Você está na página 1de 33

Conceito(s) de Literatura

Teoria Literária I

Conceito (s)
de
Literatura

Universidade Federal do Pará,


Belém/Bragança, 2010.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 11
Conceito(s) de Literatura
Tecer versos é, por força,
Fazer sulcos em penedos,
Singrar as pedras todas
Do mar de si ao avesso,
Derramar suores em gotas
No fero vigor do remo.

É ferir à quilha da fragata


As artérias espumosas
Das altas internas vagas,
Navegar por entre as rochas, Talhar a cerrados pulsos
Extrair exangues lascas — As pedras finas, mas duras,
Vergões por dentro e por fora. Lapidar relevos pulcros
Em fendas pouco profundas
É um árduo trabalho infruto
Que só lega palmas sujas. [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 22
Conceito(s) de Literatura
Que tens, caralho, que pesar te oprime
que assim te vejo murcho e cabisbaixo
sumido entre essa basta pentelheira,
mole, caindo pela perna abaixo?

Nessa postura merencória e triste


para trás tanto vergas o focinho,
que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
teu sórdido vizinho!

Que é feito desses tempos gloriosos


em que erguias as guelras inflamadas,
na barriga me dando de contínuo
tremendas cabeçadas? [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 33
Conceito(s) de Literatura
Tecer versos é, por força, Que tens, caralho,
caralho, que pesar te oprime
Fazer sulcos em penedos, que assim te vejo murcho e cabisbaixo
Singrar as pedras todas sumido entre essa basta pentelheira,
pentelheira,
Do mar de si ao avesso, mole, caindo pela perna abaixo?
Derramar suores em gotas
No fero vigor do remo. Nessa postura merencória e triste
para trás tanto vergas o focinho,
É ferir à quilha da fragata que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
As artérias espumosas
teu sórdido vizinho!
Das altas internas vagas,
Navegar por entre as rochas,
Que é feito desses tempos gloriosos
Extrair exangues lascas —
em que erguias as guelras inflamadas,
Vergões por dentro e por fora.
na barriga me dando de contínuo
Talhar a cerrados pulsos tremendas cabeçadas? [...]
As pedras finas, mas duras,
Lapidar relevos pulcros
Em fendas pouco profundas
É um árduo trabalho infruto
Que só lega palmas sujas. [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 44
Conceito(s) de Literatura

 Os textos anteriores são expressões artísticas?


 São textos literários? (Ambos? Nenhum? Apenas um?)
 Por quê?
 O que confere a um objeto o caráter artístico?
 O que confere a um texto o caráter literário?

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 55
Conceito(s) de Literatura

 Alguns conceitos (grosso modo):

 A literatura é a arte da palavra (arte de natureza verbal).


 A literatura é ficção.
 A literatura é fuga da realidade, uma realidade imaginária.
 A literatura é uma forma de conhecimento do mundo e do ser
humano.
 A literatura não tem vínculo com a realidade; contenta-se consigo
mesma.
 A literatura como instrumento político.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 66
Conceito(s) de Literatura

 É arte?

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 77
Conceito(s) de Literatura

 E agora?

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 88
Conceito(s) de Literatura

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 99
Conceito(s) de Literatura

 Desenho animado é arte?


 Os Simpsons é arte?
 Por quê?

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 10
10
Conceito(s) de Literatura
 “Os Simpsons é uma forma de
arte porque vai além e cria um
universo com regras
particulares, baseado em um
exagero do mundo real, mas
criado com tal complexidade e
consistência que termina por
influir decisivamente na
realidade na qual se inspira. [...]
Em outra palavras, Os Simpsons
é um produto do mundo atual,
mas o mundo atual é também
um produto dos Simpsons”.
Ricardo Calil
Revista Bravo! Agosto de 2007.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 11
11
Conceito(s) de Literatura

 Arte e sociedade (Rogel Samuel):

 “A literatura, como produto do trabalho humano [...] faz uma transformação


da realidade [...] e interfere indiretamente nas consciências, no sentido de
humanizar o próprio homem”.
 “A literatura trabalha para o desenvolvimento da intuição interior, seu
objetivo é o reino do espírito humano”.
 “A literatura é um reflexo do processo histórico. [...] não só reproduz a
realidade, mas dá forma a um tipo de realidade. [...] mas não substitui a
sociologia e a política como maneiras de explicar a sociedade”.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 12
12
Conceito(s) de Literatura

