Você está na página 1de 21
\PAREGEU A MARGARIDA APARECEU A MARGARIDA Mondlogo Tragicdmico Para Uma Mulher Impetuosa 1D. Margarida — uma mulher: profisséo: professor le professor. uma cadeira de professor. ‘um quadro-negro verde. PRIMEIRA AULA Margarida —Boa-noite para todos, Eu sou a novaprofesso- de vocés. Como voces {4 devem saber eu sou D. Margar': fa, Vou escrever no quadro-negro que ¢ para vooés se lem- farer. (escreve: D. Margarida) Agora, antes de mais nada, eu staria de me familiarizar um pouco com vocés. Antes de eu algumas palevras sobre 2 importancia do maaistério Fem aiguém ai chamada Messias? Nao? E Jesus? Tem al- jém ai chamado Jesus? Nao? E Espirito Santo? Tem al- Juém ai chamado Espirito Santo? N3o? Ndo mesmo? Ainda sm. Alids 0 Diretor jd tinha me dito que vocés eram uma lasse otima. Nao hd boa professora sem uma boa classe. Eu tou achando é que esse quadro verde esté um poucolonge, std dando para vocés enxergarem? Vocés ls de trés? € mu importante que todo mundo veja 0 quadro-negro. D. Mar frida vai escrever uma palavrinha nele para ver se vocés 03 f0 vendo. fescreve: CUI Vira? Cul O quadro-verde é mes- 19 i mo muito importante para aprender leitura. E historia. Ema twemitica. € geogratia. [volte-se para o quadro e desenha ineptamente um pénis) Esto vendo? Isso é um cabo. Digamos 0 cabo da boa esperanga. E geografie isso. Mas, ‘coma eu ia dizendo, & precisa dar relevo @ mostrar para vocés @ importéncia da funcao da professora, da minha fungao. Por {que afinal de contas nenhum de vocés esté aqui por live von. ‘ade. Todos foram obrigados pelos pais a vir para cd. Todos sem excegao. nao ¢? Todos estao agu! obrigados; quer quel ram quer no queiram. Deve haver uma boa razio para iso. A razio é muito simples. D. Margarida explica logo a vocés. Vocés jd notaram que comigo é assim; D, Margarida vai logo explicanda as coisas pra vocés. Mas a razlo que eu ia dizen- do... ah, por que vocés estao todos aqui sentados em suas Carteiras sem terem podido escolher... a razio ¢ muito simples. € que a escola 6 um segundo lar. Algum de vocts Pediu pra nascer? Néo? Algum de vocés foi consultado sobre a conveniéncia do seu nascimento? N&o? Entdo! Ja vi- ram entéo vorés que a escola, sendo um segundo lar. ¢ 2 ‘mesma coisa, Que coisa bonita! Vacés tem que se conformar ue aqui dentro dessas paredes vocés no mandam nada. E ‘como se vocés nao existissem. E claro que vocés tem que pa: (gar. Vooés s80 obrigados a pagar.. ca va sans dire... Isso francés. Vou escraver no quadro-negro que & para vacés ‘aprenderem, (escreve: Ga va sans dite) E isso: ga va sans dite. Isso quer dizer em francés que é uma verdade to dbvia ‘que nem precisa ser dita, Antes dessa aula terminar eu vou fa zer vocés dizeram em coro: ga va sans dire! Mas a propdsito de que que eu disse isso? O que que nao se precisa dizer? An, s80 vocés que tem que pagar esse segundo lar que é a escola, Vooés para entrarem aqui foram forcados a pagar. @ ‘mostrar suas cadernetas ao porteiro. Cada um de voo8s com sua cadernetinha na mao. Eno entanta, chegando aqui voces tom que fazer o que foi estabelecid pelo Diretor @ aquilo que ‘20 disser. Vocés foram obrigados a entrar e agora também 20 no podem sair. Sd quando 0. Margarida disser. Mas eu nao {quero ser dura com vocés. Para D. Margarida @ melhor aula é faquela em que hd uma aimosfera de compreensio, de estima, de amor entre os alunos e a professors. Aquela mes- ‘ma atmostera de carinho @ solidariedade que cada um de vo- ccés encontra em casa no seio da sua femilia, € uma dddiva da hatureza. Tudo tem suas vantagens no mundo. E para mere- Cer is80, para serem gratos & todos esses privilégios 0 que ‘yocts devern lazer? Que virlude voo8s devem cultver? A abe diéncia. Ea rainna de todas as qualidades. Tem até uma qua: drinha muito bonita numa histéria para crianga que voces to: dos devia aprender Diz assim: E quais sio 08 que merecem? ‘Sho aqueles qué obedecem! Vou escrever ne quadro-verde que ¢ para vocés aprenderem. {escreve: E quais so 0s que merecem? So aqueles que fbedecem) Eu quero aproveitar essa primaira aula. que & mais uma ule de apresentac3o. pois o meu desejo, como vyocés sabem, é conhecer cada um de vocés como se fosse meu proprio flho, E para esse conhecimento individual @ intenso de cada um de vocés que D. Margarida esté de. yotando sua primeira aula. Eu quero aproveitar @ oportu hidade desses versos que esto no quadro-verde para Ihes, dizer Uma coisa de grande importsncia. Ougam bem: se hid uma coisa que esta pratessora de vocts, D. Margarids. indo tolera é a desobediéncia. Eu nao admito ter que interrom per aula por causa de aluno. Eu no quero um Unico proble- ‘ma de disciplina o semestre intairo. Sem disciplina néo pode haver rendimento, No fim de cada ano existe uma coisa ‘chamada exames, provas. € ai daquele que passar 0 ano inte- fo na vagabundagem. sem ouvir a minhas admoestacdes. sem tremer diante da responsabilidade que pesa sobre a sua cabeca. E principalmente este ano. Voces estéo agora no ‘@uinto ano primétio. Lembrem-se bem 's50 aqui no é mais Brimeiro ano nem segundo ano nem terceiro ano nem quarto ano. Vooés se enconiram no quinto ano. Também nao é novi: 21 dade pars ninguém 0 fato de que esse quinto ano recebe 0 nome. a denominagio. de admissdo. 0 que vem a ser ‘admissao? A prova de admiss3o, meus queridos alunos, éna- da menos que a prava mais dificil de quantas vocés jé ze ram, Ela compreende toda a materia dada em cinco anos de rrobolhos escolares. Ndo passar no exame de admisséo & uma desgraga que marcard para sempre a vide de cada um de vocts. Séo as portas do gindsio € do ensine superior que 0 fecham irremediavelmente diante de voc8s. € todo um mundo de conhecimentos. ¢ toda a cultura ea sabedoria hhumanas que se tornam inaceessiveis a voces. E a vergonha ue cai como um manto negro sobre a nome da familia de ca- do um devocés. O que fazer pera evita essa desgraca que se. ria ndo passar no exame de admisséo? € para isso que eu, 0 Margarida, estou aqui. € preciso apenas obedecer aD Margarida. € preciso fazer siléncio. rita) Eu quero poder ouvir © zumbido de uma mosca dentro desta sala do aula lcomegando a se enturecer)€ preciso mantersiléncio! (ber randol SILENCIO! E ¢ preciso também manter boa posturs nas carteras! (sondando terrwelmente a posigSa dos alunos) ‘Sem boa postura ndo se faz nada. Voeé ai na décims quints flera! © que que-esté pensando que 180 aqui &? Uma casa de sacenagem?! E vocd ai, minhs fihat Ta sentada como uma cadela! Ouvis bem? Uma vagabunda! (pausa) Tem al guém ai chamado Messias? Nao tem? Tem alguém ai cchamado Jesus? Também nao tem? E Espirito Santo? Tem algum Espirito Santo em classe? Nede, nBo 4? Pois entdo fo dam-se. Vocés v0 pra puta que os paru, Ah. bem que o Dire tor me disse! € uma classe boszinha. Dé gosto ensinar assim Eu mando, vocés obedecem. Est ali escrito no quadro-negeo. E quais so os que merecom? So agueles que obedecem! \Vocés esto aqui dentro pra aprender! Vocés esto pagando pra aprender! Isso quer dizer que vocés no sabem nade. NADA! Ouviram bem? Eu sou a professora de voeés, D. Mar gatida. [muda de 10m, senta & mesa como quem comega) A 22 Ja de hoje 6 de biologia. Nao. no penser voots que ss0 cul Vai sr aula de educagéo sexual. Nao pensem voces que Nou me dar ao ridculo de ensinat a vacés os fates da vide frunfone| Fiquem sabendo quo os fos da vida 86 se apren. fom no ircovo ono ginasial! Poder perder logo as esperan- que eu vs ensinarvocas a bola, a chupar. a fornicer Na- fp dasol fu sei que vocés no saber nada disso, NBo bom nom podem saber Vocts vo aprender isso na rua ou jm ¢ mae. NBO pensem que eu vou me abrir toda na frente Ja voo’s. © Drotor me probs expressamente de tr arou fat Nom os patos eu posso mostrar! O que D. Margarida vai frsinar 9 vocbs ¢ coisa muto mais simples. muito mas pi Inara Colsa propria pra crangas como vocts, Ey vou ensinar ‘olog's com 8 maiisculo! lapaga © quedo) Ha tr grandes feneipios na biclogia. Ou melher, he um grande principio um io do tamenno vardvel eur grande fin, Eu flo a voces principio. Todos vooés nasceram. E, que 6 pior,nasce jam som serem conaultads,Tveram que nescer Voces nao aber sequer como nasceram, E sabem ainda manos por mig nascaram. Vocés no saber coisa nenhuma! E50 pen sm om seconagern(acalmand) Esse é o grande principio biologia. 