Você está na página 1de 3

Universidade do Estado da Bahia – UNEB

Departamento de Ciências Humanas – DCH Campus IV

Componente: Geografia Semestre: 8º / 2018.1

Docente: Maria Zélia

Discente: Paulo Matheus

Referencias:

AZEVEDO, J. M. L.. A Educação como política pública: polêmicas do nosso


tempo.. São Paulo: Autores Associados, 1997. 71 p

ENDERLE, R. e GUERRERO, G. A. A herança patrimonialista na burocracia


estatal do Brasil: path dependence patrimonialista e a falta da autonomia
enraizada do estado brasileiro. In: ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO
SUL, 11., Curitiba, 2008. Anais... Curitiba: ANPEC Sul, 2008.

Concepções acerca da abordagem Neoliberal

Para que aja a análise e compreensão sobre a concepção Neoliberal


torna-se necessário irmos em busca de seu conceito de suas raízes históricas
e geográficas cujo os reflexos desta abordagem vem a interferir em diversas
instancias e setores do Estado e de seus aparatos governamentais, agindo nos
meios econômicos, políticos e sociais.

As raízes desta abordagem têm fortes influencias do Liberalismo


clássico, onde a partir do século XVII como de acordo com (AZEVEDO, 1997)
viera a sofrer diversas modificações e adaptações diretamente ligadas ao
grande avanço do sistema capitalista e juntamente a esse a intensificar as
estruturas entre as classes, interferindo diretamente no sistema econômico e
político.

Junto a estes adaptações provindas da política clássica, fatores


históricos a crescente organização do mundo do trabalho, a luta entre classes,
o progresso técnico e científico, as diversas crises, revoluções, as guerras
mundiais geraram reordenamentos políticos pois neste momento uma nova
geopolítica do espaço necessitava de novos ordenamentos que viessem a
atender a forte demanda de um mercado capitalista crescente.
Dentre todos estes acontecimentos, como de acordo com (AZEVEDO,
1997) com a crise de 1970 que a concepção Neoliberal assumiu sua atual
versão, onde questionava os modos de organização social e política ligada
diretamente ao estado desta forma alterando todo aparato da maquina
governamental para atender estas policias publicas. De acordo com
(AZEVEDO, 1997) os neoliberais creditam ao mercado a capacidade de
regulação do capital e do trabalho e consideram as políticas públicas as
principais responsáveis pela crise que perpassa a sociedade. ’’ (AZEVEDO,
1997, p.12)

Desta forma compreende-se que o papel do Estado como ‘’Estado


Mínimo’’ onde deveria ser unicamente restrito por medidas que se estabeleçam
como normas gerais, onde este passa a ter função de responder por alguns
bens sociais essenciais como a educação, defesa e aplicação de leis como de
acordo com MACPHERSON (1978) apud AZEVEDO (1997, p.9.). Pois uma
maior intervenção do Estado geraria um desequilíbrio na ordem, haja vista que
desta forma estariam se contrapondo aos fundamentos da liberdade e do
individualismo.

Os fundamentos da liberdade e do individualismo


são tomados aqui para justificar o mercado como
regulador e distribuidor da riqueza e da renda,
compreendendo-se que, na medida em que potencializa
as habilidade e a competitiva individuais, possibilitando a
busca ilimitada do ganho, o mercado produz,
inexoralvemente, o bem- estar social. (AZEVEDO, 1997,
p.10)
Referentes a políticas públicas ofertadas pelo estado, entende-se que as
várias formas de proteção destinadas aos trabalhadores, idosos e excluídos do
mercado ferem a livre iniciativa e os postulados da individualidade, como de
acordo com Azevedo (1997, p. 13) ‘’Os seguros de acidente, de desemprego,
as pensões e as aposentadorias são consideradas formas de constranger e de
alterar o equilíbrio do mercado de trabalho. ’’

Logo de acordo com esta abordagem, uma de suas preocupações esta


relacionado ao ‘’Inchamento da maquina governamental’’ onde credita que ao
Estado atender com políticas publica e sociais certos setores acaba por causar
um ‘’inchamento’’ gerando mais custos e despesas ao mesmo, por estes
motivos uma das alternativas torna-se a privatização de alguns setores.

Em relação ao meio educacional, a abordagem neoliberal compreende


que a educação básica deve ser uma das preocupações do ‘’Estado Mínimo’’
pois esta garante uma futura qualificação do individuo para adentrar ao
mercado de trabalho, porem a mesma segue os postulados da noção da
liberdade individual, onde cada individuo deve procurar meio de se qualificar e
adentrar ao mercado de trabalho.

Percebe-se que esta abordagem neoliberal vem passa a atender o


mercado capitalista de forma precisa, aonde diversos países vieram a optar em
seu sistema policia, econômico e social, medidas neoliberais para atender esta
demanda. Tomando como base este raciocínio podermos citar suas
interferências na formação Estatal do Brasil onde este sistema capitalista, o
investimento em empresas, acaba por marcar uma ruptura nas antigas
estruturas políticas, sociais e econômicas marcas de um antigo Brasil colonial.
A abertura de portos para o capital estrangeiros, características de um Estado
neoliberal passa a interferir drasticamente na economia, porem não totalmente
desvinculados aos interesses nacionais onde a burguesia continuava a ser
atendida com o capital internacional.

Esta analise tem como o objetivo trazer evidencias e características de


uma abordagem neoliberal e como esta atinge os sistemas governamentais,
porem vale salientar que o Estado é formado por diversas outras abordagens
que viera a constituir diversas políticas publicas, a abordagem analisada,
neoliberal, é uma das aplicadas para atender este crescendo avanço do capital.