Você está na página 1de 7

História da Música 4

O estudante e pesquisador em música deve se atentar a escuta histórica, ao


contexto histórico, o prazer estético, ler cartas e anotações dos compositores e estar atento
aos acontecimentos históricos.
O anacronismo – olhar por fora do tempo e traçar comparações não feitas e não
ainda observadas.

Música Contemporânea – Séc. XX

• Música moderna com pluralidade de estilos e formas


• A música ”popular”
• Vanguarda – que está à frente de seu tempo
• Status coe – é o que se mantém como está

Dissolução do sistema tonal

A saturação do Tonalismo.
Sistema Tonal:

• Sistema não resiliente – algo que se adapta ao adverso – flexível


• Sistema – regra, modelo, organização. Um conjunto de elementos que se delimita
• O conjunto é maior que a soma das partes por meio das relações internas

Elementos do Sistema Tonal:

• Temperamento
• Intervalos – sons e alturas definidos em temperamento igual.
• Quantidade- 12 sons.
• Modos - Maior e Menor
Campo Harmônico – relações de acordes e suas funções.
Principais funções:

• Tônica – repouso
• Subdominante – suspenção
• Dominante – Movimentação
Relação das Escalas – Tonalidades e modulações.
Tenção – negar algo que se tem como regra. Agir e reagir, emenda/ Exceções.

• Tônicas Mediantes
• Modulações Cromáticas
• Alargamento da forma

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
Contexto Histórico – Viena – (fim de século 18)
1-Freud - Positivismo inconsciente
Descartes – pensador que vai questionar as certezas das coisas.
• Res. Cogitars – Pensar
• Res. Extensa – o que existe ó mundo.
Tabula rasa - uma mente que não sabe nada o questionamento do “eu”.
Cogito, ergo sun – penso logo existo.
Pensamento Racionalista- Razão como pensamento único e central.
Francis Bacon (Séc. XVII) – método científico, a hipótese, testar, observar e
concluir.
Indivíduo - Modelo - condições ideais.
Normalidade - é a forma normal?
Platão – arquétipo – ideias / sensível
Séc. XVII – A razão é uma e a realidade é outra.
2- Metafísica – Sociedade Católica.
Thomas de Aquino e Santo Agostinho
Razão versus a Fé
Séc. XIX – Irracionalidade - Racional
Período de melhor organização das fronteiras, criação da identidade pela exclusão –-
cartesiano.
3- Binarismo – elementos opostos.
O certo (verdade) versus O errado (mentira).
Liberalismo burguês - fim do Séc. XIX – Otimismo e a Tecnologia – revolução Industrial.
Coexistência – Crise no Séc. XX- a dificuldade do mundo. La valse Maurice Ravel)

*****************************************************************

Relações – Diatônicas versus Cromatismo – (Romantismo)


• Sentido horário – (#) - adiciona a sensível
• Sentido anti-horário – (b) – neutraliza ao Trítono criando a quarta justa
• Escala menor- alteração do 6º e 7º graus
• Sensível - relação ascendente -segunda menor entre 7ª e 8ª nota
• Sensível modal – relação ascendente da 2ª maior entre 7ª e 8ª nota
• Ante - sensível – relação descendente 2ª menor entre 2ª e 1ª nota
• Cadência Frígia – menor Modo 4ª menor- 1ª inversão da Dominante
• Tons Vizinhos – IVº e Vº
• Tônicas Mediantes – Terça acima ou abaixo envolvendo pelo mesmo uma
cromatização

Lá Maior (3 sustenidos) Mi Mario (4 Sustenidos)

Láb Maior (4 Bemóis) Dó Mib Maior (3 Bemóis)

Láb menor (7 Bemóis) Mi b menor ( 6 Bemóis)

Problema - fere o campo harmônico da tônica, gerando ambiguidade, esta gera


necessidade de resolução.
Cromatismo / Suspenção
Descaracteriza o campo harmônico da tônica
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Acorde Vogante
1- Aumentado (3ªM E 3M) fim do Romantismo adquirindo função de Dominante
ex: fá, sib, mib, réb

2- 2 Quartas- acordes simétricos, mesmo intervalo

3- Quintas – do, sol, ré, lá, mi


4- Acorde de Tristão – Trítono, 3M e 4 Justa

Pós-Romantismo (1880 -1940)

