governo
ministro da Defesa, as for- Recordam, aliás, que “há res angolanos reivindicam ses nos transportes, des- continua a, tanto quanto
ças de segurança trataram muitos oficiais na reforma também o pagamento de contos aos nossos filhos parece, querer que nesta
imediatamente, no passa- a receber milhares de eu- indemnizações e salários nas escolas e hospitais e altura eleitoral os ânimos
do dia 19, de pôr na ordem ros por mês e que, na ver- em atraso desde 2010. até, chegamos a pedir ape- se exaltem e a violência
os manifestantes, a grande dade, nunca foram milita- Nem mesmo o Presidente nas um subsídio mensal tome conta do país.
maioria dos quais até agora res, tendo chegado a essa da República, por inerên- entre 20 a 30 mil Kwanzas, Tal como disserem em
recebia entre 10, 20 ou 30 situação por conivência cia também comandante ao invés de nos darem de 2015, hoje os manifestantes
mil kwanzas, equivalente à criminosa do regime”. das Forças Armadas, e ain- uma vez, um montante de continuam a lembrar, com
20 ou 30 euros por mês. A decisão agora tomada da chefe do Governo, José desmobilização, em que a louvável paciência, que “os
Embora seja uma ques- por João Lourenço pode já Eduardo dos Santos, mos- maioria depois de 20 anos polícias e os militares no
tão de carácter laboral, os não ser a gota de água que trou ao longo dos últimos de espera recebe, apenas activo (muitos dos quais
manifestantes não deixam faz transbordar a paciência anos qualquer preocupa- cerca de 100 mil kwanzas, até estão solidários con-
de lembrar que foram mi- mas, antes, o fósforo que ção na resolução do as- que não dá para nada, em nosco) que existem em
litares, que lutaram pelo ateou o rastilho que pode sunto. “Estes senhores são função das dívidas, que Angola não têm mais téc-
seu país, e que “continuam causar um incêndio de maus, são feiticeiros, an- contraímos”, explica. nica que os ex-militares.
a saber como se usam as graves consequências. dam a gozar com o povo, “Esta manifestação não Nós não queremos que
armas”, embora essa “não “Nós viemos muitos farda- pois nós é que os coloca- é de manifestantes, é de eles ajam com violência
seja a opção que preten- dos, como demonstração mos e aguentamos no po- militares e se a polícia não para nós também não par-
dem tomar”. de fidelidade às forças ar- der e eles nos tratam como tiver um comportamento tirmos para a violência,
E fizeram-no com uma madas, acredito, que mui- animais. Nós combatemos adequado, nós também va- porque todo o pessoal está
imagem que deve levar a tos terão armas, até por pelo país, eles combatem mos reagir”, dizia em 19 de mesmo frustrado”.
26
// POLÍTICA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Director
O
TEXTO DE Sedrick de Carvalho

comissá- Não tão admirados, pois


rio-chefe “ele fala tanta merda”, os
António agentes se mantiveram em

dos Serviços
Joaquim prontidão ao longo da for-
Fortunato, matura, isto na sexta-feira
director na- antepassada, 14, na escola
cional dos nacional de técnicas pri-
serviços penitenciários, sionais, no município de

Penitenciários
órgão sob tutela do minis- Viana, enquanto uns res-
tério do Interior, está a exi- pondiam em sinal afirma-
gir aos agentes que votem tivo ao comandante-geral
no partido MPLA e em e outros optavam pelo si-
João Lourenço às eleições lêncio que, para as fontes,
gerais que serão realizadas significa rejeição à obriga-

exige voto no
no dia 23 de Agosto do ano ção feita.
em curso. Antes da formatura, con-
A denúncia foi avançada tam os agentes, António
por agentes do Destaca- Fortunato ordenou uma
mento Especial dos Servi- revista para que ninguém

MPLA
ços Prisionais (DESP), que ficasse com telemóveis
lembram de ouvir António e assim evitar que fosse
Fortunato dizer: “Quere- gravado. O comandante
mos o voto no nosso nú- do DESP, superintenden-
mero 4 e camarada João te-chefe Manuel Afonso
Lourenço”. João «Manico», conhecido
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
POLÍTICA \\
27

pelas agressões e outras hora. No rol da “falta de apelo ao voto em qualquer


formas de humilhações a coerência deste senhor”, partido constitui violação à
que submete os agentes do os agentes destacam os constituição.
destacamento e que aqui maus-tratos e afirmam Porém, António Fortunato
já denunciamos, foi quem que, desde que foi nomea- é conhecido como zeloso
procedeu à revista. do director nacional, “não no cumprimento de or-
“Ele é o eterno capataz do promoveu agente que não dens ilegais, como suce-
Fortunato. Depois daquela seja familiar dele”. deu ao encarcerar em celas
denúncia, ficou suspenso “Todos os filhos dele são disciplinares durante três
algum tempo mas agora oficiais. A filha entrou na meses os 15 jovens detidos
voltou e está pior. Agora, corporação, uma que tra- por acusação de golpe de
desde que ele saiu no Folha balha no hospital-prisão do Estado, quando a lei peni-
8, telefone é extremamen- São Paulo, e ali mesmo só tenciária determina que
te proibido, e quem for en- promoveu ela. O resto que naquela situação reclusos
contrado com telemóvel se dane. Ele faz e desfaz só podem ficar no máximo
terá maka grande, e bem por ser afilhado do minis- 21 dias e apenas se come-
grande mesmo”, disseram. tro [do Interior] Tavares”, teram alguma infracção ao
Entre as exigências de vo- lamentam. longo da sua estadia na pri-
tarem no partido MPLA, António Fortunato é for- são. Como “ele é mesmo
António Fortunato adian- mado em Direito. Nes- o rei da palhaçada”, dizem
tou também que “não sa qualidade e enquanto os agentes, no final da for-
haverá patentes para nin- comandante dum órgão matura de apoio ao MPLA
guém neste ano”, tranqui- policial, tem redobrada exigiu ainda que todos se
lizando os agentes com a consciência da disposição abraçassem, e todos assim
promessa de que “o voto constitucional que deter- procederam, a começar
no camarada João Louren- mina que os agentes de se- pelo superintendente Ma-
ço é o certo”. gurança são apartidários, nico que “abraçou logo o
O discurso propagandís- nos termos dos artigos comissário-político Fortu-
tico durou cerca de uma 207.º e 210.º, pelo que o seu nato”.
SOCIEDADE
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
28
//

Eleições em Agosto de 2017: Os cães


ladram e a caravana passa ou oposição
fracturada beneficia o infractor?

O
TEXTO DE J. Kafundanga
processo decrescente para o pleito potencial antecessor ( os barómetro para qual será -CE, mas tal pretensão pas-
eleitoral eleitoral já começou, ape- candidatos da oposição o desfecho, embora nem saria por um entendimento
entrou sar de algumas arestas por também vêm à luta para tudo o que brilha é ouro. prévio entre ambas organi-
definiti- serem limadas para que inquilino do palácio da Co- No aununciado dia D há- zações, sob pena de verem
vamente a dita festa do voto, seja lina de S.José ), João Lou- -de chegar a hora de quem este sonho mais uma vez
na fase de efectivamente um julga- renço terá sérias dificul- dos três tira 1 (Lourenço, adiado, quando não corre
velocidade mento moral à gestão rui- dades em impôr-se como Samakuva e Chivukuvuku) mesmo o risco de semear
cruzeiro, mas, paradoxal- nosa do país que estamos PR, em caso da sigla rubro . Infelizmente, as querelas mais dúvidas e incertezas
mente, as reclamações com ela, enquanto João negra sair vitoriosa. Con- entre a UNITA e a CASA- na cabeça dos eleitores
da oposição em relação Lourenço corre o risco de tudo, pelo que se constata -CE, sobre o achincalha- descontentes e hesitantes
às empresas espanholas repetir-se durante a cam- em matéria de agitação, mento do líder desta co- e que pretendem a alter-
Indra e Sinfic, não foram panha eleitoral, dada a contestação e desconteta- ligação, em nada abona o nância política, criando
atendidas até aqui, dentro maratona política iniciada mento popular pelo “stu- jogo democrático e o tão condições para uma maior
dos prazos razoáveis então desde princípios de Feve- tu quo”, nomeadamente invocado objectivo estra- abstenção, o que seria fe-
propostos pelos partidos reiro, quando foi indicado lamúrias nos autocarros e tégico da luta pela alterna- rir de morte a democra-
que se propõem concorrer oficialmente para cabeça nos táxis, desabafos na rua, tiva politica, prosseguido cia política angolana, tão
pela alternância do poder de lista do MPLA, pelo Co- nos mercados e mesmo pela oposição considerada incipiente quão capenga e
mantido pelo MPLA há mité Central do MPLA, em nas famílias mais humil- credível; frágil e estrutu- deficiente, a julgar até pela
cerca de 42 anos. Dir-se-ia, substituição do presiden- des e não só, o MPLA vai ralmente desorganizada postura sistematicamen-
os cães ladram e a carava- te cessante, José Eduardo ter que soar as estopinhas em todo a extensão do te autoritária do regime,
na passa. Nem a manifes- dos Santos, em busca de para levar de vencida os terreno do jogo político, - que usa e abusa dos bens
tação de protesto desen- acomodação no seu lu- seus adversários mais salvaguardadas as devidas públicos para catapultar o
cadeada pela UNITA foi xuoso palácio amarelo do aguerridos, que se desdo- proporções. Tal cenário seu cabeça de lista, o can-
suficiente para demover Miramar, para o descanso bram também em comí- de divisão só aproveita o didato do MPLA, incluindo
o presidente da CNE, Sil- merecido do guerreiro, a cios, encontros, palestras, MPLA. Há quem pense a manipulação da media
va Neto, e ca., sentido de quem se pretendia atribuir conferências e contactos mesmo que os líderes opo- pública num manifesto
fazer uma reparação dos o estatuto de presidente porta a porta com o eleito- sicionistas deveriam partir favorecimento ao partido
eventuais danos morais e “emérito”, titulo geralmen- rado cativo, sem prejuízo para o pleito eleitoral uni- dominante. Nestes termos,
mesmo materiais super- te atribuído a eruditos pro- dos hesitantes, um terreno dos, como uma força de isenção e objectvidade
venientes, ou seja uma fessores universitários nas onde a disputa vai ser re- mudança, una e indivisível. precisa-se em matéria de
marcha atrás e atender a academias do Ocidente. nhida. Da teoria à prática vai uma espaço na comunicação
contento os reclamantes Pelo que se vê, das resis- As enchentes registadas grande distância. Aliás, a social, pois como denun-
em relação a realização de tências oferecidas e que nos comícios do MPLA, divisa da mudança tem ciaram a ADRA e OPSA
um novo concurso... pairam no ar, na honra da da UNITA e da CASA- sido expendida tanto pela recentemente, a falta de
Ainda assim, a contagem rendição da guarda do seu -CE também são um bom UNITA como pela CASA- transparência na impren-
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
SOCIEDADE \\ 29

