Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO

CURSO: TÈCNICO EM INFORMÀTICA


DISCIPLINA: REDES DE COMPUTADORES
POLO: CETECMA-SLZ

Relatório técnico
Packet Tracer

PROFESSOR: GEDSON RIOS


TUTOR: ALEX SANDRO P. MELO
ALUNO: GEORGE VAGNER SILVA DE SOUZA

SÃO LUIS
2014
ALUNO: GEORGE VAGNER SILVA DE SOUZA
RELATÓRIO N° 1
Este relatório foi desenvolvido para a disciplina de
Redes de computadores, ministrada pelo professor
Gedson Rios, para composição da média avaliativa.

São Luís
2014
SUMÁRIO
2
Resumo............................................................................................................................................4

Introdução........................................................................................................................................4

Embasamento Teórico......................................................................................................................5

Materiais …......................................................................................................................................6

Objetivos …......................................................................................................................................6

Problema...........................................................................................................................................6

Resultados e Discussões...................................................................................................................7

Conclusões........................................................................................................................................12

Referências......................................................................................................................................13

3
RESUMO
Foi visado nesse relatório, apresentar os resultados obtidos na execução de uma série de
procedimentos que compõem a estruturação de uma rede de computadores. Foi criada uma rede
com nove hosts e possibilidade de expansão, dois switch’s e um servidor que oferece serviços de
DHCP, DNS, HTTP, E-MAIL, FTP, NTP e TFTP. A rede foi criada usando-se endereços IP de
versão 4(IPV4), fornecidos pelo servidor a partir do serviço de DHCP, usando endereços de
categoria A. Toda a operação foi efetuada através do software da Cisco, o Packet Tracer versão
6.0.1.

INTRODUÇÃO

O Cisco Packet Tracer é uma ferramenta de simulação de rede que possibilita um estudo prévio do
comportamento da rede, sendo de grande utilidade no meio acadêmico e mesmo para projetistas
profissionais. O aplicativo fornece simulação, visualização, criação, avaliação e recursos de
colaboração, apresentando assim, uma enorme variedade de funções a serem exploradas pelos seus
usuários.

Para os usuários novos na área o Packet Tracer fornece uma interface simples que pode ser
manipulada através de ferramentas representadas fisicamente. E assim o Packet Tracer permite de
forma simples que os usuários absorvam conceitos técnicos complexos e criem modelos de rede,
dos mais simples aos mais sofisticados.

4
EMBASAMENTO TEÓRICO

Para o desenvolvimento dessa prática foi necessário o conhecimento de varias tecnologias e


conceitos de redes de computadores, dos quais alguns podem ser vistos a seguir:
Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de
trocar informações e partilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja,
é quando há pelo menos 2 ou mais computadores e outros dispositivos interligados entre si de
modo a poderem compartilhar recursos físicos e lógicos, estes podem ser do tipo: dados,
impressoras, mensagens (e-mails),entre outros.

(...)

Uma rede pode ser definida por seu tamanho, topologia, meio físico e protocolo utilizado.

PAN (Personal Area Network, ou rede pessoal). Uma PAN é uma rede de computadores usada
para comunicação entre dispositivos de computador (incluindo telefones e assistentes pessoais
digitais) perto de uma pessoa.

LAN (Local Area Network, ou Rede Local). É uma rede onde seu tamanho se limita a apenas uma
pequena região física.

VAN (Vertical Area Network, ou rede de vertical). Uma VAN é usualmente utilizada em redes
prediais, vista a necessidade de uma distribuição vertical dos pontos de rede.

CAN (Campus Area Network, ou rede campus). Uma rede que abrange uma área mais ampla, onde
pode-se conter vários prédios dentro de um espaço continuos ligados em rede. Esta segundo
Tanenbaum em seu livro "Redes de computadores" é uma LAN, justamente porque esta área dita
ampla, quando muito grande abrange 10 quarteirões ou aproximadamente 2.500m quadrados.
Essa é pequena quando comparado a uma cidade. Logo CAN não é senão Car Area Net. onde
funciona o software local, regulando motores e seus componentes eletronicos. Aliás Tanenbaum é
citado mais acima.

MAN (Metropolitan Area Network, ou rede metropolitana). A MAN é uma rede onde temos por
exemplo, uma rede de farmácias, em uma cidade, onde todas acessam uma base de dados comum.

WAN (Wide Area Network, ou rede de longa distância). Uma WAN integra equipamentos em
diversas localizações geográficas (hosts, computadores, routers/gateways, etc.), envolvendo
diversos países e continentes como a Internet.

SAN (Storage Area Network, ou Rede de armazenamento). Uma SAN serve de conexão de
dispositivos de armazenamento remoto de computador para os servidores de forma a que os
dispositivos aparecem como locais ligados ao sistema operacional.[1]

[1]Texto extraído da página http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_de_computadores

5
MATERIAIS UTILIZADOS
 Software Cisco Packet Tracer, Versão 6.0.1, de 32 bits – Cisco Networking Academy;
 Computador com processador: Intel Pentium P6200 2.13 GHz, memória RAM: 2,00 GB,
sistema Operacional Windows 8.1 64 bits;

OBJETIVOS

 Compreender as características dos elementos ativos de rede, bem como suas


especificidades.

