Você está na página 1de 8

COMEÇANDO DO ZERO

Raciocínio Lógico – Aula 01


Jairo Teixeira

LÓGICA PROPOSICIONAL

1. PROPOSIÇÃO LÓGICA

Proposição lógica é uma sentença declarativa, fechada e que possui um valor lógico de ou verdadeiro ou falso.

2. CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSIÇÕES

Uma proposição lógica pode ser classificada como simples ou composta.

2.1. Proposição simples


É uma proposição que declara uma única coisa sobre um único objeto.

2.2. Proposição composta


É uma proposição construída a partir da conexão de duas ou mais proposições simples.

Exemplos:
Rui é médico E Paulo é dentista.
Três é ímpar OU cinco é par.
SE o mar é doce, ENTÃO o sol é frio.

Com relação às proposições lógicas, julgue os próximos itens.

1) (CESPE/UnB) A expressão “Como não se indignar, assistindo todos os dias a atos de violência fortuitos
estampados em todos os meios de comunicação do Brasil e do mundo?” é uma proposição lógica que
pode ser representada por P  Q , em que P e Q são proposições lógicas convenientemente escolhidas.

( ) Certo
( ) Errado

A respeito de lógica proposicional, julgue o item subsequente.

2) (CESPE/UnB) A proposição “No Brasil, 20% dos acidentes de trânsito ocorrem com indivíduos que con-
sumiram bebida alcoólica” é uma proposição simples.

www.cers.com.br 1
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

( ) Certo
( ) Errado

Considerando os conectivos lógicos usuais e que as letras maiúsculas representem proposições lógicas
simples, julgue o item seguinte acerca da lógica proposicional.

3) (CESPE/UnB) A sentença “Os candidatos aprovados e nomeados estarão subordinados ao Regime Ju-
rídico Único dos Servidores Civis da União, das Autarquias e das Fundações Públicas Federais” é uma
proposição lógica composta.

( ) Certo
( ) Errado

3. VALOR LÓGICO DE UMA PROPOSIÇÃO

Para definir o valor lógico de uma proposição, vamos analisar de acordo com a sua classificação.

3.1. Valor lógico de uma proposição simples


O valor lógico de uma proposição simples depende exclusivamente do conteúdo de sua declaração. Portanto, se a
proposição declara uma verdade, seu valor lógico será verdadeiro. Caso declare uma mentira, seu valor será fal-
so.

Exemplos:
Oito é maior que seis. (V)
A lua é maior que a Terra. (F)

3.2. Valor lógico de uma proposição composta


O valor lógico de uma proposição composta depende dos valores de suas proposições simples, mas depende
também do conectivo usado em sua composição. Assim, duas proposições simples conectadas por um determi-
nado conectivo podem apresentar um valor de V, e, trocando de conectivo, podem apresentar um valor de F.

Exemplos:
Dois é par OU quatro é ímpar. (V)
Dois é par E quatro é ímpar. (F)

Observe, portanto, que para atribuir corretamente o valor a uma proposição composta, precisamos conhecer os
valores de cada proposição simples constituinte, além de compreender o sentido de cada um dos operadores
lógicos.

Às vezes as proposições aparecem representadas através de letras, sem que possamos, assim, saber quais são
os seus valores lógico. Nesses casos, temos que trabalhar com todas as hipóteses de combinações de valores.
Para isso, utilizamos uma ferramenta chamada “tabela-verdade”.

Exemplo:
pq

www.cers.com.br 2
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

4. TABELA VERDADE

4.1. Definição
É uma tabela onde se registram todas as possibilidades de combinações de valores para determinadas proposi-
ções simples, a fim de atribuir o valor de uma proposição composta.

Exemplo:
Imagine uma proposição composta por duas proposições simples, p e q. É na tabela verdade que se registram
todas as possibilidades de combinações de valores para p e q. Acompanhe:

Agora imagine uma proposição composta por três proposições simples, p, q e r... Como poderíamos dar conta de
todas as combinações possíveis? Um bom começo seria saber quantas são essas possíveis combinações! Acom-
panhe.

