Você está na página 1de 4

CURSO: Ciências Contábeis – 4° Período

DISCIPLINA: Teoria da contabilidade


ALUNA: Esteniffer das Neves De Freitas

RESUMO DO CPC 00 – ESTRUTURA CONCEITUAL PARA ELABORAÇÃO E


DIVULGAÇÃO DE RELATÓRIO CONTÁBIL-FINANCEIRO

As demonstrações contábeis devem ser elaboradas e apresentadas aos usuários externos


em geral, de acordo com o que prescreve a Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação
de Relatório Contábil-Financeiro. Tendo como objetivo fornecer informações úteis na tomada
de decisões, tais como investimentos, analise do desempenho da empresa, avaliações a respeito
da gestão de seus recursos.

Para isso, faz-se necessário que os relatórios contenham informações a respeito da


posição patrimonial e financeira da entidade a que se reporta e sobre os efeitos dos eventos que
alteram os seus recursos econômicos.

Diante dessas informações, o usuário poderá avaliar os índices de liquidez e solvência,


analisando a capacidade da empresa em gerar caixa e liquidar suas obrigações, bem como
possibilidade de avaliar seu desempenho em determinado período e a necessidade de
financiamentos.

Ao analisar as informações contábeis, os usuários devem considerar os fatores externos,


tais como a economia, o mercado, dentre outros. Por exemplo, o valor econômico de uma
empresa, isto é, a expectativa quanto a resultados futuros, é uma informação que não está
propriamente nos relatórios contábeis. os usuários podem estima-lo através do conhecimento
sobre a situação real. Imagine que um investidor pode avaliar duas entidades que possuem
valores semelhantes tanto para o ativo quanto para o passivo. No entanto, uma delas possui boa
localização, o que lhe agregará maior valor econômico.

Quanto ao regime adotado na elaboração das demonstrações contábeis-financeiras, com


exceção da Demonstração do Fluxo de Caixa, é o de competência. Esse regime estabelece que
as receitas e despesas devem ser demonstradas no momento do fato gerador, o que significa
dizer que as receitas auferidas devem ser evidenciadas ainda que não recebidas e as despesas
incorridas mesmo que não pagas.
Suponha que uma empresa vendeu um bem por R$ 1.000,00, recebendo metade do valor
no ato da venda e o restante com a promessa de pagamento posterior. Ao final do exercício, a
empresa vai apurar os seguintes resultados: Lucro de R$ 500,00 se considerado o regime de
caixa. Lucro de R$ 1.000,00 se apurado pelo regime de competência, sendo metade
correspondente caixa ou equivalentes de caixa e o restante um direito resultante dessa operação.

Pode se observar que o regime de competência fornece uma melhor base para avaliação
da performance passada e futura da entidade, bem como informações acerca dos recursos
econômicos e das reivindicações da entidade.

Outro aspecto importante que deve ser considerado nos relatórios contábeis é a
qualidade da informação. Para ter qualidade, a informação deve apresentar, obrigatória e
simultaneamente, as duas características qualitativas fundamentais, são elas relevância e
representação fidedigna.

No processo de tomada de decisão econômica, os usuários precisam de informações


relevantes, ou seja, aquelas com capacidade de influencia-los. Se um credor pretende emprestar
determinada quantia a uma entidade, ela precisa saber se essa empresa tem capacidade de arcar
com suas obrigações, até mesmo para determinar os juros em função dos riscos da operação.

A informação relevante tem valor preditivo, quando é utilizada para predizer resultados
futuros; valor confirmatório, quando servir de feedback; ou ambos. Para saber se é relevante,
deve-se observar a materialidade da informação, que se refere ao poder de influência que sua
omissão ou divulgação distorcida tem no processo decisório.

Não haverá qualidade, se uma informação relevante não representar com fidedignidade
o fenômeno que se propôs retratar. Nesse sentido, a informação contábil-financeira deve, além
de representar um fenômeno relevante, descrevê-lo de forma fidedigna. Para tanto, deve ser
completa, contendo o necessário para que se possa compreender o fenômeno retratado, neutra,
livre de viés ou distorções e livre de erros na obtenção, processamento e divulgação da
informação.

Antes da convergência das normas brasileiras de contabilidade às normas internacionais,


os bens eram ativados no patrimônio de uma organização pelo valor de aquisição e ali
permaneciam. Não eram reconhecidos nas demonstrações contábeis a obsolescência ou os
desgastes físicos sofridos por esses bens. Isso ia de encontro a fiel representação da realidade
das empresas, que muitas vezes tinham, em virtude desse procedimento, seus balanços
superavaliados.