 Alguns critérios para se observar a natureza da literatura:

 O tipo de linguagem empregada;


 As intenções do autor;
 Os temas e os assuntos de que trata a obra;
 A natureza do projeto do Escritor;
 A obra literária para existir necessita de um intercâmbio social autor-obra-
leitor;
 A relação autor-leitor é mediada por muitas instâncias: editor, distribuidor,
livreiros, etc. (corredor comercial); crítica literária, crítica universitária, etc.;

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 13
13
Conceito(s) de Literatura
Tecer versos é, por força, Que tens, caralho,
caralho, que pesar te oprime
Fazer sulcos em penedos, que assim te vejo murcho e cabisbaixo
Singrar as pedras todas sumido entre essa basta pentelheira,
pentelheira,
Do mar de si ao avesso, mole, caindo pela perna abaixo?
Derramar suores em gotas
No fero vigor do remo. Nessa postura merencória e triste
para trás tanto vergas o focinho,
É ferir à quilha da fragata que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
As artérias espumosas
teu sórdido vizinho!
Das altas internas vagas,
Navegar por entre as rochas,
Que é feito desses tempos gloriosos
Extrair exangues lascas —
em que erguias as guelras inflamadas,
Vergões por dentro e por fora.
na barriga me dando de contínuo
Talhar a cerrados pulsos tremendas cabeçadas? [...]
As pedras finas, mas duras,
Lapidar relevos pulcros
Em fendas pouco profundas
É um árduo trabalho infruto
Que só lega palmas sujas. [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 14
14
Conceito(s) de Literatura
Tecer versos é, por força, Que tens, caralho,
caralho, que pesar te oprime
Fazer sulcos em penedos, que assim te vejo murcho e cabisbaixo
Singrar as pedras todas sumido entre essa basta pentelheira,
pentelheira,
Do mar de si ao avesso, mole, caindo pela perna abaixo? Autor:
Derramar suores em gotas Bernardo Guimarães
No fero vigor do remo. Autor: Nessa postura merencória e triste
para trás tanto vergas o focinho,
É ferir à quilha da fragata que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
As artérias espumosas
teu sórdido vizinho!
Das altas internas vagas,
Navegar por entre as rochas,
Que é feito desses tempos gloriosos
Extrair exangues lascas —
em que erguias as guelras inflamadas,
Vergões por dentro e por fora.
na barriga me dando de contínuo
Talhar a cerrados pulsos tremendas cabeçadas? [...]
As pedras finas, mas duras,
Lapidar relevos pulcros
Em fendas pouco profundas
É um árduo trabalho infruto
Que só lega palmas sujas. [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 15
15
Conceito(s) de Literatura
Tecer versos é, por força, Que tens, caralho,
caralho, que pesar te oprime
Fazer sulcos em penedos, que assim te vejo murcho e cabisbaixo
Singrar as pedras todas sumido entre essa basta pentelheira,
pentelheira,
Do mar de si ao avesso, mole, caindo pela perna abaixo? Autor:
Derramar suores em gotas Bernardo Guimarães
No fero vigor do remo. Autor: Abilio Nessa postura merencória e triste
Pacheco para trás tanto vergas o focinho,
É ferir à quilha da fragata que eu cuido vais beijar, lá no traseiro,
As artérias espumosas
teu sórdido vizinho!
Das altas internas vagas,
Navegar por entre as rochas,
Que é feito desses tempos gloriosos
Extrair exangues lascas —
em que erguias as guelras inflamadas,
Vergões por dentro e por fora.
na barriga me dando de contínuo
Talhar a cerrados pulsos tremendas cabeçadas? [...]
As pedras finas, mas duras,
Lapidar relevos pulcros
Em fendas pouco profundas
É um árduo trabalho infruto
Que só lega palmas sujas. [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 16
16
Conceito(s) de Literatura

 Jonathan Culler

 “Durante vinte e cinco séculos as pessoas escreveram


obras que hoje chamamos de literatura, mas o sentido
moderno de literatura mal tem dois séculos de idade.
Antes de 1800, literatura e termos análogos em outras
línguas européias significavam ‘textos escritos’ ou
‘conhecimento de livros’. Mesmo hoje, um cientista
que diz a ‘literatura sobre evolução é imensa’ quer
dizer não que muitos poemas e romances tratam do
assunto, mas que se escreveu muito sobre ele.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 17
17
Conceito(s) de Literatura

 Jonathan Culler (cont.)