sa pública pode pôr em reconciliação nacional. A


causa a lisura do processo oposição, designadamen-
eleitoral, juntando-se deste te a UNITA e a CASA-CE
modo, ainda que inadver- (cujos estragos subjacen-
tidamente ao coro de pro- tes à sua lista marcada
testo dos oposicionistas. pelo nepotismo, ainda es-
Ademais: numa altura em tão por ser avaliados; uma
que o MININT faz apelos prática aliás patente ao
à contenção por parte dos nível da gestão reinante,
actores políticos sobretu- o que acaba remar contra
do durante a campanha si mesmo na caça ao voto,
eleitoral, o equilíbrio in- enquanto mau exemplo
formativo no tratamento a não ser seguido, como
noticioso seria um valor um dos cavalos de Tróia
acrescentado para a lha- da oposição costume) vai
neza do processo eleitoral marchando cada um a seu
e da verdade eleitoral, em lado, indiciando alguma
geral, no final das contas, desorientação, ao invés
quando chegar a hora do do que seria óbvio- a Uni-
resultado final depois da dade, como já ficou visto,
revisitação pela quarta vez espírito unitário aliás pa-
às urnas, bem como de um tente, quando tomaram
eventual contencioso a ser posição em conferencia
arbitrado pelo Tribunal de imprensa conjunta
Constitucional, nas ves- para contestar a presença
tes de Tribunal Eleitoral, da INDRA e da SINFIC na
como é norma no mundo organização do pleito em
considerado civilizado. vista, cujo comunicado
Na verdade, à medida que final fora lido por Lucas
o dia D se aproxima os Ngonda, actual Presiden-
partidos desdobram-se te da FNLA, cuja lista foi
em diversas actividades de sancionada pelo TC, ape-
campo e não só. O MPLA sar da contestação interna
já pôs fim oficialmente à e das alegadas mazelas, de
sua pré-campanha iniciada só ter inicialmente apre-
há seis meses, com todo sentado candidatos para 4
aparato que se conhece, na províncias, o que não dei-
pretensa mira de se fazer xa de trazer água no bico. tos, em que Chivukuvuku do saque e da delapidação competência.
conhecer o seu candidato, No fundo, no fundo, e pelo e pares atribuiu o destra- do erário público e não só. No fundo, no fundo, em
que por sinal tem o “guar- protagonismo demonstra- to da Rádio Despertar a Portanto, os caminhos que política nada acontece é
da chuva” do MPLA, pois do, cada um à sua manei- supostos corruptores do o nosso processo político, inocente (!), nem as coi-
quem vota no partido vota ra, essas eleições vão ser MPLA, quando inicialmen- económico, social e cultu- sas ocorrem por acaso.
no candidato( um recuo disputadas , em bom rigor, te a paternidade do facto ral ainda tem que passar Mas verdade verdadinha,
que precisa de ser corrigi- pelo MPLA, a UNITA e foi atribuído a três entre os são duros, pedregosos e o nosso sistema partidá-
do em termos constitucio- CASA-CE, sendo que esta mais destacados dirigen- escarposos, em particular rio nas próximas eleiçoes
nais, numa altura em que última poderá ser ainda tes da UNITA, incluindo o o processo eleitoral a ter poderá ficar reduzido a
se fala da inauguração da assim uma das mais be- seu líder. Assim sendo, em lugar a 23 de Agosto próxi- quatro ou mesmo três
5ª República, que só pode- neficiadas, em caso de se que ficamos: o fantasma da mo, sendo certo que cada formaçoes políticas con-
rá ocorrer com uma pro- reconfirmar como terceira conspiração simultânea da um dos mais 3 focados correntes, contra as seis
funda reforma constitucio- força política e haver maio- UNITA e do MPLA contra contendores podem me- actuais!... Enfim, a ver va-
nal, que não faça regredir ria relativa no computo o líder da CASA-CE não lhorar ou piorar a sua per- mos se desta vez estare-
o processo democrático geral do “score” final, pois faz qualquer sentido, pois formance nas urnas, acres- mos em presença de uma
como em 2010, quando qualquer dos contendores são dois extremos que não cido do facto que de tão reforma cosmética, a re-
foi aprovada a presente que sair vitorioso terá que se tocam no atribulado fragilizados internamente movação ou uma ruptura
constituição que manieta recorrer as seus présti- xadrez político angolano, o PRS corre o risco de per- radical, mas regeneradora
o eleitor a votar a sigla e mos para formar gover- sendo que a recíproca será der mais um ou dois de- do tecido humano , polí-
imediatamente no can- no, ou seja tanto o MPLA a mais provável, até por- putados e a FNLA corre o tico e social, anunciando
didato às presidenciais e como a UNITA, que por que o próprio Chivuvuku risco de nem sequer fazer um fim de uma Nova Era,
vice-versa), os partidos da sinal sustenta um Gverno já admitiu uma provável eleger um deputado, para contra a velha ordem polí-
oposição divididos como Inclusivo Participativo, aliança com o MPLA, em não falar da APN, que con- tica autoritária implantada
sempre em “questiúnculas com quadros inclusive finais do ano passado, em trariamente ao que prome- pelo MPLA faz tempo, sob
de capela”, com cada um oriundos do MPLA, des- entrevista à TPA, colocan- teu obter 20 deputados, o manto diáfano da cor-
dos líderes a buscar prota- de que – argumentam- se do como condição que o contentar-se-á com mui- rupção galopante e gan-
gonismo, ao invés de colo- mostrem “capazes, hones- MPLA se despojasse da tos dos votos que apanha- grenosa, cujos tentáculos
car o interesse nacional em tos e patriotas.” O MPLA contingência desprezível rá de boleia dos eleitores tenebrosos nos ameaçam
cima das quezílias partidá- também não se deixará da corrupção; exercício da UNITA, que poderão devorar a todos… tais são
rias ou dos interesses de ficar a ver navios, se um hercúleo este, senão mes- confundir o imbondeiro os vícios enraizados na
grupos, que buscam indi- tal cenário provável ocor- mo impossível e um dos negro do n. 2 na lista elei- engrenagem do sistema
vidualmente a hegemonia rer, vai piscando o olho à grandes desafios que João toral, com o “galo voa”. Tal totalitário e da estranha
assacada ao MPLA, numa CASA-CE, a julgar por um Lourenço terá de enfrentar é a aparência que a UNI- “acumulação primitiva do
reedição da supremacia certo tratamento paterna- de peito aberto, sob pena TA deveria impugnar e o capital”, que só favorece
étnica, regional, racial ou lista, regra geral, na media de ser trucidado pela bur- TC, consequentemente, uma minoria de aparen-
elitista que não aproveita o pública, contra corrente guesia parasitária que se deveria pronunciar-se na temente iluminados pelo
processo democrático e a dos últimos acontecimen- instalou no poder a custa devida hora conforme sua destino.
// NACIONAL
30 OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

ONTEM UMA COISA, HOJE


OUTRA. E AMANHÃ, ABEL?

O
cabeça-de- que o problema principal é eleição, indirecta, para Pre- delo (forma) de Estado, radicar a pobreza extrema
-lista da escola e hospital. E é pre- sidente da República, nas ao sistema de Governo, durante os próximos 10
coligação ciso que todas as nossas eleições gerais de Agosto, ao modelo de eleição do anos”, através de “práticas
CASA-CE crianças possam ter esco- que dedica o dia de sábado Presidente da República, rigorosas, de planeamento,
às eleições la, para estudar e para o à campanha na província e a solução pacífica do di- transparência e vocação
gerais an- futuro delas ser diferente. de Benguela. ferendo sobre Cabinda”, social”, são outras pro-
golanas, Mas também precisámos A coligação CASA-CE refere o quarto compro- messas eleitorais da única
Abel Chivukuvuku, de- de ter saúde, porque se apresenta-se a votos ainda misso assumido pela coli- coligação de partidos con-
fende que a educação e a não tivermos saúde, não com a promessa de imple- gação. corrente às eleições gerais
saúde são áreas prioritá- podemos trabalhar”, expli- mentar o poder autárquico A CASA-CE viu em Maio em Angola.
rias para a próxima legis- cou Abel Chivukuvuku, no em Angola até 2019 e de confirmada a adesão dos A implementação do po-
latura, criticando o MPLA contacto com os apoiantes rever a Constituição quan- partidos Bloco Democráti- der local autárquico em
pelos “42 anos de pobreza” do Cunene. “Essas são as to à forma de Estado e ao co e PDP-ANA à coligação, 2019, “como meio de
do país. no município de prioridades, mas para isso sistema de Governo. que se juntaram ao Partido concretizar a participa-
Ombadja, na província do é preciso mudar”, enfati- A lista liderada por Abel de Aliança Livre de Maio- ção política efectiva dos
Cunene, o líder da CASA- zou, por entre criticas à Chivukuvuku aposta em ria Angolana (PALMA), cidadãos, assente na éti-
-CE resumiu as dificulda- governação do país, que levar ao eleitorado uma Partido Nacional de Sal- ca, na moral, na compe-
des do país, num encontro desde a independência an- proposta de cinco anos vação de Angola (PNSA), tência e na humanização
informal com apoiantes, golana, em 1975, está a car- (a próxima legislatura) de Partido Pacífico Angolano da prestação de servi-
no âmbito da campanha go do MPLA. “governação patriótica” (PPA) e PAADA – Aliança ços” e “prestar atenção
para as eleições gerais de “Têm sido 42 anos de so- assente em 20 compro- Patriótica. adequada aos assuntos
23 de Agosto. frimento, 42 anos de po- missos. Garantir em cinco anos a da mulher e da criança”,
“Estive aí com umas ma- breza”, acusou o líder e “Proceder à reforma cons- auto-suficiência alimentar são outros compromis-
mãs que me explicaram candidato da CASA-CE à titucional, quanto ao mo- em produtos básicos e “er- sos.
NACIONAL \\
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017 31

E para além da campanha, existe algo mais?


