Você está na página 1de 115

ENGENHARIA MECÂNICA

Transferência de Calor

Transferência de Calor
Introdução
Transferência de Calor

Francisco José Patrício Franco

Engenharia Mecânica

6º Módulo
EMENTA
• Mecanismo de Transferência de Calor;
• Equação da Energia.
• Condução Térmica em Regime Estacionário e
em Regime Transiente;
• Princípios de Convecção Térmica;
• Convecção Forçada em Escoamentos Externo e
Interno;
• Camada Limite e Analogias Termo-Mecânicas;
• Convecção Natural;
• Condensação e Ebulição;
• Transferência de Calor Radiante;
• Resistências Superficiais e Espaciais;
• Trocadores de Calor;
OBJETIVO GERAL DA DISCIPLINA:

Trabalhar os conceitos da transferência de calor para


que o futuro Engenheiro os conheça e os aplique nos
processos de engenharia.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA:

Fornecer aos alunos os conceitos fundamentais


envolvidos na Transferência de Calor, mostrando a sua
aplicação no projeto e avaliação de equipamentos
térmicos.
Objetivos da Transferência de Calor

o Compreender a relação entre a Termodinâmica e a


Transferência de Calor,

o Distinguir a energia térmica de outros fontes de


energia, e a transferência de calor de outras formas de
transferência de energia,

o Aplicar balanços de energia em volumes e em


superfícies de controle,
Objetivos da Transferência de Calor

o Identificar os mecanismos de transferência de calor


que ocorrem simultaneamente na prática,

o Resolver problemas de transferência de calor.


Termodinâmica
x
Transferência de Calor
A Termodinâmica estuda as interações de energia
entre um sistema e a vizinhança (calor e trabalho).
Trata de estados em equilíbrio.

Pode ser utilizada para calcular a quantidade de calor


necessária para que um sistema passe de um estado
de equilíbrio estável para outro, porém não pode prever
a rapidez com que esta mudança ira ocorrer, pois o
sistema não esta em equilíbrio durante este processo.

Não trata da natureza da interação


A Transferência de Calor (TC) é a energia em trânsito
devido a uma diferença de temperatura, ela trata com a
determinação da taxa de energia que pode ser
transferido de um sistema para outro, como resultado
dessa diferença de temperatura.
A Transferência de Calor é por essência um processo
de não equilíbrio.

Estuda os mecanismos de transferência de calor, e


relações para o cálculo das taxas de transferência de
calor.
1º lei da Termodinâmica

A primeira lei da Termodinâmica preconiza que a


energia não pode ser criada ou destruída mas sim
transformada de uma forma para outra.

Q - W = dE integrando 1Q2 - 1W2 = E2 - E1

Esta lei governa quantitativamente todas as


transformações de energia, mas não faz restrições
quanto à direção das referidas transformações
1º lei da Termodinâmica

A primeira lei da Termodinâmica também conhecida


como lei de conservação de energia pode ser
enunciada da seguinte forma:

“A variação total da quantidade de energia (aumento


ou redução) da energia de um sistema durante um
processo é igual a diferença entre a energia total que
entra e a que sai do sistema durante o processo.”

E Entra   EGerada   ESai  E Acumulada


1º lei da Termodinâmica

E Entra   EGerada   ESai  E Acumulada


2º lei da Termodinâmica

A segunda lei de termodinâmica diz que nenhum


processo é possível, cujo único resultado seja uma
transmissão líquida de calor de uma região de baixa
temperatura para outra de temperatura mais alta.

O calor sempre flui


de uma região com
temperatura mais
alta para uma de
mais baixa
Taxa

Variação da quantidade de calor ou qualquer outra


grandeza dependente que é transportada por unidade
de tempo, variável independente.

Quantidade de calor Q

Tempo t
Fluxo

Variação da quantidade de calor ou qualquer outra


grandeza dependente que é transportada por unidade
de área e por unidade tempo, ou seja taxa por área.

Q
Quantidade de calor Taxa
  t  1 Q
Área.Tempo Área A A t
Gradiente

É a medida da variação de determinada característica


de um meio (velocidade, pressão, temperatura, calor,
etc) de um ponto para outro desse meio.

Variação de grandeza ( χ ) χ

Variação de espaço x
Objetivos da Transferência
de Calor
OBJETIVOS DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR

1) Quantificar o calor que cruza a superfície de um


sistema térmico (superfície de controle)

2) Determinar a distribuição de temperatura em um


sistema térmico em relação ao ambiente que o cerca
(condição de Contorno)
Transferência de Calor

O requesito básico da Transferência de Calor é a


presença de uma diferença de temperatura.

