Você está na página 1de 29

TRATAMENTO DE DOENÇAS

NEURODEGENERATIVAS

FÁRMACOS QUE ATUAM NO SISTEMA NERVOSO CENTRAL


Alessandro Barbosa
Denise Lopes
Raimundo Neto
Rafael costa
Renata Cristina
CONCEITO

 Doenças Neurodegenerativas são caracterizadas pela


cronicidade, progressão e perda seletiva e simétrica de
neurônios no sistema motor, sensório ou cognitivo.

 Doenças Neurodegenerativas
Parkinson
Alzheimer
Esclerose Múltipla (EM)
Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)
DOENÇA DE PARKINSON

 Degeneração de neurônios dopaminérgicos da


substância negra
 Redução da dopamina no corpo estriado
 Substância negra(mesencéfalo)
 Neostríado ( conectado a sub. negra )
 Envelhecimento motor
 Perda de neurônios
 Sintomas
Michael J. Fox, a
carreira da estrela
dos filmes da trilogia
‘De Volta para o
Futuro’ sofreu as
consequências de seu
diagnóstico de Mal de
Parkinson, que causa
a degeneração do
sistema nervoso.
Apesar de atuar de
tempos em tempos,
ainda passa maior
parte de seu tempo
cuidando de sua
doença.
DOPAMINA

 Neurotransmissor produzido na parte compacta da


substância negra, e no Parkinson esta em déficit pela
ação neurodegenerativa.
 Receptores, dividido em 02 grupos:
D1 – Via direta. Quando ativado provoca
excitação, permite o movimento. Presença de segundos
mensageiros.
D2 – Via indireta. Quando ativados provoca inibição,
redução do segundo mensageiro e mudança na
permeabilidade da membrana ao potássio e pode fechar
canais de cálcio.
FÁRMACOS USADOS NA DOENÇA DE PARKINSON

 Levodopa e carbidopa
O Levodopa é um percursor metabólico da dopamina.
Ele reestabelece a neurotransmissão dopaminérgica do
corpo estriado, aumentando a síntese de dopamina nos
neurônios ainda ativos da substância negra. 

O Carbidopa é um inibidor da dopa-descarboxilase que


não atravessa a barreira hematoencefálica, servindo
como potencializador nos efeitos do levodopa no SNC.

Efeitos colaterais :
MECANISMO DE AÇÃO

 Levodopa é transportado ativamente para o


SNC e transformado em dopamina no cérebro
parte desse fármaco e descarboxilada à
dopamina na periferia.
 Carbidopa inibe à dopa-descarboxilase,
diminuindo a biotransformação do levodopa no
TGI e nos tecidos periféricos, aumentando, assim,
a disponibilidade da levodopa no SNC.
 Efeitos adversos: anorexia, náusea e êmese,
taquicardia e hipotensão.
 Efeitos no SNC: alucinações visuais e auditivas e
movimentos involuntários anormais(discinesia),
alteração de humor, depressão, psicose e
ansiedade.
INIBIDORES DA MONOAMINA OXIDASE B (MAO-B)

Selegilina
Ação: Inibição da MAO-B (Enzima
responsável pelo metabolismo da
dopamina), aumentando por tanto
neurotransmissão dopaminérgica.
Especifica sobre MAO-B. Não inibe a
MAO-A (que metaboliza a
nororepinerfrina e a serotonina)
Doses altas pode inibe a MAO-A
Efeitos Colaterais
Fraco efeito, sintomático nas
manifestações motoras. Hipertensão
Insônia
INIBIDORES DA CATECOL-O-METILTRANSFERASE

 A inibição da COMT pelo entacapona ou tolcapona


reduz a concentração de 3-O-Metildopa no plasma,
aumenta a captação central de levodopa e eleva as
concentrações cerebrais de dopamina
 Entacapona e Tolcapona são derivados nitro
catecólicos que inibe a COMT de modo seletivo e
reversível.
 A Tolcapona penetra a barreira hematoencefálica e
inibe a COMT no SNC. Contudo a inibição da
COMT periférica parece ser a base de sua ação
terapêutica
 A Tolcapona tem ação relativamente longa pela sua
afinidade enzimática ( maiores efeitos colaterais )

Reações adversas : ( entacapona ) : diarreia , hipotensão , náuseas , anorexia ,alucinação e distúrbios do sono . Grave
necrose hepática .
AGONISTAS DE RECEPTOR DOPAMINÉRGICOS

 Esses fármacos tem durações de ação mais longa do que


o Levodopa e assim são eficazes em pacientes que
exibem flutuações nas suas respostas ao Levodopa
 Bromocriptina derivado do alcaloide vaso constritor
ergotamina é um agonista dopaminérgico
 Como a Bromocriptina e um derivado do ergot, ela tem
potencial de causar fibrose pulmonar e retroperitoneal
 Agonista dos receptores de D2 totais
 Agonista dos receptores D1 parcial
 Interações com outros fármacos

Reações adversas : Alucinação , confusão , delírio , náuseas e hipotensão ortostática.