hegada a campanha elei-
toral e, mais uma vez,
torna-se visível a aposta
em gente de boa vontade
mas de nula competência
ou experiência. No caso
da CASA-CE, na lista de
candidatos ao Parlamen-
to, vimos Justino Pinto de
Andrade atrás da esposa
de Abel Chivukuvuku e
até de Lindo Bernardo
Tito.
Abel Chivukuvuku esque-
ce-se, volta a esquecer-se,
ou deram-lhe informa-
ções erradas, que a com-
petência ou a experiência
não se conseguem por de-
creto nem são resultado
de laços familiares ou de
índices de bajulação.
Farto de ver a UNITA
a autodestruir-se, Abel
Chivukuvuku partiu para
outra luta, liderando a
CASA-CE. Fê-lo porque
entendeu que a UNITA
não era uma força com a elogiam e abraçam pela O anúncio foi feito em dente da Convergência uns começaram a ter, e
necessária dinâmica de frente mas que o criticam Benguela, onde Abel Chi- Ampla de Salvação de são os novos colonos do-
vitória para enfrentar o e apunhalam pelas costas. vukuvuku falou de pobre- Angola falava também em mésticos, e outros deixa-
MPLA. E tinha razão. Mas, Acomodou-se. Perdeu e, za e das políticas públicas. colonialismo doméstico e ram de ter porque são os
afinal, está a cometer os mais do que isso, corre o Antes de avançar para a tecia duras críticas ao Go- excluídos”, acusou Abel
mesmos erros para gáudio sério risco de ser politica- construção da cadeia, o verno devido ao que cha- Chivukuvuku.
dos seus adversários, no- mente humilhado. Se tal líder da CASA-CE prome- mava de falta de projecto “O mais grave das nossas
meadamente do MPLA.A acontecer verá que o exér- teu melhorar a situação de Nação. sociedades é o espírito de
seriedade, honestidade e cito de supostos amigos… social do trabalhador an- “Agora são José Eduardo resignação voluntária do
patriotismo de Abel Chi- deixou de existir. golano. dos Santos, Manuel Vicen- cidadão e ausência do es-
vukuvuku não são sufi- A CASA-CE tem um líder Perante centenas de mili- te, Kopelipa, colonialismo pírito de reivindicação”,
cientes para lutar contra sério, honesto e patriota tantes da CASA-CE e re- doméstico, e a partir daí concluiu Abel Chivuku-
uma máquina que está no que consegue pôr o país a presentantes da sociedade entrámos no tal ciclo de vuku, que lamentou que
poder em Angola desde mexer, não temendo dizer civil, Abel Chivukuvuku reprodução da pobreza: “aceitamos a pobreza”.
1975. Chivukuvuku pode- as verdades que os ango- deixou claro que a situa-
ria lá chegar. Pena é que lanos querem ouvir, não ção de pobreza, que atinge
tenha preferido as ideias temendo dizer quais são as 60 por cento da população,
de Poder em vez do po- soluções necessárias para mereceria destaque na sua
der das ideias. “Depois que Angola deixe de ser campanha eleitoral.
de ter avaliado o contexto apenas o reino esclavagis- Abel Chivukuvuku consi-
que Angola vive – em que ta do MPLA. derava – e não tinha medo
não está claramente visí- “Por norma eu não entro de o dizer – que existe um
vel que hoje somos uma em coisas que não têm fio condutor capaz de ligar
alternativa ganhadora – e pernas para andar. E se as a corrupção aos actuais ní-
consultado vários colegas pessoas me viram a anun- veis de pobreza.
de direcção do partido e ciar que sou candidato é Aqui chegado, disse não
militantes, tomei a decisão porque houve um tempo ser sensato que se casti-
consciente de candidatar- de maturação, houve um gue o agente da polícia
-me com um único propó- tempo de análise, houve que pede uma «gasosa» ao
sito: fazer da UNITA uma um tempo de estudo, hou- automobilista, enquanto o
efectiva alternativa que ve um tempo de consulta, ministro se mantém im-
possa ganhar as eleições houve um tempo de pre- pune.
em 2008 e instaurar em paração”, dizia há dez anos “Vamos criar uma polícia
Angola um modelo posi- Abel Chivukuvuku. especial contra a corrup-
tivo de governação”, afir- Em caso de vitória nas ção como os sul-africanos
mou em Janeiro de 2007 eleições de 2017, o presi- tinham chamada Scor-
Abel Chivukuvuku. dente da CASA-CE , Abel pions, mas com ordens
Não ganhou a liderança Chivukuvuku, prometeu para começar a apanhar de
da UNITA e formou o (Junho de2015) construir cima, e vamos construir no
seu próprio partido. Hoje uma cadeia exclusiva para Sumbe uma cadeia espe-
é claramente um líder ro- gestores públicos do actual cial para os mais velhos”,
deado da fariseus que o Governo, no quadro de um garantiu Chivukuvuku.
plano anticorrupção. Nesses tempos, o presi-
32
/ / aCTUALIDADE OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

O
Governo Inclui ainda a moderni-

ODEBRECHT
angolano zação da barragem de
vai en- Capanda, inaugurada em
tregar a 2005, após 18 anos de cons-
operação trução por um consórcio
e manuten- que envolveu empresas
ção de três russas e também a própria
barragens aos brasileiros Odebrecht.

E MPLA?
da Odebrecht, por mais A operação e manutenção
de 830 milhões de euros, das três centrais, incluin-
conforme despacho do do ainda a modernização
Presidente, José Eduardo de Capanda, vai “propor-
do Santos, de 1 de Agosto. cionar maior segurança e
E se, no dia 23, a Oposição estabilidade na produção
ganhar? Pois é. Terá, teria, e fornecimento de energia

CORRUPÇÃO,
de cumprir rigorosamente eléctrica, contribuindo de
o que sua majestade assi- forma significativa para o
nou, vinculando o Estado. desenvolvimento econó-
Segundo o documento, o mico e social do país”, lê-se
contrato com a construto- no despacho assinado por
ra brasileira prevê a “ope- José Eduardo dos Santos,

É CLARO
ração e manutenção” das autorizando o contrato.
centrais hidroeléctricas Este negócio com a Ode-
de Cambambe e de Laúca brecht está avaliado em
– que a Odebrecht cons- 993,4 milhões de dólares
truiu este ano -, bem como (836,8 milhões de euros),
de Capanda, todas no rio segundo o despacho presi-
Kwanza. dencial.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
aCTUALIDADE\\ 33

Odebrecht e MPLA, MPLA e Odebrecht


Recorde-se que, no passa- leste de Nova Iorque.
do dia 13 de Abril, ficou a A sanção multimilionária,
saber-se que um ex-gestor que foi conhecida num
da construtora brasileira tribunal de Brooklyn, re-
Odebrecht afirmou em sultou de um acordo ne-
depoimento à procurado- gociado pela construtora
ria brasileira que o grupo brasileira com o Depar-
pagou uma comissão de tamento de Justiça, bem
20 milhões de dólares a como com as autoridades
um ministro angolano, de Brasil e Suíça.
cujo nome não foi reve- Segundo o Departamento
lado. Hilberto Mascare- de Justiça, a Odebrecht pa-
nhas Alves da Silva Filho, gou cerca de 788 milhões
apontado como antigo di- de dólares em subornos
rigente do departamento em 12 países de África e da
de comissões na gigante América do Sul, incluindo
brasileira da construção, o Brasil, onde anda a ser
afirmou ainda em depoi- investigada há mais de
mento na Procuradoria- dois anos no quadro da
-Geral da República (PGR) formação de que o paga- recuperados cerca de 10,1 de euros). corrupção na petrolífera
brasileira, no âmbito das mento da suposta propina mil milhões de reais (três Entretanto, um juiz federal estatal Petrobras.
investigações da operação teria sido efectuado por mil milhões de euros) e de Nova Iorque condenou Em Dezembro último,
Lava-Jato, que o dinhei- intermédio do Sector de efectuadas 198 detenções, no dia 17 de Abril a Odebre- um tribunal de Nova Ior-
ro foi transferido para o Operações Estruturadas segundo a imprensa bra- cht a pagar uma multa de que já tinha condenado a
Banco Espírito Santo no da Odebrecht preliminar- sileira, a partir de dados 2,6 mil milhões de dólares petroquímica brasileira
Dubai, e registado no pla- mente, mantido o sigilo fornecidos pelo Ministério (2,4 mil milhões de euros), Braskem, controlada pelo
neamento de comissões dos presentes autos, deter- Público Federal (MPF). pelo escândalo dos subor- grupo Odebrecht, a pagar
da Odebrecht. mino a remessa dos autos Além daquele valor, en- nos em países de África e uma multa de 632,6 mi-
O juiz de investigação, ao Ministério Público para contram-se actualmente da América do Sul. lhões de dólares.
Edson Fachin, remeteu o que se manifeste sobre a bloqueados por determi- A empresa brasileira vai O pagamento de subor-
depoimento e pediu a ma- aplicabilidade da lei penal nação judicial mais de 3,2 ter de pagar 2,39 mil mi- nos foi feito a propósito de
nifestação do Ministério brasileira aos factos nar- mil milhões de reais (955 lhões de dólares no Brasil, “mais de 10 projectos em 12
Público Federal brasileiro rados”, escreveu Edson milhões de euros) em bens 116 milhões na Suíça e mais países: Angola, Argentina,
sobre o alegado pagamen- Fachin. de pessoas investigadas. 93 milhões nos EUA em re- Brasil, Colômbia, Repúbli-
to de “luvas” no valor de A operação Lava Jato, que O MPF pediu desde o iní- sultado da sentença ditada ca Dominicana, Equador,
20 milhões de dólares (18,8 investiga crimes de cor- cio das investigações a pelo juiz Raymond Dearie, Guatemala, México, Mo-
milhões de euros) a um rupção no Brasil, comple- devolução aos cofres pú- confirmou à agência EFE çambique, Panamá, Peru
ministro angolano. tou em 17 de Março último blicos de 38,1 mil milhões um porta-voz da procu- e Venezuela”, segundo os
“Considerando (…) a in- três anos, tendo já sido de reais (11,3 mil milhões radoria federal do distrito documentos do tribunal.
34
// ECONOMIA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

DIAMANTES DE TODOS PARA


BENEFÍCIO (SÓ) DE ALGUNS…

A
s receitas nos primeiros seis meses de diamantes atingiu os
fiscais an- de 2016, as vendas globais 8.934.000 quilates, cor-
golanas de diamantes angolanos respondente a 99,21% da
com a ascenderam a 525 milhões meta corrigida de 2016. “Se
venda de de dólares (455 milhões não tivesse havido uma
diamantes de euros), uma quebra diminuição considerável
aumen- homóloga de 1,5%. Os dia- na produção artesanal de
taram quase quatro por mantes renderam a Ango- quase 60% da produção,
cento, o equivalente a la 1.082 milhões de dólares o volume total de dia-
280 milhões de kwanzas (940 milhões de euros) mantes este ano teria
(1,5 milhões de euros), no em 2016, uma redução de ultrapassado a meta e at-
primeiro semestre, face 100 milhões de dólares ingido cerca de 102% da
ao mesmo período de (86,7 milhões de euros) cifra programada”, disse
2016. A informação re- comparativamente a 2015, o governante. Francisco
sulta de dados do Minis- segundo dados avançados Queirós anunciou an-
tério das Finanças sobre em Dezembro passado teriormente a entrada
a arrecadação de receitas pelo ministro da Geolo- em operação do maior
diamantíferas entre Janei- gia e Minas de Angola, kimberlito do mundo, o
ro e Junho de 2017, apon- Francisco Queirós. “Em Luaxe, na província da
tando que Angola vendeu 2016, o subsector dos dia- Lunda Sul, e de outros
em seis meses 4.712.584 mantes registou um bom projectos de média e
quilates, que renderam desempenho no que se pequena dimensão nas
7.566 milhões de kwanzas refere à produção indus- províncias diamantíferas
(39,6 milhões de euros) trial, tendo-se registado das Lundas Norte e Sul,
em receitas fiscais, como uma diminuição consid- de Malanje, do Bié e do
Imposto Industrial e “roy- erável no mercado artesa- Cuando Cubango, o que
alties” pagos pelas empre- deram a 517 milhões de exportar cada quilate a nal motivado pela escassez levará à duplicação da
sas mineiras. As vendas dólares (450 milhões um preço médio de 123 de divisas no mercado produção diamantífera
globais no primeiro se- de euros), período em dólares, pico atingido no cambial”, explicou o min- angolana anual a partir
mestre de 2017 ascen- que Angola chegou a mês de Março. Contudo, istro. A produção total de 2018.