A segunda lei da termodinâmica requer que o calor


transferido seja na direção da diminuição de
temperatura.
A TA > TB B

CALOR
APLICAÇÕES DA TRANSFERÊNCIA DE CALOR

A taxa de transferência de calor em uma certa direção


depende da magnitude da diferença de temperatura
nessa direção.

Quanto maior for a diferença de temperatura, maior


será a transferência de calor.
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica

Trocadores de Calor
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica

Fornos Radiadores
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica

Caldeira
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica

Transporte de Combustíveis e Água


Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica

Forno – fábrica de cimento


Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica
Turbinas
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Mecânica
Condicionamento de ar
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Química
Reatores Tanques de armazenamento
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Química

Transporte de produtos químicos


Transporte de água e óleos
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Elétrica
Transformadores
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Elétrica
Processadores
Fios e cabos
Aplicações da Transferência de Calor em
Engenharia Elétrica
Sistemas de aterramento
Dissipadores de calor
Transferência de Calor

A Transferência de calor ocorre quando dois


sistemas (A e B), ou o sistema (A) e seu meio (B), que
apresentam diferenças de temperaturas, são
colocados em contato térmico.

A taxa de transferência de calor será função de:

Q = f(TA, TB, tempo, propriedades termo-físicas,


tamanho, formas geométricas, movimento
relativo de A e B).
Problemas na Transferência de Calor

Em geral podemos analisar três grandes classes de


problemas encontrados na engenharia:
1 - Isolamentos Térmicos:

Nestes problemas as temperaturas extremas (TA, TB)


são usualmente impostas ao meio que transfere calor.

A incógnita é a taxa de transferência de calor Q (ou o


fluxo de calor q).

O objetivo é minimizar Q através da escolha criteriosa


dos constituintes do isolamento,
2 - Projeto de Trocadores de Calor.

A incógnita é a temperatura.

O objetivo é o aumento da taxa de transferência de


calor entre as temperaturas dos fluidos.
3 - Controle de Temperatura.

Em alguns projetos térmicos torna-se necessário


conhecer o valor da temperatura da superfície (TA)
que proporciona uma transferência de calor Q, por
exemplo: nos circuitos elétricos compactos, a
temperatura da superfície dos circuitos não pode ser
muito maior à temperatura do ambiente.

Objetivo: determinar o escoamento de fluido


refrigerante que garante a transferência de calor
adequada para o ambiente.
Calor e outras formas de energia

Energia é a propriedade que lhe permite realizar


trabalho.
A energia pode ter várias formas:
• térmica;
• cinética;
• elétrica;
• eletromagnética;
• mecânica;
• potencial;
• química;
• radiante;
• A soma constitui a energia total E (ou e por unidade
de massa) do sistema.

• A soma de todas as formas microscópicas de


energia é denominado energia interna do sistema.

• A energia interna pode ser vista como a soma das


energias cinética e potencial das moléculas.

• A energia cinética das moléculas é denominado


calor sensível.
• A energia interna associada com a fase dos sistema
é denominada calor latente.

• A energia interna associada com os vínculos nos


átomos de uma molécula é denominada energia
química.

• A energia interna associada com os vínculos no


núcleos de átomos é denominada energia nuclear.
Energia Interna e Entalpia

Na análise de sistema que envolve escoamento de


fluidos, frequentemente encontra-se combinações de
propriedades u e Pv.

A combinação é definida como entalpia (h = u+Pv).

•O termo Pv representa a energia do escoamento


(também denominado trabalho do escoamento).
Calor específico em gases, líquidos e sólidos.

Calor específico é definido como a energia requerida


para aumentar a temperatura de uma unidade de
massa de uma substância, de um grau.

Duas classes de calores específicos:

• Calor específico a volume constante cv.


• Calor específico a pressão constante cp.
• Os calores específicos de uma substância,
geralmente, dependem de duas propriedades
independentes, tais como a temperatura e a pressão.

• Contudo, em um gás ideal, dependem unicamente


da temperatura.
Calor Específico

▪ A pressões baixas todos os gases reais se


aproximam ao comportamento dos gases ideais, e
portanto, o calor específico, depende unicamente da
temperatura.

▪ Uma substância cujo volume específico (ou massa


específica) não muda com a temperatura e a
pressão é denominada substância incompressível.
▪ Em substâncias incompressíveis, o calor específico
a volume constante e a pressão constante são
idênticos (cv = cp = c)

▪ O calor específico de uma substância


incompressível depende unicamente da
temperatura.
CALOR

É energia térmica em trânsito, de uma região para


outra. Movimentada pela diferença de temperatura.

