Você está na página 1de 49

 OCLUSÃO ARTERIAL AGUDA

 DOENÇA VASCULAR ARTERIOSCLERÓTICA


(DVAE) CRÔNICA

 TROMBOANGÍTE OBLITERANTE (DOENÇA DE


BUERGER)

 DOENÇA DE RAYNAUD (FENÔMENO DE


RAYNAUD)
 A perda do fluxo sanguíneo para as artérias
periféricas pode ser causada por um trombo
(coágulo sanguíneo), embolia, ou trauma em
uma artéria.
 Local mais comum: bifurcação femoropoplítea,
podendo ocorrer em outras bifurcações de
MMII.
 Lesões por esmagamento necessitam de
reparo cirúrgico para restaurar a circulação.
 Uma oclusão resulta em uma diminuição ou
ausência do pulso e da circulação do membro
acometido.
 A gravidade depende da localização e do
tamanho da oclusão, além da existência de
circulação colateral.
 Ausência ou pouca circulação colateral pode
resultar em isquemia (diminuição do fluxo
sanguíneo) e gangrena do membro
distalmente.
 Diminuir a isquemia pela restauração ou melhora
do fuxo sanguíneo: repouso no leito
medicamentos anticoagulantes sistêmicos
 Proteger o membro: posicionamento no leito e
mudanças de decúbito

CONTRA -INDICADO :
- O USO DE MEIAS COMPRESSIVAS
(aumenta a resistência periférica ao fluxo sanguíneo)
- AQUECIMENTO LOCAL
- (pode causar queimadura no tecido isquêmico)
- EXERCÍCIOS
 Também chamada de Arteriosclerose
Obliterante, Doença Arterial Obstrutiva
Periférica (DAOP) e Doença Arterial Oclusiva
Crônica.

 Distúrbio arterial mais comum que afeta os


MMII (95%)
 A circulação vai se deteriorando
progressivamente devido ao estreitamento,
fibrose, e oclusão das artérias grandes e
médias, geralmente nos MMII

 Mais comum em idosos e normalmente está


associada a Diabetes, tabagismo,
hiperlipidemia e hipertensão.
Aterosclerose

Início de depósito de Início da fibrose e


Artéria normal
gordura endurecimento

Artéria endurecida e Artéria com ulceração, Oclusão completa


calcificada necrose e hemorragia
 Mudança de hábitos de vida como: cessação
do tabagismo, mudança de hábitos
alimentares, controle adequado da pressão
arterial, controle dos níveis sanguíneos de
colesterol e triglicérides e, quando presente
também, rigoroso controle do diabetes.
 Melhorar a tolerância aos exercícios para
AVDs e diminuir a incidência de claudicação
intermitente (exercícios aeróbicos)

 Aliviar a dor durante o repouso (dormir com


as pernas em posição pendente ou com a
cabeceira elevada – melhorar o fluxo
periférico)
 Prevenir contraturas articulares e atrofia
muscular, principalmente no paciente
confinado no leito (ADM ativa, ativa assistida
ou passiva; posicionamento adequado)

 Prevenir ulcerações de pele (cuidados com


pele, pés e unhas; calçado; evitar roupas
apertadas e extremos de temperatura)

 Promover a cicatrização de qualquer


ulceração que se desenvolva na pele.
Contra-indicações:
 A deambulação ou bicicleta devem ser
interrompidas se a dor na perna aumentar
com o tempo em vez de diminuir.
 Pacientes com dor em repouso não devem
participar de um programa de deambulação
ou bicicleta.
 Pacientes com ulcerações nos pés não
devem participar de um programa de
deambulação.
 Doença crônica que acomete homens jovens,
fumantes, envolvendo uma reação
inflamatória a nicotina.
 Acomete no início pequenas artérias de pés e
mãos e progride proximalmente resultando
em vasoconstrição, diminuição da circulação
arterial para os membros, isquemia e
eventual necrose e ulceração dos tecidos
moles.
 Pode ser controlada se o paciente parar de
fumar.
 Doença arterial funcional causada por
vasoespasmo, afetando mais frequentemente as
artérias dos dedos.
 Causada por uma anormalidade no sistema
nervoso simpático e geralmente vista em adultos
jovens.
 Caracterizada por sensibilidade ao frio,
resultando em cianose das pontas dos dedos e
leito das unhas, dor intensa, perdas sensoriais e
diminuição da função das mãos.
 Os sintomas são aliviados rapidamente com o
calor.
Obs: Quando este distúrbio é primário, é denominado doença de Reynaud
Idiopática ou Síndrome de Reynaud.
Quando é uma complicação secundária e associada a uma outra
doença (como esclerodermia, lúpus, artrite reumatoide ou vasculite), é
chamado de Fenômeno de Reynaud.
 Mudança na cor da pele e temperatura:
palidez, aparência lustrosa e cerosa da pele,
diminuição da temperatura da pele,
ressecamento da pele, ulcerações e
gangrena ( nutrição tecidual )
 Pulsos Periféricos diminuídos ou ausentes