0 segundo principio # 0 meio £0 aue voces s- jo vivendo agora. € a vida caseira com o papai e a mamae ‘Ge-cada um de voces. E esse segundo lar que é escola. E “@ssa professora de vocés. D. Margarida. E tudo. Eo exame de “admissio. £ 0 curso ginasial. E 0 diploma que vocés vao obter die 0 se comportarem bom. € tudo o que hd de bom © bonito no mundo! O ercere principio & omatsimporante o fim da biologi. Eu coma bos professara tenho que ann “iar uma coisa au vocts como sa erangas ainda nao sabem ae tam que saber E que vorés todos ao morter Todos encogdo.D. Margarida vat escraver no quacro-nearo ave S para voces ae lembrarem. (escreve’ voces todos vo mor- 0. Margarida vai mandar vocésfazecem, quand for aula fo portugués, ua redagao cada aluninho descrevendo seu 23 préprio enterro em suas prdprias palavras. € preciso incenti var a criatidade de vocés. Cada aluno vai ter um entero diverso dos outros. 0. Margarida no admite {dois Uinicos enterros iguais nessa classe toda. Ouviram bem? Isso 6 biologia. Vooés nao saber nada disso, Como ¢ que id querem saber outras coisas? Nenhum de vocés sabia que ia morrer. Estdo sabendo dgora. Vocés querem saber muita cot 2. Jd queriam saber os fatos da vida antes do terceiro ano gi nasial. Queriam que D. Margarida ficasse nua na frente de vo. és. Eu. D. Margarida. pelada na frente dos alunos! O que que ‘© Drretor nao ia dizer? Voces s6 querem saber de sacanagem. (pausa) D, Margarida nao quer ser dura com voces. D. Marga: ‘rida no quer que vocés penser que D. Margarida no quer 0 bem de vocés. O maior desejo de D. Margarida ¢ justamente ‘que vocés esiejam preparados para a vida. Que cada um de voces saia desta sala sabenda mais do que sabia antes © por- tanto melhor preparado para vencer as dificuldades quando las aparecerem. Porque elas vdo aparecer. Nao se deixem impressionar pelos trés grandes principios da biologia, meus queridos alunos. Ha coisas piores do que isso. A histétia por ‘exemplo. Sabem qual é 0 grande principio da historia? Todo mundo quer mandar nos outros. Exatamente como D. Marga- ‘rida manda em voces. Vocés aqui nao tem querer. Voces fa zem aquilo que D. Margarida quer quando D. Margarida qui- ze, E ainda pagam pra isso, Pois na histéria é a mesma coisa todo mundo quer ser D. Margaridal Vou escrever no quadro verde que é para vooés se lembrarem. (escreve: todo mundo ‘quer ser D. Margarida) Todo mundo quer ser D. Margarida! E isso mesmo! Eu sou @ professora de voces. Eu falo, vocds acreditam. E no pensem vocés que podem apelar para o Di: retor.Fiquem sabendo que o Diretor esté do lado de D. Marga: ‘ida! D. Margarida aqui representa o Diretor. De certa forma D. Margarida ¢ 0 Diretor, (comegando a se enfurecer) Voces ‘aqui nao mandam nada! Vocés pensam que s6 porque tern ‘uma sineta que vai bater que eu sou obrigada a deixar voces 24 jrem? Estio muito enganados! Eu posso deixar vocés todos sm saida. A classe inteira sem saida, Todo mundo dentro 3 sala fazendo linhas! Cinco mil inhas daquela frase: to- mundo quer ser D. Margarida! Bota vacés a noite inteita piando! (pausa) Mas eu no quero ser dura com vocés. Os stigos que D. Margarida der serdo sempre outros tantos entivos. & para o bem de voces. Vocés tem que it se acos- ymando desde cedo as durezas da vida. Nenhum de vocés be ainda o que é dureza. As vezes vocés podem pensar que o or jd passou mas esto sempre enganados. O pior esté sem fe para chegar. O pioré sempre o que vern depois. E isso que sm a ser 0 principio final da biclogia. Vocés acabam todos en rados um por um. E uma verdade primaria que vocés tem J@ aprender no curso primario, Nao ha de ser no curso gina- jal, No curso ginasial as coisas comegam a mudar um pou inho. E 8 puberdade. Os garotinhos jd v3o comegando a se Fe as menininhas a serem maltratadas, Ai vocés sé vio \Sar em porcaria pelo resto da vida. Sacanagem de mani noite! Mas no ¢ aqui na sala de D. Margarida que isso vai ntecer! Eu quero 6 muito respeito dentro desta sala! Seus cas! Seus viados. Voces sabem 0 que é micrébio? Tam- im nao sabem! Pois ¢ biologia também. Sdo uns bichinhos Je matam a gente mas que ninguém vé. 0. Margarida nunca absolutamente nenhum micrdbia, Mas eles existem aos milhes © matam milhares de pessoas todos os dias. Todo ‘mundo sabe disso mas ninguém vé nada. E a poluigao! Eo vi- tus! E virus ¢ @ mesma coisa que micrdbio. Ainda menor Também nao se v8. Isso é muito importante de vocés apren fem, Tem muito pouca coisa que dé pra ver no mundo, jase nada se v6. Por isso vocds ougam bem as palavras ds 1D. Margarida: se algum dia voces virem alguma coisa podem '$2.dar por flizos. Hoje om dia nao se vé quase nada por ai. S30 ‘boucos aqueles que veem algume coisa. Voces, por exemplo,. Indo vem absolutamente nada, No veem coisa nenhuma! ‘Se vissem nao estariam pagando uma fortuna para estar den: 26 110 dessa sala de aula fazendo 0 que eu quero! Feito uns be- bbacas! Vooés aqui no participam de nada! De porra nenhu: ‘mal Eu digo, vocés acreditam. E vao todos pra puta que os pa. riu! Quem manda aqui sou eu! (pausa) Siléncio! SILENCIO! Entio esse quadro-verde no rabo do primeiro qua der um pio! Vocés nia entendem nadal € preciso eu ficar repetindo tudo tum milho de vezes como um papagaia! Vacés pensam que eu estou aqui 8 disposigao de vocés feito uma vitrola &? Estdo ‘muitos enganados! Coldgio é coisa séria! Vocés esto aqui pra ‘aprender. Vocés sabem 0 qua é matemdtica? Também nao sa- ‘bem! No quinto ano primairio e nao sabem nada de matemé- tical Pois eu vou ensinar a vocés o que 6 conta de dividir. Dividir 6 cada um querer ficar com mais que o outro. Enter deram bem? Eu vou jd ensinar a vocés no quadro-nagra que é para ficar mais claro. Suponhamos o seguinte problema, Nes- ta sala de aula hd apenas uma duzia de cassotes para trinta © cinco gravadores.Prestem bem atengéo. Esses trinta ¢ cinco buracos necessitados de cassetes deverso portanto dividir as doze cassetes. D que vai acontecer? O buraco mais habil terminard com oita ou nove cassetes sé para cle. O segundo buraco mais habil levard 1r8s ou quatro cassetes. E os trina © tras buracos restantes ficarSo literalmente sem cassete, Isso so chama divisdo. A matemética 6 a base de todas as ou- tas disciplinas. A conta de dividir tem que ser aplicada em to dos 0s setores da sociedade. precisa que voces aprendam bem a conta de dividir antes de chegarem ao curso ginasial Antes que cheque a adolescéncia, Dentro de poucos anas ca- da um de voces serd um adolascente . € a idade das duvidas. E eidade mais perigosa que hd. E 2 idade em que osrapazes © ‘as mogas correm o risco de se rebelarem contra seus profes sores e suas professoras. Se rebelarem contra esse segundo larque éa.escola. Alguns chegam mesmoa se rebelar contra 2 prdpria familia. E para isso, para prevenir todas essas even: ‘alidades. que D. Margarida ests aqui para ajudar voces ‘Auxiliar vos. D. Margarida auer que cada um de voces sela 26 im Sor humane feliz @ajustado para poder entrar no curso gi pasial. Serd que vocés néo comprendem isso? As vezes vocis dem ponsar que D. Margarida esté contra vocés. Que O fargarida quer ver a caveira de vocés. NBO 6 verdade. D Morgerida quor ver vodés todos no préxima ano ne primero no ginasial E depois no ano sequin no segundo ano gins al @ 351m por dante. Mas para iso ¢ preciso que vocés operem cam D. Margarida. € preciso que D. Margarida since 19 a0 dosejo de aprender. O deseja sincera de aprender Eu pore fu alana um dia como vocés sio hoje. O. Margarida fauma alunaexemplar.D Margarida nunca fi castigeda por ua professora Quer dizer. exceto ume vez D. Margarida val fr pra voc6spraque isso srva de exemplo.D. Margarida ‘devia tor seus oitos ou nove anos de dade. O. Margarida fume aluna exemplar E sabem © que D Marganda fer ro sor castigada? Noda! Absolutamente nada! Fo! uma usuga.