O calor passa de uma região de temperatura mais alta


para uma região de temperatura mais baixa.
Quando as temperaturas das regiões se igualam
(Equilíbrio Térmico), o fluxo de calor cessa.
(Princípio Zero da Termodinâmica)
TEMPERATURA

É a medida do nível de energia, potencial térmico do


corpo ou estado de agitação das partículas.
Mecanismos de Transferência de Calor

Existem três modos básicos de transmissão de calor


que são:

• Condução

• Convecção

• Radiação
Todos os modos de transferência de calor
requerem que haja diferença de temperatura e
em todos eles a transferência se faz da
temperatura mais alta para a mais baixa.
Condução
CONDUÇÂO

É a transferência de energia das partículas mais


energéticas de uma substância às menos energéticas,
como resultado da interação entre partículas.

Condução existem em sólidos, líquidos e gases.


Em gases e líquidos transferência de calor a
condução é devida às colisões e difusões de moléculas
durante seu movimento randômico.

Em sólidos a condução é devida à combinação de


vibrações das moléculas e a energia transportada por
elétrons livres.

Geralmente, bons condutores elétricos são bons


condutores de calor e vice-versa. E isolantes elétricos
são também isolantes térmicos.
Lei Geral da Condução

Considerando a taxa de transferência de calor por


condução através de uma barra pode-se dizer que ele:

▪ É diretamente proporcional à diferença de


temperaturas (ΔT).

▪ É diretamente proporcional a área A.

▪ É inversamente proporcional a distancia L.


T
qx  A
L
Condutibilidade Térmica

A constante de proporcionalidade α é a condutividade ou


condutibilidade térmica do material, k.

T
qx  A
L
 k
Lei de Fourier de condução de calor

T
qx α A
L

 k

dT
q x  -kA  (W)
dx
dT
q x  -k . A
dx

q x  Taxa de transferência de calor na direção x (W)

k Condutividade térmica do material (W/m.ºC ou W/m.K)

A Área perpendicular ao fluxo (m²)


dT
 Gradiente de temperatura (variação da temperatura na
dx direção normal à superfície de área A) (ºC/m)

T  Temperatura (K ou ºC)
Calor flui de T2 para T1

T2  T1  qx  0
q x
T
T  0 e x  0  0
x
K 0 e A0

Necessário inserir o sinal negativo na Lei de Fourier, para que:

qx  0
Taxa de transferência de calor:

É a Transferência de energia total através de um


determinado corpo.

 dT
Q x   KA
dx
Fluxo de calor:

É a Transferência de energia por unidade de área


através de um determinado corpo,

Q dT
q x    K
A dx
Condutividade térmica dos materiais

A condutividade térmica varia de um fator 104 , dos


gases, como o ar, até os metais puros (prata).

Cristais puros e metais tem a mais altas condutividades


térmicas, e os gases e os materiais isolantes as
menores.
Condutividade térmica dos materiais
A condutividade térmica dos
materiais varia com a
temperatura.

•A dependência da
condutividade térmica com
a temperatura é uma fonte
de complexidade na análise
de condução.

•Um material é normalmente


considerado isotrópico.
Material Condutividade térmica (W/m²/°C)

Prata 426
Cobre 398
Alumínio 237
Tungsténio 178
Ferro 80,3
Vidro 0,72 - 0,86
Água 0,61
Tijolo 0,4 - 0,8
Madeira (pinho) 0,11 - 0,14
Fibra de vidro 0,046
Espuma de poliestireno 0,033
Ar 0,026
Espuma de poliuretano 0,020
A difusividade térmica  representa a velocidade com
que o calor se difunde através de um material.

Aparece em condução de calor não-estacionária

Um material com alta condutividade térmica ou baixa


capacidade térmica terá uma grande difusividade
térmica.
Quanto maior for a difusividade térmica, mais
rapidamente será a propagação de calor no meio.
Calor conduzido k  m2 
α    
Calor armazenado ρc p  s 
Exercício 01

Uma parede de concreto, área superficial de 20 m² e


espessura de 0.30 m, separa uma sala de ar
condicionado do ar ambiente. A temperatura da
superfície interna da parede é mantida a 25ºC, e a
condutividade térmica do concreto é 1 W/m.K.
Determine a perda de calor através da parede para as
temperaturas ambientes internas de –15 ºC e 38 ºC que
correspondem aos extremos atingidos no inverno e no
verão.
Exercício 02