PROBLEMA

 Laboratório utilizando o simulador Cisco Packet Tracer para criar uma infraestrutura de
rede demonstrado a performance dos elementos ativos desta rede.
 Criação de um cenário envolvendo tecnologias de redes cabeadas e redes sem fio.

6
RESULTADOS E DISCUSSÕES

Foi desenvolvida uma rede com um total de nove hosts, dois switch’s e um servidor. E a rede foi
desenvolvida seguindo-se uma ordem logica, de modo a diminuir a possibilidade de problemas e
proporcionar a capacidade de expansão da rede. A ferramenta de trabalho pode ser observada na
imagem abaixo,

FIGURA 1

Onde temos a interface do Packet Tracer que pode ser visualizada no modo logico (as ligações
logicas da rede, desprezando a localização geográfica dos elementos) ou no modo Physical (onde se
considera a localização geográfica dos componentes, caracterizando o tipo de rede).
Podem ser usados ainda o método de simulação ou o de tempo real para a analise do funcionamento
da rede.
Na aba inferior esquerda estão os elementos disponíveis e na aba lateral direita estão as ferramentas
de manipulação.
Desse modo, primeiro configurei o servidor da seguinte forma:

 Habilitei o serviço de HTTP e mudei a frase padrão da pagina inicial para “Olá
funcionário, seja bem vindo ao site corporativo.”.

 Habilitei o serviço de DHCP, possibilitando a inclusão de até 50 endereços de IP


auomáticos. As configurações foram efetuadas conforme mostrado na imagem abaixo.
7
FIGURA 2

 Foi habilitado também o serviço de DNS, onde foi denominado o nome de, Server0, ao
servidor e um segundo nome, www.georgeserver.com, ou mesmo. O que possibilita o
acesso e comunicação com o servidor através de 3 maneira, pelo endereço IP, pelo nome
Server0 e pelo segundo nome, que é mais interessante para os usuários comuns. Essa
configuração pode ser vista na imagem abaixo.

8
FIGURA 3

 Foi habilitado ainda o serviço de E-mail, usando-se tanto o protocolo SMTP quanto
POP3, e foram inicialmente adicionados três usuários, conforme pode ser visualizado na
imagem abaixo.

FIGURA 4

9
 Foi habilitado também o serviço de FTP que cria usuários e determina o nível de
permissão para cada um, dentro da rede. E foram criados dois usuários com diferentes
níveis de permissão, conforme pode ser observado na imagem abaixo.

FIGURA 5

O IP do servidor foi definido estático com a numeração 10.0.0.1, com mascara de sub rede
255.0.0.0 e servidor de DNS apontando para ele mesmo. Todos os demais componentes da rede
foram configurados para receberem IP automaticamente do servidor.
A rede montada foi estabelecida com o seguinte layaut.

FIGURA 6

10
A rede foi dividida fisicamente entre os dois switch’s, como pode ser observado na imagem
acima, e foi dividida logicamente através da criação de 3 VLAN’s, onde a rede para os visitantes
fica isolada dos demais pontos de acesso, aumentando a segurança da rede. A divisão das portas do
switch0 foram quem determinaram as VLAN’s dividindo as portas de 1-4 para uma setor
bibliotecário(VLAN 2), as portas de 5-8 para acesso dos visitantes(VLAN 3) e as demais portas
formando a VLAN 1. A porta de comunicação entre os dois switch’s é a porta 24, que foi definida
como uma porta livre, comunicando-se com todas as demais VLAN’s e permitindo assim que o
servidor ofereça serviços para todos os clientes e que o setor de TI possa ter o controle das demais
VLAN’s. A tabela de distribuição de portas por VLAN pode ser observada na imagem abaixo.

FIGURA 7

È importante salientar que em uma das portas da VLAN dos visitantes foi conectado um
roteador wireless que cria uma rede wi-fi, chamada Access Point0, permitindo o acesso aos
dispositivos com interface de rede wi-fi que possuam a senha de acesso, george123, conforme
podemos ver na imagem abaixo.

11
FIGURA 8

Todos os pontos da rede foram testados a partir dos comandos e ferramentas de teste de fluxo de
dados, como por exemplo, os comandos “PING” e “IP CONFIG”, e a rede funcionou perfeitamente
de acordo com o esperado.

12
CONCLUSÃO

Esse experimento possibilitou o desenvolvimento de um sistema de rede de nível intermediário,


podendo exemplificar os modelos comuns de redes corporativas, ampliando o conhecimento sobre
as tecnologias de comunicação de computadores, desenvolvendo os meus métodos de utilização da
ferramenta Cisco Packet Tracer. As configurações dos dispositivos, se preocupara com a proposta
de uma rede corporativa, considerando ainda, possíveis ampliações da mesma se preocupando ainda
com a segurança e a confiabilidade da rede. Com o desenvolvimento desse experimento, foi
possível, ainda, relembrar e aprofundar os conceitos adquiridos na parte teórica da disciplina de
Redes.

13
REFERÊNCIAS

 VIDEO-AULA-Packt Tracer- http://professorramos.com/Packet-Tracer.php- PROFESSOR


Ramos. Acessada em 10/03/2014.

 Roteiro de aprendizagem – Rede de Computadores- Rede ETEC- PROFESSOR Gedson


Rios.

 Página da Wikipédia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_de_computadores - Acessada em


10/03/2014.

14