(rencorosa) Eu estou dizendo vocés que D. Mar jerida no fer nadal Foi uma vagabunde de uma colega Margarida que fez © D, Margarida evou @ culpa. E s0 sujeitinha também se chamava Margarida. (com rive! desprezo) Margarida! A bestinha dessa menina 8 eu, D. Margarida, level a esculhambacdo. Estao “ouvindo? (em grande excitagao) Era-na hora do hino na anal O colégioineito de pé no patio. Esto ouvindo bem? 1D Masrgsrida nao fer nadel Neda! foi 160 culpa daque- Ia putinha, daquela gaia! Saber 0 que ela fer? Na hora de’ cantar 0 hino nacional ela em vez de cantar (canal ido que 8 terra mais garda, teus onhos lindos campos tm mais flores,” ela berrou no ovvdo de D. Margarida (can- 4a) do que a terra Margarida, tous risonhoslindos campos tem mais flores.” E a desgragada a frara ouvil. Ouviu “Margarida frrou O. Margarida no lugar de oura sujeninha Margarida. Castigou D. Margerda que nao tinha feito nada Ouviram bem? Nadal E nfo pensem vocts que 1850 pode acontecer aqui na minh aula! D. Margarida ode ainwustca! 2 (berrando} Eu odeio injustiga! Eu estragalho aquele que disser ‘que eu fago uma injustigal Entenderam bem? Eu boto voces todos sem saida s0 para vocds terem o gastinho de quem & D. Margarida. Eu dou com mil linhas para copiar do grande principio da historia: todo mundo quer sar D. Margarida! Ah, \vocés naa me conhecem! Vacés no conhecem os meus nébi- tos! E no hao de ser vacés que vao modifcar os meus habi 10s, {frenética) Eu adoro os meus habitos! Ouviram bem? Eu ‘adoro os meus habits. Vacés ndo significam nada para mim! Eu estou cagando pro que vocés pensam! Vocés so todos luns viadinhos! 6 tem bicha dentro dessa sala! O mundo inteiro povoado de bichas! Voces sio uns bonecos! Ouviram bem? {pausal E nos Estados Unidos é a mesma coisa, (p2usa] Ha somente duas espécies de homem: os homaséexuais e os \eados. Vou |é escrever no quadro-verde que é para voods se lembrarem bem. (escreve: espécies de homer: homossexuais © veados) Mas D. Margarida no quer ser dura com vocés, ‘Assim como D. Margarida ensina a vocés as coisas dsperas da vida, D. Margarida também ensina a vocés as coisas simples e bonitas, D. Margarida ensina a vocés 3 poesia do ‘mundo. Coisa que vocés também devem aprender desde ce- do. Nao hd de ser no curso ginasial que voo8s vo aprender a poesia. Por exemplo: apesar de tudo, vocés gastam de D. Margarida. Vocés gostam dela, Voces simpatizam com ela. E . Margarida também gosta de voces. Simpatiza com vocés. ‘Apesar de D. Margarida ter que ensinar a vocds as vezes coi- 885 que vocés no gostam. Isso ¢ poesia, E ¢ iss0. misturado com as outras coisas. que faz o prazer de ensinar. De ter uma Classe boa abediente como vocés. Bem que o Diretor disse 2 D. Margarida que vocés eram uma boa classe. D, Margarida fica satisfets. D. Margarida fea fliz. Agora vocés digam com sinceridade a D. Margarida: tem alguém ai chamado Mes. sias? Tem certeza que no? E Jesus? Nao tem nenhum Je- suzinho em classe? £ Espirito Santo? No? (pausa) Grimo ‘Assim que D. Margarida gosta. Um colegio inteiro so de clas 28 '585 como vocés seria uma beleza € o minimo que vocés po: dem fazer & fazer por meracer os nossos esforgos. A gratidao 6 a maior de todas as virtudes. Todos vocds devern ser gratos 4203 SeUs pais © aos seus professores. Mas ndo é a espera dessa gratido dos alunos que D. Margarida ¢ professora. O bern que D. Margarida faza voces ¢ totalmente desinteressado. Isso D. Margarida quer que fique bam claro, Amanna quando vyor#s forem grandes e adultos vocés vo compreender melhor 2 palavras de D. Margarida. Ai vocds vio se arrepender dos ‘maus pensamentos que tveram sobre D. Margarida, Sim. por- que vocésndo vo negar que tém maus pensamentos sobre DMargarids... Voces nao vo negar..Qu vdo? 0. Margarida Pergunta a vocés quem de vocés teria coragem de dizer o que Pensa sobre D. Margarida. Vocés tém medo de falar. Nin- ‘guém diz porra nenhuma nessa classe, (furiosa) S80 uns co- vardes! Pois que digam na minha frente o que twerem que dizer! Podem falar! Podem falar! Quem vai sero primeiro a dar lum passo @ frente e dizer alguma coisa? Seus mardas! Dou. luma porrads nos cornos do primeira que se atrever! Quem é ue vem aqui? Vai dizer que D. Margarida é rameira, no é? lfora de si. batendo no peito como louca) Pois sou rameira mesmo! Sou galinhal E vocés so todos uns pederastas & limas vagabundas! Podem ficar sabendo que D. Margarids & lima porrs doida! (correndo histericamente pslo paleo) Sou Juma perua doida! Vou capar vocés todos um por um! Arranco tudo e jogo no mar! O que que vocés pensam que eu sou? Uma maria ninguém? Uma esculhambada? Uma bunda-suja ue todo mundo faz 0 que quer? (chorandol Vacés me tratem muito bem! Vocés me respeitam como eu respeito voces! O ue vocés quarem ¢ me fazer perder @ paciéncia. € isso mes- Mo que vocés querem. Vocés querem que D. Margarida perca 4 cabecs. Que D. Margarida grite com voces. (berrando) Fiquem sabendo que eu ndo preciso falar aos berros! Quem, ‘no ouviu que se dane! Vocés querem é me forcar a passar @ ula interra descompondo vocés para assim ev dar menos 29 matéria, Pois no pensem que isso adianta alguma coisa. Eu ‘cabo essa aula quando eu quizer! No pensem que so por- {ue tem uma sineta que eu sou obrigada a parar a aula quan do’a sineta tacar, Aqui dentro quem manda sou eu. Eu vou dar essa matéria toda nem que eu tenha que prender vocés a noite inte aqui dentro. Vocés tem que sair dagui sabendo ‘alguma coisa de biologia. Vooés sabem 0 que ¢ evolugao? Nao sabem! Pois fiquem sabendo que evolugao nao ¢ nada! Evolugéo nao existe. E tudo sempre a mesma coisa E 1850, que 6 evolugdo. Tudo sompre a mesma merdal Nao muda nada! Tudo sempre a mesma droga! Vou escrever no quadro- negro que é para vocés se lembrarem. {escreve: evolucao no, 4 nada) E revolug3o vocés saber o que é? Também ndo sabem! Pols é duas vezes uma evolugo. Duas vezes nada, nada: revolugao nao 6 absolutamente nada! Coisa nenhumal Eu you escrever no quadro-verde pra voces aprenderem lescreve: revolugao no 6 nada) Viram bem? Nada disso é coisa nenhumal Nao tem nada! Caisa nenhura! lobsecada bolas nagativas) Nem isso, nem aquilo, nem porra nenhuma! Nada ¢ porra nenhumal Vocés aqui dentro no podem fazer nada! Eu nao deixo vocds fazerem nada! Nao pode isso, no pode aquilo, nBo pode nadal Eu mando, vocés obedecem! CCriangas no t6m querer! Vocés so todos uns babaquinhas! {faz caretas e arremeda o pablico batendo palmash Uns id tas 0 que vocés so! No quinto aro primério e pensam que | esto no curso ginasial! Acerto uma tapona nas tugas! Ipausa) D. Margarida nao gosts de brincaders. A educagao, 6a responsabilidade