Você está na página 1de 10

1.

Ciclos de vida_I
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

O diagrama da Figura 3 representa, de forma esquemática, estruturas e processos que caracterizam

diferentes tipos de ciclos de vida.

Seleccione a alternativa que completa a frase seguinte, de modo a obter uma afirmação correcta.

No ciclo de vida B, a entidade multicelular adulta desenvolve-se a partir de...

1.1 ... uma célula haplóide.

1.2 ... uma célula diplóide.

1.3 ... um zigoto.

1.4 ... um gâmeta.


2. Ciclo de vida de um protista parasita
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

A malária é uma doença infecciosa causada por protistas parasitas do género Plasmodium. Estes
parasitas têm um ciclo de vida complexo, que inclui dois hospedeiros: o homem e mosquitos do
género Anopheles (figura 6). Os parasitas passam por diferentes estádios, cada um com uma
morfologia e um papel distintos no seu ciclo de vida.

A malária é uma doença frequente em zonas tropicais e subtropicais favoráveis à reprodução dos
mosquitos, que colocam os ovos em águas estagnadas, onde as larvas eclodem e se alimentam até
atingirem o estado adulto.
Apesar de décadas de combate, a doença tem vindo a ganhar terreno à medida que aumenta a
resistência dos mosquitos aos insecticidas e a resistência dos parasitas aos medicamentos
administrados a pessoas infectadas. Um desses medicamentos é a cloroquina, que, por se ter tornado
pouco eficaz, tem sido menos receitada nos últimos anos.

A ocorrência de mutações nos parasitas dá origem a diferentes fenótipos, que podem apresentar
resistências distintas aos medicamentos existentes no mercado. Mutações que conferem resistência
aos medicamentos tornam, muitas vezes, os parasitas que as apresentam menos aptos em ambientes
onde os medicamentos estão ausentes.

2.1
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas ao ciclo de
vida de Plasmodium vivax.

A - Durante a reprodução no fígado, o crossing-over contribui para a variabilidade genética.

B - Ocorrem fenómenos de recombinação genética no interior do mosquito.

C - A passagem da fase diplóide para a fase haplóide ocorre no interior do corpo humano.

D - No fígado, ocorre a segregação dos cromossomas homólogos.

E - Neste ciclo, a fase diplóide é dominante.

F - A mitose intervém na produção de merozoítos, nos glóbulos vermelhos.

G - Os esporozoítos presentes nas glândulas salivares dos mosquitos são haplóides.

H - A redução cromática ocorre entre a formação do ovo e a formação dos esporozoítos.


3. Ciclos de vida
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

O diagrama da Figura 3 representa, de forma esquemática, estruturas e processos que caracterizam

diferentes tipos de ciclos de vida.

Seleccione a alternativa que preenche os espaços na frase seguinte, de modo a obter uma afirmação
correcta.

O ciclo C representa um ciclo de vida ______, porque a meiose é ______.

3.1 diplonte (...) pós-zigótica.

3.2 diplonte (...) pré-gamética.

3.3 haplonte (...) pós-zigótica.

3.4 haplonte (...) pré-gamética.


4. Ciclo de vida de um parasita
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

Toxoplasma gondii (T. gondii) é um parasita intracelular obrigatório, cujos hospedeiros são sempre
animais endotérmicos. De entre eles, o gato é o hospedeiro que assume particular relevância no seu
ciclo de vida. Depois da ingestão de pedaços de carne contendo cistos, estes invadem células da
parede do intestino do gato, desenquistam, multiplicam-se e diferenciam-se em gametócitos. Estes
fundem-se, originando o ocisto, que é expulso para o ambiente no interior das fezes. O ocisto sofre
meiose, originando esporozoítos - células muito resistentes e altamente infecciosas -, que podem
permanecer durante muitos anos em ambientes húmidos. Após serem ingeridos por um segundo
hospedeiro, os esporozoítos diferenciam-se em taquizoítos, que se multiplicam rapidamente e originam
uma infecção aguda. Na maioria dos hospedeiros, no entanto, a infecção torna-se crónica, porque os
taquizoítos se modificam para outra forma, os bradizoítos, que são cistos onde as divisões celulares
ocorrem muito lentamente. Os tecidos infectados com bradizoítos persistem durante toda a vida do
hospedeiro. Se um novo hospedeiro ingerir tecidos contendo esporozoítos ou bradizoítos, estes
diferenciam-se em taquizoítos, e a infecção propaga-se.