Fartura que não serve o Povo


Angola, como todo o No que diz respeito presa conjunta da Alrosa
mundo sabe mas que aos kimberlitos, são re- e Endiama, a Kimang,
poucos dizem que sabem, sponsáveis por 950 mil está a realizar os seus
é actualmente aquele rei- milhões de quilates, en- trabalhos de prospecção
no africano que para uma quanto que os aluviões geológica numa dessas
população de 26 milhões correspondem a mais de áreas.
pessoas tem 20 milhões 50 mil milhões de qui- O estudo refere que An-
de pobres, tem potencial lates. gola tem territórios com
diamantífero nas regiões O director-adjunto da grandes probabilidades
norte e nordeste do país, Empresa de Investigação de descoberta de dia-
com dados que indicam científica na área de pes- mantes.
para a existência de um quisa e prospecção ge- Os resultados da pesqui-
total de recursos em ológica da Alrosa, Victor sa apontam que os ter-
reservas de diamantes Ustinov, que apresentou ritórios, que abrangem
superior a mil milhões de o estudo, referiu que es- as províncias da Lunda
quilates. ses dados demonstram Norte, Lunda Sul, Ma-
A informação foi divul- que o potencial kimber- lange e Bié, apresentam
gada no dia 30 de Junho lítico de Angola é 15 vez- alto potencial diamantífe-
deste ano durante a apre- es superior ao potencial ro, e sem probabilidades
sentação de um estudo aluvionar. “Ao mesmo de existência de diaman-
sobre o “Potencial Dia- tempo, podemos dizer tes as províncias do Uíge,
mantífero de Angola: Pre- que em Angola existem Zaire, Luanda e Bengo.
sente e Futuro”, realizado territórios com muito Com potencial provável,
pelos serviços geológicos boa probabilidade de o estudo indica os ter-
das diamantíferas russa, descoberta de novos jazi- ritórios integrados pe-
Alrosa, e da angolana es- gos de diamantes”, disse, las províncias do Cu-
tatal, Endiama. acrescentando que a em- anza Norte, Cuanza Sul,
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
ECONOMIA \35

Huambo, Huíla, Ben-

O Presidente falou e disse


guela, onde poderão ser
descobertas reservas
kimberlíticas com teor
médio de diamantes e
reservas aluvionares de Em Junho de 2016 o Presi- presidente executivo da sobre o preço dos diaman- aumente e isso também
média dimensão. dente José Eduardo dos Dubai Multi Commodities tes o contágio do preço do aumentará o preço”, apon-
Ainda por esclarecer Santos considerou “acei- Center (DMCC), a maior petróleo, nomeadamente a tou o administrador da
o seu potencial estão tável” a actual cotação dos zona franca dos Emirados sua drástica redução e alta estatal angolana, conces-
as províncias Kuando diamantes no mercado in- Árabes Unidos, que con- volatilidade”, lê-se na nota. sionária do sector.
Kubango, Moxico e Na- ternacional, mas defendia grega cerca de 12.000 em- Meses antes o presidente “Apesar de estamos em
mibe, devendo ser re- medidas para assegurar a presas. do conselho de adminis- crise na comercialização,
alizado trabalhos de estabilidade e evitar que- Segundo a mesma infor- tração da Empresa Na- podemos dizer que te-
investigação científica, bras bruscas nos preços, mação, o chefe de Estado e cional de Diamantes de mos estado a gerir esta
defendeu o responsável. como aconteceu com o também Titular do Poder Angola (Endiama), Car- crise com bastante mes-
Victor Ustinov sublinhou barril de crude. Executivo salientou que os los Sumbula, disse que tria, em colaboração com
que uma vez realizados Aposição de sua majestade diamantes “estão com uma os países produtores dia- todos os outros países.
estudos de investigação o rei de Angola está ex- cotação aceitável no mer- mantíferos estão a reduzir Pensamos que no decor-
adicionais é possível au- pressa numa nota enviada cado internacional”, tendo a quantidade de pedras rer deste ano podemos
mentar o potencial dia- na altura ao Folha 8 pela solicitado ao dirigente preciosas no mercado para inverter a situação [que-
mantífero de Angola em Casa Civil do Presidente daquela entidade inter- travar a quebra nos preços. bra nos preços]”, disse
pelo menos 50%. da República, referindo- nacional que tenta travar “Em cooperação com to- na altura o PCA da En-
“Com o potencial de 1,5 se à reunião mantida a o negócio dos ‘diamantes dos os países produtores diama, apontando a falta
mil milhões de quilates 23 de Junho de 2016, em de sangue’ para “ajudar a do mundo, estamos a re- de publicidade dos dia-
de diamantes podemos Luanda, com Ahmed Bin assegurar a estabilidade do duzir a quantidade de dia- mantes a nível mundial
estar seguros que o sec- Sulayen, presidente do seu preço”. mantes no mercado para como justificação para a
tor de mineração vai se Processo Kimberley e “Evitando-se que ocorra fazer com que a procura “crise”.
desenvolver de forma
significativa”, disse, in-
dicando trabalhos que
devem ser desenvolvidos
nesse sentido.
“É necessário desen-
volver novos métodos
de prospecção que per-
mitam descobrir jazigos
kimberlíticos e aluvion-
ares a grandes profundi-
dades, usando métodos
de estudos geofísicos,
geoquímicos, análises de
imagens espaciais e estu-
dos analíticos”, disse.
A finalizar, Victor Usti-
nov sublinhou que o po-
tencial diamantífero de
Angola “é muito alto e
nos próximos anos o país
será palco de grandes
descobertas”.
No final da apresen-
tação, em declarações à
imprensa, o ministro da
Geologia e Minas de An-
gola, Francisco Queirós,
disse que a informação
apresentada é de grande
utilidade para Angola,
“não só para efeitos
pedagógicos, científi-
cos, como também para
o trabalho que se está a
realizar de recolha de
informação ao nível do
Plano Nacional de Geo-
logia (Planageo)”.
Francisco Queirós disse
que Angola está a trabal-
har com as autoridades
da Rússia para a recolha
geológica em posse rus-
sa, trabalhos realizados
para integrar na base de
dados do Planageo.
36
// CRÓNICA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Lubazandyo Mpemba Bula

SEIS RAZÕES PARA OS


CABINDAS NÃO VOTAREM

S
ão, em re- Devem vir com um dis-
sumo, seis curso de verdade, único
razões que e que consiste em dizer
devem mo- que chegou a hora de nos
tivar o povo separarmos amigavel-
de Cabinda mente e manter relações
a abster-se de irmandade, de Estado
nas eleições angolanas de para Estado, através de
23 de Agosto. A única ma- um acordo amigável ou
neira de construir o nosso por um referendo de auto-
futuro é de permanecer- determinação.
mos nós mesmos em 5. A única diferença que
todas as circunstâncias, caracteriza o MPLA e a
afirmar sempre o que so- UNITA para capturar
mos, com a nossa história, os votos em Cabinda é o
cultura e identidade. facto de que um opta pela
1. Ao longo dos 42 anos de força, corrupção e fraude,
ocupação, de integração e outro por uma técnica
forçada e brutal de Cabin- que consiste em recru-
da em Angola, realçando tar os cabeças-de-lista do
a uma longa guerra de re- círculo de Cabinda como
sistência que os angolana independentes e, uma vez
nos impõem desde 1975, eleitos, torna-los mem-
não é a primeira vez que bros efectivos de pleno
o povo de Cabinda partic- direito. E amanhã podem
ipa nas eleições angolanas negar todas vantagens
para obter uma parcela de mas não vão mudar nada
dignidade na comunidade no seio dum Parlamento
de vida com os angola- que serve de caixa de reg-
nos, e os resultados têm isto para as leis do MPLA.
sempre mostrado que A oposição nunca ganhou
não é votando em Agosto nada para seu eleitorado.
próximo que de repente 6. Para terminar, faço
as coisas vão mudar para minhas as palavras do il-
Cabinda ustre Dr. Raul Tati que,
2. Nós sabemos que não na sua mensagem para o
é fácil para um povo seu eleitorado disse que:
que vive sob constantes “O nosso voto não fará
ameaças de armas não de nós menos cabindas
participar nas eleições, vis- nem mais angolanos do
to que o partido no poder mos. Isto porque o MPLA lado dos angolanos, so- nossa parte, uma manifes- que já somos. A verdade é
em Angola e os partidos ainda não está preparado bretudo no MPLA e na tação da verdade histórica que não podemos mudar
da oposição fazem deste de organizar uma eleição e UNITA, e contribuiu sig- da nossa situação pelos an- o passado, mas podemos
período um momento de perder para depois aceitar nificativamente na luta de golanos, por que um povo construir o presente e o
grandes mentiras para uma alternância política libertação de Angola. Os que já sofreu o que o povo futuro que pretendemos.
alguns e um momento sem dificuldades. exemplos são muitos e eu angolano experimentou Isto está nas nossas mãos”!
de falsas promessas para 3. Para aqueles que entre não os posso listar aqui, durante o colonialismo A única maneira de con-
os outros. E mesmo para nós ainda têm a memória, como Pedalé, Fati Veneno, português, não pode dar- struir o nosso futuro é de
aqueles que têm grandes não é necessário dizer-lhes Nicolau Gomes Spencer, se ao luxo de colonizar um permanecermos nós mes-
sonhos, é uma visão do que devemos estar sempre Nzau Puna, Toni da Costa outro povo irmão nas mes- mos em todas as circun-
inferno pretender que o presente nos principais Fernandes etc.. mas condições ou pior. As stâncias, afirmar sempre
voto dos Cabindas possam areópagos políticos an- 4. As mudanças políticas forças democráticas e pro- o que somos, com a nossa
servir para reforçar a de- golanos onde se decide a que todos nós esperamos gressistas angolanas não história, cultura e identi-
mocracia angolana e traz- nossa vida e o nosso des- da parte dos angolanos é devem vir a Cabinda com dade.
er as grandes mudanças tino. O povo de Cabinda especialmente a prática da discursos vazios e prom-
sempre esteve presente boa governação e justiça eter sei lá uma chamada
que todos nós aguarda- (*) Chefe do Gabinete da
e de forma construtiva ao social para todos e, da autonomia para Cabinda.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
CRÓNICA \\ 37

Sedrick de Carvalho

Juventude angolana
em busca da afirmação

O
s jovens an-
golanos, nós,
deve pensar
e agir em
prol da co-
lectividade
com o objectivo de insta-
lar a democracia no nos-
so país, e pode fazer isto
tendo como foco dar edu-
cação em Direitos Huma-
nos aos que não têm co-
nhecimento de que estes
direitos existem, devem
ser implementados e pre-
servados. E os activistas
têm um papel cada vez
mais preponderante na
luta pela implementação
e cumprimento dos Direi-
tos Humanos em Angola.
E para os próximos anos
esse desafio será maior.
Mas também importa
frisar que o que se faz
em termos de activismo
em Angola é fruto duma
engenharia tipicamente
angolana, e tem surtido
resultados conhecidos.
Mas pode ser feito mais.
E só não se faz por falta
de apoios, principalmente
interno.
Externamente, visto que
no país pouco há com que democracia. onde apenas dois por cen- aspecto que a juventude -me que 20 deputados com
se contar, organizações E outro desafio que en- to da população tem mais angolana que milita em menos de 40 anos são pou-
de defesas dos Direitos frentaremos ainda nos de 64 anos, segundo dados partidos políticos tem de cos. E são. Mas também
Humanos como a Trans- próximos anos é a repres- do último censo realizado. compreender. As direc- lhe disse que não são
parência e Integridade, são protagonizada pelo Mas o que importa aqui ções dos partidos políti- tão poucos assim. Nuca
Amnistia Internacional, governo angolano. O que realçar é o que os jovens cos angolanos, +composta serão poucos se a razão
Frente Cívica, Federação chamam de eleições é uma deputados em Angola fa- esmagadoramente por e a energia da idade es-
Internacional de Defesa simulação eleitoral. Assim, zem. Infelizmente, por mais velhos, asfixiam o tiverem do seu lado. Se
dos Direitos Humanos, e o sucessor indicado por não existir transmissão pensamento dos jovens, não se deixassem amor-
tantas outras, poderiam quem será substituído é al- televisiva nem radiofónica a energia e a irreverência daçar pela disciplina
elaborar planos semes- guém que certamente vai das sessões parlamenta- típica da juventude. A cha- partidária e interesses
trais ou anuais de forma- dar continuidade ao mode- res, pouco podemos saber mada disciplina partidária materiais, Angola teria
ção contínua para jovens lo actual, e há vários aspec- sobre o que fazem. Mas a impera em todas as orga- um parlamento próximo
activistas angolanos, com tos que demonstram isso. minha percepção é de que nizações, e servem para do da África do Sul onde
vista a aumentar as capa- Muitos jovens têm ingres- pouco ou mesmo nada fa- manietar os militantes, e os 25 jovens deputados
cidades de defender os sado na política partidária. zem, pois se fizessem te- os jovens são os que mais do partido dos Lutado-
Direitos Humanos local- Actualmente o parlamento ríamos sabido por outros perdem com isto, pois esta res da Liberdade Econó-
mente. Porque a aposta angolano tem menos de 20 mecanismos. E não há ac- disciplina partidária refreia mica têm impulsionado
na educação em Direitos deputados com menos de ções externas também. o seu ímpeto revolucioná- o reposicionamento do
Humanos é a aposta na 40 anos de idade, num país É aqui onde entra outro rio. Uma deputada disse- governo.
38
// CRÓNICA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Domingos da Cruz⃰

Angola é ou não a aplicação à


letra do maquiavelismo ortodoxo?