mais séria que vocds tm. Enola que sid 0 futuro do nosso pais. Vocés, por exemplo, jd se devem dar por felizes pois so todos dentro dessa sala semm/-alfobe zados... apenas um pequeno esforgo que vocés 18m que fazer para atingir 0 nivel da alfabetizagio total. Por que nao fazer asse pequeno esforca? Tudo asté nas maos de voces, Tudo depende de vocés, 0 futuro asté nas maos de vocés. O homem que Id é superior ao hamem que nao lé. Na canta de 30 visio, que D. Margarida ensinou a vocés agora ha pouco. hamem que Ié samara leva vantagem. Vocés se lembram gm da conta de dividi? E 0 grande principio da mate jtical Lembrem-se sempre do probleminha dos bur 3s © das cassetes. O hamem que sabe ler sempre leva als cassetes. E dossas coisas quo vocds devem se lembrar jando vém todos 0s dias para a escola. E precisa levar a sé- io 8 educacdo de vocés, € disso que voces vo viver. E disso je voces vdo alimentar os seus lilhos, € preciso alfabetizar fra depois alimentar, Uma pessoa analfabera simplesmente f0 pode comer bem. 0 nordestine no precisa de esmolas 1s Sir de livras. Livros de poesia. E com livros que se cons i uma nag. Vejam por exemplo a Amazénia. € com livros ue ela devia ser conquistads. O que o sertangjo procisa nao. de enxadas, nem de vacinas. nem de sementes, Ele precisa fe um manual de sobrevivencia na selva. Algo que ensine, ue alfabotize. Pensem, meus ceros alunos, no rendimen: ue nds teriamos em classe se todos vocés soubessem ler frrentemente. D. Margarida nao est4 querendo dizer que vo- {8s ndo saber ler. D. Margarida sabe que vocds sabem ler Hincentwvadora © estimulante) Mas por que nao ler ainda melhor, correntemente? Nao seria motivo para nds fazermos JM esforco? (incrivelmante piegas) Nos todos juntos? A [eooperacao ¢ o segredo do macisiéro. (pausa: com solidarie jade) Eu acho que 0. Margarida id conversou bastante com {6é5. Temas muitisima matéria para dar. Est certo que esse islogo entre professora e alunos ¢ muito importante, mas. gmbém é preciso um pouco de teoria. A pritica sozinha feiramente impraticdvel. O que governa realmente as coisas 8 teoria. Agora que nds jd nos conhecemos um pouco me- hor, que apesar de alguns prableminhas de disciplina D, Margarida j3 consegulu dar algumas nogdes basicas de biolo- 8, vamos a biologia propriamente dita. O que vem a ser jologia? Biologia 6 a ciéncia da vida. Da vida alheia. A cién- ia da vida privada chama-se medicina, Os 1rés grandes pri a1 cipios da biologia.D. Margarida jd ensinou a voces. Vacds 4 ro se lembram mais. Eles so 0 principio, o meio e o fim. Ja, falamos bastante do fim, Nao podemos falar do principio por- ue no principio entram os fatos da vida. Os fatos da vida sé, ‘5 aprendem no terceiro ano ginasial. Agora entdo, 0 meio. 0 meio do grande principio da vida ¢ a prépria vida. Quem de vocds nunca se masturbou? Os que nunca se mesturbaram vyenham imediamente ao quadro-verde. Os outros, masturba- dores, permanegam sentados em suas carteiras: Nao fiquem, fenvergonhados. Nao fiquem com as orelhas vermelhas ou acanhados sem saber onde enfiar a mao. (sobe um rapaz incrivelmente acanhado deixando 0 publico sem saber se se trata de um ator ou nol Que isso, meu flho? No era pra hinguém subir aqui agora no. Parece parva esse garoto. \Vooé vai me dizer que nunca brincau com o pirulit, meu ben- ainho? E por que hein? Posso saber? D. Margarida esté des- ‘confiada que voc’ no tem pirulito, Pode voltar pra sua car- teira, viu meu filhinho? Foi engano: nao era pra vocé ter vindo aqui nao (0 garoto volta para sua polirona) Que engragadinho fle, né? (aparte) Some desgracado! (pausa) Muito bem: 0 {que era mesmo que D, Margarida estava ensinando a vocés? Podem ficar sossegados que nao eram os fatos da vida, Vooés bem que queriam, nao é, que D. Margarida ensinasse a voods (5 fatos da vida. Podem ir perdendo logo as esperangas. D. Margarida tem responsabilidade © 80 pode sair do nosso programa. D. Margarida no ¢ como certas professoras que ‘divagam. que contam historias, reminiscéncias que nao tém nada a ver com a matétia. Eu prépria tive uma professora que fra assim, Nao podia pasar uma aula sem contar um caso de namorado. Contava tudo, mexerico, sabia tudo sobre a vida de todo mundo. Mas era boa pessoa, coitada, apesar de ‘do dispersiva. Era uma mulher inteigente essa D. Margarida Ela também se chamava D. Margarida. Ela tinha uma predil ‘Gdo por D. Margarida. Vocés sabem. cortas professoras pro- Yincianas tém sempre uma aluna predileta. Ela chamava O. 32 jargarida de xard. D. Margarida se lembra uma vez que ela java ensinando @ letra do hine nacional. E uma letra dificil, mo vores sabem, Tao bela quanto dificil, Ent3o quando jegava naquela hora: (canta) “.. do que a terra mais garrida, us risonhos lindos campos tém mais flores...’ ai a0. Marga. ida, Quer dizer. a minha antiga professora D. Margarida, nao fla piscava 0 alho pra D. Margarida e cantava’ (canta) ido que a terra, Margarida, tus risonhos lindos campos... @ Ccaralho a quatro. Ai entdo a classe toda caia na gargalhada, mas que temporamento tnha a D. Margaridal Uma vez 2 aula de educagao fisica ela deu um safando num garoto no gar errado que alaijou o manino peo resto da vida. Ficou es: il E que senso de humor que tinha D. Margarida piada jrita de D. Margarida que ela contava sempre nas aulas de HigiSo, era a histdria de um boi dentro de um curral que era istado por um tico-tico. Ere uma piada de grande sutloza jomorfica. Vocés sabem 0 que quer dizer zoomotica ? Bem, Iatim. Quer sizer com cara de bo. Mas como era mesma a fada..? © boi... 0 tico-tico... ndo me lembro mais, Sd sei J@ terminava com a frase: 0 tieo-tico chupa 0 boi € 0 bo! hupa 6 tico-tico, Que mulher extraordindria era essa profes fa de D. Margaridal Nunca vi nada igual na minha vide leita! Sé tinha mesmo esse defeito por sinal"impardodvel fo conseguia dar uma aula sem interromper com historia isso © daquilo, nhenhenem, porque isso. porque aquilo que no meu tempo de menina as coisas ndo eram assim, javia mais respeito, mais obediéncia, Quem dera que O. fargaride visse como as coisas andam hoje! Aisim é que ela er 0 que ¢ falta de respeito para com os mais velhios ssobediéncia, Falta de consideragdo. E logo 0. Margarida ue tinha uma classe itrepreensivel. D. Margarida ndo estd uerendo se gabar s6 porque pertencia & classe de D. Marga- ida Mas, verdade seja dita, D. Margarida era uma das me ores alunas da classe de D. Margarida. D. Margarida sem: f@ fe2 08 maiores elogios na frente e por trés de D. Margari 33 do. ED. Margarida sempre fez por meracer os elogios de D Margarida. Ah, quem dera 3 D. Margarida tor hoje uma classe ‘come a de D. Margarida com alunas como D. Margarida (pausa) Como as coisas mudaram do tempo de O. Margarida pra cl Tem-se menos respeito pelos mestres. Mas pelo me. ‘nos hoje os meétodos de ensino s30 um pouco melhores. Tu- do € mais direto, Qual € a professora hoje om dia que se oderia permitir ur desvia da matéria? Ou mesmo uma inter- Dretecéo iferente..? Tudo tem que ser ali como manda o figurino. No tempo de D. Margarida as ascolas no tinham Diretor. Hoje sio eles que mandam em tudo! Mas nao [bensem vocés que sd por causa disso au sou obrigads 3 parar 2 aula quando a sineta tocar! Dentro dessa sala quem manda ou eu Ipauss) Bom. (pausal Mas essa avolugao do ensino que eu estava mostranda a vocés, D. Margarida foi em gran de parte rosponsdvel por essa evolugso D. Margarida criou ‘us prdiprios métodos originais de ensino, Chama-se‘all-per vading didacticism: Isso ¢ inglés! Vou escrever no quadro- verde pra vocés se lembrarem. (escreve. ‘all pervading didacticism’ Isso quer dizer. método margaridiano de aru digo instantanea, € um métado inteiramente nave inventado por D. Margarida que visa a alfabetizago em massa, D. Mar arida dé aulas partioulares desse métode por apenas trints Ccruzeiros a hora. E a ideal para paises em via de expansio método de D. Margarida tem um lema que deveria ser repetido por todo brasileiro, ‘Ensinar para aprender. aprender para ensinar’. Esso loma serd objeto de uma grande campa nha que D. Margarida deseja desencadear em todo 0 Brasil Em prol da alfatetizagio do nova. D. Margarida compas ela prdpria um Hino roforemte aos objetivos da nossa campanha ugar bem a composigao de D. Margerida: (canta) ‘Vamos todos a dizer- ensinar para aprender! ‘Vamos todos a cantar. aprender para ensinar! ‘Vamos todos a cantar: aprender para ensinar! 