Você está na página 1de 5

GEOGRAFIA

10.º Ano 5ª FICHA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA

Lê atentamente todo o enunciado antes de começares a responder.


Para responder aos itens de escolha múltipla, escreve, na folha de respostas:
• o número do item;
• a letra que identifica a única opção correcta.
As cotações dos itens encontram-se no final do enunciado da prova.

Todos os itens, de todos os grupos devem ser respondidos na folha de teste e não neste enunciado.
Para cada item, dos grupos I e II, apresenta apenas uma resposta. Se deres mais do que uma resposta a
um mesmo item, apenas é classificada a resposta apresentada em primeiro lugar.

GRUPO I

Na zona temperada do Norte formam-se, na frente polar, perturbações que dão origem a famílias
de depressões barométricas que, no Inverno, afectam, com frequência, o estado do tempo em
Portugal. A Figura 1 representa, em corte vertical, a posição relativa dos diferentes sectores de
uma perturbação da frente polar.

Figura 1 – Corte vertical numa perturbação da frente polar, na zona temperada do Norte.

1. Se se considerar que o esquema da Figura 1, corresponde à perturbação da frente polar, o


sector intermédio é composto por
(A) ar polar continental.
(B) ar tropical.
(C) ar polar marítimo
(D) ar frio

2. A passagem das superfícies frontais, em Portugal, na situação que a Figura 1 representa, é


acompanhada, em regra, por precipitação com características diferentes. Assim,...
(A) a superfície frontal quente origina queda de neve e a superfície frontal fria origina queda de
saraiva e de granizo.
(B) a superfície frontal quente origina chuva miudinha e a superfície frontal fria origina
aguaceiros mais ou menos intensos.
(C) a superfície frontal quente origina aguaceiros mais ou menos intensos e a superfície frontal
fria origina chuva miudinha.
(D) a superfície frontal quente origina queda de saraiva e de granizo e a superfície frontal fria
origina queda de neve.

Fonte: www.meteo.pt
3. Na Figura 1 quando a FF acaba por alcançar a FQ e o ar do sector posterior se juntar ao ar do
sector anterior forma-se uma…
(A) frente quente.
(B) frente fria.
(C) frente estacionária.
(D) frente oclusa.

4. A costa ocidental de Portugal Continental, em regra, é atingida em primeiro lugar pelo sector
anterior das perturbações da frente polar porque a progressão das depressões barométricas se
faz de...
(A) este para oeste, por a atmosfera não acompanhar o movimento de rotação da Terra.
(B) norte para sul, devido à diferente inclinação dos raios solares ao longo do ano.
(C) sul para norte, devido ao défice de energia solar das regiões equatoriais.
(D) oeste para este, em consequência do movimento de rotação da Terra.

5. A perturbação da frente polar esquematizada na Figura 1 afecta …


(A) mais o sul de Portugal Continental, principalmente no Verão.
(B) mais o norte de Portugal Continental, principalmente no Verão.
(C) mais o norte de Portugal Continental, principalmente no Inverno.
(D) todo território nacional de igual forma.

GRUPO II

A figura 2 representa a carta meteorológica de superfície, em 20 de janeiro de 2013.

Figura 2 – Carta meteorológica, 20 de janeiro de 2013

1. O estado do tempo registado em Portugal Continental resultou da influência de …


(A) uma alta pressão.
(B) uma baixa pressão.
(C) uma perturbação frontal da frente polar.
(D) uma frente fria.

2. O centro barométrico centrado sobre o arquipélago dos Açores…


2
(A) é de origem dinâmica, o ar é subsidente e divergente. O ar desce em altitude, comprime-se
e diverge à superfície.
(B) é de origem dinâmica, o ar é subsidente e convergente. O ar desce em altitude, comprime-
se e converge à superfície.
(C) é de origem dinâmica, o ar é ascendente e convergente. O ar converge, ascende e
expande-se.
(D) é de origem térmica, resulta do intenso arrefecimento do ar, em contacto com uma
superfície mais fria.