U
ma vez que
o nosso
estágio de
percepção
não permi-
te respostas
mecânicas
nem automáticas, é prefe-
rível apresentarmos uma
breve radiografia do qua-
dro político angolano, no
âmbito do agir político e
do fazer política enquanto
administração da “res pu-
blica”.
Angola tem um Chefe de
Estado que viola a Cons-
tituição (para aprofundar
as várias violações de Dos
Santos à Constituição, leia
o livro “Para Onde vai
Angola?” de Domingos da
Cruz, porque num artigo
não é possível apresentar
tantos dados). Para não
falar do incumprimento
moral. Rememoro um:
numa reunião com os
membros do Conselho
da República em 2008,
prometeu que as eleições
presidenciais seriam após
as legislativas, mas condi-
cionou as eleições a apro-
vação da Constituição de tipartidarismo em Angola, desproporcionalmente e a sociais. Nas democradu- criação de escolas supe-
2010. Desrespeito ao povo, pp.169-75, 2008). sociedade não reage, for- ras ou ditaduras com capa riores de Filosofia nem de
desvio moral, golpe à ban- Quanto a aplicação do ças de seguranças privada democrática, por causa da Pedagogia? Porque eles
ditismo. medo, da força recomen- que são autênticos exérci- pressão internacional e sabem que uma Pedagogia
Aquando do conflito ango- dada por Maquiavel como tos e que matam sem qual- nalguns casos por causa da liberal que questione os
lano, Dos Santos decretou um instrumento funda- quer punição em Luanda, pressão nacional, as máfias “fundamentos actuais da
a guerra para acabar com mental no fazer politica e Lundas, etc., Polícia de governativas promovem educação”, que forme as
a guerra, uma premissa no governar, em relação Intervenção Rápida (PIR), a educação (de fachada) pessoas de forma diferente
de todo inaceitável do a Angola, não precisamos Defesa Civil (DC), etc. mas com uma carga ideo- do paradigma ideológico
ponto de vista ético. Para argumentar tanto porque é O nosso filósofo maligno, lógica excessiva, de tal for- exacerbado, pode causar
Filomeno Vieira Lopes, o bem visível, aliás, não po- (maligno de acordo com ma que prevalece o status questionamentos do sis-
desenvolvimento em An- dia não ser porque ele visa a hermenêutica actual) quo, o povo continua sem tema e provocar rupturas
gola, tarda porque todo o amedrontar o povo e os recomenda também para capacidade crítica. Por- (sobre a dimensão ideoló-
agir político do grupo do- adversários… para não se que não se promova o bem quê? Porque estuda, mas gica exacerbada da educa-
minante, visa a manuten- rebelarem. Esta é uma das comum, particularmente o não estuda bem, lhe é dado ção angolana, é um tema
ção do poder e a erosão do áreas onde mais se investe. direito a educação. Para o uma educação mecânica relevante que pode causar
quadro político aceitável Basta ver o material bélico caso de Angola, não é pre- que não emancipa, que um livro, por isso, propo-
e razoável (Cf. Gestão do usado pela UGP (Unidade ciso comentário. Talvez al- não lhe permite pensar, só nho que leia também o li-
Poder e Desenvolvimento da Guarda Presidencial), a gumas pessoas diriam que decorar. vro citado anteriormente,
em Angola, in O Processo selvajaria que é a Polícia temos hoje muitas univer- Você sabia que as políticas que apresenta muitas pis-
de Transição para o Mul- Nacional (PN), que sem sidades o que já pode faci- educativas não promo- tas sobre a educação ideo-
número de vezes mata litar algumas convulsões vem, nem incentivam a logizante de Angola!).
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
TOPS \\ 39

João Lourenço teve pouca sorte I

D
esde há muito tempo, sobretudo depois de se tornar evidente
aos olhos dos angolanos que a saúde de JES ia de mal a pior,
tem sido hobby dos angolanos versados em política tentar
adivinhar quais as altas personalidades do governo tinham
chances de ocupar o lugar mais alto do pódio dos candidatos
a presidente da Repúblicas. Assinalaram-se como principais
favoritos quatro mosqueteiros das finanças dúbias, na primeira linha Ma-
nuel Vicente, Hélder Júnior Vieira Dias Kopelipa e Fernando Piedade Dias
os Santos Nandó, atrás, Isabel dos Santos e Filomeno dos Santos, mas nen-
hum foi avante, o vencedor dessa corrida ao pelouro máximo foi o minis-
tro da Defesa, João Lourenço, Surpreendente e curiosa ascensão!
Para começar, a sua chegada ao topo do areópago do poder, sem querer
ofender, assemelha-se à entrada de um espermatozoide num óvulo, mais
precisamente, à entrada no óvulo duma mulher, se nos referirmos à dout-
rina cristã, que considera o espermatozoide vencedor, o que entrou no
óvulo, como sendo portador duma mensagem de Deus, a alma, que só os
seres humanos têm.
Quanto ao caso de João Lourenço, certo é que, na sua subida ao posto de
candidato a presidente da República, ele se fez acompanhar duma men-
sagem, não de Deus, é verdade, mas de Sua Excelência. Qual mensagem? ... Uma mensagem que assenta como uma luva no
teor da doutrina teológica da Igreja Católica, e não só, segundo a qual a opacidade dos mistérios religiosos permite transfor-
mar o que parece absurdo em dogma, ou seja, em inamovível e indiscutível verdade religiosa.
Ainda no que diz respeito a João Lourenço, a verdade decorrente, claro está, é a política, ou seja, a palavra de Sua Excelência
- e que louvado seja ela -, enquanto nos seus discursos de campanha, o que ele tem por missão é prometer ao povo o que
sempre lhe foi recusado. Pouca sorte.

Lourenço teve pouca sorte II

E
stupidamente apoiado pelo MPLA/Estado, João Lourenço
mostrou-se digno da missão que lhe foi confiada, percor-
reu o país todo durante 8 meses, desde Dezembro do ano
passado até vésperas da campanha oficial, presidiu e apre-
sentou o programa de governação do MPLA e acrescentou
à propaganda eleitoral do seu partidoum florilégio de reali-
zações feitas desde 2002.
Todas essas obras, apresentadas como vitórias de JES e do MPLA,
umas aparatosas outras insignificantes, foram alvo, na sua esmaga-
dora maioria, da rapacidade de agentes do partido e “amigos”, que
“chuparam” em alegre e total impunidade comissões de 20, 30 por
cento, por vezes muito mais em termos percentuais, sobre o preço
pago pelo Estado
Vai de si que, nem com reticências e pontos de interrogação, o can-
didato do MPLA aludiu às estradas esburacadas até aos seus funda-
mentos, aos hospitais a ameaçar ruir meses depois de terem sido con-
struídos e sem,médicos, sem enfermeiros e sem material gastável, às
escolas e universidades sem professores competentes, aos grandiosos falhanços no que toca à distribuição de elec-
tricidade e água e ao saneamento básico. Pois é, o problema é que quase tudo está mal e o pior é que, o que de pior
acontece em Angola é simplesmente relegado para o reino do esquecimento.
Falar dos casos Kalupeteka, dos Revús 15+duas, dos ataques à mão desarmada no BESA e no BPC (mais de 10 BILIÕES
de dólares roubados ao erário e transformados em kilapes mal-parados) denunciar os assassinatos das Brigadas da
Morte, da Secreta e do SIC, disso, não se fala, é quase tabu. Ver João Lourenço a debitar promessas inexequíveis, dá
vontade de de rir e de chorar. Teve realmente pouca sorte esse dirigente (a seguir) .
40
// CRÓNICA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

República das torturas, das


milícias e das demolições

DIÁRIO DA CIDADE DOS LEILÕES DE ESCRAVOS

NO PAÍS MALDITO Quase que sinto a minha mas do outro mundo. São sos parentes.” (Oscar Wil- nhou, criou muita fama
A crise é geral, maldita, to- alma a arder porque con- como plantas cuja raiz não de) devido às suas promessas
tal e por isso mesmo chove vivo com gente que não está bem assente no solo e Hoje, creio que pela pri- nunca cumpridas. Falo do
miséria a cântaros. tem alma, que nunca ouviu por isso mesmo desabam. meira vez exclamei: “meu maior êxito de todos os
No país maldito, creio que falar nisso. Meu Deus!, es- “Após um bom jantar esta- Deus, tira-me daqui!” Esta- tempos: OS NOSSOS AL-
é prodígio uma criança tão a fabricar pessoas sem mos dispostos a perdoar a mos, vivemos na tragédia DRABÕES.
crescer e chegar à idade alma. É por isso que são al- todos, até mesmo os nos- diária. Parece que não, mas Os sedentos de justiça há
adulta. É um milagre, di- estão a dar cabo das crian- muito que estão reprimi-
zem os religiosos. É um ças, antes, aos poucos, dos, depois de libertados o
mistério das forças ocul- mas agora muito rápido. chão tremerá, treme sem-
tas do Universo, dizem os E quando se nomeia uma pre.
feiticeiros. comissão de gestão, deve Por aqui já caiu tudo, de
Aqui tudo continua tei- ler-se: comissão de má modos que não há mais
mosamente a ser um pro- gestão. nada para cair.
blema, – muitos, muitos Deve-se legislar para que Não entendo porque é que
problemas - é uma fábrica nas empresas, organismos as pessoas se surpreen-
onde se fabricam, inven- públicos, escolas, etc., para dem com a prostituição de
tam problemas. que seja obrigatório ter menores, pois se há muito
O sentimento actual é pelo menos um conjunto as condições estão criadas.
como se uma pessoa re- de primeiros-socorros. Estão distraídas ou fingem
trocedesse no tempo e E desde quando é que ca- que nada sabem, que nada
fosse parar a uma ilha beças no ar resolvem algu- veem?
cheia de monstruosida- ma coisa? Desde nunca! Se uma pessoa é, vive
des que a todo o momen- E o famoso seriado há abandonada, claro que não
to nos perseguem para quarenta e dois anos que liga, despreza o que lhe di-
nos devorar. deslumbra plateias. Ga- zem.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
CRÓNICA \\ 41