34 otro ronice, cow arene , ony t tree a aati Spo ae e¥a Fr ” jas que & 19807 Vooés parece que nao gostaram do hino de Margarida! Vocés 18 saber 0 que acabaram de ouvi!? ue falta de sensibilidade ¢ essa? O hino da cruzada da alta izaya0! Voces fiquem sabendo que se trata de uma obra ma do nosso hindrio. Digno de figurar ao lada das mais be- IS paginas na género! E fiquem: sabendo que nao saem da JL sem ter aprendido esse hino! Todas em cora! Vamos! jniarn! Todas em coro cantando o hino da eruzada alfabét: I (comecando a se enfurecer) 0 que que esto esperando! amos! Canter todos! {bracejando pelo palco tentande reger pnublico) Um. dois, rés, e.. Vamos! Todas juntos! Um dais 1uésl (cantal Vamos todos...a dizer... Cantem todos! Nin: j6m esd cantando! Seus babacas! Idiotas! Comecem js a tar! (histérica, cantando) 'Vamas todos. 4 cantar.” Can- seus merdas! Quero todo mundo cantando! Onde € que 1685 pensam que esida? V3o cantar debaxo de porrada! Ins animais é 0 Que vocés séo! Nao sia nem capazes de ntar uma merda de um hino babacal Relapsos! Mentecap- | Voods no merecem nada! Vocas n8o merecem o sacri fo de preparar uma aula! 0 trabalho de pesquisa necessario ra dar cada auls pra vocés. Horas e horas gastas & toa so que vacds no 16M senso de responsabilidage. So uns fesponsdveis! Incompetentes! Vagabundos! $6 pensam em canagom! O que vocds querem J que eu ensine a vocés os fos da vida! Pais fiquem sabendo que no vou ensinar! NJo Iansinar mesmo! Vio aprender na casa do cacétel N3o 36 pensem vacés que eu vou me abrir toda na frente de vocés! Toda aberta, despidal Nada disso vai acontacer! Quero muita disciplina e muita ordem dentro desta salal Vocés esto aqu' dentro para aprender e no para se divert! Quviram ber| sso aqui nio 6 divertimenta! Nada disso tem graga nenhu rma! [pausa) Mas D. Margarida ndo quer ser dura com vocds (pause) Jé disse que nda quero ser dura com vacts. $6 hd uma ‘maneira de atingir um bom rendimento no ano letivo. € atra: ‘¥y63 de uma atmostera de compreensdo, de cooperacdo, de tentendimento. $6 assim nds podemas comungar nos nossos ‘eats de progresso e de ordem. Sd assim voces vao entrar no curso ginasial. 0. Margarida quer ficar orgulhosa de voces De cada um de vocds. Mas para isso ¢ preciso haver entend ‘mento dentro dessa sala. (pdra e fareja o ar sentindo alguma ‘coisa estranha) Mas 0 que vem a ser entendimento? E 0 ele mento essencial do pragresso. Sem entendimento nao pade haver prograsso. D. Margarida quer que isso fique bem claro. (pra _mais uma vez. fateja 0 af. De repente faz uma cara aterrorizada. Um barbantinho fedorento foi previamente soito ‘na paleo e comega a se fazer sentir pela olfato) NAO! Nao & ossivell Soltaram um barbantinho fedorento em classe! {comegando a tossir e a sufoca:) Quem soltou esse barbant nha? Eu mato. eu esfolo o autor dessa sacanagem! Eu arre bento, eu parto a cara de quem fez isso! {fora de si) Voces, ‘pensar que acabem com D. Margarida, seus moleques? Itos se e sufocal Pensam que eu vou interromper a aula por causa ‘de um peide desses? Esto muito enganados! Um bando de moleques ¢ 0 que vacés slo! Item um faniquito @ corre pelo paleo soltando qrtinhas) Socorro! Ordindrias! Vacés pensam que acabam com @ minha aulal Estio muito enganados! \Voo8s v8 aprender biologia debaixo de porradal Celerados! (a sineta toca wagnerianamente) Ai minha santa Margarida, 6 a sinetal Hora do recreio, seus canalhas! (as luzes comegam 2 $0 acendor para o intervalo) Jd pra fora todo mundo! Quem fez isso me pagal Todos pra fora daqui, seus maus elementos 36 jotando a platéia para o hall) Recreio. seus vagabundos! ;c68 tem vinte minutos da merenda para se acusar! Que o jpado desse barbantinho se apresente no quadro-negro Ser castigado! Vai sair daqui com a bunda ardendo! Cam- jo de delinglentes! Quero todos de volta daqui 2 vinte inutos! Qua o culpadose acuseoua classe inteira vai pagar fle! (ad lib; retirando-se 20s gritos pelo fundo do paleo) joleques! Era sd 0 que faltaval Soltar um barbantinho fedo- nio-na auls de biologial Moleques! Isso na fica assim! D. fargarida ura de pé junto que isso nao fica assim. RECREIO SEGUNDA AULA Margarida — (entra no. paleo, se dirige para a mesa ta-se dramanicamente para © quadro-negra para ver se al- aém se aprasontou como autor do caso do barbantinho, 0 v8 ninguém, Faz um esforgo visivel para ignorar o proble- ‘se dirige para a rma de maneira pausada controlada, jase conita) D. Margarida tinha preparado para esta sgunda aula uma ligSo de Catecismo. Ligdo, essa que abor ja um tema de interesse goral @ que, digamos assim. 6 @ pina dorsal da nossa fé religiosa. Como vocds todos se sm houve uma grande paixdo na vida de Nosso Senhor Je- j8 Crista, Bom, no adianta entrar na matéria sem poder ir 18 0 fim. A vista verdade que tem que ser enfrentada por nés ‘que vocés, por raz6es de disciplina e insubordinagao. néo fenderam absolutamente nada na aula precedente. Esta la portento serd uma vez mais de Biologia. (mudando intei- mente de tom, amieagadora) E ai de quem ndo gostat! Vo- 5 podem ficar cientes que vao ter tantas aulas de biclogia jantas forem necessérias até a matéria entrar na cabega de és, Se for preciso fodas as aulas serBode biologia até. fim ano! D, Margarida nao admite que se interrompa matéria. 37 re (© que se comaga tem que ser levado até 0 fim. Vooss jé tam ppensando que iam ter aula de educagio sexual durante a aula de catecismo! Estavam crentes que iam ter 0s fatos da vida na paixio de Cristo! Pais fiquem sabenda que no tempo d Cristo tudo acontecia por milagre, Nao era essa sacanagem ‘que se v8 hoje. E quanto a0s fatos da vida podam ir perdendo as esperangas. $6 no terceira ano ginasial! E a propésita, eu ‘queria dizer a voces uma coisa muito seria, Mas muito sénia ‘masmo. Ey notei que até agora ninguém se acusau de ter al: tado © barbantinho cheiroso! Nao pensem vooés que eu jd me esqueci daguila. Enquanto voeés comiam a merenda D. Margarida passou mal na sala do Diretor! D. Margarida tossiu engasgou e vomitou na presenca do Diretor. D. Margarida ‘quase morreu por causa da molecagem de um vnico mau ‘elomento. Vacés todos fagam um exame de consciénela, Eu ‘quero que 0 culpado espantaneamente se levante @ suba a0 ‘quadro-verde para se acusar. Vocés precisam aprender a so acusar quando fizerom uma coisa dessa gravidade, Fagam todos um exame de consciéncia. (pausa) Bom. D. Margarida 1ndo quer ter que insistir nesse ponta, D, Margarida deixa isso 40 critério de voces. Bem. vamos a0 que interessa, {D. Mar- arida volta-se para um pequeno cortinado que fo! posto no palco durante o intervalo e, puxando a cortina, descobre um ‘esqualeto humana em tamanho natural dos que se usam nas aulas de anatornia) Aqui esté a nossa caveiral Um dia no