Você está na página 1de 7

ESCOLA ESTADUAL GUADALAJARA

Rua Rio Verde, nº 80- Bairro Guadalajara Tel.: (31)3638-1411


Professora: Flávia Evangelina / Disciplina: Língua Portuguesa

PLANEJAMENTO ANUAL- 9º ANO


1-Planejamento Bimestral

1º Bimestre
 A reportagem
 O editorial
 O discurso citado nos textos jornalísticos
 Período composto por coordenação
 As orações coordenadas sindéticas e assindéticas
 As orações subordinadas substantivas
 O pronome relativo
 Plural de substantivos compostos
 Plural de adjetivos compostos

TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES


1. Contexto de produção, circulação e recepção de textos. 1.1, 1.2, 1.3,
• Situação comunicativa: produtor e destinatário, tempo e espaço da produção;grau de 1.4,1.5,1.6,.1.7
intimidade entre os interlocutores. ,1.8,1.9,1.10,1.
• Suporte de circulação do texto e localização do texto dentro do suporte. 11,1.12,1.13,1.
• Contexto histórico. 14,1.15, 1.16
• Pacto de recepção do texto.
• Domínio discursivo, objetivo da interação textual e função sociocomunicativa do gênero.
• Situações sociais de uso do texto / gênero.
• Variedades linguísticas: relações com a situação comunicativa, o contexto de época, o
suporte e as situações sociais de uso do gênero.
2. Referenciação bibliográfica, segundo normas da ABNT, 2.1, 2.2, 2.3
• de jornais e textos de jornais;
• de revistas e textos de revistas;
• de livros e partes de livro;
• de sites e artigos da internet.
15. Organização do suporte jornal: relações com o público-alvo 15.3, 15.4,
• Composição (cadernos, suplementos, seções, colunas). 15.5, 15.6,
• Formato. 15.7, 15.8,
• Projeto gráfico (logomarca, variedade de fontes ou caracteres tipográficos, cores, 15.9
imagens).
• Funções sociocomunicativas do suporte e suas partes.
• Pactos de leitura.
• Diversidade de domínios discursivos, de gêneros, de temas e de variedades lingüísticas.
• Integração entre signos verbais e não verbais (sons, imagens e formas em movimento,
fotos, gráficos e legendas).
16. Primeira página 16.1, 16.2,
• Estrutura (título, cabeçalho, manchetes, chamadas, lides, ilustrações e legendas). 16.3, 16.4,
• Funções sociocomunicativas. 16.5, 16.6.
• Composição e função de manchetes, títulos e subtítulos de matérias. 16.7, 16.8,
• Caracterização e função de lides e chamadas. 16.9, 16.10,
• Integração entre signos verbais e não verbais (sons, imagens e formas em movimento, 16.11, 16.12,
fotos, gráficos e legendas). 16.13
17. Credibilidade do suporte jornal: linha editorial, público-alvo e tratamento ideológico- 17.1, 17.2,
lingüístico da informação. 17.3, 17.4,
• O mito da imparcialidade jornalística 17.5, 17.6
• Estratégias de objetividade e credibilidade
• Estratégias de subjetividade e argumentatividade.
21. Uso de pronomes pessoais no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 21.1, 21.2,
• Sistemas pronominais do PP e do PNP: diferenças quanto 21.3, 21.4
- ao preenchimento da posição de sujeito;
- à extensão do emprego de pronomes pessoais tônicos como objeto;
- ao desaparecimento de clíticos junto ao verbo;
- ao emprego de pronomes reflexivos;
- ao emprego de dêiticos e anafóricos.
24. A frase na norma padrão 24.1, 24.2,
• Frase: estruturação, delimitação e articulação 24.3, 24.5,
• Frase oracional e frase não oracional 24.6, 24.7,
• Marcas do relacionamento das palavras na frase: 24.8, 24.9,
- sinais de pontuação; 24.10, 24.11,
- ordem de colocação; 24.12, 24.13,
- concordância; 24.14
- articuladores ( preposições e conjunções);
- natureza dos sintagmas;
- operadores argumentativos;
- entoação / pontuação.
• A frase e seus sintagmas:
- sintagma nominal, sintagma adjetivo, sintagma adverbial;
- ordem canônica e não canônica dos sintagmas na frase e seus efeitos de sentido.
25. A frase na norma padrão: período simples 25.1, 25.2,
• Os sintagmas nominal, adjetivo e adverbial na estrutura oracional. 25.3, 25.4,
• O verbo e seus argumentos. 25.5, 25.6,
• Pontuação: segmentação e articulação de sintagmas 25.7, 25.8,
25.9, 25.10,
25.11, 25.12,
25.13, 25.14,
25.15

2º Bimestre
 O conto
 O discurso citado: o discurso indireto livre
 As orações subordinadas adverbiais
 As orações subordinadas adjetivas
 Os adjetivos pátrios
 Ortografia: tem ou têm/ vem ou vêm?

TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES


6. Vozes do discurso 6.1, 6.2, 6.3,
• Vozes locutoras e seus respectivos destinatários (alocutários). 6.4, 6.5, 6.6,
• Recursos lingüísticos de representação do locutor e/ou do destinatário do texto e seus 6.7, 6.8, 6.9,
efeitos de sentido. 6.10, 6.11,
• Recursos lingüísticos de não representação do locutor e/ou do destinatário do texto e 6.12, 6.13,
seus efeitos de sentido. 6.14
• Vozes sociais (não locutoras) mencionadas no texto: representações e efeitos de
sentido.
• Variação lingüística no discurso das vozes e seus efeitos de sentido.
• Modalização e argumentatividade: uso de recursos lingüísticos (entoação e sinais de
pontuação, adjetivos, substantivos, expressões de grau, verbos e perífrases verbais,
advérbios, operadores de escalonamento, etc.) como meios de expressão ou pistas do
posicionamento enunciativo das vozes do texto e de persuasão dos alocutários.
• Tipos de discursos (ou seqüências discursivas) usados em um texto pelo locutor:
narração, relato, descrição, exposição, argumentação, injunção, diálogo...
• Focos enunciativos do texto (locutor onisciente, locutor protagonista, locutor testemunha
e outros) e seus efeitos de sentido.
• Posicionamentos enunciativos das vozes (locutoras e sociais) do texto:
• relações de divergência (oposição e confronto) ou de semelhança (aliança ou
complementação).
11. Textualização do discurso expositivo 11.1, 11.2,
• Fases ou etapas: 11.3, 11.4,
- constatação: introdução de um fenômeno ou fato tomado como incontestável; 11.5, 11.6,
- problematização: colocação de questões da ordem do porquê ou do como; 11.7, 11.8, 1.9,
- resolução ou explicação: resposta às questões colocadas; 1.11
- conclusão-avaliação: retomada da constatação inicial
• Estratégias de organização:
- definição analítica;
- explicação;
- exemplificação;
- analogia;
- comparação ou confronto;
- causa-e-conseqüência;
- outras.
• Coesão verbal:
- valores do presente do indicativo e do futuro do presente do indicativo;
- correlação com tempos do subjuntivo.
• Conexão textual:
- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências expositivas com seqüências
de outros tipos presentes no texto;
- marcadores textuais da progressão/ segmentação temática: articulações hierárquicas,
temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso expositivo.
• Textualização de discursos citados ou relatados:
- direto;
- indireto;
- paráfrase;
- resumo com citações.
• Coesão nominal:
- estratégias de introdução temática;
- estratégias de manutenção e retomada temática.
• Organização lingüística do enunciado expositivo: recursos semânticos e morfossintáticos
mais característicos e/ou freqüentes.
14. Textualização do discurso poético 14.4, 14.8,
• O estrato fônico e as estratégias musicais. 14.9, 14.10
• O estrato óptico e as estratégias visuais (gráficas e digitais).
• O estrato semântico e a construção de imagens poéticas.
19. A linguagem verbal: modalidades, variedades, registros 19.1, 19.2,
• Modalidades lingüísticas: 19.3, 19.4,
- o contínuo oral–escrito; 19.5, 19.6,
- condições de produção, usos, funções sociais e estratégias de textualização da fala e da 19.7, 19.8
escrita;
- convenções da língua escrita: grafia de palavras (ortografia, acentuação gráfica,
notações gráficas); parágrafo gráfico; pontuação;
- diferenças entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico.
Variação lingüística e estilística:
• fatores históricos (o passado e o presente), geográficos (o contínuo rural—urbano),
sociológicos (gênero, geração, classe social) e técnicos (diferentes domínios da ciência e
da tecnologia);
• manifestações fonéticas, lexicais, morfológicas e sintáticas;
• o contínuo da monitoração estilística: registros menos ou mais monitorados.
• Prestígio e preconceito lingüístico
23. Flexão nominal no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 23.1, 23.2,
• Sistemas de flexão verbal no PP e no PNP: diferenças de 23.3, 23.4
- gênero e número do substantivo;
- gênero e número do adjetivo, quantificadores e determinantes variáveis do substantivo.
• Concordância nominal no PP e no PNP:
- concordância nominal e coesão;
- casos gerais de concordância nominal.
24. A frase na norma padrão 24.1, 24.2,
• Frase: estruturação, delimitação e articulação 24.3, 24.5,
• Frase oracional e frase não oracional 24.6, 24.7,
• Marcas do relacionamento das palavras na frase: 24.8, 24.9,
- sinais de pontuação; 24.10, 24.11,
- ordem de colocação; 24.12, 24.13,
- concordância; 24.14
- articuladores ( preposições e conjunções);
- natureza dos sintagmas;
- operadores argumentativos;
- entoação / pontuação.
• A frase e seus sintagmas:
- sintagma nominal, sintagma adjetivo, sintagma adverbial;
- ordem canônica e não canônica dos sintagmas na frase e seus efeitos de sentido.
26. A frase na norma padrão: o período composto 26.1, 26.2,
• Conexão sintática (coordenação e/ ou subordinação), semântica (relações lógicas) e 26.3, 26.4,
discursiva (instruções de progressão temática). 26.5, 26.7,
• O período composto e suas orações. 26.8, 26.9,
• Orações coordenadas: 26.10, 26.11,
- tipologia; 26.12, 26.13,
- relações lógicas e discursivas; 26.14, 26.15,
- pontuação. 26.16, 26.17,
• Orações subordinadas: 26.18
- tipologia;
- relações temporais, lógicas e discursivas;
- pontuação.

