Você está na página 1de 18

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA


DEPARTAMENTO DE ENGENHRIA CIVIL
ESTRUTURAS DE MADEIRA

PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM


ESTRUTURA DE MADEIRA
Parte 1

BOA VISTA – RR
2015
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHRIA CIVIL
ESTRUTURAS DE MADEIRA

PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM


ESTRUTURA DE MADEIRA
Parte 1

ALUNOS.:

Guilherme Krull
Mendel Sarrus
Miqueias Ibernon
Neozito Almeida

PROF.: Dr. Leon Tolsoi Salles Ferreira


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 1 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

hfghkgghjkgjkgjk
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 2 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

1. DADOS DO PROJETO

Galpão em estrutura de madeira, cobertura em telhado duas águas com telhas de


fibrocimento Eternit ondulada 8mm com dimensões de 1,10m x 1,83m. Sendo as dimensões
do galpão 15,00m de frente e 30,00m nas laterais. Altura das paredes será de 5,00m, medidos
do piso ao topo da parede. A cumeeira do telhado estará na cota 7,00m em relação ao nível do
terreno. O beiral da cobertura será de 0,70m. O ângulo de inclinação do telhado adotado é de
15°, sendo de acordo com o fabricante das telhas.

Figura 1: Planta de Cobertura do Galpão Industrial


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 3 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 2: Fachada Frontal do Galpão Industrial

2. DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE CARACTERISTICA DO


VENTO

2.1 VELOCIDADE BASICA DO VENTO

Utilizando a NBR 6123/1988, determina-se como velocidade básica:

𝐕𝟎 = 𝟓𝟎 𝐦/𝐬²

2.2 FATOR TOPOGRAFICO

Considerando que a região onde se localizará o Galpão Industrial, em sua maioria


é composta por terreno plano ou fracamente acidentado, temos o valor de:

𝐒𝟏 = 𝟏, 𝟎𝟎
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 4 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

2.3 RUGOSIDADE DO TERRENO

Classificação da Edificação
Fachada Fachada
Transversal Longitudinal
a = 30,0 metros b = 15,0 metros
CLASSE B CLASSE A
h = 5,0m 𝑠2 = 0,76 h = 5,0m 𝑠2 = 0,79
h = 7,0m 𝑠2 = 0,79 h = 7,0m 𝑠2 = 0,82
Tabela 1: Fatores Topográficos

2.4 FATOR ESTATISTICO

Consultando a tabela 3 da NBR 6123/1988, a edificação é classificada como,


Edificação e Instalações Industriais com Baixo Teor de Ocupação, logo:

𝐒𝟑 = 𝟎, 𝟗𝟓

2.5 VELOCIDADE CARACTERISTICA DO VENTO

Segundo o item 4.1, letra b, é dada a fórmula para o cálculo das velocidades
características.

𝐕𝐤 = 𝐕 𝟎 𝐱 𝐒 𝟏 𝐱 𝐒 𝟐 𝐱 𝐒 𝟑

 Na direção 0°:

𝐙 = 𝟓, 𝟎𝐦 𝐕𝐤 = 𝟑𝟕, 𝟐𝟓𝟐 𝐦/𝐬²


𝐙 = 𝟕, 𝟎𝐦 𝐕𝐤 = 𝟑𝟖, 𝟗𝟓 𝐦/𝐬²

 Na direção 90°

𝐙 = 𝟓, 𝟎𝐦 𝐕𝐤 = 𝟑𝟔, 𝟏 𝐦/𝐬²
𝐙 = 𝟕, 𝟎𝐦 𝐕𝐤 = 𝟑𝟕, 𝟐𝟓𝟐𝐦/𝐬²
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 5 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

3. PRESSÃO DINAMICA
Segundo o item 4.2, letra c é dada a fórmula para o cálculo das pressões dinâmicas.

𝐪𝐤 = 𝟎, 𝟔𝟏𝟑 𝐱 𝐕 𝐤

 Na direção 0°:

𝐙 = 𝟓, 𝟎𝐦 𝐪𝐤 = 𝟎, 𝟖𝟔𝟑 𝐊𝐍/𝐦²
𝐙 = 𝟕, 𝟎𝐦 𝐪𝐤 = 𝟎, 𝟗𝟑𝟎 𝐊𝐍/𝐦²

 Na direção 90°

𝐙 = 𝟓, 𝟎𝐦 𝐪𝐤 = 𝟎, 𝟕𝟗𝟗 𝐊𝐍/𝐦²
𝐙 = 𝟕, 𝟎𝐦 𝐪𝐤 = 𝟎, 𝟖𝟔𝟑 𝐊𝐍/𝐦²

4. COEFICIENTE DE PRESSÃO

4.1 DADOS DE ENTRADA PARA CALCULO DOS COEFICIENTES

𝐚 = 𝟑𝟎, 𝟎 𝐦 𝐛 = 𝟏𝟓, 𝟎𝐦 𝐚/𝟐 =


𝟏𝟓, 𝟎𝐦 𝐛/𝟑 = 𝟓, 𝟎𝐦
𝐚/𝟒 = 𝟕, 𝟓𝐦 b/𝟐 = 𝟕, 𝟓𝐦

𝐡 = 𝟓, 𝟎𝐦
𝟐𝐡 = 𝟏𝟎, 𝟎𝐦

4.2 COEFICIENTES DE FORMA E PRESSÃO PARA PEREDES


VERTICAIS

 Dimensões para Vento a 0°

𝐴1 = 𝐵1 = 7,5𝑚
𝐴2 = 𝐵2 = 7,5𝑚
𝐴3 = 𝐵3 = 15,0𝑚
𝑋 = 3,0𝑚
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 6 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

 Dimensões para Vento a 90°

𝐶1 = 𝐷1 = 7,5𝑚
𝐶2 = 𝐷2 = 7,5𝑚
𝑋 = 3,0𝑚

4.3 COEFICIENTES DE FORMA E PRESSÃO EXTERNA PARA


COBERTURA DUAS AGUAS

Como as configurações do galpão industrial dão-se através das paredes


longitudinais permeáveis e as paredes transversais impermeáveis. Logo se determina os
coeficientes de forma e pressão para cobertura de duas águas apenas para o vento a 0°

𝐸𝑐𝑜𝑚𝑝. = 𝐺𝑐𝑜𝑚𝑝. = 7,5𝑚


𝐹𝑐𝑜𝑚𝑝. = 𝐻𝑐𝑜𝑚𝑝. = 7,5𝑚
𝐼𝑐𝑜𝑚𝑝. = 𝐽𝑐𝑜𝑚𝑝. = 15,0𝑚
𝑌 = 2,25𝑚

Tabela 2: Coeficientes de Pressão Externa para Paredes e Cobertura

4.4 COEFICIENTES DE FORMA E PRESSÃO INTERNA PARA


COBERTURA DUAS AGUAS

 Vento a 0° -0,3

 Vento a 90° -0,2


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 7 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

4.5 MAPA COM RESULTANTES DOS COEFICIENTES

 Vento a 0°

Figura 3: Coeficientes de Pressão Resultante para Paredes e Cobertura


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 8 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

 Vento a 90°

Figura 4: Coeficientes de Pressão Resultante para Paredes e Cobertura


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 9 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

4.6 CORTES DO GALPÃO INDUSTRIAL COM CARGAS DE


VENTO

 Coeficientes de Pressão com Vento a 0°

Figura 4: Coeficientes de Pressão Resultante para Paredes e Cobertura

feffvdfvdfvdfvdfvdf
Figura 4: Coeficientes de Pressão Resultante para Paredes e Cobertura

Figura 5: Corte A-A


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 10 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 6: Corte B-B

z
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 11 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 7: Corte C-C


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 12 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 8: Corte D-D


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 13 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

 Coeficiente de Pressão com Vento a 90°

Figura 9: Corte A-A


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 14 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 10: Corte B-B


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
Z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 15 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

Figura 11: Corte B-B


UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
z
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PÁGINA
ESTRUTURAS DE MADEIRA 16 de 20
PROJETO DE GALPÃO INDUSTRIAL EM
ESTRUTURA DE MADEIRA

5. DIMENSIONAMENTO DAS TERÇAS

Figura 10: Corte B-B

Figura 12: Detalhamento da Treliça

Figura 13: Detalhamento da Cumeeira

Você também pode gostar