futu- ro cada um de yooés serd exatamente assim. Sé que ninguém val ver vocés porque vacés vio estar enterrados. E 6 por isso mesmo, dada essa impossiblidade de nos ver-nos a nds mes ‘mos e aos nossos amigos como exqueletos, que ga instituiu 2 cigncia desea. Antes de mais nada o que vem a ser 030? Ossos so as partes duras do corpo humano, O que no quer dizer que tudo 0 que soja duro, suceptivel de ficar duro, seja necessdriamente o3s0. E preciso ler sempre em mente o fato de que em medicina todas as regras $40 confirmadas por umerosas excegéés. Por exempla’ no principio todas as 38 36 eram molas. O ambrido au fe10 ¥ essencialmente uma jsa mole. (faz uma cara de nojo) Canforme vai ticando mais dinho vai ficando mais durinho @ assim por diante. Vai jndo cada vez mais duro com o passer da tempa. Essa no: io das partes duras © moles do corpo human ¢ uma das is importantes em biologia. Vocds prestem bem atengdo ppalavras de D. Margarida. A cavers humana se divide em partes: cabega, ronca # membras. Agora D. Margarida fgunia qual dessas trés partes seria 8 mais importante? ria cabeca? Mas pensem que uma cabega nunca poderia sozinha. Seria o trance? Hein? Ou nao seriam os mem- ? Vacés séo mesmo burrinhos, néo 6? Considerando 0 unto do ser humano nem a cabega, nem 9 tronco, nem smo os membros tém nenhuma imporncia, subitamen "angada) Nao valem nada! A cabega. o vonco © os mem 3s nenhurn dos trés vale droga nenhuma! Vocés parece que fa tem critério! Vocés pensam que D, Margarida esté aqui a exalar 0 corpo humano! Vacs pensam que D. Margari 6 uma epicuriana. Vooés sabem o que quer dizer epicuria ? Nao saber! Pois 6 grego. Quer dizer ‘a mulher sensual’ ymegando a se enfurecer) D. Margarids acha tudo isso ura sda. entenderam bem? E esse esqueleto também! Esse es: jeloto 6 de vacds porque D. Margarida nao tem esqueleto, Margarida nunca ficou dura! (epontando o esqueletol Vo. 5 ndo pensam quo D. Margarida se mistura com essa gen: comegando a se apslpar pars mostrar que no tem es ueleto) Viram bam? D. Margarida ndo tem esqueleto! Os fagos de D. Margarida so absolutamente flexiveis. Nao so mo os bragos de vords. D. Margarida é toda flexivall (ro Jolanda loucamenta para mostrar sua flexilidade) E arves, je eu me esqueca: D. Margarida fazioga. D. Margarida sabe 198. E D. Margarida um desses dias vai dar a voces uma aula fe levitacdo, D. Margarida levita, D. Margarida sabe. D. largarida pode subir no instante em que ela quizer. {aponta F2 0 teto} Vocés pensam que D, Margarida ¢ so teoria..D. 39 Margarida pratica, 0. Margarida conhece as vibragées a5 po. eres do corpo assim como as vibragées e os poderes da mente, Vocés sabem 0 que € ‘sensitwity traming’? Também rndo saber! Pois D. Margarida & especialista em sensitivity training! D. Margarida ndo precisa ver as coisas. D. Margari da sente. D. Margarida participa do mundo exterior. € preciso participar dos objetos qua estdo & nossa volta, D. Margarida ppasseia por um parque e sente a vivéncia do mundo vegetal. ‘Até 0 mundo mineral tem uma vivéncia. D. Margarida sente {38 padras vivas arfando na naturezal D. Margarida também compreende 0 mundo animal. D. Margarida compreende 3 lingua dos bichos. Cada bicho tem a sua vivéncia que é pre ‘iso ser compreendida, D. Margarida 6 a pioneira de um ma ‘iment inteiramente novo que vai representar um grande Da peel na histéria da humanidade. Trata-se da conscientizagao de um novo tupo de inustiga social até hoje nao suspeitado. Trata-se da mais vergonhosa e flagrante das inustigas so. ciais: aquela que é levada a cabo contra 0s nossos itmaos bichos. Com que direito nds mulheres nos consideramos superiores as outras aspécies? Nao hé nem pode haver prova Ciemtifica de que a mulher seja intinsecamente superior 30 'b01, Com que direita portanto nés maltratamos e devoramos © boi? D. Margarida é ima do boi! € preciso que cada um de nds faga uma tomada de consciéncia sobre esse problema. Nao pode haver justiga no mundo enquanto no houver total 'gualdade entre todas as especies. Umparco tom os mesmos direitos & vida que cada um de voces! Tirar a liberdade dos orcas e encarcerd-os num chiquaira Sum crime de que cada lum de nds devia se envergonhar. D. Margarida 6 vegetarians D. Margarida quer que cada um de vocés de hoje em diante se torne vegetariano num esforgo para fazer justiga, Os bi- ‘ches no querem caridade, Os bichos querem justiga, Um rato e uma barata tim o mesmo direlto de comer os all mentos des nossas casas do que nds. Um bicho de quel. que vive Unica e exclusivamente de queijo e que até mora 40 fentro do queljo. obviamente tem multo mais direita a0 aio do que uma dona de casa. D. Margarida quer que vacés facam um esforgo de conscientizagao. Quando en. rarem uma barata ou um mingongo bolande na sue Sapa Wo tenham nojo dessa barata ou desse mingongo. Mas. or ita lado. no comam a barata nem 0 mingongo. Dividam a Sopa irmamente com eles. D. Margarida tem lutado por esses Ideais. As dificuldades s80 muitas. A incampreensda é gran- fo, Hé 05 que dizem que os bichos sda inferiores por natureza ue sao incapazes de se adaptarem a nossa civlizago. N3o vordade. A ciéncia prova que todas as espécies s80 basica- jente iguais. As diferencas sdo devidas a circunstancias ex- ares. So davidas ao cima. S40 devidas aos séculos de fassio e explarag3o que os bichos vém sofrendo por parte jo homem. A diferenga, é sempre devida a alguma coisa que fe sor modificada. E 6 esse 0 grande desejo de D. Margari- ja, Modificar. Modificar tudo! Modificar 2 mente de cada umn vyocts. Oe que valeria a autoridade que D. Margarida tem jpbre voces se D. Margarida no pudesse madificar @ mente je vocés? D. Margarida molda vocés. Se D. Margarida diz ‘que vocés tem que fazer uma tomada de conscidneia é por ue vocs tém que fazer essa tomada de coasciéncis. Quer jocés queiram ou no. [comecando a se iritar) Vocés aqui ideniro tem que fazer exatamente como eu disser. Nem mais ‘nem menos. D. Margarida tem poderes para mandar qual uer um de vocés para a sala do Diretor. E a maior desgraga ue pode acontecer a um aluno de quinta série ¢ ir para a ‘ala do Diretor! S80 poucos os infelizes que D. Margarida jd Mandou para sala da Diretor, Nenhum deles voltou até hoje. . Margarida nao sabe 0 que aconteceu com eles mas D. Margarida -garante que nada de bom aconteceu. Voces esto faqui para me abedecer Vocds estdo aqui para aprender Voeés nao sabem nadal (comegando a se enfurecer) E eu No admito ter problema de disciplina nesta sala de aula. Vo [és nunca tiveram a minima educagdo! Vocds sdo incapazes a {de compreender o estorgo e 0 sacrificio de uma professora! lturioss) Vooés s30. um bando de moleques! Moleques! No {quinto ano primério @ no tém vergonha na cara. Vagabun- dos! Ignorantes! Nao saber nadia de biologial Nao recone. com o prépria esqueleto! (comega a desmantar o esqueleta violentamente. Arranca um brago. Hesita. Comega a se in- teressar pelo pedago de maneira quase erdiica, Faz mencdo {de que vai recomegar violentamente a falar mas naa diz nada Coloca 0 braga no chao e vai escolher outro pedaco. Amrasen ta uma expressao cantente, alegre, esquecendo totalmente a fina. Meruseia 0 esqueleta abstraidamienta. Faz mimica ad lia. aeabando por desttuir 0 esqueleto que se reduz a uma simples assada no chdo. Perde 0 interesse pelo esqueleto © volta para a mesinha, Senta-se. Recomega com suavidade) Por acaso tem alguém entre voces chamado Mesias? E Jesus? Tem algum Jesus? Nao? E Espirito Santo? Tem al {guém ai chamado Espirito Santo? Nao? Entéo vao todos pra puta que os pariu (grande pausal D. Margarida esta com 0 $3- ‘ca cheio de vor, €. | sei, vocds vo dizer que também es to com 0 saco cheio de D. Margarida. € isso mesmo. € que biologia 6 um saco. colegio é um saco. a vida é um seco. Vou. fscrever no quadro-verde que 6 pra vocés se lembrarem. (es: creve: a vida ¢ um sacol D. Margarida 56 deseja que essas hossas aulas sejam 0 menos penosas possivel, Para 1850 to dos voces tem que cooperar. Essa cooperagao consiste prin cipalmente em duas coisas. A primeira 6 néo reagy a nada que D. Margarida diga. Essa condiedo vocds tém preenchido perfeitamente bem. Vacés tém sida completamente passives. nada demonstrando que qualquer um de vocés fosse capaz {de produair um Unico pensamento. Bem que o Diretor tinh dito a D. Margarida que vocés eram uma boa classe, 0. Mar caida fica satisfeita. D. Margarida fica feliz A segunda coisa ecesadria nessa cooperagao é algo que D. Margarida jd abordou mas que conuém sempre lembrar. J uma ebedién cla cega a D. Margarida, Vooés aqui naa 19m diraito @ nada. a2 388 no passamn de simples alunos de D. Margarida, Vocés| uns fodolhos! Voods tem que compreender o que voces fo para poderem se comportar bem. O bom comportamento, "4 maior qualidade do menino em idade escolar. Pensem na ompenss que vocés receberiam de seus pais se fassem im comportados! E mesmo de D. Margarida. Quem sabe D. jatgorida nao daria a vocés uma aulinha de educagao sexual ‘voces se comportassem bem... Pensem sd! 0. Margarida denis abrir um pouco a blusae mostrar o8 peitas para vocas, Margarida poderia levantar a barra da sala. (sola risinhos iventes cam o puiblica} Mas tudo issa # 36 se vocés se somportarem bern. Nao hd recompensa sem dedicagdo e sa ficio. D. Margarida gostaria de poder recompensar vocés. Jo depende de vocés Quem sabe D. Margarida nao se nia @ ficaria nua na frente de vocds? Mas para isso 6 pre. iso estudar. Apronder. A materia é muita ¢ a tempo ¢ pouco jacis sao muitos e D. Margarida ¢ uma sd. D. Margarida & ica. Nao ha tempo de D. Margarida wansmitir tudo 0 que la sabe 9 voces. A biologia 4 a ciénoia de vida. Ela abrange faticamente tudo o que existe, D. Margarida acredita que, ido ¢ vivo. E esse 0 sentido da biologia de D. Margarida. E feparar vocés pra vida. O. Margarida agora yai entrar nur unto cuja importincia ndo pode ser exagerada. Voces 3d0s ouvemn falar nele todas 08 dias mas é pouco 0 que vo- conhecem de certo e de aceitdvel sobre ele. D. Margarida i falando de narcoticos. E uma ameaca que paira sobre a beca de cada um de voces. Ea maior das ameagas que pai fam sobre a cabeca de vacés. & a maior ameaga que paita so. fe 2 cabega da juventude do munda inceiro. As drogas! Mas que vorn a ser uma droga? Uma droga, maus queridos alu 105. 6 algo que destrci. E alga que mata € a calamidade gue sista em ser destruido pelos prdprios atos. € © sulciaio N10, dosado, porém seguro, No munda de hoje s droga IM duvida a maior preocupagéo de tadas a8 pais. € também fe todos 0s professores @ prolassoras. D. Margarida treme 43 ‘quando pensa nos perigos a que cada um do vocts ostd ox- posto. Ed por isso que D. Margarida deseja esclarecer voces. lluminar vac8s, Gular vocés no sentido de enfrentarem esse pperigo. Porque @ perigo, maus caros alunos, esté em toda parte. Estd em cada esquina Esté em cada botequim em que ‘yooes entram, Estd em cada banheira publica de anda vacés saem, Estd no Gribus-em que vocés entram, E esté no em de que vocés saem Esté na cidade inteira quando voces saem @ portanto no cano em que voces entram. De todas as dragas moriferas a mais mortitera ¢ a ‘canabis sativa’ Por tanto, quando qualquer de vacés encontrar uma ‘canabis sat va’ na vida de vocds, vier as costas, rejaitem essa ‘canabis, sativa’ A ‘canabis sativa’ é das drogasa que mais dano causa Porque ela leva diretamente ao uso de outras drogas precipi- tendo sua vitima no torvelinho da devassidaa e do crime. Ingerir a ‘eanabis sativa’ nas vias respiratérias 6 portanto a maior desgraca que pode acontecer na vida de uma pessoa. E quando D. Margarida diz'crogas’ nao apenas. ‘canabis sa tiva’ que estd em jogo. Existe um sem numero dessas subs tBncias malditas que seduzem o adolescente t30 somente para atir-lo no inferno do vicio e na perdigao das viciados! Elas formam o rortejo de daspraga que acompanha a'canabis satwa’ S20 08 gerivades do dpio. E a heroina, E a morfinal $820 todos 0s venenas que Deus pds na terra para por & prova, @ obedigncia do homem e da mulher. E também da crianga Porque as ctiangas nao menos que os adultos estdo hoje ‘xpastas aos perigas do vicio. D. Margarida wauxe para voces tum documentério em slides que mostra as consequéncias do vieio na vida de um estudanta, Diante dos slides que D. Mar garida vai mostrar a vocés nao poderd restar nenhuma divi 1a; vocés vo ter o retrato da tragédia. ED. Margarida faz ‘questio de responder a qualquer pergunta que ainda possa perturbar 0 espinto de voces. E a saude de vocés que esté em Jogo e portanto ¢ a vida de vocés que estd em jogo. Voces n8o hesitam em interromper 0. Margarida e fazer suas perqun 44 128. D. Margarida respanderé a rodas as perguntas por mais jabaces que elas sejam. D. Margarida vai preparar a méqu' 2 direninho para moswar a vocés. Iprepara a maquina de lide, coloca um lengol branco sobre o quadro-negro sempre izendo pequenas coisas ad lib enquanto preparal Muito mm. Essa série de slidas visa a mostrar a progressao que 0 cio da ‘canabis sativa’ tem na vida de um adolescent. (liga, Brimeiro slide que apresenta 0 protstipa do ‘all American louro ¢ incrivaimente saudévell Aqui esta, como voces lum jovern saudével, sadio, na flor da idade. Esse jovem 86 0 dia em que essa foto foi tada tinh levado uma vida iz & saudavel. vendendo sauide, estudando @ brincando ale- yemente entre seus companheiros. Ele levava uma vida vir- 10sa, uma vida cristd. Sdbrio nos divertimentos @ moderado 12 Punheta. Até que um belo dia, por curiosidade, para nao f diferente dos demais, esse joven fumou um eigarro de canabis sativa’. (roca o slide sam olhar para a tela © aparece mesmo Jovem, de terno. numa festa, tomando sofisticada yente uma dose de uisque] Foio comego do fim! O cigarra de Ccanabis sativa’ no principio nao fez nanhum efeita, Dias de ois © nosso inexperiente herd, incitado pelos amigos. fumou im sequndo cigarro de ‘canabis sativa‘. trocao slide uma vez, Mais sem olhar para a tela @ aparece o mesmo jovam numa, "mesa de bar numa cena de moderada bebedeirs | Dessa veza “eanabis setiva’ fez efeito! € e's consumada a tragédia cease dolescente que era saudvel e feliz, Da proxima vez jd nao Fa Nem na rounido nem na festa que ale fumava a ‘canabis, tva’ (roca o side @ aparece © mesmo jovem bebenda uma jattafa de cachaca pelo gargalo em seu quarto de dormir| Era, Rasolid3o dosperdidos pelo vicia que ele agora lumava a ‘ca- Mabis sativa’! Sozmho no quarto com a droga que foi a sua erdicdo! € esse, meus querides alunos. 