3. O estado do tempo em Portugal Continental caracterizou-se, nesse dia por…


(A) períodos de céu muito nublado, com ocorrência de aguaceiros fracos e pouco frequentes,
em especial no litoral oeste. A partir do início da manhã: aumento de nebulosidade e períodos
de chuva no litoral Norte e Centro, estendendo-se gradualmente às restantes regiões,
passando a regime de aguaceiros.
(B) céu pouco nublado ou limpo, com vento fraco em todo o território continental.
(C) períodos de céu pouco nublado, tornando-se pouco nublado ao fim da tarde.
(D) céu limpo ou pouco nublado, tornando-se muito nublado no norte interior, onde ao fim da
manhã haverá ocorrência de aguaceiros fracos.

4. No arquipélago dos Açores, o estado do tempo no grupo ocidental caracterizou-se, no geral,


por…
(A) céu muito nublado, diminuindo de nebulosidade ao longo da manhã, com períodos de
chuva fraca durante a madrugada.
(B) céu muito nublado, diminuindo de nebulosidade ao longo da tarde. Períodos de chuva fraca
passando a aguaceiros fracos.
(C) Períodos de céu muito nublado com abertas. Aguaceiros fracos dispersos.
(D) Céu limpo e ausência de precipitação.

5. Pressão atmosférica…
(A) é a força que o ar atmosférico exerce sobre o mar, por unidade de superfície.
(B) é a força que o ar atmosférico exerce sobre a superfície da Terra, por unidade de
superfície.
(C) é a força que o ar exerce sobre o continente, por unidade de superfície.
(D) é a força que o ar exerce sobre a atmosfera, por unidade de superfície.

GRUPO III

Portugal não aproveita o Sol como fonte de energia, apesar das potencialidades existentes no
contexto europeu, tanto sobre a forma passiva como sob a forma activa.

1. Refere quais são os dois principais sistemas que permitem transformar a energia solar em
energia térmica ou em energia eléctrica.

2. Fornece dois exemplos de regiões do nossos pais que fazem uma boa utilização activa da
radiação solar.

3
GRUPO IV

No estado sólido, líquido ou gasoso, a água está presente em todo o planeta. Evaporada nos
oceanos, aí regressa no fim de um ciclo ininterrupto.

1. Identifica o processo a que se refere a afirmação anterior explicando a sua importância para o
equilíbrio da Terra.

2. Apresenta 4 exemplos que comprovem a importância da água para o desenvolvimento das


actividades humanas.

GRUPO V

A Figura 3 representa a diversidade climática em Portugal Continental.

Figura 3 – Diversidade climática em Portugal Continental.

4
1. Recorrendo aos elementos da Figura 3 compara os meses secos entre as estações
meteorológicas de Braga e Faro.

2. Recorrendo aos elementos da Figura 3 refere qual dos gráficos termopluviométricos estaria
mais próximo de um gráfico termopluviométrico dos Açores.

3. Recorrendo aos elementos da Figura 3, comprova a diversidade climática de Portugal


Continental.

Bom trabalho!

GRELHA DE COTAÇÕES POR QUESTÃO

QUESTÃO GRUPO COTAÇÃO

I
1. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
2. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
3. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
4. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
5. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
40 pontos
II
1. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
2. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
3. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
4. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
5. ………………………………………………………………………………. 8 pontos
40 pontos
III
1. ………………………………………………………………………………. 20 pontos
2. ………………………………………………………………………………. 10 pontos
30 pontos
IV
1. ………………………………………………………………………………. 18 pontos
2. ………………………………………………………………………………. 12 pontos
30 pontos
V
………………………………………………………………………………. 15 pontos
1.
………………………………………………………………………………. 15 pontos
2.
………………………………………………………………………………. 30 pontos
3.
60 pontos

TOTAL 200 pontos