4.2. Dimensionamento
A quantidade de linhas de uma tabela-verdade é dada por:

Onde n é o número de proposições simples participantes da composição.


1
Para uma proposição: 2 = 2 linhas.

2
Para duas proposições: 2 = 4 linhas.

www.cers.com.br 3
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

3
Para três proposição: 2 = 8 linhas.

Depois de dimensionarmos a tabela-verdade precisamos construi-la. Observe um exemplo do qual participam


duas proposições simples:

5. OPERADORES LÓGICOS

São seis operadores lógicos:

5.1. NEGAÇÃO: “Não” (~ ou )


O operador da negação modifica o valor lógico de uma proposição. Por isso ele é chamado de “Modificador Lógi-
co”.

Exemplos:
A capital do Brasil é Recife. (Falso)

www.cers.com.br 4
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

A capital do Brasil NÃO é Recife. (Verdadeiro)

Sete é maior que cinco. (Veradeiro)


Sete NÃO é maior que cinco. (Falso)

p (?)
~p (?)

OBSERVAÇÃO: Acompanhe as negações de algumas proposições simples.

5.2. CONJUNÇÃO: “E” ()


Para que uma conjunção resulte em verdadeiro, é preciso que todas as partes conectadas sejam verdadeiras.

Exemplos:
2
Belém é a capital do Pará E 3 = 9. (Verdadeiro)
O mar é salgado E a Terra é quadrada. (Falso)
p E q (?)

Para que uma conjunção resulte em verdadeiro, é preciso que todas as partes conectadas sejam verdadeiras.

OBSERVAÇÃO: Há outras expressões que podem substituir o “E”. Analise cada exemplo a seguir:

Exemplos:
Chove mas irei à praia.
Embora não esteja com fome, almoçarei.
Apesar de estar com sono, vou estudar.

www.cers.com.br 5
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

5.3. DISJUNÇÃO INCLUSIVA: “Ou” ()


Para que uma disjunção inclusiva resulte em verdadeiro, é preciso que haja pelo menos uma parte conectada
verdadeira.

Exemplos:
Dois é par OU quatro é ímpar. (Verdadeiro)
O sol é frio OU a lua é um planeta. (Falso)
p OU q (?)

5.4. DISJUNÇÃO EXCLUSIVA: “Ou ..., ou ...” ()


Para que uma disjunção exclusiva resulte em verdadeiro, é preciso que haja somente uma parte conectada ver-
dadeira.

Exemplos:
OU gato mia OU vaca late. (Verdadeiro)
OU dois é par OU cinco é ímpar. (Falso)
OU sol é frio OU a lua é um planeta. (Falso)

OU p OU q (?)

5.5. CONDICIONAL: “Se ..., então ...” ()


Só há uma configuração de valores para a qual um condicional resulta em falso: antecedente verdadeiro e conse-
quente falso.

Exemplos:
Se seis é par, então cinco é ímpar. (Verdadeiro)
3
Se 2 = 8, então 4 > 7. (Falso)
p  q (?)

www.cers.com.br 6
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

OBSERVAÇÃO: Há outras expressões que podem substituir o “se ..., então ...”. Acompanhe:

Quando chove, não vou à praia.


Sempre que chove, não vou à praia.
Toda vez que chove, não vou à praia.
Chove, logo não vou à praia.
Não vou à praia, pois chove.

Exemplos:
Carlos cantar é condição necessária para Duda dançar.
Se Duda dança, então Carlos canta.

Sandra ser rica é condição suficiente para ela viajar.


Se Sandra é rica, então ela viaja.

www.cers.com.br 7
COMEÇANDO DO ZERO
Raciocínio Lógico – Aula 01
Jairo Teixeira

GABARITO:

1 – ERRADO
2 – CERTO
3 – ERRADO

www.cers.com.br 8