E eis as nuvens do inten-


so nevoeiro eleitoral que
cada vez mais se aden-
sam. Depois das eleições
de 23 de Agosto, o que se
aguarda com muita an-
siedade é a reposição da
justiça, pois que há muito
que ela desapareceu deste
Texas. Será possível que
continue tudo na mesma,
pior? No rumo da nova
vida sem futuro, sem es-
perança?
Quando o militarismo
partidário se intromete, o
diálogo acaba e começa a
intolerância.
Bajular é a arte de con-
seguir ganhar o pão sem
trabalhar.
Para onde vai Angola?
Para lado nenhum!
Há muitos e muitos mi-
lhares de anos nada mu-
dou, está tudo na mesma:
guerras, desgraças, fome,
constantes assassinatos
de crianças, ditaduras,
perseguições políticas,
terrorismo, etc. Que belo
panorama, não é? E nos
reinos da selvajaria obri-
gam-nos a viver como
animais selvagens. vez que se inaugura uma morre. Embora a morte dos afectos sensíveis, nem exigidas pela comunidade
Creio que o mais terrível nova chefia ou se estria seja rápida, não deixa de só o motor da vontade, ameaçada. A mãe dos gé-
que nos pode acontecer é uma povoação. O chefe ser horrorosa, porque che- nem só a fonte do pensa- meos fica sujeita a tabus
ficarmos manietados pelo eleito crava, diante de sua ga entre convulsões e vó- mento, nem só a própria especiais. Há que advertir
poder de uma oligarquia casa, várias estacas da mu- mitos de sangue, com a pessoa na sua originalida- que nem todos os grupos
tribal africana. A corrup- lemba ficus, dedicadas aos boca cheia de espuma e de individual: é tudo isso bantos realizam estes ri-
ção e os novos-ricos são a seus antepassados ilustres os olhos injectados de san- de uma só vez». tos de iniciação. Mesmo
tribo principal e viver na e como testemunho per- gue. O «muxima» distingue- em Angola, há grupos que
subjugação de uma tribo é manente da sua nobreza. Segundo os Bacongos, o -se do coração físico do desconhecem e outros
o fim de tudo. Se alguma delas não pega, homem é composto de homem. O delicado hu- que a praticam parcial-
Não custa nada lembrar a os antepassados não estão corpo (nitu), sangue (men- manismo banto: hospitali- mente. Por isso, as nossas
conhecida frase, o destino satisfeitos; tornam-se ur- ga) que é a sede da alma es- dade, calor humano, soli- afirmações referem-se só
é muito cruel. gentes os sacrifícios propi- piritual (moyo), o princípio dariedade, agradecimento aos grupos que exigem os
Estamos sempre na mes- ciatórios de animais. específico do homem. O e cortesia revela o refina- ritos de iniciação.
ma, sempre a recuar. Vida Costuma estar presente «moyo» sobrevive à mor- mento do «muxima». Por Os companheiros de ini-
de recuos é vida sem espe- em muitos grupos, o «ár- te e passa a viver com os isso, a grande aspiração é ciação ficam unidos para
rança, de miséria, fome. bitro da justiça», «grande antepassados. A alma du- possuir um «muxima» po- sempre por laços indes-
Devidamente colonizados mestre em questão de di- pla (nfumu nkutu), alguma deroso, viril, já que dirige, trutíveis. Ajudam-se e
pela miséria e fome. Mais reito», que no Nordeste coisa semelhante à alma em definitivo, define e va- defendem-se uns aos
uma vitória total e com- angolano, se denomina sensitiva, completa a per- loriza o homem. Analisar o outros. Nasce um sólido
pleta. Outra frase muito «nganji». Intervém, não sonalidade humana, pois coração equivale a analisar sentimento de fraternida-
conhecida, não há mal que como conselheiro, mas é o princípio da percepção a totalidade do homem. de, chamam-se «irmãos».
sempre dure. Mas por aqui como guarda legal do de- sensível. Reside no órgão Certos grupos bacongos Estes laços podem preva-
já há demasiado que dura, pósito jurídico comuni- auditivo e anima ouvidos asseguram que alguns gé- lecer sobre os familiares e
será que veio para ficar? tário. É um jurisconsulto, e vista. Pode andar erran- nios, cujo habitat é a água, clânicos, porque os precei-
Eis alguns excertos da cul- cuja sabedoria e prudência te durante as síncopes e podem introduzir-se no tos da iniciação são sagra-
tura que caiu no esqueci- acumulam os códigos tra- o sono. Origina a sombra corpo do banhista. Pela có- dos. Juro pela «muhanda»
mento. Se não caiu, pouco dicionais. que segue o homem. De- pula encarnam e originam (nome quimbundo des-
falta. É a crise geral, total, Nos ordálios, o adivinho saparece à hora da morte. filhos anormais, como os tes ritos de passagem), é
como um banco sem siste- mistura o veneno com O nome, quarto elemento, albinos e gémeos. Outras uma expressão sagrada.
ma: A audiência é pública, água e obriga os presu- deve mudar sempre que se vezes, atribuem o nasci- O grande rito termina por
aberta a toda a comunida- míveis culpados a pegar dá uma mudança substan- mento anormal à infideli- juramentos solenes: «Nem
de, à excepção dos não ini- numa colher de pó e a in- cial na pessoa. dade materna, pois que um à mulher com quem dor-
ciados e das mulheres em geri-lo com água. Devem O «muxima», coração em só pai não pode gerar dois mires poderás contar o
impureza menstrual. Em tomá-lo em jejum. Passado quimbundo angolano, en- filhos. Os gémeos são con- que fizestes na muhanda;
Angola, serve de fórum a pouco tempo, um dos acu- cerra toda a riqueza do siderados, em muitos gru- esconde, nega, desfigura,
praça aberta debaixo da sados vomita com fortes universo pessoal do ho- pos, anormais e perigosos senão morrerás». (Cultu-
mulemba, a árvore herál- convulsões; a sua inocên- mem. «Não é só a origem e para a sociedade. Daí as ra Tradicional Bantu. Pe.
dica e tutelar das chefias cia está provada. Outro o conjunto das emoções e cerimónias propiciatórias Raul Ruiz de Asúa Altuna.
bantus, que plantam cada
42
// CULTURA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Por GIL GONÇALVES

TROVA DO POVO
QUE SE DESTRUÍA

Vi um povo que se destruía


Com festas e feitiçaria
Nada mais havia
Só fantasia
Miséria fabricar
A fome transportar
Nas margens a transbordar
Tudo vai alagar

No tempo a acumular
Muita coisa faz lembrar
Cansar
De esperar
Sopram ventos da destruição
Que será desta nação?
Já se apronta o caixão
Para a festiva ocasião

Sem capacidade de decidir


É o deixa-te ir
Porque no fingir
Luaty Beirão na Festa Literária
Está o porvir
Internacional de Paraty
Quando a fome a sério apertar
O activista angolano Luaty Beirão foi um de convidados estrangeiros para a
Nas jangadas vão navegar
A Europa alcançar
décima quinta edição da Festa Literária Internacional de Paraty (República
E de Angola não lembrar Federativa do Brasil), juntamente com o conceituado escritor angolano
Quem não aos tempos se adaptar José Eduardo Agualusa e a escritora Maria Valéria Rezende.

O
Não saberá governar
escritor e can- em comentários autoirônicos. Um locutor de Sessão da Tar-
Na ignomínia vai continuar tor angolano Vencedora do Prêmio Jabuti de poderia fácil resumir o “fil-
No poder se quer perpetuar Luaty Bei- em 2014 pelo livro “Quaren- me da vida” de Maria Valéria
rão encerrou ta dias” (Alfaguara), a autora Rezende com algo na linha
Angola subjugada por uma casta a cantar rap e religiosa se descreveu, já no “essa freirinha do barulho vai
composto para começo, como “meio cega e aprontar altas confusões”. Ar-
Ainda ninguém lhe disse basta
a filha pequena meio fraca do juízo”. rumou espaço inclusive para
Não há nada a esperar a boa mesa de que participou Mais tarde, antes de fazer uma pedir ajuda para um encontro
Só miséria e chorar no dia 29 de Julho na 15ª Festa leitura, colocou os óculos e se do grupo Mulherio das Letras,
Isto está cada vez pior Literária Internacional de Pa- referiu a si própria como “a que vai ter um encontro em
Cada vez mais triste raty. Sendo ele quem é, o lado ciborgue aqui”. Ao se lembrar João Pessoa, onde ela mora.
ativista ficou evidente em ver- da época em que, morando No fim, Maria Valéria Rezende
Dizem que não há melhor
sos que questionaram, dentre numa comunidade pobre do já estava ficando como princi-
Que como tal nunca viste outras coisas, a saúde pública. nordeste, escrevia com muita pal acontecimento da mesa,
Mas o artista, que contou da intensidade, explicou: “Na- mas então a mediadora pediu
Prossegue a farsa eleitoral sua prisão em 2015 por estar quele tempo em que eu não ti- a Luaty que rimasse. Antes, o
Neste país do carnaval a ler com amigos a obra de nha artrose e tinha dois olhos”. autor do diário da prisão “Sou
Gene Sharp - um livro consi- Mais recentemente, admitiu, eu mais livre, então” (Tinta-
A farsa eleitoral passa
derado subversivo em Angola até que gostaria de ter pas- -da-China) e da coletânea
Com a bandeira da desgraça (na cadeia, fez greve de fome sado um tempo encarcerada, de letras “Kanguei no maiki”
por 36 dias), não brilhou sozi- pois isso talvez ajudasse a (Demônio Negro) disse: “Rap
As crianças abandonadas nho. concluir um livro (“cela espe- é singularmente a forma de in-
São às manadas A sua parceira de debate, a cial, essas coisas”). A esperan- tervenção mais ativa e mordaz
freira, escritora e debochada ça, segundo ela, era alimenta- que existe na sociedade. Não é
O PIB está a crescer
Maria Valéria Rezende, ar- da pelo facto de que uma obra o jornalismo, nada. É o rap que
E as crianças a morrer rancou risos com histórias anterior ter tido patrocínio da fala diretamente e bota o dedo
que terminarm quase sempre Petrobrás. na ferida”.
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
CULTURA \\43

Festa Literária Internacional Paraty


Escritores resistiram a experiências
de prisão por meio da palavra
“Na prisão não temos com quem conversar, a escrita era meu desabafo”, afirmou o autor angolano Luaty Beirão,
preso pela polícia durante um encontro em grupo que discutia a obra “Da ditadura à democracia”, de Gene Sharp.
Foi acusado de atentar contra o chefe de Estado, de associação criminosa e de agir premeditadamente contra o
país.