AGONISTAS DE RECEPTOR DOPAMINÉRGICOS

 Pramipexol
 É um agonista dopaminérgico – Não ergotínico – possui
uma elevada afinidade pelos receptores D2 da dopamina, na
qual tem afinidade preferencial para receptores de D3, com
inteira afinidade intrínseca.
 Estimula os receptores desta amina biogênica localizados
no corpo estriado no sistema do SNC.
 Não agravam os vasos espasmos periféricos e não causam
fibrose .
 As agonistas da dopamina pode retardar a necessidade de
usar o tratamento com levodopa no inicio da doença de
Parkinson e podem reduzir as doses de levodopa nas
doenças de Parkinson avançadas.

Reações adversas : Nauseas , alucinação , insônia , tontura , constipação .


FÁRMACOS ANTIMUSCARÍNICOS

 Os fármacos antimuscarínicos são menos eficazes do


que o levodopa e só tem papel auxiliar do
tratamento da doença de Parkinson (biperideno)
 Induz alterações de comportamento e produz
xerostomia e problemas visuais, como todos os
antimuscarinicos
 Contra indicado em pacientes com glaucoma,
hiperplasia prostática
DOENÇA DE ALZHEIMER

 A doença de Alzheimer e de caráter degenerativo e


progressivo do cérebro, caracterizado pela perda das
faculdades cognitivas e também das funções físicas
 Nenhum fármaco disponível e capaz de alterar o
processo neurodegenerativo subjacente
 Três aspectos distintos:
1. O acumulo de placas senis (acumulo amiloide)
2. A formação de números entrelaçados neurofibrilares
3. A perda de neurônios corticais, particularmente
colinérgicos
 A inibição da acetilcolinesterase (AChE) no SNC
melhora a transmissão colinérgica, pelo menos nos
neurônios que continuam funcionando
Maguila está com 54 anos e é jovem
para apresentar problemas de
Alzheimer em estágio avançado. Mas
Irany ( esposa ) revela que a mãe dele
e uma tia também sofreram da doença.

“Além do Alzheimer eu acredito


também que as pancadas que ele
levou na cabeça, ao longo da carreira,
com as lutas, possa ter afetado alguma
coisa nesse sentido também. Os socos
são sempre muito fortes, ainda mais na
categoria que ele lutava, os pesos-
pesados, as pancadas na cabeça
chegavam a uns 200 quilos .
ACETILCOLINA

 Neurotransmissor que controla atividade de áreas


cerebrais relacionadas a tenção, aprendizagem e
memória, pessoas que sofrem de Alzheimer apresentam
baixo nível de AChe no córtex cerebral. Inativada pela
enzima acetilcolinesterase
 Receptores:
 M1
 M2
 M3 ( a formação de memória, aprendizado, o controle
da função motora e o comportamento social. )
 M4
 M5
INIBIDORES DE ACETILCOLINESTERASE

Donepezila Rivastigmina
 É um inibidor reversível da AChE  É um composto do tipo carbamato que inibe
 Ação colinérgica indireta seletivamente a enzima acetilcolinesterease cerebral
 Não competitivo, exibi alguma seletividade á AChE  Melhora a neurotransmissão colinérgica
no SNC  Diminui a formação da proteína precursora do beta-
 Melhora as funções cognoscitivas de pacientes amiloide
 Aumenta a quantidade de acetilcolina na fenda  Aumenta a liberação de acetilcolina liberada por
sináptica neurônios na fenda sináptica
 Há baixa interação medicamentosa com outros  Atravessa a barreira hematoencefálica
fármacos  Não tem interação com fármacos que alteram
atividade das enzimas dependentes de P450

Contra indicação : Não administrar com relaxante muscular


FÁRMACOS USADOS NA DOENÇA DE ALZHEIMER
RECEPTORES NMDA

 A ligação do glutamato no receptor N-Metil-D-


Aspartato (NMDA) causa a abertura do canal iônico
associado e permite a entrada na célula de Na e
particularmente de Calcio, infelizmente o excesso de
cálcio intracelular pode ativar inúmeros processos
que lesam o neurônio que levam à apoptose
MEMANTINA