 Distúrbios sensoriais: diminuição na


tolerância a temperaturas quentes e frias e
parestesia (diminuição da sensibilidade)
 Dor: durante o exercício = claudicação
intermitente (dor que ocorre e aumenta com
os exercícios, principalmente na panturrilha)
e dor durante o repouso (queimação)

 Atrofia e fraqueza muscular, principalmente


nas mãos e nos pés.
ÚLCERAS POR PRESSÃO
ÚLCERAS POR PRESSÃO
Fisioterapia:

 Orientação e realização de mudanças de


decúbito

 Posicionamento adequado no leito

 LASER (quando não houver infecção)


(agudos e crônicos)
 Agudos:
◦ Tromboflebite Aguda

 Crônicos
◦ Insuficiência venosa crônica/Veias varicosas
 Geralmente afeta MMII e caracteriza-se por
uma inflamação aguda com oclusão parcial ou
complete de uma veia superficial ou profunda.
 TROMBOSE VENOSA SUPERFICIAL: se um
coágulo (trombo) sanguíneo se aloja em uma
veia superficial (muito comum a safena).
Geralmente se resolve sem complicações.

 TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP): acomete


veias profundas e é atribuída a estagnação
venosa ou estado de hipercoagubilidade do
sangue. Podendo resultar em TEP
(tromboembolia pulmonar): o coágulo alojado
em uma veia profunda se solta e circula pela
corrente sanguínea até chegar aos vasos do
pulmão..
 A TVP envolve a apresentação de dor, edema e calor.
 Sinal de Homan: dor com a dorsiflexão passiva do pé.

Distúrbios venosos normalmente


acometem MMII
 Imobilidade e repouso no leito por um
período prolongado de tempo
 Obesidade
 Lesões ortopédicas
 Pós operatório
 Tumores malignos
 Uso de anticoncepcionais
 Gravidez
 Insuficiência cardíaca
 Tratamento médico imediato!!!

 Repouso completo no leito TVP

 Anticoagulação sistêmica

 Elevação do membro

Exercícios e aplicação de calor ou compressão:


contra-indicados!
PREVENÇÃO DA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

 Uso profilático de
anticoagulantes

 Após cirurgia iniciar a


deambulação o mais breve
possível

 Exercícios de “bombeamento”:
DF, FP, circundução tornozelo

 ADM passiva e ativa

 Meias compressivas

 Manter MMII elevados


 Insuficiência venosa: é definida como um
retorno venoso inadequado por um período
de tempo prolongado.
VÁLVULA LESADAS
OU
INCOMPETENTES

COMPROMETIMENTO
DO RETORNO VENOSO

ACÚMULO CRÔNICO DE
SANGUE NAS VEIAS

INADEQUAÇÃO NA NECROSE DOS TECIDOS E


OXIGENAÇÃO DAS DESENVOLVIMENTO DE
CÉLULAS E REMOÇÃO ÚLCERAS POR
DOS RESÍDUOS ESTAGNAÇÃO VENOSA.
METABÓLICOS
 Causas:
◦ A insuficiência venosa crônica pode ocorrer após
um episódio de tromboflebite (as válvulas se
danificam quando a pessoa tem uma TVP; o
coágulo ao ser absorvido deixa cicatrizes na
parede da veia)
◦ Pode resultar de um trauma nos MMII.
◦ Bloqueio do sistema venoso por uma neoplasia.
◦ História familiar
◦ Fatores agravantes: ocupação que exige ficar em
pé em apenas uma posição, obesidade, gravidez,
sedentarismo e idade avançada.
 Edema (que se agrava quando o indivíduo fica
em pé ou sentando por longos períodos, com
piora no final do dia e diminui com elevação do
membro)

 Dor difusa e cansaço no membro afetado.