A parede de um forno industrial é construída de um tijolo


de 0,15 m de espessura, com condutividade térmica de
1,7 W/m.K. As temperaturas nas faces interna e externa
da parede são respectivamente 1400 e 1150 K. Qual é a
perda de calor através de uma parede de 0,5 m por 3
m?
Exercício 03

As superfícies internas de um grande edifício são mantidas a 20


ºC, enquanto que a temperatura na superfície externa é -20 ºC.
As paredes medem 25 cm de espessura , e foram construídas
com tijolos de condutividade térmica de 0,6 kcal/h.m.ºC.

a) Calcular a perda de calor para cada metro quadrado de


superfície por hora.
b) Sabendo-se que a área total do edifício é 1000 m2 e que o
poder calorífico do carvão é de 5500 kcal/Kg, determinar a
quantidade de carvão a ser utilizada em um sistema de
aquecimento durante um período de 10 h. Supor o rendimento
do sistema de aquecimento igual a 50%.
Convecção
Convecção

O modo de transferência de calor por convecção é


composto por dois mecanismos:

• Transferência de calor devido ao movimento


aleatório molecular (difusão).

• E energia transferida através do movimento


global, ou macroscópico do fluido.
É um processo de transferência de energia pela ação
combinada da condução de calor e movimento da
mistura e armazenagem de energia.
Na prática a convecção subentende-se o processo de
troca de calor entre corpo líquido ou gasoso e sólido.
Convecção
Convecção
Convecção

A densidade de fluxo de calor transmitida por unidade


de tempo por convecção entre uma superfície e um
fluido pode ser calculada pela relação:

q  A(Ts  T ) (W )
A proporcionalidade é dada pelo coeficiente de
transferência de calor por convecção, h, por vezes
também chamado de coeficiente de película.
De forma que:
q  h. A.(Ts - T ) (W)

Esta relação foi proposta originalmente pelo cientista


Inglês Isaac Newton (1701).
Q conv  h. A.(Ts - T ) (W)

h Coeficiente de transferência de calor por convecção (W/m².ºC)


A  Área de troca de calor (m²)
Ts  Temperatura da superfície (ºC)

T  A temperatura do fluido é em geral tomada num ponto


afastado da superfície. (ºC)
Coeficiente de transferência de calor por convecção
h, depende:

- Da natureza do escoamento do fluido,

- Das propriedades do fluido,

- Da configuração do escoamento.
Convecção é classificada em sub-modos:

▪ Convecção forçada

▪ Convecção natural (ou livre),

▪ Ebulição,

▪ Condensação
A causa do movimento do fluído pode ser externa em
consequência dum trabalho mecânico (ex.: com ajuda de
um ventilador ou bomba); neste caso tem-se convecção
forçada, ou o movimento resulta espontaneamente,
quando t = t1 - t2 causa uma diferença de massa
específica dum fluído. Este fenômeno chama-se
convecção natural.
Convecção forçada

O movimento do fluido ocorre alimentado por uma fonte


externa que independe do processo de transferência de
calor.

Exemplos típicos são ventilação forçada e sistemas com


bombeamento de fluidos.
Convecção natural

Neste caso a movimentação do fluido é provocada


pela própria variação de densidade durante o
processo de troca de calor
Exemplos clássicos são a brisa marítima e a formação
da pluma em torno de um cilindro aquecido.
q  A(Ts  T ) (W )
Convecção com mudança de fase (ebulição)
É um caso típico onde o processo
pode ocorrer tanto através de uma
movimentação natural como
forçada do fluido, mas deve
ocorrer uma transformação de
fase líquido-gás durante o
processo.

São exemplos típicos os casos de


condensadores, evaporadores,
caldeiras, etc.
Radiação
Radiação

É um processo pelo qual o calor é transmitido de um


corpo à alta temperatura, para um de mais baixa,
quando tais corpos estão separados no espaço, ainda
que exista vácuo entre eles.
Um corpo quente emite energia de radiação em todas as
direções. Quando esta energia atinge um outro corpo,
uma parte desta pode ser refletida, outra transmitida e o
resto absorvido e transformado em calor. Por outras
palavras a radiação é um processo de transmissão de
calor por meio de ondas eletro-magnéticas.
Transporte de energia térmica na forma de ondas
eletromagnéticas ou fótons, dependendo do modelo
físico adotado. Não necessita de meio físico para se
propagar. Graças a essa forma de transferência de calor
é que existe vida na Terra devido ao calor da irradiação
solar que atinge nosso planeta.
Radiação

• Em transferência de calor, estamos interessados na


radiação térmica que é a radiação emitida pelos corpos
devido a sua temperatura. Todo corpo a uma
temperatura acima do zero absoluto emite radiação
térmica.