Mecanismo de ação
 Antagonista não competitivo de receptores NMDA
do glutamato
 Bloquei os efeitos tônicos dos níveis anormalmente
elevados do glutamato na DA e que podem acarretar
disfunção neuronal
 Mantém preservada a ativação fisiológica do
neurotransmissor
 Indicação: DA moderada a grave; pode ser combinada
com os inibidores da AChE (efeito superior ao
tratamento isolado)
 A memantina e bem tolerada, com poucos efeitos *As reações adversas mais frequentes e que
adversos dose-dependentes registraram uma maior incidência foram tonturas ,
cefaleias, constipação , sonolência e hipertensão .
ESCLEROSE MÚLTIPLA (EM)

 Na EM o sistema de defesa do corpo (imunológico)


fica desregulado, fazendo com que o organismo
produza um excesso de citocinas (proteínas
envolvidas na defesa)
 As citocinas, que estão programadas para reconhecer
e combater vírus e bactérias.
 citocinas forma uma espécie de cicatriz (lesão), que
os médicos chamam de Esclerose
Atriz Claudia Rodrigues foi diagnosticada com a doença em 2000.
FÁRMACOS USADOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

Mitoxandrona
 O principal alvo da mitoxandrona é modificar a
resposta imune do organismo por meio da inibição
dos processos inflamatórios mediados por
leucócitos que, eventualmente, levam a lesão da
bainha de mielina e a diminuição ou inadequação da
comunicação axonal entre células
Dalfanprimida
 É um bloqueador de canais de potássio administrado
por via oral que melhora a capacidade de caminhar,
em comparação com um placebo
Glatirâmer
 É um polipeptídeo sintético que se assemelha a
mielina e pode atuar como chamariz ao ataque das
células T
FÁRMACOS USADOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

Fingolimode
 É o primeiro fármaco que pode retardar a evolução da
incapacidade e diminuir a frequência e gravidade dos
sintomas na EM, ele altera a migração dos linfócitos
resultando em seu sequestro nos nódulos linfócitos
 Mecanismo de ação: é um modulador do receptor
da esfingosina 1 – fosfato levado a um sequestro dos
linfócitos dentro dos linfonodos (gânglios linfáticos)
β – interferona 1 a e β – interferona 1 b: os efeitos
imunomoduladores da interferona ajudam a diminuir a
resposta inflamatória que leva a desmielinização da bainha
dos axônos

Reações adversas : Efeitos secundários comuns incluem aumento do risco de infecções, tosse, dor de cabeça, dor nas costas,
diarreia e aumento dos níveis de enzimas hepáticas. Casos de carcinoma basocelular, um tipo de câncer de pele.
ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA)

 Doença neurogênica degenerativa:


 Dominante autossômica (mutação do braço longo –
Cromossomo 21)
 Atrofia muscular progressiva
 Paralisia bulbar progressiva
 Lesão corno anterior da medula
 Lesão das vias ativadoras laterais
O físico Stephen Hawking é o caso
mais famoso da esclerose, que
afeta os neurônios e a medula
espinhal. As pessoas com ELA
perdem a capacidade de iniciar e
controlar um movimento muscular,
o que muitas vezes leva à paralisia
total e morte em até cinco anos
após o diagnóstico.
NEURÔNIOS AFETADOS PELA ELA

 Neurônios motores superiores (NMS) ou primeiro


neurônio (células de Betz), os quais estão localizados
na área motora do cérebro
 Disfunção do neurônios superior: fraqueza, reflexos
tendíneos vivos, presença de reflexos anormais
 Neurônios motores inferiores (NMI), ou segundo
neurônios que estão localizados no tronco cerebral
e na porção anterior da medula
 Disfunção do neurônio motor inferior: fraqueza,
atrofia, atonia, arreflexia
FÁRMACOS USADOS NA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA)

Riluzol
 Bloqueia o glutamato, canais de sódio e de cálcio
 Pode aumentar o tempo de sobrevida e retardar a
necessidade de apoio ventilatório em apoios de ELA.

Reações adversas :Taquicardia , anemia , neutropenia severa ,dor de cabeça, tontura, parestesia oral, sonolência.,reações
respiratórias, torácicas e mediastinais ,doença intersticial pulmonar ,reações gastrintestinais , náusea ,diarreia, dor abdominal,
vômito ,pancreatite. Reações gerais e condições do local de administração , astenia ,dor ,reações anafiláticas, angioedema
,hepato-biliares , função hepática anormais.
Não existem doenças da velhice , existem doenças que se
aproveitam da velhice .

Obrigado !

Você também pode gostar