O
tema do Adelaide leu um poema ta altura, estava metida em urbanas, chegando a criar cesso eleitoral. Angola é
confina- de sua autoria, somado ao esconder pessoas, arrumar cartilhas pedagógicas. supostamente uma de-
mento e depoimento de Dora Lara passaporte, salvar gente.” Músico desde 1994, Luaty mocracia, mas não consi-
da escrita Barcelos, retirado do do- Precisou sair do Brasil e sentiu que sua música era go pôr meu livro a ler em
atraves- cumentário Retratos de foi viver na Europa, apor- insuficiente para emitir Luanda, foi embargado
sou a mesa identificação, assinado por tando na Itália. Quando mensagens críticas, por pela alfândega.” O mesmo
“Kanguei Anita Leandro. quis retornar, precisou ir não terem aceitação em ocorreu com um CD de
no maiki – Peguei no mi- Além de escritores, Maria aos Estados Unidos, pas- rádios e outros canais. Luaty, porque o considera-
crofone”, que reuniu tam- Valéria e Luaty são ativis- sar pelo México, entrar “Percebi que não produ- ram subversivo.
bém a premiada escritora tas. Durante a ditadura, no Brasil por Manaus; e zia a transformação que Questionado pela media-
e freira da Congregação Maria Valéria ajudava pre- só parou sua caminhada um jovem anseia.” Sobre dora, o escritor relatou
de Nossa Senhora Maria sos políticos, entre eles o no sertão de Pernambuco. a ocasião em que foi pre- também assuntos identi-
Valéria Rezende, no Audi- escritor e frei dominicano A partir de 1973, começou so, em uma megaoperação tários, e como lida com a
tório da Matriz. Frei Betto, visitando se- a escrever em sua casa de policial, Luaty contou: “Em questão de ser um homem
Abrindo a mesa com uma manalmente a Prisão Ti- taipa, para enfrentar a so- 2011, havia também esse rico e branco em meio a
intervenção contundente, radentes, entre 1968 e 1971. lidão e ter o que pudesse sonho de que podíamos uma sociedade que ele
parte da série “Fruto es- Os presos conquistaram o ler. Reuniu alguns desses também nós terminar o próprio luta para demo-
tranho”, a pernambucana direito de fazer artesana- textos em livro, e escre- longevo mandato do pre- cratizar. “Desde os 17 anos,
Adelaide Ivánova relatou to e produziram um cinto veu outras múltiplas obras, sidente José Eduardo dos passei a pensar nisso. Sei
histórias de feminicídio, com o qual, sem vigilância, permeadas por própria Santos, que à época durava que sou responsável, que
tanto recentes quanto do a freira conseguia levar vivência, inclusive a de de 32 anos”. Agora o polí- preciso me libertar e fazer
período da ditadura mili- cartas que distribuía aos confinamento. Além disso, tico decidiu se aposentar e algo. O que produzo me dá
tar brasileira, numa escrita familiares dos detidos. As- a escritora trabalhou com novas eleições vão ocorrer um conforto de pensar que
que tem como base o pen- sim nasceu inclusive um alfabetização em presídios, em Angola. estou fazendo o que me é
samento de Susan Sontag. livro de Frei Betto. “A cer- zonas rurais e periferias “Estamos vigiando o pro- humanamente possível.”
44
// CULTURA OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Resenha Crítica de Doutoramento


Abreu Paxe apresenta o provérbio como
elemento produtivo da cultura angolana
A tese de doutoramento de Abreu Castelo Vieira dos Paxe, “A migração fractal do provérbio: práticas, sujeitos e
narrativas entrelaçadas”, apresenta-se como um roteiro seguro para compreender a natureza do provérbio, mas
também para compreender a realidade social fértil a qual o produz, reproduz ou dialoga com suas manifestações
como palavra, imagem ou dança. Daí a proposta de falar sobre as tradições angolanas, sem deixar de observar
como elas são dinâmicas, moventes, plurívocas e como essas vozes que saltam para o presente compõe sentidos
produtivos a partir de novos contextos.
TEXTO DE Rosana Baú Rabello*

A
breu Paxe tos e a complexa teia de
nos mostra imagens, gestualidades e
que é pre- sonoridades ligadas a ele,
ciso com- as quais permanecem sig-
preender nificativas, expandem-se
que não e/ou desdobram-se em
há compo- diversas expressões da
sição cultural, social ou atualidade angolana.
política que se apresente Ao ressaltar a importân-
estática. Da mesma for- cia e a produtividade dos
ma, mostra que o pro- provérbios no tecido da
vérbio não é visto apenas cultura angolana, a tese
como dado da tradição conduz uma relevante
congelada. É, por outro discussão sobre o patri-
lado, matéria prima que mônio imaterial angolano
potencializa a reflexão e a e sobre a necessidade de
recriação, elemento capaz sistematizar seu registro
de fazer expandir a força e conduzir sua valoriza-
que o alimenta e o torna ção nos campos da pro-
vivo, atuante. É essa po- dução de conhecimento e
tência que a tese explora, de ensino formal. Enten-
com uma compreensão der que o provérbio faz
crítica bastante apurada. parte de uma cultura viva
O estudo dos testos de e atuante, a qual penetra
panela e das esteiras, em os mais diversos espaços
Cabinda, região norte de sociais, pode ser um dos
Angola; dos desenhos so- caminhos para valorizar
bre areia e da arte rupes- sua discussão e sua in-
tre, na Lunda, região leste; tegração no âmbito da
assim como das danças de educação, seja ela básica
pastores na região sul do músicas angala. Segundo dado, que faz a inclusão vérbio, sua subsistência ou superior. A experiên-
país revelam que o pro- Paxe, “estes últimos artis- do outro mesmo que de às crises e sua busca por cia comunicável através
vérbio não é apenas escri- tas assimilaram os proce- partida esse outro seja di- outras vozes aproxima da- do provérbio, sua capaci-
to ou falado, mas que ele dimentos gráfico-visuais, a ferente, acalenta as incer- quilo que Walter Benjamin dade de síntese difusora
pode também apresentar- coreografia das danças de tezas de não se acomodar já observava como poten- de sabedoria, conheci-
-se como dança, gesto, es- pastores, os ritmos e as so- em formatos acabados e/ cialidade das narrativas e mento e recados sociais,
cultura, grafismo, imagem. noridades destes mesmos ou já batidos, ou em frases também dos provérbios, assim como sua potência
Essa noção expandida do rituais de ocitita, ou do feitas para caracterizá-lo e capazes de elaborar expe- de construir diálogo com
provérbio permite mos- olondungo (...)”. Observa- nem cabe numa operação riências as quais, depois os contextos nos quais
trar que ele move-se em -se, assim, uma relação de binária de antigo vs novo, de muito tempo, ainda circula convence-nos da
uma trama bastante rica mediação criadora entre tradicional vs moderno. podem suscitar reflexão importância do registro e
de linguagens, de elemen- as múltiplas expressões do Claro que aqui tomamos e desenvolver-se, conser- discussão propostos pela
tos e de expressões semió- provérbio e as diferentes o moderno como elemen- vando suas forças germi- tese. Os conselhos, ques-
ticas. Essa compreensão manifestação artística na to da fixação, do que é nativas. Paxe compreende tões e propostas elabora-
faz com que Paxe cons- atualidade: as evocações essência; por outro lado, essa plasticidade e essa das por Paxe apresentam
trua aproximações entre dos provérbios angolanos do que seria o incidente, perenidade a partir daqui- um interessante ensejo
a força e a potência dos são, portanto, permeadas ou seja, o provérbio não lo que denomina migra- para o debate: vale muito
provérbios, nas suas mais por uma inteligência do cabe na oposição entre o ção fractal. Essa imagem/ a leitura.
diversas manifestações, presente. que seria o convencional conceito ajuda a visualizar
e as obras de criação da Nas palavras de Paxe: “(...) e o incidental. Ele subsiste a manutenção da impor- *Doutoranda em Estudos
atualidade, tais quais as o, provérbio não deixou de nas imagens da crise e está tância social e cultural do Comparados de Litera-
esculturas de Mansongui estabelecer uma espécie sempre em busca de ou- provérbio, as ramificações turas de Língua-Portu-
Afonso, as danças do gru- de relação de corpo com tras vozes”. A observação que ele é capaz de reali- guesa pela Universidade
po Bismas das Acácias e as as coisas. A ideia de bor- sobre a abertura do pro- zar, seus desdobramen- de São Paulo (Brasil). E-
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
quente \\ 45

Estar ou não estar doente, eis a questão

D
iga só qual é a sua opinião, o povo deve
ou não saber qual é o estado de saúde
do presidente José Eduardo dos Santos?
A resposta so poder ser uma, claro que
deve, isso devia mesmo estar escrito
na Constituição da República. Nenhum
ser humanos, por mais presidente que
seja, é imune a ataques de que é alvo a sua própria na-
tureza física. Ataques esses susceptíveis de provocar
enfraquecimentos de vária estirpe, físicos, anímicos e
mentais, que correm da simples perca de rendimento
e de capacidade intelectual, a desvario ou loucura, até
à morte.

Uma dramática hipótese

A
inda sobre a questão que se coloca a propósito do
estado de saúde do presidente José Eduardo dos
Santos, muitas pessoas dizem que não é preciso es-
tudo sobre o assunto, «O seu estado de saúde é um
pé no caixão e outro na cova». Esperemos que não
e estamos em crer que enquanto houver vida há es-
perança. No entanto, é pena reinar em Angola ums
doentia opacidade gerada pelo regime JES/MPLA,
que permite especular e, no que nos diz respeito a nós jornalista,
não temos alternativa, apenas podemos aventar hipóteses. Por ex-
emplo, numa fotografia recente tirada à sua chegada ao aeroporto
4 de Fevereiro vindo de Barcelona, no passado dia19 de Julho, Zedú
dá mostras de alegria de viver e boa saúde, o que dá a pensar que,
se estiver realmente em boa saúde, seria muito bem capaz de ser
tentado a mudar de ideias e enviar posteriormente o seu delfim,
João Lourenço, dar uma volta ao bilhar grande e acontecer o in-
imaginável, isto é, depois das eleições montar um esquema com a
generosa participação do delfim, que poderá repentinamente cair
em doença grave e, aparentemente não ser capaz de dar conta do
recado à frente do governo do país. Não tem maka, JES está em
forma e pode muito bem substituí-lo.

FIFA e CAF no banco dos réus

D
ar o dito por não dito, anular uma decisão exa-
rada por escrito, lançar a papelada ao caixote do
lixo e impor o contrário, é o que acontece amiú-
de em África. Sigam o nosso olhar para o que
a Confederação Africana de Futebol (CHAN),
propiciou em cumplicidade com a super potên-
cia desportiva que é a FIFA numa decisão mais
que polémica ao interditar os clubes do Sudão-
-Sul de continuar a participar nos torneios de futebol a nível
mundial, pela simples razão de o governo desse país ter inter-
ferido em assuntos ligados ao desporto-rei, decretanto então
que, em lugar dos excluídos clubes, o Desportivo do Libolo
os substituiria, até aqui va que não va. A maka é que depois
a CAF mudou de ideias e decretou o contrário. Após ter per-
doado ao governo sudanês a sua intervenção nas manigâncias
futebolisticas africanas, excluiu o Desportivo do Libolo! Onde
está Justiça, tu cometes uma infracção, és castigado, mas pe-
des desculpa e a infracção deixa de ser infracçõao, é isso ? É
mesmo isso, deste uma bofetada, a lei condena-te por a teres
dado, mas tu pedes desculpa e pronto, já não há bofetada ne-
nhuma, podes ir pra casa ! Brincadeira…
46
// DESPORTO OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017

Uíg
Girabola
Acusações de Zeca Amaral
caiem em «ouvidos moucos»

A
s acusa- os acusados para um dos
ções profe- jogos da Taça de Angola.
ridas pelo “Um dos argumentos foi a
técnico do ausência de casos no jogo,
FC Bravos e parece que convenceram
do Ma- o CCAFA como fica evi-
quis, Zeca dente pelo facto de terem
Amaral, a estado nas cogitações para
30.07.2017 no Luena, ten- a Taça de Angola, mas as
do afirmado que apanhou duas partes acharam que
os árbitros assistentes que a pressão psicológica con-
mediaram o jogo daquela tra os árbitros é muita, por
formação desportiva fren- causa do que se comen-
te ao 1º de Agosto (0-1), a tou”, reportou um órgão
receberem um envelope desportivo.
contendo dinheiro, caíram Também ficou patente
em “ouvidos moucos” do que o CCAFA manterá
Conselho Central de Ár- os acusados no activo até
bitros de Futebol de An- que surjam as provas que
gola (CCAFA). Os árbitros motivem uma acção disci-
assistentes acusados na plinar.
província do Moxico são: As denúncias do técnico
Ricardo Daniel e Joaquim do FC Bravos do Maquis
Chio, provenientes da pro- agitaram o futebol, susci-
víncia de Benguela. Em tando críticas contra a ar-
Luanda, os dois explicaram bitragem nacional e contra
a sua versão da situação, o Clube Desportivo 1º de
afirmando a sua inocência. Agosto.
Cogita-se que o CCAFA, No referido encontro, o FC
querendo passar a mensa- Bravos do Maquis perdeu
gem de confiança aos seus por 0-1 contra o campeão
filiados, pondera nomear nacional, 1º de Agosto.