Germânico – desenvolvimento
Material composicional estratégia composicional – expressar ideias. Gustav
Mahler = ambíguo com a Sinfonia
Sinfonia nº 1 Ré Maior e Ré meno

Modo menor a ser fundido ao modo maior. Função do campo harmônico


expandido. Tirar o foco da escala e passa a ser o centro tonal a ’’nota”

‘’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’’
Pós-Romantismo Germânico

Richard Strauss

• Poema Sinfônico, Sinfonia Alpina, Óperas, Líder, música


programática história, sinfonia doméstica
• Expansão das tonalidades, notas bem distantes.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Impressionismo Francês
Alemanha – racionalismo
França – a arte não é algo banal, inútil
No Brasil - Olavo Bilac, Cruz e Souza Poesia

Maurice Ravel. Claude Debussy, Lili Boulange, Gabriel Fauré


Debussy (1862 – 1918)
Ambíguo:

• Técnica – desenho melódico, métrica e harmonia – para sentir sensações


• Intensidade - Luz
• Co r- Timbre – cromatismo – dissonância e consonância
• Figura – função - forma.
• 3 Monceaux – gênero francês ternário

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Mudança de paradigmas – o zumbido do novo
Conjunto de novas formas e ideias composicionais

Paradigmas: (positivos ou negativos)


• Direitos humanos iguais
• Escravidão problemas étnicos
• Ideologia de gênero
• A classe social
• A orientação sexual
• A profissão
• Os portadores de necessidades especiais.
• Racionalidade pura – queda do binarismo, do conforto/ entretenimento
• Espiritual versus científico

Paradigmas do Séc. XIX na música- Questionamento e tudo o porquê?

Pontos questionáveis:

• A forma composicional

• A instrumentação e a técnica instrumental

• O sistema tonal

• A organização harmônica

• A escrita - notação musical

• A performance - o músico e sua forma de interpretativa

• O som - timbre

O gosto – o costume o gosto, portanto se discute. Entender o que nos está sendo
“oferecido” e deixar as expectativas de lado e olhar com outros olhos e ouvidos.
Deixar de se basear na superficialidade dos assuntos, se aprofundar para
conhecer e saber como e por que argumentar.

Arte - se tornar o lugar para o questionamento e o ser humano pode se evoluir.

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
Movimento futurista Séc. XX
Foi o movimento artístico italiano do início do séc. XX que exaltava as novidades
tecnológicas, tornando-as centro das discussões artísticas. A literatura, as artes visuais,
a arquitetura e a música.
.......................................................................................................................................

A Música Russa

Primeira guerra mundial - 29/06/1914 à 11/09/1919


Reino Unido, França e Império Russo versus Alemanha e Império Austro-Húngaro
Começo do Século - saturação e crise nas relações político/ diplomáticas
1971 – Revolução Russa.
Cada país querendo mostrar mais a sua hegemonia e poder, na cultura, na culinária, na
arte, na música nas fronteiras e a intolerância racial.
Séc. XIX Monarquia Czarismo.
• Abuso do poder
• Revolução industrial
• Forte força Operária e Rural – cultura do proletário. Vanguarda versus o
formalismo
• Socialismo –-República Socialismo -Lenin, sindicalista que vem da base operária,
golpe dado por Stalin em 1924.
• Serguei Diaghilev (1872-1929) - fundador do balé Russo
• Igor Stravinsky (17/06/1882-06/04/1971)
• 1910 -pássaro de fogo baseado em uma lenda Russa
• 1911 e 1912- Petroushka – comédia -Politonalidade
• 1913- A sagração da Primavera - Pantonalidade - a dança do balé baseada em
um ritual pagão antigo Russo
• Músicas sem uma tonalidade definida
• Fragmentos melódicos
• Empilhamento
• Não desenvolvimento
• Coesão vem da repetição - típico do classicismo
Primeira fase- Período Russo

• A sagração da Primavera - 1913


• Revolução em todos os âmbitos

Segunda fase- Neoclássica


Neoclássico - voltar para o passado, revolução branda com o uso de referências clássicas.
Ideal clássico- nova moldura limitada,
Neoromântico - no Séc. XX simplificado a harmonia, em busca da retomada do lirismo,
van guarda soviética. Sistema tonal expandido.