A comparabilidade, verificabilidade, tempestividade e compreensibilidade são


características que aumentam a qualidade da informação e auxiliam a determinar qual de duas
alternativas, consideradas equivalentes, representar melhor um fenômeno. Apesar de estar
bastante relacionadas com as características fundamentais, não obrigatórias.

A convergência às normas internacionais também contribuiu para o aumento da


qualidade da informação, a medida que estabeleceu padrões, possibilitando a comparabilidade
das informações financeiras. Desde então, os usuários conseguem identificar e compreender
aspectos similares ou diferentes nos relatórios quando comparados com de outras entidades do
mesmo ramo ou entre relatórios de diferentes períodos de uma empresa.

Nesse sentido, a de se observar a consistência, isto é, a utilização dos mesmos métodos


ao avaliar os mesmos itens, pois é isso que auxilia no alcance da comparabilidade. Se uma
empresa que emprega o método do custo médio ponderado na valorização do estoque de
mercadorias durante um exercício, não pode alterá-lo para outro método no exercício seguinte,
pois perderia o parâmetro de comparação das informações geradas entre períodos.

Quando há especificação nas demonstrações, ou em notas explicativas, quanto ao


método utilizado na evidenciação do evento, diferentes usuários podem reproduzi-lo, chegando
a um mesmo resultado, através da verificabilidade da informação.

A informação deve ser compreensível e ser disponibilizada a tempo de poder influenciar


no processo decisório. Assim, ela precisa ser retratar o fenômeno com clara e objetividade.
Outro aspecto importante que deve ser observado ao se gerar uma informação é a relação custo-
benefício. Muitas vezes, o custo para se produzir uma informação é maior que o benefício que
essa informação traria ao usuário.

As demonstrações contábeis normalmente são elaboradas tendo como pressuposto a


continuidade da operação por tempo indeterminado. Isso influencia na avaliação do patrimonial
da empresa, pois, em operação normal, os bens devem ser registrados pelos valores de entrada,
isto é, o valor pago pela empresa no momento da aquisição. Se a empresa estivesse em processo
de liquidação, não seria relevante informar o quanto ela gastou na aquisição do bem, mas por
quanto este bem seria vendido – preço de saída.

O ativo, passivo e patrimônio líquido são elementos ligados à mensuração da posição


patrimonial. Para ser considerado um ativo, deve atender as seguintes especificações: 1)
oferecer benefícios econômicos, 2) ser resultado de eventos passados, 3) ser controlado pela
empresa.

Os ativos são reconhecidos no Balanço patrimonial quando poder ser mensurado com
confiabilidade. Também é apropriado destacar que a propriedade do bem não é requisito
utilizado na determinação do ativo, a exemplo do Leasing financeiro, em que a propriedade do
bem é do banco que financiou, porém a posse, o controle e os benefícios oriundos desse bem
estão relacionados à empresa.

Para ser considerado um passivo, deve-se atender as características a seguir: 1) ser uma
obrigação presente, 2) Derivada de eventos passados, 3) sua liquidação se dá através da saída
de ativos, como o pagamento de duplicata em dinheiro. O patrimônio líquido é encontrado pela
diferença entre o ativo e o passivo de uma entidade.

De acordo com a premissa do registro pelo valor original, esses elementos devem ser
registrados inicialmente pelos valores originais das transações, denominado de custo histórico,
expressos em moeda nacional. Isso significa que, por exemplo, na compra de um bem por R$
300,00, deve-se ativa-lo pelo valor da aquisição. Todavia, esse valor pode sofrer variações,
consideradas as variações do custo histórico, tais como custo corrente, valor realizável, valor
presente.

Em relação aos elementos que representam o desempenho da empresa, pode-se definir


a receita como a entrada de recursos financeiros através de vendas, serviços, ou outros e que
provocam aumento no patrimônio líquido. As despesas, ao contrário, é uma forma de saída de
recursos que resulta na diminuição do patrimônio líquido da empresa. Devem ser representadas
na Demonstração do resultado do Exercício e reconhecidos no momento do fato gerador,
obedecendo a premissa da competência, conforme mencionado anteriormente.

Diante do exposto, fica claro a importância desse pronunciamento na regulação da


elaboração e divulgação do relatório contábil-financeiro, auxiliando os profissionais contábeis
na produção de informações uteis e de qualidade que possam atender as necessidades dos
diferentes usuários da contabilidade e influencia-los na tomada de decisão. Além de servir de
base para o desenvolvimento de novos pronunciamentos técnicos, interpretações e orientações.