0 destino daqueles ue se dexam seduzir polas drogas. E um abismo sem fundo, ‘que leva rapidamente a0 enfiaquecimenta e 4 morte. (troca 0 ‘slide sempre sem olhar e aparece o mesmo jovern, em coma, 45 no chao do quarto cercado de gatralas vazias) D. Margarida quer que cada um de vocds faga um vato sincero, mais do que sso, D. Margarida quer que cada um de vocés prometa a D. Margarida nunca se denar acorrentar por vicio de nenhu: ma especie. E preciso que vocés estejam prevenidos porque ‘mal da ‘canabis sativa’ ver de dentro para fora iperempto- ria) Comeca no pufmdo: D. Margarida agora vai mostrar avo- 083.0 que é um pulmo sadio {troca 0 slide e aparece a radio grafia de um pulmao normal) Vejam a beleza desse pulmao. Claro! Limpido! Cristalino! Qual de vacés nao gostaria de ter lum pulmao assim? Agora D. Margarida vai mostrar a vocés © ‘que ds efeitos da ‘canabis sativa’ podem fazerno pulméo.Ve- Jam este outro pulmdo inteiramente afetado pela droga, (tro (ca 0 slide e aparece exatamente o mesmo pulmao) Vejam 0 estado deploravel desse pulmao! Veja a crateral Olha sd a craterall! [rina com gosto} ina sé as manchas envenens- das, as partes em decomposigaol Viram adilerenga? Olhem s6 © pulinao sadio; {roca para o slide precedente) ¢ 0 pulmao afetade pela ‘canabis sativa’. roca para o segundo slide) & luma diferengs do dia para a noite, D. Margarida quer que cada um de vocss tenha plena cansciéncia desses perigos. De todas essas vivincias. Iguardando 8 méquina de slides fic) E para isso que existe a escola. E para isso que existe D. Margarida. Essa 6 a verdadera tungo da mesira. (aubite ‘mente com rawa) Esculhambar os alunos! (outra vez ealma) Mas essa conscientizago dos protessores no que cancerne a ‘organiza’ a vida privada dos alunos 6 uma coisa relativamente recente. Nao pensom vooés que jd era assim no tempo de D. Margarida. Ah, como as coisas mudaram! Eo progresso de senfreado do nosso pals. E 0 gigante adormecido que se le vanta, No tempo de D. Margarida as protessoras eram pura mente tedricas. Elas pensavam que sa podiam transmitir co nhecimentos @ experiéncias por meio de palavras. Gracas 2 Deus hoje tudo mudou... Naquela epoca as professoras ndo sabiam dar assisténcia psicoldgica a seus alunos justamente 46 quando eles mals precisavam, D. Margarida mesma foi um 060 vitima desse tipo de fata de orientagio, D. Margarida lambém é humana. D. Margarida erra, D. Margarida também 9 estudante priméria como qualquer umm de voces é hoje. Margarida teve todos os problemas que vecés tém hoje. “Margarida nunca ha de se esquecer de um grande problema, na vida de D. Margarida. Uma grande fase, D. Margarida tinha uma coleguinha no curso primadrio. Ela também se cha- mava Margarida. Era fanchona. Um belo dia ela comacou a dar em cima de D, Margarida. D. Margarida ficou muito preo- @upada. D. Margarida ficou muito perturbada. A menina Mar- ‘garida gostava de D. Margarida A menina Margaridé queria tirar um sarro com D. Margarida. D, Margarida ficou muito Preocupada, D. Margarida ficou muito perturbada. A menina Margarida licava airs de D. Margarida ne patio do colegio ‘pa hora de cantar 0 hino nacional. Ela ficava bem perto de D. Margarida, A menina Margarida se encostava em D. Marga: ida. A menina Margarida gastava de D. Margarida! Vocés ‘Compreendem bem? A menina Margarida fazia carinho em Margarida, € quando chogava ahora de cantar 0 ino nacional ‘aimenina Margarida em vez de cantar: (canta). do que a terra mais garrida teus risonhos lindos campos tém mais flores ‘a cantava baxinho no ouvido de D. Margarida: (canta bav« ho}... do que a terra, Margarida, teus risanhos lndos campos ém mais flores...@ 0 caraiho a quatro. D. Margarida ticava Dpreocupads. D. Margarida ficava perturbada. Hoje em dia na da disso poderia acontecer. Hoje em dia faz parte da fungSo da Professora orientar seus alunose suasalunas no sentido dare- {ido moral assim como da retidao intelectual. E para isso que existe protessora E para isso que existe D. Margarida, € para, Drientar.€ pars luminar. € para preparar.€ para moldar A per: Sonslidade de vocés é como um pedago informe de massa ara modelar. Ela pode tomar qualquer forma nas maos de D. Margarida, Vocés ainds nao tém personalidade formada Vocés vo melhorando aos pauguinhos. Tudo tem que ir va- 4a jgarosamente. Aos pouquinhos. Se voc8s se esforcarem todos passardo no exame de admissao. No ano que vem todos esta +a no curso ginasial. Os horizontes vo se alargando. AAs ex ppariGncias vo se acumulando, Mas para isso 6 preciso voces seguirem & risca as instrugées de D. Margarida. Voces esto ‘aqui para isso. Voo8s pagart para isso. O que diriao papal @ 2 mamae de cada um dé vocés se D. Margarida néo fizesse vacés abedecerem? Lembrem-se sempre da quadrinha: uals si 05 que merecem? $30 aqueles que obedecem! Yocés tém que compreender que voces aqui ndo tém voz ‘awa. Vocés aqui esto nas mos de D. Margarida. Vacés ‘aqui ndo participam de nada. Mas ¢ claro que vocés tém que pagar. S80 todos obrigados a pagar. Tém todas que apresen: tar suas cadernetinhas escolares a0 porteita. {comecando a se irrtar) Vocés aqui nda mandam nada, € como se vocts no existissem. 0. Margarida no dé permissia para que nada seja feito sem permissdo, D. Margarida nda deixa nada Nao pode isso. nao pode aquilo. néo pode nada! E ai de ‘quem nao gostar! D. Margarida no tem contemplagio para ‘com 05 desobedientes. D. Margarida nao tem pena. D. Mar {garida nao tem a6 nem piedade. Nem d6, nem piedade. D. Margarida manda todos pra sala do Direior. € ai de quem vai pra sala do Diretor! (comecando a se enfurecer] Onde é que vyocés pensam que esto? Numa casa de sacanagem? Estio muito enganados! Ai daquele que pensar uma coisa dessas! ‘Quero muito respeito dentro dessa salal Vocés s0.um bando de moleques! (furiosa) Vocés pensam que vao fazer 0 que querem de D. Margarida! Esto muito enganadas! Vocés 50 pensam em sacanagem! Moleques! Vagabundos! Celerados! \Vocés aprendem debaixo de porradal Tao pensando que v3o ter aula de educagao sexual, ndo 6? Querem ver D. Margarida com tudo de foral Eu enfio esse esqueleto na bunda do pri meiro que se atrever! € siléncio! (urrando) SILENCIO!! V3o todos pra puta que os pariu! Essa aula de biologia ¢ uma merda! Esta escola é uma merda! Vacés so uma merda! 48, fando pausa) E nos Estados Unidos 6 tudo a mesma merda! fande pause) (suave) D. Margarida nao quer ser dura corm 688. D. Margarida nao quer humilhar vocés 0. Margarida td aqui para ajudar voods, Auxiliar voods. D. Margarida so er a felicidade de voc’s D. Margarida gosta de voces, jagas) E vocds gostam de D. Margarida. D. Margarida sabe Jue ha muitas coisas que vooés gostariam de dizer @ que sd Bo dizem porque so passives. (com carinho piegas) Porque. 330 todos impotentes. D. Margarida sabe disso. D. Margarida mpreende isso. Voces nunca vo dizer nada, Vocés vo 8 morrer sem dizer nada D. Margarida sabe disso. D. Mar. rida compreende isso. (ainda mais ternal D. Margarida quer judar vocés a no dizerem nada. Ajudar vocés a no terem jada de prdprio para dizer. E assim que D. Margarida prepara, joces para 2 vida, Poraua na vida ninguém diz nada. Nin- usm tom nada de prdprio para dizer. Vocts naa devem ficar ssentidos quando D. Margarida ralha com vocés. Sd assim Que vocés compreendam averdadaira esséncia dasligdes de Margarida, A zanga de D. Margarida com vacés déi mais gm D. Margarida que em vocés proprios. D. Margarida ensina jocés 3 serem completamente inexpressivos. (com imensa jandura)_D. Margarida é uma segunda mae para voces. incri jelmerte meiga) 0. Margarida quer vocés todos mpotentes Margarida ¢ uma segunda mapzinha de vocés. D. Marga ida quer que voces coonerem com D. Margarida, Que vacés rabathm com sla. S6 assim nds poderomos atingit © rendi Imanto necessério para poder passar no exame de admissio. Margarida coopera com vocés. Vocés cagperam com D. largarida, Vocés precisam ratleti bem sobre a importéncia fesse exame. Vocés deveriam iremer diante do exame de sdmissdo. Ea entrada de vacds na curso ginasial que esté em J090.E lembrem-se: quem ndo entra no curso ginasial jamais “poderd entrar no curso colegial. E quem nao entra no curso. “colegial jamais poderd entrar no curse superior. E quem nao ftra no curso superior jamais entrard no curso de pds-ora- 49