 E obras que hoje são estudadas como literatura
nas aulas de inglês ou latim nas escolas e
universidades foram uma vez tratadas não como
um tipo especial de escrita, mas como belos
exemplos do uso da linguagem e da retórica.
Eram exemplos de uma categoria mais ampla de
práticas exemplares de escrita e pensamento, que
incluía discursos, sermões, história e filosofia.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 18
18
Conceito(s) de Literatura

 Jonathan Culler (cont.)


 Aos estudantes não se pedia para interpreta-las,
como agora interpretamos as obras literárias,
procurando explicar sobre o que elas ‘realmente’
são. Ao contrário, os estudantes as
memorizavam, estudavam sua gramática,
identificavam suas figuras retóricas e suas
estruturas ou procedimentos de argumento. Uma
obra como a Eneida, de Virgílio, que hoje é
estudada como literatura, era tratada de modo
diferente nas escolas antes de 1850.”
Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 19
19
Conceito(s) de Literatura

 Evolução do conceito de Literatura (Victor Manuel):


 Antiguidade clássica: Saber referente à arte de escrever e
ler gramática, instrução, erudição.
 A partir do século XVIII: belas letras, conhecimento,
doutrina e erudição.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 20
20
Conceito(s) de Literatura

 Antes da 2ª metade do séc. XVIII: poesia, eloqüência,


verso, prosa, etc.
 Segunda metade do século XVIII: valor polissêmico.
– Voltaire: (belle literáture): uma forma particular de
conhecimento; valores estéticos e relação com letras.
– Diderot: Literatura é arte e também um conjunto de
manifestações dessa arte (pelo valor estético)

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 21
21
Conceito(s) de Literatura

 Principais usos do lexema “Literatura” até o


Romantismo (Victor Manuel):

 Conjunto da produção literária de uma época ou de


uma região;
 Conjunto de obras que se particularizam e ganham
feição especial pela sua origem, pela sua temática ou
pela sua intenção;
 Bibliografia existente acerca de um determinado
assunto;
Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 22
22
Conceito(s) de Literatura

 Principais usos do lexema “Literatura” até o Romantismo


(Victor Manuel):

 Retórica, expressão artificial;


 Por Elipse, emprega-se simplesmente Literatura em vez de
História da Literatura;
 Por Metonímia: significa também manual de História da
Literatura;
 Literatura pode significar ainda conhecimento sistematizado,
científico do fenômeno literário.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 23
23
Conceito(s) de Literatura

 Alguns significados fundamentais a partir do século XVIII,


conforme Victor Manuel:

 uma arte particular


 uma específica categoria da criação artística;
 um conjunto de textos resultantes da atividade criadora,
agregado aos gêneros literários como epopéia, drama e lírica.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 24
24
Conceito(s) de Literatura

 Características do texto Literário (ensino médio)

 Ficcionalidade;
 Função estética;
 Plurissignificação;
 Subjetividade.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 25
25
Conceito(s) de Literatura

 “Erza Pound:

grande literatura é linguagem carregada de


significado até o último grau possível ”.

Ou seja: alto grau de literariedade.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 26
26
Conceito(s) de Literatura

 Literariedade (do russo literaturnost) isto é aquilo que faz de um dado texto
um texto literário.Entretanto os usos especiais de linguagem que fazem o
literário também podem ser encontrados em textos não-literários.
 Jonathan Culler faz a seguinte confissão num texto sobre Literariedade:

“Devemos confessar que não chegamos a uma definição satisfatória da


literariedade.” e

“Não encontramos nenhum critério distintivo e suficiente susceptível de a


definir.”

(Teoria Literária, dir. de Marc Angenot et al., Dom Quioxte, Lisboa, 1995,
p.45 e p.58).