Militares e Kafalango
disputam Taça de Angola no Cunene

O
campeão preferências recaem ao diante do FC Bravos do Dragan Jovic, efectuou jogadores. Na sua galeria,
nacional líder do Girabola Zap, o 1º Maquis. Para o confronto treinos no campo do ex- o Clube Desportivo 1º de
de futebol, de Agosto. no Cunene, o clube mili- RI20, onde focalizou-se Agosto foi vencedor desta
1º de Ago- Mas não se deve sub- tar treinado pelo bósnio na recuperação física dos competição em 2009.
sto, de- estimar o Kafalango do
fronta pela Cunene por nunca ter as-
primeira cendido ao Campeonato
vez na Nacional da Primeira Di-
história o Kafalango do visão, o Girabola Zap.
Cunene, em desafio refer- O clube anfitrião também
ente aos 16 avos-de -final almeja mostrar o seu valor,
da Taça de Angola. transitando para a próxima
O confronto, que é jogado eliminatória da Taça de
a uma mão, vai decorrer Angola.
às 15h00 de 02.08.2017, no O campeão nacional de
Estádio dos Castilhos, na futebol e actual líder na
província mais ao sul do classificação da 21ª jor-
país, o Cunene. nada do Girabola Zap, tem
Neste desafio da seg- demonstrado boa perfor-
unda maior competição mance, tanto que ganhou
futebolística nacional, as 1-0 no seu último jogo
OLHA 8 05 DE AGOSTO DE 2017
DESPORTO \\ 47

“Xeque-mate, xadrez nas escolas”

É um projecto que visa massificar o jogo


do xadrez nas escolas de Luanda, esta-
belecido em Setembro de 2016. Um dos
seus coordenadores, Pedro Lourenço,
afirmou que desde o seu arranque, o de-
safio já formou 3.600 alunos em 15 colé-
gios da capital.
O “Xeque-mate, xadrez nas escolas” é

Neymar torna-se no jogador um projecto da iniciativa do bicampeão


africano de juniores, Erikson Soares.
O jogo do xadrez é tido como uma ferra-

mais caro da história do futebol


menta importante para trabalhar o raci-
ocínio e a inteligência das pessoas desde
tenra idade.

O
atacante bra- Khelaifi. Barcelona, onde concretizou
sileiro, Ney- O brasileiro teve a agenda 186 partidas, 105 golos e 80 Gelson Dala merece sorrir
mar Jr, chegou cheia após a chegada em assistências, desfazendo o
na manhã de Paris, tendo participado num temível trio MSN, que pro-
04.08.2017 em acto de sua apresentação ofi- tagonizou no ataque da eq-
Paris, marcando cial e horas depois realizou uipa, com Messi e Suarez. O internacional angolano, de 21
assim a trans- o seu primeiro treino como anos de idade, mereceu a confiança
ferência mais jogador do Paris Saint-Ger-
cara da história do futebol main com a camisola núme- do técnico Jorge Jesus ao plantel
mundial, numa transação do ro 10, ao lado de mais dois principal do Sporting na temporada
Futebol Clube do Barcelona jogadores brasileiros: Daniel 2017-2018. O jogador ganhou a cor-
para o Paris Saint-Germain Alves e Lucas.
(PSG), que custou 222 mil- Espera-se que Neymar faça
rida com outros avançados, pela
hões de euros pela cláusula já a sua estreia a 05.08.2017, derradeira vaga a equipa principal,
de rescisão de contrato. contra o Amiens, pela primei- onde fez valer algumas característi-
Na história do futebol, Ney- ra rodada do Campeonato cas básicas ao treinador, designada-
mar Jr bateu o recorde Francês.
mundial, ultrapassando os É de recordar que há 14 anos, mente: a forma como se adaptou, a
maiores valores de transfer- isto na temporada de 2003- sua polivalência, e o bom relaciona-
ências de jogadores de todos 04, o Barcelona tivera feita mento com os colegas. O antigo
os tempos, nomeadamente: a uma das suas maiores apostas
transferência de Paulo Pogba em aquisição de jogadores na craque do 1.º de Agosto pode actuar
da Juventus FC para o Man- altura, tratando-se do lend- numa das alas ou no ataque.
chester United, que custou ário brasileiro Ronaldinho
117 milhões de euros, e de 96 Gaúcho, que actuava no Paris
milhões euros que custaram Saint Germain.
a transferência de Cristiano De PSG para Barcelona, o
Ronaldo de Manchester Unit- atacante Ronaldinho Gaú-
ed para o Real Madrid. cho custou 32,25 milhões de
A chegada do futebolista bra- euros. Portanto, passaram 14
sileiro, Neymar Jr, foi Benvin- anos e as posições inverter-
da pelo presidente francês, am-se drasticamente.
Emmanuel Macron. Fruto da transferência do
“Esta é uma boa notícia”, disse Barcelona para o PSG, que
o líder francês à margem custou 222 milhões de euros
de uma viagem de trabalho pela cláusula de rescisão de
a Yvelines, perto de Paris, contrato, Neymar Jr irá gan-
onde, por coincidência, tam- har qualquer coisa como 30
bém se encontrava o presi- milhões de euros na equipa
dente do PSG, o empresário francesa.
qatari Nasser Ghanim al Desta feita, Neymar deixa o
8
EDIÇÃONACIONAL KZ650.00 WWW.JORNALF8.NET ANO22EDIÇÃO1328 - 05 DE AGOSTO DE 2017 sábado

+1805dias
Folha
Rua Conselheiro Júlio de Vilhena, - 5º, aptº 19 «Só depois de:

EDIção
Bairro Ingombota - Luanda A última árvore ser derrubada,
Departamento Administrativo, Financeiro e Comercial: BASTONÁRIO INFORMANTE
Manuela Joaquim o último peixe ser morto,
Hermenegildo Cachimbombo violou os
Secretariado, Publicidade e Marketing: o último rio envenenado,
Estatutos da Ordem de Advogados, ao enviar
vocês irão perceber que

NACIONAL
Paula Padrão
Tel: 391943 - 394077 Telefax 392289 Caixa processos dos membros ao SINFO e a PGR,
dinheiro não se come!» para incriminar colegas. Vergonhosa “bufaria”.
Postal 6527
E-mail: folha@ebonet.net (Pensamento indígena) E nisso os bons acobardam-se com o silêncio.
E-mail: kuibao@hotmail.com

“VENHA A NÓS O VOSSO VOTO”


(JÁ CONTABILIZADO, É CLARO!)

U
s a n d o , partido, no poder em An- nas suas propostas para partido e do seu candidato, que está bem e corrigindo
como es- gola desde 1975, afirma que o quinquénio 2017-2022 e João Lourenço, que, como o que está mal”.
perado, a “uma vez mais, o povo an- com respeito à diferença cabeça-de-lista, concorre Ou seja, o MPLA reitera
máquina golano vai mostrar a África e ao próximo”, sublinha à eleição, por via indirecta, a (in)disposição de fazer
do regime/ e ao mundo a sua maturi- a declaração do Bureau para o cargo de Presidente o que promete há 42 anos
Estado, dade e responsabilidade Político. da República. e que nunca cumpriu. Al-
o MPLA política”, dando às eleições Sentido patriótico que pas- Recordando tratar-se da guém, no regime ou fora
traçou, no arranque da gerais que se realizam sa por ter, sem rodeios e de quarta vez, na história mul- dele, se lembra que Ago-
campanha eleitoral, o ob- dentro de 30 dias “a real forma oficial, a Polícia (que tipartidária de Angola, que stinho Neto disse que o
jectivo já definido nos bas- dimensão que o processo deveria ser Nacional) e as os eleitores são chamados importante era resolver
tidores com a sua sucursal democrático da República Forças Armadas (que de- a votar, o partido presidido os problemas do Povo?
eleitoral (CNE), de atingir de Angola merece”. veriam ser do país) a apoi- por José Eduardo dos San- A Constituição angolana
uma “vitória qualificada” Recorde-se que, segundo o ar o candidato do regime. tos insiste que “o voto de aprovada em 2010 prevê
nas eleições gerais ango- próprio José Eduardo dos Tal como tem o apoio da cada angolano é impor- a realização de eleições
lanas de 23 de Agosto. As- Santos, a democracia em Comissão Nacional Eleito- tante, constituindo um gerais a cada cinco anos,
sim, aos 42 anos de poder, Angola foi imposta e não ral, bem como de todos os direito inalienável de cada elegendo 130 deputados
o MPLA quer somar mais correspondeu, nem corre- outros órgãos de soberania cidadão eleitor, que deve pelo círculo nacional e
uns anitos, e depois mais sponde, a uma opção vol- que, em teoria, deveriam ser exercido de forma livre mais cinco deputados
outros e outros. untária do regime. Aliás, ser independentes. e secreta, sem qualquer pelos círculos eleito-
Aposição está expressa na velha tradição de outros Como se isso não fosse constrangimento”. rais de cada uma das 18
numa declaração oficial do ditadores africanos, não bastante, o MPLA exorta Aos cidadãos eleitores e províncias do país (total
Bureau Político do MPLA há problemas em adoptar ainda os “militantes, sim- ao povo angolano em ger- de 90).
sobre o início da cam- a democracia desde que patizantes e amigos” do al, “o MPLA reitera a sua O cabeça-de-lista pelo
panha eleitoral, que se vai sejam eles a continuar a MPLA a que, no dia das disposição de continuar círculo nacional do par-
prolongar até 21 de Agosto, mandar. Simples. eleições, “compareçam a trabalhar, no sentido de tido ou coligação de
e antecede o primeiro acto “O MPLA vai fazer da sua massivamente e sejam os eliminar a fome, de reduzir partidos mais votado é
formal com o cabeça-de- campanha eleitoral um primeiros a marcar pre- substancialmente a po- automaticamente eleito
lista do partido, general momento de festa, de el- sença nas assembleias de breza e de conduzir o país Presidente da República
João Lourenço. evado sentido patriótico voto”, de forma a “garantir para o desenvolvimento e e Titular do Poder Ex-
Na mesma declaração, o e democrático, alicerçada a vitória qualificada” do o bem-estar, melhorando o ecutivo.