3º Bimestre
 O debate regrado público
 Artigo de opinião
 O verso e os recursos musicais
 Estrutura das palavras
 Formação das palavras
 A concordância verbal
 Ortografia: c,ç, ou ss/ e ou i/ o ou u

TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES


14. Textualização do discurso poético 14.4, 14.8,
• O estrato fônico e as estratégias musicais. 14.9, 14.10
• O estrato óptico e as estratégias visuais (gráficas e digitais).
• O estrato semântico e a construção de imagens poéticas
17. Credibilidade do suporte jornal: linha editorial, público-alvo e tratamento ideológico- 17.1, 17.2,
lingüístico da informação. 17.3, 17.4,
• O mito da imparcialidade jornalística 17.5, 17.6
• Estratégias de objetividade e credibilidade
• Estratégias de subjetividade e argumentatividade
19. A linguagem verbal: modalidades, variedades, registros 19.1, 19.2,
• Modalidades lingüísticas: 19.3, 19.4,
- o contínuo oral–escrito; 19.5, 19.6,
- condições de produção, usos, funções sociais e estratégias de textualização da fala e da 19.7, 19.8
escrita;
- convenções da língua escrita: grafia de palavras (ortografia, acentuação gráfica,
notações gráficas); parágrafo gráfico; pontuação;
- diferenças entre o sistema fonológico e o sistema ortográfico.
Variação lingüística e estilística:
• fatores históricos (o passado e o presente), geográficos (o contínuo rural—urbano),
sociológicos (gênero, geração, classe social) e técnicos (diferentes domínios da ciência e
da tecnologia);
• manifestações fonéticas, lexicais, morfológicas e sintáticas;
• o contínuo da monitoração estilística: registros menos ou mais monitorados.
• Prestígio e preconceito lingüístico
22. Flexão verbal no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 22.1, 22.2,
• Sistemas de fl exão verbal no PP e no PNP: 22.3, 22.4
- manutenção / redução do paradigma das pessoas verbais;
- [- ou +] emprego de formas verbais compostas no futuro e no pretérito mais-que-perfeito;
- [- ou +] uso do pretérito imperfeito pelo futuro do pretérito (condicional);
- [- ou +] predominância do modo indicativo.
• Concordância verbal no PP e no PNP:
- concordância verbal e coesão;
- casos gerais de concordância verbal.

4º Bimestre

 O texto dissertativo-argumentativo
 Articuladores argumentativos
 Regência verbal
 Regência nominal
 A crase
 A colocação pronominal
 Emprego do pronome demonstrativo

TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES


12. Textualização do discurso argumentativo 12.1, 12.2,
• Fases ou etapas: 12.3, 12.4,
- proposta: questão polêmica, explícita ou implícita no texto, diante da qual o locutor toma 12.5, 12.6,
uma posição; 12.7, 12.8,
- proposição: posicionamento favorável ou desfavorável do locutor em relação à proposta, 12.9, 12.10,
orientador de toda a argumentação; 12.11, 12.12
- comprovação: apresentação de provas que sustentam a proposição do locutor,
assegurando a veracidade ou validade dela e permitindo-lhe chegar à conclusão;
- conclusão: retomada da proposta e/ ou uma possível decorrência dela.
• Estratégias de organização:
- causa-e-conseqüência;
- comparação ou confronto;
- concessão restritiva;
- exemplificação;
- analogia;
- argumentação de autoridade;
- outras.
• Coesão verbal:
- valores do presente do indicativo e do futuro do presente do indicativo;
- correlação com tempos do subjuntivo.
• Conexão textual:
- marcas lingüísticas e gráficas da articulação de seqüências argumentativas com
seqüências de outros tipos presentes no texto;
- marcadores textuais da progressão / segmentação temática: articulações hierárquicas,
temporais e/ou lógicas entre as fases ou etapas do discurso argumentativo.
• Textualização de discursos citados ou relatados:
- direto;
- indireto;
- paráfrase;
- resumo com citações.
• Coesão nominal:
• estratégias de introdução temática;
• estratégias de manutenção e retomada.
• Organização lingüística do enunciado argumentativo: recursos semânticos e
morfossintáticos mais característicos e/ou freqüentes
21. Uso de pronomes pessoais no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 21.1, 21.2,
• Sistemas pronominais do PP e do PNP: diferenças quanto 21.3, 21.4
- ao preenchimento da posição de sujeito;
- à extensão do emprego de pronomes pessoais tônicos como objeto;
- ao desaparecimento de clíticos junto ao verbo;
- ao emprego de pronomes reflexivos;
- ao emprego de dêiticos e anafóricos
22. Flexão verbal no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 22.1, 22.2,
• Sistemas de fl exão verbal no PP e no PNP: 22.3, 22.4
- manutenção / redução do paradigma das pessoas verbais;
- [- ou +] emprego de formas verbais compostas no futuro e no pretérito mais-que-perfeito;
- [- ou +] uso do pretérito imperfeito pelo futuro do pretérito (condicional);
- [- ou +] predominância do modo indicativo.
• Concordância verbal no PP e no PNP:
- concordância verbal e coesão;
- casos gerais de concordância verbal.
23. Flexão nominal no português padrão (PP) e não padrão (PNP) 23.1, 23.2,
• Sistemas de flexão verbal no PP e no PNP: diferenças de 23.3, 23.4
- gênero e número do substantivo;
- gênero e número do adjetivo, quantificadores e determinantes variáveis do substantivo.
• Concordância nominal no PP e no PNP:
- concordância nominal e coesão;
- casos gerais de concordância nominal.

CONTEÚDOS DO CBC NÃO CONTEMPLADOS PELO LIVRO DIDÁTICO:


PORTUGUÊS E LINGUAGENS *
*Serão trabalhados ao longo dos quatro bimestres.

TÓPICOS E SUBTÓPICOS DE CONTEÚDO HABILIDADES


3. Organização temática 3.1, 3.2, 3.3,
• Relação título-texto (subtítulos/partes do texto). 3.4, 3.5, 3.6,
• Identificação de tópicos e subtópicos temáticos. 3.7, 3.8, 3.9,
• Consistência: pertinência, suficiência e relevância das ideias do texto. 3.10, 3.11
• Implícitos, pressupostos e subentendidos.
5. Signos não verbais (sons, ícones, imagens, grafismos, gráficos, infográficos, tabelas...) 5.1. Relacionar
• Valor informativo. sons, imagens,
• Qualidade técnica. gráficos e
• Efeitos expressivos. tabelas a
informações
verbais
explícitas ou
implícitas em
um texto.
7. Intertextualidade e metalinguagem 7.1, 7.2, 7.3,
• Intertextualidade: estratégias (citação, epígrafe, paráfrase, paródia) e efeitos de sentido. 7.4
• Metalinguagem: marcas e efeitos de sentido.
18. Perigrafia de livros literários 18.1, 18.2,
• Capa (sobrecapa, primeira, segunda e quarta capas, orelhas, lombada). 18.3, 18.4,
• Falsa folha de rosto, folha de rosto e ficha catalográfica. 18.5, 18.6,
• Dedicatória e agradecimentos. 18.7, 18.8,
• Epígrafe. 18.9
• Sumário
• Apresentação, prefácio e posfácio.
• Ilustrações
30. Mitos e ritos de iniciação ou passagem 30.1, 30.2,
• Mito, identidade e cultura 30.3, 30.4,
• O mito como rito de iniciação ou passagem (etapas): separação da família (mãe); 30.5
segregação e individuação; reintegração social ou agregação.
• O mito da luta dos titãs contra os deuses Cronos e Zeus.
• O mito de Eros e Psiquê
• Mitos/ritos de iniciação em outras sociedades: indígenas, judaica, japonesa, etc.
• Mitos/ritos de iniciação na literatura
• Mitos/ritos de iniciação na cultura contemporânea: canção popular, publicidade, cinema,
telenovela, história em quadrinhos....
• Mitos/ritos de iniciação x violência, gravidez precoce, alcoolismo e drogas entre jovens.

2-Desenvolvimento (Estratégias e recursos)

 Aulas expositivas, orais e escritas.


 Livro didático
 Livros literários
 Jornais e revistas
 Xerox e cópias
 Filmes
 Músicas
 Data-show

3-Avaliação

 Participação nas aulas e atividades propostas.


 Atividades em grupo
 Avaliações escritas
 Atividades em grupo
 Produção de texto

4-Referência Bibliográfica

Português e Linguagens, 9ºAno/ William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães- 9º ed.reform.-
São Paulo: Saraiva, 2015.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Conteúdo Básico Comum –


Português (2005). Educação Básica - Ensino Fundamental.