• As intensidades das emissões dependem somente da


temperatura e da natureza da superfície emitente.
• Radiação é um fenômeno volumétrico. Contudo, a
radiação é geralmente considerada como um fenômeno
superficial para os sólidos opacos a radiação térmica.
Radiação

A quantidade de (calor) energia que deixa a superfície


como calor radiante depende da temperatura absoluta
e da natureza da superfície.
Um irradiador perfeito ou corpo negro emite energia
radiante da sua superfície a razão qrad é dada por:

qrad  A(T  T )
s
4

4

  Constante de Stefan-Boltmann – 5.666x10-8 (W/m².K4)


Corpo negro – irradiador perfeito de radiação térmica.
Contudo os corpos reais (corpos cinzentos) emitem e
absorvem apenas uma percentagem da energia radiante o que
se traduz pela expressão:

qrad  A(T  T )
s
4

4

ε Emissividade
Radiação
Condução
Dependem somente de um ΔT
Radiação

Convecção ⇒ Depende de um ΔT e transporte de


massa
Mecanismos combinados de Transferência de Calor
Mecanismos combinados de Transferência de Calor

q1 : convecção natural entre o café e a parede do frasco


plástico.
q2 : condução através da parede do frasco plástico
q3 : convecção natural do frasco para o ar
q4 : convecção natural do ar para a capa plástica
q5 : radiação entre as superfícies externa do frasco e interna
da capa plástica
q6 : condução através da capa plástica
q7 : convecção natural da capa plástica para o ar ambiente
q8 : radiação entre a superfície externa da capa e as
vizinhanças
Nem sempre todos os 3 mecanismos podem ocorrer
simultaneamente.

Condução e Radiação
• Condução apenas em sólidos opacos
• Condução e radiação em sólidos
semitransparentes

Convecção e/ou Radiação


• na superfície exposta a um fluido
escoando ou superfícies

Condução e Radiação
• Fluidos em repouso

No vácuo só radiação
SISTEMA TEMPO, t COMPRIMENTO, MASSA , m TEMPERATURA
L
S.I. Segundo Metro (m) Quilograma Kelvin (k)
(s) (kg)
INGLÊS Segundo Pé (ft) libra-massa Farenheit (ºF)
(s) (lb)
Segundo Metro (m) Quilograma Celsius (ºC)
MÉTRICO (s) (kg)
SISTEMA FORÇA, F ENEGIA, E POTÊNCIA, P

S.I. Newton (N) Joule,J Watt (W)


INGLÊS libra-força (lbf) lbf-ft (Btu) Btu/h
MÉTRICO kilograma-força kgm (kcal) kcal/h
(kgf)
Unidades Derivadas

1 Btu = 1054,35 J

1 kcal = 4184 J

1 Btu/h = 0,293 W

1 kcal/h = 1,162 W
Unidades Derivadas
Força:

É igual ao produto de massa por aceleração

F  m.a
então :

1 Newton ( N ) é a força que acelera a massa de 1 Kg a 1


m/s2

1 ( N )  1 (kg ) x 1 (m 2 )
s
Unidades Derivadas
Trabalho:

Trabalho (energia) tem as dimensões do produto da força pela


distância da aplicação.

  F.d
então :

1 Joule (J) é a energia dispendida por uma força de 1 N em 1


m
1 ( J )  1 ( N ) x 1 (m)
Unidades Derivadas
Potência:

A potência tem dimensão de trabalho na


unidade de tempo

P   /t
então :

1 Watt ( W ) é a potência dissipada por uma


força de 1 J em 1 s
1 (W )  1 ( J / s)
Energia

As unidades mais usuais de energia (Btu e Kcal) são


baseadas em fenômenos térmicos, e definidas como :
Kcal

É a energia requerida na forma de calor para elevar a


temperatura de 1kg de água de 14,5 °C a 15,5 °C
BTU

É a energia requerida na forma de calor para elevar a


temperatura de 1lb de água de 67,5 °F a 68,5 °F
Energia

Em relação ao calor transferido, as seguintes unidades


que são, em geral, utilizadas :

q = fluxo de calor transferido (potência) : W, Btu/h,


Kcal/h

Q = quantidade de calor transferido (energia) : J, Btu,


Kcal

Você também pode gostar