A Figura 1 representa, de forma esquemática, o ciclo de vida de T. gondii.

4.1
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações seguintes, referentes ao ciclo
de vida de Toxoplasma gondii.
(A) Os ocistos são células diplóides que se originam por fecundação.

(B) Os gametócitos exercem a função de gâmetas.

(C) T. gondii provoca infecção no rato, por multiplicação de células diplóides.

(D) A fase sexuada do ciclo de vida é a causa da infecção aguda no rato.

(E) A parte do ciclo de vida que ocorre no gato aumenta a variabilidade genética de T. gondii.

(F) O ciclo de vida é haplonte, apresentando meiose pré-espórica.

(G) Na ausência de gato, a propagação de T. gondii faz-se por reprodução assexuada.

(H) Esporozoítos, taquizoítos e bradizoítos são células haplóides.


5. Ciclo de vida da levedura
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

As leveduras apresentam os dois tipos de reprodução: sexuada e assexuada. A figura 1 representa


esquematicamente o ciclo de vida da levedura Saccharomyces cerevisæ.

5.1
Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas à
interpretação do ciclo de vida esquematizado na figura 1.

A - Os esporos dão origem a leveduras haplóides.


B - A levedura assinalada com a letra X é diplonte.

C - A levedura assinalada com a letra Y pode dividir-se por mitose.

D - Os esporos representados resultaram de mitoses sucessivas.

E - A célula assinalada com a letra Y pode reproduzir-se por gemulação.

F - Os esporos de Saccharomyces cerevisæ são diplóides.

G - A gemulação da levedura X é responsável pela alternância de fases nucleares.

H - As leveduras X e Y apresentam a mesma informação genética.


6. Ciclo de vida
Disciplina Biologia e Geologia (Secundário)
Autor Exames Biologia e Geologia Secundário (GAVE)

Um grupo de investigadores descobriu que a planta do milho, quando atacada, emite um pedido de
socorro químico. A planta responde ao ataque da lagarta (Mythimna convecta), libertando uma mistura
de químicos voláteis, os quais acabam por atrair uma vespa parasitóide (Apanteles ruficrus), que
deposita os seus ovos no interior do corpo da lagarta. Quando os ovos eclodem, as larvas da vespa
alimentam-se da lagarta até emergirem à superfície, fixando-se em casulos, onde se metamorfoseiam
em pequenas vespas. Esta «bomba-relógio» biológica acaba por matar a lagarta. Recentemente,
descobriu-se que é necessária uma substância química, presente na saliva de Mythimna convecta,
para desencadear o pedido de socorro químico por parte da planta.

A figura 2 representa esquematicamente o ciclo de vida de Mythimna convecta.

6.1
Analise as afirmações que se seguem, relativas ao ciclo de vida de Mythimna convecta.
Reconstitua a sequência temporal dos acontecimentos que culminam na formação de um ovo,
colocando por ordem as letras que os identificam.

A - Formação do casulo e desenvolvimento da pupa, à custa de reservas alimentares acumuladas.

B - Meiose das células da linha germinativa e formação de células sexuais.

C - União de gâmetas haplóides com restabelecimento da diploidia.

D - Mitoses e diferenciação celular originam um organismo pluricelular, que se alimenta da planta.

E - Mitoses e expressão diferencial do genoma dão origem à forma com capacidade reprodutora.