 Aumento da pigmentação da pele, que torna-se


acastanhada.
 São consequência da insuficiência venosa
crônica. As veias tornam-se tortuosas e
dilatadas, devido ao refluxo e estase do
sangue, o que gera a dilatação. Conhecidas
como varizes.

 Muitas vezes não são aparentes, pois


localizam-se mais profundamente.
 Cirurgia convencional: veias doentes são
retiradas através de pequenas incisões na pele. O
procedimento é feito em centro cirúrgico, sendo o
tempo de permanência hospitalar habitual de um
dia.
 Termoablação ou Tratamento Endovascular
Venoso: uma fibra de Endolaser (ou um cateterde
radiofrequência) é introduzida na veia doente
através de acompanhamento ultrassonográfico, e é
disparada uma quantidade controlada de energia
que oclui a veia em questão. O tempo de
recuperação costuma ser um pouco menor.
 Ablação química ou Escleroterapia: também
conhecida como secagem, é a injeção de uma
substancia líquida dentro do vaso ou veia
doente. Esta substancia faz com que o vaso
oclua e não promova mais sintomas ou
dilatações em outras veias. É o método mais
simples, dispensando internação e
geralmente também anestesia.
TRATAMENTO CONSERVADOR DA INSUFICIÊNCIA
VENOSA CRÔNICA
 Auto massagem para linfedema
 Programa de exercícios domiciliares
 Andar regularmente
 Exercícios ativos leves
 Evitar períodos prolongados em pé ou
sentado com as pernas pendentes
 Elevação do membro envolvido acima do nível
do coração (30-45 graus)
TRATAMENTO CONSERVADOR DA INSUFICIÊNCIA
VENOSA CRÔNICA

 Exercícios para aumentar ADM ativa


 Exercícios de bombeamento
 Massagem manual para drenar o edema.
 Uso de meias de compressão
 Cuidados com a pele (hidratação, cuidado com
ferimentos e cortes, evitar contato com
detergentes e produtos químicos abrasivos)
TRATAMENTO DE LINFEDEMAS
 LINFEDEMA: acúmulo excessivo de fluido
extravascular e extracelular nos espaços
tissulares. É causado por um distúrbio no
equilíbrio de água e proteínas através da
membrana capilar.
 POSSÍVEIS CAUSAS: obstrução primária ou
congênita do sistema linfático, obstrução
secundária a trauma ou infecção,
insuficiência venosa crônica, remoção
cirúrgica de vasos linfáticos
LINFOTERAPIA

Drenagem linfática
Enfaixamento compressivo
Contenção elástica
(Luvas elásticas)
Cinesioterapia
Automassagem

Marx e Camargo (2000)


 AUTOMASSAGEM DE DRENAGEM LINFÁTICA
 Drenagem linfática manual

 Elevação

 Automassagens

 Compressão

 Programa individualizado de exercícios: ADM ativa,


exercícios de bombeamento, flexibilidade, resistidos com
baixa intensidade, condicionamento cardiovascular

 Cuidados com a pele


EVITAR:
 Esforços intensos com o braço
 Raspar a axila com gilete
 Aferir pressão, tomar injeção, retirar sangue do MS da cirurgia
 Queimadura de sol
 Use protetor solar > 30
 Picadas de inseto. (repelente)
 Dormir em cima do braço
 Ferir, arranhar o braço
 Deixar o braço para baixo muito tempo
 Cortar a cutícula
 Bolsas quentes no braço operado
 Desodorante com álcool
 Substâncias que ressequem a pele (usar hidratante)
 Anéis, relógios, roupas apertadas
 Manusear agulhas, alfinetes, facas

Cartilha de orientação setor saúde da mulher Hospital São Cristóvão