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 27
27
Conceito(s) de Literatura
 Antonio Candido

 “A Literatura, como toda arte, é uma transfiguração do real, é a


realidade recriada através do espírito do artista e retransmitida
através da língua para as formas, que são os gêneros, e com os quais
ela toma corpo e nova realidade. Passa, então, a viver outra vida,
autônoma, independente do autor e da experiência de realidade de
onde proveio. Os fatos que lhe deram às vezes origem perderam a
realidade primitiva e adquiriram outra, graças à imaginação do
artista. São agora fatos de outra natureza, diferentes dos fatos
naturais objetivados pela ciência ou pela história ou pelo social.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 28
28
Conceito(s) de Literatura
 Antonio Candido (continuação):

 O artista literário cria ou recria um mundo de verdades que não são


mensuráveis pelos mesmos padrões das verdades factuais. Os fatos
que manipula não têm comparação com os da realidade concreta. São
as verdades humanas, gerais, que traduzem antes um sentimento de
experiência, uma compreensão e um julgamento das coisas humanas,
um sentido da vida, e que fornecem um retrato vivo e insinuante da
vida, o qual sugere antes que esgota o quadro.
 A Literatura é, assim, a vida, parte da vida, não se admitindo possa
haver conflito entre uma e outra. Através das obras literárias,
tomamos contato com a vida, nas suas verdades eternas, comuns a
todos os homens e lugares, porque são as verdades da mesma
condição humana.”

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 29
29
Conceito(s) de Literatura
 Pedro Lyra - Para um conceito de Crítica (fragmentos).

 “O autor é, antes de mais nada, um indivíduo histórico concreto,


nascido numa determinada época, numa determinada sociedade, com
uma estrutura econômica, uma organização política, um sistema
jurídico que condicionam sua existência desde antes do seu
nascimento e aos quais ele não pode fugir. Ele pode modificar esses
elementos, mas qualquer ação nesse sentido já está previamente
condicionada pela própria ação que esses elementos
exerceram/exercem sobre ele. Noutras palavras: ele tem que agir
sobre a sua sociedade com os instrumentos fornecidos por essa
própria sociedade, ou seja, por seu momento histórico.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 30
30
Conceito(s) de Literatura
 Pedro Lyra - Para um conceito de Crítica (fragmentos) continuação.

 Como escritor, esse indivíduo deverá ter:


 a) uma determinada maneira de combinar as palavras no verso/frase
– vinculada a um desejo de atingir a perfeição;
 b) um determinado modo de ver o mundo – vinculado a um desejo de
comunicar essa mundividência a um público universal;
 c) um certo ideal de comportamento – vinculado a um desejo de
incorporar ao padrão de vida do seu público a sugestão de mudança
implícita em seu texto.
 [...]

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 31
31
Conceito(s) de Literatura
 Pedro Lyra - Para um conceito de Crítica (fragmentos) continuação.

 Ela [a obra] organiza três macro-elementos internos desdobrados em


diversos micro-elementos que se potencializam em múltiplas
relações:
 um tema – sempre referido a um problema humano, ponto de partida
da criação, fornecido pelo meio;
 uma forma – estruturação estetizante desse problema, conferida pelo
autor;
 a linguagem – instrumento literário de abordagem do problema do
humano, recebida e modificada pelo escritor, e que, por isso,
participa da natureza comunitária do tema e da natureza individual da
forma.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 32
32
Conceito(s) de Literatura
 Pedro Lyra - Para um conceito de Crítica (fragmentos) continuação.

 Para tanto, a arte exige de toda obra pelo menos 3 requisitos


indispensáveis:
 interesse – que está em seu conteúdo: a importância que este
apresenta para atrair e prender sucessivas gerações de leitores por
tempo indeterminado, e que será tanto mais interessador quanto mais
atual for o problema humano que o consubstancia;
 eficácia – que está na sua forma: o poder necessário para reproduzir
o interesse, diretamente vinculado ao talento do escritor;
 permanência – que resulta da união do interesse do conteúdo e da
eficácia da forma, para superar os limites originais e originários de
tempo e espaço da obra, já que nenhum escritor se afirma como
agente cultural se sua obra morrer com ele.

Prof.
Prof.MSc.
MSc.Abilio
AbilioPacheco
Pacheco Teoria
TeoriaLiterária
Literária UFPA
UFPA 33
33